História Rainy - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Yakusoku no Neverland (The Promised Neverland)
Personagens Emma, Isabella "Mama", Norman
Tags Fluffy, Grace Field, Kids, Neverland, Noremma
Visualizações 8
Palavras 631
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drabble, Fluffy

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu simplesmente amo fanfics fofinhas do Norman e da Emma ainda pequenos <3
Espero que gostem da one, escrevi com muito carinho. Boa leitura! ~
(créditos nas notas finais)

Capítulo 1 - Um dia eu serei grande! - Único


Não era comum que chovesse nos campos da Grace Field House, e mesmo assim ali estava Emma, forçando o corpo a ficar na ponta dos pés para se pendurar na janela, na tentativa de ver a chuva que caía lá fora. O impacto dos grossos pingos d’água contra o vidro causava um barulho que a pequena ruiva gostava, e o clima agradável combinava com o delicioso cheiro dos cookies que a Mama preparava no andar de baixo, com a ajuda dos pequenos. Muitas das crianças estavam tristes por não poder sair para a rua e divertirem-se com as brincadeiras rotineiras de todas as tardes, e Emma não era uma delas. 

— O que está fazendo, Emma? — A voz de um dos melhores amigos de Emma ecoou atrás de si. Ela abaixou os pés, frustrada por não ter o tamanho da janela, e virou-se para visualizar Norman. Um dia serei tão grande quanto essa janela, pensava, emburrada, fazendo um enorme bico com a boca que ela mesma não percebeu, mas foi o suficiente para fazer Norman rir.  

— Não ria! — resmungou. — Sei que você também não alcança. 

O olhar de Norman vagou entre Emma e a janela, para logo voltar-se para a amiga.  

— A janela? Eu posso te ajudar — falou, convicto. Emma franziu a testa, não entendendo as intenções do amigo, já que ele era tão pequeno quanto ela. — Vem, sobe aqui. 

O pequeno albino estendeu as mãos em formato de concha na frente do próprio corpo. Um enorme sorriso formou-se no rosto de Emma que, entendendo o que ele queria, pôs um pé nas mãos de Norman e impulsionou-se para cima, agarrando-se à beirada da janela e finalmente tendo uma boa visão da rua. Norman aplaudiu atrás dela, contente. O vento balançava as folhas das árvores, e a chuva continuava a cair firme lá fora. Era uma cena simples, mas bonita. Apesar do céu acinzentado, a grama parecia mais verde do que nunca. A pequena desejou que chovesse mais vezes. 

— Emma? Norman? 

A voz da Mama fez com que Emma se assustasse e, ao perder a concentração, suas mãos deslizaram e ela caiu no chão com um baque. Seus olhos verdes arregalaram-se enquanto ela resmungava de dor, ouvindo Norman e a própria Mama rindo suavemente.  

— Querida, não pode ficar se pendurando assim nas coisas, você ainda não tem altura para isso — falou a Mama, pegando uma Emma vermelha de frustração e constrangimento no colo.  

— Ainda vou ser muito alta, Mama! — falou, decepcionada comigo mesmo. — Você vai ver, eu vou ser maior do que todo mundo, até maior que você! 

— Tenho certeza que sim, querida. — Mama sorria, gentil como sempre. — Venham, minhas crianças, por que não nos ajudam com os cookies? Vamos colocar mais uma fornada. 

— Sim, Mama! — falaram as duas crianças juntas, alegres. 

A Mama permaneceu com Emma no colo enquanto caminhava, e Norman ia logo atrás das duas, com um sorriso bobo brincando no rosto. Sua melhor amiga era tão imprudente e audaciosa, sempre se metendo onde não deveria, e tentando experimentar coisas novas, curiosa com tudo ao seu redor. Era divertido ser amigo dela. 

Aos sete anos de idade Norman não entendia porque seu coração batia mais rápido e forte quando estava com Emma; os motivos nem ao menos passavam pela sua cabeça, é claro, uma criança não deve pensar nessas coisas, mas dentro de alguns anos ele finalmente perceberia que o que sentia se transformaria em algo maior do que aquela amizade e admiração mútua entre os dois. 

Talvez Emma não se machucasse se ele não tivesse oferecido ajuda, mas ver o sorriso radiante da pequena foi capaz de colorir todo o dia acinzentado de Norman, em um clima tão chuvoso. 


Notas Finais


Essa fanfic foi escrita a partir do prompt número um do @OtpChallenge criado pelo @kyoujurou
Deem uma conferida no jornal dele: https://www.spiritfanfiction.com/jornais/otp-challenge--trinta-prompts-17673637
Muito obrigada por terem lido até aqui! Espero que tenham gostado ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...