1. Spirit Fanfics >
  2. Raison de ma vie >
  3. Odasaku

História Raison de ma vie - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo é um dos meus favoritos e kkkkkkk nos próximos capítulos as coisas ficam muito mais frenéticas.

Mas aqui ainda está tudo bonito e cheiroso, talvez... eu já imagino os surtos ao final do capítulo.

A propósito, uma explicação da mania da Tsubasa em falar na terceira pessoa, minha sobrinha faz isso e eu acho fofo. É meio que o único motivo que eu coloquei na personagem.

Enfim, boa leitura!

Capítulo 19 - Odasaku


Fanfic / Fanfiction Raison de ma vie - Capítulo 19 - Odasaku

- Dazai ainda tá 'mimindo? - Tsubasa perguntou na manhã seguinte, enquanto ela e Chuuya tomavam café da manhã.

Ele não perguntaria a filha sobre seus sonhos, se Tsubasa não havia o contato, deveria ter um motivo. Então esperaria a filha se sentir bem para conversar sobre.

Por enquanto e por mais frustrante que fosse, saber sobre a habilidade bastava.

- Ele estava cansado. - Chuuya sorriu para a filha que concordou com a cabeça. - Então, como foi ficar com Dazai?

- Foi legal, Tsubasa gosta de ficar com Dazai! Mas Tsubasa 'de-desobledeceu o papai, 'dixculpa. - Tsubasa se embolou com as palavras e abaixou a cabeça.

- O que você fez? - Chuuya perguntou curioso, nenhum traço de raiva em sua voz, como sempre quando se referia a sua filha.

- Eu falei que ta-tava tudo bem Dazai ter dodói. - a voz de Tsubasa era baixinha, estava realmente arrependida.

Suspirando, ele colocou a xícara de café na mesa e pegou Tsubasa em seus braços, a trazendo para seu colo.

- É algo complicado, sim? - Chuuya murmurou distraído, ele acariciava os cabelos da filha. - Dazai se sente seguro com as ataduras.

- Tsubasa entendeu papai. - Tsubasa sorriu grande para Chuuya que se abaixou para beijar sua testa. - Dazai explicou e Tsubasa falou que papai pode dar beijinhos nos dodói pra sar-ar.

Chuuya arregalou os olhos com surpresa e então sorriu afetuosamente. Ah, a inocência da filha era algo tão cativante.

- Seu presente está na sala, por quê não vai lá abrir enquanto eu acordo o travesseiro Dazai? - Chuuya falou suavemente e viu Tsubasa pular ao chão e sair correndo. Ele sorriu no exato momento em que sentiu um peso em seus ombros.

- Chibi também me chama de travesseiro, hm, eu gosto. - Dazai murmurou baixinho e sonolento.

Chuuya levou a mão aos cabelos de Dazai e sorriu.

- É melhor do que bastardo, não acha maldito bastardo? - Chuuya virou o rosto para beijar a bochecha de Dazai e se levantou, indo em direção a pia.

- Eu gosto quando Chibi me elogia com tanto carinho. É sexy. - Dazai se jogou na cadeira que Chuuya estava sentado e observou o ruivo preparar uma xícara de café. - Mas Tsubasa não precisa presenciar isso, realmente.

- Você é um babaca, não é? - Chuuya voltou até onde Dazai estava e se sentou no colo do mesmo.

- Só com Chuuya. - Dazai beijou os cabelos ruivos do mafioso que revirou os olhos, ele sorriu enquanto levava a xícara aos lábios, gemendo em apreciação. - Isso tá muito bom.

- Eu não sei como você consegue gostar dessa merda. - Chuuya torceu o nariz e recebeu em resposta um sorriso lindo de Dazai.

- Eu tenho gostos exóticos Chuuya, você já deveria saber disso. - Dazai flertou descaradamente, e antes que Chuuya pudesse devolver o flerte ou xingar o moreno, Tsubasa apareceu.

- Papai, papai! 'Obigada! - Tsubasa correu até os dois e se jogou nos braços de Chuuya. - Bom dia Dazai. Papai vamos passear depois?

- Eu tenho que ir trabalhar mais a tarde... então sim, podemos dar um curto passeio. - Chuuya acariciou os cabelos de Tsubasa. - Consegue trocar de roupa ou quer ajuda?

- Consigo! - Tsubasa gritou e novamente saiu correndo.

Dazai sorriu com a cena, ter uma família ainda era estranho. Um estranho bom.

- O que você comprou pra ela? - Dazai perguntou curioso, e recebeu em resposta apenas um sorriso malicioso de Chuuya.

------------

- Eu nunca daria Chuuya por irresponsável! - Dazai tinha a boca aberta de surpresa ao ver o presente de Tsubasa.

- Calado, merda Dazai. É seguro, ok?. - Chuuya revirou os olhos e ajudou a filha a subir na pequena moto infantil.

- Ela vai se machucar! Isso ao menos é pra idade dela? - a voz de Dazai era estridente e ele tinha os olhos arregalados em choque genuíno, também observava Chuuya colocar com cuidado o capacete na cabeça da filha deles.

- Tá vendo, fadinha? Dazai tá todo preocupado. - Tsubasa gargalhou feliz com isso. - Não se preocupe cavala, eu não daria algo perigoso para ela. É um triciclo infantil, só tem um design de moto.

Dazai observava horrorizado Tsubasa montada no projeto pago de dor e sofrimento, e ele era horrível! Preto com aleatórias manchas verdes. Aquilo sequer era algo para uma menina meiga como Tsubasa possuir.

Era uma máquina mortífera na sua opinião, e era o total oposto de Tsubasa, que usava uma blusa laranja e short jeans. 

Tsubasa era a definição de vida e alegria e o presente de Chuuya era uma passagem para o hospital mais próximo.

Ou pior, para os cuidados da habilidade de Yosano.

Ele realmente sentiu uma dor em seu âmago e sua alma sair momentaneamente de seu corpo ao ver Tsubasa começar a andar naquilo. Esqueça o suicídio a dois, Dazai morreria do coração e a culpa seria completa e exclusivamente de Chuuya.

- Relaxa. - Chuuya segurou e apertou sua mão, os olhos sempre grudados em Tsubasa que percorria feliz e sorridente pelo parque. - Ela sempre quis uma moto igual a minha. - falou com orgulho na voz, sua filha era realmente sensacional.

- Precisava mesmo ser preta? - Dazai perguntou de forma alta e até mesmo esganiçada, seus olhos tão completamente arregalados que poderiam cair de seu rosto a qualquer momento, estavam grudados em Tsubasa brincando feliz.

Poderia ter uma parada cardíaca a qualquer momento, ele definitivamente teria uma. Oh, era assim que Chuuya e Kunikida se sentiam com ele sempre que tentava se matar? Odiava o carma que atualmente estava mordendo sua bunda.

- Ela não gosta de rosa. - Chuuya deu de ombros com indiferença. - Era a única disponível na cor verde então... - Chuuya parou de falar e enrugou a testa. - O quê merda...?

- O que ela viu? - Dazai perguntou ao ver Tsubasa largar o triciclo e correr para um arbusto.

Os dois se olharam e correram atrás da filha, ao chegar perto de onde ela estava sentada, perceberam que ela tinha algo em seus braços.

- Isso é um... cachorro? - Dazai torceu sua face em desgosto. Chuuya engoliu a risada.

- Você achou ele, fadinha? - se agachou ao lado da filha e o cão pulou em seu colo.

Chuuya observou o cão atentamente, era um filhote, provavelmente um vira lata, não deveria ter mais do que alguns meses de vida. Os pelos castanhos escuros estavam um pouco sujos, mas os olhos castanhos claros eram esperançosos e alegres.

Tsubasa sorriu feliz ao ver o pai acariciar o filhote que latiu e pulou em seu peito, tentando lamber seu rosto.

- Papai, Dazai, po-podemos ficar com ele? - Tsubasa puxou Dazai para se sentar no chão com eles, o cachorro o observou e se aproximou de forma receosa de Dazai, enquanto Tsubasa pedia. - Eu sei que Dazai não gosta, mas eu 'julo que ele será bonzinho.

Dazai olhou em pânico para Chuuya que sorriu doce para ele. 

Chuuya não se meteria agora, por mais que quisesse o cachorro, não eram mais somente ele e Tsubasa ali. A decisão tem que vir de Dazai também.

A escolha tinha que ser dos três.

E se Dazai negasse isso... bem, ele sabia que ane-san lhe faria esse favor.

Dazai olhou novamente para Tsubasa, que o olhava repleta de esperança, e para o pequeno monstrinho que cheirava sua mão e percebeu que ele não conseguiria negar algo a filha.

- Tudo bem. - sua voz continha um pouco de frustração ao aceitar. - Qual será o nome dele? - Dazai perguntou enquanto se aproximava de Chuuya, tentando ficar o mais distante possível do cachorro. - Demônio? Abominação? Chuuy...? Ai. - gritou quando Chuuya beliscou sua cintura com força. - Chibi mau, isso dói!

Tsubasa sorriu e negou com a cabeça.

- Odasaku. - Tsubasa falou calma, acariciando os pelos do cão. Chuuya e Dazai arregalaram os olhos assustados com isso.

- Tem certeza, fadinha? - Chuuya perguntou meio apreensivo. - Por quê não Petrus?

- Tio Oda disse que tudo bem, papai. E Odasaku gostou do nome, né Odasaku? - Tsubasa sorriu, sem perceber que ela nunca havia falado sobre conversar com Oda para o pai. O cachorro latiu abanando o rabo em concordância.

Chuuya olhou com preocupação da filha para o moreno ao seu lado e apertou sua mão com força, o puxando para ainda mais perto de si.

Dazai gostaria de não ter saído da cama hoje.


Notas Finais


O cachorro não é realmente muito importante na história, a princípio era só um meio da Tsubasa deixar escapar pro Chuuya sobre a habilidade e os sonhos. Uma vez que ela não pode (e isso é spoiler)

E eu até tinha pensado em tirar, mas aí a Amy me mostrou a história dela em que o Chuuya acha um cachorro na rua e eu fiquei tão boiolinha que deixei.

A moto é porquê sim, eu gosto de pensar no Chuuya mais velho ensinando a filha mais velha a pilotar uma moto, então como não vai ter, tem isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...