História Rebeldes - Capítulo 8


Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Gaaino, Naruhina, Naruto, Rbd, Rbr, Sasusaku
Visualizações 153
Palavras 6.316
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nada a declarar.
brincadeirinha; gente, nos desculpem a demora. mesmo, mesmo.
Pra compensar aqui temos um capitulo grandão.
Esperamos que gostem.

Capítulo 8 - Castigo em xadrez?


 

*Sakura*

_ Onde vamos conseguir o material para limpar essas porcarias? – Pergunto ao moreno ao meu lado, já que ele ficou até o fim da reunião deve saber.

_ E eu lá vou saber garota, tenho cara de faxineiro pra você? 

_ É nem pra isso você presta pelo jeito. Como que você não pergunta isso seu imbecil.

_ Porque não perguntou você inteligência, não sou obrigado. – Ele responde e cada vez mais tenho vontade de arrancar a cabeça dele.

_ Porque eu não estava lá poço de burrice, esqueceu que eu saí antes dele acabar de falar?

_ Não, como poderia esquecer o seu showzinho? Se bem que o da Hyuuga foi melhor, teve direito até a arremesso de celular.

_ Como assim o que a peituda fez? – Certamente a patricinha pirou por ter que quebrar suas preciosas unhas.

_ Ah, se desentendeu com o pai por ele ter aceitado o castigo e, segundo o que eu entendi, o pai dela disse que não se importava, aí ela ligou, pintou com ele e quebrou o telefone avisando que ia aprontar todos a partir de agora.

_ Uau a peituda ta começando a ganhar meu respeito, pena que ainda odeio ela.

_ Garota você é totalmente do contra hien, eu imaginei você naquela cena e não ela, na verdade, acho que é a convivência.

_ Eu? Se fosse eu jogava o celular na cabeça do professor e não na parede, se eu vou quebrar meu celular ele tem que ter sua última utilidade.

_ Você não tem medo do perigo não é sua doida?

_ Nem um pouco.

_ Vamos ver com o Teuti onde fica as coisas de limpeza, quanto mais cedo começarmos mais rápido vamos terminar.

_ Quem é Teuti?

_ É um tio da faxina super legal que tem aqui.

_ Se você tá falando que ele é legal já tô imaginando a figura.

_ Por quê?

_ Porque não confio em você, por isso.

_ Garota vê se sossega tá, e vamos logo ele deve estar no corredor leste a essas horas.

Ele saí rumo ao corredor leste e eu me vejo obrigada a segui-lo, só espero que ele não me meta em mais furada senão eu mato ele.

_ Olha ele ali. – Diz o Uchiha apontando um senhor num canto com uma vassoura. – Fala aí meu amigo, como vão as coisas? – Sasuke estende a mão pro homem, que lhe olha e sorri lhe estendendo a mão.

_ Fala ai garoto, aprontou de novo pra voltar pra cá foi?

_ Foi, dei uns vacilos ai e meu velho, sabe como é né, ou é perfeito ou não serve, como estou longe disso então aqui estou eu novamente.

_ E a gatinha ali sua namorada? 

_ O QUE? NÃO, DE JEITO NENHUM. – Nós dois gritamos ao mesmo tempo e nos olhamos enquanto o velho se acabava de gargalhar.

_ Nossa até respondem juntos, se não é namoro ainda vai ser.

_ Não, não vai não Teuti, você sabe que eu não namoro, e outra, isso aí é o demônio em forma de gente.

_ Dizem que demônios são quentes né? Só algo quente o bastante pra derreter esse seu coração gelado.

_ Vem cá, quem pensa que é pra me chamar de demônio seu velho? – Pergunto já roxa de raiva de tanto ouvir besteiras.

_ E eu chamei? Eu disse o que acho dos demônios, não disse que você era uma.

_ Chega Teuti, só viemos aqui ver se você sabe onde tem material de limpeza para limparmos os banheiros.

_ Ué virou faxineiro agora Uchiha? Essa é nova.

_ Não virei, é só um castigo.

_ E desde quando você obedece a alguém? Não tô nem te reconhecendo, é pela garota?

_ Cara, nada a ver, tenho meus motivos, pode só ver o material pra gente?

_ Ok, estão naquela porta logo ali podem pegar.

Vejo o Sasuke ir para a porta abri-la e se virar me fitando.

_ Será que dá pra você vir logo pegar isso, criatura, ou tá difícil? 

Enquanto xingo ele de tudo que é nome, me aproximo da porta e entro pegando algumas coisas, ele já tinha pegado as dele quando prestei atenção.

_ Obrigado pelos elogios cabeça de chiclete, mas espero que não se importe de eu lhe retribuir a altura. – Ele me diz todo sarcástico que tenho vontade de lhe socar, mas me controlo pois se eu machucar ele quem vai me ajudar na limpeza? Tenho que usar a razão antes da emoção, nunca pensei que um conselho de dona Mebuki me serviria para alguma coisa.

Andamos até o primeiro corredor onde tinham os primeiros dois banheiros um feminino e outro masculino, me adianto indo pra feminino e deixo o masculino pro Sasuke, mas quando vou entrar ele segura meu braço e eu o olho com uma cara nada boa.

_ Onde vai? – Ele me pergunta, parece retardado esse garoto.

_ Limpar a merda do banheiro garoto, coisa que você deveria estar fazendo também.

_ Não vamos limpar juntos? – Ele pergunta e eu arqueio a sobrancelha sem entender, até que me vem um lampejo e eu sorrio de lado.

_ Vamos, eu limpo este e você aquele porque o playboy, não sabe limpar um banheiro?

_ Claro que sei. – Ele retruca mais eu não acredito.

_ Então vai, tá esperando o que? – Ele me solta e vai para o banheiro, eu vou para o meu também começando a limpar, eu sou rica mas sei trabalhar, nunca fui patricinha na vida, já trabalhei até num bar de um amigo meu numa época que minha mãe cortou minha mesada, sem dinheiro que eu não podia ficar e hoje agradeço por isso, senão estaria ferrada agora.

*Sasuke*

Aquela desgraçada sacou na hora que eu nunca limpei um banheiro na vida e tentou me zoar, mas claro que eu não ia dar o braço a torcer, lavar um banheiro não deve ser difícil certo?

Vamos lá. Comecei jogando bastante sabão pelo chão e no vaso sanitário, estava com um cheiro horroroso então joguei ainda mais sabão, quanto mais sabão mais limpo certo? Acho que sim.

Coloquei uma luva nas mãos e peguei a vassoura pra começar a esfregar, mas tava faltando algo. Claro seu burro, cadê a água? Ligo a torneira e jogo água por todos os lados começando a esfregar o chão com a vassoura, ainda sentia que tinha algo errado, quanto mais eu esfregava mais o sabão crescia e a água parecia que não ia embora, será que o ralo está entupido? Resolvi desligar a água, mas em vez disso quebrou a parada que desliga e a água não para. Começando a entrar em desespero jogo a mangueira dentro do vaso e continuo tentando empurrar a água pro ralo, mas ela não vai embora. Essa peste está com macumba só pode. E agora o que eu faço?

Contínuo incessantemente empurrando a água, mas nada, me assusto mais ainda ao ver o vaso transbordando água e sabão por todo lado que já ameaçava subir então tento fugir dali pra pedir socorro, mas caio de costas no chão com tudo.

_ CARALHO MINHAS COSTAS. – Eu grito que pancada, senti até meus rins doerem. Tento me levantar e caio de novo, dessa vez ficando no chão mesmo.

_ Sasuke tá tudo... QUE PORRA É ESSA UCHIHA? – Chega Sakura olhando incrédula de mim para o banheiro e do banheiro para mim de novo. – Tá fazendo o que deitado aí garoto? Levanta. Como foi que você conseguiu transformar isso nessa zona de guerra? – Ela fala novamente ainda alterada, eu nem me movo e vejo ela bufar. – Você está me ouvindo merda?

_ Estou, mas não consigo levantar, já tentei. – Digo e não gosto nada da cara que ela faz ao se aproximar.

_ Eu devia te deixar aqui seu idiota, porque não disse que não sabia fazer? Se bem que quem pode ser idiota o suficiente pra não saber lavar um simples banheiro merda?

_ Ah cala a boca, deixa de ser chata garota.

_ Anda segura minha mão antes que eu me arrependa e te deixe ai.

Ela me estende a mão e eu, a contragosto, seguro fazendo forças pra levantar, e consigo, mas continua escorregadio por conta do sabão, tento me apoiar na parede e ela parece estar tendo um pouco de dificuldade pra ficar de pé também, tanto que ela quase cai mais eu consigo segurá-la pela cintura e traze-la pra junto de mim.

_ Como foi que isso aconteceu?  - Ela grita perto do meu ouvido

_ Eu não sei, eu só joguei água e sabão, ela não vai embora.

_ Você abriu o ralo idiota? 

_ Precisava abrir?

_ Mas é claro imbecil por isso que a água não vai embora! Onde é o ralo?

Eu aponto para o lugar onde a espuma está mais alta e espessa e ela me olha franzindo o cenho.

_ Porque aquele vaso está transbordando assim?

_ Eu quebrei a parada que liga e desliga, e joguei a mangueira dentro dele.

_ Não é mais fácil desligar o registro imbecil?

_ E eu lá sei que tem registro onde garota?

_ Em baixo da pia, desliga lá que eu vou abrir o ralo, senão não vamos sair daqui hoje.

Concordei com ela, tínhamos que resolver isso logo ou ia dar merda pra gente se alguém aparecesse ali.

_ No três, um, dois, três. – Vou em direção a pia com dificuldade e desligo a peste do registro. Como não vi essa merda na minha cara?  Vejo a Sakura sumir na espuma e depois de uns minutinhos voltar, a água começar a abaixar e um sorriso convencido surgir no rosto da Sakura.

_ E ainda diz que não é um playboy. Você quase destruiu esse banheiro e se não fosse por mim teria conseguido.

_ Eu teria dado um jeito, não pedi a sua ajuda – digo irritado, essa garota tem o dom de me irritar.

_ Sei, me engana que eu gosto.

_ Que bagunça é essa aqui? – Chega Kabuto nos olhando com uma cara de quem vai matar alguém, eu olho para a Sakura e vejo que ela está mais puta do que estava quando chegamos aqui, e isso não é bom, ela com raiva não faz bem pra ninguém é bem pelo contrário.

 

_ É só um acidente Kabuto, vamos limpar fica frio. – Digo e Kabuto me olha respirando fundo.

_ Eu acho bom vocês deixarem esse banheiro brilhando, assim como os outros eu volto pra vistoriar, e se não estiver do jeito que eu quero vou arrumar algo pior pra vocês dois.

_ E existe algo pior do que lavar banheiros? – Sakura perguntou sorrindo de lado e eu penso que agora fudeu, mas Kabuto só sorri.

_ Não duvide da minha criatividade Haruno, eu volto pra ver o serviço concluído. – Ele sai, Sakura me olha com um olhar matador e eu me afasto um pouco dela.

_ Sakura? Você tá bem? Está muito quieta isso não é normal. – Digo olhando pra ela, vejo ela se aproximando de mim e meu sangue gela, arregalo os olhos quando ela pula em cima de mim me batendo levando nós dois ao chão, ela fica sentada no meu colo me batendo enquanto tento segurá-la, mas é em vão ela tem uma força e tanto.

_ Para sua doida, sai de cima de mim! Para caralho! – De todas as formas eu tentava me defender e mandava ela parar, mas nada adiantava, até que simplesmente ela para e respira fundo.

_ Ah, agora tô bem. – Ela fala ainda sentada no meu colo e eu olho pra ela querendo matá-la.

 _ QUAL É A PORRA DO SEU PROBLEMA GAROTA? JÁ É A SEGUNDA VEZ QUE ME BATE, OLHA PRA ISSO, PARECE QUE UM GATO ME ARRANHOU. PRA QUE ISSO? – Eu grito igual a um louco na cara dela, e pela primeira vez vejo ela assustada e gosto disso.

_ Bater em você me acalma. – Ela responde simplesmente, eu a olho mais uma vez e me dou conta da posição em que estamos, tenho que tirar proveito disso.

_ Arranja um saco de pancadas então, e existem formas mais simples de se acalmar que não seja batendo em alguém. – Digo com um sorriso pra lá de malicioso e ela me olha sem entender.

_Ah é?! me diz uma forma aí então se sabe tudo, idiota. – Ela me diz, eu sorrio mais ainda olhando pra sua boca, ela parece ser tão apetitosa. Então coloco meu sorriso mais safado na cara e me aproximo lentamente, olhando em seus olhos.

_ O que você tá fazendo? – Pergunta ainda nos meus olhos e eu sorrio.

_ Te mostrando uma forma de se acalmar. – Digo e a puxo para um beijo com tudo, ela tenta se debater, me soca, mas eu não a solto, e numa distração dela minha língua entra em sua boca, eu começo a movimentá-la, ela para de se debater correspondendo ao beijo de uma maneira que me surpreendeu. Sakura agarrou meus cabelos, e eu a apertei mais junto a mim. Essa demônia beija bem pra cacete. Me perco em pensamentos correspondendo seu beijo até que sinto ela se afastar e em seguida minha cara arde. Ela me deu um tapa daqueles. Essa desgraçada tem força.

_ COMO VOCÊ OUSA FAZER ISSO? QUER MORRER PELO VISTO. – Ela grita no meu ouvido e tenta me dar mais um tapa, mas dessa vez eu seguro sua mão.

_ Chega, já me bateu o suficiente, eu só te dei o que pediu, uma forma de se acalmar. – Digo prepotente, ela me olha com os olhos em chamas de tanto ódio acumulado.

_ Você está vendo alguém calma aqui? – Ela perguntou cerrando os dentes.

_ Agora não, mas na hora do beijo estava calminha, até me correspondeu. E até que pra um demônio você beija bem.

_ Eu vou te matar seu infeliz.

_ Que tal você sair de cima de mim primeiro? Essa posição não está muito legal. – Eu olho para minha calça, ela percebe onde está e se levanta apressada. Como ainda tem sabão por todos os lados ela se desequilibra e quase vai ao chão, mas eu a seguro e ela se afasta das minhas mãos rapidamente, vejo seu rosto um pouco vermelho e percebo que ela vai sair do banheiro.

_ Ei, não vai me ajudar a limpar essa bagunça?

_ Porque eu faria isso? Você fez essa sujeira sozinho, então se vira nos trinta que eu tenho mais quatro banheiros para limpar, e você também.

_ Você é do mal garota.

_ Você ainda não viu nada, e outra coisa, se contar pra alguém desse beijo eu castro você.

_ Uia! Como se eu tivesse medo de você Sakura. – sorrio, ela se virou me olhando de uma forma que deu medo de verdade. – Não vou falar nada não, fica fria.

_ Acho bom mesmo. – Ela sai do banheiro me deixando lá, mas agora acredito que não terei mais problemas aqui. Comecei a limpar novamente, como pensei, não tive mais dificuldades e o banheiro ficou um brinco, então parti para os outros limpando também sem problemas e no fim de tudo sentei numa escada pra pegar um fôlego. Lavar esses banheiros acabou comigo, deito minha cabeça na parede cochilo.

*Ino*

_ Até que enfim, só falta uma maldita escada. – Digo já quase botando um palmo de língua pra fora. Trabalho braçal não é comigo, e o Gaara, tadinho, tá tão acabado quanto eu, mas logo vamos acabar essa merda de castigo.

_ Verdade loirinha, não vejo a hora de acabar com isso, temos coisas melhores pra fazer. – Diz Gaara, eu percebo seu tom malicioso, e gosto muito disso, mas me faço de boba.

_ E que coisas seriam essas coisas? – Pergunto inocentemente, ele me olha e sorri.

_ Tô com saudades coisa linda, que tal a gente matar um pouco dela depois disso?

_ Amei a ideia vamos acabar logo com isso. – Andamos mais rápido até chegarmos a última escada, mas tinha alguém sentado nela. Me assustei ao ver que era o Sasuke, ele estava todo arranhado o que será que houve com ele? Algo me diz que tem dedo da Sakura nisso.

_  Aquele ali não é o Sasuke? – Gaara me pergunta ao reconhecê-lo.

_ Parece que sim, é o próprio, vai lá acordar ele. – Digo e Gaara se aproxima dele tocando em seu ombro, ele acorda assustado.

_ O que? Onde? Ah, são vocês. – Ele fala meio perdido, mas logo se recupera. – O que vocês estão fazendo aqui?

_ Temos que limpar essa escada. E você, qual foi o gato que te arranhou desse jeito?

_ Quem me dera tivesse sido um gato, foi a jararaca cor de rosa que fez isso, aquilo é um demônio, e vou te dizer, tem uma força que puta que pariu. – Sabia que tinha dedo da Sakura, minha intuição nunca falha, se bem que não foi só um dedo foi a mão toda, mas ta valendo.

_ A Sakura fez isso? Mas por quê? O que fez com ela? – Claro que ele fez alguma coisa, a Sakura não ia perder a cabeça assim, ela é meio doida mas nem tanto.

_ Eu nada, aquela garota é louca. Disse que gosta de me bater porque acalma ela, eu posso com isso? – É isso eu consigo acreditar, ela disse que gosta de xingar ele quando não tem nada melhor pra fazer, não é difícil ter dito isso mesmo não.

_ Você tá é ferrado Uchiha, mas agora pica a mula daí que essa é nossa última escada queremos acabar logo com isso. – Sei Gaara, sei por que quer acabar logo com o serviço, se bem que é pelo mesmo motivo meu.

 

_ Ok, boa sorte pra vocês.

Ele sai e deixa a gente lá, nós rapidamente limpamos tudo que tinha que ser limpo, não tenho tempo nem de respirar e Gaara me leva para um cantinho e começa a me beijar, eu, claro, retribui a altura. Nossas línguas batalhavam uma guerra, enquanto minhas mãos apertavam seus cabelos o puxando mais para mim, ele não tirava as mãos da minha cintura nem ousava tocar na minha bunda, eu de certa forma gostava muito disso, desse respeito que ele tinha comigo.

Quem olha pra ele pensa que ele é um pervertido abusado, mas engana-se, pois ele é um amor, me respeita como nenhum cara já respeitou. Ele deve achar que eu sou virgem por isso age assim, mas não sou, perdi com o maior cafajeste da minha antiga escola e me arrependo disso até hoje, por isso de agora em diante não vou me entregar tão fácil, mas não vou deixar de curtir, e o Gaara é uma delícia, tem um beijo super gostoso, e tem pegada, gosto disso num homem, mesmo que ele me respeite um pouco de ousadia não faz mal a ninguém.

_ Pode me tocar Gaara, eu não vou te morder não, bem talvez eu morda, mas você vai gostar. – Digo assim que separamos o beijo pra pegar um ar, ele me olha e sorri me puxando pra ele.

_ Como eu senti saudade dessa sua boquinha Ino, você não sabe a tortura que é te ver e não poder te tocar.

_ Então toque, eu estou aqui agora. – Ele me puxa para ele, novamente iniciando outro beijo enquanto suas mãos passeavam pelo meu corpo, dessa vez ele não pensou duas vezes em dar uma apertada generosa na minha bunda, me pegando de surpresa, em seguida tivemos que separar nossas bocas novamente por falta de ar, mas ele não parou, partiu para o meu pescoço me enchendo de beijos e pequenas mordidinhas, me deixando arrepiada e me fazendo esquentar. Então esse era o sinal que já estava na hora de parar, antes que tomasse proporções sem mais volta.

_ Gaara... Acho melhor agente ir embora. – Digo com a respiração pesada, ele me olha.

 _ Claro Ino, desculpa se eu me excedi, não foi a minha intenção passar dos limites com você.

_ Você não passou, eu só acho que é melhor parar por aqui antes que alguém nos pegue e dê problemas.

_ Você está certa, vamos guardar os materiais no lugar e vamos embora.

_ Ok.

Nós dois saímos de lá, guardamos as coisas e fomos cada um para um lado, eu resolvi ir ver a Sakura, ela não parecia bem mais cedo, às vezes ela precisa de uma amiga agora, mesmo ela não pedindo eu sinto isso.

*Gaara*

Limpar essas escadas foram um inferno na terra pra mim, tô morto e o pior é que fui castigado sem ter feito nada, isso que foi foda. Pelo menos teve uma coisa boa, fiquei junto com minha loirinha, se tenho que sofrer pelo menos é em boa companhia, e que companhia viu.

Os amassos foram a melhor parte, ela beija muito bem e me deixa louco, mas tenho que respeitá-la, ela não é qualquer uma e eu perdi um pouco o controle com ela, ainda bem que ela não se zangou, pois foi ótimo senti-la um pouco mais, adoraria repetir a dose, mas não sei se terei chance tão cedo, esse colégio é uma verdadeira prisão.

_ Oi mano fiquei sabendo do castigo, como foi? – Me pergunta Sai chegando no quarto, eu suspiro.

_ Foi uma merda cara.

_ Imagino, a loirinha foi sua dupla né? Pelo menos boa companhia você teve.

_ Isso sim, a melhor, minha loirinha é a melhor.

_ Já chegou aos finalmentes com ela Gaara?

_ Pra que quer saber disso?

_ Nada de mais, apenas curiosidade.

_ Hn. Ainda não, acho que ela é virgem, então vou respeitar o tempo dela, se ela quiser, vai falar comigo, se não, eu continuo esperando.

_ Enquanto se diverte com as outras né?

_ Não, vou ficar só com ela, tô gostando dela de verdade.

_ Uau! Isso é amor hein. Ficar sem sexo porque a garota não quer e nem arrumar outra não é pra qualquer um não hein, Gaara você é meu ídolo.

_ Sei, Sai, eu vou tomar banho pra depois dormir, que estou morto.

_ Claro vai lá mano.

Gaara vai para o banheiro, Sai fica no quarto e sorri de lado.

_ Vamos ver por quanto tempo ela vai ser sua. – Sussurra e sai do quarto.

*Hinata*

_ Mas que droga, não acredito que isso está acontecendo comigo. – Eu resmungo com muita raiva de ter que limpar essa porcaria, e loiro do meu lado não diz uma única palavra, me deixando com mais raiva ainda. – Porque você não fala nada? – pergunto, não é possível que ele esteja feliz com esse castigo.

_ O que você quer que eu fale? Que fique reclamando como você? Se resolvesse nosso problema fazendo isso, acredite, eu já estaria fazendo um escândalo aqui, mas não vai adiantar espernear, vamos ter que limpar essa merda então porque não gasta a energia que está usando pra reclamar pra limpar?

_ Não precisa ser grosso também. – Digo bastante irritada. Quem ele pensa que é pra falar assim comigo? Depois dou a louca aqui e ele reclama.

 

_ Não estou sendo grosso, estou sendo sincero, e outra o nosso castigo foi o melhor se compararmos ao dos outros, preferia estar limpando banheiros?

_ Ui, não! Deus me livre, me deixa com os livros mesmo que está bom.

_ Tá bem, que tal começarmos logo com isso, tem a parte de cima que alguém vai ter que subir na escada, e como essa escada parece meio fraca você vai porque é mais leve. – Como é meu filho? Tá querendo me quebrar é? E se eu cair dessa merda?

_ O que? E se eu cair? 

_ Você não vai cair, a escada vai aguentar tranquilamente o seu peso, mas o meu não, caso não tenha percebido eu devo ter o dobro do seu peso.

_ Não tô confiante nisso não.

_ Se por acaso você achar que vai cair pode me gritar que eu te seguro.

_ Até parece que você vai aguentar comigo, vamos nós dois pro chão então.

_ Tá me chamando de fraco?

_ Se a carapuça serviu, vista.

_ Ahhhhh. – Eu grito quando ele me pega no colo e me joga pra cima segurando logo em seguida, eu o olho com raiva.

_ Viu, eu disse que te aguentava, você nem chega a pesar direito. – Ele diz comigo ainda em seu colo.

_ Me põe no chão agora senão vai tomar um chute num lugar onde você não vai gostar. – Ele se apavora e me põe no chão rapidamente.

_ Não precisa surtar, só estava mostrando que minha teoria funciona.

_ Tá, tá, eu subo na escada, agora se eu cair lá de cima quebrar meu pescoço e morrer eu volto pra te levar comigo pro inferno seu desgraçado.

_ Deus me livre, você tá convivendo demais com a Sakura, esperava essa frase dela não de você. – fez sinal da cruz.

_ Cadê o espanador? – Pergunto já preparando meu psicológico para toda essa poeira que me aguarda, só espero que não ataque minha rinite senão eu tô lascada.

_ Tá aqui, mas sobe primeiro eu te entrego. – Eu faço como ele diz e começo a subir na escada, de fato ela parece que vai suportar o meu peso sem problemas. Quando chego lá em cima ele me estende o espanador, eu o pego.

_ Tudo tranquilo aí em cima? – Ele pergunta e eu afirmo. – Ótimo, vou começar a limpar aqui em baixo então qualquer coisa me grita ou se for pra mudar a escada de lugar pode me chamar.

Faço como ele diz e começo a limpar os livros na parte de cima, de fato tem muita poeira aqui em cima, mas vou limpando livro por livro enquanto Naruto limpa a parte de baixo, chamei ele algumas vezes pra mudar a escada de lugar e ele me ajudou sem reclamar. Graças a Deus depois de muito trabalho estávamos quase terminando, o que era bom já que minha rinite já começa a dar sinais de vida entre um espirro ou outro.

 Continuei a limpar até pegar o último livro que tinha que ser limpo, meus olhos brilharam ao ler o nome do livro O Morro dos Ventos Uivantes, eu gritei igual a uma criança quando ganha um doce, com o livro na mão, me desequilibro e quase caio no chão, só não cai porque alguém me segurou no último instante.

_ Eu disse que não ia te deixar cair não disse? – Diz Naruto sorrindo.

_ Ah graças a Deus, pensei que perderia essa preciosidade. – Digo ainda abraçada ao livro, Naruto estreitou os olhos pra mim.

_ Você tá mesmo mais preocupada com o livro do que com o fato que poderia ter se machucado feio?

_ É O Morro dos Ventos Uivantes. – Digo com um sorriso no rosto.

_ E daí?

_ “E daí?” Você não disse isso... É o melhor livro de romance que existe.

_ Você me confunde sabia?

_ Eu, por quê?

_ Porque ao mesmo tempo que parece ser uma patricinha fútil, que não liga pra nada, você muda e se torna alguém que se importa com um livro pré-histórico que você não deveria nem conhecer, qual das duas é você de verdade?

_ É complicado, você não entenderia. - Apenas essa pergunta dele me surpreendeu, que fiquei sem ter o que falar.

_ Tenta explicar, talvez eu te entenda sim.

_ Não, esquece isso. Já terminou aqui em baixo?

_ Sim.

_ Então vamos embora, eu estou cansada e tenho manicure pra fazer ainda.

_ Pode ir, vou ver uma coisa antes de ir.

_ Ok.

*Naruto*

Não entendo essa menina. Qual a necessidade de fingir ser o que não é? Juro que tento entender mas não consigo, ela deve ter um bom motivo pra isso, e eu vou descobrir, ou não me chamo Naruto Uzumaki.

Fico parado na biblioteca até que me lembro que nessa sexta é aniversário da minha irmã e ainda não comprei um presente pra ela, e nem vou ter tempo pra isso, o que eu faço? Fico pensando até ter uma ideia louca, saio correndo em direção ao quarto das meninas.

Bato na porta e a Sakura abre e eu sorrio pra ela de orelha a orelha.

_ Tá sorrindo de mais Naruto, o que você quer? – Pergunta Sakura estragando minha alegria.

_ A Hinata ta ai também? 

_ Oh Peituda, é pra você. – Ela grita, vejo alguém bufar e vir em direção a porta.

_ Quem ta aí Lacraia cor de rosa? Ah, oi Naruto o que foi?

_ Preciso da ajuda de vocês. – Digo com minha melhor cara de cachorrinho pidão.

_ Nossa? – Perguntam as duas ao mesmo tempo cruzando os braços.

_ O que você aprontou Naruto? – Pergunta Sakura.

_ Eu nada, só preciso de uma ajudinha de vocês, não é nada difícil, por favor me ajudem?

_ Do que precisa Naruto?

_ Sexta-feira é aniversário da minha irmãzinha, e eu não posso ir vê-la sem um presente, e não tenho como sair pra comprar o diretor não vai me deixar sair.

_ É só isso? – Pergunta Hinata.

_ Sim. Vocês podem me ajudar?

_ Depende do que quer dar pra ela.

_ Qualquer coisa, só não posso chegar lá de mãos vazias.

_ Vou pensar em algo depois te falo. – Diz a Hinata novamente.

_ Obrigado Hina, você é demais. – a abraço forte, depois a solto vendo seu rosto ficar vermelho, corro pra dar um beijo no rosto da Sakura, mas ela me para com as mãos.

_ Ninguém vai me roubar mais beijo nenhum, eu vou castrar o próximo.

_ Ei calma eu só ia te dar um beijo no rosto por me ajudar, não ia te roubar beijo nenhum não Sakura. Quem te beijou a força, quer que eu bata nele pra você?

_ Não precisa, já bati tudo que eu queria, e quem disse que eu vou ajudar em alguma coisa? A peituda prometeu, eu não.

_ Você é má Sakura, mas eu gosto de você e obrigada mais uma vez Hina. – Digo e saio correndo novamente deixando as duas.

............

Konan entra em seu quarto, entediada, não gostou nenhum pouco de ter sido castigada por algo que não havia feito. Sua desconfiança era voltada para uma certa garota com cabelos estranhamente cor-de-rosa, não só ela como todos os outros que estavam no fundão daquele ônibus.

 

Olhou para sua mala roxa em cima da cama, não tivera tempo de desarrumar suas coisas, foi primeiro cuidar das mesas dos professores. Ela tirou as sandálias, andou até sua cama abrindo a mala. Ao abrir arregalou os olhos, ao ver aquela coisa em cima de suas roupas.

 

- AAAAAAAAAAH!! – gritou. Daria pra ouvir até nos Estados Unidos.

 

- O que foi? Aonde é o fogo filha? – Kakashi entrou desesperado no quarto de Konan.

 

- PAI, TIRA AQUELA COISA DALI – tapou os olhos com as mãos.

 

- Que coisa, Konan?

 

- Aquele bicho – choramingou.

 

Kakashi seguiu com o olhar para onde Konan apontava, e viu. Viu aquele inseto de oito patinhas sobre as roupas da filha, ela mexia as duas patas da frente. Kakashi franziu o cenho.

 

- Como que... – tentou falar, mas foi interrompido.

 

- O que esta esperando pai? Tira aquela criatura vinda do inferno dali – empurrou o pai até perto de sua mala, e correu subindo em uma cadeira abanando as mãos.

 

Kakashi pegou uma vassoura surgida do além, tacou na pobre tarântula, e errou fazendo o animal andar para cima da cama da garota.

 

- AAAAAAAH! – Konan berrou.

 

- Fica calada – mandou Kakashi.

 

Mais uma vez Kakashi jogou a vassoura. Eta homenzinho ruim de mira viu. Depois de varias tentativas falhas, e de quase ficar surdo com os gritos escandalosos da filha, Kakashi decidiu pegar o inseticida, espirrou na aranha que já se encontrava no chão, ela ficou tonta, estava viva, mas parou de se mover. Fizesse isso antes.

 

Konan desceu da cadeira enquanto o pai varria a aranha pra fora do quarto.

 

- Tô saindo – Kakashi falou.

 

- Obrigada pai – ela sentou na cadeira pensativa – como essa tarântula foi parar dentro da minha mala? – indagou a si mesma – só pode ter sido...

+=+

Sasuke acordou com Naruto berrando, abriu os olhos preguiçosamente e desejou que um meteoro caísse na cabeça do amigo loiro. Certo que ele teria que, realmente, acordar, mas não precisava parecer estar em uma batalha medieval.

 

- Qual é Naruto? Sabe gritar mais baixo não porra? – falou irritado.

 

- Teme saca só isso – Naruto jogou um saco para o moreno que bateu em sua cara amassada.

 

- O que é isso?

 

- Abre pra ver.

 

Dando de ombros, Sasuke abriu a sacola que tinha um tipo de roupa dentro, arregalou os olhos.

 

- Que porra é essa Dobe?

 

- Eu também queria saber – ergueu os ombros – e olha, veio esse bilhetinho.

 

- Deixa eu ver – Sasuke pegou o bilhete e leu em voz alta: - “Alunos, essas são as novas calças de uniforme, a partir de hoje vocês usarão elas. Está totalmente proibido o uso de calça jeans, moletom, e a antiga calça do uniforme escolar. Atenciosamente Kakashi Hatake” – imitou a voz do diretor, revirou os olhos, e olhou para Naruto.

 

- E tem mais um, eu leio esse – desdobrou o papel e leu – “Senhores Uchiha e Uzumaki, nada de me desobedecerem. Senão terão mais um castigo, e não será apenas lavar um ou outro banheiro e tirar pozinho de livro. –Kakashi”

 

- Há quanto tempo esse cara não transa? – Sasuke se jogou de costas na cama.

 

- Cara, que ridículo – olhou com uma cara nada boa para a calça em sua mão.

 

- Calça xadrez – disseram em uníssono.

 

Sim, a ordem era que, todos os meninos usassem, a partir de hoje, calça xadrez, assim como as garotas usavam saia com estampa xadrez, Konan achou que os garotos deviam usar também.

 

Gaara olhou de cenho franzido para Sai, que experimentava a nova calça de uniforme da escola.

 

- Que porra é essa? – quase gritou.

 

- A nova calça da escola – disse debochado

 

- Você está ridículo – riu do amigo.

 

 - Isso é ridículo. – apontou para a calça – ah, e a sua está aqui – pegou um saco e jogou para Gaara que pegou no ar.

 

- Eu vou ter que usar isso?

 

- Pensou que fosse só eu? – ironizou, pegou o bilhete e deu a Gaara. – leia.

 

Gaara leu rapidamente, e revirou os olhos verdes, entediado.

 

- vamos, ta esperando o que? Vai trocar de roupa.

 

- Kakashi deve estar louco só pode – levantou e seguiu para o banheiro.

 

Olhares engraçados e murmurinhos ecoavam pelos corredores da escola. Todos os garotos estavam vestidos com aquela calça xadrez e as meninas sorriam ao vê-los, mesmo não entendendo o porquê de eles estarem vestidos daquela maneira vergonhosa.

 

- Cara que mico – Naruto tapou os olhos. Sasuke estava do lado dele com certeza envergonhado também.

 

- Que gorila, isso sim – Sakura surge atrás deles rindo, enquanto pegavam seu café da manhã.

 

- Não fode Sakura – resmungou – não vê que eu estou passando vergonha aqui.

 

- Desde quando você tem vergonha Naruto? – Sasuke pergunta divertido, rindo da cara de tacho do loiro.

 

- Ah, vão se danar, os dois.

 

- Obrigada Shizune – disse Sakura.

 

- Disponha – respondeu a morena do outro lado do balcão.

 

- Ela sabe ser educada quando quer – Sasuke brincou, Sakura apenas lhe mostrou o dedo do meio.

 

Sentaram em uma das mesas vazias. Logo depois Ino se juntou a eles, também com seu café da manhã.

 

- Vocês estão ridículos – riu.

 

- Isso porque você ainda não viu o Gaara – Naruto apontou para a porta, onde Gaara acabava de passar com Sai.

 

- Meu Deus – Sakura riu escandalosamente.

 

- Vai rindo Haruno – Sasuke resmungou

 

- É – Naruto concordou – não é você que esta usando xadrez.

 

- Engano seu – a voz de Hinata foi ouvida – vocês acham que nossas sais são listradas?

 

- Olha quem apareceu – Sakura olhou divertida para a Hyuuga.

 

- Então Hina, já pensou em alguma coisa? - Naruto pergunta.

 

- Ainda não, quando eu pensar em algo aviso a você – se concentrou em seu café.

 

- Me sinto bugado – Gaara chamou atenção dos outros ao sentar ao lado de Ino – Bom dia pessoal.

 

- Bom dia – responderam.

 

- Não é pra menos estar se sentindo bugado, isso é estranho de mais. – Sakura comentou.

 

- Pra nós nem tanto... – Hinata disse de boca cheia, o que fez os outros olharem para ela de cenho franzido – O que foi?

 

- Você ta falando com a boca cheia – disse Naruto.

 

- e daí? – ergueu os ombros.

 

- Ok, você não é o que todos pensam – Ino falou.

 

- Não mesmo – tomou um gole de seu suco – continuando... pra nós, meninas, não fica estranho xadrez, mas em vocês... fica horroroso. – as outras concordaram.

 

- Principalmente no Sasuke – fala Naruto – com toda essa pose de bad boy – gargalhou.

 

- Olha só, viraram amiguinhos foi? – Konan se aproximou – Não é pra menos, tenho certeza que foram vocês que armaram colocando aquelas bombinhas na minha mala.

 

- Tá ficando doida? – Hinata ergueu as sobrancelhas.

 

- Não fizemos nada, nem tinha como por aquilo lá. Não somos The Flash sabia?! – debochou Sakura. - E estávamos naquele ônibus, não seriamos tão loucos.

 

- Eu sei que foram vocês.

 

- Cade as provas?

 

- Vocês vão me pagar. Tinha uma linda tarântula na minha mala, será que foi a mesma pessoa que pôs as bombas lá?

 

- E porque você ta falando isso pra gente? – Ino perguntou sugestivamente

 

- Não temos nada a ver Konan – Sasuke bufou – Vaza daqui.

 

- Vocês vão me pagar – riu sarcasticamente – gostaram da calça? Achei que ficaram uma gracinha em vocês.

 

Ela ia dando as costas, foi quando esbarrou em Sai, quase o fazendo derramar seu alimento.

 

- Presta atenção, ôh idiota – saiu de lá a passos duros.

 

- Garota estressadinha, eu hein!

 

 


Notas Finais


E então o que acharam?
Essas calças vão dar merda sim ou claro?
desculpm a demora mais uma vez.
comentem.

até o proximo
<333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...