História Rebel Heir - Bughead - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem. ♥️♥️

Capítulo 14 - CAPÍTULO 13


BETTY

Outro dia desperdiçado. Sem escrever. Sem planos. Nada

feito.

Tenho uma queimadura na bunda, das horas que passei

deitada de barriga para baixo, esperando Jughead entrar no quintal.

Nunca tinha usado um biquíni fio dental na minha vida. É por

isso que minhas nádegas virgens de sol parecem como se

estivessem em chamas.

Quando Jughead veio essa manhã, entrei sorrateiramente no

quarto de Verônica e peguei um dos seus biquínis minúsculos. Ainda

não posso acreditar que tive coragem de usar essa coisa ― que mal

cobria meus seios e expunha toda a minha bunda.

Mas nem mesmo praticamente me jogar nele nua, fez algo.

Deixou-me mais deprimida e mais do que um pouco irritada. Verônica

percebe e vem se sentar comigo no sofá.

“Derrame suas tripas, quatro olhos.”

Troco de posição sentada pela milionésima vez hoje,

inclinando-me mais no meu quadril esquerdo do que na

queimadura e empurro os óculos para cima da minha cabeça.

“Não tenho nenhuma ideia de como você usa aquele biquíni.

Minha bunda está frita igual a uma batata.”

“Oh não, não. Você não vai mais evitar esta conversa,

culpando seu rosto deprimido por uma bunda queimada.”

“O que você quer dizer?”

Ela me lança um olhar que diz sem me sacanear. “O que

está acontecendo com você e o chefe? Eu o vi lá fora com você está

manhã, esfregando loção em sua bunda. Parece que ele estava

prestes a fazer jorrar um creme diferente em você.”

“Ele veio para consertar meu carro. Praticamente me joguei

nele. Novamente. Mas nada aconteceu.”

“Honestamente não tenho ideia do que você vê nele. Bem,

além do óbvio ― que é gostoso pra caralho. Mas ele é um idiota.”

Balanço minha cabeça. “Ele não é realmente. Não depois

que você começa a conhecê-lo. Acho que é a sua maneira de

manter as pessoas à distância. Ele definitivamente não deixa que

as pessoas entrem facilmente.”

“Mas ele te deixou entrar?”

“Eu acho que sim. Nós temos uma conexão. Sei que ele está

atraído por mim. E estou definitivamente atraída por ele. Mas é

mais do que isso. Embora nada disso me faz bem, porque ele não

vai deixar que nada aconteça entre nós fisicamente, não importa

o quanto eu tente. Não entendo.”

Verônica aponta um dedo. “Você só respondeu à sua própria

pergunta.”

“Do que você está falando?”

“Você disse que vocês têm uma conexão, que é mais do que

física.”

“Então?”

“Esse é o problema.”

“Não estou entendendo.”

“Um cara como Jughead é esse tipo de cara ‘ame-as e deixe-as’.

Trabalho no The Heights há três anos. Ele tem um tipo de mulher

com quem sai.”

Reviro os olhos. “Sim. Horrorosas. Vi algumas lá.”

“Há uma razão para que ele só se envolva com certo tipo de

mulher.”

“E isso é?”

Verônica ri. “Não sei. Mas você provavelmente sabe, se você está

próxima como diz.” Ela encolhe os ombros. “Talvez uma ex o tenha

queimado.”

“Não acho que ele já teve quaisquer relacionamentos de

longo prazo.”

“Ok.” Ela bate o dedo em seu lábio. “Não é de uma relação

que alguém geralmente tem medo, é de um relacionamento ruim.

E o que geralmente vem de algo em sua vida, como uma ex. Mas

talvez seja algo diferente.”

O pai dele.

E como seu pai tratou sua mãe. Isso pode ter dado a ele uma

perspectiva negativa, com certeza. Mas não quero discutir

negócios pessoais de Jughead com Verônica, mesmo que a considere uma

boa amiga.

“Não tenho certeza. Mas se esse for o caso e ele evita

relacionamentos por causa de algo em sua vida, como vou passar

por isso?”

Verônica joga uma almofada que está segurando no colo para

mim. “Você não vai, boba. Você dá o que ele acha que quer e deixa

a relação acontecer naturalmente. Diga-lhe que você quer apenas

um amigo de foda para o verão. Deixe sua mente à vontade, ele

não precisa se preocupar com a parte de relacionamento.

Comecem a transar e se estiver destinado a ser, o resto só vai cair

no lugar e ele não vai nem perceber até que seja tarde demais.”

“Eu não sei... soa como se alguém pudesse se machucar...”

“Sim. Você. Se depois que o seu tempo de amigos de foda

acabar, ele terminar, é claro que você vai se machucar. Mas o que

você tem agora? Uma amizade estranha e celibatária. Olha,

quando você sair após o verão e acabar, você vai ficar arrasada se

ele não quiser manter contato, certo? Então por que não ter um

estouro de verão ― trocadilho intencional ― se você vai estar

amuada em setembro afinal?”

Suponho que ela tenha um ponto... há apenas um

problema. “Mas Jughead não me vê dessa forma.”

“Então o faça ver você desse jeito.”

“Como?”

“Quanto tempo até que você tenha que trabalhar?”

Olho para o meu telefone. “Cerca de uma hora e meia.”

Verônica fica de pé. “Vamos lá, isso não é muito tempo para

transformar sua bela bunda em uma prostituta.”

                             -------------------

Sinto como se as Pink Ladies  tivessem acabado de me

transformar na sexy Sandy de Grease. Saio do meu carro, olho para o meu traje uma última vez e respiro fundo. Vermelho, blusa

decotada, saia curta e saltos que duvido que possa durar uma

hora neles, muito menos trabalhar a noite toda. Verônica adicionou

uma tonelada de volume para o meu cabelo naturalmente

ondulado e fez minha maquiagem com todas essas coisas que vejo

as pessoas fazendo no YouTube, mas nunca me preocupei em

tentar fazer.

Olho para o meu reflexo na janela enquanto caminho em

direção à porta. Pareço bem. Sexy, de um jeito sacana.

Definitivamente mais como as mulheres que Jughead sai. Oak

assobia e abre a porta. “Você está linda, Betty.”

Coro, mas seu comentário realmente ajuda o meu nível de

confiança um pouco. “Obrigada.”

No interior, olho ao redor e uma onda de alívio toma conta

de mim quando não encontro nenhum sinal do chefe. Vestir-me

para o papel é apenas metade do plano. Preciso realmente

arrumar coragem de me aproximar de Rush e oferecer a ele... bem,

meu corpo.

Jogo-me em minha preparação habitual antes do jantar ―

verifico sobre as reservas, checo com a cozinha quais são os

especiais para que saiba quando as pessoas ligarem e

perguntarem ― sempre ligam antes e perguntam ― trago garrafas

extras de todas as bebidas que vão no especial da noite e ajudo os

garçons a arrumar as mesas. Estou aqui há cerca de uma hora,

sem nenhum sinal de Jughead ainda. Isso me faz sentir à vontade,

acho que talvez ele não vá aparecer hoje à noite e não terei a

chance de fazer a minha proposta para ele.

É por isso que quando abro a porta do escritório para

colocar um dos telefones sem fio no carregador, não espero que

alguém esteja lá dentro.

Pulo ao encontrar Jughead. Sua mesa está excepcionalmente

limpa e ele está sentado lá olhando para o espaço. “Jughead!

Desculpa. Não sabia que você estava aqui.”

Seus olhos fazem uma varredura lenta pelo meu corpo e

uma subida ainda mais lenta. Eles param em meu decote

abundante em exposição por longos segundos, antes do seu olhar

encontrar o meu. “Toda vestida hoje por uma razão?”

Merda.

Ele tinha acabado de me entregar à oportunidade perfeita

para abrir a porta. Engulo em seco e tento não me contorcer.

“Sim.”

Os olhos de Jughead estreitam. “Encontro?”

“Talvez.”

Seu olhar é intenso. “Quem é o sortudo?”

Meu pulso começa a correr. Isso está prestes a acontecer.

Não se acovarde, Betty. Não seja medrosa toda a sua vida.

Jughead levanta de sua mesa e caminha ao redor dela. O

escritório não é muito grande para começar, mas tê-lo a sessenta

centímetros de distância, enquanto digo o que quero dizer, faz

parecer como se as paredes estivessem se aproximando de mim.

Ele cruza os braços e sua mandíbula marca. “Pra quem você

colocou essa roupa sacana, Betty?”

Olho para os meus pés, respiro fundo e então encontro seu

olhar. “Você. Eu vesti está roupa para você.”

Jughead dá um passo mais perto. Seu rosto está duro, não

mostra nada. “Você gosta de usar coisas provocativas para mim,

não é?”

Balanço a cabeça.

“Você gosta de me provocar?”

Minhas mãos começam a suar. “Não. Bem, sim. Mas não

quero te provocar mais.”

Ele inclina a cabeça. “Você está cansada de me provocar?”

“Sim.”

“Mas você colocou a roupa de qualquer maneira?”

“Sim.”

“Você não entende a definição de provocação, então?”

Desembucha, Betty. Desembucha!

Dou um último suspiro profundo. Vou discutir ou passar

por isso. “Provocação é quando você incita alguém sem intenção

de seguir adiante.” Olho nos olhos dele. “Eu gostaria de seguir

adiante. Acho que você e eu... nós devemos ter relações sexuais.”

Agora que tirei a rolha da garrafa, palavras começam a derramar

fora de mim. “Você não tem relacionamentos. Estamos obviamente

atraídos um pelo outro. Às vezes a gente se dá bem... embora às

vezes discutimos também. Mas é verão e... você sabe... temos

necessidades. Então por que não sermos apenas amigos de foda?”

Encolho após essa última parte que falo, acho que soou como uma

prostituta. Ou Verônica. Bem... Verônica dormiu por aí. Mas isso é

irrelevante. Agora não consigo parar a divagação na minha

cabeça, muito menos a da minha boca. Ótimo. Simplesmente

ótimo.

Jughead arqueia uma sobrancelha. “Amigos de foda?”

Aperto meus lábios pintados de vermelho vem-me-foder

fechados e aceno.

“Você só quer transar comigo, então? Nada mais?”

Balanço a cabeça.

“Eu vejo.” Ele me encara. “Deixe-me ver se entendi... então

ficamos claros. Você não quer namorar comigo?”

“Não.”

“Mas você quer me foder?”

“Sim.”

“Então, posso dizer... ir até a sua casa depois do trabalho a

qualquer hora e talvez comer você?”

Engulo. “Sim.”

“E talvez, algumas vezes, você vá me dar um boquete.”

“Certo.”

“E eu poderia sair depois que o sexo acabasse? Sem

aconchego ou sutilezas necessárias?”

“Está certo.”

Seu rosto maldito está tão impassível; não tenho ideia do

que está acontecendo na sua cabeça. Depois de mais um minuto

de duração do olhar intenso que quase me desmorona, ele volta

para trás de sua mesa e senta-se.

“Quanto tempo tenho?”

“Perdão?”

“Para decidir e dar-lhe minha resposta à sua proposta.”

“Oh.” Não tinha pensado tão longe. Mas não posso me

torturar para sempre. Endireito minha coluna. “Até o final da

noite.”

Jughead pega uma caneta e puxa um pedaço de papel a de uma

pilha no canto da sua mesa. Começa a ler, ele resmunga sem olhar

para cima. “Volte para o seu trabalho de merda, Betty.”

                               -------------------

O resto da noite é tensa, para dizer o mínimo.

Pego Jughead olhando para mim enquanto trabalho. Ele não

está flertando ou qualquer coisa. Na verdade, ele parece mais

chateado enquanto a noite avança. É impossível saber o que ele

está pensando.

Incapaz de me concentrar, estou errando a toda hora, me

esqueço de trazer menus para a mesa, ou levo as pessoas para as

seções erradas ― tudo isso, é claro, sob o olhar atento de Jughead.

A realização do que fiz está começando a me bater. Por que

tinha me vestido assim para começar? O homem tinha me levado

oficialmente a agir como louca. Fiz papel de boba na frente dele ―

me jogando nele. Isso nunca é resposta para ter um homem

querendo você. Isso é o oposto do que alguém deve fazer.

Consegui me arrumar e me fez parecer como uma puta,

embora, no fundo, sei que sua atração por mim nunca foi à

questão; é que ele não quer estar comigo. Ponto final. Ele gosta de

brincar comigo, me paquerar, empurrar os limites. Mas ele

realmente não quer puxar o gatilho. Se quisesse, já teria feito até

agora. Confundi seu macho alfa querer me proteger com interesse

sério. Estou completamente errada. O homem tem problemas e

estou cansada de ser um deles.

Em um ponto, cerca de uma hora antes do fechamento,

Jughead passa por mim e diz: “Venha ao meu escritório após o seu

turno.” Se afasta antes que eu possa responder, deixa o cheiro

almiscarado de cigarros e colônia em seu rastro.

Ótimo. É isso. Vai ser o ponto onde ele me dá todas as razões

por que não quer prosseguir com nada comigo.

Ele sabe que não sou do tipo apenas para sexo. Nós

tínhamos falado sobre isso, por amor de Cristo. Não há como

enganá-lo.Além disso, por que ele vai se preocupar com alguém que

está emocionalmente carente, quando tem belas mulheres caindo

aos seus pés o tempo todo, as que realmente só querem a mesma

coisa que ele? Apenas sexo, não amor.

Você é uma idiota, Betty.

Depois que meu turno termina, fico adiando ir para seu

escritório. Ele tinha desaparecido da área principal, então assumi

que ele poderia estar esperando por mim lá atrás.

Talvez eu o deixe e apenas vá para casa. Afinal de contas,

tenho um carro funcionando estacionado lá fora agora, graças a

ele. Não há nenhuma razão para me colocar através da agonia de

ouvir sua rejeição.

Fico enrolando até que ele finalmente desce para a área de

recepção, parece mais chateado do que nunca.

“Fechamos há uma meia hora. Acho que lhe disse para me

encontrar no meu escritório. Estive esperando por você.”

Organizo alguns menus e não o olho nos olhos, falo: “Sim,

bem, não tenho que saltar só porque você me pede.”

“Betty...” ameaça. Quando olho para cima, seus olhos

queimam nos meus. “Traga sua bunda ao meu escritório.”

Jughead sai depressa e cedo, sigo-o com o coração acelerado.

Depois de fechar a porta atrás de mim, cruzo os braços.

“Certo, o quê?”

Jughead senta-se e coloca os pés em cima da mesa. Começa

batendo uma caneta repetidamente antes de dizer: “Estive

pensando sobre o que você propôs anteriormente e não acho que

é uma boa ideia. Eu...”

“Pare!” Grito. Estou perdendo. “Simplesmente pare! Não

preciso ouvir isso, ok? Já sei o que vai dizer, que você não acredita

que eu realmente quis dizer o que disse sobre sermos amigos com benefícios. Você nunca vai me ver como uma amiga de foda. Blá,

blá, blá. Por favor, me poupe. Não preciso me sentar aqui e ouvir

a explicação.”

Sua cadeira de rodinhas bate contra a parede quando ele de

repente se levanta. Depois marcha em minha direção, ele para a

cerca de trinta centímetros longe de mim. “Você vai me deixar

terminar?”

Afasto-me dele para a porta. “Não. Não quero falar sobre

isso. Agi como uma tola, me jogando em você e nunca deveria ter

acontecido. Você está certo. Não sou o tipo de garota para você.

Tenho dignidade e respeito e quero mais ― muito mais do que ser

seu brinquedo de foda. Não me importa quão atraente você é com

toda essa merda misteriosa e bad-boy que você tem em curso. No

final, você é um homem que não quer nenhuma das coisas que

quero da vida.”

“Posso só...”

“Não,” interrompo. “Vou embora.”

Assim quando me viro, sinto o aperto de mão no meu pulso.

Ele me vira ao redor antes de me apoiar contra a porta.

Posso sentir sua respiração enquanto fala perto do meu

rosto. “Você é muito teimosa. Devo dobrá-la e bater na sua bunda

tão forte por não me deixar ter uma palavra, literalmente.”

Meus mamilos ficam duros com esse pensamento. Engulo.

“Veja... isto é o que você faz. Você...”

“Cale-se.”

Antes que possa brigar por me dizer para calar a boca, seus

lábios estão nos meus, engolindo todas as minhas palavras não

ditas, espertinho. Minhas pernas quase entram em colapso com o

poder absoluto do seu beijo.

As mãos de Jughead estão enterradas no meu cabelo, enquanto

ele empurra sua língua dentro da minha boca. Atendo

desesperadamente o ritmo de suas investidas. Tem um gosto tão

bom, como cigarros e um sabor todo seu. Eu gemo em sua boca,

incapaz de esconder meu desespero por mais. Minhas mãos estão

cavando através do seu cabelo, pressionando seus lábios mais

profundos nos meus. Não posso ter o suficiente do seu gosto

inebriante.

Seu pescoço queima um pouco contra meu queixo quando

ele inclina seu corpo mais para perto do meu e continua a invadir

minha boca. Passa as mãos do meu cabelo, todo o caminho pelas

minhas costas, até que pousa na minha bunda. Aperta com força

antes de assumidamente empurrar seu pênis rígido contra o meu

abdômen.

Seus baixos murmúrios de prazer são tudo que tinha

imaginado ser. Sinto-me caindo, cada vez mais fraca, quanto mais

ele continua a devorar meus lábios. Minha calcinha está agora

encharcada e sei que sou um caso perdido, se ele tentar me levar

aqui mesmo.

Jughead chupa meu lábio inferior forte, antes de

abruptamente, se afastar. Ele parece triste quando ofega.

“Precisamos conversar.”


Notas Finais


Talvez teremos maratona esse fim de semana, mas isso é só um TALVEZ.

Eu também estava pensando em postar essa história no wattpad, o que vocês acham?

Comentem e apertem o coraçãozinho. ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...