História Ratoranha - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Ratoranha
Visualizações 4
Palavras 1.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção, Lemon, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Shiro Ishii realmente existiu, quem quiser pesquisar sobre eu recomendo!

Capítulo 2 - Capítulo 02


RATORANHA.

Eu não sabia bem onde me encontrava no momento, e lembrava apenas de um pesadelo horrível, onde me encontrava em um prédio antigo com um travesti como porteiro, onde havia também ratos e aranhas que acasalavam loucamente, nada fazia sentido, mas minha cabeça doía como o inferno e o sonho me parecia ser real demais, tentei abrir meus olhos e fechei no mesmo instante quando minhas retinas entraram em contato com a luz incandescente do teto. Naquele momento eu tinha orado para todas as entidades existentes pedindo por piedade pelos meus pecados e me redimindo por gostar de dar o cú.

– Parece que o xuxuzinho acordou, Chanyeol. – ouvi o porteiro falando, meu pesadelo era real.

– Graças aos céus, nunca em toda a minha vida eu havia visto uma pessoa desmaiar por causa de uma baratinha inofensiva, que no máximo pode te causar uma infecção de pele. – escutei o menino falar, inofensiva? Aquilo era um monstro.

– Baratinha inofensiva? Cara você andou cheirando cogumelos por aí? – falei exaltado pulando da cama, como um inseto daquele porte era inofensivo?

– Juro que foi só uma vez, eles eram tão lindinho, parecem flores.

– Do que você está falando, cara? – falei e acabei por reparar que estava na casa de alguém, era um lugar muito confortável e chique, não poderia ser no mesmo prédio em que entrei.

– Cogumelos, já cheirei, não faço mais isso porque minha mãe não deixa. – falou muito triste, aquele menino não podia ser normal.

– Preciso voltar para a guarita, não estamos no brasil, mas aqui é meio perigoso, e sem contar que a dona Magda já deve estar soltando fogo pelo cú, ela odeia fazer favores. – falava enquanto lixava sua unha com uma serrinha que devia ter saído do seu anus – Fica bem xuxuzinho, o Chanyeol vai te levar até seu apartamento.

E então o porteiro bombado de três metros havia saído do quarto em que estávamos, ele passou pela porta e mandou um beijinho para nós, por incrível que parece o lugar arrumando em que estávamos, era dentro do prédio meia boca que seria minha nova casa. Nada fazia muito sentido, e eu me amaldiçoava por não ter pesquisado lugares melhores para morar, tudo seria uma questão de tempo até um Ratoranha me matar.

– Você deve estar meio assustado com tudo isso não é? Quer perguntar alguma coisa?

– Só me explica que lugar é esse, nada faz sentido na minha cabeça. – falei sentando novamente na cama de casal que havia no quarto, era um quarto legal, com pôster de bandas e coisas assim.

– Ratoranha Pallace era um prédio comum do ano de 1938, era uma inovação luxuosa da cidade de Seul, era um ótimo investimento para os homens que moravam aqui, pessoas estrangeiras viam muito para os países asiáticos naquela época, o que acabava rendendo um bom dinheiro para os caseiros e hoteleiros, mas uma tragédia aconteceu na noite de seis de junho de 1960.

– Você está zoando com minha cara seu viado? – falei não acreditando em nada daquilo – Olha que eu te quebro no pau mermão.

– Juro que não, depois você pode pesquisar no google. – falou – Posso continuar?

– Pode sim. – falei desconfiado.

– Nesse dia havia um cientista pioneiro hospedado por aqui, não se sabe bem o que aconteceu, mas dizem que o homem se transformou em um maníaco louco, que fez uma experiência louca que matava os humanos e mexia geneticamente com os animais, dizem que seu nome era Shiro Ishii, ele havia sido um microbiologista e o tenente-general da Unidade 731, uma unidade de guerra biológica do Exército Imperial Japonês durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa. Ele matou milhares na guerra, e então quando tudo acabou, ele virou um mochileiro pesquisador, acabou vindo morar aqui e destruindo a vida de milhares de pessoas.

– Isso é real? Nunca em toda a minha vida morando aqui, eu havia escutado falar sobre isso. – falei abismado, vi Chanyeol se levantar e começar a explicar.

– Não é algo que as escolas ensinam, foi um genocídio causado por um tenente do exército do Japão, por algum motivo abafam o caso ao máximo que podem. – falou enquanto caminhava por todo o quarto. – Mesmo com toda essa história louca, aqui é um ótimo lugar a se morar, vim para aqui por causa dos mistérios, sou um grande biólogo pesquisador.

– Você já é formado? – falei – jurava que tinha a minha idade, esta conservado viu meu filho, está tomando água benta da paroquia?

– Eu estou no primeiro ano da faculdade de biologia de Seul. Mas sou um grande pesquisador mesmo assim. – falou empinando o nariz.

E então eu me levantei, eu precisava ir para casa, fazia horas em que estava no prédio, mas que nem tinha posto os meus pés no meu próprio apartamento. Precisava organizar tudo e ligar para os meus pais, que deviam estar cagando para mim, mas estava tudo bem, eu também expulsaria meu filho de casa se ele tivesse me pegado no coito umas dez vezes. A culpa não era minha se eles não trancavam a porta ou pelo menos faziam algum barulho, quem já se viu trepar no silencio? Nos filmes pornôs que eu assistia só faltava o casal gritar para o mundo escutar.

– Preciso ir Chanyeol, obrigado por tudo mesmo, e fique sabendo que vou pesquisar sobre o prédio na internet. – falei desconfiado, não podia simplesmente acreditar em um menino que se achava o indiana Jones da Ásia, quem em sã consciência achava uma barata verde enorme normal?

– Certo, eu te levo até a porta. – Chanyeol me acompanhou até a saída, me deu boas vindas e então eu subi o restante da escadaria que levava ao meu apartamento, eu me sentia inseguro, era algo novo e completamente diferente de tudo o que eu havia vivenciado, mas eu sentia que seria uma experiência única, eu iria me acostumar.

Eu cheguei a porta de meu apartamento e abri, por mais antigo que fosse o prédio, ele era confortável, era o início de algo novo e completamente diferente. Entrei na sala e fechei a porta e avistei toda a minha nova sala de estar.

– É um bom lugar, espero que eu... MAS QUE PORRA!

 Havia um Ratoranha comendo uma barata verde no sofá, eu não me acostumaria a aquilo.


Notas Finais


É isto, fui kkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...