História Quero ficar... - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Orgulho e Paixão
Personagens Aurélio Cavalcante, Julieta Sampaio Bittencourt "Rainha do Café"
Tags Aurélio Cavalcanti, Aurieta, Julieta Bittencourt, Orgulho, Paixão
Visualizações 453
Palavras 1.782
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Capitulo único


Quero ficar...
Já era tarde da noite quando Aurélio escutou a batida na sua porta. Ainda não tinha se deitado, estava pensando em Julieta, no que já tinham vivido juntos, nos beijos trocados, nas sensações que despertavam mutuamente... Em tão pouco tempo juntos e já não conseguia ver sua vida sem ela. Ao abrir a porta tamanha foi a sua surpresa ao ver Julieta ali parada.
A: Julieta?! - Então ele percebeu o estado dela, os olhos vermelhos e inchados - O que houve? Por que esteve chorando? - Aurélio leva sua mão ao encontro do rosto dela, mas ela se afasta.
J: Eu... eu não deveria ter vindo aqui... - Julieta dá meia volta, mas antes que de mais algum passo, um braço rodea sua cintura e ela sente uma parede firme de encontro a suas costas. 
A: Não vou deixar que se afaste de mim nesse estado - Aurélio sussurra em seu ouvido.
Julieta, deixando-se levar por suas emoções, vira-se de frente e se acomoda naquele abraço permitindo que as lágrimas a dominassem novamente. Aurélio a aperta com força sentindo-a tremer em seus braços devido aos soluços. Dói vê-la chorar daquele jeito, queria poder tirar todo esse sofrimento do coração dela, se possível fosse a afastaria de toda a dor que ela carrega dentro de si. Mas naquele momento só pode abraça-la e por meio desse abraço dizer que a ama e que está junto dela. Julieta se sente segura entre aqueles braços, sente-se reconfortada, sente-se amada, mas isso também a assusta e aos poucos o choro vai diminuindo e ela se afasta um pouco de Aurélio.
J: Peço que me perdoe, não deveria ter vindo aqui incomodá-lo.
Aurélio não a deixa se afastar por completo, mantém suas mão na cintura dela.
A: Você não me incomoda Julieta. Sabe que pode confiar em mim, que sempre estarei do seu lado. Foi Camilo outra vez? - ele pergunta suavemente e vê uma lágrima silenciosa rolar pelo rosto dela.
J: Sim! 
Ela sussurra e um soluço escapa dos seus lábios. Julieta respira profundamente e tenta não chorar novamente. Ela consegue se soltar de Aurélio e sem pensar entra no quarto dele. Aurélio entra também e após fechar a porta vê que ela está de costas para ele.
J: Eu fiz coisas horríveis ao meu filho, Aurélio. E... e agora ele nunca mais vai me perdoar...
Aurélio se aproxima de Julieta, pensa em tocá-la, mas desiste, talvez se não a tocar ela possa falar e colocar tudo o que a aflige para fora.
J: Eu fui má! - ela fala desdenhando a si mesma - Eu me arrependo tanto, tanto... mas meu arrependimento não vai trazer meu filho de volta... - a voz dela se quebra e ela se volta para ele - Sou uma mulher horrível, Aurélio...
Indo de encontro a ela, Aurélio impede ela de continuar a se machucar com as próprias palavras.
A: Não diga isso Julieta! Isso não é verdade meu amor... - ele segura o rosto dela entre as mão, impedindo-a de se afastar ou de virar o olhar - Você é uma mulher forte, guerreira, intensa, linda, digna de admiração e amor... - ela tenta abaixar o rosto, mas ele não deixa - Se errou antes, foi por amor ao seu filho. Seu arrependimento mostra o quanto você mudou... Já está feito! Não pode mudar o passado, mas pode reverter isso no futuro.
J: Eu não mereço você! - Ela sussurra. - Não mereço seus sentimentos por mim...
A: Não se equivoque! Claro que merece. Nos merecemos, Julieta. Ainda não percebeu que despertamos o melhor um do outro? - Ele fica feliz ao ver um meio sorriso nos lábios dela, sinal de que sua “provocação” está dando resultado.
O sofrimento continua em seu peito, mas diminui com o conforto proporcionado pelas palavras daquele homem e pelo carinho daqueles olhos.  
J: Convencido o senhor, senhor Aurélio! Está dizendo que é responsável por minhas mudanças nos últimos tempos?  - Julieta fala em um tom sério, mas a Aurélio não passa despercebido o sorriso no olhar dela.
Ela consegue se soltar das mãos dele e se dirige a porta do quarto, ela quer fugir novamente, porque é nisso que ela pensa, não confia em si mesma para permanecer junto de Aurélio, em seu quarto, tão próximos, mas antes que consiga abrir a porta, ouve as palavras dele impedindo-a de continuar.
A: Eu sou um homem melhor hoje, por você Julieta. E quero continuar assim, porque quero ser digno da sua estima, da sua confiança... quero merecer o seu amor... - nesse momento ela vira para ele e se perde naqueles olhos azuis, aproxima-se lentamente e toca em seu rosto.
J: Acabou de dizer que nos merecemos, está se contradizendo... - ela fala baixinho - devo admitir que você desperta coisas boas em mim só por acreditar que posso ser melhor, por confiar a mim seus sentimentos... eu nunca despertei esses sentimentos em alguém Aurélio, e isso me dá medo e me assusta me sentir assim, minha primeira reação é se afastar, mas... não posso negar que quando estou em seus braços me permito acreditar, me permito confiar - Aurélio escuta suas palavras em silencio mas com o coração cheio de alegria - Se pudesse ter escolhido um homem para amar e para deixar me amar, esse homem seria você...
Novamente Julieta se afasta, agora precisa sair daquele quarto, precisa fugir para não se entregar totalmente, embora deseje o toque e os lábios de Aurélio, ainda não se sente pronta. Aurélio sentindo que a está perdendo novamente a segura pela mão.
A: Não pode me dizer essas palavras e me deixar. Eu amo você, Julieta, e quisera eu ter te encontrado antes, mas podemos começar uma história agora, a nossa história. 
Aurélio então se aproxima e captura seus lábios em um beijo carregado de amor, que faz com que lágrimas de emoção escapem dos olhos da rainha do café. Ao sentir a humidade ele interrompe o beijo, mas ao olhar para ela, fica hipnotizado com o que vê e por um instante seu coração para em expectativa.
J: Eu amo você, Aurélio... e serei uma tola se continuar a negar o que pede meu coração, o que deseja meu corpo... - é a vez dela o puxar para um beijo. Aurélio a aperta mais contra si e ela desce as mãos que agarravam os cabelos dele e o enlaça pelo pescoço.
O beijo de suave passa a ser intenso, os toques começam a ficar desesperados e o desejo explode entre os dois. 
A: Você tem certeza? - mais uma vez ele interrompe o beijo, dessa vez pela preocupação de estar ultrapassando os limites impostos por ela. Julieta abre os olhos, enevoados pela paixão, e sorri para Aurélio.
J: Quero ficar aqui. Quero estar em seus braços. Quero que me ame, que apague de minha memória minhas infelicidades, minhas amarguras. Quero que dissipe com seus beijos os meus medos. Que que cada toque seu leve para longe minhas dores, meus fantasmas. Quero ser sua, Aurélio. Faça-me sua e deixe-me ficar e te fazer meu.
A: Eu já sou seu, meu amor...
J: Meu amor...
Os movimentos se tornam lentos como se quisessem aproveitar cada sensação, cada respiração, cada suspiro um do outro. Aurélio a faz virar de costas, depois de encostar seus lábios no pescoço dela e a sentir se arrepiar, ele começa a abrir seu vestido, devagar... Por baixo ela usa uma combinação de seda preta que o deixa encantado pela delicadeza. Mais um dos segredos de sua Julieta! Ao sentir o vestido cair aos seus pés, Julieta se vira para ele novamente e leva as mãos aos botões da camisa que ele usava, abrindo-os um por um, sem tirar o os olhos dos dele. As respirações começam a ficar agitadas, fica difícil manter a lentidão e antes que ela termine ele a pega no colo e a leva para a cama, pondo-se sobre ela. Aurélio lhe beija os olhos fechados, as bochechas, o nariz, por fim a boca, e sente o quanto ela está entregue. Faz o possível para não se apressar, ela merece delicadeza, paciência...merece sentir em cada toque dele o amor que ele sente. 
Julieta, por sua vez, sente. Está inebriada por cada carícia, pelo calor que percorre seu corpo, pelo caminho quente que Aurélio traça ao tocá-la com suas mão e lábios, pela deliciosa sensação que lhe é nova, que lhe é doce, que preenche seu coração. Suas mãos o apertam com força num reflexo da paixão que sente, da intensidade de suas sensações e sentimentos. Julieta tenta desesperadamente entregar seu amor a Aurélio em seus beijos e carícias.
Aurélio se afasta para tirar o restante de suas roupas e a vê abrir os olhos confusos. Ela não esperava a solidão que sentiu ao não o ter sobre si e abriu os olhos procurando por ele, achando que ele começava a se arrepender, mas o que viu não foi arrependimento, foi amor, foi desejo. Tanto desejo que faziam os olhos dele brilharem ainda mais. Já não existia mais a Senhora Julieta Bittencourt, a Rainha do Café havia ficado da porta para fora.
A: Minha Rainha... - ele volta a se aproximar quando ela estica os braços num convite silencioso.
Os dois já não se seguram mais. Nada os impede de intensificar cada beijo, cada toque, cada investida. Aurélio tira a combinação dela tão rápido que quando Julieta se dá conta, está nua perante ele e antes que pudesse sentir qualquer pudor, o filho do Barão, rouba seu fôlego com beijos que lhe atingem a alma. Aurélio é generoso, não deixa uma parte do corpo dela sem o toque de seus lábios, leva-a a loucura e delírio com o caminho húmido e quente que trilha por aquele corpo que se entrega a ele em total rendição. Ele se sente o homem mais feliz do mundo por tê-la em seus braços, por ela ter permitido se entregar, por confiar a ele seu corpo, seu coração e seu amor. 
A: Abra os olhos para mim - ele sussurra em seu ouvido
Quando ela o faz, Aurélio a preenche lentamente, devagar, provocando um prazer imenso em ambos. Tanto prazer que faz Julieta suspirar por puro deleite, nesse momento ele volta a beijá-la engolindo seus gemidos. A sensação é tão maravilhosa que Julieta se deixa voar. As investidas de Aurélio são fortes, mas lentas, levando-os juntos à explosão. Julieta sente-se cair, ofegante, saciada, feliz, abraçando seu amor fortemente ela sorri satisfeita.
J: Isso foi maravilhoso... - ela sussurra ao ouvido dele, fazendo-o levantar o rosto do pescoço dela com um sorriso travesso nos lábios.
A: Esse foi só o começo, meu amor...  

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...