História Redescobrindo O Amor Ponto De Vista Joanne Versão Sem Cortes - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 6
Palavras 3.406
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Capitulo 30


Joanne se arrumou com esmero ao deixar a clínica, ela não estava empolgada para sair mas essa era a primeira vez que ia sair pra almoçar com Ronny então resolveu não recusar o convite do ruivo. Pois mesmo que eles estivessem juntos a mais de três meses eles nunca saiam durante o dia e nem mesmo por muito tempo, salvo o dia que ele dormiu na casa dela e se mostrou apaixonado pelo bebê que ela adotou. Nesse dia ela pela primeira vez se mostrou temerosa afinal foi advertida sobre a mudança dele de personalidade mudança que ela ainda não tinha presenciado por isso de certa forma ela preferia o manter um pouco afastado do bebê.

Ronny resolveu que o melhor lugar para leva-la para almoçar era em um restaurante próximo ao ministério.

Eles se sentaram em uma mesa em um canto, pois queriam um lugar mais reservado do restaurante.

Joanne se sentiu desconfortável porque viu que algumas pessoas os encarava mas aquilo já era esperado afinal todos sabiam que ele era um homem casado. Todos ali certamente estavam a vendo como a amante, pensou ela um pouco incomodada, porém depois de alguns minutos ouvindo às juras de amor de Ronny, ela não se importaria afinal sabia que ele não estava em um casamento que foi constituido de amor.

Durante o almoço Ronny estranhou o fato de que ela que sempre estava com um copo de bebida alcoólica não quis beber mas achou que era porque ela ainda tinha que voltar para a clínica.

Eles não notaram mas na hora que o garçom serviu a sobremesa uma figura loira entrou no restaurante e arregalou os olhos quando viu seu marido almoçando com outra mulher, Lila se sentou e ficou observando aquilo tinha a deixado furiosa.

Joanne ao olhar para uma mesa próxima viu Roberta sentada almoçando com uma mulher que ela já havia visto era a ex assistente do ministro e aquilo a deixou um pouco desconfortável afinal depois de tudo às coisas entre elas não tinham terminado de forma amigável.

- Será que poderíamos ir embora, eu não estou me sentindo muito bem, minha cabeça está doendo. - Disse ela afinal não queria protagonizar com Roberta um escândalo.

- Claro que sim. Mas antes eu quero te dar uma coisa. - Ronny capturou a mão dela e colocou uma linda pulseira com um pingente de leão e uma serpente.

- É linda. Eu queria ter lhe dado ontem mas ontem minha mãe não me deixou sair de casa, ela acha que estou me envolvendo com uma pessoa de má indole afinal meu histórico depõe contra mim. - Ele sorriu e então chamou o garçom para que ele pudesse pagar a conta.

- Talvez sua mãe possa estar certa, e eu não ser uma boa pessoa. Se um dia ela sonhar que está saindo com uma ex comensal da morte ela vai ficar furiosa con você. Ronny eu não sou uma boa pessoa. Já fiz muita coisa errada e uma delas quando você souber não vai me perdoar.

- Joanne eu contei para minha mãe quem você era, e ela surtou. Porém hoje ela acordou mais calma afinal se ela colocar empecilhos no nosso namoro eu saio de casa.

- Namoro? - Perguntou Joanne surpresa.

- Sim. Eu ainda não lhe pedi em namoro pois não tenho galeões para lhe comprar uma aliança. - Ronny ponderou um pouco mas resolveu contar. - Snape abaixou meu salário hoje, na verdade eu quase fui demitido por sorte Lucio não deixou.

Depois de levar Joanne para a clínica ele finalmente voltou para o ministério. Já Joanne desmarcou todas às suas consultas, ela então foi para casa, onde pegou o bebê e então foi até o beco diagonal para comprar algumas coisas.

Já era tarde quando ela finalmente havia encontrado às coisas que queria comprar, então ela resolveu dar uma passada na dedos de mel.

Arthur que estava com quatro meses, estava cansado e descansava sua cabeça no ombro de Joanne. O bebê por quase não sair de casa, estava tão curioso com o lugar cheio que parecia lutat para não dormir.

- Prometo que já vamos para casa e você poderá dormir meu amor. - Disse Joanne olhando para o bebê e nesse momento acabou esbarrando em Roberta que estava acompanhada de Megan. Ela estranhou afinal sabia o caráter da ex assistente de Snape.

- Joanne eu gostaria de falar com você alguns minutos.

- Pode ser outro dia, ele está morrendo de sono e está inquieto por estar aqui, tem muita gente.

- Prometo que vou ser rápida. - Megan entendeu o olhar que Roberta lhe lançou e deu privacidade às duas bruxas.

- Joanne eu só quero a alertar de uma coisa. A esposa do Weasley viu vocês juntos e fez um escândalo hoje, então espero que você tome cuidado pois já vi o quanto doida ela é, não me olhe assim. - Roberta sorriu ao ver que Joanne olhou para ela como se dissesse que não a temia. - Ela é mais insana do que até o seu pai imaginava então tome cuidado.

- Obrigada por me avisar.

- Eu só quero o seu bem. Prova disso é que ontem depois que a documentação da adoção do bebê voltou para o ministério eu dei um jeito de esconder a documentação da adoção do bebê, o ministro não vai saber tão cedo que seu primeiro neto leva o seu nome. - Roberta olhou para o bebê no colo de Joanne. - Ele é lindo, eu torço para que vocês sejam felizes mesmo que sendo do lado do Weasley.

- Isso vai ser um pouco difícil, afinal ele é um homem casado. Eu sempre vou ser a amante.

- Joanne se você ao menos conta-se a verdade para o seu pai garanto que ele arrumaria um jeito de lhe ajudar, ele gosta muito de você mesmo não sabendo que é o seu pai. No dia que o ministro souber, ele fará o que puder para ver a filha dele feliz. - Roberta deu um sorriso para Joanne. Se aproximou do bebê e lhe deu um beijo na testa do bebê.

Joanne estava se sentindo péssima, ela não sabia o que era pior os enjoos ou ter que lidar com a distância de seu pai.

Ela estava no sofá lendo alguns livros, quando ouviu alguém batendo na porta.

Ela rapidamente foi atender.

- Boa noite minha dama.

- Ronald. Nossa eu não esperava você hoje. Entre, eu estou com um pouco de dor de cabeça, mas nada que me impeça de ter alguns momentos agradáveis com você.

Ele sorriu e entrou, a sala da casa era bastante agradável, em tons de champagne com detalhes verdes , ele sorriu.

- Você com certeza é da sonserina. - Disse ele a beijando nos lábios levemente antes de se esparramar no sofá. Ela veio e se aconchegou a seu lado.

- Gosto de verde mas não é minha cor favorita. Agora me diga como vai a sua esposa? - Ela tentava se convencer de que era só para saber dos passos da outra mas lá no fundo ela sabia que era ciúme também.

- Eu a levei ao médico hoje e acredite ela me levou para a sua clínica, e acredite se você tivesse ido trabalhar seria você a atendê-la a sorte é que aquele seu amigo médico nos atendeu muito bem. Coitado ele teve um dia difícil com ela como paciente, pois ela fez um verdadeiro escândalo hoje.

- Por quê? O que ele fez para ela? - Joanne já havia sido informada do que havia acontecido na clínica durante a tarde mais queria que Ronny contasse afinal queria saber o que ele sentia por Lila.

- Bem ele disse que a gravidez dela é psicológica, então ela surtou chamou ele de um monte de coisas ofensivas, ela parecia louca. Disse que procuraria outro médico que fosse competente. Eu não sei mas o que fazer, porque se ela estiver mesmo grávida eu nem sei se é meu. No entanto sou o marido, e não tenho muitas alternativas. - Dizendo isso ele mostrou o desespero que estava sentindo.

- Ronny o doutor Jason é meu colega há anos, ele estudou comigo e além do mais bem você precisa saber a verdade.

- Que verdade Joanne?

- Espere aqui um momento. - Ela se levantou e sumiu por uma porta que aparentava ser um escritório e voltou logo depois com uma pasta contendo vários documentos que entregou a ele.

- Quero que você leia tudo que está aqui e depois conversamos.

Ele a olhou assustado mas fez o que ela mandou. Ela o deixou na sala e foi para a cozinha preparar alguma coisa pois ela estava com fome e a noite ia ser longa.

Já passava das três da manhã quando Ronny Weasley terminou de ler a última folha do arquivo que Joanne lhe dera.

- Como isso é possível? Ela não pode ter filhos? Ela não é a mãe biológica do Júnior? É como em nome de Deus ela é irmã gêmea da Hermione?

Ele parecia chocado e incrédulo de tudoq.

- Eu não deveria ter contado, mas você precisava saber a verdade.

- Se Júnior não é meu filho quem são os pais dele?

- Bem o relatório diz que ele não é filho da sua esposa e não que você não é o pai.

- Mas como ?... Ele é meu filho ou não?

- Eu não deveria ter contado, mas você precisava saber a verdade.

- Se Júnior não é meu filho quem são os pais dele?

- Nós descobrimos que ele é gêmeo da Rose, e que foi roubado assim que nasceu. Talvez até você tenha feito isso sobre o efeito de alguma maldição.

- Como assim? Rose é filha do caso extra-conjulgal da Hermione com o Snape. Todos sabem disso. O mundo bruxo inteiro sabe que aquelas crianças são dele, basta olhar para elas.

- Você realmente não acredita nisso não é? Acha mesmo que Hermione traiu você por tanto tempo?

- Mas Joanne eles são parecidos com o Snape.

- Sua filha domina a magia transmorfica, é um dom muito raro e ela é uma criança espetacular por dominar algo assim tão cedo.

- Isso é impossível como...

- Você espalhou as mentiras e ela bem Rose não gosta de você é duro de saber mas ela ama Severo como pai e não vai abrir mão disso. Mudar era sua única opção ela desejou não ser nada como você ou sua família. Prova disso é que bem Júnior também mudou os cabelos de ruivo para negros, para se encaixar na família.

Ronny deixou sua cabeça cair entre suas mãos era muita coisa para assimilar, mas a medida que a surpresa passava algo brotou em sua mente, uma simples pergunta e ele ergueu os olhos para a mulher a seu lado.

- Como você sabia de todas essas coisas? E por que você tem um dossiê completo da vida da Lilá, da vida de Hermione e da minha maldita vida.

Ela ficou encurralada era a hora de falar a verdade ao menos uma vez em sua vida não queria mentir nem fingir.

- Severo mandou investigar tudo que estivesse relacionado a vida da esposa desde que ela adoeceu um pouco antes da primeira gravidez.

- Isso foi a mais de um ano. Eu não conhecia você.

- Não, não conhecia.

- Joanne por um acaso você se aproximou de mim para me investigar também?

Ela gelou.

- Que droga. - Pensou aquilo estava começando a tomar um rumo perigoso.

- Ronny não foi bem assim.

Os olhos dele ficaram cheios de ódio.

- Eu sou um idiota. Gritem a todos. Anunciem no profeta diário. Ronny Weasley o idiota do século!

- Ronny você não entendeu bem. Eu vou explicar. - Joanne sabia que o ruivo não a perdoaria afinal ele já tinha sofrido muito com outra mulher.

- Explicar o que? Todos me usam por que não você? Você queria se aproximar de mim pra saber se sou o mostro que me apontaram ou só um bobo controlado. A única forma de descobrir isso era me trazendo para a sua casa, me fazendo me apaixonar por você como um idiota.

- Ronald Weasley eu o amo. E sim eu me aproximei a pedido do Severo e sim eu precisava saber. Mas a pessoa que eu descobri me encantou e eu quero ficar com você para sempre agora se vai acreditar ou não só depende de você.

Ronny não sabia o que fazer ainda mais porque a mulher à sua frente parecia muito abalada e pálida. Mas não queria ficar ali não depois do que descobriu.

- Joanne por favor eu preciso de um tempo estou realmente magoado com todos e agora muito magoado com você eu não sei mais o que pensar. - Dizendo isso ele a deixou só e foi embora.

Ela jogou o copo que estava em uma mesa próxima ao sofá na parede ela realmente não queria pensar no que acabou de acontecer, ela estava se sentindo só e abandonada como nunca se sentiu na vida foi então que teve uma idéia mesmo não estando se sentindo em seu melhor estado físico ela resolveu que uma saída lhe faria bem, descartou a ideia de ir ao cassino porque lá inalaria uma quantidade de fumaça de cigarro então resolveu que uma ida ao bar na travessa do tranco lhe faria bem, ela não beberia mais lá pediria algum drink sem álcool que pudesse acalma-la. Afinal agora não podia mais conversar com o seu pai.

O bar estava cheio ali só bruxos ligados às trevas estavam presentes, exceto Joanne que estava em uma mesa no fundo do bar apenas tomando um drink sem álcool ela não podia negar sentar naquele lugar e ver os outros contarem histórias antigas às vezes era torturante e isso era o que ela queria esquecer dos seus problemas ouvindo histórias de outros.

Mas naquela madrugada nem isso estava lhe fazendo esquecer Ronny

então resolveu ir embora, ela já estava quase saindo do bar quando acabou esbarrando com alguém que estava entrando.

Ela ao olhar não podia acreditar à sua frente estava Lila Brown.

A loira deu um sorriso sarcástico.

- Pelo jeito posso ver que temos o mesmo gosto tanto para lugares quanto para homens. Mas não temos a mesma sorte já que eu sou a esposa e você quem é? - A loira sorriu. - A amante do meu marido. - Nessa hora a loira falou alto e todos pararam para ouvir pois certamente às duas ainda protagonizariam algum barraco.

Joanne apenas desviou dela para sair mas a loira a impediu.

- Não se meta no meu caminho ou irá se arrepender. - Joanne disse mas foi em vão Lila começou a gritar chamando mais atenção.

- Eu não tenho medo de você e nem de ninguém.

- O que vai fazer, não me diga que vai tentar me enfeitiçar. Me poupe. - Joanne chegou bem perto de Lila e a encarou. - Vamos estou esperando.

Lila colocou às mãos sob à barriga e começou a gritar.

- Alguém por favor me ajude eu estou perdendo meu bebê por causa dessa mulher.

Aquilo foi o que faltava para Joanne perder seu alto controle iria se divertir um pouco às custas da loira.

- Você pediu por isso. Se quer um motivo para me culpar por algo vai ter hoje você vai saber com quem mexeu.

Joanne pegou Lila pelos cabelos e saiu a arrastando do bar sendo, elas foram seguidas por alguns curiosos que queriam ver o desfecho da briga.

Lila gritava descontroladamente enquanto levava uns belos tapas de Joanne, a loira tentava reagir mas não conseguia afinal sempre que precisava usava feitiços e agora estava tendo que se defender de alguém que usava com ela a forma trouxa, Joanne resolveu agir com ela de forma trouxa para evitar se desgatar pois o sei dia havia sido longo, e usar feitiços só pioraria às coisas.

Às pessoas que estavam em voltam começaram a se afastar quando oiviram uma voz rouca perguntando o que estava acontecendo.

- Então eu venho me divertir e tenho que separar uma briga de duas arruaceiras. As duas vão passar pelo menos um dia em Askaban por isso. - Joanne não se importou ao ouvir a voz de Snape.

Não demorou muito para ela sentir alguém tentando a tirar de cima da loira, mas ao invés de facilitar às coisas, ela deu uma pequena mordida na mão do homem enquanto segurava os cabelos loiros com mais força, ela estava furiosa e não queria parar de dar uma bela surra na loira que gritava descontroladamente, só depois que Snape lançou nela um feitiço foi que ele a conseguiu tirar se cima da loira.

Após retirar Joanne de cima de Lila ele olhou para um homem e então disse.

- Leve essa senhora para casa, acho que ela não tem condições de ir só. E quanto a você cuidarei da sua prisão. - Ele sorriu e pegou em sua mão a levando para longe das pessoas, quando estavam em um lugar onde ninguém poderia os ouvir, ele olhou para Joanne e finalmente quebrou o gelo.

- Brigas de bar, porque eu não desconfiei que era você afinal esse sempre foi um de seus passatempos.

- Ora eu já estava saindo e ela que me provocou e não venha dizer que estou presa não usei nenhum feitiço já prevendo que eu poderia ser acusada por ela.

- Não vou voltar atrás na minha decisão. Você está presa. - Ele sorriu. - Prisão domiciliar. - Ele sorriu. - Olhe para você não está mais nem se aguentando em pé. Vamos eu lhe acompanho temos muito para conversar acho que já está na hora de ficarmos de bem.

Eles aparataram no jardim da mansão que ela morava, ele se despediu dela, porém ela insistiu para que ele entrasse em sua casa.

- Joanne é melhor conversarmos aqui fora, não quero ter que dar de cara com o Weasley por isso fui aquele bar, quando eu cheguei no cassino ele estava lá ajudando o Potter. Acredito que quando sair de lá ele vai vim para cá.

- Não. Ele não quer falar comigo, pediu um tempo então não tem perigo dele aparecer.

- Eu disse para você que ele não prestava, onde já se viu abandonar uma mulher grávida, como você tem certeza que ele não vai aperecer vou entrar e me certificar que você vai comer alguma coisa e depois dormir sua cara não é das melhores.

- Severo gravidez não segura homem e eu não contei para ele que estou grávida, na verdade acho que ele iria gostar mais eu não tive chance então por favor peço que não conte nada, quando eu achar apropriado eu mesma contarei. - Ela sorriu mas não podia negar tinha que comer mesmo e depois dormir pois ela não se aguentava mais em pé.

Ao entrar na casa ela notou que o olhar dele foi diretamente para a mesa onde estava uma garrafa de whisky, e um copo além de vários tipos de doces.

- Eu não acredito que você estava bebendo.

- Claro que não. Eu estava acompanhada, mas como eu lhe disse às coisas não acabaram bem para mim quando ele descobriu que me aproximei dele para o espionar para você. - Ela se jogou preguiçosamente no sofá afinal ela tinha que admitir estava exausta.

Enquanto ela tomava uma xícara de café ele tomava um copo de whisky.

Quando se deu conta da hora já era quase de manhã.

- Acho que sua esposa vai ficar brava. - Disse olhando para a janela e vendo que lá fora já estava claro. - Já amanheceu.

- Sim. E acho que você perdeu a hora de ir trabalhar.

- Não vou trabalhar hoje, vou fazer algo que eu sempre quis fazer vou passar o dia deitada e cuidando do meu filho.

- Se precisar de algo sabe onde me achar. Eu estou à sua disposição qualquer hora.

- Não se preocupe eu sei me cuidar.

- Não. Não sabe, você sabe cuidar dos outros, mas não de si própria. - Ele pegou um cobertor que estava na ponta do sofá e a cobriu. Antes dele ir embora, ela já estava quase apagada afinal o dia havia sido cansativo e ela precisava dormir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...