História Razões para Escrever - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Comedia, Drama, Jihope, Romance, Vkook, Yaoi
Visualizações 30
Palavras 2.852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii Cupcakes <3! Lamento demais pela demora em postar, mas confesso que estou passando por um bloqueio terrível. Espero que possam me perdoar. Foi um pouco complicado escrever esse capítulo, mas ainda estou torcendo para que a qualidade não decepcione.

Muito obrigada ceroula, Laislg e xsnnow pelos comentários adoráveis no capítulo passado. Não sabem o quanto eu fico feliz por saber que estão gostando. Obrigada por me darem tanto apoio e me inspirarem. Boa leitura...

Capítulo 5 - Quatro


RAZÕES PARA ESCREVER

KIM TAEHYUNG JEON JUNGKOOK

 

“Uns escrevem para salvar a humanidade ou incitar lutas de classes, outros para se perpetuar no manuais de literatura ou conquistar posições e honrarias. Os melhores são os que escrevem pelo prazer de escrever”.

Lêdo Ivo

 

CAPÍTULO IV – JEON JUNGKOOK

 

Busan, 15 de outubro de 2017 – Sábado

 

Nós o encarávamos com expectativas, ansiosos para saber o que havia levado Taehyung a uma aposentadoria precoce em sua carreira de sucesso como escritor de best-sellers. Eu permanecia com a mão sobre a do escritor, tentando transmitir algum consolo ou apoio. Eu não sabia bem o que eu estava fazendo. Quando dei por mim, já estava acariciando sua pele macia e quente. Era uma sensação quente e confortável.

Os olhos de Taehyung me observavam com um misto de surpresa e agradecimento. Ele realmente parecia mais à vontade e confiante quanto ao assunto. Ainda sem saber o que havia acontecido com o rapaz, eu sentia que não era fácil para ele explicar o que estava sentindo e o que se passou. Mesmo assim, algo dentro de mim ansiava por mais dele. Saber mais sobre ele. Conhecer mais aquele rapaz de olhos curiosos e sorriso singular.

- Eu não sei bem o que aconteceu. Ainda que me questionem e exijam uma explicação, a verdade é que eu não tenho uma boa o suficiente. – Começa Taehyung, respondendo à pergunta do melhor amigo. Ele então passa a encarar os outros que o ouviam atentamente. – Eu sempre sonhei em ser escritor. Não foi algo que começou de repente. Aos oito anos, quando ganhei um caderno de anotações de uma professora de literatura como presente de aniversário, eu realmente achei interessante. Qualquer outra criança em meu lugar teria ficado chateado ou desinteressado, mas eu era diferente. E minha professora sabia. Ela conseguia enxergar algo em mim que nenhum outro adulto podia. Eu era criativo, mas pouco expressivo. Nunca fui bom em manter contato com as outras crianças. Preferia passar o intervalo lendo livros e fazendo desenhos enquanto narrava aventuras que criava em minha mente, ao invés de tentar interagir.

“Minha professora me incentivou a escrever. De maneira infantil, eu passava para o papel todos os pensamentos que eu tinha, histórias inocentes que eu inventava ou mesmo narrava meu dia. A cada elogio recebido pela minha professora e pessoas próximas a mim, eu me sentia como se estivesse recebendo uma medalha de ouro ou um grande prêmio.

Nessa época, eu já conhecia o Jimin. Ele foi a primeira pessoa para quem contei que quando crescesse, eu gostaria de ser escritor. Todos os incentivos que recebi fizeram eu me apaixonar por esse universo. E quanto mais eu crescia, mais eu melhorava minha escrita e desenvolvia histórias novas. Jimin sempre me apoiou e foi quem mais me deu forças para não desistir do meu sonho.” – Ele para de narrar sua história e encara o amigo com gratidão. Jimin sorria com carinho. O Park parecia entender bem os sentimentos do melhor amigo e tinha uma certa nostalgia em seus olhos, relembrando os dias que passou ao lado de Taehyung. – O fato é que não foi fácil. Eu tive que escrever mais de dez histórias para que uma delas fossem aprovadas por uma editora.

“Aos dezesseis anos, quando eu consegui assinar o meu contrato com a minha atual editora, o sentimento foi inexplicável. Eu finalmente conseguiria realizar o meu sonho! Tudo o que eu sempre quis estava acontecendo. E a partir daquele momento, minha vida tomou outro rumo. Com o lançamento do meu primeiro livro, graças à minha editora, eu já tive um grande reconhecimento, mais do que esperado até mesmo pelo meu agente e o presidente da editora. Eu me tornei V, o talento mais jovem da literatura moderna.

Conforme eu lançava meus livros, mais conhecido eu me tornava, mais meu agente me cobrava por livros, mais as pessoas exigiam de mim. Eu tinha pouco tempo para me dedicar a mim mesmo. Aos poucos, eu me tornei famoso. Eu estava sempre sendo chamado para participar de entrevistas, festas e eventos que pudessem contribuir para a minha imagem.

Sem perceber, eu perdi a minha liberdade. Eu não podia sair sem avisar ao meu agente, não poderia fazer nada que pudesse manchar a minha imagem e, a pior parte, eu não podia escrever tudo o que eu realmente queria. Eu me vi preso em um ambiente tóxico e opressor. Passei a não gostar das minhas histórias, eu me sentia menos inspirado a cada livro lançado e, de repente, escrever já não era mais divertido.

E quando eu menos percebi, comecei a sentir os primeiros sinais de bloqueio criativo. Essa é o pior pesadelo de qualquer escritor. Passar horas de frente ao computador, encarando a tela, sem nada vir a minha mente. Nem mesmo uma palavra era digitada. Todas às vezes que eu tentava algo para me inspirar, menos eu sabia sobre o que escrever.

Eu sei que isso é bobo. Tenho consciência que talvez, tudo o que eu precise seja de um pouco de inspiração e que desistir de escrever tenha sido uma decisão precipitada, mas eu já estou saturado. Eu não quero odiar escrever. Isso foi o que sempre me inspirou a viver, a começar um novo dia, a sobreviver a cada novo desafio.

Mas desde que escrever se tornou uma obrigação e não uma diversão que eu levava a sério, tudo parece sem graça. Eu não gosto do que eu sinto agora quando estou escrevendo ou o que eu me tornei. Eu estou saturado e preciso de um tempo ou algo novo que me faça voltar a me sentir tão bem ao finalizar uma história. A mesma sensação de alegria e ansiedade pelo resultado final. O frio na barriga para ver o que meus leitores vão achar. O poder de me envolver em um universo novo ou em uma realidade diferente da minha a cada palavra escrita. Enfim, eu quero me sentir como um jovem experimentando o mundo.

E é por isso que eu estou aqui. Jimin me convidou a experimentar algo novo. Todos dizem que ser voluntário te faz ver a vida de maneira diferente, enquanto ajuda uma outra pessoa. Talvez, aqui, eu encontre o que eu procuro. Talvez a minha resposta finalmente surja ao final desses trinta dias. Essa é a minha última tentativa e eu realmente quero acreditar que não é o fim do meu sonho”. – Termina Taehyung, apertando a minha mão em seguida.

Por alguns instantes, todos permanecem em silêncio, absorvendo a história contada. De certa forma, eu o entendia, ainda que não concordasse com a desistência dele. Certo, ele precisa de um tempo. Mas desistir para sempre de um sonho parecia triste e irracional demais. Por outro lado, eu também não estava no direito de julgá-lo. Desde que eu passei a morar no instituto, aprendi que não devemos julgar a dor do outro. Cada um sente em intensidade diferente.

- Você vai conseguir, Taehyung. – Afirma NamJoon, dando um sorriso gentil. – Eu sei que parece que a luz no fim do túnel se apagou e que é frustrante quando as coisas não saem como queremos, mas não desista dos seus sonhos. Enquanto você não desistir, jamais será o fim.

- E Jimin tem razão. Experimentar algo novo, a mudança de ambiente pode te fazer bem. Não apenas para te inspirar, mas para te fazer repensar sobre quem é você mesmo. – Complementa Jin, encarando Taehyung com solidariedade. – Todos nós aqui já pensamos em desistir. Eu posso te afirmar que nunca é fácil. Eu tenho medo e às vezes me sinto injustiçado, mas se ainda resta uma esperança, eu não quero desistir.

- Enquanto houver nem que seja uma pequena chance de lutar, você não pode desistir. Nós não podemos desistir, simplesmente, porque nós nos recusamos a morrer sem ao menos ter tentado, sem termos nos esforçado para conseguir realizar todos os nossos desejos. – Comenta Yoongi, com sua típica seriedade.

- Enquanto nossos corações baterem, nossas mentes funcionarem e nossos corpos resistirem, nós não podemos desistir de nossos sonhos. A gente só vive uma vez. E não importa a nossa idade, enquanto ainda vivos, nós temos uma chance de alcançar nossos sonhos. – Respondo e entrelaço nossos dedos. Ele me encara desolado. Finalmente ele estava demonstrando seus verdadeiros sentimentos, seus medos e receios. Estava tudo exposto em seus olhos.

- Vocês têm razão. – Afirma Taehyung, finalmente sorrindo. Devagar, levo a minha mão livre em direção a seu rosto e limpo as lágrimas discretas que desciam pelo rosto bonito do voluntário. – Eu acho que eu estou com tanto medo desse sentimento negativo ,de odiar a literatura, que pareceu mais fácil desistir do que enfrentar essa realidade.

- Deveria ter nos contado antes que estava se sentindo assim, Tae. – Fala Hoseok, fazendo com que Taehyung desviasse o olhar de mim e encarrasse o namorado de seu melhor amigo. Retiro minha mão de seu rosto e o coloco sobre meu joelho. Não demoro a sentir o calor da mão macia de Taehyung sobre a minha. – Você sabe que nós poderíamos ter enfrentado tudo isso juntos. Não precisava guardar tudo para si.

- Como seu melhor amigo e fã número um, acho que você me subestimou, Kim Taehyung. Não pense que você irá escapar de nossa conversa. – Alerta Jimin e uma troca de olhares significativa ocorre entre os dois. Algo como uma conversa telepática que somente os dois entendiam. De repente, Taehyung ri e o amigo o acompanha. – Eu te amo, idiota. E eu tenho certeza de que você pode encontrar muito mais que sua inspiração nessa experiência.

E então eu sinto o olhar de Jimin recair sobre mim. Seus olhos brilhavam intensamente, analisando cada traço de meu rosto. A falta de fala do mais velho me deixa envergonhado. Era como se ele conseguisse ler exatamente o que acontecia dentro de mim. Ao notar a minha reação, ele ri baixinho e sussurra um “muito mais que inspiração”, antes de voltar sua atenção ao prato de comida.

- Mas que tal mudarmos de assunto? – Pede Taehyung, visivelmente incomodado. – Por que vocês não me contam quais são as próximas atividades do dia e o que devemos fazer no restante da semana?

Depois disso, nós começamos a explicar como funciona o instituto e quais seriam as responsabilidades de Taehyung, Jimin e Hoseok como voluntários. Basicamente, eles teriam que prestar apoio e acompanhamento a crianças e aos jovens nas atividades como agricultura de sobrevivência, limpeza da casa e a responsabilidade por alimentar os mais novos na hora das refeições.

Não demorou muito para que nosso almoço terminasse e voltássemos a nos dedicar a tarefas domésticas do instituto. Jimin e Hoseok voltaram para a ala de crianças, enquanto meus amigos, Taehyung e eu permanecemos no refeitório para ajudar com a limpeza do lugar, que sempre se tornava um chiqueiro após realizar as refeições de cento e cinquenta e oito pessoas.

Enquanto NamJoon e Yoongi cuidavam da lavagem das louças, Jin e eu ficamos responsáveis por secar e guardar. Taehyung e os voluntários responsáveis pela preparação do almoço passaram a limpar o refeitório. Uma hora e meia depois, nós já tínhamos terminado com a limpeza do lugar. Suspiramos aliviados. Essa era a tarefa mais exaustiva do dia junto com a limpeza da noite.

Depois disso, nós começamos a ajudar a preparar o lanche da tarde das crianças, que com certeza acordariam com fome. Como cardápio do dia, Taehyung sugeriu sanduíches e suco, além de maçã como uma pequena sobremesa. Dessa vez, eu e ele assumimos a tarefa de preparar o suco de laranja, enquanto os outros cuidavam do restante do lanche.

Nós cortávamos as laranjas em um silêncio confortável. Eu geralmente não conseguia ficar muito tempo calado, mas somente a companhia do rapaz era o suficiente para me deixar feliz. E isso era realmente estranho. Eu demoro muito tempo até me acostumar por completo com um anjo da guarda, mas o mesmo não aconteceu com Taehyung. Com ele, tudo acontecia naturalmente. Era como se eu o conhecesse a minha vida inteira.

Paro de cortar a fruta e passo a encarar Taehyung. Observo cada detalhe de seu rosto e tudo que eu conseguia ver era a perfeição. As proporções perfeitas de seus olhos, nariz e boca. A pele alva contrastava com os lábios rosados. Os cabelos pareciam macios e combinavam perfeitamente com os outros detalhes do rosto. Eu encarava até mesmo a pinta em seu lábio inferior, encantado com os traços que mais pareciam com uma perfeita obra de artes.

- Tem algo de errado comigo? Algo no meu rosto? – Questiona Taehyung, encarando-me com curiosidade.

- Não. Não há nada de errado. – Respondo, despertando-me daquela hipnose que era observar Kim Taehyung. Volto a pegar outra laranja para cortar, envergonhado demais para encarar o rapaz mais uma vez. O que estava acontecendo comigo?

- Então por que estava me encarando tão fixamente? – Pergunta de maneira inocente. Apesar de não olhar em seus olhos, eu conseguia sentir a confusão refletida nas orbes castanhas de Taehyung.

- Nada. É só que...

- É só que...? – Taehyung me incentiva a continuar a falar.

- Você é bonito. – Declaro por fim, finalmente o encarando. O rosto de Taehyung fica vermelho, imediatamente. Os olhos arregalam levemente e ele desvia o olhar, parecendo não saber como reagir ao elogio.

- Obrigado. Você também é muito bonito. – Responde o rapaz, sem jeito. Rio de sua reação. Ele era muito fofo. O sorriso envergonhado em seus lábios o deixava ainda mais bonito e adorável.

- Não sou nada. – Digo e imediatamente Taehyung se aproxima, ficando perigosamente próximo de mim.

- Você é sim! Você é muito bonito, Jungkook! – Exclama o escritor com tanta certeza brilhando em seus olhos.

Engulo em seco e prendo minha respiração. O rosto dele estava muito perto. Perigosamente perto. E por mais nervoso que eu estivesse, eu não queria que ele se afastasse. Era estranho a forma como eu me sentia estupidamente atraído por Taehyung. Tudo bem que ele fosse bonito, mas era ridículo a forma como eu me comportava por qualquer aproximação do escritor. Eu mais parecia uma criança perto de seu primeiro amor.

Taehyung parece finalmente entender que estava mais próximo do que a zona de conforto normal de uma pessoa. Seus olhos descem até meus lábios e eu não consigo evitar fazer o mesmo com os seus. Minha garganta seca. As mãos suavam levemente. E nenhum dos dois faziam menção de se afastar.

- Você é realmente bonito, Jungkook. – Sussurra Taehyung, aproximando-se ainda mais. Por instinto, fecho meus olhos e me preparo para sentir seus lábios sobre os meus, mas ao ouvir o barulho de pessoas se aproximando, nós acordamos para o mundo imediatamente.

- Vocês já terminaram? – Questiona Yoongi, entrando no refeitório acompanhado de Jin e NamJoon.

- A...a...ainda não. – Gagueja Taehyung, incrivelmente vermelho. Eu provavelmente me encontrava do mesmo jeito. Eu sentia meu rosto quente e me repreendia por quase ter beijado o rapaz que havia acabado de conhecer.

- Aconteceu alguma coisa? Por que estão tão vermelhos? – Questiona Yoongi, confuso.

- Nossa, Yoongi. Até mesmo eu, que sou cego, consigo entender o que estava acontecendo aqui. – Responde NamJoon, rindo.

- Parece que atrapalhamos vocês. Lamento muito por isso. – Desculpa-se Jin, em tom de voz brincalhão.

- Ah. – Yoongi parece finalmente entender sobre o que os outros dois amigos falavam. Jin e NamJoon riem mais um pouco do comportamento do rapaz, que me encara com malícia. Eu com certeza ouviria muitas provocações por parte dos mais velhos durante a noite.

- Não estávamos fazendo nada. – Afirmo, com a voz um pouco rouca. Ainda estava tentando me recuperar. – Vocês já terminaram?

- Claro que já. Nós estamos apenas esperando vocês. – Responde Yoongi, dando de ombros. – Não somos igual vocês que não conseguem controlar os instintos.

- Ei! Nós não fizemos nada. – Repreende Taehyung, fazendo um bico envergonhado. Isso só dar ainda mais forças para os olhares provocativos de Jin e Yoongi. – E nós já estamos terminando.

Sem esperar mais nenhum comentário, Taehyung volta a se concentrar na tarefa de cortar as laranjas para colocar na máquina onde iria ser feito o suco de laranja. Ainda um pouco atordoado para lidar com tudo que havia acabado de acontecer, eu demoro alguns instantes até entender que eu deveria voltar ao trabalho para que enfim terminássemos o lanche da tarde das crianças.

Nós terminamos as tarefas sem nos encarar ou falar qualquer coisa. Eu não sabia bem como reagir. Tudo foi tão rápido e tão intenso, ainda que nada de fato houvesse acontecido. Mas somente de sentir a respiração de Taehyung tão próxima de mim, de sentir seu perfume cítrico e tão atraente invadir meu olfato foi o suficiente para mexer com todos os meus sentidos.

Por outro lado, essa confusão de sentimentos só me fez ficar ainda mais interessado em descobrir mais sobre o rapaz. Por que ele mexe tanto comigo? Por que eu me sinto tão atraído? Por que eu não sei como reagir perto dele? Essas perguntas rondavam minha cabeça e meu coração. Mas de uma coisa eu tenho certeza. Não importa o que aconteça, eu irei desvendar todos esses mistérios que Kim Taehyung desperta em mim.

 

Җ


Notas Finais


Oi! O que acharam? Deixem a opinião de vocês que é muito importante para mim. Quanto ao próximo capítulo, eu não tenho certeza quando irei postar, mas prometo que será em breve. Só tenham um pouquinho de paciência comigo. Ah, eu tenho alguns grupos de leitores e se quiserem entrar em contato, deixarei os links abaixo. Eu tenho no Facebook, Instagram e WhatsApp. Se quiserem me conhecer melhor e fazer amizade com meus outros leitores, fiquem à vontade. Beijocas e até mais <3!

Cupcakes da Lara: https://www.facebook.com/groups/677328449023646
Família Cupcake 2.0: https://chat.whatsapp.com/E6wkn6DU0rR0IoR0d3EOLi
Instagram: @_cupcakesdalara


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...