1. Spirit Fanfics >
  2. Reciprocidade >
  3. Definição de romantismo

História Reciprocidade - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


postando minhas histórias novamente, pois fui banida por, aparentemente, ter plagiado alguma fanfic e tô até agora me questionando qual pq tudo que eu posto é da minha linda imaginação. enfim, vamos de recomeço né k

Capítulo 1 - Definição de romantismo


Um som sensual e chapadinho tocava pelo quarto. As típicas músicas para transar para pessoas que não transam. Eu transo, não com muita frequência, porém transo. E, dessa vez, era exatamente isso que eu iria fazer. Transar. Foder até os vizinhos baterem na porta reclamando do barulho por ter que trabalharem mais tarde, até meus pais chegarem daquela segunda lua de mel, até não conseguir mijar depois ou até meu pau cair. Porque não é todo dia que Min Yoongi resolve me fazer uma visita.

O quarto estava mais ou menos arrumado, mas não é como se ele ligasse. Afinal, ele só apareceria ali para foder. Sempre era só para isso. E eu me pergunto se, com todas essas transas, Yoongi não conseguira desenvolver nem um tipo de sentimento para comigo. Pois tudo o que eu mais queria era ter Min Yoongi como namoradinho. Não podemos ter tudo o que queremos, infelizmente. Mas eu me contento com fodas. Caralho, e como me contento!

Antes ele fodia só com minha mente com tamanha beleza, agora com meu corpo e emoções.

Não estou reclamando. Ele é estranho e surtado, mas eu gosto.

Meus pais estavam longe. Minha mãe tinha colocado na cabeça de meu pai que eles deveriam ter uma segunda lua de mel e, quando minha mãe decide algo, não há nada que mude. Nem mesmo meu pai. Pobre homem. Literalmente, depois dessa viagem.

A casa era toda minha. E, felizmente, Yoongi estava entediado. E isso, ladies and gentleman, significa que ele me procura pra foder aquela bundinha gostosa e branca. Fique entediado mais vezes, bebê, por favor, porque estava quase completando um mês que você não me procurava.

Acendi um incenso, pra deixar um cheiro agradável no quarto. Minha mãe provavelmente notará que falta um lá. Nada passa despercebido por ela, incrível.

Mas, enfim, acendi aquele bagulho e bateu uma paranóia. Será que o Min pensaria que eu só quero transar? Porque eu ouvi uma vez de alguém por aí que quando você convida alguém pra sua casa e acende um incenso, é porque quer transar.

Então recorri aos meus amigos. Peguei o celular e perguntei no grupo o que eles achavam. Jimin disse que se ele também só quer transar, não vai se incomodar com isso. A paranóia passou e eu fiquei de boa. Ou não. Porque eu queria que ele se incomodasse. Mostraria que ele tem sentimentos por mim, e eu quero que ele tenha. Não consigo afirmar para mim mesmo que estou vivendo um amor unilateral. Isso é trágico. Estou ficando triste e Yoongi vai notar isso.

De repente, eu não conseguia mais controlar os pensamentos negativos. Tentei pensar no meu amorzinho jogado na cama, com a face contorcendo em expressões de prazer enquanto meu pau o invade com força. Mas então minha mente criou outra paranóia. Yoongi estava comigo só porquê eu transo bem? Fiquei pensando nisso até as batidas na porta me despertarem. Ele havia chegado e eu não estava mais animado. Como eu faria ele ficar com um humor tão pra baixo assim? No momento que ele me visse, ele voltaria para casa na mesma hora. Talvez eu realmente não o merecesse. Por isso os deuses não fizeram questão de fazê-lo se apaixonar por mim. E talvez fosse melhor assim.

As batidas na porta ficaram impacientes, então abri logo antes que ele desistisse e realmente fosse embora.

Há quase um mês não nos víamos, e ele continuava tão lindo. Não entendo como ele consegue ficar ainda mais lindo cada vez que o vejo. Seus olhos continham um brilho diferenciado, mas que logo se apagou.

— Por que tá com essa cara? - foi a primeira coisa que ele disse. Eu sabia que ele notaria.

— Por nada. - evitei seus olhos, pois sempre que eu o olho nos olhos fico petrificado; é como se ele fosse a Medusa.

— Tem que ter algo, você nunca fica com essa cara de cu por nada, Taehyung.

— É que é sobre você e eu não quero falar. - ele suspirou.

— Olha... - começou — Eu sei que fiquei quase um mês afastado, mas usei esse tempo para pensar. Eu precisava, estava confuso. - ele disse hesitando, nunca o tinha visto assim antes, pois ele sempre fora tão direto.

— Não quer entrar para conversarmos? - perguntei, engolindo em seco. Min Yoongi sempre me deixava nervoso pra caralho.

Ele assentiu fracamente, todo bonitinho. Eram raras as vezes que eu o via assim, sereno. Ele sempre estava agressivo e sedento, me xingando e me atacando, o que me dava um tesão desgraçado; mas agora, ele somente estava neutro, e não posso negar que amo esse lado. Sou apaixonado por cada detalhezinho desse cara, cada gesto e cada palavra que sai de sua boca.

Ele sentou no sofá, olhando para o tapete peluciado, talvez tentando encontrar as palavras certas, não sei; pelo menos era o que eu estava tentando fazer.

— Então... - decidi me pronunciar, ele ergueu a cabeça para me encarar. — O que pensou durante esse tempo? Aliás, com o que estava confuso? - era tão estranho estar tendo esse tipo de conversa com ele. Foram poucas vezes que tivemos conversas que não giravam em torno das nossas fodas.

— Sobre nós. - ele disse — Isso equivale para as duas perguntas.

— E...?

— Eu não sabia o que estava acontecendo comigo, Taehyung. No começo tudo se resumia à tesão, porque você é um gostoso do caralho e eu precisava pelo menos ter uma única foda contigo. Mas então, me vi viciado em você. E eu precisava te dar a todo momento, por isso as visitas eram constantes, eu não conseguia parar de pensar em você e em como só tu conseguia me fazer ter todo o prazer do mundo, e isso me incendiava inteirinho. Porém, me vi envolto em mais um dilema: você começou a me tratar com tanto carinho, tanto amor, e isso ativou meu alerta, eu não estava procurando um romance, mas eu conseguia ver o quanto você queria que nossa relação se tornasse um relacionamento. E então eu não parava de pensar nisso, mesmo que eu apreciasse todo o cuidado que você tinha comigo, comecei a ficar tão confuso e as visitas foram ficando cada vez mais raras. Foi então que decidi me afastar de vez, para pensar e descobrir o que eu realmente queria, o que eu precisava. E isso só me fez perceber que eu sempre quis você, mesmo que eu negasse. Eu tentava tampar minha carência com sexo, mas, na real, eu queria muito ser seu por inteiro. Eu só tinha um certo bloqueio em relação a essas coisas, achava que só serviam para iludir e que eu nunca cairia nisso. Mas existe, posso ver por mim, e por você. Existe entre nós, Tae.

Eu não estava acreditando que aquilo estava mesmo acontecendo. Aquele não era o mesmo Yoongi que eu conhecia; talvez fizesse parte dele, só nunca me foi revelado. O meu coração estava a mil por hora dentro do meu peito e eu podia jurar que tinha me apaixonado mais uma vez por aquele cara, só que mais intensamente do que antes, pois agora eu sabia que era recíproco. Respirei fundo, rindo e colocando a mão no peito, eu podia sentir meus olhos lacrimejarem.

— Eu tô sonhando, né? - minha voz saiu num sussurro, e eu belisquei meu braço. — Ok, não é um sonho. - disse para mim mesmo, mas Yoongi acabou rindo levemente.

Olhei para aquele sorriso que conseguia fazer meu mundo virar de cabeça para baixo. Olhei para cima, passando a mão no rosto e expulsando as lágrimas que queriam escapar dos meus olhos. Senti o calor de seu corpo se aproximando de mim, e minha respiração acelerou.

Seus braços me rodearam com sutileza, e ele plantou um beijo leve em meu pescoço e queixo. Quando olhei para baixo novamente, em seus olhos, só senti seus doces e macios lábios esmagarem os meus. Agarrei a lateral de seu rosto com delicadeza e acariciei suas bochechas, retribuindo o beijo. E que beijo, senhoras e senhores! Pela primeira vez, Min Yoongi estava me beijando calma e apaixonadamente. Todos os beijos que tivemos eram afoitos e desesperados, era tão bom experimentar aquela nova sensação.

— Não precisa dizer nada... - nem o deixei terminar.

— Tá brincando comigo? Agora que eu tenho a oportunidade de demonstrar todo o amor guardado dentro de mim, tu acha mesmo que eu vou ficar calado? Sou fascinado por você desde que coloquei meus olhos em ti, e o sentimento só se aprofundou com todos os nossos momentos. Mesmo que fossem tão selvagens, não consegui evitar me apaixonar por você. Amo cada detalhe seu; seus cabelos macios e cheirosos, seus olhinhos pequenos e felinos que me encaram com devoção, seu nariz tão lindinho, sua boca tão perfeita e doce, sua pele sensível e branquinha que ferve quando te toco, teu corpo extremamente gostoso e que se encaixa perfeitamente no meu. Tudo, definitivamente tudo, Min Yoongi. Eu amo você, e tudo que te compõe.

— Que inferno - ele disse, me apertando contra si. - Eu também te amo, Kim.

— Quer subir pro meu quarto, gato? - não consegui conter meu sorriso malicioso, e ele me deu um tapa no peito.

— Tenho uma ideia melhor - ele deu um sorriso malicioso que me desmontou. — Enquanto eu pensava no que te dizer, fiquei observando esse tapete peludinho, tão convidativo e macio. - ele sentou no tapete, acariciando-o. — E se a gente ficasse por aqui mesmo? - negar não era uma opção, e eu agradeci tanto pelo fato de meus pais não voltarem naquela noite. Assenti, afobado, me largando em cima dele, cobrindo-o de beijos.

Eu tinha certeza que dessa vez ia ser diferente de todas as outras, porque agora estávamos esclarecidos e apaixonados.

Começamos um beijo que foi tão prolongado que senti meus pulmões queimarem, mas, mesmo sem fôlego, mudei minha atenção para seu pescocinho branquinho e sensível, enquanto ele soltava os arfares que me faziam delirar.

Suas pernas me envolveram fortemente, e eu comecei a simular estocadas, criando um atrito gostoso pra caralho entre nossos paus cobertos.

Yoongi tombou a cabeça no tapete, seu cabelo se misturando com os pelos deste. Passei meu nariz sobre sua garganta, sentindo ele engolir em seco e suspirar alto.

— Meus pais não voltarão hoje. - sussurrei em seu ouvido, vendo sua pele arrepiar. — Quero te ouvir gemer a vontade, amor. - observei sua boca abrir, e por ela sair aquele som que eu tanto amo, após eu apertar seu quadril, dando uma estocada forte e rebolando.

Yoongi sabia que eu gostava quando ele se esfregava em mim, então começou a estocar junto comigo, agarrando e arranhando meu pescoço, depois descendo suas mãos lentamente por minha costas. Eu adorava o jeito que qualquer mínimo toque dele me deixava entregue e todo arrepiado.

Ele segurou na barra da minha camisa, a puxando para cima. Quando me viu livre da camiseta, passou suas unhas curtas levemente pelo meu peitoral.

Eu amava o quanto ele sabia o que eu gostava, e amava mais ainda o quanto eu sabia o que ele gostava, pois eu podia agradá-lo ao máximo. E esse era meu passatempo favorito.

Puxei sua bermuda, percebendo que ele estava sem cueca. Olhei-o com as sobrancelhas arqueadas.

— É para poupar tempo. - ele respondeu á minha indagação indireta.

— Se você acha que nós vamos rápidos desse vez, está enganado. - eu disse, fazendo uma carícia na parte interna de suas coxas. Ele tremeu na base, gemendo bem baixinho, mais como um resmungo dengoso.

Comecei a espalhar beijos por suas coxas branquinhas, para então depositar um chupão nestas. Seu pau semi ereto implorava por atenção, mas não era agora que ganharia; ouvi Yoongi bufar por isso, querendo se masturbar, entretanto segurei suas mãos, impedindo-o. Minha mão foi para dentro de sua camisa, parando em seu mamilo, o qual dei um beliscão, sentindo ele se contrair e respirar fundo.

Subi sua camisa até o pescoço para chupar seus mamilos, seus pés foram parar na minha bunda, me trazendo para mais perto; e ele agarrou as cordinhas da minha bermuda, logo após adentrando-a para acariciar meu pau duro como pedra. E, ah, como eu amei a voz dele ao proferir:

— Vamos ser rápidos só dessa vez, Tae. - com a voz manhosa ele me implorava, tão sedento.

— Não existe foda sem preliminar, amor.

— Porra, nossa declaração já foi uma preliminar do caralho, me fode logo que eu não tô com paciência.

— Tava manso demais pro meu gosto, aí tá o Yoongi que eu conheço. - eu ri, tirando o resto de roupa que me cobria.

Eu amava até o jeito desesperado dele, porque ele ficava puto com a minha paciência para provocá-lo. Eu ficaria o dia inteiro só nisso, se também não estivesse louco para me enterrar dentro dele.

Ele voltou a me envolver com suas pernas, pegando meu pau e encaixando-o em sua entrada.

— Não vai querer nem uma preparação, bae?

— Tô mais do que preparado, coloca que cabe, Kim.

Ele estava sério, mas eu acabei rindo, enquanto empurrava meu pau devagarinho para dentro dele. Até que seus pés voltaram para minha bunda, e ele me puxou com força, fazendo com que eu entrasse com tudo. Gememos em uníssono, e enterrei minha cara no seu pescoço, esperando para que ele se acostumasse. Contudo, Yoongi não estava nem aí, e começou a se movimentar, arranhando minhas costas com força.

Eu queria que aquele momento fosse o mais romântico possível, nós tínhamos acabado de declarar nosso amor um para o outro, não era pra ser bem uma foda, era pra gente fazer um amorzinho gostoso, calmo e romântico; mas o que eu esperava?, éramos nós! e nós não éramos românticos nesse quesito, por mais que eu fosse mais sentimental que ele.

E antes que eu conseguisse me controlar, eu já tava fodendo aquela bundinha com tanta força que o tapete chegava a sair do lugar, e meus joelhos doíam por ficar tanto tempo ajoelhado neste. Yoongi agarrava com tanta força os pelos do tapete que seus dedos estavam mais brancos que o normal, e seus gemidos ficavam cada vez mais altos e desesperados, anunciando o seu ápice. E eu apertava suas coxas com tamanha força que eu jurava que as marcas de minhas mãos ficariam ali.

Eu não conseguia parar de me enterrar nele, indo cada vez mais rápido e forte. Soltei uma de suas coxas e finalmente dei a atenção que seu pau merecia, estimulando-o para que ele chegasse em seu êxtase um pouco mais rápido, pois eu também estava próximo.

Eu gostava de me gabar fazendo Yoongi gozar sem nem mesmo tocar em seu pau, mas como aquele era um momento romântico, eu não podia judiar do meu neném que não é neném.

Com minha mão o masturbando, Yoongi gozou na minha virilha e eu gozei dentro dele. Eu tinha consciência de que não tinha usado camisinha, assim como tinha ciência de que nós dois estávamos limpos, então não tinha com o que se preocupar.

Yoongi sentou assim que saí de dentro dele, se abaixando logo em seguida e lambendo minha virilha do jeito que conseguiu, segurando-se em minha coxas, tirando o resquício de seu gozo de lá. E como tudo aqui é recíproco, o fiz deitar novamente, vendo parte do meu gozo saindo de sua entrada. Fiquei na altura desta, e chupei. Chupei até que não sobrasse nada, e Yoongi se acendeu novamente.

— Segundo round? - perguntei, e ele me deu um sorriso safado, assim como me deu outra coisa também... O coração, é claro, e o prazer de ser meu namorado. Ah, e o cu, ele me deu o cu também.

E essa era a nossa definição de romantismo.


Notas Finais


relevem qualquer erro e tomem água bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...