1. Spirit Fanfics >
  2. Rebel - Imagine Suga >
  3. Saudade

História Rebel - Imagine Suga - Capítulo 17


Escrita por: e TiaMoonsz


Notas do Autor


HI GUYS 🖤🤘🏻COMO É QUE VOCÊS TÃO?!
Bom gente, como o prometido, estou sendo mais frequente com vocês. Semana que vem minhas aulas retornam, e eu espero adiantar basbate Rebel.
Fiz o capítulo com MUITO carinho e espero que gostem!! Estamos quase com 100 favoritos e queria agradecer por isso, eu amo estar aqui trazendo essas coisas malucas pra vocês. IHUL 🤘🏻🖤

BOA LEITURA 🖤

Capítulo 17 - Saudade


Pov's Min Yoongi  

_________ e Yeonjun haviam conversado durante todo o jantar. Dizer que aquilo não me deixou incomodado seria uma grande mentira. Mas admito que fiquei curioso pra saber sobre o que estavam conversando, ambos olhavam pra mim hora ou outra, e depois que ele se concentrou em sua comida a baixinha não parava de me encarar. 

O que ele teria dito pra ela? 

Há uns dez minutos ela mantém o olhar fixo em mim, como se soubesse todos os meus segredos mais obscuros, ela me analisa. Bebo um gole de refrigerante pra disfarçar o nervosismo, me sinto como um réu no julgamento, ela é a juíza e Yeonjun a testemunha. Mas o que eu fiz? 

— Jimin. — Chamo meu amigo que me olha de imediato. — Eu vou pro quarto, deixo a porta aberta. 

— Okay, eu vou daqui a pouco. 

— Beleza. — Digo e tomo o último gole do refrigerante. 

Me levanto de onde estou e me despeço de algumas pessoas, dentre elas, Mi-cha e sua mãe, agradeço pela comida e recebo sorrisos carismáticos. Sigo até a entrada da casa, há algumas pessoas na sala de estar e escuto burburinhos vindos de vários cantos do lugar. Subo os degraus da escada rápido, quase me escorrego com os chinelos nos pés. Alcanço o andar de cima e caminho pelos corredores até o quarto onde estou hospedado com Jimin. Pego a chave em meu bolso e abro a porta, entro e não a tranco. Jogo a chave no bolso novamente e acendo a luz. 

A dor de cabeça de mais cedo é quase inexistente agora, escuto os adolescentes da varanda e a música que toca não me irrita tanto assim. Decido por fim tomar um banho, e esquecer tudo que aconteceu no jantar. Coloco o celular em cima do criado mudo e vou direto para o banheiro. Tranco a porta do cômodo e tiro as peças de roupa, ligo o chuveiro e por um segundo sou apenas eu naquele lugar isolado. Penso em tantas coisas ao mesmo tempo que a dor de cabeça quase volta. ________ e seu olhar é uma das coisas que me fazem ficar distraído por um segundo. Me lembro de seu olhar sobre mim. 

O que ela queria? 

— Aish! — Sacudo a cabeça e termino de me lavar. Finalizo o banho. 

Saio do box e me seco sem pressa, é quando escuto a porta do quarto se abrir e fechar novamente. Deve ser Jimin, com certeza. Achei que ele iria demorar mais tempo pra ficar paparicando a Lívia, rio sozinho com meu pensamento. Como não trouxe nenhuma roupa, me enrolo na toalha macia e seco os fios com uma toalha menor. Me preparo para sair do banheiro, e me pergunto o por quê de Jimin estar tão silencioso. 

— Jimin? — Chamo. — Park Jimin, se estiver prestes a me assustar eu te mato.  — Me preparo para abrir a porta do cômodo. 

Saio de supetão, sem me importar muito e quase gelo com o que encontro. Minha primeira reação é ficar sem reação. Vergonha, constrangimento, tudo me ronda nesse momento e ela parece sentir o mesmo quando vê meu estado. 

— Aigoo que merda. — Xinga a si mesma e se vira de costas pra mim. Meu coração acelera. — Péssima ideia, péssima ideia. 

_________ parece nervosa e eu não me sinto diferente. Estou apenas de toalha, em um quarto, com a porta fechada, com ela na minha frente. Nem sei o que dizer se Jimin chegar agora.

— D-desculpe pela invasão, eu… Estou morrendo de vergonha meu Deus! — Diz e a única coisa que consigo fazer é segurar mais firme a toalha amarrada em minha cintura. 

— O que você tá fazendo aqui? — Pergunto enfim sem graça. — Podia ter batido antes. 

— Eu fiquei com medo de alguém ver, ou ouvir. A porta estava aberta e… Aish! Eu não sabia que estava tomando banho. 

— Tudo bem, o que você quer? — Tremo por dentro. 

— Quero que se vista. — Diz um tanto ríspida.

— É que… Minhas roupas estão na sua frente. — Coço a nuca. 

— Puta que pariu, eu tenho as piores ideias. Que merda. — Diz envergonhada e abre a pequena mala de roupas em cima da cama. De repente me lança uma camisa e uma bermuda qualquer. Visto a camisa. 

— Preciso de uma cueca. — Digo sem escolha e ela bufa. 

— Aish, que merda, merda, merda. Que vergonha. — Mexe em minhas coisas e logo me joga a peça íntima. — Vista logo! — Pede e obedeço. 

— Pronto. Estou vestido. 

— Eu peço desculpas, sério. — Se vira e seu rosto parece um morango de tão vermelho. 

— T-tudo bem, acontece.

— Eu… Boa noite! — Caminha a passos apressados até a porta. Mas por um impulso e alcanço, pego em seu braço e ela se vira pra mim. 

— Espera, o que veio fazer aqui? 

— Eu nem sei mais. 

— Te deixei tão nervosa assim? 

— Você tava pelado! 

— Estou vestido agora, me fala o que foi. 

— Não, melhor não, antes que piore. Boa noite Yoongi. — Diz rápida, abre a porta e sai do quarto. 

Que merda foi essa? 

*   *   * 

Pov's Han _________ 

O biquíni que uso hoje deixa minha barriga a mostra, não é tão minúsculo como o de Irene, e suas cores são bonitas. Me sinto bem nele. São nove da manhã, a música ainda toca e pouco a pouco o pessoal vai chegando na piscina. 

— Eu fiquei morrendo de vergonha. — Digo pela terceira vez a Lívia, que me escuta atentamente e solta algumas risadas. 

— Não deveria rir da minha situação. 

— Unnie, sério, você mesma já disse que queria encontros mais íntimos com ele. 

— Eu vou te bater. As coisas mudaram. 

— Eu queria ter estado lá, pra ver a cena. Com certeza foi engraçado. 

— Aish. — Tampo o rosto. — Queria apagar isso da minha mente. 

— Queria mesmo? 

— Ele estava, aish… De toalha! 

— Deu pra ver algo além da toalha? 

— Não! Me virei assim que vi que ele estava sem roupa.

— Nem deu uma olhadinha? 

— Lívia! — Lhe dou um tapa. 

Minhas bochechas esquentam, sei que estão vermelhas e a vergonha da noite anterior volta. Olho ao redor e acabo vendo ele, distraído com um de seus amigos. Yoongi conversa normalmente com as pessoas, seu abdômen está a mostra, seus fios dançam com a brisa e paro para admirar o quanto ele é bonito. Quase morro quando ele desvia o olhar pra mim, me analisa e sorri, acena e eu acabo fazendo o mesmo. 

 — Viu o Jimin por aí? 

— O Jimin? — Pergunto.

— Sim. 

— Não, ainda não o vi por aqui. 

— Yoongi deve saber onde ele está. — Lívia se levanta de onde estamos sentadas. 

— Lívia, não faça isso. 

— YOONGI. — Grita e eu me seguro pra não dar uns tapas nela. Yoongi olha em nossa direção. — VEM AQUI POR FAVOR. 

— Vocês não estão tão longe. Por que está gritando? — Pergunto enquanto vejo o garoto se aproximar de nós. 

— NÃO SEI. — Grita em meu ouvido e ri. — Segure o fogo, vou deixar vocês sozinhos. 

— O que? Não! 

— Oi garotas. — Nos cumprimenta e eu sorrio. 

— Oi Yoongi, escute. Sabe aonde está o Jimin? 

— Jimin ficou no quarto, ele disse que desceria depois. — Responde. 

— Ah sim. Unnie, vou até Mi-cha, já volto. — Diz e me deixa sozinha com ele. 

— Passou bem depois de ontem? 

— Por que age tão normalmente? Eu não consigo nem olhar pra sua cara. 

— Aconteceu. E não houve nada demais. 

— Desculpe mesmo por ter invadido seu quarto, eu não sabia que… 

— Tudo bem, eu não liguei. 

— Claro que não. 

— Mas não consegui dormir a noite toda. — Começa a dizer e se senta a meu lado na beirada da piscina. — O que queria comigo ontem pra entrar no quarto daquele jeito? 

— Eu me esqueci. 

— Eu te conheço, você não quer me falar. 

— Eu só queria pedir perdão, por ter te igualado a Irene e por ter sido tão explosiva. Reconheço meu erro e minha consciência estava pesada. 

— Ah, tudo bem. Somos amigos agora né? — Diz e sinto dor em sua voz. 

— Sim, amigos. Nunca deveria ter passado disso. 

— Eh. 

— E você não tem nada pra dizer? 

— O que eu diria? 

— Pediria perdão também? 

— Mas eu não fiz nada. — Diz com a expressão inocente. 

— Sério? Okay então. — Entro da piscina e ele ainda me olha. — Até mais. — Mergulho e o deixo sozinho. 

Pov's Lívia Liviane 

Subo os degraus da casa lentamente, rumo ao quarto dos garotos. Se Jimin estiver dormindo essa é uma ótima oportunidade pra me vingar, acordar ele com água no rosto já seria o bastante pra compensar tanta irritação. Sorrio marota quando acho a porta do quarto entre aberta, mas as vozes que escuto me fazem recuar. Porém consigo escutar a conversa. 

— Já disse pra sair Hee-jin. — Ouço Jimin dizer firme. Algo dentro de mim se revira, ele estava com ela a noite toda? 

— Jiminnie, vai ser rapidinho. A uns meses atrás você até procurava por mim, não sou mais sua favorita? — Escuto e me seguro pra não esganar essa oferecida.

— Sai, se vista agora e sai do meu quarto. Eu não quero ficar com você. — Ouço. — Não se aproxime, é sério. Não quero gritar com você. 

— Mas eu gosto que gritem comigo, você sabe. Ou se esqueceu? 

— Porra, sai do quarto Hee-jin. 

É quando percebo que ela se aproxima dele, agarro a barra do vestido que uso em cima do biquíni, estou morrendo de raiva. Ele já não disse pra ela sair?! 

— Não me toca, não faz isso. 

— Se lembra de como eu fazia? — Sua voz soa sedutora e percebo que já basta. 

Raspo a garganta e bato na porta do quarto, como se tivesse acabado de chegar. Pego na maçaneta e abro mais a porta me deparando com a cena mais horrível que já vi. A garota se encontra apenas com suas peças íntimas, Jimin usa apenas uma bermuda e parece que já ia descer pra piscina. Seu olhar vai até mim e ele parece assustado. 

— O que está acontecendo? — Pergunto fingindo certo desapontamento. 

— Aish, sai de perto de mim. — Jimin empurra a garota e vem até mim desesperado. — Eu juro Liviane, eu juro pra você que eu não fiz nada com ela. Nada, não aconteceu nada. 

— Estou vendo. — Finjo ironia e lanço um olhar pra garota que começa e se vestir. 

— Te ligo depois Jiminnie. — Ela passa por nós e Jimin parece estar desesperado. 

— Que porra é essa? Eu nem tenho o número dela, juro, pode olhar aqui no meu celular Liviane. Acredita em mim, eu não sou mais aquele Jimin do passado. Eu não faço mais essas coisas. — Diz e seu desespero fica aparente. É quando não aguento e começo a rir. — Ei, do que está rindo? 

— De você seu imbecil. Pra que esse teatro todo? 

— Você acredita em mim? 

— Eu estava escutando a conversa nojenta de vocês a um tempo. 

— Aish, então sabe que ela quem queria abusar de mim né? 

— Quando ela começasse você não ia querer parar. 

— Eu não ia deixar. 

— Tá bom, mas tudo bem. — Minto. — Sua vida não é da minha conta. Vim só ver se estava dormindo pra jogar água na sua cara. 

— Ia mesmo fazer isso? 

— Ia. — Afirmo e ele sorri. 

— Vamos descer. — Diz e fecha a porta atrás dele. 

Dizer o que sinto quando vejo Jimin, é como descrever o que senti quando pensei na hipótese de ele ter ficado com Hee-jin. É impossível, sua amizade é importante pra mim, é gosto do modo como ele cuida de mim. Jimin parece ser minha alma gêmea às vezes. 

*   *   * 

— No último episódio aquele cara morre. — Jimin diz em meio a turma e todos reclamam. — Por favor, eu nem disse o nome dele. 

— Jimin, para de ser chato. — _________ intervém. 

— Stranger Things com certeza é uma das melhores séries que já vi. — Digo empolgada. 

— Sim, concordo. — Cho-ah opina e sorri. — Eu shippo tanto a Suzie com o Dustin. 

— Ah, eu também. — _________ diz e os três garotos presentes fazem uma careta. 

— Já assisti essa série. — Yeonjun entra no assunto. — Achei interessante o sistema de comunicação por rádio do Dustin. 

— Fora que foi super romântico. — Mi-cha comenta. 

— Tudo é romântico pra vocês, a série nem é de romance. 

— Abrange um pouco de tudo Jimin. — Cho-ah explica. 

— Tomei altos sustos com alguns episódios. — Digo e rio ao me lembrar de alguns. 

— Nossa, deve ter sido bem engraçado. — Jimin me provoca e eu reviro os olhos. — E você Yoongi? Já assistiu? 

— Já, mas não comento muito sobre. Só assisti por que todos estavam assistindo. — Dá de ombros. 

— Nossa. 

— Mas é boa. Gostei. — Completa seu pensamento. 

— Quem quer sorvete? — Sra. Jeong chega e todos se mostram animados. — Deixarei os potes nesse frizer, podem servir a vontade. 

Todos se levantam, alguns saem da piscina, outros vêm de dentro da casa. Todos se servem aos poucos, duvido que haja alguém na casa que não esteja se divertindo. 

*   *   * 

Pov's Jung Hoseok 

A casa sem os garotos é silenciosa, assim como a tarde de sábado. Nada tem acontecido ultimamente, nada que me importe é claro. Nesse momento, me satisfaço em estar deitado no sofá tentando tirar um cochilo após o almoço reforçado. Me limito a olhar mensagens ou atender ligações, apenas a televisão está ligada. Nem presto atenção nas notícias, mas algo na reportagem acaba me chamando a atenção. 

— Olá, boa tarde a todos. Estamos ao vivo direto da capital do país. Hoje pela manhã foi constatado o sumiço de uma adolescente de dezessete anos que estudava no Colégio de Seul. A jovem desapareceu ontem a noite, foi vista por último do Bairro das Cerejeiras por alguns civis. Os pais estão desesperados, dizem que a garota era estudiosa, é que iria ter um futuro muito promissor. Esse caso está cheio de mistérios, a polícia segue nas investigações. Fique conosco para mais informações. 

— Sequestro? Aqui? — Questiono sozinho. 

Seul é realmente uma cidade movimentada, mas " Bairro das Cerejeiras ", " Colégio de Seul ". Isso é aqui perto. Primeiro o assalto a mercearia, o atentado a Sra. Han, e agora um desaparecimento. 

Quero simplesmente tirar da minha cabeça que os comparsas de Do-hyun tem algo a ver com isso. O detetive Namjoon com certeza desconfia deles, mas ele não pode ir contra nosso plano. Tentar pegar esses caras de surpresa é merda na certa. 

— Yoongi e Jimin precisam voltar logo. — Digo sozinho e um pouco preocupado. 

*   *   * 

Pov's Min Yoongi 

Resumir a noite de sábado é com certeza um papel que me recuso a fazer, depois de tanto sorvete a vontade, alguns chegaram a passar mau de tanto comer. Estavam todos rindo um da desgraça do outro, uma típica tarde entre amigos. A casa ficou agitada no fim da noite, chegaram algumas coisas, decorações pra festa que aconteceria no domingo. Todos estávamos tão exaustos que acho que ninguém perguntou o que estava acontecendo lá fora. Só me lembro de apagar, e agora, enquanto observo descaradamente minha ex namorada, penso no quanto estou perdendo por não ter uma mulher dessa do meu lado. 

Puta que na merda. 

Ela ri, e dança de um jeito desengonçado com as amigas. Até parece que está bêbada. Seu biquíni cai perfeitamente em seu corpo, tudo combina, tudo se harmoniza. Ela é simplesmente perfeita, a mulher da minha vida. Seu modo de agir, sua simplicidade… Tudo nela me surpreende, me atiça. Eu quero ela de volta. 

— Vai deixar a garota desidratada Yoongi. — Jimin me faz desviar o olhar por um segundo. — Tem uma baba aqui. 

— Deve ter mesmo, mas estou pouco me fodendo. 

— Eita, o que pensa em fazer? 

— Quero acabar com essa tortura logo, não quero mais ficar longe dela. — A olho e admiro cada detalhe. 

— Quem mandou ser um ciumento babaca? 

— Aish. 

— Está pronto pra festa de hoje? — Puxa assunto e eu lhe dou atenção. 

— Sim. 

— Eu também. — Sorri animado e eu estranho. 

— Que sorriso é esse? O que você tá aprontando? 

— Decidi tentar uma loucura, acho que vou morrer antes de tentar na verdade. Mas não ligo.  

— Isso é frase de apaixonado. 

— Talvez seja. — Confessa indiretamente e eu sorrio. 

— É a Lívia, não é? 

— O que tem eu? 

— O-oi Lívia. — Cumprimento me perguntando como ela apareceu de repente. 

— Oi Liviane. — Jimin diz e recebe um tapa. 

— Vou deixar vocês dois a sós nessa brincadeira chata de irrita e espanca. — Digo risonho. — Até mais. 

Me afasto até que os dois estejam sozinhos. Jimin com certeza está grato por eu ter saído, eu estaria também se estivesse no lugar dele. 

O jardim está movimentado, não há quase ninguém na piscina hoje, a casa está sendo decorada e encomendas chegam a todo momento. Mi-cha saiu pela manhã, são duas da tarde e ela ainda não apareceu. Algumas garotas se agitam e escuto seus assuntos sobre vestidos e maquiagem, a música que toca é animada e consegue distrair as pessoas. Me distraio tanto que acabo me esbarrando em alguém pelo caminho. 

— Desculpe cara. — Yeonjun se desculpa educado e eu o olho nos olhos. — Eu não te vi. 

— Percebi. — Analiso seu rosto. 

Yeonjun usa uma bermuda azul marinho, está descalço, usa também uma blusa branca e um brinco na orelha esquerda. Seu rosto é bonito, e ele é tão simpático que irrita. Parece ser o padrão ideal pra uma garota como ela. Isso me deixa sem reações. 

— Tudo bem? — Pergunta. 

— Tudo. 

— Não conversamos muito, só nós vimos na biblioteca eu acho. 

— Sim, eu me lembro. — Digo e repasso em minha mente aquele dia horrível. 

— Fiquei sabendo do término com a _________-ah. Já disse a ela que sinto muito. Vocês faziam um casal legal, pareciam se gostar muito pra terminar assim do nada. 

— Eu sei. 

— Calma, está na defensiva? 

— Não, só não sorrio muito pra pessoas que acabei de conhecer. 

— Olha, se acha que estou de olho na sua ex namorada, pode esquecer. Ela é só minha amiga. 

— Eu não disse nada Yeonjun, a carapuça serviu? 

— Foi por isso que ela terminou com você. Não percebe? Se ela te ama você não precisa enfrentar cada cara que chega perto dela. Não há necessidade.  

— O que você entende sobre relacionamentos? — Levanto um pouco a voz. 

— Mais do que imagina, não vou deixar você me ofender. Não seja um babaca.  

— Babaca é você, sai da minha frente. 

— O que está acontecendo aqui? — A baixinha aparece e não tiro meus olhos de Yeonjun. 

— Nada demais. — Ele responde sério. 

— É só isso mesmo Yoongi? 

— Sim. Com licença. — Passo pelos dois e entro na casa. 

— Espera! — _________ chama e se aproxima de mim. — Está tudo bem mesmo? 

— Já disse que sim. 

— Eu te conheço. 

— Só estou cansado, quero ir logo pra casa entende? É isso. 

— Acha que precisa conversar? — Se oferece indiretamente. Penso por um segundo no quão bom seria desabafar com ela, contar tudo, pedir perdão e depois abraça-la pelo resto do dia. Mas não posso, não agora. 

— Não, estou bem, preciso pensar e ficar sozinho. — Lhe dou as costas. 

— Yoongi-ah. — Escuto seu chamado e paro. — E-eu… Eu… Estou com s-saudades. — Diz e a última palavra sai como um sussurro, mas ainda sim, escuto. 

— Desculpe, você está com o que? — Finjo que não escutei e me viro pra ela. 

— C-com… Dor de cabeça. — Mente. — Enfim, só anule essa conversa. Até mais. — Diz e sai. 

Eu sou um idiota, sim ou claro? 


Notas Finais


FOI ISSO AÍ 🖤
Se tiverem ideias pra nomes de escola, bairros e cidades podem dizer okay? Obrigada por estar aquiii 🖤 LOVE U
@TiaMoonsz @Kim_Taenu @Taenu_

🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...