História Reencarnaçao do amor(Elizabeth no País das Maravilhas) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Ban, Diane, Elaine, Elizabeth Liones, Escanor, Gowther, Hawk, King, Meliodas, Merlin
Tags Imagine Meliodas
Visualizações 45
Palavras 2.262
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Chance of escape


Fanfic / Fanfiction Reencarnaçao do amor(Elizabeth no País das Maravilhas) - Capítulo 8 - Chance of escape

CHANCE OF ESCAPE

 

P.O.V  ELIZABETH

 

Depois de ter saído correndo de perto daqueles oito malucos, fui em direção a uma floresta de arvores secas e sem nenhuma vida, coberta por uma neblina muito espessa, quase não se via nada. O que aquele homem queria dizer com “Aqui é sua casa”? Eu nem ao menos sei que lugar é esse, nada aqui me lembra a nada, não me lembro de ter vindo aqui em minha infância... Que seja... enquanto corria deles encontrei uma caverna bem grande, na floresta mesmo e nela me refugiei, não sei ao certo a quanto tempo estou aqui... um dia ou dois talvez... A questão é que estou faminta e não sei onde encontrar comida, a caverna é grande e tentei procurar  algo para comer dentro dela mas não encontrei nada, não posso ficar mais tempo sem comer, posso passar mau e futuramente posso ate morrer, mas se eu sair eles podem me encontrar preciso de algo para me disfarçar mas o que? O melhor é aguentar mais um pouco, eles não vão ficar atrás de mim pra sempre uma hora eu estarei livre para procurar comida, uma fruta que seja!

 

*

-Droga! Que fomee!- Não aguentarei mais tempo, eu preciso comer. Depois de ter decidido esperar mais um pouco a fome me acerta em cheio, preciso comer, as poucas gostosuras que comi no chá do Chapeleiro já foram digeridas e meu estômago pede por mais. Já se passaram algumas horas acho que já posso começar minha caça á comida, esta anoitecendo e não posso deixar ficar muito escuro para procurar comida, nesse tempo que estive aqui percebi que os dias são longos são quase mais de 20 horas enquanto as noites são no máximo umas 3 ou 4 horas, não sei se isso é bom ou ruim, acho que ruim pois eles tem mais tempo para me procurar pois os dias são grandes, mais uma coisa é certa, não vou esperar por mais tempo eu preciso de comida agora!

Enquanto andava descobri que não estava em uma floresta comum ele é imensa parece não ter fim além de que enquanto eu ando ouço rugidos e barulhos de animais e feras que não me parecem nada dóceis e sim ferozes e mortíferos, o bom é que ate agora não encontrei nenhum inseto, não sei se já disse mas odeio esses bichinhos sem ossos, são nojentos e asquerosos, claro que ha exceções como as borboletas, as joaninhas entre outros insetos fofinhos... Por que estou dando essas informações tão desnecessárias? Preciso encontrar alguém para conversar logo, ou irei enlouquecer.... O tempo que estive na caverna foi ate produtivo consegui construir uma pequena casinha em seu interior, parece que eu não fui a única a encontrar a caverna pois lá havia  roupas, panos e ate ossos, mas claro nada de comida...

Quando disse que a floresta parecia não ter fim eu não menti estou andando a horas meus pés doem e estão cheios de calos, minhas roupas estão um trapo toda rasgada por conta dos galhos que insistem em bater em mim além de está toda suja, minha fome ainda esta presente pois na floresta não há vida alguma tanto vegetal como animal ( sem contar os monstro que eu sei e sinto que estão aqui ), estou cansada pois na noite anterior não dormi nada e como disse antes estou andando a horas...

-Espera! Eu já vi essa arvore antes! Ela esta toda marcada com arranhões feitos por alguma fera! Eu não acredito! Estou andando em círculos a horas? Não é possível! Eu nunca vou sair daqui! Estou presa em um mundo maluco dentro de uma floresta com feras que a qualquer momento podem me comer!

-Poco,poco, poco!

-Hum? Um porco?

-Não me chame de porco sua pirralha!

-HAAAA! VOCE FALA!

-E qual é a novidade?

-Não sei por que ainda me impressiono.

-LIZ?!

-Quem?

-É..é v...você m..mesmo L..Liz?

-Não sou Liz! Me chamo Elizabeth!

-Tem razão a Liz nunca me chamaria de porco! Mas quem é você e o que você faz aqui?

-Primeiramente seu nome, e respondendo sua pergunta estou fugindo do Chapeleiro.

-Me chamo Hawk, mas por que esta fugindo daquele maluco?

-Sabe por... Hawk, eu não sou daqui sou de Britânia um reino do mundo de cima.

-VOCE É UMA HUMANA COMUM?!

-Sim, mas não se assuste eu não vou fazer mal a ninguém eu só quero voltar pra casa, coisa que o Chapeleiro não quer, ele insiste que minha casa é aqui, ele deve ter me confundido com alguém sabe?

-Aquele maluco deve ter te confundido com a Liz...

-Quem é Liz? E por que todos me confundem com ela?

-Liz era o amor do Chapeleiro e seria a futura rainha de clã cartola.

-Era? Seria?

-Ela foi morta por uma besta.

-Sinto muito.

-Não sinta. Mas voltando, como irá sair daqui? Só o chapeleiro tem o poder de trazer alguém para cá assim como só ele tem o poder de mandar embora.

-Primeiro preciso encontrar roupas novas e comida. E eu pretendia encontrar alguma outra formar de sair daqui, não é possível só ele ter o poder de me deixar sair, deve ter outra forma, sempre tem, eu espero.

-Pois esta enganada só ele tem esse poder. Mas se me lembro bem há um boato de que nos castelos branco e vermelho há um espelho que pode fazer você ir para o mundo de cima...Não sei ao certo... Em relação as roupas e a comida eu posso resolver!

-Então vai me ajudar?

-Vou sim! Olhe, esta vendo essa armadura em minhas costas? Dentro dela tem uma roupa, pegue-a!

-Essa armadura é sua?

-Não! Eu a encontrei enquanto ia para a minha casa.

-Você mora na floresta?

-Na verdade não... eu acabei me perdendo.... BUAAAA! EU ESTOU PERDIDOOOO!

-ESTA DIZENDO QUE NÃO SABE COMO SAIR DAQUI?

-S...sim...Mas deve haver algum jeito de sair daqui!

-Eu estou andando em círculos a horas, é impossível sair daqui, pode esquecer.

-O...o que faremos?

-Primeiro irei vestir minha roupa, segundo você disse que resolveria o problema da comida, pois então resolva.

-Tenho frutinha em minha bolsa.

-Ate que para um porco você é bem prevenido.

-NÃO ME CHAME DE PORCO!

-Tudo bem, tudo bem! Vire-se irei me vestir.

-Certo!

O porco  que não gosta de ser chamado de porco se vira e eu começo a me vestir, a roupa é azul escuro e bem... indecente... quase não cobre o corpo tem luvas e uma espécie de meia, melhor do que os trapos que eu vestia pelo menos. Depois de me vestir o porco se vira e me trás as frutas que ele prometeu resolvendo o problema da fome, mas agora estamos de frete a um problema maior o de sair desta floresta maldita. Começamos a andar em linha reta na esperança de encontrar a saída da floresta mas depois de alguns minutos de caminhada nos deparávamos com a arvore arranhada nos deixando coma frustração estampada em nossos ros... deixa pra lá.

-Já esta escurecendo o que faremos Ellie?

-Ellie?

-Sim, não gostou?

-Adorei!

-Mas então o que faremos?

-Realmente não sabe ou não ouviu algo sobre como sair daqui?

Hawk nega me deixando cabisbaixa, era o nosso fim... presos em uma floresta sem saída. Eu só queria voltar pra casa, ou para qualquer lugar que chegasse perto disso. Não aguentava mais ficar presa nessa floresta, já estava cansada de novo e com fome e o pior as frutinha acabaram, presos e sem comida só podia ser um pesadelo. É desesperador ficar presa sem saber onde ir, sem saber qual será o seu futuro, com medo do que será o amanha, sem providencias, sem ninguém, sempre foi assim desde de novinha eu sempre fui sozinha depois da morte dos meus pais, sempre tive esse receio, sobre o que será o amanha e o que será o meu futuro, já devia estar acostumada, mas eu simplesmente não consigo, sempre fui muito sensível sempre precisei da ajuda dos meus pais, depois da morte deles eu tentei ser forte e ate consegui, mas agora é tudo desesperador demais pra manter a calma, para me manter forte, sou uma mulher delicada e sensível mas consigo me tornar forte com alguma base... minha base era os meu pais, depois da morte deles passou a ser o Seu Joaquim e agora é um porco... minhas bases estão regressando... talvez futuramente estarei sozinha de vez.

-Eu só queria voltar pra casa...*Snif*...

-Não chore Ellie...

-Eu quero voltar pra casa!

Meu brinco começa a brilhar assim como da vez que eu vim parar no pais das maravilhas, o que será agora mais um mundo de loucos que me prenderão, ou talvez eu vá parar em frente a uma fera horrível que me comerá viva, por que de repente a vida ficou sem sentido e valor algum? Os sofrimentos que passei atravessam minha mente como em um filme, todos os arrependimentos, todas as culpas, todas as tristezas, todas as humilhações, todas as veze em que chorei sozinha enquanto pessoas que se diziam minha família se divertiam sem se importar com meu sofrimento, todas as batalhas vencidas... A verdade é que eu não sou fraca sou forte, uma guerreira que suportou e suporta tudo por que a vida é minha e mais cedo ou mais tarde o sol vai brilhar para mim, afinal o sol e a luz são pra todos certo? Sou forte, forte o suficiente para enfrentar esse novo lugar em que irei parar, vencerei as batalhas da minha vida de cabeça erguida, sou mulher mas não sou frágil passei por altos e baixo mas nunca desistirei da minha vida, ela foi dada a mim e farei de tudo para torna-la melhor e mais feliz, minha vida tem valor sim não para os outro mas para mim que apesar de ter sofrido ainda anseio por uma vida melhor.

Sinto meu corpo se tele transporta para um lugar diferente da floresta e comigo o Hawk. Agora no encontramos em uma casa que apesar de desconhecia me trazia uma certa nostalgia...Para minha surpresa e a de Hawk na casa não havia ninguém, estávamos obviamente em um quarto pois havia uma cama, um guarda-roupa e um crido mudo, Saímos o quarto a procura de uma saída nos deparando com uma cena horrível, a casa fedia a podre, havia sangue seco por toda ela, e ossos de duas pessoas, ao ver aquela sena me bate uma enorme vontade de chorar eu sentia como se fosse a ossada e o sangue dos meus pais ali. Era tudo horrível, sinto a primeira gota de lagrima sair do meu olho direito abrindo espaço para mais um monte e logo depois um grito de desespero e sofrimento.

-Venha Ellie! Vamos sair daqui agora!

Hawk me empurra para fora na tentativa de me fazer para de chorar, mas a imagem de agora pouco não saia da minha mente, quem era aquelas pessoas e por que eu sinto que eu já vi essa cena, porque estou sofrendo tanto com isso tudo? Sempre fui fraca com esse tipo de coisa mas não a esse ponto...

-Ellie... Por favor sei que é triste mas, precisamos seguir em frente, estamos perto dos castelos, se lembra do boato que te falei, podemos ver se é verdade é sua chance de escapar Ellie!

-Tem razão, estou perto de conseguir ir embora, não posso fraquejar agora.

-É assim que se fala!

Estávamos andando em direção a um lugar que o Hawk disse se chamar campos doces, ele disse que nesse campo há arvores de maça doce, arbustos de marshmellows, grama de chiclete, ursos de goma e minhocas doces e uma fonte de chocolate quente.

-Isso é que eu chamo de matar dois coelhos com uma cajadada só! Vamos em direção ao castelo vermelho e de quebra faremos um lanchinho!

-Eu realmente estou morrendo de fome! E por que mesmo iremos ao castelo vermelho?

-Por dois motivo, ele esta mais perto e é em direção a fonte de chocolate!

-Hahaha! Hawk você é demais!

-Sabe? A cada minuto que passa percebo que você esta mais parecida com a Liz, não só na aparência mas no modo de agir e de pensar.

-Hawk... Eu não sou a Liz... eu realmente sinto muito mas... Eu não sou ela.

-Eu sei só estou comentando.

-Você e a Liz eram bem próximos não eram? Você vivia no reino cartola?

-Sim éramos muito próximos quase inseparáveis... Eu vivi no reino cartola mas depois da morte da Liz aquele porco maldito do Chapeleiro expulsou todos os seres alegre e colorido do reino, incluindo eu... Depois de um tempo o Chapeleiro se arrependeu do que fez e voltou atrás com sua politica permitindo novamente a entrada de seres alegres e colorido, mas eu não quis perdoar aquele porco maldito... Ele não protegeu a Liz como prometeu e ainda por cima acabou com a vida de todos a sua volta incluindo seus amigos que só queriam seu bem... O Chapeleiro mudou muito depois da morte da Liz, e apesar de ter voltado ao “normal” ainda não entra na minha cabeça essa mudança repentina, não confio mais no Chapeleiro...

-Deveria perdoa-lo... sabe... eu também tenho pessoas que me fizeram muito mal, mas eu as perdoo, guardar rancor não faz bem pra alma e para o coração, meus pais me ensinaram isso e os ensinamento deles eu vou levar para vida toda já que não posso tê-los mais aqui comigo...

-Sin...

-Não sinta, eu já superei. Agora vamos essa é minha chance de escapar!

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...