História R e d B o o k (Imagine Nanmin) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Got7
Personagens BamBam, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Jackson, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jinyoung, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Seungri, T.O.P, Taeyang, Youngjae, Yugyeom
Tags Nanmin
Visualizações 19
Palavras 435
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - II



           P.O.V. Kim Namjoon

Três dias depois do acidente

Ando corpulento pelas ruas. Não posso me apressar, será a última vez em que caminho por aqui. Observo cada detalhe ao meu redor, cada casa, cada cor, cada pessoa, cada voz.

Vou sentir saudades desse lugar. Não das pessoas, mas, dos lugares. Eu gosto daqui. Gosto do lugar em que nasci. Mesmo sendo perigoso, mesmo sendo um ponto de drogas, mesmo sempre presente uma ou duas viaturas vagueando, mesmo tendo pessoas cheirando a maconha, mesmo apanhando quase todos os dias, mesmo morrendo adolescentes de quinze ou dezesseis anos, diariamente. Mesmo sendo um viciado. 

É louco dizer que, odeio fumar e beber. Mas, faz parte de mim. Não posso largar isso. Não posso deixar como se nada disso fosse parte da minha vida. A única pessoa que me faria isso, era minha mãe. Ela morreu há seis anos. Se não fosse por ela, não teria comida, não teria saúde, não teria força, talvez nem fosse alfabetizado. Não teria vida.

Meu pai, um traficante, fugitivo e viciado. Denunciei ele pra Polícia ano passado. Ele recebeu cinco anos de prisão. Não sei como vai ser quando ele sair de lá. Talvez tente me matar. Talvez me mate. 

Mas, não. Vou evitar que isso aconteça. Cheguei onde eu queria. Cheguei, em cima de uma ponte.

Oh, como o mar é belo! Como é, profundo e...azul.

O mar não merecia. Não merecia receber alguém tão podre como eu. Mas, ele está de braços abertos. Me esperando. Preciso ir.

Retiro um cigarro do bolso da minha calça Jeans rasgada. Acendo e fumo. O último cigarro. As últimas tragadas. As últimas baforadas de fumaça cinzenta. A última inalação do cheiro nojento da Nicotina.

Em seguida, tiro um frasco de vodka. Bebo uns três goles. Os últimos. Os últimos arrepios nos lábios. O último gosto amargo. O último ardor na língua. O último cuspir de saliva. 

Jogo o cigarro no mar. Após o frasco. Uma onda surge como forma de reprovação.

Acostume-se! -digo.

Me sinto culpado. Mesmo. O mar não merece. Mas não tenho opções.

Chegou a hora da contagem. Um número após o outro. Até três. O três é o número decisivo. O três é o "já." o três é meu pulo.

Antes de contar, dou uma breve olhada pelo lugar. A última olhada.

Algo no chão, chama minha atenção. Algo retangular, vermelho. 

Um livro?

Caminho em poucos e lentos passos até ele. Red. O título do livro.

Talvez eu possa ler o último livro antes de morrer. Ou talvez eu não morra. Talvez o mar possa esperar. Talvez possa fechar os braços por um momento.

Retiro o livro do solo. Caminho em direção a minha casa.

Red.

Talvez eu deva esperar.


Continua...







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...