1. Spirit Fanfics >
  2. Reaprendendo a Viver. >
  3. Piloto.

História Reaprendendo a Viver. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Essa fic é uma versão do universo de Black Amazon focada nesse casal. Fiquem ligados. ;)

Capítulo 1 - Piloto.


Pov Bárbara. 

-Não tem que ficar assim, ele só  está  preocupado com você.  Amazona.

-Devia ter ficado preocupado quando eu perdi minhas pernas.  E não agora, não preciso do Batman, nunca precisei.  Agora me expulsar como se eu fosse uma criança já  é  demais. Bárbara. 

Cruzo os braços e a olho irritada.  O Batman sismou com meu pai de impedir que eu voltasse a ser a Batgirl de novo. Mas eu precisava  daquilo.  Eu tinha que me reencontrar.  E se tem uma coisa que eu não  ia fazer é  seguir ordens do Batman.

-Eu te curei. Amazona.

-Depois de quase 10 anos, eu tive que reaprender a andar, é  um processo muito doloroso sabia ? E se o Batman está tão preocupado assim comigo por que ele não  vem pessoalmente falar?  Barbara. 

Ela passa a mão  em uma mesa do apartamento e sorri.

-Eu sempre gostei desse lugar, você ta cuidando bem dele. O Bruce tá ocupado resolvendo alguns problemas antigos, Barbara, eu não  vou te impedir de voltar a agir em Gotham,  você é  uma mulher forte e precisa retomar essa confiança em si mesma, só  toma cuidado. E não tenta ir atrás  do coringa novamente, vingança não resolve nada. Amazona.

-Você tem alguma noção do que ele fez comigo? Barbara.

Meus olhos enchem de lágrimas, mas respiro fundo. 

-Ele destruiu minha vida. Bárbara. 

-Eu mais que ninguém te entendo, mas essa não é  a solução e toma cuidado, se precisar sabe que pode me ligar. Amazona. 

-Se eu precisar ligo pra Batwoman, uma quase deusa imortal não  vai ser de muita ajuda pra mim. Barbara.

Ela ri. 

-E seu aluguel está atrasado. Amazona.

Ela pisca pra mim e saí voando pela janela. Suspiro. Olho o ar frio da noite de Gotham, estava quase na hora de sair eu precisava disso. Abro meu closet e a porta secreta dele olho meu uniforme,  suspiro. 

-Você consegue,  só  mais uma noite Batgirl.

Sempre era mais uma noite.  Coloco o uniforme tinha saudade do caimento dele. Eu tinha feito umas adaptações,  eu era tão ingênua  na época, uma criança praticamente. Que passou tudo que passou. Eu tinha amadurecido muito, mas que isso agora eu era uma mulher,  mas o problema é  que o nome Batwoman já estava preenchido,  então não me restava muitas opções a não ser manter meu nome antigo.  Pulo pela janela e jogo uma corda que atinge o prédio vizinho. Eu amava a noite de Gotham. Eu não me envolvia mais em coisas grandes,  a unica loucura recente que fiz foi  ir atrás do coringa, mas não deu muito certo, um cartel de drogas, um assalto ou um estupro eram os crimes que eu lidava, heróis maiores como o Batman e Amazona não ligavam mais pra esses crimes, só se preocupavam com os grandões, Gotham estava largada. Paro em um telhado era um laboratório de metanfetamina, eu iria apenas recolher provas, meu pai estava investigando esses traficantes a um tempo. Eram carga pequena, agiam sozinhos, mas tinham produção em longa escala. 

Desço pelo telhado e para em uma rampa suspensa, deslizo por ela e  pouso no chão, dou uma cambaleada,mas me recupero logo,  minhas pernas ainda falhavam comigo. 

Ando envolta e tiro fotos das coisas. 

-Que eu saiba esse não é  um ponto turístico. Capuz. 

Olho pra cima. Ele estava parado apoiado em uma corda. Ja ouvi falar dele antes. Estava tomando conta do crime de Gotham. Mas não era assunto meu. 

-Não sei porque não,  essas torres de vidro dão uma ótima estrutura,  parecem até uma paisagem. Batgirl.

Ele ri e desce da corda pousando na minha frente. Ele me olha de cima embaixo não gostei muito daquilo. 

-Você não mudou nada. Ou melhor mudou está mais crescida. Capuz.

-Desculpa, eu te conheço por acaso? Batgirl.

-Não sabe mesmo quem eu sou? Pensei que o Batman ja ia ter contado pra todo mundo uma hora dessas, mas é  lógico que ele não iria espalhar sobre o maior fracasso dele. Capuz.

-Não trabalho com ele trabalho sozinha. Batgirl.

-Então por que ainda usa o símbolo de morcego? Capuz.

-Plena questão de direitos autorais, é  igual o nome sabe?  Batwoman já ta preenchido então fica complicado daria um processo danado. Batgirl.

Ele ri. 

-Anda, vaza logo daqui, antes que as coisas piorem pra você. Capuz. 

Ele aponta pra saída com a cabeça.

-Acho que não vai ser pra mim que vão piorar. Batgirl.

Dou um soco nele, não foi uma boa ideia porque a máscara era resistente a beça e doeu. 

-Como preferir. Capuz.

Ele dá  um soco desvio e dou outro soco nele nessa vez na costela, ele recua e me dá  um chute. Recuo pra trás com o impacto. Vou pra cima e chuto ele que bloqueia com o braço,  dou uma rasteira nele e subo encima pra imobiliza-lo.

-Gostei dessa posição, podiamos experimentar ela de outras formas. Capuz. 

-Nos seus sonhos só  se for. Batgirl .

Ele consegue se livrar e fica por cima de mim. E passa a mão na minha bunda.

-Eu não sou de dormir muito, muitos pesadelos sabe? . Capuz.

Puxo uma cadeira que estava perto e empurro na direção dele, ele se levanta se afastando, me levanto e me afasto.

-Se sonhar em relar em mim  de novo eu te mato. Batgirl.

-Nossa ta bem violenta em Babs. Capuz.

Paro na hora e encaro ele.

-Como você?... Batgirl 

-Sei sua identidade secreta?  Vamos dizer que nos conhecemos a um tempo. Por isso estou te dando outra chance,  vaza logo daqui. Capuz.

-Não! Não me importa quem você seja, estou cansada de mandarem em mim. Batgirl.

Tento dar outro soco nele ele puxa meu braço e me joga em uma mesa, tento levantar mas percebo  que ele me algemou no pé da mesa foi  tão rapido que eu não vi. Tento puxar mais não consigo me livrar.

-Gostei do nosso reencontro pena que foi o último.  Boa sorte em se livrar dessa Batgirl. Capuz.

Ele  pega um galão e começa a jogar encima das mesas e depois pega um fósforo e joga. Tento me soltar desesperada.  Se aquilo atingisse os barris aquele lugar inteiro ia explodir.

-Não pode me deixar aqui. Batgirl.

-Já estou deixando. Capuz.

Ele sai e começa a andar até  a porta. Começo a respirar com dificuldades pela fumaça, dessa vez eu tava fudida.

Pov Capuz.

Não era pra ela aparecer, era algo simples ir lá destruir o laboratório e as provas,  mas Barbara Gordon sempre foi imprudente e agia por impulso, isso que eu gostava nela quando trabalhavamos juntos.  Eu realmente ia deixar ela explodir, mas pela primeira  vez em muito tempo senti culpa fico olhando o prédio que a fumaça começava a subir, suspiro. Eu já  havia morrido com uma explosão não era uma sensação muito boa. 

-Só vai embora, é  só  uma morte a mais não faz diferença,  mas ela sempre foi legal comigo, agora ela ta bem mais gostosa que antes, mas isso não faz muita diferença,  acho que eu devo pelo menos isso pra ela, pelos  velhos tempos. Capuz.

Suspiro falar sozinho sempre me ajudava a pensar melhor. Volto pra dentro do prédio,  ele estava em chamas estava difícil respirar, chego na mesa Bárbara não estava mais lá, ela tinha conseguido se livrar, mas desmaiou pela fumaça a alguns metros, pego ela no colo e arrumo uma mecha de cabelo ruivo. Volto para a porta e chuto ela a abrindo. Me afasto do prédio bem na hora que ele explode. Coloco ela com cuidado no chão. Coloco a mão no nariz dela pra sentir sua respiração estava fraca, mas ela ainda respirava. Deixo ela ali mesmo e me afasto, jogo uma corda e subo em um prédio fico olhando das sombras. Ela acorda tossindo no e olha envolta sem entender  tenta se levantar e cai no chão,  ela ainda estava meio tonta. Depois de um tempo  ela se recupera e pega a moto indo embora. Sorrio sem saber o por que. Eu tinha muitas coisas pra fazer essa noite  ainda. 






 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...