1. Spirit Fanfics >
  2. Redheaded Mercenary II KiriBaku >
  3. Coalizão de Desinteresses

História Redheaded Mercenary II KiriBaku - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Olá.

Me perdoem por não estar respondendo, eu acabei acumulando muitos comentários e estou atolada com a rotina da faculdade nessa primeira semana. Me sinto mal, mas ando bem cansada kkkk acabo usando o pouco tempo para escrever os capítulos porque duvido que eu seja a única ansiosa rs.

Vou tentar me recuperar sobre isso aos poucos. Obrigada a todos que permanecem por aqui, eu aprecio demais e agradeço pelo carinho e pela determinação de vocês em acompanhar essa fic.

Boa leitura <3

Capítulo 8 - Coalizão de Desinteresses


Narrado por Kirishima Eijirou

Vejo o herói se aproximar rapidamente com uma expressão sanguinária em seu rosto. Não preciso sequer me mover para estar em uma posição defensiva, apenas ativo minha individualidade sabendo que ele usará novamente suas explosões que para mim são apenas alguns fogos de artifício fajutos. Nesse curto intervalo de tempo acabo por analisar melhor o semblante colérico do loiro ensandecido, ele bem que poderia se tornar um anti-herói com esse ódio todo, pena que não tem coragem de matar sequer uma mosca.

- MORRA – Ele grita ao erguer suas mãos na minha direção e lançar diversas explosões concentradas na minha direção, não sinto nada além de um leve formigamento na minha pele e acho graça de sua escolha de palavras, ele acha mesmo que seria capaz de me matar? Como ele pode dizer isso se nunca teve a intenção de tal coisa? Ah, leitores... Apenas apreciem o show agora.

- Você tem certeza disso, herói? – Questiono em alto e bom som quando o mesmo para na minha frente com os punhos erguidos e cerrados firmemente, ele nota que suas bombinhas não funcionam em nada comigo e quase sou capaz de ouvir o ranger dos seus dentes. Sorrio largamente quando o vejo partir para o ataque manual e sinto que agora a diversão vai realmente começar.

- Seu filho da puta, vou quebrar sua cara – Ele exclama irado ao se aproximar jogando seus punhos na direção do meu rosto, ainda que o ângulo não seja lá tão favorável para ele em vista da diferença de altura que é cerca de 20 centímetros. Esquivo dos dois primeiros golpes e acabo levando os três que se sucedem, desativo a individualidade apenas para sentir o impacto de seus punhos no meu rosto, além de fazer com que ele acredite que ainda há alguma chance de me vencer. O sangue agora escorre do meu nariz e sinto o sabor ferroso na minha boca, sorrio ainda mais e tenho certeza que agora meus dentes estão avermelhados pelo líquido escarlate que escorre pelo canto dos meus lábios. Ah! Isso é tão divertido.

- Acho que agora já chega... – falo segurando seu punho direito antes que este se encontre novamente no meu rosto, ele não perde tempo e logo usa o esquerdo para me dar mais um soco na traquéia desta vez. Percebo que realmente ele sabe o que está fazendo, sua intenção era me deixar desacordado ou ao menos bloquear a passagem de ar, pena que minha individualidade mantém meu corpo rígido o suficiente para que sua força razoável tenha peso em meu pescoço. Seguro também o punho esquerdo e ele tenta se desvencilhar rosnando como um lobo selvagem – Até que você é bom, devo admitir.

- Seu bastardo! – Ele grita de um jeito bem escandaloso e eu reviro os olhos com sua pose de estrelinha, esse cara deve gemer que nem uma cadela no cio, pra ser afobado desse jeito no meio de uma luta isso com certeza é mais certo que tudo. Acabo me descuidando um pouco segurando seus punhos e ele ergue seu pé para me chutar, acertando em cheio meu queixo. Por mais que eu esteja com o corpo endurecido, o impacto foi realmente capaz de me fazer solta-lo dando alguns passos para trás. Minha mente escurece por alguns milésimos de segundo e eu levo minha mão até o queixo para massagear o local. Acho que agora eu realmente cansei disso.

- É isso que você tem? Já apanhei mais de muita mulher por aí, criatura – Digo com desdém e sorrio ao notar que cheguei exatamente onde queria, abalei seu ego e levei sua raiva para um nível superior. Sua face agora está ainda mais contraída pelo ódio e eu não me surpreenderia se ele começasse a espumar pela boca.

Ele berra mais uma infinidade de insultos antes de voltar a avançar em minha direção, eu esquivo novamente de sua série de golpes e depois que deixo seu punho acertar minha bochecha ao menos uma vez, aproveito a brecha na sua guarda para envolver seu rosto com a minha mão. Usando minha individualidade tenho mais estabilidade para erguer seu corpo facilmente segurando-o pela cabeça, ele se debate e provavelmente está xingando bastante contra a palma da minha mão.

Olho ao redor para os corpos mortos no chão e vejo os outros dois heróis que até o momento nem se aproximaram para intervir junto com o colega, o de cabelo verde havia tirado a rede que prendia o iô iô cream ainda que não fizessem nada enquanto o loiro tentava me bater a todo custo. Eles parecem ser bem mais sensatos e por suas expressões de tédio eles já imaginavam que o amiguinho aqui iria dar uma de bonzão pra cima de mim.

- Ei, tu mesmo brócolis – Chamo a atenção de um deles e o outro parece ficar seriamente irritado com isso. – Da pra controlar seu amigo aqui? Não to fazendo bico de adestrador hoje não – Declaro chacoalhando o herói com facilidade e ele se rebate ainda mais apertando meu pulso, seus pés acertam meu peito com chutes, mas não fazem nem cócegas.

- Quem é você e o que pretende? – O rapaz questiona colocando as mãos na cintura e sua pose confiante me lembra vagamente o herói nº1, All Might. Isso me irrita mais do que eu imaginava e fecho o rosto sem conseguir mais manter o sorriso que eu tanto gosto.

- Meu nome é “Não te interessa” e meus planos são “Não te interessa também, idiota” – Digo cantarolando enquanto jogo o herói para perto de seus colegas. Eu facilmente o mataria com um leve movimento dos meus dedos apertando seu crânio, mas não quero problemas para o meu lado com a burocracia depois. O homem que tem poder de gelo e fogo olha para mim com ódio e se aproxima um pouco mais depois das minhas palavras sarcásticas contra o outro menor, percebo que o mesmo talvez pretenda lutar comigo também e me preparo, mas para minha surpresa, o brócolis segura seu braço e posso notar pela troca de olhares que eles são um casal. – Espera aí, você não me é estranho... – Comento com os braços cruzados quando olho melhor para o homem de gelo e fogo, se eu me lembro bem, ele é filho do... Ah não! Puta merda!

- Do que você ta rindo? Seu... seu bobão! – O de cabelos verdes me pergunta quando eu seguro minha barriga para controlar o ataque de risos que me toma por completo. Sua tentativa inútil de me xingar com esse insulto meia boca me deixa ainda mais estagnado de tanto rir e meus olhos enchem-se de lágrimas pela gargalhada. Caralho, o filho do Endeavor ta aqui na minha frente e ele come um brócolis bombado, agora meu dia ta feito.

- Teu pai deve ter ficado putasso, como diz a biologia, “cu não faz filho” – Digo dando risada de sua expressão neutra se tornando uma de puro desprezo. O loiro que até o momento jazia no chão passando a mão no rosto para amenizar a dor dos arranhões que ficaram sobre a sua pele, levanta-se e novamente começa com suas ladainhas.

- Agora eu vou te matar... – Ele se aproxima de mim mais uma vez e eu reviro os olhos dando as costas para ele, sério que sou obrigado a aturar essa chateação? Eu tenho uma missão importante, não tenho tempo pra perder com esses engomadinhos. Sinto algumas explosões e ouço gritos, mas continuo andando até ouvir meu nome ser clamado ao longe.

- Red Riot! Espere, por favor... – A voz retumbante de Endeavor é facilmente reconhecida por mim e eu me viro a tempo de ver a expressão completamente chocada do herói loiro para o fogueirinha me chamando com tamanha educação. É tão engraçado ver isso, acho que vale a pena ficar um pouco mais.

- Como assim “Por favor”? Eu sabia que você conhecia esse puto! – O loiro esbraveja todo irritadinho e eu dou risada, ele não sabe da missa a metade... coitado, tenho pena dele e vocês?

Endeavor se aproxima de mim com cautela e vejo em seus olhos que nada fora como planejado, claro que ele está ciente do meu plano, ele esteve participando de boa parte da elaboração.

- Conseguiu alguma coisa? – o ruivo questiona para mim e os heróis parecem ainda mais perplexos. Oh! Deixe-me adivinhar, eles são da agência do fogueirinha? Agora tá tudo explicado.

- Arredores de Yamashita, eles conseguiram o Masho – Digo com uma expressão séria, torcendo para que isso acabe por aqui e eu possa voltar para minha casa a fim de prosseguir com o que preciso fazer. Essa história está longe de acabar e eu não tenho tempo a perder, time is Money baby.

- Vamos conversar no meu escritório, em breve a polícia virá resguardar o local – Endeavor declara com a voz potente e olha para os heróis com um semblante irritado, deixando o loiro ainda mais puto da vida com sua fala – Vocês vem também, agora vou ter que envolver vocês nessa merda.

-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-

Estamos no escritório da agência de Endeavor e eu me sento na poltrona com as pernas abertas sem me importar com o sangue que pode sujar o estofado, o loiro está tremendo de raiva no canto da sala proferindo palavras baixas enquanto me encara com o mais puro ódio e eu apenas me divirto com sua ira, acho que ele não serviria para ser um dos meus, sua impulsividade realmente o faz ser completamente inútil para os propósitos que regem os meus conceitos.

- Ground Zero, Deku e Shouto, esse é o Red Riot, ele é um anti-herói que costuma fazer alguns trabalhos dos quais heróis não podem ser designados para fazer – Endeavor explica para os três patetas e eu olho para as minhas unhas assobiando uma música alegre, agora sei que o brócolis é chamado por Deku e acho que combina perfeitamente com a cara de otário dele. O meio a meio é o tal de Shouto e creio que sua falta de criatividade seja tão presente quanto sua falta de expressão.

- Matar pessoas? Realmente não podemos fazer isso... – Deku se manifesta balançando a cabeça em negação enquanto olha para mim com os braços cruzados, dou um sorrisinho e uma piscadinha para ele só por diversão e vejo o gelo quente ficar bravo com a insinuação.

- Ainda bem, Deku, sobra mais pra mim – Rebato sua fala com desdém e dou de ombros mesmo tendo sua expressão chocada em minha direção. O tal de Ground Zero parece se doer pela minha provocação e desencosta da parede aproximando-se de nós.

- Seu fodido de merda, eu não acredito que um bosta como você está tendo apoio pra fazer essa porra – Ele grita como sempre e eu me pergunto se um dia irei ouvir sua voz sem que ele esteja a usando com entonação de feirante, ele deve ser meio surdo, isso explicaria muita coisa.

- Já CHEGA Ground Zero, ele está sob ordens do prefeito e não iremos interferir, muito pelo contrário – Endeavor toma a iniciativa levantando-se de sua cadeira e usando suas chamas para impor autoridade, o loiro parece estar prestes a ter uma síncope e os outros dois heróis se remexem igualmente indignados. Espera aí, eu não preciso da ajuda de ninguém.

- Nem fodendo que eu vou ajudar esse arrombado! – Ele exclama arregalando os olhos e rangendo os dentes totalmente colérico enquanto eu apenas apoio meu rosto sobre a mão pronto para deixa-lo ainda mais puto.

- Tu é gay, mano? – Questiono com uma sobrancelha erguida e vejo as veias saltarem no seu pescoço e na sua testa, ele respira rapidamente e parece estar prestes a explodir literalmente. Ele daria um bom homem bomba, até que seria útil por ser de uso único.

- CLARO QUE NÃO CARALHO – Ele berra aturdido por minha pergunta e mesmo que eu esteja zoando, sei muito bem que sua resposta está bem longe da verdade. Claro que não foram vocês que me explanaram isso, com certeza eu descobri sozinho...

- Mas Kacchan, você não era... – Deku começa a falar e para no instante em que ve o colega se aproximar provavelmente para esgana-lo, dou risada da situação e acabo levando em consideração a diversão. Talvez não seja de todo ruim ver esses idiotas se atracando desse jeito.

- Vai se foder, Deku, mesmo que eu seja não vou deixar que ele me defina assim... – Ele fala com a voz mais baixa ainda rosnando para o de cabelo verde, sendo impedido de se aproximar pelo maridão gelo quente que se põe na frente da donzela cabelo de planta.

- Cê arrumou uns heróis bem mixurucas hein, Endeavor, ta escasso o mercado de vocês... – Declaro me levantando pronto para sair logo daqui. Vocês me acompanham? Esse capítulo tá uma porra mesmo. Sigo para perto da mesa do fogueirinha e deixo meu cartão sobre a mesa. – Não me ligue se for besteira, eu tive a informação de que Sakura já caiu, estarei preparando uma invasão na sede da Yashuno no decorrer dos próximos dias, consegue aliviar a área W pra mim, não é, foguento? – Questiono o herói com suas barbas em chamas e o mesmo me encara com suas sobrancelhas franzidas em desgosto, eu sei que ele odeia ser alvo de deboche, mas comigo a coisa é mais embaixo e fico bem feliz que ele saiba disso.

- Certo, vou atrair as atenções pra um ponto distante – Ele responde convicto e sem pestanejar, o que causa mais um arquejo por parte dos heróis presentes na sala.

- Será que dá pra explicar direito essa história? – O meio a meio declara com um tom de voz aturdido e posso ver em sua expressão que o mesmo está boiando completamente. Dou risada e viro-me na direção deles cruzando os braços na frente do peito, encaro-os com o queixo erguido e passo a língua pelos lábios antes de começar a discursar.

- Eu não sou obrigado a dizer mais do que o necessário, mas vou dar uma trégua pra ajudar as mentes menos desenvolvidas dessa sala – começo a falar e me divirto bastante com a expressão de pinscher raivoso do loiro ao lado dos colegas. – O prefeito está tendo problemas com o carregamento de armas e equipamentos de suporte ilegais, logo, preciso encontrar o cara que está bagunçando a sujeira do sistema, já que o governo ta perdendo sua parte boa do tráfico. Vocês são só a fachada, eu sou o protagonista, continuem sendo brilhantemente toscos que tudo vai se sair bem.

- Endeavor, isso é verdade? – Deku questiona com o olhar fixo sobre o meu rosto e eu faço questão de manter o contato visual. Ele fica visivelmente desconfortável e logo desvia o olhar, deixando-me curioso, ele parecia bem confiante a poucos momentos atrás.

- Sim, vocês não devem interferir em nada e se for necessário, um de vocês irá acompanha-lo como distração – Ouço sua última frase e automaticamente viro a cabeça para olha-lo. Ele ta zuando com a minha cara? Gente, votação rápida, quebro a cara dele agora ou espero ele se preparar pra receber a surra?

- O fogo ta derretendo seus miolos? Eu trabalho sozinho, Endeavor – Declaro tendo o semblante mais psicopata que possuo como um aviso para que o ruivo não tente denegrir o meu trabalho dessa forma. Sua expressão endurece e percebo que vou ter que aturar ele me dando um sermão do caralho que vai me deixar sem muita razão, querem ver?

- Eu preciso garantir que ninguém descobrirá a sua identidade, manterei um herói nos relatórios para justificar as ações de inserção na área que estou tomando. Como eles aqui, obrigatoriamente, – Ele sibila apontando para os três heróis que se mantém quietos, a não ser pelo Lorde “Sou Viado e Explodo Coisas” que está resmungando sem parar enquanto me fuzila com os olhos – já sabem o que está acontecendo, eles serão o seu ponto de apoio. Essa merda vai ser rápida se vocês forem competentes o suficiente e então seguiremos cada um no seu caminho.

Eu avisei pra vocês que ele ia falar algo racional o suficiente pra quebrar minhas pernas. Filho da puta.

- Cada um no seu caminho, Endeavor? Entendo, vou pensar isso até receber uma ligação sua novamente... -  Falo entredentes, sentindo-me genuinamente puto com a ideia de ter que aturar um desses merdinhas metidos a mocinhos. Olho para cada um deles antes de voltar a fazer meu caminho para fora daqui e uma ideia se instala na minha mente, acho que ainda não estou satisfeito com tudo o que já houve por hoje. Sei que vocês também adoram quando eu coloco fogo no parquinho.

Me aproximo de Ground Zero com passos largos e antes que ele tenha a chance de reagir, aproximo meu rosto do dele quase tocando meu nariz no dele, encaro seus olhos profundamente e sorrio largo com meus dentes afiados bem à mostra, ao ponto de minhas bochechas doerem. Consigo enxergar cada traço de suas írises escarlate e solto uma risada baixa ao vê-lo engolir em seco sem conseguir fazer qualquer coisa com minha aproximação repentina. Por mais que sinta uma raiva descomunal desse idiota, não posso negar que ele tem uma aparência atraente. Esse peito definido deve parecer ainda maior do que aparenta sobre o tecido colado em seu corpo, os músculos são alinhados e completamente desenvolvidos enquanto o maxilar angular o deixa ainda mais... másculo. Porra, eu não queria dar o gostinho pra vocês de usar essa definição.

 - Vai ser um desprazer enorme trabalhar com você, Bomberman – Declaro passando a língua sobre os dentes antes de me erguer para sair da sala. Mal espero para ver o piti que ele vai dar pela provocação e logo passo pelas portas seguindo meu caminho para fora dali. Essa porra ainda vai dar merda e eu tô bem certo disso, aqueles heróis ainda vão me dar trabalho e espero que Endeavor esteja ciente. Eu não estou aqui pra ser piedoso, muito menos para colaborar com quem estiver se colocando no meu caminho.


Notas Finais


Tu é gay, mano?

kkkkk ai meu deus, morro com as tiradas do Kirishima, socorro.

Até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...