História Realize - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ji Soo Kim, Lee Hyun Woo, Lee Jong Suk, Nam Joo-hyuk, Super Junior
Tags Super Junior Jong Suk
Visualizações 8
Palavras 2.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Preparem-se!

Capítulo 5 - Capítulo Cinco


Fanfic / Fanfiction Realize - Capítulo 5 - Capítulo Cinco

-Ahjussi, o senhor poderia ir mais rápido, por favor?- Essa já era a sexta que vez que eu o pedia para acelerar. Meu coração batia muito forte e minhas mãos suavam frio. Meu Deus que nada tenha acontecido com eles. Fui repetindo essa frase até chegarmos no hospital. Assim que ele estacionou entreguei a ele o dinheiro e saí correndo até a recepção.

-Boa noite, onde estão os pacientes Lee Jong-suk, Nam Joo-hyuk, Ji Soo e Lee Hyun Woo? – perguntei tão rápido que tive que parar para respirar.

-Qual a sua relação com eles?

-Sou a manager deles. Você poderia me dizer onde eles estão? – perguntei com mais desespero na voz que antes.

-Quarto 104. No final do corredor B. – Assim que ela terminou de falar comecei a correr de novo. Na minha cabeça se passavam muitas coisas. Se algo tiver acontecido com algum deles eu nunca vou me perdoar. Minhas mãos tremiam muito quando segurei a maçaneta do quarto que eles estavam. Respirei fundo várias vezes antes de –

-COMO ASSIM A CULPA FOI MINHA?! – quando ouvi a voz do Hyuk girei a maçaneta e entrei no quarto.

-Se você não tivesse discutido com o cara, eu não teria levado um soco no rosto!- Jong Suk disse furiosamente. De pé naquele quarto do hospital às 23 horas tudo o que eu pensava era que bom que estão todos bem... Hyuk estava de pé em frente ao Jong Suk que tinha o olho esquerdo bem roxo e inchado enquanto que Ji Soo e Hyun Woo estavam sentados lado a lado na outra cama assistindo a briga entre Hyuk e Jong Suk. Ninguém tinha me visto entrar.

- Eu pensei que você fosse esquivar! E foi ele quem bateu no meu carro! Culpe ele não a mim.

-Na verdade, a culpa disso tudo foi sua sim, Hyuk. Se você não tivesse insistido em ir embora nada disso teria acontecido. – Hyun Woo disse com a voz cansada. – Até quando vamos precisar ficar aqui? Nada sério aconteceu..

-Hey! Olhe para o meu rosto! Como assim nada sério aconteceu?

-Hyung, foi só um soco... Daqui a três dias seu olho já vai estar normal. Ainda não entendi o porquê de estarmos numa sala de hospital por causa disso... – Ji soo disse.

-Minsang ahjussi ficou desesperado e nos trouxe para aqui correndo. Ele nem percebeu que estávamos bem. – afirmou Hyun Woo – E agora só podemos sair daqui com a Haru.

-Nem quero ver o escândalo que ela vai dar quando chegar aqui. Querem saber mais uma semelhança entre ela e meu avô? Os dois são baixinhos e me dão medo. – Com isso eu finalmente falei.

-Se eu fosse você ficaria com mais que medo. – disse e todos se viraram assustados para onde eu estava em pé. Ninguém disse uma palavra acho que estavam esperando que eu explodisse. –Vou fazer a liberação de vocês agora. Não saiam daqui. – Me virei abrir a porta e fui até a recepção pedir que eles fossem liberados. Assinei os documentos e voltei ao quarto. Quando eu entrei, eles ainda estavam na mesma posição me olhando confusos.

-Vamos. – E andamos em direção a van.

-Haru! Ainda bem que você chegou! Como eles estão? Não entrei, pois tenho pavor a hospital.

-Veja por si só Minsang ahjussi. Estão todos de pé bem atrás de mim. Perfeitos. Vamos para casa, por favor. – Minha voz continuava imparcial e controlada. Eu sabia que assim que a adrenalina passasse por completo eu perderia o controle.

-Enfim em casa! Ainda dá tempo de uma partida. Vamos jogar Ji Soo?

- Claro! Liga o vídeo game.

-Vou finalmente tomar um banho...

-Meu olho vai ficar inchado por no mínimo um mês! Hyuk, vem cá que eu vou te socar!

-Hyung... calma aí ...

Ouvindo eles conversando e os vendo agir como se nada estivesse acontecido finalmente a minha ficha de que eles estavam realmente bem caiu. E nessa hora eu perdi o controle. Meus olhos encheram de água e chorei. Meu coração batia tão forte de alívio que era difícil respirar.

-Haru... O que foi? Você está bem? – Hyun Woo perguntou colocando as mãos no meu ombro e me virando para ele. – Minhas pernas perderam a força e eu caí de joelhos. Lágrimas caiam dos meus olhos sem parar.

-Ee-euuu não es-stouu be-em. – Ouvi passos rápidos vindo em minha direção e senti alguém me abraçar com força.

-Calma, estamos bem. Tudo está bem... – Por causa das lágrimas não conseguia ver quem era, mas aquele abraço me segurava com tanta força que eu abracei de volta aquela pessoa com a mesma força. A voz tranquila no meu ouvido foi me acalmando, mas as lágrimas ainda viam. A pessoa  passava a mão carinhosamente pelos meus cabelos para me tranquilizar.

-Eu achei que vocês ...

-Sim, eu sei. Não precisa falar. – a sala estava em total silêncio. Eu só conseguia ouvir os meus soluços e sentir o coração da pessoa que me abraçava bater contra o meu peito. Quando finalmente conseguir me controlar, percebi que os braços que me fizeram tão bem eram do Jong Suk e eu agradeci internamente que fosse ele. Eu nunca mais queria sair do seu abraço.

-Haru, estamos bem. Olhe para nós. – ele disse e eu levantei a minha cabeça. Olhei um por um de cima abaixo. Hyuk... Ji Soo... Hyun Woo... e finalmente ele. Levantei minha mão cuidadosamente e a encostei com as pontas dos dedos em seu olho roxo – Não, você está machucado...  

-Daqui a três dias vai sumir.- e deu seu sorriso de lado que eu gosto tanto – Agora você pode parar de chorar?

-Eu não consigo parar de chorar ....

-Então eu vou te ajudar a parar. – Ele disse e no próximo instante eu senti os lábios dele nos meus fazendo uma leve pressão. Com meus olhos bem abertos o vi de olhos fechados enquanto sua boca estava na minha. Meu coração pulou uma batida e senti como se estivesse uma montanha russa na minha barriga com o susto o afastei e me levantei rapidamente.

-O que você fez?! Você me beijou, seu maluco!!

-Viu? Minha ajuda serviu você parou de chorar. – ele disse como se me beijar não fosse nada demais.

-É assim que você costuma a ajudar as pessoas? As beijando?- Ele me olhou como se estivesse procurando a resposta.

-Bem, acho que por hoje foi o suficiente. Vou dormir. Boa noite. – e saiu da sala. Como ele beija uma pessoa assim? E agora o que eu devo fazer com meu coração?

-Vô, me desculpa a culpa foi minha. – Hyuk disse com o olhar muito preocupado.

-Não, a culpa foi de todos nós. – Ji Soo disse. – Hyung está certo por hoje já deu vamos dormir. Dorma bem, Haru. Estamos bem. – E os dois saíram juntos em direção ao quarto.

-Seus olhos estão inchandos. – disse Hyun Woo e levantou as mãos para o meu rosto – Você é um bebê na verdade. – e secou as lágrimas que ainda estavam nas minhas bochechas. – Eu também vou dormir. Durma bem. – e assim eu fiquei na sala sozinha. Coloquei meu dedo na minha boca... Eu ainda podia sentir os lábios dele. E segui em direção ao meu quarto.

Nem precisei de despertador por que eu dormi muito pouco e acordava toda hora. A noite pareceu que durou o dia inteiro. Meus olhos estavam ainda um pouco inchados do choro e meu coração ainda tremia por causa do beijo. Eu não quero pensar nesse assunto por que eu já sei a resposta dos meus sentimentos, mas se eu não disser em voz alta em consigo abafa-los e fingir que não é nada demais e passageiro. Tomei um banho bem gelado para despertar e me arrumei. Igualmente a ontem fiz o café da manhã e fui acodar o Hyuk e Ji Soo. Senti minha cabeça bater em algum lugar e levantei a cabeça.

-Já acordou? É realmente verdade que os idosos costumam a levantar cedo.

-Jong Suk-ssi, bom vê-lo já de pé. – Ignorei sua fala. Percebi que ele segurava uma pomada na mão.

-Quer ajuda para passar?

-Tanto faz. – peguei a pomada da mão dele e ele se sentou na cadeira da cozinha. Coloquei a pomada nos meus dedos e fui passar no olho roxo dele, mas toda vez que eu chegava perto ele afastava o rosto.

-Se você ficar se esquivando eu não vou conseguir colocar a pomada, criança. – ele deixou a cabeça parada e fui aplicando na parte roxa. – Sobre ontem ...

-Aquilo só foi para te ajudar. Não sonhe que eu tive segundas intenções por que eu não tive. É melhor você esquecer sobre ontem. – a voz fria dele foi como um corte de papel pequeno e muito doloroso.

-Eu ia dizer que eu já esqueci. – e apliquei pela última vez a pomada com um pouco mais de força no olho dele e a larguei em cima da mesa. – Pronto. É melhor você colocar um óculos de sol hoje. Isso aí está horrível. – Saí em direção ao quarto dos mais novos.

-HYUK! JI SOO! – Bati com tanto força na porta que ela sacudiu tanto e abriu sozinha. – Vocês querem levantar! São seis e meia! - Puxei o cobertor deles. Tive uma ideia de como os acordar bem rápido e como eles dividiam a mesma cama seria mais fácil. Enchi um balde de água fria no banheiro do quarto deles. – Tudo bem! Não reclamem! – E joguei de uma vez toda a água.

-Hyuk-ah! Levante!!! É um dilúvio!!!! – Ji Soo gritou e balançou o corpo do amigo.

-Mas.. o que?! Porque estamos molhados e faz tanto frio? – perguntou olhando rapidamente de um lado para o outro.

-Ótimo! Dever cumprido.

-Vovô!!!! – escutei eles dizerem quando saí do quarto. Agora Hyun Woo! E ele também estava dormindo.

-Hyun Woo se você não quiser tomar um banho igual ao outros sugiro que levante neste instante! – foi só o momento de ele abrir levemente os olhos e ver o balde na minha mão que deu um pulo da cama.

-De pé, capitão! – ele fez uma reverência. – Soldado Hyun Woo acordado. – e me deu um sorriso brincalhão.

Enquanto estávamos tomando café recebi uma mensagem do meu tio dizendo que era para irmos direto para a empresa. Lá vem. Meu tio raramente se estressa e quando isso acontece é mil vezes pior.

-Recebi uma mensagem do presidente. Temos que ir pra a empresa antes do primeiro compromisso do dia. – Os quatro me olharam preocupados e ficamos em silêncio até chegarmos na sala do meu tio.

-Haru, você poderia me explicar o que aconteceu ontem? Por que tem uma conta de hospital para ser paga? – meu tio perguntou bem sério.

- Jong Suk-ssi levantou um soco no rosto por brigar com um motorista. – disse nervosa, mas firme.

-E qual foi o motivo da briga?

-Eles brigaram por que o motorista bateu no carro do Hyuk. – nesse momento seus olhos seguiram até Hyuk e perguntou.

-Hyuk-ssi, quais são as normas da empresa?

-Não usar o carro particular sem a sua permissão, presidente.

-Com tanto que você sabia. Estão todos bem, certo? Sem danos maiores? – todos nós concordamos com a cabeça. – Então, já podem ir. Menos você, Haru. Você fica.

-Presidente, Haru não teve culpa de nada! Não brigue com ela. – Hyun Woo disse nervoso.

-Mais uma vez, podem ir. Não quero ter que repetir. – Pela voz do meu tio percebi que ele estava bem zangado.

-Esta tudo bem, Hyun Woo. Vão e me esperem na sala de vocês. – segurei a mão dele e dei um aperto de segurança para demonstrar que estava tudo bem. Quando eles saíram meu tio disse.

-Querida, está tudo bem com você? Sua mãe me disse que você estava na sua casa com o Mark e parecia cansada. Talvez eu tenha cobrado muito de você com esse estágio de assistente. Vou tentar te mandar para outro setor –

- Não! – Eu disse tão depressa que o assustei.

-Não?

-Isso mesmo não. Por favor, eu não quero mudar de cargo. Ontem foi só um descuido meu que não voltará a acontecer. Me desculpe, por favor. – Se ele tivesse dito isso há dois dias eu ficarei muito feliz em aceitar só que agora eu queria ir até o fim.

-Tudo bem, Haru. Se você está tão determinada pode continuar. Darei-lhe mais uma chance, mas se e sentir que está sendo demais para você não hesitarei de colocar você em outro lugar.

-Muito obrigada. – E saí da sala em direção à cafeteria. Peguei o café mais forte da máquina e tomei quase todo de uma vez. Agora que me decidi não há nada que me pare. Vou ficar com eles até o fim.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que vai acontecer agora? Será que Haru vai conseguir manter em segredo o que ela sente? Acompanhem os próximos capítulos! Até :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...