História Radioativos ( TaeKooK - NamJin ) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXID
Personagens Hani, Hyerin, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Junghwa, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), LE, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Solji
Tags Bangtan Boys, Bottom!taehyung, Bts, Dasoni, Exid, Fantasy!au, Kooktae, Kookv, Namjin, Namjin!flex, Radiação, Tae!bottom, Taegguk, Taekook, Top!jk, Top!jungkook, Vkook, Zombie!au, Zumbi
Visualizações 132
Palavras 3.182
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


EU ESTOU DE VOLTA, SEUS LINDOS!!
E aí, como estão? Bem? Sentiram saudades? Provável que não, mas gosto de me iludir :')
Enfim, eu voltei com mais um capítulo, tuts tuts. Espero que gostem e perdoem a pouca demora - e os erros que tiver dkdkdkd.
Bom, tenham uma boa leitura e até as notas finais~

Capítulo 5 - Refúgio


Fanfic / Fanfiction Radioativos ( TaeKooK - NamJin ) - Capítulo 5 - Refúgio

— Não se preocupe, vamos sair daqui. — Jeongguk disse ao reparar que Namjoon não estava nada bem com a notícia que recebera a pouco de si mesmo, estava em seu olhar a preocupação, era evidente. Não era para menos, entendia seu superior. — Mas temos que nos focar em estar salvos até que a ajuda chegue. O marechal não nos deixará aqui.

— Você tem razão. — o Kim suspirou pesado, passando suas mãos pelos cabelos e os puxando para trás, em uma tentativa frustrada de se manter calmo. — Tem alguma ideia de o que faremos por enquanto?

— Não, senhor. — encarou os olhos do de cabelos escuros, em um pedido mudo de desculpas. Jeongguk se julgava, pois, para ele, havia decepcionado o general por não ter em mente alguma solução por ora. 

— É melhor ficarmos longe das rua... 

— Cuidado!! — Taehyung gritou, interrompendo a fala de Namjoon e o estancamento que SeoKJin fazia, assustando todos que no veículo estavam. Jeongguk levou seu olhar para frente, arregalando os olhos e fazendo uma curva bruta e fechada para a esquerda, desviando do bando de criaturas que caminhavam vagarosa e desengoçadamente na estrada, batendo a frente do automóvel em uma placa de sinalização, levando os corpos que jaziam dentro para frente. Maldita inércia. 

— Dê a ré. — exigiu, desesperado, Namjoon, vendo que os seres irreconhecíveis corriam em direção do Dodge em que estavam. Jeongguk acatou a ordem do Kim, e, com certa dificuldade, engatou a marcha pedida, passando por cima de alguns dos de pele esbranquiçada. O pequeno grupo atrás estava assustado, se segurando uns nos outros pelo balançar que o veículo fazia, observando com os olhos arregalados o amontoado daquelas coisas que ficaram para trás. — Como há tantos assim?

— É melhor acelerarmos, eles estão correndo em nossa direção. Depois nos preocupamos com isso. — um Young, em pânico e desnorteado, disse, encarando, através do retrovisor, os olhos de Namjoon. 

— Certo. Mas para onde? — Jeongguk questionou, acelerando mais o veículo, querendo despistar os que estavam o seguindo.

— Vamos para lá. — Solji, que até então estava apenas observando, enquanto cuidava de Hee Yeon, se pronunciou, apontando para uma, ao que aparentava ser, casa deveras escancarada no fim da rua. Era um refúgio, por ora.

Jeongguk sequer pensou duas vezes, direcionando-se para chegar o mais rápido possível em seu destino. Com uma certa brutalidade, o Jeon freiou o automóvel, causando mais um levar de corpos para frente do pequeno grupo. Naquele momento não ligava para isso, precisavam sair das ruas.

— Rápido, saíam. — Namjoon dera a ordem, pegando sua inseparável arma e saindo do veículo deveras afobado, sendo seguido pelo sargento, este que rapidamente fora para o lado de trás do automóvel, ajudando os demais a saírem também. 

— Preciso de ajuda. — o doutor Kim pediu, tentando levantar o homem ferido, este que parecia mais fraco do que outrora. Taehyung não pensou duas vezes antes de ir dar ajuda à SeoKJin. Ambos os Kim desceram do Dodge, com o ferido em seus ombros, sendo amparados por um Jeon atento.

— Vamos. — Solji se pronunciara, chamando a atenção de Young e Hee Yeon, esta que avoada estava para com tudo ao se redor. Ainda estava em choque. 

O Lee, assim como no hospital, pegara a Ahn no colo, saindo do veículo com certa dificuldade, seguindo para onde Namjoon se encontrava, com Solji em seu encalço, preocupada com o que estava acontecendo, principalmente com o estado que a repórter se encontrava. Precisava ajudá-la de algum modo.

— Temos que entrar rápido, eles podem estar vindo. — Namjoon disse, aguardando que o pequeno grupo chegasse até si e adentrasse a casa. 

— Acha que seja possível ele nos seguir? — Jeongguk perguntou aflito, tentando decifrar o olhar meio sério do Kim, este que não tirava os olhos de onde haviam vindo, se mantendo atento a qualquer movimento que poderia vir.

— Não tenho certeza. — suspirou, levando seu olhar ao menor. — Mas não podemos nos arriscar em ficar por aqui, é melhor entrarmos.

— Certo. — ao terminar de falar, um grunhido fora ouvido, assustando-o brevemente antes de levar seu olhar para trás, se deparando com ao menos quatro dos andarilhos vindo em direção a si.

— Rápido. — o Kim fardado exigiu, deixando que o Jeon entrasse antes que si e se certificando de que todos já aguardavam dentro da casa. Com certa afobação, fechou a porta, buscando, com o olhar, algo que pudesse segurá-la. — Jeongguk, me ajude com o sofá. — apontou para o móvel na sala em que Lee Young estava, este que, meio a contra gosto, saiu dali, junto de Hee Yeon. 

— O que houve? — SeoKJin perguntou ao certificar-se que o ferido ficaria bem por ora, deixando que Solji cuidasse deste até que conseguissem algo melhor, observando cada movimento feito pelo general.

— Aquelas coisas estão vindo. — com certa força, junto do sargento Jeon, arrastou o móvel para a porta de entrada, escutando os poucos barulhos incompreensíveis vindos do lado de fora da residência. — Não sabemos o quão fortes são, ou se são capazes de derrubar esta porta. — olhou fundo nos olhos aflitos do doutor. Sorriu reconfortante. — É melhor previnirmos. — o Kim sorriu também, vendo que o sofá já se encontrava no local para nada passar por ali, entretanto, em um ato repentino, a peça de madeira que ficava a frente da entrada, fora empurrada com certa força, arrastando o móvel, este que fora segurado pelos dois militares. Sim, eles eram fortes. O pânico tomava conta dos oito naquela casa.

— Eles podem acabar atraindo a atenção de outros para cá. — Jeongguk concluiu assustado, olhando nos olhos de seu superior. — Temos que... — mais um empurrão na porta, interrompendo a fala do de cabelos negros, os fazendo forçar o móvel contra a mesma. Taehyung e SeoKJin foram dar auxílio para que não conseguissem entrar. — Temos que fazer algo.

Namjoon ficou pensantivo. Era fato que precisavam fazer algo, porém, o quê? Não havia nada que pudessem fazer. Mais um empurrão fora sentido pelos quatro, interrompendo as divagações do general.

— Vamos fazer o seguinte. — era arriscado, mas precisavam fazer algo, e o Kim iria tomar as providências necessárias para proteger o grupo. Entretanto, antes de especular sua ideia deveras suicida, um estrondo fora ouvido, vindo do lado de fora da residência. Os oito se entreolharam, tentando entender o que de fato era o barulho.

— O que foi... — um 'shhh' de Jeongguk interrompeu a fala de Taehyung, este que se calou na hora, uma vez que os passos desengonçados das criaturas se fizeram presente, indicando o afastamento destas para longe da casa.

O doutor Kim, que até então se mantinha parado e atento a qualquer movimento, caminhou até a janela da sala, certificando-se de que, sim, as criaturas que outrora estavam na porta, se afastaram dali, seguindo o barulho de antes. Estranho. 

— Eles se foram. — Taehyung concluiu em um susurro, acalmando as batidas de seu coração pelo pânico que tomava conta de si. 

— O que fez esse barulho? — Young perguntou, ainda com Hee Yeon em seus braços. 

— Ou quem. — falou Solji, encarando o lado de fora através da janela onde SeoKJin jazia outrora.

— Seja o que for, nos ajudou. — Namjoon dera por fim o assunto, certificando-se que o móvel e a porta impediriam, por ora, as criaturas. A ruiva voltou sua atenção para o paciente ferido, este que já não mais estava acordado. 

— Ele parece estar piorando. 

— Temos que focar na saúde dele. — o doutor Kim fora de encontro a Solji, dando-lhe assistência, abaixando-se e ficando ao lado desta. — Veja como Hee Yeon está. — susurrou para a ruiva, terminando o curativo na mordida do homem. — Dê à ela algo que a acalme, deve haver alguma coisa aqui. 

— Certo, verei o que encontro. — levantou-se, explorando a casa e caminhando para o andar de cima. 

— Vá com ela, mesmo que estejamos aqui dentro, não é bom ficarmos sozinhos. — o general Kim falou a Taehyung, este que acatou ao pedido e seguiu a médica.

— Acha que ficaremos bem aqui? 

— Não se preocupe, Jeongguk. — repousou sua arma no sofá, colocando as mãos no sargento aflito. — Vamos ficar bem, o marechal irá nos tirar daqui.

[...]

— Certo, ela irá ficar bem, ok?! — Solji disse a Young, tentando passar tranquilidade a este, observando os cabelos castanhos de Hee Yeon. — Com o remédio, ela ficará calma. — balançou o pequeno frasco de calmante que havia achado no andar de cima, sorrindo para o Lee, levantando-se em seguida. 

— Young... — meio sonolenta por conta do remédio, a Ahn chamou o citado em um susurro, este que imediatamente levou sua atenção à ela. 

— Sim?

— Estou com fome. — resmungou, ouvindo o roncar de seu estômago de imediato. Arrancou um sorriso do homem. 

— Eu vou pegar alguma coisa, não se preocupe. — a médica se afastou de ambos, guardando o remédio em seu jaleco e caminhando até SeoKJin. — Como ele está? — se referia ao ferido. 

— A temperatura parece estar aumentando. — os olhos inquietos indicavam o quão preocupado o Kim estava. — Sabe se há algum remédio para controlar isso?

— Não encontrei nada além do calmante e alguns remédios para dor de cabeça. — frustrada era como a Heo se encontrava. 

— Tudo bem. 

— Quer que eu pegue alguma coisa para você? 

— Não se preocupe, estou bem. —  sorriu para a mais velha, esta que não acreditou em uma palavra proferida por outrem, porém deu de ombros, indo até a cozinha e procurando algo para que Hee Yeon se alimentasse, passando pelo sargento Jeon.

— Nenhum movimento suspeito lá fora? — Taehyung perguntou a Jeongguk, aproximando-se do citado, este que tirou sua atenção da janela para dar ao Kim.

— Nada, só o silêncio. 

— Espero que continue assim. — cruzou os braços, desviando seu olhar das orbes penetrantes do de cabelos negros. Aquilo causava arrepios em si. 

O sargento voltou sua atenção para a peça de vidro, observando atentamente o lado de fora da residência, se sentindo deveras frustrado pelas poucas palavras trocadas com o Kim, porém não sabia o porquê. Taehyung, que encarava seus pés inquietos, se sentia estupidamente ridículo por não conseguir continuar uma conversa, o que não era comum, uma vez que sua natureza era falante. O silêncio estavam os matando, principalmente ao acastanhado, que, naquele momento, se sentia em dívida com o Jeon.

— Obrigado. — falou baixinho, sentindo-se nervoso pelo momento. Jeongguk estranhou o agradecimento, encarando os cabelos acastanhados de outrem. 

— Pelo quê? 

— Por hoje mais cedo. — levantou sua cabeça, encarando os olhos marcantes do sargento. — Obrigado por me salvar. — a cara confusa do Jeon dera espaço a um sorriso, que, aos olhos de Taehyung, era lindo e fofo, mostrando os dentes salientes que carregava consigo. O Kim podia jurar que aquele sorriso era o mais encantador que já havia visto na vida. Tal pensamento acabou acarretando em uma pigmentação mais forte em suas bochechas, o fazendo abaixar novamente a cabeça, o que fez o sorriso do militar aumentar mais um pouco, achando adorável a forma tímida do acastanhado.

— Não precisa agradecer. — assegurou-se voltando seu olhar à janela. Taehyung, mesmo que ninguém pudesse ver, sorriu pequeno, se sentindo menos tolo naquele momento. 

— Aqui, comam. — a ruiva, que havia prestado atenção na conversa alheia, achando deveras fofo as atitudes de ambos, entregou quatro frutas a Taehyung. — Tenho certeza que estão com fome. — e assim saiu, deixando ambos encarando as maçãs nas mãos grandes do Kim, este que entregou duas a Jeongguk, dividindo igualmente. 

Solji continuou seu caminho, passando pela mesa e entregando uma garrafa d'água ao doutor Kim, mesmo que este não houvesse pedido nada, junto de uma maçã que em uma cesta, nas suas mãos, estava, assim como as que havia entregado ao Kim acastanhado.

— Não questione e coma. — ordenou, sorrindo em seguida ao ver o médico acatar sua ordem. Sabia como lidar com Kim SeoKJin, o teimoso. — Daqui algumas horas verei se há algo que possa nos deixar mais... alimentados? — se questionou internamente se era essa a palavra que usaria. — Enfim, qualquer coisa, me chame. — deixou o Kim comendo, indo até a Ahn deitada sob o colo de Lee Young, este que a encarou sorrindo agradecido. — Eu espero que você coma isso. — disse brincalhona, entregando dois pequenos potes de biscoito amanteigado para Hee Yeon, esta que, assim como o companheiro, sorriu de forma agradecida. Aproveitou e entregou mais duas maçãs a Young, junto de água que encontrara na geladeira alheia. — Se alimentem, qualquer coisa, não hesitem em me chamar.

— Tudo bem. — o Lee disse, ajudando a amiga a abrir o pote com o alimento. Solji sorriu e fora até Namjoon, este que se encontrava na outra janela, assim como Jeongguk, cuidando do perímetro atentamente.

— Aqui, se alimente. — se pronunciou, estendendo um outro pequeno pote com os biscoitos para o Kim, este que negou de imediato.

— Não estou com fome. — a ruiva fez uma careta, achando deveras irrelevante essa relutância do general, igualitária a de SeoKJin.

— Vocês são teimosos, precisam comer. — mesmo que Namjoon houvesse negado, a Heo deixou ali duas frutas, junto do pote com biscoitos, voltando até a cozinha. O Kim sorriu, achando tentador os alimentos, e, se contradizendo, pegou-os para se alimentar. 

Solji, ao ver a cena, sorriu, mesmo que as condições não fossem para tal.

[...]

— Céus! Ele só está piorando. — o doutor Kim concluiu, ajeitando a toalhinha molhada que colocara para diminuir a febre do homem. — E o pior é que não temos nenhum tipo de medicamento para controlarmos a febre.

— Não temos o que fazer, já que está anoitecendo. — Namjoon falou, encarando as pequenas estrelas que começavam a aparecer no céu escuro de Seoul. — Não podemos sair, pode ser perigoso com aquelas coisas soltas pelas ruas.

— Mas...

— Vamos tentar controlar a febre com os poucos recursos que temos. — Solji interrompeu SeoKJin, já sabendo que aquele 'mas' iria acarretar em discussões vindos de ambos os Kim. — Não se preocupem. — sorriu amarelo, vendo o militar assentir e voltar até seu posto.

— Que recursos que temos? — o lorio perguntou em um susurro, entretanto dava para perceber uma pequena porcentagem de raiva. Estava indignado. 

— Nós já controlamos coisas piores com muito menos. — levou seu olhar ao mais jovem, encarando-o com seriedade. — Escutou Namjoon, não podemos sair agora que está escurecendo, e dou total apoio a ele.

— Certo. — mesmo não concordando totalmente, o doutor se limitou a ficar quieto, verificando a febre alheia. A Heo o encarava preocupada. 

— Acho melhor você descansar. — a ruiva tocou-lhe o braço, vendo que tal tremia. Preocupante. — Nervoso não servirá de nada, precisamos ter calma, ok?!

— Ok. — o Kim suspirou e levantou-se de perto do colchão que haviam pego para repousar o ferido - era de mais fácil acesso -, sorrindo para a amiga. 

— Ele ficará bem. — garantiu, vendo que o outro estava realmente preocupado. — Agora coma o que prepareu e vá se deitar lá em cima. — se referia ao andar superior. — A casa é deveras grande. Há um quarto na primeira porta a direita assim que subir as escadas, fique lá. 

— Me chame se precisar de alguma coisa. 

— Chamo sim. — e com essas palavras o médico saiu dali, deixando a ruiva tranquila por pelo menos ele conseguir descansar. 

Os olhos atentos da ruiva varriam a casa onde o restante do grupo se encontrava, onde tais pararam nas figuras de Ahn Hee Yeon e Lee Young se levantando do outro sofá onde haviam ficado, com a repórter sonolenta nos braços deveras musculosos do homem. Provavelmente iriam para outro quarto que no andar de cima ficava. Era melhor assim, pois a acastanhada precisava descansar e repousar corretamente. Viu o casal de amigos subindo as escadas, sorrindo para ambos assim que estes passaram por si. Seu olhar logo se fixou em outras duas figuras: Jeon Jeongguk e Kim Taehyung.

— É como se estivéssemos invadindo aqui. — concluiu o Kim para o Jeon, dando continuidade ao seu assunto sobre a casa, seguido de um bocejo de si.

— Tecnicamente não, uma vez que a residência estava abandonada quando chegamos, praticamente. — o de cabelos negros sorriu ao ouvir mais um bocejo de outrem. — E eu acho bom você ir dormir, Taehyung.

— Mas eu não estou com sono. — sua fala era uma, porém o tom de voz usado dizia o contrário, indicando o cansaço.

— Não seja teimoso. 

— Eu não sou. — suas pálpebras iam se fechando lentamente, mas lutava contra para mantê-las abertas. Jeongguk só podia rir.

— Sim, você é. — viu o acastanhado fazer uma careta e logo abrir a boca, porém, ao invés de dizer alguma coisa, o bocejo se fez presente, interrompendo tudo e qualquer coisa. — Céus! — revirou os olhos ao ver o Kim se rendendo, aos poucos, ao sono, levantando-se e repousando sua arma na parede, caminhando até o outro. — Espero que você não seja pesado. — disse, abaixando-se e levantando o Kim da cadeira, o pegando no colo. Sentiu o acastanhado levar as mãos até seu pescoço, aconchegando-se em si, e segurando-se fortemente, mesmo dormindo. Sorriu, achando-o adorável. 

Com certa dificuldade, caminhou até a escadaria. Iria levá-lo até o quarto mais próximo, pois sua natureza não o deixaria dormir ali, sem que esteja confortável. Subiu os degraus, um por um, até ver um corredor deveras grande. Viu, na segunda porta a esquerda, Young entrar, suspostamente onde estaria com Hee Yeon - até onde sabia, aquele quarto tinha duas camas de solteiro, ideal para o casal de amigos. Sabia que a primeira a direita era do doutor Kim, e a primeira a esquerda era um dos banheiros da casa, o que restava apenas duas portas - uma no final do corredor e a outra a esquerda. Decidiu se dirigir até a esquerda.

Chutou a porta sem muita força, uma vez que já se encontrava frente a ela, varrendo o cômodo com o olhar e vendo a cama na qual repousaria o Kim. Caminhou, em passos vagarosos, até o destino, colocando o corpo dorminhoco de Taehyung sob o móvel, cobrindo-o em seguida. Soltou uma risada anasalada ao ver o acastanhado pegar uma almofada, com os olhos fechados, que jazia a seu lado. O Kim não existia, concluiu. 

Em passos lentos, fora até porta, dando uma última olhada em Taehyung antes de fechá-la e se dirigir para o andar de baixo, pois, assim como Namjoon, precisava estar atento em proteger a casa e manter aquelas criaturas longe, e era isso que faria. Tudo parecia tão... confuso? Não sabia ao certo, apenas que era tudo deveras assustador e nada parecia ser real. Queria saber o motivo de tudo aquilo, mesmo parecendo tão óbvio. Estava assustado, mas se manteria firme para o que der e vier... era o que esperava. 


Notas Finais


TEVE INTERAÇÃO TAEKOOK, e o pior é que acabou sendo muito no automático kdkskdks

Ai, pessoinhas, me desculpem os erros que vocês encontraram, juro que revisei, mas né dksksk e, além disso, peço perdão caso vocês estejam achando muito... parado (?) o desenrolar da história, mas juro que no próximo capítulo vai ter ação 👀
Então, quem será que fez aquele barulho, hein? Será que foi alguém mesmo? Digam-me, gosto bastante de interagir com vocês :3

Bom, acho que é isto kdkdkds
ByeBye, meus nenx ♡ nos vemos no próximo, aguardem ansiosos heueheu

Kisses~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...