História Realeza de Sangue - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Anya, Bellamy Blake, Clarke Griffin, Lexa, Octavia Blake, Raven Reyes
Tags Alfa, Austrália, Becho, Beta, Clexa, Crime, G!plexa, Linctavia, Máfia, Melbourne, Miami, Ômega, Sydney
Visualizações 149
Palavras 1.498
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Policial, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oooi gente! Primeiramente, gostaria de dizer que é minha primeira fanfic e to bem ansiosa. Antes de mais nada só queria deixar uns avisos aqui:
1. Essa estória é fictícia mas possui pontos reais ao mesmo tempo. Com o tempo vocês vão descobrir.
2. É baseada no livro Ruthless People da J.J McAvoy, que aliás é uma saga basicamente, mas aqui não vai seguir totalmente o livro. O máximo que eu conseguir mudar, vou mudar.
3. Não tenho uma previsão para quando irei atualizar, ainda mais agora em finalera do colégio, vou estar bem atarefada. Prometo tentar não fazer com que fique mais de 1 mês sem capítulo novo.
4. Eu não sou movida a comentários e favoritos, mas peço que se puderem, deixem algum fav ou comentário porque é sempre bom saber suas opiniões. Seja pra falar mal ou bem!
5. Com o decorrer dos capítulos, vou explicar detalhadamente a dinâmica Alfa/Ômega/Beta para quem ainda não conhece.
6. Toda vez que eu falar de feromônios (o que vai ser bastante) lembre-se que é como um cheiro natural da pessoa que, nesse universo, pode causar reações nos outros.
7. Tudo que estiver em outra língua,a tradução vai estar no final.

Capítulo 1 - Capítulo I. (Prólgo)


Fanfic / Fanfiction Realeza de Sangue - Capítulo 1 - Capítulo I. (Prólgo)

New South Wales, Sydney - Austrália.

Quinze anos antes...

Michael Nathaniel Woods P.O.V

Família, respeito e poder são tudo.

Esse era o lema mais importante dentro de uma máfia, seja ela qual for sua origem. Talvez uma das únicas coisas que elas tinham em comum.

Poder. Eu não dou a porra de mínima se você é apenas um soldado. Você tem poder! Por menor que ele seja, você tem! E se apanha muito se não souber o usar.

Respeito. Esse agora só é realmente válido para posições mais altas, se você é novato tem que batalhar muito para conseguir respeito dentro da sua área. Entrar em uma máfia não é algo fácil, todas as ações que fazemos são estudadas e revisadas várias vezes. Irrita-me é ver moleque querendo fazer parte para só portar uma arma e se gabar. Uma grande falta de respeito com todos nesta merda.

Família. Ah, sim! Chegamos no ponto mais importante, a única parte onde você pode ser você mesmo. Na frente de todos, rapaz, tem que ser frio, manipulador e um baita filho da puta, porque se der arrego eles montam em ti. E é na família que você desabafa, é com eles que você mostra seus verdadeiros sentimentos.

E foi pensando nesses quatros pontos que eu fiz algo capaz de salvar e matar o mundo ao mesmo tempo. Basta andar as peças certas no tabuleiro que tudo ficará bem, mas o movimento delas não depende totalmente de mim. Eu nem reparei quando o carro preto parou em frente a minha mansão, meu irmão Gustus, que era o Capo dos meus melhores seguranças, apertou meu ombro por trás do banco.

Ele sabia o que havia acontecido apesar de não ter ficado pessoalmente com aquele homem e nem ter escutado nossas conversas. Eu mesmo fiz questão de contar para ele o combinado e alertar nossos outros 11 clãs. Eu iria jogar mas estava em uma grande desvantagem e isso me deixava puto.

- Yu don a bos dula, bro. Nossa luta ainda não acabou.

Eu permaneci quieto, olhando o reflexo de meu irmão pelo retrovisor. Eu sabia que o três pares de olhos estavam em mim e eu senti vontade de os arrancar. A reunião em Melbourne me deixou com vontade de quebrar vinte costelas de homens e empurrar garganta a baixo, meu orgulho aos poucos ia diminuindo contra vontade.

- Gustus quero que avise a todas as pessoas dos clãs o que aconteceu ontem, mas não de detalhes, seja simples e direto. Não quero nenhum filho da puta comentado sobre isso em horário de trabalho e muito menos virando fofoca.

- Sha, Heda. Você quer que eu entre junto? Posso ver minhas sobrinhas.

- Hoje não, pelo horário elas já devem estar dormindo, e uma vez que Anya é acordada, é difícil fazer voltar-la dormir.

E eu sorri largamente. O único sorriso verdadeiro que tinha dado em dois malditos dias. Era minha família que importava e deus me ajude, mas espero ser perdoado pelo que fiz. A imagem da minha filha mais velha, uma alfa de seis anos com os cabelos loiros da mãe mas olho escuros igual o meu, invadiu minha mente e meu peito levantou-se em orgulho. A outra mais nova, também uma alfa com seus cabelos escuros iguais o meu, mas o olhos verdes esmeralda da mãe tinha quatro anos e já se mostrava tão poderosa quanto a irmã. O sangue Trikru corria pelas veias daquelas duas e eu só poderia concordar que deixei minha máfia em mãos certas.

Anya e Alexandria nunca me decepcionariam do modo como devo estar decepcionando meu falecido pai agora. Que você esteja em um bom lugar, papai.

- Essas duas não negam o sangue que corre em suas veias - Gustus gargalhou - Lincoln eu posso dizer o mesmo, esses dias veio com um papo sobre querer aprender mais sobre atirar facas. E ainda pegou as profissionais.

Lincoln, alfa filho de meu irmão com Indra Whithe, também iria suceder o lugar do pai quando estivesse pronto. Isso se não pegasse uma posição mais alta, a criança que tinha a mesma idade de Anya, era extremamente esperto. Especialmente nas áreas tecnológicas, penso que ele daria um ótimo hacker.

- Bom, eu vou indo. Mande um abraço e beijo em Indra e Lincoln por mim, amanhã vamos conseguir conversar melhor. Estou um caco fudido, preciso descansar e tirar esse cheiro de Melbourne. Boa noite rapazes.

Eu não esperei que Gustus e os outros dois funcionários me respondessem, bati a porta do carro e caminhei até a entrada daquele lugar. Minha mão automaticamente foi para dentro do meu terno, quando senti o cano da arma ali, sorri. Nenhum filho da puta em sã consiência tentaria me atacar nesse momento, mas as noticias corre mais rápido do que o diabo da cruz, então é sempre bom se preparar para o inevitável, mesmo minha mansão possuindo milhões de sistemas de seguranças.

Os sapatos pretos e o som da minha respiração eram as únicas coisas que se escutavam ali, eu estava no terceiro degrau da escada quando escuto alguém me chamar.

- Niron? - os feromônios calmos e doces invadiram minhas narinas, virei para trás e vi minha esposa subindo as escadas com um sorriso. Seu cheiro automaticamente me deixou mais relaxado. Eu sorri de volta e abracei sua cintura - Você chegou cedo, ocorreu tudo conforme os planos?

Aspirei o cheiro do cabelo de Andrea e lhe lancei um olhar abatido. Suas mãos pequenas de ômega acariciaram meu rosto. Deus! Como eu amo essa mulher.

- Ocorreu conforme metade dos planos. O homem é um grande durão filho da puta- respondi beijando a marca de atados que eu mesmo fiz anos atrás em seu pescoço – É pior do que os boatos que circulavam por ai, geralmente as famas são todas falsas.

- Oras, isso é normal. Você também é um durão filho da puta. - ela sorriu - O que realmente houve para acontecer apena metade dos planos?

- Não importa agora, o que você estava fazendo? - perguntei desviando do assunto. Eu não queria que Andrea soubesse do acordo que concordei tão cedo, eu precisava parar e analisar tudo novamente antes de sair por ai espalhando coisas. Ainda tinha esperanças que uma peça do tabuleiro fizesse um movimento errado eu pudesse tirar dali.

- Estava na cozinha comendo, acabei de colocar Alexandria em sua cama e estou cansada - ela fez um biquinho que fui obrigado a beijar - Agora, conte-me. Por favor?

Suspirei e a levei até nosso quarto. Andrea me conduziu até a beirada da nossa cama e sentou em meu colo. Se o assunto não fosse tão importante eu teria facilmente me distraído com esse simples ato da ômega. Ela acariciou minha nuca e liberou mais ferômonios do que antes, deixando todos os meus músculos relaxados. Olhei no fundo dos seus olhos.

-  Não sei se serei perdoado por ela quando souber.

- Michael! Não pense que eu não sei o que pode ter acontecido, afinal, eu continuo sendo uma Trikru – Andrea mostrou sua tatuagem no braço. – Eu sei como as maiorias das alianças acontecem especialmente em famílias tão antigas como a nossa e a deles. Diga-me a verdade

-  Eu tentei o máximo mudar o jogo a nosso favor, mas ela é extremamente inteligente. A peça ficou no meio, metade a favor deles e metade a nosso.

- Foi um acordo justo então.

- Na verdade não -  escondi meu rosto no pescoço de minha esposa. – Seus favores foram melhores e mais fortes que o meu. Os Skaikru não serão mais um clã nosso, eles não se rebaixariam a esse nível, palavras dela. Nossos clãs irão se juntas, formando um só. Um clã que dentro tem Trikru e Skaikru, vamos ter que conviver com suas culturas e gostos.

Andrea deu uma risada fraca mas ela sabia o perigo disso. Nossos clãs foram inimigos por anos. Era uma batalha sem fim, até que começou a surgir novas máfias que se apoiaram e foram ficando tão poderosas quanto. E eu odiava admitir, mas tinha grandes chances de eu perder pra uma delas. Dentre todos meus inimigos, o único que eu suportaria ficar perto eram os Skaikru. E agora seriamos uma família só

- E então vem a pior parte – continuei enquanto tentava me esconder mais ainda em seu pescoço. Eu nem parecia como o Heda que era na maior parte dos tempos, frio e um grande filho da puta. – Por ser uma cultura de ancestrais, vamos selar nosso acordo com uma Aliança de Atados.

Andrea levantou minha cabeça e me olhou com um olhar preocupado. Bingo! Cheguei ao ponto fraco.

- Quem com quem? – ela sussurrou.

- Isso só vai ocorrer quando ela tiver dezenove anos, e quando completar, vai ter um prazo de três meses para planejar o casamento – suspirei querendo desviar do olhar de minha mulher, mas eu simplesmente não conseguia – Lexa vai se casar com a filha única de Jake, Clarke Jane Griffin.

 

 

 

 

 


Notas Finais


É isso meu povo, espero que tenham gostado e qualquer erro podem me comunicar ;)
Traduções: Yu don a bos dula, bro (Você fez um ótimo trabalho, irmão), Sha Heda (Sim, comandante), Niron (Amor)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...