História Re: Zero - O Último Guardião - Capítulo 1


Escrita por: e LiraOnesama

Postado
Categorias Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu
Personagens Beatrice, Betelgeuse, Emilia, Felt, Personagens Originais, Puck, Ram, Rem, Roswaal L. Mathers, Subaru Natsuki
Visualizações 41
Palavras 2.202
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - O Espírito


Fanfic / Fanfiction Re: Zero - O Último Guardião - Capítulo 1 - O Espírito

“Traidor...”

“O que? Por que?”

“Você não cumpriu o seu dever, não protegeu a mim, você traiu os únicos que você podia chamar de amigos... Eu só queria um pouco de amor...”

“Você me obrigou a te proteger, só porque você me deu a vida, não significa que pode tirá-la...”

“Eu posso, mas não o farei... Muito pelo contrário... E se você contar sua nova habilidade à alguém... Seu coração é meu...”

“Tanto faz, sua criação mais poderosa também tem sentimentos, e se você quer meu “amor”, devia sentir mais empatia...”

“Empatia? Você não sente empatia, você é um hipócrita!”

“Mantenha essa sua alma próxima de mim, e então verá que usarei meus poderes apenas para o bem!”

“É exatamente o que vou fazer, Guardião da Plasma. As únicas novidades que posso revelar será que você terá costumes de um mundo paralelo e conhecerá tudo desse mesmo mundo.”

“Se são costumes, significa que não vou achar nada estranho, ao contrário de outras pessoas.”

“Cuidado para não ser descoberto, Cast... Um passarinho me disse que os 7 guardiões, incluindo você, merecem morrer por proteger uma ameaça mundial...”

“Cuidado para não ser descoberta, Satella, um passarinho me disse que o feitiço se volta contra o feiticeiro...”

19 de Mão da Chuva, 2018

Lugunica

Agora até eu mesmo me sinto estranho nesse mundo, eu pareço diferente, mas ao mesmo tempo, sinto que não mudei nada, basicamente, parece que estou mais acostumado com o tal mundo paralelo do que nesse mundo...

Eu sabia os nomes das roupas que estava vestindo... Nossa, é melhor eu começar logo...

Eu estava vestido com uma blusa de frio azul escuro sem muitos detalhes por cima de uma blusa branca simples, uma calça jeans preta, botinas para esporte também pretas, e uma máscara, que posso chamar mais é de bandana.

Estava um dia quente para vestimentas assim, mas eu realmente gostei desse visual...

E por pura vontade, comecei a andar por aí sem rumo com as mãos no bolso da blusa, até que vi uma garotinha caída no meio da trilha onde passavam as carruagens de dragão prestes a ser atingida por uma delas. Talvez eu pudesse ajuda-la apenas com minha agilidade, mas alguém ao meu lado me distraiu de uma forma idiota...

-Agora é a hora perfeita de testar meus poderes! –Disse ele antes de fazer um gesto estranho com as mãos, tipo um hadouken..

Posso perceber facilmente por quê ele achou que isso daria certo, apenas de olhar suas vestimentas, ao mesmo estilo da minha: uma jaqueta preta e branca com detalhes laranja, usava uma calça cargo preta e sapatos sociais pretos, e sua aparência eram cabelos pretos, olhos castanho-escuro com uma feição um tanto confiante ou orgulhosa demais... Ele também carregava uma sacola com lanches, eu sabia o nome daquilo, graças à Satella, os nomes eram... Uh... Miojo... e... Chips... é isso?

“Ele é um dos guardiões?” Era só o que eu pensava naquele momento, mas também havia a possibilidade de ele ser do mesmo mundo paralelo que eu “devia ser”, e ter sido invocado para este mundo.

A garota na trilha já havia sido salva por um guarda que estava por perto, em seguida ele foi aplaudido, eu não me interessei muito, a única coisa que me passava pela mente é que Satella podia ter enviado o segundo guardião, no caso o mais poderoso depois de mim, para me assassinar, mas se não for o caso... Eu devo ajudá-lo.

-Que foi? –Ele parece ter percebido que eu estava encarando-o...

-Huh?

-Parece que você também foi invocado pra cá... –Disse ele, mas ele pode apenas estar tentando se disfarçar e me enganar, porém, de todos os guardiões, sou o mais inteligente...

-Sim, acho que sim... Quer conversar sobre isso? –Perguntei, afinal, se ele fosse mesmo um dos guardiões, eu posso matá-lo sem remorsos, mas se fosse mesmo um humano qualquer, talvez eu possa ajudá-lo a voltar para casa...

-Claro! Talvez até consigamos voltar para o nosso mundo trabalhando juntos! –Disse ele confiante.

Então ouvi um som familiar vindo dele, parecia vir de sua barriga...

Fome... Diferente de todas as criaturas criadas pela bruxa, os humanos têm essas necessidades básicas de sobrevivência, não os julgo por isso, somos raças diferentes com dependências diferentes. Não que nenhuma criatura coma ou beba algo, eu como e bebo porque é tão gostoso...

-Bem, vem comigo, vou comprar alguma coisa e aí conversamos a sós! –“A sós”? Se você não produzisse esses ruídos estranhos com seu estômago talvez eu suspeitasse muito mais de você...

No meio do caminho, encontramos vários mercadinhos, no caso, acho que os leitores chamaria de “feira”...

-Aliás, meu nome é Natsuki Subaru, e o seu? –Perguntou ele.

Putz, vamos lá, um nome criativo!

-Connor Madrazzo, prazer em te conhecer, Natsuki Subaru. –Menti, não que eu não confio nele, eu só não confio se todas essas pessoas ao redor podem ou não ouvir, todos sabem quem é Cast (OBS: Os nomes dos guardiões eram apenas para atender ordens de Satella, não existem sobrenomes)

-Pode me chamar só de Subaru! –Disse ele antes de se distrair com um dos mercadinhos, ele estava encarando os preços, então parei ao lado dele...

-Que roupas estranhas. Estão viajando? –Perguntou o dono da tenda.

-O que é isso? –Perguntou Subaru, ignorando completamente a pergunta do vendedor.

-São ringas. –Respondeu ele.

Subaru demorou um pouco para entregar... alguns ienes...

-Huh? Que dinheiro estranho é esse? Não usamos isso aqui em Lugunica. –Disse o vendedor, agora tenho certeza absoluta de que ele é um humano qualquer de um mundo paralelo. –Isso quer dizer que estão quebrados, não é? Pois sumam daqui e não atrapalhem meus negócios! –O grau de arrogância desse vendedor foi de 0 até 100 de forma injustificável...

Andamos mais um pouco, até chegarmos num beco, onde nos sentamos na escada.

Então Subaru tirou algo de seu bolso, era um celular, coisa que só existe em seu mundo.

-Meu celular ainda funciona... MAS TÁ SEM SINAL! –Ele não me parece muito feliz... –Droga! Sinto muito dizer na cara, mas até agora você não me ajudou em nada... –Hora de jogar na cara.

-Eu conheço muito bem esse mundo, talvez um pouco de informação sobre seu novo lar seja útil... –Falei.

-Como assim “novo lar”?! –Perguntou ele, eu devia cuidar das minhas palavras também...

Hora de usar o conhecimento de Satella me deu 400 anos atrás (período em que Cast fugiu, no caso quando a “Morte dos Guardiões” foi declarada)

-Seguinte, você sabe muito bem que no seu... no NOSSO mundo, não existe magia, ou seja, não tem como ser invocado para lá assim como você foi invocado para cá. –Respondi.

-Quer dizer que eu vou viver aqui para sempre?! –Ele já estava desesperado.

-Eu estou aqui há 2 semanas e meus sentimentos acerca de minha família não existem mais, hora de eu criar um nova família e fazer novos amigos, eu já até sei ler e escrever. –Fui frio, acho que Satella estava um pouquinho certa sobre minha empatia, também menti um pouco, pois dizer que estou nesse mundo por mais de 400 anos como um humano seria estranho para qualquer um, nenhum ser que não seja criação da bruxa vive tanto tempo... (essa parada de ler e escrever é que a escrita de lá é em uma língua muito diferente)

-Ugh...

Logo, vimos três figuras caminhando em nossa direção, eu já sabia que eram, os únicos ladrões da Capital, só avisando, vou alertar que suas aparências não vão importar muito, só pensem num maromba, um WaLuigi da vida e um tampinha.

-Finalmente, devem ser os que nos invocaram para cá. –Disse Subaru um pouco mais animado depois de se levantar. Pobre Subaru, um humano tão ingênuo, sinto que terei que tomar conta dele até conseguir se virar sozinho...

-Connor, né? –Perguntou o WaLuigi da vida, vou chamar ele só de WL mesmo. –Sem brincadeirinhas, ou você tá morto, é melhor correr. –Disse WL, tentando me ameaçar.

Ignorei sua fala.

-É melhor que nos deem tudo o que têm se não quiserem se machucar! –WL já segurava Subaru pela gola da jaqueta.

-Droga, esse é um evento obrigatório! –Disse Subaru, não percebi se estava tirando sarro da situação ou se ele pensava mesmo que isso é um jogo...

Então começo a ouvir passos distantes de trás dos três, parecia alguém correndo em nossa direção, ao olhar melhor, pude ver uma garota, eu a conhecia por ser a ladra que ela é: Felt. Ela tem bons motivos para ser uma ladra, e o principal é a sobrevivência, por isso nunca tentei parar essa garota, ela faz o que pode para não morrer.

-Vocês aí, saiam da minha frente! –Gritou Felt enquanto corria, seria ela quem invocou Subaru para este mundo?

-Até que enfim! A autoridade que me invocou pra cá!

-Invocar? Uhm, eu não sei de nada disso, me desculpa. Viva bastante! –Acho que não...

Sem mais nem menos, Felt começa a escalar a casa atrás de mim e vai embora, ela parecia com pressa...

Bem, acho que é isso, foi divertido brincar com eles sem usar poderes, mas eu preciso descansar.

Então, começo a liberar um Gaster capaz de eliminar os três de uma vez, mas algo me impede... O fato de alguém testemunhar um guardião em Lugunica, Subaru veria e acharia o máximo, pois provavelmente não conhece absolutamente nenhuma história desse mundo...

-Pois é, eu já devia ter feito isso há bastante tempo... –Falei.

Eu já estava preparado, em um lugar onde ninguém poderia testemunhar: Exatamente atrás dos criminosos.

Sou interrompido novamente, mas essa presença me surpreendeu...

Não quero ter que descrever a garota na imagem do capítulo.

-Já chega. –Uma voz feminina me interrompeu...

Olhei novamente para a mesma direção de antes, e vi uma garota, por algum motivo, muito parecida com Satella... E no seu ombro havia um... espírito?!

Espíritos... As criaturas mais poderosas neste mundo... Bem atrás estão a Baleia Branca (Ser criado pela Bruxa da Inveja há 400 anos) e logo depois, os guardiões...

Esse espírito lembrava muito um gato cinza... É só isso mesmo...

-Quem diabos é você?! –Perguntou o marombão.

-Larguem-no agora e eu ignorarei isso. Então simplesmente devolvam-me o que roubaram. -Ordenou a garota.

-O que nós roubamos? –Perguntou o tampinha confuso.

-Sim, é importante para mim, não me importo com as outras coisas, mas não posso deixa-los ficar com aquilo. -

-Não veio salvar esses moleques? –Perguntou o WL.

-Que roupas mais estranhas... Se me perguntassem se tinha alguma ligação com eles, eu diria que não.

-Então não temos nada à tratar com você, se alguém lhe roubou algo, foi aquela pirralha que passou correndo aqui! –Disse o maromba.

Então a mesma garota começou a correr em minha direção, apenas de olhar para aquele espírito o cu trancava...

Enfim, ela parou no meio do caminho e se virou para os criminosos.

-Mas independente disso... Não posso ignorar o que está acontecendo aqui! –Disse ela antes de conjurar 3 pedras de cristal em formatos circulares, em seguida, arremessou nos 3, que foram jogados para trás com o impacto.

Uma praticante de artes espirituais, huh? Melhor eu tomar cuidado...

-Não importa se você vai usar magia, uma batalha três contra dois vai ser moleza! –Disse WL.

-Pelo visto eles sabem que você luta, huh? –A garota me disse.

-Acho que estão falando do espírito... –Falei, tentando me mostrar alguém frágil...

O espírito e a garota, por algum motivo ficaram assustados...

-E-ele... está me vendo? –Perguntou o espírito, valeu Satella...

-A gente não vai pegar leve, sua vadia, vamos matar você! –Ameaçou WL.

Então o espírito usou uma magia para se fazer presente para os criminosos, ignorando o fato de eu poder vê-lo.

-Faça algo com ela e eu perseguirei você e seus descendentes para sempre, não é como se você terá descendentes se eu fizer isso! –Brincou o espírito.

Pelo visto eles reconhecem o poder de um espírito, pois saíram vazados do local.

-Você nos salvou, obrigado! –Agradeceu Subaru enquanto se levantava.

-Não se mova! –Ordenou a garota enquanto o encarava nos olhos.

Depois de simplesmente dois segundos, Subaru já desviou o olhar.

-Viu só? Você desviou o olhar por estar com a consciência pesada. Acho que acertei no meu julgamento... –Disse a garota.

-Tem certeza? Acho que foi só uma reação masculina instintiva, não senti nenhuma malícia na reação dele. –Corrigiu o espírito.

-Quieto, Pack! –Pediu a garota.

Pack... Então é esse o seu nome...

-Você sabe quem roubou meu brasão, não sabe? –Continuou.

Nesse momento, Pack começou a me encarar com uma feição de dúvida, eu já sabia o que ele estava fazendo, eu reconhecia essa feição, ele estava procurando saber quem eu era, ele descobriria logo, logo...

Sua feição se tornou assustada, pois, segundo a história, Satella teria me matado, e os outros 6 guardiões foram derrotados pelos humanos, a história está errada.

Isso enquanto a garota finalizava sua conversa com Subaru, que estava quase desmaiando sei lá por que.

Enfim, a última coisa que ouvi foi o sussurro de Pack para a garota:

-Confia em mim e não questione, desnorteie o outro.

Enfim, pude ver em câmera lenta aquela pedra de cristal vir de encontro com minha testa, em seguida, minha visão se escureceu...


Notas Finais


'-'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...