História Red Hunger, Interativa. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias A Rainha Vermelha, Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Personagens Originais
Tags A Rainha Vermelha, Jogos Vorazes, Vxrlac
Visualizações 873
Palavras 1.021
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, LGBT, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Survival, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey gente, como vocês estão?
O plano era postar Red Hunger daqui um tempo, mas eu não estava me aguentando e decidi liberar hoje. Algumas pessoas reservaram antecipadamente, e como eu comentei, quem fez isso terá uma surpresa exclusiva, que será enviada hoje ou amanhã. Eu não tenho uma data para entrega das fichas definidas, mas quando tiver, avisarei vocês.
Todas as informações necessárias estão no jornal, que estará nas notas finais. Não é necessário ter lido A Rainha Vermelha ou Jogos Vorazes, o necessário e essencial está tudo explicado no jornal.
Em caso de dúvidas, não hesitem em me perguntar.
Boa leitura!

❝・゚Charlize Theron as Rainha Katarena.

Capítulo 1 - .:prólogo - a queen.


Houvera, muitos anos antes da história que lhes será contada, uma grande linha de eventos que nos guiaram até o que é conhecido como Davos. É deveras interessante como pequenos acontecimentos podem tomar gigantescas proporções diante de um futuro incerto. Afinal, não seria o futuro de todos nós nada além de uma plena e grande, incerteza? Para que entendam o que lhes tenho para contar, é necessário que primeiro saibam aquilo que aconteceu antes. Uma linha tênue de pequenos acontecimentos, que acabou por gerar uma grande teia de consequências.

Guerras, pestes, fome, vírus, radiação. Genocídios por todas as partes do mundo. Todos estes acontecimentos trouxeram consequências para a humanidade, que se viu desesperada e sem qualquer alternativa a não ser recomeçar tudo do zero. Sempre houveram prateados e vermelhos. A Capital e o Proletariado. Os nascidos para governar, escravizar, usufruir daquilo que fora obtido através do trabalho de outros, e os nascidos para serem governados, escravizados, e roubados. Todavia, aquilo que separava ambos os grupos só passou a existir após o colapso do que eles chamam de Mundo Antigo.

A sociedade, mesmo que marcada entre dois tipos de sangue, sempre fora uma só. Vermelhos e prateados, apesar de suas diferenças, conviviam em harmonia e total respeito. Quando a onda de destruição e caos se instalou, os mais poderosos viram uma chance de conseguir o poder que há tanto almejavam. Fora então, que através de simples e convincentes palavras, um prateado conseguira convencer os últimos governantes restantes a unir suas nações e fortalecê-las. Tendo o apoio de seu povo prateado, o grande Thror propôs a criação daquilo que seria conhecido como o Mundo Novo. Nele, constariam as regiões restantes após todas as catástrofes e guerras. A primeira região a surgir fora Davos, onde mais tarde, vermelhos seriam condenados a viver sem quaisquer tipos de ajuda ou riquezas. Eles teriam de sobreviver apenas por si mesmos. Em seguida, surgiu Kakós, uma região destinada apenas aos grandes e poderosos prateados.

Mas Thror era ganancioso, ele não aceitaria que estas regiões fossem governadas por qualquer homem que não fosse ele. Com o apoio de fortes prateados, ele organizou um grande golpe, com o qual destituiu todos aqueles que o ajudaram a tornar sua ideia possível, e os assassinou em praça pública. Quando conseguiu o poder, seu primeiro ato fora mudar drasticamente a forma de governo. Aquilo que deveria tornar-se um mundo novo e tecnológico, retornou às cinzas de um mundo há muito esquecido, onde povos eram governados por um único rei. Seu reinado nunca fora totalmente cruel, mas também nunca fora totalmente bondoso. A ganância de Thror subiu à sua cabeça, obrigando-o a cometer atos que nem mesmo ele imaginara cometer um dia. Seus instintos mais sombrios foram trazidos à tona, e com eles, uma maldição que fez com que prateados nascessem com dons que poderiam ser bons ou ruins. No início, fora difícil controlar a maldição, que mais tarde tornou-se um dom na mão dos milhares de prateados. Uma arma usada para fazer com que os vermelhos sofressem ainda mais. A primeira destruição imposta sobre os impotentes.

Em terras longínquas, vivia uma poderosa bruxa. A praticante de magia negra mais poderosa que já existira. Sua filha era cobiçada e cortejada por todos os homens daquelas terras, mesmo quando ainda era nada além de uma criança. A doce criança de cabelos dourados como o ouro cresceu sendo ensinada a utilizar de sua beleza para conseguir qualquer coisa que quisesse. Sua mãe então pressentira um ataque vindo das terras do grande Thror. Desesperada, ela decidiu dar à filha a única coisa que nenhum outro ser vivo jamais conseguira: a imortalidade. Todavia, a mãe da jovem havia sido tomada como escrava muitos anos antes, e por isso nutria ódio pelos homens. Como forma de punição pela crueldade deles, ela decidiu dar à sua filha mais do que apenas a imortalidade. Com um poderoso feitiço, ela criou um novo tipo de sangue, mais forte que qualquer prateado, e a primeira da linhagem fora sua filha. Com seus poderes de proporções inimagináveis, a mulher massacrou milhares de pessoas, conquistou reinos e derrubou impérios.

Não satisfeita, ela enganou Thror, que acabou por se casar com ela. Na mesma noite, ela o apunhalou no coração, tomando o trono para si e iniciando um reinado de crueldade. Ela exterminou a Rebelião, um grupo que havia se formado durante o reinado de Thror, e deu início aos Jogos Vorazes. E assim, Thror caiu, junto de seu império e todos os planos mal arquitetados. E com sua queda, Katarena ascendeu. Um reinado que seria marcado pela violência e crueldade.

Kakós, Castelo da Rainha Katarena.

Sessenta dias antes dos Jogos.

Katarena estava, novamente, de mau humor. Não o tipo de mau humor que faz com que você simplesmente evite falar com qualquer um. O mau humor da rainha nunca fora algo bom. Estava sentada no grande trono, enquanto sua mente montava os mais diabólicos planos. Dizer que Katarena era cruel era muito pouco para ela. Sua maldade não tinha limites, e sua sede de poder parecia nunca ser saciada. Levantou-se do trono, caminhando pelos enormes corredores do castelo, dirigindo-se até um de seus aposentos. Até mesmo os passos da mulher eram intimidadores. Ao ver a grande porta, abriu-a, adentrando a sala iluminada pelas diversas velas. Observou o grande espelho de ouro colocado em uma espécie de altar. Ao se aproximar dele, respirou fundo antes de dizer as palavras já decoradas por ela.

– Espelho, espelho na parede, quem é a mulher mais bela de todas?

Do grande espelho, o ouro pareceu derreter-se e rastejar pelo chão de pedra, até formar uma figura semelhante a de um humano, porém sem boca e nem olhos. Apenas coberto pelo ouro dourado.

– É você, minha rainha. E outro reino se ajoelha perante a sua glória. Não há fim para seu poder e beleza. Seu reinado durará por anos. E todos aqueles que tentarem destituí-la do poder, morrerão, majestade. Um por um, todos os peões cairão, e com eles, as torres, os cavaleiros, e até mesmo os reis. Pois há apenas uma figura mais poderosa que um rei, majestade.

Uma Rainha


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...