História Quinta-feira 12 - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sexta-Feira 13
Tags Horror, Jason, Originais, Sexo, Sexta-feira 13, Suspense, Terror
Visualizações 151
Palavras 813
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Suspense, Terror e Horror
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


era pra eu ter postado mais cedo mas não deu, faz de conta que ainda é quinta
óbvio que em plena véspera de sexta feira treze, uma data tão rara, eu não poderia deixar de homenagear uma das minhas franquias favoritas de filme slasher com uma one bizarra, enfim, boa leitura

Capítulo 1 - ;quase sexta


Fanfic / Fanfiction Quinta-feira 12 - Capítulo 1 - ;quase sexta

Sob a luz da lua de uma noite quente, entre as árvores do acampamento, o casal de monitores se perdia nos próprios braços. O garoto cabeludo, no ápice de seus dezoito anos, empurrava a menina de estatura baixa e fios dourados contra o tronco sólido; os lábios desesperados comiam-se de forma selvagem provocando ruídos consideravelmente excitantes aos participantes. Não demorou até que a mão ossuda do rapaz deslizasse para o zíper do short da moça, abrindo-o com admirável rapidez e voltando para apertar a carne de sua cintura por debaixo da camiseta; o uniforme de Crystal Lake Camp nunca havia sido um obstáculo tão difícil de tirar quanto naquele momento, destarte, decidiram por remover apenas as peças principais. Escondidos dos olhos das crianças, o casal se encolhia entre a flora buscando encontrar a posição mais confortável: ela de costas, apoiando o peso num galho resistente, sentindo as mãos do garoto apalparem seu corpo inteiro, no mesmo momento em que ele se preparava para traçá-la como um animal. Disfarçou com louvor a cara de dor quando ele passou a investir sem aviso prévio, de jeito selvagem e um pouco egoísta. Pensou em contar que ainda era virgem, pedir um pouco de calma nas ações mas se ele soubesse talvez perdesse o tesão; sabe o que dizem: garotas virgens em plenos anos oitenta, que piada! Sendo assim optou por atuar fazendo cara de quem gostava como se aquilo fosse o ato mais prazeroso de sua vida, rezando interiormente para que não escorresse sangue ou, ao menos, que o rapaz não percebesse o rompimento do hímen. Que sorte, refletiu, poder finalmente monitorar o acampamento com o garoto dos seus sonhos, não importava se ele queria apenas transar e esquece-la após a colônia de férias, era sua primeira vez e mesmo sendo no meio do mato, ainda era especial apenas por ser com ele.

Porém, não se deram conta que as crianças que deveriam estar sendo supervisionadas riam alto fazendo rodinha enquanto jogavam um corpo de 1,58 para os lados. "Batata-quente-quente-quente...". Posicionadas na beira da ponte, acima do lago fundo, caçoavam de um menino deformado, dono de uma cabeça careca, ligeiramente maior que o normal. Cuspiam sem piedade na face do abobado, zombando da aparência bizarra ao perceberem que seu olho esquerdo nasceu na altura das bochechas e os dentes cresceram totalmente separados, para fora da boca. A pele desidratada, pálida e superficialmente machucada do deficiente assustado sangrava em resposta aos socos que recebia ritmicamente. Que infortúnio: o idiota não parava de gritar.

Ate que finalmente caiu com o rosto medonho de encontro a madeira da ponte, gerando risos nos agressores. Apostando para ver quem era mais forte, passaram a dar pontapés para que a aberração caísse no lago, claro, apenas de brincadeirinha.

Retardado — gritavam os mais ousados — seu lugar é nas profundezas do inferno!

A mãe do garoto permanecia ocupada em demasia preparando as refeições noturnas dos campistas. Estava confiante nas habilidades de escoteiro do casal monitor, ademais eram apenas crianças, não dariam tanto trabalho assim. Mal havia saído da cozinha desde que chegaram naquela manhã, atarefada com tantos cardápios que, descansar naquele verão seria um ato de grande regalia. Seu filho, portador de necessidades especiais, não pôde ficar com a babá que também passaria férias num acampamento ao norte de Nova Iorque, desse modo a única solução fora trazer o menino pra dividir os metros quadrados com outros de sua idade. Ele deveria ser aceito, nem era tão estranho assim e também, crianças não são tão preconceituosas esteticamente quanto os adultos. Ora essa, era o ápice dos anos oitenta, o ideal de beleza deveria ser um termo falido pois a mente humana sempre evolui, certo?

Com um estalo doloroso o garoto caiu no lago. O único barulho que se ouviu por ali eram ruídos de braços desesperados tentando manter o resto do corpo pesado na superfície; a pequena multidão de garotos apenas observava com mistura de medo e esplendor, achavam engraçado ver o retardado se afogar nas águas escuras de Crystal Lake. Neste instante o casal de monitores surgiu no início da ponte após o sexo apertadinho, estranhando a quietude que pairou na atmosfera e o muro de estruturas infantis assistindo algo água adentro. A única função que tinham era cuidar daqueles pirralhos, dar a eles qualquer brincadeira idiota para passar o tempo e nem isso foram capazes de fazer.

Se ele não está mais aqui, se está adormecido na imensidão de uma penumbra, afogado sem pena nem chance de reagir, a culpa é inteiramente de vocês. Um ano se passou no entanto minha dor permanece a mesma. Para mim é como se todo dia Jason morresse novamente, pois todo maldito dia eu sinto sua falta. Fui a mãe que ele precisou e hoje não sou mais nada. Vocês me tiraram tudo.

Todavia já é quinta feira 12, quase sexta. Não cuidaram do meu menino, agora eu vim buscá-los.


Notas Finais


pra quem nao assistiu o primeiro filme de sexta feira treze vim informar que quem mata a galera não é o jason não, e sim a mamae top e esquizofrênica pamela voorhees, minha propria mae tambem

obrigada essize


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...