História Re: Zero - O Último Guardião - Capítulo 3


Escrita por: e LiraOnesama

Postado
Categorias Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu
Personagens Beatrice, Betelgeuse, Emilia, Felt, Personagens Originais, Puck, Ram, Rem, Roswaal L. Mathers, Subaru Natsuki
Visualizações 61
Palavras 4.365
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Os Poderes


Fanfic / Fanfiction Re: Zero - O Último Guardião - Capítulo 3 - Os Poderes

16:37

Basicamente, chegamos na casa de saques de novo, sem Emilia dessa vez, conversamos com um velho que morava aqui chamado Rom, um tempo depois, Felt chega no local e diz estar esperando seu cliente para quem vai vender o brasão, mas, somos espertos para usar coisas de outro mundo para trocar pelo brasão, como por exemplo, o celular de Subaru... Daí chegou a cliente de Felt... Elsa... E eu acabei de resumir umas 500 palavras ou mais.

-Como eu pensei, era mesmo pra mim! –Disse Felt.

-Perece que há outras pessoas aqui. –Comentou Elsa.

-Bem, eu teria problemas se você me caloteasse. Nós fracotes conseguimos ser inteligentes... –Então Felt explicou.

Elsa... A Caçadora de Entranhas... Para rebater meu olhar de alguém que já provou da morte, Elsa me encarou com um sorriso.

-Eu conheço este senhor. –Disse Elsa se referindo ao Velho Rom. –Mas quem são esses jovens? –Em seguida, se referindo a mim e Subaru.

-São seus rivais, eles também querem comprar o brasão. –Respondeu Felt.

E novamente, a mulher me encarou com um sorriso.

16:40

Bem, não quero entupir esse capítulo, então vou resumir muito a parte chata.

Elsa tinha um cliente, no caso quem queria o brasão, ela ofereceu vinte moedas sagradas pelo brasão, mas o que Subaru tinha para trocar valia um pouco mais: Um “Metia” (é como o telefone é conhecido nesse mundo), então ganhamos a negociação...

-Aproveitando, o que pretendem fazer com o brasão? –Perguntou Elsa.

-Bem, eu vou encontrar o dono e devolvê-lo. –Respondeu Subaru.

Nessa hora, o Velhor Rom e Felt ficaram perplexos.

-Ah... Então você está com eles... –Comentou Elsa.

-Subaru. –Chamei.

-Sim?

-Se você não notou nada de diferente, é porque é um completo idiota. –Falei antes de puxá-lo bruscamente pela gola, arremessando-o no chão.

-Minha nossa, você desviou do meu golpe! –Disse Elsa.

Ao olhar para trás, Elsa estava em uma posição pós-ataque, com um punhal nórdico em sua mão direita.

Felt ajudou Subaru a se levantar, então nós três nos afastamos de Elsa.

Rom tomou a iniciativa e começou a atacá-la, mas Elsa era ágil, e desviava de todos os golpes que Rom tentava acertar.

Calma aí, deixa algo de interessante acontecer...

-Isso é ruim... –Comentou Subaru.

-Não se preocupa, nunca que o Velho Rom perderia! –Disse Felt.

Perfect Timing, Rom teve seu braço cortado fora... Em seguida Elsa usou um copo para cortar sua garganta...

-Putz... –Eu já havia até pegado um café, não tem pipoca mesmo.

-Sua cadela... Como se atreve? –Felt havia sido tomada pelo ódio.

Eu podia ter parado isso, mas sou meio sádico...

-Hm? Parece que você é mais corajosa que seus amigos ali. –Comentou Elsa.

-Eu vou te matar, mesmo se você não revidar, sua psicopata! –Não sei por que acho que Felt fica fofa suja de sangue.

-Se você se mexer demais, minhas mãos podem acabar escapulindo. Não sou muito boa com punhais sabe... –Disse Elsa.

-Desculpe por envolvê-los nisso. –Felt nos disse.

-Felt, você vai- -Tentei alertar Felt, mas ela me ignorou e tentou usar a Benção do Vento para atacar Elsa por trás, sem sucesso.

-Que magnífico. Posso ver que você é amada por esse mundo, te invejo por isso. –Disse Elsa antes de cortar a barriga de Felt verticalmente.

-Putz...

-Por que você não faz nada de útil?! –Perguntou Subaru, é hora de procurar uma desculpa esfarrapada.

-Usei o que sobrava da minha mana naquele beco... –Falei.

-Gastou tudo em um dia?! Como você recarrega essa mana?!

-Eu não durmo há duas semanas... Eu poderia mata-la sem problemas, mas a Felt é um motivo para eu querer morre agora. –Falei enquanto me aproximava de Elsa.

-O que você vai fazer? –Perguntou Subaru.

-Vou ter certeza de que isso não é um sonho.

Tentei um movimento brusco, mesmo sabendo que não teria muito sucesso, eu conheço a Elsa, ela cortará minha barriga quando passarmos um pelo outro.

Peguei impulso com minha perna esquerda, o que me fez pegar velocidade e um pouco de altitude, o suficiente para me permitir girar 360° e ainda acertar um chute em sua cara, ainda com minha perna esquerda, deu certo até.

-Nossa, eu realmente senti esse golpe... –Disse Elsa.

Logo, me senti muito fraco, e ao olhar para baixo, percebi que Elsa fez o que eu temia: cortou minha barriga sem que eu percebesse...

-Dói bastante depois que você vê quão grave é... –Comentei.

-Sinceramente, eu gosto de como você reage diante da morte, parece que você já provou dela uma vez... –Disse Elsa.

-Bem... Nos vemos depois eu acho... Let It Go, Elsa... –Tirei sarro da situação, fazendo continência com meu indicador e meu dedo médio enquanto caia no chão.

Eu já não ouvia mais nada, mas com minha visão embaçada, pude ver Subaru tentar a mesma coisa que eu, tendo o mesmo destino...

-Subaru... Você é muito burro... –Falei o que eu não pude ouvir, ainda agonizando em dor.

Pude ver Elsa se agachando ao lado dele, do jeito que ela é, deve estar falando coisas que um psicopata falaria... Efim, novamente toda a dor se foi e minha visão se escureceu.

Putz, morri, mano...

-O que foi garoto? Está parecendo que viu um fantasma. Você está bem? –Perguntou uma voz reconhecível.

-Eu não sei o que está acontecendo... –Disse outra voz.

Então esfreguei meus olhos, o que deixou minha visão mais precisa, mais rapidamente do que a outra vez. O que é essa minha “habilidade”?

“Como eu disse, não vou tirar sua vida, muito pelo contrário...”

Era isso...

Em seguida, Subaru caiu desmaiado em minha frente.

Bem, isso é só uma nova habilidade, então vou trata-la como tal.

15:21

-Subaru, está melhor? –Perguntei à Subaru, que havíamos deixado sentado.

-Não se preocupe com dinheiro, apenas pegue. –Disse o dono da tenda/tio da ringa enquanto oferecia uma ringa à Subaru.

Subaru ia pegá-la, mas começou a encarar uma direção aleatória, curioso, resolvi olhar.

Emilia...

-Ei... Espere! –Gritou Subaru, que de repente começou a correr em direção à Emilia.

-Porra, moleque... –Murmurei enquanto eu o seguia.

-Espere! Satella! –Gritou Subaru, o que fez Emilia parar de andar, provavelmente porque se sentiu desrespeitada.

Então parei atrás de Subaru.

-Por favor, não me ignore! –Ele continuou. –Eu ter morrido sem ter feito o que você falou foi culpa minha! Mas eu estava desesperado!

-C-Cuidado, Subaru... –Falei, pois pronunciar esse nome é bem perigoso...

Então Emilia virou um pouco seu rosto para nós.

-De qualquer forma, fico feliz que esteja bem, Satella!

*FacePalm*

Então Emilia se virou completamente, olhando com raiva para Subaru.

-O que você está pensando? –Disse Emilia.

-Huh?

-Eu não sei quem você é, mas não me chame pelo nome da Bruxa da Inveja! –Pediu ela. –O que você tem na cabeça?!

-Mil perdões... –comecei a me aproximar. –Meu amigo aqui confunde as pessoas muito facilmente...

-Apesar da sua tentativa de me acalmar, vou ter que pedir que também fique calado, pois sua semelhança com o sétimo guardião já te faz suspeito. –Disse Emilia.

-Hm... Entendo... De qualquer forma, me desculpe...

Nesse momento, vi um vulto passar por mim...

-Felt, não! –Tentei pará-la, sem sucesso...

Felt rapidamente pegou o brasão do bolso de Emilia, quase não encostando nela, mas Emilia parece ter percebido...

-O objetivo de vocês era me parar? Estão trabalhando com ela? –Perguntou Emilia, já desesperada.

-N-Não! –Subaru respondeu.

Então Emilia começa a correr atrás de Felt.

-Ei, espera! Você entendeu errado, eu... –Subaru parou de falar quando percebeu que todos ali perto estavam nos encarando.

-Vamos... –Falei antes de começar a correr atrás de Emilia.

Novamente, acabamos naquele mesmo beco.

-Deixa pra lá...

Deixa eu pular um minuto de coisa repetida aqui...

-Porra, Subaru, tu é idiota, cara, por que tu avançou na lâmina?! –Reclamei antes de pegar a lâmina cravada nas costas dele. –Puta moleque idiota, vamos ter que voltar no checkpoint de novo!

Tá, eu cometi suicídio com aquela faca pra ele não ficar de espectador, daí voltamos ilesos no tio da ringa.

-Ei garoto- -Na real, eu já me cansei dessa cena, vamos logo.

15:35

-Celular, carteira, miojo, salgadinho de milho, está tudo aqui. –Subaru listava as coisas para ver se o salto temporal era real. –E minhas roupas também estão intactas, e é claro... –Então ele verificou suas costas. –Ainda bem. Uma ferida nas costas é a pior das vergonhas de um guerreiro.

-Bem, não há como negar, a vida vai ser como um videogame agora.

Nos mantivemos em silêncio por um tempo.

-Você tem algum plano? –Subaru me perguntou.

-Na verdade tenho. Acredito que, em todas as quatro linhas do tempo, a Em- ... A Satella teria encontrado a garotinha perdida, o que resultou em ela descobrir onde Felt costuma frequentar pela ajuda que o dono daquela tenda tinha nos dado da outra vez. Então encontraremos ela naquela casa de saques, e se ela for sozinha, morrerá. –Falei. –Então, vamos procurar um lugar nas favelas que possa ser a casa de Felt. Você entenderá depois.

15:45

Acabamos no beco DE NOVO . . .

-O que você está resmungando? –Perguntou o menor dos três, até porque Subaru estava pensando alto demais...

-Se n- -Interrompi WL.

-Se não quiserem se machucar entreguem tudo o que têm. Eu já me cansei de ver o rosto de vocês... -Falei

-Relaxa, Connor, eu sei o que fazer. –Disse Subaru antes de inspirar fundo e gritar: -G U A R D A A A A A S ! ! ! –W h a t h e f u c k . . .

Bem, ele ficou gritando que nem um viadinho até alguém vir nos ajudar... O pior é que deu certo, mas eu queria que não.

-Nossa, não me assuste assim... –Disse o maior dos três.

-Olha, eu não conheço ele, tá bom? –Falei.

Ok, os três puxaram lâminas...

-Inútil. –Falei à Subaru. –Atrás de mim.

Então me posicionei em frente aos criminosos com as mãos no bolso da blusa... Espera, de onde eu tirei essa mania?

-Já basta. –Ouvi uma voz conhecida vindo de trás de mim.

-Reinhard?

Reinhard é um guarda que eu conheço, e um mestre espadachim, também é o único daqui que sabe do meu segredo...

-Bom dia, Cast! Vejo que quer se divertir com um amigo dessa vez!

Chatice... Chatice... Mais chatice... Tá, dane-se.

O resultado disso foi: Reinhard acabou conversando com Subaru por um tempo, que acabou pedindo para enviar à Emilia uma mensagem. Depois disso, fomos até as favelas e acabamos descobrindo onde Felt mora, e infelizmente, a situação dela não era muito boa...

-Realmente, fede a lixo... –Pulamos demais, mas deixa.

-O que pensam que estão fazendo bisbilhotando a casa dos outros? –Ouvimos uma voz feminina vindo de trás de nos. –Desculpem-me, mas não tem nada de valor pra roubar aí. Sumam!

-Ah, relaxa, não era o que a gente tava fazendo. –Disse Subaru.

-Calado, não questione! –Disse ela antes de tentar ataca-lo.

Eu queria ver pelo menos um sanguinho, mas pelo menos a casa de Felt caiu em cima de Subaru, e junto com seus gritos, isso me fez rir bastante.

-Chega, Felt. –Pedi.

-Como você sabe meu nome? Vocês querem que eu roube algo para vocês? Por que não falaram logo? –Perguntou ela.

-Foi você quem me atacou antes que eu pudesse falar. Sabe, você tá mexendo com um negócio bem mesquinho. Você se orgulha de ficar roubando?! –Perguntou Subaru, pelo visto ele conseguiu sair dos escombros da casa facilmente.

-É tudo uma questão de sobreviver, ou eu roubo ou eu vendo meu corpo. Mas enfim, o que vocês querem tratar comigo? –Perguntou Felt.

-Queremos algo. –Respondi enquanto caminhava em sua direção com as mãos no bolso da blusa, nossa, eu viciei mesmo nisso... –A insígnia que você roubou.

-Vocês não têm ligação com minha cliente, são rivais de negócios? –Perguntou ela.

-Chame-a de rival ou de assassina que matou meus pais, ou até mesmo eu. –Disse Subaru.

-Você não fala coisa com coisa... –Comentou Felt. –Enfim, só estou interessada em vender pra quem pagar mais. Se vocês tiverem uma oferta que possa valer a pena eu ouvirei.

-Que espertinha... –Disse Subaru. –Tenho algo que vale mais do que 20 moedas sagradas. Quero comprar a sua insígnia com isso. É algo que todos querem ultimamente, um metia. –Disse ele antes de tirar uma foto de Felt com seu metia/telefone. –Esse é o poder de um metia. É um objeto único capaz de capturar e parar um momento do tempo.

-Não me parece que você está mentindo, mas 20 moedas sagradas? Pouco provável. Mais ao fim da favela há uma casa de saques, lá vive um velho, Rom-jii, que avalia os objetos. –Disse Felt.

-Então ainda temos que fazer isso... –Reclamei.

*Uma hora de caminhada e conversas aleatória e mais coisas pra encher o capítulo depois*

Casa de saques

16:59

-Então isto é um metia... Nem eu havia visto um antes. –Disse Rom.

-É bem delicado, então manuseie com cuidado. Considere que “se quebrar, você tem que morrer”, não tem como consertar. –Disse Subaru.

-Sim, eu estou realmente impressionado... Se eu fosse vender isso, eu não pediria nada menos que 15... Não, 20 moedas sagradas. –Disse Rom.

-Certo, negociações finalizadas! Agora, se terminarmos de conversar, vamos beber e comemorar uma venda finalizada! –Subaru já estava se retirando do local todo felizão, mas eu quero muito matar a Elsa agora...

Espera...

 ...

...

Aqui!

Toc-Toc-Toc

Alguém estava batendo na porta, devia ser a Elsa...

-Deve ser pra mim, mas está muito cedo. –Disse Felt enquanto andava em direção à porta.

-Não abra! –Gritou Subaru.

-Huh?

-S-Seremos assassinados!

Felt o ignorou e abriu a porta.

Então alguém entrou... Emilia?

-Matar vocês? Eu não faria algo tão terrível.

...

-Ainda bem que você está aqui. Dessa vez, você não escapará. –Emilia disse à Felt.

-Ela já... Espera, se você tivesse nos dado a localização desse lugar quanto antes, nós já demoraríamos tanto tempo daquela vez! –Subaru resmungou comigo.

-Não trate o player dois como uma estatística, se você não fosse tão apaixonado por uma garota qualquer, chegaríamos aqui mais cedo do que ela chegou, isso sem contar que você precisaria encontrar a Felt e ambos tinham que estar aqui! Eu tinha o plano perfeito, mas alguém orgulhoso como você não faz nada de útil! –Rebati.

-Droga, essa resposta foi bem lógica! Mas eu não estou a fim de morrer pra tentar algo diferente...

-Você não desiste mesmo... Estou avisando, desista de uma vez! –Disse Felt enquanto se afastava de Emilia.

-Desculpa, mas não posso abrir mão disso. –Respondeu Emilia. –Se fizer como eu digo, não vou te machucar. –Então conjurou 6 estalactites de cristal, 3 apontadas para Felt e 3 para mim, Subaru e Rom. –Tenho apenas um pedido: Devolva meu brasão. Ele é muito importante para mim.

-Se ela fosse apenas uma maga qualquer, eu nem falaria nada, mas essa daí é problema na certa! –Comentou Rom.

-Qual é a sua, Velho Rom? Admitindo a derrota antes mesmo de lutar?! –Reclamou Felt.

-Ei mocinha, você é uma elfa, não é? –Perguntou Rom.

-Meio-elfa. –Falei por cima.

-Huh?

-E com cabelo prateado...

-Isso é só uma semelhança acidental! Na verdade isso também me incomoda. Mas eu não vou dizer sobre a sua semelhança com o sétimo guardião.

Nesse momento, Felt e Subaru olharam para mim confusos. Como resposta, soltei um sorriso malicioso para Felt e coloquei meu dedo indicador na frente da minha boca.

-Shhh...

-Vocês armaram pra mim, não foi? –Perguntou Felt.

-Ela era o principal motivo das nossas intenções, mas esse não era o objetivo, tecnicamente, não estaríamos nessa situação se você tivesse nos dado o brasão logo. –Falei.

Agora que percebi, Pack estava em seu ombro me encarando, provavelmente estava invisível aos olhos dos outros...

Também pude perceber o brilho de uma lâmina atrás de Emilia, também havia uma sombra humana atrás... Elsa...

-Pack, proteja ela! –Gritei após me levantar rapidamente da cadeira.

Então Pack conjurou uma barreira de cristal para proteger Emilia, que se assustou com o som provocado pelo choque do punhal nórdico com a maciça barreira.

Após a fracassada tentativa, a sombra se fez presente ao sair da escuridão.

-Essa passou muito perto, você nos salvou! –Pack me agradeceu.

-Um espírito... É um espírito, não é? Que maravilhoso. Eu nunca abri a barriga de um espírito... –Disse Elsa.

-Ei, o que quer dizer com isso? –Perguntou Felt.

-Com o dono do item aqui fica difícil de negociarmos, não é? Então mudei meus planos. Matarei todos vocês. –Explicou Elsa.

-Putz!

-Você falhou em finalizar o serviço que lhe foi dado. Você é boa de conversa, mas seu trabalho é péssimo. De fato, você não passa de uma favelada. –Ela provocou.

-Sua maldita. –Subaru criou coragem...

-Não vá falar nada que te condene... –Pedi.

-Não abuse de uma criancinha desse tamanho, sua sádica viciada em tripas! –Disse ele.

-Poxa, você nunca me chamou disso! –Eu devia levar essa situação mais à sério, mas eu preciso fazer alguma piada.

-A Felt está fazendo o que pode para sobreviver! Só porque seu plano não deu certo você acha que pode fazer isso? Qual tua idade mental?

-Provavelmente é maior que a sua... –Provoquei.

-Cala a boca, Connor! –Deixei ele puto, mano...

-Vixe, alguém não tomou danoninho hoje... –Faz parar!

-Dá pra você levar a situação mais à sério?!

-Eu não consigo!

-Enfim, você sabe o quanto dói ter sua barriga aberta por uma lâmina?! Pois eu sei bem! –Disse Subaru.

-Do que você está falando? –Perguntou Elsa.

-Estou permitindo que-

-Subaru, já deu, já ganhamos tempo o suficiente. Pack, pegue ela. -Pedi.

-Uma excelente demonstração de constrangimento, estou torcendo que sobreviva ao tempo. Espero poder atender às suas expectativas! –Disse Pack enquanto conjurava dezenas de cristais ao redor de Elsa. –Ainda não nos apresentamos não é? Meu nome é Pack, lembre-se do meu nome depois que você morrer. –E então lançou todos contra ela.

-Você conseguiu derrotar ela? –Perguntou Rom.

-Cuidado pra não jogar praga, velhote! –Disse Subaru.

O que antes era uma Elsa, agora é uma montanha de cristal.

Não por muito tempo, pois Elsa conseguiu quebrá-la...

-Precisamos estar sempre preparados. –Disse Elsa, que preparou sua lâmina e correu em direção à Emilia.

-Nunca subestime uma praticante de artes espirituais. –Disse Emilia ao conjurar um escudo de cristal.

-Elsa otária! –Provoquei.

Então Pack conjurou várias estalactites de cristal e foi lançando contra Elsa, uma atrás da outra, só que ele errou absolutamente tudo.

-Cruza, filho da puta! –O que está acontecendo comigo?

-Mas que porra você... Esquece! –Disse Felt.

-Olha só, para uma garota você está bem acostumada ao combate! –Comentou Pack.

-Faz tempo que ninguém me trata como uma simples garota. –Complementou Elsa enquanto continuava a desviar dos cristais.

-Do meu ponto de vista, todos os oponentes são como crianças. Mas você é tão forte que sinto até pena...

É chato ficar olhando...

Continuem ligados, pessoal!

...

...

...

Hora do resumão:

Pack teve que descansar no meio da batalha, Emilia tomou uma porrada e ficou desacordada por um tempinho, o Velho Rom tentou ajudar mas ficou desacordado por uma punhalada nas costas. E, não que seja algo interessante, mas por algum motivo, minha personalidade... Mudou um pouquinho...

-Escute, Felt, eu vou distraí-la e te dar abertura, quando eu disser, você corre daqui e chama ajuda. –Disse Subaru.

-Tenho certeza de que não será necessário, Felt. –Falei.

-Connor, ela é a mais nova daqui!

-Caguei, mano, você vai ver. Felt, vá cuidar do Rom. –Finalizei enquanto andava em direção à briga entre Emilia e Elsa, o resultado no momento era Emilia sentada no chão prestes a ser morta, normal.

-Elsa! –Chamei sua atenção. –Já deu.

-Ora, ora. Parece que você finalmente se mostrou “herói”. –Disse ela. –Bem, você deve ter determinação, mas não é o suficiente pra acabar comigo.

-Eu sei muito bem disso, falta você saber com quem está prestes a lutar... –Ameacei.

-Não mesmo, pode me dizer “herói”? –Pediu Elsa.

Espero que Emilia e Felt não escutem isso...

-Cast. –Respondi.

-Ahahahahaha! Não sei se você sabe, mas essa pessoa que você se diz ser já morreu há 400 anos! –Disse ela num tom de provocação.

-Não sei se você sabe, mas...

“Wuld Nah Kest”

Usei a magia para me movimentar rapidamente, então me posicionei atrás de Elsa e sussurrei.

-As histórias sempre estiveram erradas... –Sussurrei em seu ouvido.

Por puro desespero, Elsa tentou três golpes, todos fracassados, pois eu desviei e, em seguida, me afastei para ouvir o que ela tem para dizer.

-A-A Fúria Elemental? C-Como? Só um ser tem o poder de todos os elementos e pode usar essa magia... –Disse Elsa...

-É o que diz nos livros, gata! –Provoquei.

-Ugh, você não pode se esquivar para sempre de qualquer forma! –Disse ela enquanto corria em minha direção.

-Claro que não, Elsa, claro que não...

“Strun Bah Qo”

Raios saíram de minha mão direita assim que apontei a mesma para Elsa, e como resultado, isso a fez parar de correr, mas essa magia é fraca, e foi facilmente quebrada. Previsível.

Ela tentou outro ataque, mas...

“Zun Haal Viik”

...seu punhal se partiu no caminho de encontro comigo, mas eu ainda assim desviei.

“Satella? Por que você...?”

“Que foi?”

-O Desarme...

-Cala a porra da boca, velho!

Do meu lado esquerdo, pude ver Felt tomando conta de Rom, como eu pedi. E na minha direita, Subaru estava cuidando de Emilia.

“Krii Lun Aus”

Estalei os dedos apenas para dar efeito especial.

Agora ela está muito mais fraca e lenta, qualquer golpe meu que seja consideravelmente mediano em questões de força devem matá-la.

Então, peguei impulso com minha perna direita e dei um salto. ainda com a perna direita, dei um chute no tórax de Elsa, que a lançou para um dos cantos da casa.

Ela deve estar morta agora, hora de fazer o que vim fazer aqui.

Me movi em direção à Felt, que estava ajoelhada próxima ao Rom.

-Ele está morto... –Ou o corpo dele...

Então me ajoelhei ao lado dela e coloquei minha mão sobre o corte.

“Laas”

O corte agora está intacto, falta fazer seu coração voltar a pulsar.

-Slen... Tiid... Vo... –Alma... Tempo... Desfazer... São as palavras necessárias para transformar a morte em vida... –Agora ele só está desacordado, deixe-o descansar.

Em seguida, me movi em direção à Subaru, que estava com Emilia. E então fiz o mesmo, me ajoelhei em sua frente, os cortes eram 3. Um deles era um pouco profundo, e se localizava em seu ombro esquerdo. O outro não era muito feio, e estava em seu braço direito. E o último, o pior, que provavelmente atingiu seu pulmão esquerdo, estava no seu... seio esquerdo...

Primeiro coloquei minhas mãos em seu ombro esquerdo e em seu braço direito.

“Laas”

Os dois locais agora estão ilesos, agora...

-Subaru, se não quiser me odiar mortalmente, vai falar com a Felt. –Pedi, ainda tirando sarro da situação.

Pois bem, Subaru obedeceu. Fiz isso o quanto antes. Coloquei minha mão sobre... o corte...

“Laas”

Então pude ver uma lágrima correr o rosto de Emilia. Então tirei seu cabelo da frente do seu olho. Ela estava mesmo chorando...

-Relaxa... –Falei.

-Eu estava com medo... –Disse Emilia num tom bem baixo. –Medo de morrer lentamente... Medo de morrer com dor... Eu não sei como você fez isso... Mas muito obrigada...

-Subaru! –Chamei o nome do garoto que veio rapidamente.

-O que é? Ela está bem? –Perguntou ele.

-Acho que está... –Respondi.

Então Emilia se levantou.

-Quem de vocês matou a caçadora de entranhas? –Perguntou ela depois de enxugar suas lágrimas.

-Bem, foi o- -Subaru me interrompeu.

-Foi ele. –Respondeu Subaru enquanto sorria.

Então encarei Subaru por uns 7 segundos enquanto ele me encarava de volta.

-Aliás, você disse que seu nome é Cast, correto? –Droga... ele ouviu...

Emilia ficou um pouco perplexa com a fala de Subaru.

-Bem... Tem algo que eu possa fazer para compensar tal ato? –Perguntou Emilia.

-Olha, eu queria que você me dissesse seu nome... –Pedi.

-Ah, é só isso? Bem, é Emilia. –Valeu, Pack!

-É um nome bonito! –Comentou Subaru.

Senti um arrepio na minha nuca, isso sempre significou ameaça.

Concentrei minha mana em minhas mãos, em seguida, dividi aquele poder em dois e lancei cada metade para o lado oposto uma da outra...

“Mir Tah”

...que se espalhou e gerou um campo de força de plasma que entregaria que eu sou o sétimo guardião, apenas Satella e suas criações sabem criar campos de força...

Em seguida, ouvi o som de dois ferros se chocando, então desfiz nossa proteção e me virei.

Ela ainda estava viva...

Continuava fraca e lenta, mas estava viva.

-Se toca, garota, não sabe do poder de um guardião? –Welp, não tem como eu esconder isso mesmo, mas se Emilia não perceber é porque é tapada.

Vi o brilho de uma lâmina escondida na manga da vestimenta de Elsa, provavelmente era uma pequena faca. Estendi minha mão em direção ao brilho e...

“Zah Frul”

...a lâmina veio de encontro com minha mão. Bonitinha, fácil de se manusear.

-Até a telecinesia do segundo guardião... Parece que a bruxa pensou em tudo quando foi te preparar, não é? –Disse ela num tom de derrota.

-Pois é... –Falei enquanto me aproximava de Elsa. –Dê valor ao que você tem. –Me movi rapidamente para trás de Elsa e, num movimento brusco, cravei a pequena lâmina em sua nuca, ela caiu na hora. –Essa mina deu trabalho.

-Você se machucou? –Perguntou Emilia, não parecendo muito preocupada.

-Nope, nem um arranhão, literalmente. –Respondi.

-Uhm... Tudo bem...

Novamente, me aproximei de Felt e me agachei próximo à ela.

-Você está bem? –Perguntei.

-Sim... –Respondeu Felt.

-Por que ainda está com essa cara? Você nem teve reação depois que viu a Elsa de novo. –Falei.

Ela escolheu não falar por um tempo...

-Você... ainda está vivo? –Perguntou ela.

Então soltei uma risada baixa.

-Diga à todos que seu inimigo agora é seu aliado. –Falei depois de beijar sua bochecha, não sei por que fiz isso, em seguida a abracei, mas ela não correspondeu, provavelmente por medo. –Se cuida, tá bom? –Falei antes de soltá-la.

Depois que me levantei, senti uma dor muito forte na barriga, aquilo veio de repente, e doía demais...

Enfim, minha visão se escureceu.


Notas Finais


Quato Mais Quato?
Cinco!
Assertô!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...