1. Spirit Fanfics >
  2. Recomeçando com uma Serpente >
  3. Segredos

História Recomeçando com uma Serpente - Capítulo 93


Escrita por:


Notas do Autor


Então gente sei que demorei, mas estou de volta. Tenho uma novidade, tenho uma nova fic em andamento e vou começar a postar. Terá um tema bem diferente, mas continuará sendo Dramione. Nessa irei postar semanalmente, já tenho mais de 10 capítulos prontos então creio que não irá atrasar, a ideia é começar na primeira sexta de abril. Me contem o que acham. Agora sobre esta fic, espero que gostem do capítulo, ele é curtinho, mas tem muita coisa.

Capítulo 93 - Segredos


Pov Hermione:

 

-A bolsa da Angelina estourou Draco. Chegou a hora. - Jorge ele disse em um tom sério que eu nunca havia ouvido, mas compreendia perfeitamente o que isso significava.

-Chama todos, vamos contar tudo logo e depois…. Vamos conhecer meu afilhado. - Draco disse sério, mas foi impossível conter um sorriso ao fim.

Jorge procurou a varinha de modo desengonçado e após algumas tentativas frustradas, olhou para mim e com os olhos cheios d’água disse.

-Eu não consigo. - falou triste, eu sabia que desde a morte de Fred, Jorge não conseguia mais produzir um patrono.

-Eu faço para você Jorge. - Disse lançando o feitiço do Patrono, para que assim fossem chamados todos os nossos amigos. - Venham até a minha casa urgente, temos problema.- A mensagem foi simples. Draco não estava olhando no momento mas Jorge viu, sorriu e me olhou em interrogação.

-Ele já sabe? - perguntou divertido.

-Não. - Disse sorrindo. Meu patrono não era mais uma lontra, já faziam meses que havia ocorrido uma transformação e agora quando o animal saia para minha proteção, eu projetava uma grande Pyton.

-Gostei da mudança. - ele falou divertido. 

Por sorte eu e Draco tínhamos vestido roupas decentes. Fui até a cozinha e enchi mais um copo de água. 

-Jorge, toma mais um pouco d’água, vai ajudar. - disse o entregando o copo. Ele sorriu trêmulo, tomou uns dois goles e me devolveu o copo.

-Tinha uma poça embaixo dela. - ele disse com os olhos arregalados.

-Não seria melhor você voltar e ficar com ela? - perguntei enquanto Draco estava juntado muitas coisas em uma bolsa que eu havia enfeitiçado para ele.

-Quero estar aqui para ajudar Draco e o Harry a contarem o que estamos enfrentando. - ele falou indicando com a cabeça a direção onde Draco está. - Ele às vezes nem me lembra o arrogante mal humorado de quando foi morar comigo. - disse com um sorriso nostálgico. 

-Ele ainda é arrogante. - falei rindo. - E às vezes mal humorado.

-Vocês fizeram muito bem um ao outro. - ele disse simples.

-Você que nos ajudou Jorge. Devemos a você. - falei lhe abraçando. 

No momento seguinte a porta foi aberta e por ela passou Pansy com Agatha no colo, sendo seguida por um Neville esbaforido.

-Não tive coragem de deixar ela com ninguém. - disse Pansy olhando para Jorge. Neville se aproximou e beijou a testa de Pansy, a abraçando com Agatha ainda em seu colo. 

-Tudo bem, vamos dar um jeito. - Jorge disse calmo.

Novamente escutamos o barulho costumeiro da aparatação e depois do barulho das escadas Theo apareceu com a roupa amassada.

-Vim o mais rápido que pude. Estava na empresa. - falou arrumando a roupa. - Como está a Noni?

-Ela está bem, ficou com a Angelina. - disse Jorge respirando fundo.

-Tem certeza que estava na empresa Theo? - Nev perguntou rindo.

-Por que? - Theo perguntou sem entender.

-Tem uma mancha de batom no seu cangote. - Nev disse levando todos à um riso contido pelo momento e Theo esconder a marca com a mão disfarçadamente. O que me chamou à atenção, Theo nunca teve vergonha ou quis privar suas companhias, então porque agiu assim? Eu pensaria nisso mais tarde.

-E a Noni? - ele perguntou interessado, ao mesmo tempo que desviava o assunto de sua marca suspeita.

-Ela está com saudade. - Disse Gina ainda no meio do corredor, sendo seguida por Harry, com uma expressão que eu não via a algum tempo, inquietação. - Não diz com essas palavras, porque você acertou ela será uma sonserina orgulhosa. Mas está com saudade. - Gina disse dando dois tapinhas no braço de Theo.

-Já chegaram todos? - Draco perguntou nervoso.

-Ainda faltam os Zanbini’s … - Harry nem chegou a terminar de falar quando Blásio e Luna entraram mais que atrapalhados dentro da casa.

-Luna quis vim voando nos dos cavalos alados dela. - Blás justificou-se, tirando umas folhas do cabelo da esposa. - Ainda não estão bem treinados.

-A mensagem dizia ser urgente Blás. - Disse Jorge levantando-se do sofá irritado. - não é dia de fazer as vontades da Luna.

-Mas Jorge. - Luna disse tranquila.

-Não Luna, o assunto é sério e …. - antes que ele continuasse ela o olhou e voltou a falar.

-Como pretende levar as pessoas sem serem identificadas? - Luna perguntou.

-Não tem nenhum menor de idade. - Jorge disse.

-Draco e Theo são rastreáveis por conta das consequências da Guerra. - Luna disse calma. - Pansy não vai a lugar algum sem Agatha e que eu saiba ela é menor de idade. - Apontou para a mãe que ainda abraçava a pequena. - E Gina está grávida. - completou.

-Grávidas não são rastreadas. - Draco disse.

-Mesmo que estiverem esperando o filho do “menino que sobreviveu”? - Luna perguntou me olhando.

-É bem possível. - respondi, sabendo que o Ministério com toda a certeza cuidaria pessoalmente para que o primeiro herdeiro Potter viesse ao mundo, para mostrar aos demais que finalmente estávamos em paz. 

-Você é um gênio Luna. - Harry disse sorrindo.

-Só ainda não entendi uma coisa. - falei curiosa. - Para onde vamos todos?

-É melhor a gente se sentar. - Draco disse apontando para o enorme sofá. - Angelina está em trabalho de parto, por isso não podemos demorar. - falou calmo, mas eu o conhecia o bastante para saber que estava nervoso. - Desde que começaram os ataques, eu e Jorge começamos a investigar. Não achamos que tudo foi algo por acaso ou ações de jovens para assustar. Eram ataques planejados, muito bem planejados. - Falou dando entonação no planejamento dos ataques.

-Foi quando recebi a primeira carta que começamos a entender a dimensão de tudo. - Disse Jorge, retirando pegando uma carta. - Entreguem a linhagem. - Jorge leu. - Essa carta foi entregue na época que Angelina já estava grávida. 

-Em primeira ocasião entendemos que se referia à Angelina e os bebês. - Draco disse. - Mas aí eu percebi algo. - As consultas da Angelina foram marcadas como Senhorita Wesley.

-Isso porque ela só queria contar aos pais da gravidez, depois do casamento e por isso usamos o meu sobrenome como se fosse o dela e ainda solteira. - Jorge explicou. 

-Ou seja, eles queriam a Gina. - falou Harry. - Foi quando eles me contaram tudo. - Ninguém ousava interferir nos relatos deles. - Considerando as circunstâncias e que Angelina está em trabalho de parto, vou resumir. - Harry disse com o rosto cansado. -  Nossas investigações chegaram a um ritual.

-Eles querem trazer alguém de volta, alguém que não foi simplesmente morto mas sim dizimado. - Draco disse com pesar, me olhando.- Tudo leva a crer que seja Bellatrix. - um arrepio subiu a minha espinha, o simples nome da comensal me traziam memórias complicadas de lidar.

-Mas para isso eles precisam de sangue. - Jorge falou. 

-Que sangue? - perguntei temerosa.

-Todos os elementos precisam ser “inocentes”, em outras palavras os sangues precisam ser de crianças. - Jorge disse com dor. - Um sangue puro. - Jorge disse apontando para Agatha. - Uma mestiça. - ele apontou para Theo, que representava Noni. - Um sangue herói. - Olhou para o ventre de Gina, que instintivamente o cobriu com as mãos.- E um sangue imaculado, os meus bebês recém nascidos.

-Agatha? - Neville perguntou com medo. - A minha a Gatinha?

-Por isso reforçamos a segurança da casa da Pansy, ninguém chega lá. A casa está protegida por fiel do segredo mesmo vocês não sabendo e outras magias defensivas. - Disse Harry. - Assim como consegui que Gina fosse orientada a se afastar dos treinos e jogos no momento. - ele falou apressado.

-Porque eles não tiveram seus próprios bebês? - perguntou Pansy. - Não me olhem assim, cresci com esse tipo de gente e essas tramóias, o que mais de especial tem os nossos?

-Precisam ser fruto de sentimos, amor. - disse Draco. - Eles já devem ter tentado com outras crianças. - ele disse com pesar. - Creio porque nas instruções do ritual fala que precisam ser criados por puros. - completou. - Mas no entendimento deles puro é apenas questão de sangue e não coração.

-Você quer dizer que eles já mataram bebês? - perguntou Gina, sua cor havia abandonado seu corpo e ela estava visivelmente em choque.

-Acreditamos que sim. - disse Harry triste, abraçando a ruiva.

-Mas meu pai acredita ser o pai da Noni, então porque querem ela? - perguntou Theo quase que em desespero.

-Pelo que entendemos Theo. - disse Draco com cuidado para falar com o amigo. - Ele acredita ter tido sentimentos verdadeiros pela Elisa. - O silêncio na sala era notável, Theo sentou-se no sofá e cobriu o rosto com suas grandes mãos.

-Angelina não pode ir para o hospital. Não sabemos quem são e onde estão. - Disse Jorge, cortando o assunto. Uma vez que sua esposa ainda estava em trabalho de parto de gêmeos e sozinha com uma criança em uma mansão.

-O que vamos fazer? - Perguntou Blás se recuperando de todas as informações. - Precisamos de organização nessa hora, não apenas agir por impulso. - ele falou e todos internamente concordavam com sua fala, era hora de agir com a cabeça e não com as emoções à flor da pele.

-Vamos para a nova Mansão Malfoy. - disse com a voz firme. - Draco não pode fazer o parto sozinho. - disse decidida. - Luna e Pansy vão o ajudar. Neville e Gina vão para ficar com Agatha e Eleonor, lá é o lugar mais seguro. Harry e Blás vão para o Ministério, não podemos chamar atenção. Eu e Theo garantimos a segurança do lugar. - falei coordenando.

-Mas.... - Harry ia falar que não deixaria Gina sozinha. 

-Confia em mim Harry. - disse carinhosa. - Vou protegê-los. - disse me referindo a Gina e o bebê. Ele me olhou do mesmo modo que me olhava durante a guerra e sorriu, como se dissesse que novamente entregava a sua vida nas minhas mãos.

-Vamos fazer o plano da Hermione. - Blásio disse. - Luna? - Blás se virou para a esposa. - Como você sabia que precisávamos de meios de transportes não detectáveis? 

-Eu, bem…. - ela dizia tentando desviar o assunto, mas de repente Luna endireitou a coluna, levantou o nariz e disse ao marido. -Tenho minhas fontes Blásio! - Ela falou como uma perfeita sonserina, fazendo com que Blásio desce os ombros aceitando a resposta sem questionar.

Ninguém quis questionar a loira e por isso, seguindo a minha opinião todos foram indo para seus postos, a fim de finalmente se encontrarem na nova Mansão Malfoy. 

Enquanto todos se distanciam, eu segurei a mão de Draco e o olhei com carinho.

-Então vamos conhecer nossa futura casa? - disse e depois beijei a bochecha de Draco. Ele me roubou um beijo rápido e disse.

-Você vai adorar o lugar. - falou com seu tradicional sorriso de lado e os olhos brilhando a malícia explicita.

 


Notas Finais


Eu sei, o capítulo foi minúsculo. Mas em minha defesa, pretendo fazer o próximo gigante. Me digam o que vocês mais esperam nele: O nascimento dos gêmeos; A Hermione conhecendo a mansão; Gina assistindo um parto; O reencontro da Noni com o Theo; O Harry e o Zambini sem saber notícias de nada; Ou alguma aparição dos misteriosos? Caso tenha ficado alguma dúvida no capítulo perguntem nos comentários que esclareço (as vezes minhas ideias ficam confusas). Beijosssss e até o próximo capítulo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...