1. Spirit Fanfics >
  2. R u mine? - cellan - mitw >
  3. Cinco segundos de coragem insana

História R u mine? - cellan - mitw - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


escrevi esse capítulo ouvindo BTS e a playlist da série euphoria

foi louco HAKAKAJAKAJA

desculpa demorar pra atualizar, eu ultimamente não ando bem e aí isso dificulta escrever, até porque eu gosto de passar sentimentos na escrita. enfim
Boa leitura!

Capítulo 2 - Cinco segundos de coragem insana


Fanfic / Fanfiction R u mine? - cellan - mitw - Capítulo 2 - Cinco segundos de coragem insana

Tarik estava se sentindo como um bobo apaixonado. Durante todo o caminho com os amigos se manteve em silêncio, a mente longe demais para que conseguisse prestar atenção na conversa que rolava. A curiosidade lhe rondava a mente, tudo o que conseguia pensar era em quem era a pessoa que escreveu o bilhete. Mentiria se não dissesse que inúmeros rostos diferentes passaram por sua cabeça. Menos quem realmente queria.


Não namorava fazia algum tempo, desde o término do último namoro evitava pensar nisso. Sabia que se namorasse qualquer pessoa que não fosse quem dominava-lhe os sonhos, não daria certo. Enrolava por alguns meses até ouvir dele/a/u que não tinha sentido continuar algo sendo que não estava amando. Tarik nunca discutiu ou relutou porque era verdade. Era uma maneira de tentar esquecer sua paixãozinha. Mas aquilo estava perdurando demais.


Sempre teve uma queda por Mikhael, talvez fosse desde criança quando ele cuidava de seus machucados, ou quando eles juntavam dinheiro para comprar besteiras mesmo que sua mãe gritasse que não poderia comer doces antes de jantar. Ele tinha se apaixonado por detalhes pequenos ao passar do tempo, e, bem, estava confortável em sua bolha com o sentimento recluso. Nunca viu o garoto assumir um namoro sério, aliás, ficadas eram raras também. Talvez ele só não tivesse interesse em ninguém.


— Terra chamando Pac, terra chamando Pac! — Mikhael balançou a mão em sua frente, fazendo-lhe piscar rapidamente. — Tudo bem?


— Hm? Sim, está, claro — riu quase nervoso e assentiu. — O que foi?


— Ele perguntou se você não quer passar a tarde na casa dele — Alan intrometeu-se, ele empurrava Rafael para longe quando este tentava lhe abraçar.


— Vocês vão também?


— Não, tenho que ajudar minha mãe — Rafael disse e suspirou, bagunçando os cabelos.


— Não dá, preciso levar minha gata no veterinário, mas se vocês quiserem me acompanhar.


— Uh, talvez — Mikhael deu de ombros e olhou para Tarik.


— Então vou 'pra sua casa e depois a gente sai com o Alan? — indagou, recebendo acenos positivos.


— Eu vou ser o único excluído do rolê, não gostei.


Os três riram em conjunto da cara emburrada que Cellbit fez.


(...)


Estar no mesmo cômodo com Mikhael, sozinho, deixou de ser um problema fazia alguns anos. Não existia mais um nervosismo de fazer alguma coisa errada e ele lhe julgar, até porque eram melhores amigos, isso era idiota.


Relaxou na cadeira do computador, olhando para a tela que exibia alguma capa de álbum no spotify. Tocava Knee Socks do Arctic Monkeys. Riu de modo bobo ao lembrar do bilhete. Quem sabe agora não se apaixonava de verdade? Se bem que se apaixonar por ume estranhe sem saber seu rosto era complicado e, no mínimo, perigoso.


— E essa cara de idiota aí? — Mike entrou no quarto com uma bandeja na mão, fechando a porta com o pé.


— Idiota é você — revirou os olhos, levantando-se e pegando a bandeja.


Tinha sanduíches e refrigerante. Geralmente quando se reuniam sempre marcavam de maratonar alguma série, no entanto nenhum dos dois parecia estar afim. Sentaram-se na cama e se encaram, apenas com a música de fundo, quando ela acabou e foi para R u Mine?, Tarik sorriu novamente.


— É sério, você parece muito apaixonado.


— Eu não tô! Tá, só não pela pessoa do bilhete, mas...


— Então você está! Quem é?


Apesar de Mikhael rir e aparentar estar animado, ele estava desconfortável. Segurou o copo de refrigerante e virou, desviando o olhar. Pac apertou os dedos e inflou as bochechas. Era uma situação estranha. Não poderia simplesmente olhar para o melhor amigo e dizer: "Hey, eu estou apaixonado por você desde que tínhamos dez anos!"


— Um garoto... — murmurou cautelosamente, olhando para o de cabelos róseos, que devolveu o olhar. — É só isso que vai arrancar de mim.


— Não é justo... — colocou o copo na bandeja, cruzando os braços.


— Você também nunca me contou se está apaixonado.


— Tá mudando de assunto.


— Não, não estou, só não acho justo.


Os dois continuaram se encarando, sem saber de onde partir. Linnyker mordeu o lábio, contando mentalmente. Estava começando a ficar corado e aquilo não era bom, raramente acontecia de ficar envergonhado, sabia que gaguejava muito. Respirou fundo e bateu de leve os dedos na calça jeans preta, tentando disfarçar.


— Só... Esquece isso, não to apaixonado por ninguém.


Pac baixou o olhar, desanimado. Tinha fantasiado demais. Sentia-se estúpido por se iludir, mas não poderia fazer nada, era isso e pronto. Os dois comeram em silêncio. O clima parecia pesado demais, quase impossível de manter contato visual.


De repente a ideia de continuar com os bilhetes fosse estúpida, se Tarik estivesse apaixonado por alguém não tinha porquê continuar, não mudaria nada. Desviou o olhar para a janela, perdendo-se em pensamentos. O moreno pegou o celular e abriu uma conversa no WhatsApp.


eu (13:54PM):

fiz merda

eu sou muito estúpido

caralho eu me odeio tanto

a gente tava bem e eu tinha que tocar nesse assunto

porra

que inferno, por que eu faço tudo errrado?

QUE CARALHO


Alan amorzinho <3 (13:55PM):

qq aconteceu?

você tá me assustando

vamo, respira devagar e conta até três

pode mandar áudio, to sozinho


eu (13:55PM):

não posso

to na casa do mike

ele tá estranho comigo agora, tá tudo quieto

sla

perguntei por quem ele tava apaixonado e porque ele nunca contou

ta um clima de merda

djsdkjskds

eu me odeiooooooo


Alan amorzinho <3 (13:56PM):

se odeia pq caralho???

não fez nada errado

insistiu nisso?

eu (13:56PM):

não


Alan amorzinho <3 (13:57PM):

então

fica calmo, daqui a pouco vão estar bem

aliás saio de casa as duas e meia, estejam aqui


— Alan disse 'pra gente ir pra casa dele antes de duas e meia.


— Quer ir agora? — Mikhael continuou encarando a paisagem lá fora.


— Desculpa.


— Pelo quê?


Linnyker o encarou, confuso. Pac parecia estar quase tendo um colapso, ele apertava as mãos nervosamente, os olhinhos ônix não paravam quietos. Esticou sua mão e segurou a dele, entrelaçando seus dedos e sorrindo fraco.


— Tá tudo bem, você não fez nada errado, também me desculpe por insistir nisso.


Pac respirou, aliviado, jogando-se contra o corpo do outro, enganchando em um abraço apertado. Odiaria-se se perdesse aquele garoto.


(...)


Rafael andava de um lado para o outro dentro do quarto. Ele estava extremamente inquieto desde que terminara os relatórios que sua mãe tinha lhe pedido. Sua mente sempre voltava para Alan, sempre. Não sabia o que fazer para deixar claro que o amava, era tudo confuso demais. Tinha medo de perdê-lo em um piscar de olhos por ser covarde demais.


Puxou os cabelos loiros com violência, bufando. Não era justo, tinha tanta insegurança que tudo o que pensava parecia ser estúpido. Não tinha chance de levar um não, tinha? Realmente, sua cabeça já tinha virado uma bagunça maior que seu quarto. Resolver um enigma longo e exaustivo parecia ser muito mais fácil do que aquilo.


Amava Alan, disso não tinha a menor dúvida, só que ainda assim era difícil gritar isso em voz alta. Se fosse assumir um namoro queria contar para sua mãe — mesmo que tivesse um leve medo da reação dela também —, só não sabia se aquele baixinho concordaria com isso.


Ser adolescente era complicado demais. Enjoava-lhe ter tantos por quês sem respostas em sua mente. Pegou o celular, digitando uma mensagem rapidamente.


eu (14:43PM):

eu e você

hoje no parque que inaugurou semana passada

as sete


Às vezes, tudo o que um adolescente precisa é de cinco segundos de coragem insana.


(...)


Mikhael rabiscava um desenho em seu caderno, alheio a conversa que ocorria ao seu lado, já que seu fone estava consideravelmente alto. Ele parecia concentrado fazendo pessoas sem rosto.


Alan o observou de relance, resolvendo deixar o garoto quieto. Estavam os três esperando o exame da gata de Ferreira ficar pronto. Tarik brincava movendo os pés, seguindo o cadarço desamarrado.


— Vocês são tudo sem graça, pensei que conversariamos mais — disse, recebendo um olhar apenas da parte de Pac.


— Uh, não tenho assunto.


— Ah, eu... — Alan foi interrompido por seu celular vibrando, pegou o aparelho e visualizou a mensagem. — É o Cellbit, tá me chamando 'pra sair.


— Ih, agora esse namoro sai!


— Para com isso, vai que ele ainda falta chamar vocês ou outras pessoas.


— Deixa de ser pessimista, Alanzoka — O de cabelos róseos murmurou, rindo baixinho, ainda rabiscando. — Vou achar que é pretexto 'pra você não querer namorar ele.


— O quê? Não, porra, tudo o que eu mais quero é namorar esse idiota, eu só...


— Por que não faz o pedido então? — Pac falou, parecendo animado.


— É, compra aqueles anéis de casal gamer, sabe? — Mike riu.


— Não é uma má ideia... Imagina eu fazendo um pedido todo brega e o Rafael todo se chorando?


— A pior parte nisso é que talvez ele realmente chore — Linnyker constatou e todos riram.


Talvez, apenas talvez Ferreira se deixou levar pela ideia e pensou em como faria um pedido daqueles.


(...)


Quando sozinho em casa, Mikhael se deixou levar, deitando na cama e com seu caderno em mãos. Depois de pensar muito, ficar se remoendo, decidiu que iria, sim, continuar. Ao menos veria como Pacgnan sorria todo bobo com seus bilhetes, o que era algo que aquecia seu coração.


Você é perfeito em todos os sentidos mesmo com defeitos

porque, pra mim, você é perfeito

Seu sorriso me desestabeliza

Seu jeito me encanta

Tudo em você faz meu peito bater cada vez mais rápido, fazendo me sentir vivo, como se cada segundo valesse a pena só por te ver

You are the cause of my euphoria

— L


Largou a caneta na cama e se virou, encarando o teto. Sentia as bochechas se aquecerem cada vez que imaginava Tarik sorrindo, era algo tão bobo que mexia com seu corpo inteiro. A parte ruim era que não sabia se um dia teria coragem para se revelar ou se aguentaria ver o melhor amigo com outro depois de tantas vezes.


Segurou um travesseiro e apertou contra seu rosto, reprimindo o grito que queria sair. Estava fodido de tantas formas diferentes que só conseguia sentir vontade de chorar. Reclamava tanto de Rafael não ter coragem, mas com ele era a mesma coisa. Tudo porque sabia que poderia arruinar tudo. Só queria cinco segundos de coragem insana para fazer tudo o que não teve coragem nos últimos anos.


Notas Finais


betei mas sempre tem um errinho né shksjsk
música do cap é euphoria do BTS ♡
hidratem-se
até a próxima att


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...