1. Spirit Fanfics >
  2. Reencarnação, um ato divino ou uma maldição? >
  3. O choro do lobo.

História Reencarnação, um ato divino ou uma maldição? - Capítulo 11


Escrita por: Raul2021

Capítulo 11 - O choro do lobo.


-Mestre, tem um ser poderoso no Palácio.  

-Entendo, vamos logo. -Ao se aproximar, passa pela cidade e percebe guerreiros em volta de uma carruagem. Foram bem recebidos pelas Valquírias. Rachel estava sem falas, Luar tinha o respeito e amizade das Valquírias, as que eram consideradas agressivas e guerreiras. Ao se aproximar do trono um homem estava ajoelhado, Luar ao empurrar o mago para as guardas, se ajoelha perante a rainha. 

-Minha Rainha, eu acabo de trazer o culpado pela briga na floresta. Peço perdão pelo ocorrido.  

-Eu quem deveria estar me ajoelhando, levante-se, Deus dos Raios Luar. -A Rainha se levantava, os Valquírias ao redor se ajoelhavam e a rainha os acompanha, luar ficava sem expressão.  

-Todas vocês, levantem-se. -Ao olhar para o homem, era um conhecido.  

-Malaquiel.  

-Meu senhor, como vai?  

-Que surpresa, vou bem, obrigado.  

-Bom, meu senhor, eu a Rainha Calypso cuidarei para que esse mago seja punido severamente.  

-Muito bem, amiga. -Luar estendia seu punho, e a rainha o responde. Mais tarde, a rainha preparou um banquete, havia uma enorme mesa com vários tipos de comida, as Valquírias se reuniam, as generais e Gabrielly.  

-Calypso, independente do meu título, você sempre será a minha Rainha. 

-Hahaha ora vamos, mudemos de assunto. Quem é a sua nova companheira?  

-Está é Rachel e aquele que entrou na minha sombra mais cedo era Rodrigo, um vampiro.  

-Falando em vampiros, fui informada de caçadores invadindo minhas terras, matando monstros. Eu os afastei pessoalmente. -Luar balança o braço para a mesa de comilança, uma aurora boreal se forma ao tocar nas paredes. As Valquírias ficam sem reação, admirando aquela bela imagem natural.  

-Não se preocupe, eu extinguirei aqueles caçadores com as minhas mãos.  

-Meu senhor, por favor, não se esqueça que eles são apenas humanos e magos.  

-Fique tranquila, Calypso, não irei mata-los fisicamente. -Gabrielly se aproximava deles. Luar segurava a mão dela e a beijava. 

-É uma honra reencontra-la, minha melhor amiga. -Gabrielly estava corada de vergonha, quando Malaquiel intervia. 

-Me perdoe a intromissão. Deus dos Raios, gostaria de saber como está Santhariel. -Luar solta um pequeno sorriso. 

-Ela está bem. Você deseja encontra-la?  

-Sim, meu senhor.  

-Muito bem, antes de partir, invocarei meus lobos para acompanha-los, ao entrar na floresta, saberão que vocês estão comigo. Eu irei para o castelo dos caçadores, resolver alguns problemas. 

-Entendo, meu senhor. -Luar e companhia dormem no palácio aquela noite, ao amanhecer decidem partir, ao se despedir da rainha partem para a estrada, ao longo do caminho se separam, ao invocar seus lobos, os mesmos ficam ao redor da carruagem chique de Malaquiel e um deles fica em frente os guiando. Quanto à Luar e Rachel, estavam indo em direção ao Norte, alguns moradores em Valhalla os informaram da localização da base dos caçadores. No caminho, de longe, na base de uma montanha, avistam o castelo.  

-Meu senhor, bem provável que ele vá nos receber de forma agressiva.  

-Não se preocupe, iremos sobreviver. Já eles.. Hehehe. -Rachel sente um arrepio na espinha. Ao se aproximarem do castelo, estava vazio, não havia arqueiros.  

-Mestre, tem algo errado.  

-Sim, eu sei. No interior do castelo, estou sentindo uma força descontrolada. -O portão se abre. O guarda se aproximava, estava com um olhar de medo e terror.  

-Guarda, se acalme, me conte o que vocês fizeram? 

-Eu também não sei...  

-Quem vos fala, é Luar, Deus dos raios. Me leve até ele. -O guarda só se vira e anda para dentro do castelo, ao segui-lo para mais fundo do castelo, a porta de madeira se quebra totalmente, o guarda foge em desespero, ao entrar na grande sala, no centro um vampiro em sua forma morcego estava sendo reprimido por correntes, guardas eram feridos, Luar se aproximava do vampiro, o mesmo parava de se mexer, tremia e em seguida se acalmava, os guardas estavam tensos e espantados.  

-Quem é você? -Um homem moreno se aproximava, apontando uma besta para Luar. 

-É assim que você agradece a boa vontade de um Deus? -O olhar dele era de plenitude e calma, o homem se acalmava.  

-Me desculpe, mas eu fico pasmo quando uma criatura da noite se ajoelha perante outra pessoa, isso só pode significar que você é bem pior do que ele.  

-Sua interpretação das coisas é bem inferior, humano.  

-Bom, meu nome é Chanceller, sou o chefe dos caçadores. 

-Meu nome é Luar, Deus dos Raios e príncipe dos Lobisomens. -O guarda fica de olhos arregalados, e de repente Emma corria e se ajoelhava em frente a Luar.  

-Meu mestre. Por favor nos poupe!  

-Não sou seu mestre, querida. -Luar colocava a mão na cabeça dela a acariciando. -E se acalme, não vim aqui matar vocês. Chanceller já que você é o chefe aqui, vamos conversar. -Os dois caminham ao redor do salão enquanto o vampiro permanece ajoelhado e imóvel.  

-O que posso fazer por você, Luar?  

-Eu vim aqui para dar uma ordem, vocês têm controle total sobre a área em volta do castelo, não invadam outras terras, sou aliado das Valquírias, dos Elfos da Floresta, dos Lagartos e humanos. Qualquer sinal de invasão, serão considerados inimigos e, portanto, serão mortos. Visto que vocês não têm tanto pessoal para se defender, então duvido muito que tenha chance contra nós. -Chanceller soava frio.  

-Eu entendo perfeitamente, Luar. Porém, eu peço que seja mais generoso conosco, somos uma pequena equipe de caçadores, os que se voluntariaram e partiram em caçada, ainda não retornaram, sendo os nossos melhores. Enfim, nossos alimentos estão escassos.  

-Entendo, posso ajuda-los. Solicitarei ajuda da Rainha das Valquírias, somos grandes amigos, e eu tenho certeza que ela não negará um pedido meu.  

-Oh, eu agradeço, senhor. Eu peço desculpas por antes, fui informado por Emma da nossa grosseria.  

-Esqueça isso, bom, antes de tudo... o que você pode oferecer em troca de comida mensal? 

-Nós temos alguns prisioneiros, capturados na estrada por ameaçar a vida de outros seres, somos caçadores, mas não assassinos frios, uma criança goblin estava sendo atacado por um mago, estava sugando a força vital dela, nós o prendemos, ele se autodenomina Lorenzo. -O olhar de Luar mudou totalmente.  

-Quero vê-lo. -Ao guia-los até a prisão, lá estava o mago, preso com correntes marcadas com um encantamento mágico.  

-Ora ora, que honra vê-lo novamente!  

-Lorenzo... eu estou cansado de te matar. -Ao segurar o pescoço do mago pronuncia um ritual Élfico.  

-Dessa vez Lorenzo, você não vai reencarnar mais. Adeus. 

-Espere..espere.. Por favor, eu posso ser útil pra você. 

-Hum... Prossiga.  

-Eu sei a localização de todos os outros lendários.  

-Hum... lorenzo eu o deixarei vivo... porém, quero que você encerre o encantamento de ressurreição, liberte as pessoas que foram usadas pra isso, agora!  

-Sim senhor, me dê três dias. -Ao sair da prisão, Luar e Rachel estão de frente com o vampiro. 

-Ei. -O vampiro treme e rosna, era uma criatura horrenda, os braços eram asas enormes, possuindo garras nas pontas, pernas de bode e o rosto era bizarro, seus dentes eram afiados e seus olhos vermelhos assustadores. -Eu sei que tem sido difícil pra você, se alimentar de outros seres, mata-los por necessidade. Mas eu ofereço a vida, o Lorde Vlad pode ajuda-lo. A minha única condição é... pare de matar pessoas. O que me diz?  

-O monstro abre suas asas, sua forma grotesca muda, voltando a sua forma humana. O jovem estava ofegante. Os guardas estavam impressionados.  

-Prefiro isso, do que a morte, Deus dos Raios.  

-Hum. Muito bem, agora que fique claro, qualquer ato de traição será penalizado com a morte. -O jovem se ajoelhava perante Luar. 

-Impressionante, eu nunca achei que veria um ser das trevas se ajoelhando perante outro ser.  

-Chanceler, eu espero que nossa aliança chegue aos outros caçadores, não quero ter de mata-los por machucar meus amigos, tudo bem?  

-Sim, o único grupo que nós temos lá fora, é o time de Benimaru. Foram atrás dos homens grifos. -Luar ficou tão tenso, que a pressão ao redor dele pesava, os homens tinham dificuldade em ficar em pé, até que Emma fica tonta e se ajoelha, ele percebendo aquilo, se acalma.  

-Desculpe por isso. Eu aceito Emma como sua representante, Chanceler. -Diz ele colocando a mão sobre a cabeça da jovem. -Se cuida, irmãzinha. -Ao se virar, se dirigem para a estrada, Luar, Rachel e o jovem vampiro.  

-Meu senhor, conhece aquela jovem?  

-Digamos que sim, Rachel. Não faz sentido agora, mas eu a conheço de outro mundo, ela era minha irmã mais nova que morreu devido a uma doença. -O rosto de Luar escorria lágrimas. -Sobreviva, minha vida! -Seguem caminho, ao chegar no castelo do Vlad, foi bem recebido pelos guardas.  

-Ora ora meu amigo Luar, que honra.  

-Meu amigo. -Luar se aproximava e o abraçava. -Vim com um pedido meio que difícil. Este Vampiro foi capturado por caçadores, ele é acostumado a matar para saciar sua sede, mas ofereci uma proposta.  

-Já entendi, meu amigo, pode deixar comigo eu lidarei com ele. 

-Meu amigo, me desculpe abusar da sua hospitalidade, você sabe a última localização dos homens Grifo?  

-Sim, eu tenho aliança com eles. Um momento, Seth? Está ai? -Após alguns segundos, o lorde fica espantado. -Estranho, ele costuma me responder na hora.  

-Você pode me dizer onde ele está a partir daqui?  

-Sim. Passarei para você por telepatia. -Alguns segundos depois, Luar os envolve com suas caudas sendo teletransportados para o local, ao chegar lá, se assustam com a cena, a aldeia estava pegando fogo, tudo queimado, ao correr para o centro da aldeia, por um instante, a aura de Luar escapa, todos se assustam. -Meu amigo, se acalme! -No centro da aldeia, estava uma cruz de madeira e nela Luna estava presa, sangrando, imóvel, o seu belo cabelo branco estava tingido com vermelho, Luar olhava assustado, ao cerrar os dentes, rosna de raiva até que ouve sua companheira tossir, rapidamente a liberta da cruz. -Me perdoe, isso vai doer. -Ao tirar o prego que estava prendendo a bela gatinha, ela grita de dor. No mesmo instante, ele a envolve com suas nove caudas a curando, porém, as feridas estavam demorando pra curar.  

-Por favor, eles não fizeram... por favor não culpe eles. -Em seguida desmaia. -Rachel fique aqui com o Lorde Vlad e Mathriel. Lorde Vlad, posso contar com você para protege-la?  

-Sim, claro. -No mesmo instante, Luar desaparece, sua velocidade era anormal, farejava os caçadores a alguns quilômetros dali. Os encarava de cima de uma montanha, os mesmos tremem com a presença dele, ao ver suas mãos estavam levando corpos com panos envolvidos. 

-Que...quem é você?  

-De repente Luar se torna presente bem próximo daquele que parecerá ser o líder.  

-Você é o Benimaru?  

-Não... benimaru é esse que está no pano. -Ao tirar o pano, estava bastante ferido, ofegante. Luar se aproximou dele e o curou com sua aura verde.  

-Você é um curandeiro?  

-Não, Meu nome é Luar, Deus dos raios. -Os guerreiros se assustavam. No outro pano, uma criança grifo caia no chão. Estava morta.  

-Alguém pode me explicar o que aconteceu?  

-Estávamos a procura desses homens grifo, o sangue deles pode curar qualquer doença, a minha irmã está doente do coração.  

-E então vocês decidiram mata-los...  

-Não, jamais. Eu tenho um amigo dentre eles. Eu pensei em pedir um pouco do seu sangue, porém quando chegamos encontramos a cidade assim, destruída, um dos monstros tinha permanecido, nunca na minha vida vi monstros montando guarda. Ele nos atacou, Benimaru nos protegeu, ele é o único guerreiro nível alto que nós temos. Tentamos ajuda-lo porém o monstro era muito poderoso, no final nosso Líder venceu, porém, está nesse estado que vê agora, antes de sair da cidade, vimos uma criança grifo, a levamos conosco para trata-la, porém ela não resistiu. Antes de morrer, ela nos disse que todos os homens grifos foram levados por essas criaturas. Não vieram do inferno... elas pareciam o próprio inferno.  

-Hum...-Luar após curar Benimaru, olha para o céu, aponta para ele e em seguida para a criança, que estava sendo segurada por uma bela jovem. -Os espíritos que estejam me ouvindo, me dê a graça e o poder de reviver essa criatura, chamado da alma, Magic Soul. -Ao realizar o encantamento, uma bola de luz retorna ao corpo do grifo, que volta a respirar novamente.  

-Mas como...  

-O maior defeito dessa magia é o nível de controle da mesma. Se eu errasse nem que fosse um pouco no controle da magia, meu corpo seria destruído, além do mais, a alma de demihumanos, ou seja, homens gato, lagartos, grifos, são simples de coloca-las de volta no corpo, já humanos e Deuses... eu não posso ressuscita-los... ainda. Bom, vamos retornar para a vila, tenho amigos me esperando. Não se preocupem, eu os protegerei. -Os caçadores seguem Luar até a vila onde reencontram Lorde Vlad, Mathriel, Rachel. Luna havia despertado, ela corre até ele o abraçando e chorando. 

-Vejo que sentiu minha falta. 

-Obrigada, eu... eu achei que nunca mais veria você. -De repente, dos destroços, monstros aparecem, Luar evoca sua aura azul, Luna ao notar fica totalmente apaixonada, ao apontar o dedo para os monstros, os mesmos são atingidos por raios contínuos até virar pó.  

-Incrível, desde sua promoção meu amigo, você tem demonstrado grande poder.  

-Hahaha nem diga isso, eu estou cansado de ser bajulado pelo povo.  

-Te conheço bem, não gosta de ser superior. -Enquanto Lorde Vlad e Luar conversavam, os caçadores olhavam atentamente para Luna, ela estava apenas com um short e uma blusa sem mangas, os monstros haviam tirado as suas armas e armaduras. De repente luar se aproximava deles. 

-Ela está comigo, no início eu pensei que fossem boas pessoas. Mas parece que me enganei. 

-Nos desculpe estar observando a sua esposa, meu senhor. -Luna ficou corada de vergonha. -Nós nunca havíamos visto um ser como ela. 

-Dessa vez eu deixo passar. Prestem atenção, eu fiz um acordo com Chanceler, estão vivos não se preocupe. Vocês estão proibidos de matar monstros, entenderam? -Os caçadores ouviam atentamente, a moça ao qual segurava a criança se aproximava. 

-Eu entendi, você curou o meu marido, então tem minha eterna gratidão. Farei o que me pedir.  

-Muito bem, Lorde Vlad, meus trovões o levarão para casa, ao lado de Mathriel e o vampiro novato. Enquanto isso, os caçadores voltarão para a base deles. Eu permanecerei com Luna e Rachel, iremos salvar o povo grifo.  

-Eu recuso, meu amigo. Eu quero ajuda-lo nessa caçada. Fico muito animado, faz tempo que não saio. -Lorde Vlad interrompia. 

-Muito bem, vocês estão prontos caçadores?  

-Sim. -E quanto a você, quando eu retornar, curarei a sua irmã. Ok? -Após confirmar, os caçadores são envoltos pelas caudas de Luar, um trovão os atinge sendo teletransportados.  

-Bom, somente os adultos, e uma bela jovem. -Diz Luar olhando para Mathriel que ficava corada. Ao seguirem caminho, Luar havia farejado os demônios, ao longo do caminho ele explica tudo o que havia sido discutido na reunião com os Deuses. 

-Belzebur?!  

-Isso, meu caro amigo sugador de sangue.  

-Eu lutarei nas sombras, pela paz. -Luna parecia cansada, Luar notando isso, a segurou nos braços a carregando ao longo do caminho, ela ficou muito envergonhada, mas não disse uma palavra.  

-Quando encontrarmos mais desses monstros, mirem no pescoço, cuidado com as garras, elas crescem de tamanho. -O caminho era longo, ao anoitecer, fazem um acampamento dentro de uma caverna que havia na montanha. A fim de segurança, Luar vai mais fundo da caverna, assegurando que não havia perigo, até que Luna o acompanha. Com uma tocha na mão, feita por um pedaço de madeira e blusa velha, eles seguem para o fundo. 

-Então, você conseguiu um corpo divino. 

-Sim, escute. Eu quero agradecer por você ter feito isso, sei que foi por mim. -Luar se aproxima dela, a mesma fica com vergonha, o coração dos dois batiam a mesma velocidade, ele a beija, ela se entrega de corpo e alma, após alguns minutos juntos, continuam a andar. 

-Esse cheiro... água doce.  

-Sinto um arrepio na espinha Luar.  

-Que bela vista, nunca achei que existia esse tipo de fornecimento de água. É gelada. -Luar coloca a mão, porém, na imagem refletida na água, vê dois olhos em cima da parede, ao se virar segura a criatura pelo pescoço a jogando em um dos poços de água. A criatura se bate na água, saindo de lá, se rasteja com velocidade até eles dois, até que. 

-Eu conheço a Medusa. -De repente a criatura para, ela possuía o mesmo corpo que a medusa, metade humana e metade cobra, seus cabelos eram vermelhos seus olhos verdes e um rosto belíssimo.  

-Você é bem corajoso, mentindo para mim, humano.  

-Ela está mais a Sudeste do Reino, eu a encontrei a poucos dias, somos amigos. Irei visita-la outro dia, se quiser vir junto. 

-Nós, serpentes, somos imunes ao poder de nossas irmãs, porém, você... se realmente tivesse a encontrado.. 

-Eu sou um Deus, moça. Deuses não são afetados por poderes como os de Medusa.  

-hummm.. O que deseja?  

-Eu peço um pouco de benevolência, queremos encher nossas garrafas e dormi aqui, não se preocupe é temporário. Estamos caçando. 

-Hummmm. Que tipo de caça é essa que exige a presença de um Deus? 

-Os filhos de Belzebur. -A serpente se assusta, se afastando de Luar e se agarrando a uma estalactite.  

-Não.. Não é possível!!! Ele está morto! 

-Não, somente selado. O selo vai terminar daqui a doze meses. 

-Não... droga não! A maioria das minhas irmãs foram mortas por causa dele!! -A serpente perde a sanidade, Luar pula em direção a ela, a segura no pescoço e a derrubando no chão, os olhos azuis se encontram com os verdes dela. 

-Eu não irei permitir que ele machuque nem você e nem as suas irmãs. -Ela se acalma. Saindo de cima dela, ele continua. -Então, temos a sua permissão?  

-Sim, eu permitirei que eles venham aqui e se abasteçam. Não os impedirei, estarei dormindo mais a fundo da caverna, caso precise de mim.  

-Certo, qual o seu nome?  

-Meu nome é Silica. -Ao subirem no túnel, se encontram com os outros, explicando tudo o que aconteceu. Mais tarde, começou a nevar. Enquanto Luar observava a tempestade lá fora, Rachel se aproximava.  

-Meu senhor precisa de alguma coisa?  

-Neste momento? As estrelas, as nuvens.  

-Eu vou buscar uma forma de trazer para o senhor.  

-Hahahha não seja boba. Me desculpe estar te puxando para essa aventura, se quiser voltar para o templo... 

-Não, eu me sinto honrada. E você prometeu me ensinar a me transformar. Lembra?  

-Verdade. -Alguns segundos depois, ouve-se um rugido enorme. 

-Meu senhor?  

-Acalme-se. É um dragão de gelo, ele está voltando para casa.  

-Como o senhor sabe?  

-Eu conheço os dragões, quando atacam, não fazem esse alarde. -O lorde Vlad se aproximava e encostava na parede. 

-Hohoho parece que não poderemos mais duelar.  

-Quem decidiu isso, Lorde Vlad? -Luar olha para ele e com um leve sorriso continua. -Você é o meu eterno rival, lutaremos muitas vezes enquanto estivermos com vida.  

-Hoho como desejar, meu amigo. A sua esposa está se recuperando bem, amanhã deve estar bem para lutar.  

-Os monstros arrancaram as roupas dela, eu dei a minha jaqueta para que ela não adoeça. Eu prometo que não serei piedoso... 

-Mas me diga, amigo, como sabe tanto sobre eles?  

-Eu passei horas lutando contra eles, por isso estou acostumado.  

-Mas como... onde?  

-Não sei explicar meu amigo, no torneio fui de certa forma, transportado para o mundo onde eles estavam presos, não existe criaturas bondosas naquele mundo... não existe pessoas... todas as noites que eu durmo... eu sonho com eles... -Rachel coloca a mão sobre o ombro dele.  

-O que me mantém racional, é a minha família.  

-Seja como for, nós temos um longo caminho a percorrer. Sinto que temos um inimigo a minha altura, meu amigo.  

-Sim, eu também senti, se você quiser, eu luto contra ele, lorde Vlad.  

-Não, eu adoro um desafio. -Dizia o Lorde dos Vampiros sorrindo. Após alguns minutos o Lorde volta para dentro da caverna, Rachel cai no sono e deita no colo de Luar. Os dois ficam ali o resto da tempestade. No dia seguinte, seguem viagem, ao descer a montanha, logo ali próximo se deparam com um pequeno vilarejo de Goblins, os mesmos também foram vítimas, Luar fez o que podia, em seguida seguem viagem. Mais ao norte, se deparam com o exército e seus escravos.  

-Eles são... -Rachel fica assustada.  

-É o seguinte, eu e o Lorde Vlad vamos enfrenta-los, Rachel, Mathriel, Luna e o novato fiquem mais a norte e em segurança. Rodrigo vai ajuda-las se um deles escapar. -O time se separa.  

-Meu amigo, se puder usar todo o seu poder logo no início eu agradeceria, não podemos deixar nenhum deles escapar. -O olhar de Luar tinha mudado completamente. 

-Meu Deus, ele está totalmente focado. -Pensa vlad. Até que Luar emana espadas de raios e parte em direção ao inimigo, com sua velocidade ele os ataca, a cada golpe acertado, os monstros eram eletrocutados e virando pó, Vlad também não ficava de fora, névoas vermelhas o rodeava entrando nos inimigos e os destroçando de dentro pra fora, até que, um ser gigante com chifres e armadura de metal, segurando um martelo surge perante o Lorde vampiro. Os ataques não surtiam efeito. Enquanto isso, Luar libertava os prisioneiros. 

-Ao norte, vocês vão encontrar meus companheiros, aguardem por nós, iremos todos juntos para casa. Eu os protegerei, vão! -Ao se virar, continua o ataque contra os monstros, os mesmos não tinham a menor chance, enquanto isso o Lorde vampiro lutava contra o chefe dos monstros, o mesmo ria.  

-Não achei que existia uma criatura com o mesmo poder que o meu. Vamos decidir aqui e agora quem é o mais poderoso! -A criatura ao preparar o seu martelo golpeia Vlad, sendo arrastado para longe dali. Ao parar, ouve-se risos. 

-hahahaha.. Você é o segundo ser que me obriga a tomar essa forma... não precisa me dizer o seu nome, pois estará no inferno em alguns segundos. 

-Eu criei o inferno, garoto. -Uma aura das trevas envolve a criatura, um poder imenso é acumulado em sua mão esquerda e apontando para Vlad, o mesmo se transforma em um cavaleiro das trevas, sua armadura cobria todo o corpo e uma espada inbuída em névoas vermelhas tomava forma, ao se posicionar para deferir o golpe, ele desaparece, reaparecendo atrás da criatura, a mesma fica paralisada. 

-Já terminou, amigo? Impressionante! Que armadura legal!  

-Hahaha, eu tive que melhorar minhas habilidades para lutar contra você... -Dizia Vlad caindo, antes de chegar ao chão Luar o segurava.  

-Você usou toda a sua energia, não é?  

-Eu tive que usar... esse monstro poderia ter me matado no próximo golpe. -Luar o ajudava a andar para longe, enquanto a cabeça da criatura caia no chão junto do seu corpo.  

-Incrível. Com um único golpe ele o decapitou, eu mesmo teria de usar muita energia. -Pensa Luar. Ao se aproximar do grupo eles conversam.  

-Com licença, jovem, eu quero agradecer por ter salvo nossas vidas.  

-É uma honra conhecê-los. Sua aldeia foi destruída, eu gostaria de oferecer abrigo no castelo dos caçadores até que possam viajar novamente.  

-Eu me chamo, Kokkay Luky, mas pode me chamar de Luky. Sou o líder desse povo. E aceitamos a sua proposta.  

-Muito bem. -Luar evoca suas nove caudas, cobrindo todo o povo grifo sendo teletransportados. Os guardas caçadores, faziam ronda até que um raio cai próximo ao portão, Luar e o povo grifo são bem recebidos por Chanceler. 

-Chanceler, eu estou aqui para fazer um pedido. O povo grifo não tem para onde ir, gostaria de solicitar um abrigo enquanto busco ajuda de outros reinos.  

-Sim, claro. Nosso castelo tem vários cômodos. Agora quanto a alimentos, nosso armazém está praticamente quase vazio.  

-Eu irei imediatamente para Valhalla, solicitar mantimentos. -Após os grifos entrarem no castelo, Luar enviou lobisomens para os reinos de Valhalla, os elfos da floresta e dos homens, solicitando recursos. Enquanto isso, dentro do castelo.  

-Eu fui informado de que uma das suas caçadoras tem uma doença do coração.  

-Sim, Emma. Ela está de cama neste momento. -Luar é levado para o mesmo quarto ao qual estava a bela jovem.  

-Me deixem a sós com ela. Precisarei usar uma energia que usa materiais e auras ao redor. -Ao entrar, se depara com a bela mulher deitada na cama, vestindo roupas leves, estava ofegante e com febre.  

-Irmãzinha... no outro mundo eu não pude fazer nada para ajuda-la... mas agora, usarei minha própria energia vital para salva-la, viva! -Ao invocar as nove caudas, uma energia verde emana do corpo de Emma, o quarto estava sendo ocupado por uma névoa azul marinho, aos poucos sumindo.  

-A febre abaixou, você está melhor agora, seu coração está normal. -A bela jovem dormia tranquilamente. Luar estava de saída, enquanto que no belo rosto da jovem escorria uma lágrima.  

-Então, como foi? 

-O coração dela estava parando, mas eu removi todas as impurezas do corpo e reestruturei o coração. Ela vai ficar bem. Precisa de repouso e boa alimentação. Enquanto espero resposta dos reinos, ficarei aqui, para protegê-los das outras criaturas.  

-É uma honra, Deus dos raios. -Após reverenciar, um dos jovens entra no quarto, aquele que seria o irmão dela. Luar após o observar, segue para o grande salão, Rachel, Vlad, Mariel e o jovem vampiro se reúnem. 

-Meu amigo, Luna está no quarto descansando. 

-Obrigado amigo. Bom pessoal, eu os levarei de volta para casa. Eu agradeço Vlad, pela ajuda.  

-Conte comigo caso apareça outra caçada. -Ao acenar positivamente, luar os envolve com as nove caudas, os teletransportando em seguida. Luar fica sozinho com Rachel, e de repente ele se ajoelha e fica ofegante.  

-Meu senhor!!  

-Eu... usei muita energia... -Ofegante e soando bastante, sente uma dor no peito.  

-Parceiro!! -Claws o chamava. -Não pode usar tanta energia, claro que sendo um dos divinos, a sua energia é imensa, porém, a maldição do lorde ainda está em você, caso a utilize demais... 

-Eu sei... o lobo das trevas toma conta.  

-Meu senhor. -Rachel o segurava. 

-Está tudo bem, eu só preciso descansar um pouco.  

-Luar, está tudo bem? -Luky se aproximava. 

-Sim, o que você deseja chefe?  

-Alguns dos meus cidadãos foram feridos também. Eu ficaria agradecido se os ajudasse. 

-Sim claro. -Antes de ir, Rachel o segura pela manga da blusa.  

-Luky, você poderia nos dar um minuto?  

-Claro. -Ao sair, Rachel demonstrava preocupação com Luar e o encarava seriamente. 

-O que você quer falar comigo? 

-Nós sabemos o que essa cura faz com você.. Então por que faz isso?  

-Eu preciso ajuda-los. Na minha vida anterior eu era um lixo de ser humano, não passava de um estorvo, não tinha poderes... agora que tenho essa nova vida, devo me redimir, fazer valer a pena, mesmo que eu morra de novo.  

-Muito bem, mas ao primeiro sinal de descontrole, eu o levarei para o quarto.  

-Faça como quiser, mocinha. -Luar, após curar os grifos feridos, monta guarda na muralha junto a outros caçadores, anoitece e de repente Luna pula nas costas dele o abraçando. 

-Miau, boa noite, meu marido.  

-Humpfh. Marido é? Como você está?  

-Eu estou melhor, graças a você miau. -Ela morde a ponta da orelha dele. 

-Eu tenho muito para te contar. -Os dois permanecem na muralha a noite inteira, Luar conta por tudo que tem passado, deixando de lado a parte em que está amaldiçoado pelo lobo das trevas, o mesmo estava soando, Luna sabia que tinha algo de errado. Ao amanhecer, várias Valquírias se aproximam do castelo, trazendo caixas enormes. 

-Luar, há quanto tempo. -Era teresa, Luar se aproxima e a abraça.  

-Que saudade. Fico feliz que tenha vindo. Por favor coloquem os alimentos no armazém.  

-Nossa rainha ficou sabendo da situação dos grifos e resolveu oferecer-te vários materiais para recomeçar, assim como roupas, barracas e todo material que vão precisar para sobreviver. 

-Perfeito, deixem próximo do estábulo, lá tem um grande espaço para armazena-los, vamos organizar mais tarde. -O chefe dos grifos se aproximava, eram belos, a cabeça em forma de falcão, o corpo era de humano, porém musculosos e resistentes, também possuindo asas, as do chefe eram maiores, prateadas e belas.  

-Chefe, eu gostaria de expressar a minha felicidade em vê-los. -Teresa fazia uma reverência. 

-Fico feliz e agradeço por tudo que as Valquírias tem feito. -O chefe faz uma reverência. Mais tarde, os Elfos chegavam com várias carroças, eram tantas que faziam fila para o esvaziamento dos recursos e com eles, Lisanna os acompanha.  

-Meu senhor, fico feliz que esteja bem. -Ela se ajoelhava perante a Luar, que a segurava pelo braço a puxando, abraçando-a.  

-Eu estava com saudade de você. Que bom que está bem. Diga a Rainha que eu devo muito a ela, e fico agradecido pela ajuda. -Naquele mesmo dia, carruagens do rei Mario chegavam com vegetais, frutas e armas prateadas, Dastan os acompanhava. Após todos partirem, luar fala com Chanceler. 

-Luar, nós praticamente não temos mais espaço para tantos recursos, precisei esvaziar um salão para armazenar. Temos alimentos para um ano inteiro.  

-Hahaha sim, meus amigos valem ouro, não sabia que mandariam tantos recursos. -Antes de entrarem no castelo, um dos guardas avistam lobos de raios vindo na direção do castelo, ao avisar Luar, é recebido uma mensagem de Malaquiel, o mesmo estava precisando da presença do mesmo. Ao se despedir dos caçadores e dos grifos, seguem para o portão principal, antes mesmo de continuar, Luar é abraçado por trás por Emma.  

-Por favor, volte. Eu preciso de você, irmão. -O coração de Luar estava acelerado, ao se virar devolve o abraço, em seguida seguindo viagem.  

-Meu senhor, vamos voltar. Não se preocupe.  

-Sim, eu tenho mais um motivo para viver. -Diz ele, em seu rosto escorrem lágrimas. Quando do nada, Rodrigo aparecia das sombras.  

-Mestre.  

-O que houve Rodrigo? 

-O que o senhor diria se Santhariel estivesse prometida a alguém? -Luar para de caminhar, o ar em volta fica pesado.  

-Eu ficaria feliz por ela. Ela é minha vida, mas acho difícil existir um homem digno dela... e se existir eu o testarei com minhas garras. -Rodrigo ficou espantado, retornando para as sombras e Luar seguia para casa com suas companheiras. Enquanto isso no Palácio de Valhalla, Gabrielly está ajoelhada perante sua mãe.  

-Calypso, eu estarei partindo para uma missão com nossas companheiras.  

-Hum... Gabrielly, olhe para mim. -As duas trocam olhares. Na hora, Calypso notou que Gabrielly havia desligado suas emoções, o que restava era apenas senso de dever. -Quero que você pare com essa palhaçada. -Gabrielly se levanta e antes de sair a rainha interrompe. 

-Você ousa virar as costas para sua rainha! -As guardas se aproximam de Gabrielly. 

-Você sabe que nenhuma delas pode me deter e eu tenho certeza que você não ousaria atacar a sua querida filha. -Dando um leve sorriso, Gabrielly segue para fora, a rainha afasta as guerreiras, naquele dia, ela envia uma mensagem para o templo de Auriel, sabia que Luar estava a caminho de lá. De volta ao templo de Auriel, estava Malaquiel na varanda ao lado de Auriel e Santhariel, quando Luar se aproxima.  

-Bem vindo, meu filho. -Luar se ajoelhava perante sua querida mãe, o respeito que tinha por ela, não tinha limites, Rachel e Luna o acompanhava.  

-Mamãe, fico feliz que esteja com saúde. Rezo todos os dias para que continue bem.  

-Irmão, eu tenho uma coisa para te contar. -Blade e Yuusho aparecia de ambos os lados do grupo, Miriam e Sakura se aproximavam. -Irmão, eu irei me casar com Malaquiel. -O ar em volta ficava pesado, ele se levanta, o seu rosto não demonstrava nenhuma emoção.  

-Hum... muito bem, que seja. Malaquiel, não saia do templo, isso é uma ordem. -Luar sai do local, ao subir no telhado recebe uma mensagem da rainha Calypso, ao dar um pequeno sorriso, sai correndo para o reino de Valhalla.  

-Are are, ele até reagiu melhor do que o esperado.  

-Eu tenho certeza de que ele vai aceitar, só precisa de tempo.  

-Mestra, Luar partiu para o reino de Valhalla.  

-Are are, Yuusho, fique na sombra dele. O proteja está bem?  

-Sim, senhora. -Yuusho desaparecia nas sombras.  

-Mestre. -Luna se ajoelhava. 

-Are are, Luna. E você rachel, fico feliz que tenha voltado para casa.  

-Mamãe, estou de volta. -Após uma rápida conversa todos entram no templo para tomar um chá enquanto Luar corria para o palácio de Valhalla. No caminho ver uma carroça, era Julius com Clarice ao lado. Para surpreendê-la ele se aproxima rapidamente tentando segura-la, porém ela pula dando uma cambalhota e ficando em cima da carroça prepara sua magia, ao ver que era Luar fica sem jeito, pulando em seus braços e sorrindo.  

-Meu amigo, Luar. Há quanto tempo.  

-Julius, meu amigo. Como vai?  

-Estou bem, fiquei sabendo da sua vitória do torneio. Meus parabéns. -Ao longo do caminho, enquanto luar carregava Clarice em seus ombros, contava todas as histórias e Julius como sempre, fazia gracinhas durante a viagem. A amizade verdadeira deles era de se admirar. Antes de chegar em Valhalla, Luar havia decidido, aceitar Malaquiel como noivo da sua preciosa irmã. Ele sabia que agora, o amadurecimento dela ao longo das aventuras tinha evoluído ainda mais. Ao chegar em valhalla, ele se separa de Julius e Clarice, indo para o palácio, ao chegar lá é bem recebido pelas Valquírias.  

-Minha rainha, quero agradecer por ter enviado suprimentos. -Diz Luar se ajoelhando.  

-Somos amigos, o que eu puder fazer para ajuda-lo eu farei.  

-Eu li na carta, que precisava da minha ajuda, para que exatamente?  

-Bom... -Calypso contou em detalhes o que havia acontecido e Luar tem um plano. Após um dia inteiro, Gabrielly volta da sua missão, o seu corpo estava todo ensanguentado e trazendo a cabeça da criatura ela se aproxima do trono, ao ver a cena, ela fica preocupada e irritada.  

-Mas o que está acontecendo aqui?!! -Mithriel, Teresa e Lorena, as melhores guerreiras a seguravam, a rainha estava logo a frente. A mesma portava a sua lança de fogo, sua aura estava tão poderosa que os objetos de metais ao redor derretiam, ao seu lado Luar estava ajoelhado, fraco, acorrentado sem se mover.  

-O traidor em sua frente, armou uma armadilha contra nós, nos traiu! E como consequência será executado! A não ser que... -Gabrielly cerrava os dentes enquanto ouvia.  

-A não ser que você ligue suas emoções novamente! -De repente ela para de se debater.  

-Nossa, então você acha que... 

-Cala a boca! Você tá parecendo uma pirralha sabia? Não sou mais a sua mãe boazinha de antes! -As asas dela se abrem, o calor aumenta.  

-Gabrielly.... -Luar estava fraco, com as suas últimas palavras e forças olha para ela. Enquanto a rainha a observa, esperando uma resposta. 

-Você tá blefando! -Ao ouvir aquilo, a rainha golpeia o peito de Luar com a lança imbuída em chamas, o mesmo cospe sangue. Ao retirar a lança, ele cai no chão, sangue escorre pelo mesmo, descendo as escadas. 

-ArrrghhH!!!! Você o matou!!! Você o matou!!! -Gabrielly havia perdido a sanidade, com a força desumana, ela empurra Mithriel e Teresa, as mesmas quebra os muros do castelo com seus corpos, Lorena era arremessada com o bater das asas de Gabrielly. Por um momento, ela observa o sangue escorrendo pelo chão do palácio, e se aproxima chorando, as lágrimas não cessavam, ela se ajoelha. 

-Por que... por que!? eu não consigo viver sem você.. Por favor... não me deixe, por favor. Você foi o único homem que amei de verdade! Meu peito... a chama do meu peito está se apagando... -Lágrimas desciam. De repente, ao tocar o sangue dele, ela fica séria e olha para cima e continua. -Se for assim, Azara, mecho escobiai Fénix! -Enquanto realizava um encantamento, as asas de Gaby eram envolvidas em chamas assim como seu corpo.  

-O que está fazendo?! Pare!! Você vai morrer!!  

-Espere por mim, meu amor. Eu irei para onde você está. Me espere. -Ao fechar os olhos, o poder das chamas aumenta, ao redor ficava quente, as valquírias escoltaram a rainha para fora do palácio, a sala do trono estava em uma temperatura elevadíssima. Até que ela é abraçada.  

-Pare, minha valquíria! 

-Luar? Eu estou indo ao seu encontro, por favor me espere.  

-Não! Não pode morrer, sem você aqui! Eu perderei a minha esperança. -As chamas desaparecem, na mente de Gabrielly, veio a promessa de muito tempo atras, “Enquanto você viver eu terei esperança”.  

-Abra os olhos, eu estou aqui, princesa. -Ela abre, em seguida lágrimas escorrem, ele a beija, em seguida se abraçam. A rainha se aproximava ao lado de suas guardas.  

-Mas como? -Gabrielly estava confusa.  

-Eu não posso morrer. Calypso não acertou meu coração, eu pude me regenerar. Aliás, peço desculpas, deve ter sido difícil, minha rainha.  

-Sim, você é um aliado e amigo precioso. Mas foi necessário, a partir do momento que um ser desliga as emoções, torna-se quase impossível voltar ao seu estado normal.  

-Sim. Mas, o gatilho para ela retornar foi o amor dela por mim. E claro, é correspondido, sempre foi.  

-Me desculpe, eu não sei o que aconteceu comigo. Apenas desliguei.  

-Está tudo bem. Só não faça isso de novo. E que poder foi esse?  

-É uma longa história. -Após se reunirem na sala do trono, Gaby explica tudo o que aconteceu, os seus treinamentos, o poder dado pela Fénix.  

-Luar estar no quarto ao lado de Gabrielly.  

-Sua forma de me fazer voltar foi bem cruel.  

-Sim, peço desculpas por isso. Mas... eu não posso perder você. Não agora. -Ela se aproximava dele, colocando a testa em suas costas continua. 

-Sempre que nos encontramos eu sinto esse desconforto no peito e quando você desaparece... minha vontade de ir atrás é incontrolável.  

-Hum.  

-Eu cometi um erro ao deixa-lo. Pensei que estar ao seu lado estava deixando meu dever de lado mas, isso só me fortalecia. 

-Não... Você estava certa. Desde que eu entrei na sua vida, tenho causado problemas.  

-Quando?? 

-Aquela vez em que você foi possuída.  

-Eu escolhi investigar por mim mesma! As minhas colegas não queriam que eu fosse, mas mesmo assim decidi. Foi uma escolha minha!  Uma escolha minha!  

-E quanto aos magos que atacaram o seu lar?  

-A culpa não é sua se o fato da religião de outros serem maníacas! Pare de se culpar! Antes de te encontrar... eu não tinha emoções Luar. Eu era bruta, fechada, não abria espaços para homens. Mas quando bati meus olhos em você, meu peito aqueceu, meu coração acelerou, não sabia o que era aquilo, até agora. 

-Você continua fofa. Antes de você continuar, quero dizer uma coisa. -Ao se virar, eles trocarem olhares. -Eu confio em você, eu a protegerei custe o que custar, mas meu coração ainda está se recuperando. E eu estou em uma disputa de poder com outra criatura. 

-Quem? Eu o matarei com minhas mãos... 

-Ele não está aqui agora... e você não vai sair de Valhalla. 

-Mas... 

-Escute. Me prometa uma coisa. Viva sua vida, de forma que me deixe orgulhoso por ter tido você como minha esposa, mesmo que por alguns dias.  

-Eu prometo, se você cumprir aquela promessa. Lembra?  

-Sim. -Eles se abraçam.  

-Eu vou esperar até você voltar a ser meu. Não importa com quem se case agora, ou depois, eu esperarei. -Diz Gaby tocando no rosto dele. 

-Agradeço. Eu me apaixonei por você, não pela beleza, mas pelo imenso coração e compreensão. Você é a única que me escuta e sabe das minhas dores, mesmo que eu não as revele em palavras. -Aquela noite Luar fica acordado, enquanto Gaby dormia em seu quarto. Ao amanhecer, a sala do trono havia sido restaurada e Luar impressionado se aproxima da rainha. 

-Minha Rainha, visto que os problemas foram resolvidos, tenho outro assunto para tratar. Gostaria de saber a sua opinião. 

-Prossiga. -Luar havia explicado toda a situação, Calypso tinha uma rixa com o cavaleiro negro do Leste, portanto, foi decidido que para as Valquírias firmarem um pacto de união com o reino do Leste, Raiku, deveria ser tirado do poder, e sua filha assumiria. O jovem lobo aceitou pacificamente, ao partir, no caminho para a cidade encontra Teresa e Lorena.  

-Eu peço desculpas pela forma como agir com você, Lorena. Eu fui imaturo e grosseiro.  

-Meu senhor, não há o porque de pedir desculpas. Só há uma pessoa que devemos culpar. Ele será executado por mim amanhã.  

-Certo, bom, quando retornar, o que acha de treinarmos nós três?  

-Seria uma honra. -Complementa Teresa. Luar parte para casa, solitário.  

-Eu sei que você está me seguindo, Yuusho. -O ninja saia das sombras. 

-Me perdoe, mestre. Eu não planejava trai-lo.  

-Eu sei bem, apesar do ocorrido, você permaneceu firme. Me deixou orgulhoso.  

-Obrigado, meu mestre. E quanto a Malaquiel?  

-Eu decidi aceita-lo. Porém, é meu dever testar a sua força.  

-Meu mestre, me perdoe contraria-lo, mas não acha que você é forte demais para ele?  

-hahahaha sim, por isso que eu pedirei ajuda de Auriel. -Com um leve sorriso, luar e o seu mais fiel ninja, seguem para casa. Ao anoitecer, ele está assando uma carne de veado, até que de repente o local é rodeado por uma névoa.  

-Boa noite, Irmãs Trinity.  

-Boa noite, meu senhor. O lorde Raiku está se recuperando.  

-Vocês vieram para outra coisa, Yuusho!  

-Senhor. Aqui está os dois livros que o senhor me pediu.  

-Yuusho, você confia em mim? -O ninja imediatamente se ajoelha. 

-Eu sou leal ao meu senhor, o servirei com grande satisfação e fidelidade, nesta vida e na próxima!  

-Muito bem. -Após alguns minutos, Luar encontrava os encantamentos necessários para a síntese de um corpo. 

-Prestem atenção. O encantamento exige vários ingredientes e um pouco de tempo, eu irei trabalhar neles no templo de Auriel. Mas preciso saber o tipo de corpo que vocês desejam ter. 

-Nós iremos transmiti-los agora. -Na mente de Luar veio uma imagem de duas moças. 

-Então, tudo bem. Vocês podem me acompanhar se quiser. 

-Nos desculpe recusar, Deus dos raios. Mas voltaremos em três dias. Combinado? 

-Sim, combinado. Em três dias, apareçam no templo de Auriel. Eu as receberei. -Naquela noite, Luar ficou totalmente focado no feitiço, lia o livro várias vezes. No dia seguinte, chega ao templo, é recebido por Auriel e companhia.  

-Eu voltei mamãe.  

-Are are, muito bem. Agora, quero ouvir a sua resposta. -De repente, Blade e Yuusho ficam atrás dele, Miriam e Sakura se aproximam.  

-Eu não entendo o porque de todos agirem dessa forma, mas... eu dou minha benção para os dois. Agora se me derem licença... -Luar se levanta, indo para a sala de ingredientes, após reunir todos, se concentra totalmente na síntese de um corpo vivo. Após um dia no quarto, Santhariel faz uma visita.  

-Irmão? Com licença. Está ocupado? -Ele permanecia em silêncio, ela se aproximava. 

Eu vim agradecer, pela sua benção. -Ele permanecia calado, estava totalmente concentrado misturando poções.  

-Você não vai me dizer nada? -De repente, ele foca nela, respira fundo.  

-Escute, Santhariel... eu estou bem, prometi dar-lhe a benção. O que te preocupa?  

-Você. Aceitando isso tão fácil. Isso me incomoda, sinto que lá no fundo tem alguma coisa. 

-Lá no fundo eu tenho medo de perder o meu raio de sol, mas não posso impedi-la. Quero que seja feliz.  -Ao tocar no rosto dela, trocam olhares. 

-Você sabe, irmão, que eu estarei sempre aqui. -Ela toca em seu coração. Ele responde com um sorriso, a abraçando em seguida. Antes dela sair do quarto. 

-O casamento será daqui a quatro meses, eu estou planejando viajar para a India ao lado do meu noivo.  

-Está bem. -Ele volta a se concentrar. Naquela noite, Luar havia conseguido misturar as poções, o poder da síntese de tecido humano era realmente possível, com sua aura, conseguia sintetizar os ossos, pele, nervos, órgãos vitais, os tipos de tecido, hemoglobina, e todos os componentes celulares responsáveis pela vida. Ele estava ofegante, havia terminado de sintetizar um corpo, e o outro estava inacabado. Ofegante, ao cobrir os corpos com panos, senta encostado na parede e reflete sobre o que havia conversado com Gabrielly, com a luz da Lua passando pela janela, ele cai no sono. No sonho, estava olhando de longe uma casa, onde estava Santhariel e sua família, ela tinha dois filhos, habilidosos e poderosos. Do outro lado das terras, via-se o templo de Auriel, Felicity, Miriam e Sakura treinavam arduamente, até que, Felicity olha para as nuvens, apontando para elas e em seguida para o peito. Para Luar, soava estranho, em seguida para Valhalla, Gabrielly estava ao trono, onipotente, séria, mas ao lado dela, estava um porta-retratos, enquanto o admirava, sentia uma imensa dor em seu coração. Lorde Vlad, Elizabeth, Mario, estava cooperando e se dando bem, cada um dos reinos estava prosperando, ao visitar o reino do cavaleiro negro do Leste, se espantava, não existia nada, apenas uma enorme cratera e de dentro dela, podia-se ver duas estátuas, um gigante homem com chifres, segurando uma enorme espada prestes a golpear, e a segunda estátua, era Luar! Com suas nove caudas e com as mãos no peito do monstro. Naquele momento, ele havia entendido o significado daquele sonho, e dar um pequeno sorriso. Aos despertar, Felicity o encara sem máscara, bem próximo do seu rosto. Ele se assusta, e afasta um pouco. 

-Meu Deus, que susto!  

-Ahh.. Perdão mestre. Eu estava conferindo se estava vivo. -Diz ela toda sem graça. Vermelha de vergonha. 

-Hum.. Duas coisas, a mais importante primeiro. Por que está sem máscara?  

-Eeerr bom, eu queria que você visse meu rosto. É o único homem que eu permitiria tanta intimidade. -Luar fica corado e olha para o lado.  

-Bom, pode colocar de volta. Segunda coisa, o que está fazendo aqui? -A valquíria demonstrava atitudes hiperativas. 

-Eu vim ficar ao seu lado, mestre.  

-Okay. -Enquanto Luar continuava o trabalho, Felicity ficava observando atentamente, na janela um morcego aparece e pousa. 

-Ah, Oi Sakura. -O trabalho prolongou até a noite. Cansado, ele finalmente respira fundo e descansa. Ao descer para a sala, o lugar estava vazio, todos estavam dormindo, ao preparar um chá, senta no sofá, refletindo sobre o sonho que teve outra noite. Solitário, pensa em como seria sua vida assim que Santhariel partisse. No outro mundo, estava sozinho, para ele bastava deixar de lado e viver a vida como todos os outros dias. De repente sente uma energia maciça, densa vindo da floresta. Ao correr para lá, ver os ninjas enfrentando uma criatura angelical. A mesma se debatia, enquanto era preso por correntes de aço. Ao se aproximar da criatura, a mesma olha para ele e começa a tremer, fica paralisada.  

-Eu não sei quem você é... mas está invadindo minha casa, por favor saia.  

-Meu nome é Clark, sou um grifo mutante. Os humanos me criaram sinteticamente. -Luar parou para pensar, quando ressuscitou e reencontrou Santhariel, ela mencionou ter pedido ajuda quando Robert se feriu gravemente. 

-Clark, por que esta aqui? Devia estar na cidade, com os outros.  

-Eu vou aonde eu quiser Lobo! -A criatura o ataca com um raio de luz, destruindo várias árvores, a poeira abaixa e Luar permanece de pé, sem um arranhão.  

-Criaturas humanas, me obedeçam e o ataquem aqui e agora!! -Ao levantar as asas um brilho emana do corpo de Clark, os ninjas ficam paralisado e em seguida atacam Luar, o mesmo desvia de todos, os ataques eram contínuos e sem brechas, até que Yuusho aparecia 

-Yuusho, me ajude, os derrote sem mata-los. O que? -Yuusho se transforma em lobisomem emanando uma aura poderosa, atacando Luar.  

-O que está fazendo? -Após ser atingido no estômago e arremessado para o quintal no templo, ele fica sério. 

-Me desculpe, pupilo, eu não posso permitir que o templo seja destruído. -O lobisomem branco pula para ataca-lo ao chegar ao chão fica paralisado, e Luar logo atrás olha seriamente para Clark, e ao andar em direção a ele, Yuusho espirra sangue pelos seus braços, pernas e peito, desmaiando ali.  

-Ele... é poderoso demais... como posso competir com isso? Flash!! -Os olhos do grifo transmitem uma luz intensa, porém, Luar fecha os olhos, ao se aproximar desfere um golpe no estomago, Clark vomita sangue, se ajoelhando ali e voltando a sua forma humana.  

-Me desculpe, Clark. A penalidade ... por invadir minha casa, controlar meus guardas e amigos, é a morte. -Luar emana uma energia densa na sua mão esquerda, estendendo para o céu, até que. 

-Luar!!! -Santhariel aparecia pela porta do templo, correndo em sua direção, estava triste. -Mamãe morreu Luar... ela morreu. -O coração de Luar acelerou, ele corre para dentro do templo esquecendo totalmente de Clark, a sala e cozinha estavam escuro e ao se aproximar, a luz acendia, todos estavam ali, Lorde Vlad, Mulan, Calypso, Elizabeth, Rayka, Escarlate, Lisanna, John, Michael, a Rainha Mira todos os seus amigos. 

-Feliz aniversário!! -O olhar de surpresa dele era de se esperar. Pela porta, Santhariel entrava ao lado de Yuusho e Clark praticamente curados. 

-Me desculpem por tudo, Yuusho, Clark. -Ele faz uma reverência. 

-Meu senhor, não precisa se desculpar, aproveite sua festa de aniversário. 

-Meu amigo, me desculpe pela encenação, tudo parte do plano de Santhariel, ela queria muito que você tivesse um dia especial. -Ao se virar para todos, ele está de cabeça baixa, lágrimas começam a escorrer. -Eu posso dizer, com toda certeza, que eu tenho os melhores amigos que esse mundo pode oferecer. Obrigado a todos!  

-Aquela noite, todos se divertiam, no quintal, Luar dançava ao lado de suas companheiras. A rainha Elizabeth usava seus poderes, bolas de energia surgiam por todo quintal, indo em direção ao céu, aquela bela imagem, fazia Luar cair em felicidade. Naquela noite, observava a todos, enquanto riam e se divertiam, não desejava mais nada. 

-Irmão vem comigo! -Santhariel o puxava para a floresta. Quando de repente Santhiago aparecia.  

-Yo irmão. -Luar corria e o abraçava. -Me perdoe não poder comparecer à festa, eu trouxe um presente para ti. -Ao abrir a caixa um colar de pedras verdes. -Esse colar tem propriedades de selamento, fui informado do seu poder, assim que ele sair do controle, esse colar o ajudará a contê-lo.  

-Obrigado, eu usarei todo o tempo, meu irmão.  

-Bom, preciso partir, o meu rei deseja que eu realize uma missão. Aproveite seu dia meu amigo. -Santhiago se afastava dali. 

-Você fez as pazes com ele, irmã? 

-Nós nunca brigamos, irmão. Hum? Quem está aí? -Uma bela jovem com sua arpa se aproximava. 

-Acalme-se, é uma amiga. -Luar se aproximava, ao se encontrarem, ela o abraça fortemente.  

-Venha conosco, a festa está longe de acabar. -Ao se reunir com os outros, Euridice conhece a todos, permanecendo naquele jeito tímido de ser. Luar está conversando com os lordes. 

-Luar, o meu presente pedi a Auriel que deixasse no seu quarto, é um pequeno segredo. Espero que goste. -Dizia Elizabeth.  

-Eu espero poder contar sempre com você, meu eterno rival. -Dizia Vlad se aproximando. 

-Sim, eu agradeço a presença de todos. E peço desculpas, devem estar muito atarefados por serem lordes.  

-Não diga isso, é sempre uma honra participar de um evento tão especial. -Mulan dizia envergonhada, ao se aproximar dele, cochicha no ouvido. -Eu deixei uma coisa especial para ti no seu quarto, espero que goste. -Ao dar um leve sorriso, uma voz angelical paralisa a todos, em cima do muro estava Euridice sentada, tocando a sua harpa e cantando, belíssima, os ninjas na floresta param para admirar aquela bela melodia, e quando as luzes saem do chão e vão para o céu, todos ficam maravilhados. Luar desfere um sorriso, Santhariel ao ver aquilo, toma uma decisão. Após horas de festa, todos vão para casa antes de amanhecer, Luar parte em direção à floresta, Santhariel curiosa, resolve segui-lo. Mais a fundo, ele se encontra com uma criatura das trevas. 

-Você trouxe aquilo?  

-Sim, meu senhor. Me perdoe a invasão, mas tem certeza de que vai usa-la? 

-Eu vou pagar pelos meus pecados no inferno, depois que derrotar para sempre, Belzebur. -O ser estranho de capa se ajoelhava perante Luar. 

-Eu peço humildemente que não morra. Será um desastre para nós... 

-Não posso prometer mais nada, eu estou atolado de promessas que não posso cumprir. -Luar olha para as nuvens. -É tudo pela felicidade dela. Nem que eu tenha que dar a minha vida. -O ser de capa desaparece nas sombras, Luar segue em direção a uma caverna e quanto a Santhariel, fica sentada no chão derramando lágrimas. Em seu peito, ouvia-se batidas, seu poder oscilava e de repente uma voz. 

-Ora minha querida, não fique triste. Ele não vai morrer.  

-Quem é?!  

-Eu sou Celeste. A irmã da rainha da escuridão.  

-O que você quer comigo? -Santhariel não sentia más intenções. 

-Quero que destrua a criatura que corrompeu a minha querida irmã. -Aquela noite as duas conversam, enquanto isso na caverna Luar se acomodava. Ao sentar encostado na parede, na porta da caverna, olha para as nuvens, fica pensativo sobre tudo o que está por vir. De repente Auriel aparece. 

-Are are, o que meu lobinho anda fazendo essa hora da noite?  

-Mamãe. -Luar se ajoelha perante Auriel.  

-Are are, deixe de formalidade! Me conte, o que está havendo?  

-Podemos derrotar o monstro Belzebur. -Auriel faz uma expressão facial de alivio. -Não podemos mais deixa-lo viver, nem ao seu exército. Eles... tiraram a virtude de Luna.... -De repente nuvens de raios se formam, relâmpagos caem dos céus. -Eu juro, irei massacra-los um por um, nem que minha aura seja totalmente possuída pela maldição do lorde.  

-Se for assim, iremos juntos. Eu não irei assisti meu filho sozinho, lutando contra a própria escuridão.  

-Mamãe, se você lutar... me prometa, não cair em sono profundo. -Eles trocam olhares.  

-Não posso prometer nada... Aquele tempo de mortes e derramamento de sangue era horrível... mas, particularmente eu não sentia nada. Apenas gostava. Se eu perder você, prefiro mil vezes me tornar a Rainha da morte do que sofrer todos os dias pela perda do meu milagre. 

-Hum? 

-A oportunidade de ter um filho... eu uma Deusa que perdeu tudo. Foi a melhor dádiva que recebi. -Luar se levanta e abraça Auriel.  

-Então iremos juntos. -Os dois seguem para o templo. Auriel vai para a sala de meditação e Luar para o quarto, ao chegar lá, encontra diversos presentes.  

-Ai meu pai. Agora pra dormir, onde que eu entro? -Ao organizar as caixas, encontra os corpos das irmãs Trinity. Decide termina-los. Ao amanhecer, decide descansar o resto do dia, pois a noite, teria mais uma batalha. -Ao anoitecer, os corpos são levados, com a ajuda de Yuusho, para uma lagoa. De repente, uma névoa toma conta do lugar.  

-Meu senhor!  

-Sim, elas chegaram.  

-Boa noite, meu senhor. -As duas falavam em sincronia, a tonalidade da voz era divina, mas ao mesmo tempo preocupante.  

-Preparem-se, eu vou pegar as almas de vocês e coloca-las dentro desses corpos. Exige um controle de energia muito grande portanto preciso de concentração. Apareçam meus fieis ninjas! -Vários ninjas aparecem da floresta. -Eu ordeno que me protejam enquanto faço o encantamento, irei precisar de toda concentração possível. Yuusho, vou precisar de um pouco do seu sangue. -Ao cortar de leve o pulso, o sangue dos dois são colocados em um pote, misturados a outros ingredientes, um líquido viscoso e brilhante toma forma. Luar senta frente ao pote, fecha os olhos e medita. Ao redor dele, uma aura densa e poderosa surge, as pedras no chão começam a levitar, Yuusho se impressionava com a densidade daquela aura, andando para trás devido à pressão da mesma. 

-Eu protegerei. Mesmo que isso custe minha vida! -Ele se ajoelha perante Luar. A névoa é absorvida e armazenada em um único ponto próximo a Luar, onde duas bolas de luzes tomam forma, ele levanta os braços, os abaixando, as almas ficam rente aos corpos, entrando nos mesmos, uma luz forte emana deles e em seguida levitam, Luar observa atentamente. As duas moças abrem os olhos, uma possuía cabelos curtos de cor violeta, assim como seus olhos e a outra tinha os mesmos aspectos, porém, de cor vermelho sangue. Elas trocam olhares, em seus rostos escorrem lágrimas, Luar estava esgotado, de repente sente uma dor enorme no peito caindo no chão. 

-Mestre!! -Yuusho se aproximava.  

-Estou bem. Usei muita.. Energia. -Ele se levanta, ao olhar para as duas, estão ajoelhadas.  

-Nós juramos lealdade a você, nosso mestre. Por favor, nos dê um nome. Ao longo dos séculos, fomos conhecidas apenas como irmãs Trinity, queremos um nome dado pelo nosso mestre. 

-Muito bem, você eu a chamarei de Maria, e você... -Ele se aproxima da de cabelo vermelho, colocando a mão sobre a cabeça e a acariciando. -Você é Carmesim.  

-Obrigada, meu mestre. -As duas falavam em sincronia.  

-Agora, vão. Qualquer notícia no reino do Leste, venham me avisar imediatamente. E me prometam uma coisa, cuidem sempre uma da outra. 

-Sim, meu senhor. -Elas desaparecem em meio a névoa. Ele cambaleia e se ajoelha ofegante. 

-Mestre! Deixe-me ajuda-lo.  

-Eu usei muita energia... controlar uma alma  de uma fada e coloca-la dentro de um corpo de uma forma que ele não a rejeite é muito... difícil. Yuusho... eu estou contando com você. -De repente Luar cai no sono. Ao acordar, está em seu quarto, ao descer as escadas, não encontrava sua família, no chão da varanda tinha sangue, ao sair, ver no quintal Belzebur, ao redor dele toda a sua família morta, partes dos corpos estavam jogados para todo canto, e enquanto ao monstro, em uma mão segurava Gabrielly pelo pescoço, estava morta, e na outra mão um bebê ainda ligado a gabrielly pelo cordão Umbilical. Aquela imagem aterrorizante fez com que o coração de Luar caísse nas trevas. Ao despertar do terrível pesadelo, estava totalmente diferente, se levanta, desce as escadas, passando por todas sem cumprimenta-las, indo em direção a montanha, onde a espada da rainha da escuridão estava selada. Ao chegar lá, antes de pega-la, é jogado para longe do templo por Auriel. 

-O que pensa que está fazendo? Ugh! -Ao olhar para a face dele, estava lacrimejando lágrimas de sangue. De repente ela invoca suas nove caudas, estava concentrando toda a sua energia, quando os ninjas aparecem, Sakura e Miriam ficam ao redor de Luar. 

-Eu preciso da espada, mamãe. Se não... minha filha vai morrer... -Auriel fica espantada. De repente Santhariel aparece em frente a ele. 

-Eu perguntarei apenas uma vez, está quebrando nossa promessa? -De repente, o coração de Luar desacelera, as escleras voltam a sua coloração branca, Luar cai de joelhos, e começa a chorar, suas lágrimas transparentes, limpam o sangue, voltando ao normal. 

-Eu já falei. -Santhariel coloca a cabeça dele em seu peito e o abraça. -Divida a sua dor comigo. Assim como eu a divido com você. Não está sozinho. -Ele continua a chorar. Ranga se aproximava dali, lambendo sua mão, pede carinho. Luar desmaiava. De volta ao castelo do lorde Vlad, o mesmo está com sua companheira na varanda.  

-Meu senhor. Sentiu isso? 

-Sim, é como uma bomba que está prestes a explodir. Ele tinha razão em me pedir que melhorasse o poder de selamento, acredito que nem mesmo o meu mundo resistiria a aquele poder.  

-Mestre, talvez devêssemos sela-lo agora. 

-Você nunca mais o veria.  

-Na verdade, veria sim. Porque eu iria junto com ele. -Vlad estava em uma posição difícil.  

-Eu não pretendo fazer isso agora. Ele precisa derrotar Belzebur primeiro. Hum... Mathriel, prepare-se, partiremos para o reino dos Elfos de Cristal imediatamente.  

-Sim, senhor. -De volta ao reino dos Elfos da Floresta, Elizabeth sente um incômodo no peito.  

-Minha Rainha?  

-Escarlate, traga Rayka aqui, imediatamente. -Após ouvir as palavras da rainha, Escarlate vai a procura de Rayka. Procura no bar, porém, não a encontra, os antigos amigos de briga, também não sabia nada sobre ela, na volta para o castelo, em cima de uma casa, a encontra olhando as nuvens. 

-Está pensando nele?  

-Ah, Oi, Escarlate. Sim, todos os dias.  

-Hum... Ele realmente mudou você. 

-Sim, antes, eu estava machucando a mim mesma por ter sido abandonado. Queria morrer também. Mas agora que tenho meu irmão de volta, tenho planos para o futuro.  

-Hum.. Vamos lá, a rainha solicita a sua presença. -Rayka estava insegura, ao chegar na sala do trono, se ajoelha perante a rainha. 

-Rayka, quero que você vá até o templo de Auriel, eu preciso que você peça a ela uma pena de pavão dos campos Elíseos.  

-Sim, minha Rainha, partirei imediatamente.  

-Ah sim, esse será seu parceiro. -Um gato pequenino aparecia da magia de Elizabeth, era azul o corpo e a parte de baixo branco. 

-Muito prazer, meu nome é Meow. -Simpático e alegre, ele flutuava ficando ao lado de Rayka.  

-Que fofo. -Após ela o colocar em seu ombro, segue viagem. Ao longo do caminho eles conversam, se conhecendo mais e mais até que são encurralados por bandidos.  

-Meow!! Atrás de você! -Rayka os acertava com flechas rapidamente, sua habilidade no arco era incomparável. 

-Hahahahahahahha parece que a serva ficou mais experiente!  

-Dufart!!! -Com uma velocidade anormal, Rayka atira três flechas seguidas contra o mesmo, porém, as flechas param no ar, caindo no chão. 

-Droga... Meow, eu vou criar uma abertura, vá atrás do meu irmão. Pegue um fio de cabelo, ele vai me encontrar. Agora! -De repente Rayka avança para os inimigos, matando um a um com suas espadas, até que Dufart a golpeia, a mesma está desmaiada, enquanto o pequeno voava para longe. 

-E aquele gato? -Um dos cavaleiros argumentava. 

-Hahahahaha... deixem ele, uma barata não vai impedir o nosso plano. -De volta ao templo de Auriel, Luar está lutando contra Santhariel, em meio a vários golpes, ele brinca a abraçando pelas costas e a segurando.  

-Eu não consigo deixar de admirar o seu perfume. -Ela fica sem graça e envergonhada o segura pelo braço, jogando-o no chão.  

-Eu não cairei mais nos seus truques. 

-Cof cof.. É uma pena. -Um gato pequeno descia dos céus, pousando na barriga de Luar. 

-Ora ora ora. -Ele o segura. -O que houve amiguinho?  

-Arf arf arf.. Rayka! -Luar já sabia o que significa, ao se posicionar para o Leste, com um enorme impulso salta rapidamente. 

-Me conte o que aconteceu!  

-Ela foi, raptada. Aqui, um fio de seu cabelo. -Após farejar, segue rapidamente para onde o cheiro levava. Trevas oscilavam no corpo de Luar, o lugar ao qual ele passava ficava quente, enquanto que no templo.  

-Mamãe, Luar partiu rapidamente para o reino dos Elfos da Floresta. 

-Yuusho está na sombra dele, está tudo bem. Só espero que ele não deixe a escuridão domina-lo.  

-Auriel, me permita ir busca-lo. Por favor. -Felicity estava preocupada.  

-Não, eu preciso que todas vocês façam algo. Venham. -Ao entrar no templo, todas estavam preocupadas. De volta a estrada, Luar estava sério, sua respiração estava lenta e calma. Mais ao Oeste do Palácio dos Elfos da Floresta, um enorme campo aberto e no meio, o exército estava acampado, contava mais de vinte mil homens. Luar andava calmamente para ele. 

-Pare! Saia daqui seu inseto! -Os guardas ficavam paralisados, depois desmaiavam. Enquanto andava para mais fundo do acampamento, os soldados o cercavam, todos se afastavam, por medo, aquela imensa aura emanada do corpo de Luar, estava densa e poderosa. Ao olhar para o leste, estava Rayka, ferida, machucada, parte das suas roupas rasgadas, ao se aproximar, toca em seu rosto, a curando. Ela desperta. 

-Irmão... eu sabia que você viria. -O lorde Dufart se aproximava, estava fisicamente diferente, mais musculoso e sua aura estava poderosa.  

-Ora ora ora, o lobisomem que derrubou o meu reino! Eu esperava que fosse enfrenta-lo logo depois de retomar o meu reino.  

-Quem deu... permissão para você falar? -Luar olha para ele com um olhar assassino, frio, Dufart se assusta e começa a suar frio. -Você machucou o meu bem mais precioso, prepare-se para o inferno!! -Ao cortar as correntes com seu poder de raios, Luar e Rayka levitam para o céu, ficam acima do acampamento.  

-Nenhum deles sobreviverá! -Ao levantar seu dedo, apontando para o céu, um dragão de raios tomava forma e outro de gelo. 

-Sintam na pele a fúria dos Deuses!! Wyvern!!! Malak!! -Os dragões soltam um imenso rugido, pequenas lâminas de gelo são criadas ao redor do exército e com o elemento raio, as lascas de gelo perfuram as cabeças de todos os soldados ali em uma velocidade anormal. Assustados e com medo, tentam fugir, porém, o massacre não tem fim, mulheres e homens são mortos em segundos. Dufart se ajoelha enquanto observa seu enorme exército ser totalmente massacrado. Após alguns minutos, o silêncio reinava sobre o acampamento, ao descer para o chão Luar olha diretamente nos olhos do antigo rei. 

-Tenha consciência de que está vivo por bondade e a pedido da minha rainha. -Ao terminar de falar, o braço de Dufart é arrancado, o mesmo deita no chão gritando, em seguida a perna esquerda. Depois de alguns minutos, ele põe os membros no lugar e os arrancava novamente. O olhar de Luar estava sem o brilho de antes, enquanto olhava, aos poucos um sorriso tomava forma, Rayka ao notar, percebe que estava perdendo seu amado irmão e o abraça. 

-Não.. Não não nãããaaoooo!! Não me deixe de novo irmão! Por favor! -Ela estava chorando. Até que ele põe a mão na cabeça dela a acariciando. 

-Tudo bem, se você está me pedindo eu o pouparei da dor. -Após congelar as mãos de Dufart, Luar se transforma em um Lobisomem, em um braço, segurava rayka e o pequeno gato, e na outra mão, levava o antigo rei, com um salto, partem para o Reino dos Elfos da Floresta. No reino, a Rainha estava descendo da Carruagem, quando lisanna a recebe.  

-Minha Rainha, seja bem vinda. -Diz ela se ajoelhando. 

-Como estão as coisas por aqui, Lisanna? 

-Como a senhora ordenou, acompanhei os camponeses durante a plantação, ordenei que os meliantes brigões ficassem longe de problemas e quanto a Rayka, segundo mensagem por telepatia do Meow, ela foi raptada minha senhora. Porém, já foi salva.  

-Hum.. E por quem?  

-Por ele, minha senhora. -Um lobisomem meio prateado e negro pousava, próximo dali os guardas se aproximam, protegendo a rainha, ao voltar a forma humana, Luar se aproximava.  

-Deixem, ele é o nosso aliado. -Ele se aproxima, ao jogar Dufart para as escadas, os guardas o seguram. Luar se ajoelha.  

-Minha Rainha como ordenado, eu trouxe seu marido vivo. -Rayka estava segurando meow, preocupada.  

-Levem-no para a masmorra!!  

-Espere! -Luar se aproxima dele, o mesmo tenta se afastar, com medo e assustado. -Não resista! Eu já gravei bem o seu cheiro...se fugir, irei atrás de você, o caçarei e quando o encontrar....  

-Luar! -Elizabeth levantava a voz. Na mesma hora ele se ajoelha perante a rainha.  

-Me desculpe, minha rainha.  

-Muito bem, levem-no! Luar, vamos me siga. -Luar seguia a rainha e Rayka ao lado. Ao chegarem no trono eles conversam. 

-Luar, peço perdão pela minha forma de agir. Ele é meu marido, até a separação e sentença, ele é meu marido.  

-Minha Rainha, não há nada pelo que se desculpar, a sua ordem, para mim, é absoluta, se faltei respeito, eu aceito humildemente a punição. -Os guerreiros ao redor, ficavam espantado com a educação e o respeito de Luar, Lisanna ao lado da Rainha ficava corada.  

-General Lisanna! -A rainha notou sua postura. -Quero que acompanhe Luar até a saída da cidade, assegure de que ele saia em segurança. -Luar aceitava sem hesitar. Enquanto era levado por Lisanna. 

-Eu passei muita vergonha.  

-Eu não vi nenhum ato errado, meu senhor.  

-Lisanna, peço que, por gentileza, oriente a rainha a localização do exército do Marido dela. Conto com você.  

-Sim senhor. Tenha uma boa viagem. -Ao longo da estrada, ele refletia sobre o ocorrido. Na estrada passa por um pequeno vilarejo, onde encontra um bar, ao sentar e tomar seu suco sossegado, ouve alguns rumores.  

-Hahahahaha aquele príncipe Arthur, não tem nada de poderoso. Só foi um homem simples chegar ele se borrou todo!  

-Haha parece que eu sou muito mais indicado para reinar! Mataria quem me enfrentasse! -Luar escutava calado, afinal estavam bêbados, fora de si.  

-Vocês não sabem nada a respeito dele! -um jovem se levanta do fundo do salão, se aproximando deles. -Vocês abrem a boca, falam essas asneiras, mas ao sentir o fio da lâmina rente ao pescoço, se borram de medo e imploram pela vida! -Em seguida, o jovem senta ao lado de Luar.  

-Mestra? Uma dose para o meu amigo, por minha conta. -Diz Luar.  

-Agradeço. Como está sua família?  

-Está muito bem. E você? Parece que tem encontrado muitos desafios, Dark. -No rosto do jovem, estava uma cicatriz no olho direito. 

-Sim, eu tive que sacrificar muitas coisas para ficar mais forte, senhor. -A mestra traz o suco especial. 

-Você está bem, meu senhor? -A moça parecia estar apaixonada por Luar. 

-Melhor agora, por ver uma bela mulher neste lugar.  

-Hummm.. Por conta da casa. -Ela enche o copo de Luar, seguindo para o canto do bar, atendendo cliente.  

-Meu senhor, você se dá bem com as mulheres.  

-Parece que nosso amigo, é um galanteador! -Um guerreiro se levanta de uma mesa no fundo, os companheiros o seguiam.  

-Escute, se eu fosse você não falaria mais nada. -Dark intervia.  

-Calado garoto! Hum. -O guerreiro colocava o braço, circulando Luar. De repente a mestra bate na mesa.  

-Escute aqui! No meu bar não! Se tem assuntos para resolver, vão pra fora! -Luar se levantava, de repente a aura dele aumenta, ficando densa. O guerreiro anda pra trás e começa a soar. Ele se aproximava do guerreiro e no ouvido, sussurra. -Se eu fosse você, ia embora daqui, der valor a sua vida. Eu não quero mais sangue nas minhas mãos. -O guerreiro está ofegante e decide ir embora do lugar, os parceiros ficam sem entender. Luar senta novamente. -Obrigado, Mestra. -Ela sorri para ele, de forma apaixonante.  

-Homens como ele tem em todo lugar, infelizmente.  

-Sim, Dark, sua participação no nosso treino seria de grande ajuda. Eu faço o convite novamente. 

-Eu não sei se Santhariel gostaria disso.  

-Na verdade foi ela quem me pediu, logo depois do torneio. Eu aprovo a sua participação. -Após aceito o convite, Luar indica o local e lhe entrega um pergaminho com a assinatura e permissão para passar pelos ninjas. Após se separarem, ele segue para um hotel. Ao chegar no quarto, deita e dorme. No dia seguinte, parte para a estrada. Ao refletir sobre vampiros, ele lembra de Fagner e decide passar por Retfield, em seguida para o antigo castelo do Príncipe Arthur, Luar precisava relaxar, e naquele reino, foi o único ao qual se sentia em paz. Ao se aproximar de Retfield, explorava o lugar, todos os humanos haviam voltado, os vampiros haviam partido. Estava próspera novamente, no mercado, compra uma capa preta. Ao sair da cidade, estava usando o capuz, o fato de ser Deus dos Raios e ser admirado pelos outros, não o agradava. Ao chegar em TruesDale, havia descoberto o nome da cidade por um viajante. Entra na cidade e encontra o porto, ao sentar em uma ponta, a sereia, aparece.  

-Boa tarde, meu senhor.  

-Mitsuhide, como vai? 

-Oh o senhor lembrou o meu nome.  

-Claro, assim como a sua voz. Gostaria de ouvi-la um pouco. -A sereia dar um leve sorriso e começa a cantar, a sua beleza e plenitude faziam a cabeça dele mais leve. De repente uma flecha atinge a madeira próximo de Luar, os guardas se aproximavam, ele estava perdendo a paciência com tal ato. 

-Você! É proibido a sua cantoria nessa cidade! -Luar ficava frente a frente com o guarda. 

-Onde está escrito que ela é proibida de cantar? 

-Essa é a minha lei! Afaste-se, ponha as mãos na cabeça.  

-Hahahaha... Se ajoelhem! -De repente os guardas ficam ajoelhados, devido à pressão que Luar emanava.  

-Mas.. Que poder é esse.. Ai..  

-Como ousam desrespeitar um Deus! -Ao tirar o capuz se identifica, os guardas se assustam. -O pecado por este crime, é a morte!  

-Por favor.. Nos perdoe.  

-Perdoar? Para repetir o erro assim que estiverem longe?  

-Nós aprendemos a lição! Por favor. 

-Meu príncipe. -Mitsuhide falava. -Deixe-os ir. Por favor.  

-Estão vendo? A moça a qual vocês ameaçavam, me fez um pedido, a bondade e pureza dela é mais valiosa do que vocês!! -Um relâmpago surge de repente. -Vão! E se eu encontrar vocês fazendo coisas erradas... não terei piedade. -Os guardas correm, enquanto ele volta a se sentar ao lado da sereia.  

-Você está bem?  

-Sim, meu príncipe, estou acostumada. Nem todos admiram minha voz. -Ao notar a expressão triste da sereia, com uma das mãos, aponta para o mar, levitando uma bolha de água, ao colocar na mão e cobri-la com a outra mão, usa sua aura de gelo, para fazer uma rosa.  

-Pegue, meu presente para você. Esse gelo nunca vai derreter. Não importa quantos graus, ele não vai derreter.  

-own, eu agradeço, meu príncipe. -Toda envergonhada, seu rosto estava vermelho, e ao pegar a rosa dar um beijo no rosto dele, mergulhando no mar. Luar sem graça, usa o capuz e em seguida parte para a cidade, havia uma loja de livros de magia, ao entrar, avalia todos eles, achou um livro interessante, sobre invocação e prisão espiritual.  

-Ahh.. Olá. Moço, desculpa interromper. -Uma bela Elfa se aproximava. 

-Sim, minha querida, o que deseja?  

-A loja está pra fechar, eu não queria atrapalhar sua leitura. 

-Eu entendo, minha querida, eu decidi levar esse tomo. Irei compra-lo e já vou embora. -Após a conversa com a Elfa, ele busca um hotel para descansar, ao aluga-lo, estuda o livro a noite inteira, o poder de controle era absurda, porém com um pouco de esforço, ele consegue controla-la. No dia seguinte, decide conhecer o rei da cidade. Ao se aproximar, uma mulher, de cabelos encaracolados e loiros, sentava ao trono. Luar se aproxima e se ajoelha. 

-Rainha, meu nome é Luar. Me perdoe aparecer assim sem avisar.  

-Eu o conheço, jovem. Você é conhecido no meu reino como Deus dos raios, por favor. Levante-se. O que posso fazer por você? 

-Me desculpe essa pequena observação, alguns dos seus guardas agem por impulso e pela própria lei criada na cabeça deles. Gostaria que a senhora colocasse guardas em que possa confiar de verdade. -O olhar de Luar era calmo e pleno, o que fazia com que a rainha ficasse preocupada e soada.  

-Sim, eu irei eleger um novo general. Obrigado por sua informação.  

-Muito bem, eu partirei logo logo, Rainha. -Ao se levantar e despedir da rainha, parte para a cidade, a sua beleza confortava a mente dele. Mais ao longe, no porto, vê a sereia, antes de partir decide se despedir, ao se aproximar a mesma estava arranhada nos braços e o rosto machucado.  

-Minha sereia, quem fez isso com você? -Diz Luar, curando-a com sua aura. 

-Na praça central...  

-Você vai voltar lá, tudo bem? Eu quero ouvir a sua bela voz, minha sereia. -Na praça central, a sereia surge da fonte, começa a cantar, Luar estava se sentindo revigorado. Ao observar um grupo de guardas se aproxima.  

-Ora ora, você é bem corajosa de aparecer aqui novamente! -O guarda a segura pelos braços,. Puxa para fora da água a derrubando no chão. Luar aparece de repente o golpeando uma vez no rosto, o guarda voa para uma casa, desmaiando ali.  

-Vocês não sairão daqui ilesos. -Os olhos azuis brilhavam, ao redor deles um muro de gelo se forma. Os guardas estão assustados, um a um Luar os derrubava, os mesmos desmaiavam ali. Ao desfazer o muro, pega a sereia no colo a colocando na água. 

-Você está bem, minha sereia? -Ela estava vermelha de vergonha. -Trovão, apareça!! -Um lobo de gelo aparece. -Mitsuhide, esse lobo a acompanhará por todo lugar, ele vai protege-la. Obedecerá apenas a você. -Ela agradece, mergulhando voltando para o mar ao lado de trovão. Enquanto Luar reunia os guardas em frente a fonte, pegava o chefe e o colocava em frente aos guardas. Ao acordar, Luar está de frente pra ele. 

-Acordou, inseto. -O guarda ficava calado. -Isso, permaneça calado. -Luar o força a se ajoelhar perante os guardas, que haviam acordado.  

-Escutem, é uma ordem do Deus dos Raios. -Eles ficavam assustados. -Eu ordeno que parem de causar problemas, a sereia é a minha aliada! -Caudas apareçam atrás dele. -Eu não quero ter de voltar aqui para cuidar de vocês... então.. Estejam avisados!  

-Sim senhor! -Todos estavam com medo. Assustados. Ao se levantar, corre para o batalhão. Luar partia de volta para casa. Pensativo. De volta ao templo de Auriel, todas estavam juntas, e Lorde Vlad estava presente. 

-Eu tenho uma forma de separa-lo da maldição.  

-Por favor! Nos diga! -Santhariel estava exaltada. 

-Are are, prossiga, Lorde.  

-Luar precisa liberar todo o seu poder e junto a maldição. Com ela ativa, o cristal de Muspelheim vai cumprir seu papel. E apenas a maldição será selada.  

-Todas estavam chorando, Miriam se levantava e estava a ponto de sair, quando é impedida por Auriel. 

-Pare! O que pensa que vai fazer?  

-Meu pai precisa usar todo o seu poder de lobo da escuridão, com o meu poder atual eu não serei capaz de detê-lo até que o Lorde Vlad esteja pronto. Eu estou indo treinar, por favor Auriel, preciso da ajuda de Blade.  

-Are are, vá. Blade a espera lá fora.  

-Luar é especial para todas vocês.  

-Sim. Ele é a minha chama. Sem ele, meu coração entra em uma tempestade eterna. -Sakura falava. 

-Mamãe, eu decidir ficar aqui, não irei para a India.  

-Nada disso, se você quisesse ficar com ele, não teria casado. Assuma seu relacionamento, vá ser feliz. Nós iremos garantir que seus filhos vivam um mundo sem o Caos. -Auriel dá um leve sorriso.  

-Eu, Lorde Vlad, darei a minha vida para salvar o seu filho, Auriel.  

-Muito bem, temos muito a discutir, os outros lordes também vão entrar na batalha, precisaremos informa-los de tudo.  

-Me perdoe perguntar, Auriel, quanto Luar está forte? Você deve saber, visto que já lutou contra ele várias vezes.  

-Huhuhuhu Are are, apesar disso me fazer feliz, o meu filho, Luar, ele é mais forte do que o Rei do Caos. Possui dez vezes mais o poder dele. -Vlad paralisa por alguns segundos, depois dar uma risadinha.  

-Meu eterno rival, sempre soube que era incrível.  

-Ao anoitecer, Luar faz uma fogueira próximo de um rio. Ao ouvir sons de asa batendo, ele se levanta e posicionar para atacar. De repente o ser o segura pelo braço o jogando no chão ficando por cima dele, ao olhar para a criatura, era Ganrielly, estava vermelha, demonstrava felicidade e saudades, ela o beija. 

-Espere, Gabrielly. O que está fazendo? 

-Eu jamais irei abandonar você. Luar não resisto a esse seu charme, seu corpo me seduz e quando você é gentil comigo eu perco totalmente o controle. 

-Gabrielly eu já falei meu coração está...-ela põe o dedo na boca dele.  

-Shhhh... eu vou catar cada lasca dele, o juntarei, de uma forma que jamais quebre. E sabe o que vou usar pra colar? -Ela cochicha no ouvido dele, o mesmo fica vermelho.  

-Se fizermos aqui... nós estaríamos quebrando uma promessa. -Ela o acaricia. 

-Por mim, eu sou a favor de desfazer a promessa. E você, meu lobo? -Ao olhar diretamente nos olhos dela, o coração havia caído em amores novamente, ele a beija de forma apaixonada, a cada minuto o fogo da paixão aumentava. Ele tira a roupa dela, enquanto acaricia parte de seu corpo, ela tira a calça dele e com movimentos leves e cuidadosos se diverte um pouco, ao domina-la no chão, luar desce para a barriga, beijando-o, em seguida mais em baixo, Gabrielly perdia o controle enquanto gemia de prazer. -Realmente quer fazer isso? E a sua mãe? 

-Cala a boca. Esse momento é nosso e só nosso. -Luar havia dado início aquela noite de prazer e paixão. Ao amanhecer, Gaby se levanta e estica as asas, ao olhar para Luar, fica vermelha, e se deita com ele.  

-Se não for oficial, eu juro que não vou te perdoar gaby.  

-Mesmo que a gente não esteja em compromisso... você é meu e só meu. 

-Luar senta e fica de costas para ela. -Ontem à noite eu queria você mais do que tudo, passamos horas juntos e você era a única nos meus pensamentos.  

-Desde quando?  

-Desde sempre. Mesmo depois da gente separar, eu pensava em você.  

-Comigo foi igual... eu... sozinha no quarto.  Pensando em você... 

-Eerr não precisa continuar hahahaha.  

-Eu fiquei sabendo do seu relacionamento com Mulan.  

-Sim, é verdade. Eu amo as duas. Mas... a maior parte do meu coração você o tem.  

-No final... vai precisar ficar com uma.  

-Eu só tenho uma única opção. E não é nada bom. Enfim.. eu vou pegar um peixe. 

-Gabrielly o segura, derruba no chão ficando por cima. 

-Me fale dessa única opção... ou se não, hoje eu vou me divertir com você... o dia inteiro sem descanso. Eu aguento, já você... 

-Você tem certas formas de chantagem que me deixam muito sem graça.  Só te direi uma coisa. -Ao se aproximar, cochicha no ouvido dela. -Após a batalha de Belzebur, eu farei com que você dê um sorriso, e esse sorriso abrirá os céus, marcando uma nova era de paz para o mundo. E você jamais vai me tirar da cabeça. -Ela faz movimento de vai e vem no colo dele.  

-Arr..você me deixou animada de novo. -Após se beijarem, um ninja aparece das sombras.  

-Meu senhor. Me perdoe a interrupção.  

-Eu vou mata-lo...   -Gaby sacava sua espada.  

-Não não... não amor. Se acalme. -Ela se vira e veste uma roupa. 

-Agora me diga, o que veio fazer aqui?  

-Meu senhor, Auriel solicita sua presença. É urgente.  

-Certo, eu partirei essa noite. Vá, proteja minha mãe. -O ninja desaparecia na sombra. 

-Se é importante nos devíamos ir. -Dizia Gabrielly colocando sua armadura. Até que Luar a impede, a abraçando por trás, acariciando seu corpo.   

-Eu tenho que matar a saudade de você primeiro. Você fez o Leão sair da toca..   

-Hihihi Miau. -Aquele dia, os dois ficaram juntos. O tempo que passaram separados, foi esquecido em apenas algumas horas. Era tardinha, enquanto luar assava uma carne de coelho, Gaby olhava para ele provocante. Naquele momento ele havia descoberto o motivo para lutar contra Belzebur.  

-Você é tão fraco...  -de repente, uma criatura misteriosa falava com luar, ao olhar em seu interior, pôde ver uma loba rodeada por chamas negras e suas nove caudas.  

-Então é você a maldição do lorde.  

-Garoto... o que você deseja não está nessa mulher. -Luar apenas escutava. -O poder... a força... o sangue. Encontrara dentro dela! Mate-a.  

-Calada. -Ao olhar para a criatura, a mesma fica paralisada, Luar força o grande lobo a se deitar com sua aura, ao se aproximar, o encara, olho no olho.  

-Não sei o que planeja, mas eu não deixarei você sair.  

-Hehehehehe... humano tolo. Ao primeiro sinal de fraqueza eu dominarei seu corpo.. e assim terei a minha vingança.  

-A que você se refere?  

-Ao rei do Caos! Ele vai morrer pelas minhas garras!! -Ao soltar um uivo, Luar se afastava um pouco, a pressão, o poder do lobo havia aumentado.  

-Está disposta a fazer um acordo comigo?  

-Hum??? Prossiga. 

-Quando chegar a hora, e eu estiver cara a cara com o Rei do Caos. Eu o deixarei tomar meu corpo. Para se vingar. Em troca, você não me possui, me deixe viver com minha família, e também quando eu perder o controle, você não vai machucar aqueles que eu amo.  

-Por que está fazendo isso, humano? Você não entende pelo que eu passei não viu o que eu vi, não sentiu o que eu senti, como você se atreve a sentir pena de mim!  

-Eu apenas acredito que... Você merece ter a sua vingança, e eu a ajudarei. Enquanto isso, fique quieta dentro de mim. Eu prometo, cumpri o meu lado.  

-Humm... -A loba da escuridão, se acalma e antes de dormi ela diz.  

-Meu nome é Sky. Também cumprirei a minha parte do acordo. -Luar ao despertar do transe, estava Gabrielly a sua frente, olhando preocupada.  

-Acordou, amor? 

-Me desculpe preocupa-la, agora está tudo bem. Por enquanto. -Ao sair do acampamento, segue para casa. Ao se aproximar da floresta, podia sentir os ninjas ao seu redor.  

-Hum.. alguma novidade? -Um ninja aparecia das sombras, ao lado de Luar.  

-Sim, meu senhor, recebemos uma carta de Emma. Ela solicita a sua presença no castelo. Calypso enviou um presente para o senhor, nossa mestra tratou de deixar em seu quarto e por fim, Raissa enviou uma mensagem, nenhuma ameaça do portal foi identificada desde que o senhor cuidou da criatura.  

-Muito bem. E quanto a Santhariel? Ela está bem?  

-Sim, meu senhor. Me perdoe pela ignorância, mas, tem uma energia imensa crescendo dentro dela, meu senhor... isso me deixa com calafrios. -Naquele momento Luar para de andar. Ao respirar fundo, segue para o templo. Ao Oeste, no campo de treinamento uma explosão. Preocupado Luar vai para lá, ao chegar, Miriam estava totalmente diferente, sua aura estava imensamente poderosa, Blade estava ferido, ao notar a presença de seu pai, ela volta ao normal indo em sua direção o abraçando fortemente. 

-Estava preocupada, pai. 

-Não precisa se preocupar, os únicos que podem ferir seu pai, é Zeus e Poseidon. O resto, não podem me enfrentar.  

-Hihihi, você quer que eu mate eles? -Luar estranha o comportamento de Miriam, normalmente é amável, carinhosa e amigável.  

-Miriam, vamos conversar sobre isso outra hora. -Após curar Blade, os dois continuam o treino enquanto Luar seguia para o templo. Ao chegar la, encontra ranga deitado na varanda descansando.  

-Grande garoto, cheguei amigão. -Após acaricia-lo, vai para a sala, estava vazia. Despreocupado segue para o quarto. Dorme a tarde inteira. Ao anoitecer, desce para a cozinha, ao passar pela sala não encontra as garotas. Começa a ficar preocupado. Miriam chega na hora.  

-Miriam, onde estão as garotas e a minha mãe?  

-Eu não sei. Estava treinando com Blade o tempo todo, não participei da reunião particular delas. Mas era relacionado a você, papai.  

-Hum. -Ao sair para o quintal, olha para a Lua, aquela noite estava tão bela, diferente das demais. Ao fechar os olhos, sente o lugar ao redor, o vento, os pássaros nos ninhos enquanto dormem, os animais. Podia sentir cada ninja nas sombras, a respiração de cada um deles. Até que enxerga Gabrielly indo mais a fundo da floresta, decide segui-la. Ao vigia-la, descobre que não era a sua amada e sim uma criatura do mar, após se transformar, a criatura entra na lagoa. Luar perdia a cabeça, sua aura havia aumentando de uma forma imensurável. Auriel e os ninjas aparecem ao redor dele. 

-Filho... 

-Eu quero ficar sozinho... 

-Mas filho.. 

-AGORA!! -Caudas aparecem, um vento forte emana de onde Luar estava. Os ninjas retornam as sombras e Auriel desaparecia. Ele se dirigia para mais fundo na floresta onde encontra uma caverna. Ao entrar mais a fundo, fica ali, pensativo e derramando lágrimas. O fato de ter perdido sua virtude com alguém estranho o machucava.  

-Garoto... Não se deixe enfraquecer.  

-Sky, agora não... 

-Se não tivéssemos feito o acordo eu já o teria dominado ali. Foco nos seus objetivos garoto.  

-Eu... me entreguei porque pensava que era ela... agora me sinto um idiota.  

-Aquela criatura sabia muito sobre você.  Se não tivesse tão apaixonado notaria algumas coisas.  

-Tipo o que? 

-Por que diabos Gabrielly estaria fora do reino? Por que abandonou a sua mãe e o seu povo? Para ter um relacionamento sexual com você? E o mais importante... ela não emanava o mesmo aroma de antes. -Aquele momento Luar havia perdido ainda mais a sanidade. -Acalme-se. Agora, você deve prestar mais atenção na sua irmã.   

-Santhariel? Ela vai se casar. Vai morar longe desse País. Estará segura.  

-Mas ela sabe que você vai dar sua vida para petrificar Belzebur?  

-Hum...  

-E aliás, me referia a Emma. Aquela garota tem uma aura sinistra e misteriosa.  

-O que quer dizer?  

-Enquanto você a curava pude ver o que se passa na sua mente. Um mundo diferente do nosso. Carros totalmente diferentes e naquele mundo existia apenas humanos. Que mundo horroroso.  

-Era o meu mundo. Então...assim como eu, ela reencarnou nesse mundo, mas não se lembra da vida passada. 

-Sim... mas tem outra coisa. Ela estava ligada a algum tipo de magia arcana. Incrivelmente poderosa.  

-Eu... vou protege-la. Mesmo que custe minha vida.  

-Hummm.. Claws está dormindo faz dias. Está acumulando uma quantidade imensa de energia. 

-Sim, Sky. Ele é meu parceiro. Eu confio totalmente.  

-hummm... Por que você luta?  

- Não está óbvio? Pela minha família.  

-Está mentindo... humano!  

-ham? 

-Eu sinto sua aura e seu coração... suas palavras se contradizem.  Mas tudo bem... você descobrirá com o tempo. 

-Sky... quero agradecer por tudo.  

-O que está dizendo garoto!!?  

-Naquela hora, no torneio quando enfrentei aquela criatura, foi graças as suas chamas que eu pude mata-la.  

-humpfh! Não fiz aquilo por você.. se tivesse morrido ali, eu demoraria mais uma década para reencarnar e ter minha vingança.   

-Se você diz, então tudo bem. -Luar cai no sono, enquanto isso, Sky, a imensa loba das chamas negras, fica pensativa sobre a conversa.   

-Você está sendo muito boazinha. Depois de séculos de puro ódio. -Claws fala com ela. 

-Calado lobisomem. 

-Foi assim comigo também. Tem algo nesse garoto que faz com que o ódio desapareça.  

-Eu ouvi a sua história... a força que teve para não matar aquele lobo branco é de se admirar. Eu não teria escutado ele.  

-Isso que nos torna o que somos. Eu não sei pelo que você passou, mas, tenho certeza de que conseguirá o que quer. Lhe darei um último conselho. Pense no que fará depois de matar o rei do Caaos. -A conversa com Claws fez com que Sky refletisse sobre seus objetivos. Ao fechar os olhos, a imagem de seus filhos que estavam de costas, se tornava real, a grande loba de chamas solta uma lágrima. No dia seguinte, luar estava treinando com a sua espada, a cada golpe, seus movimentos e força aumentavam. No reino de Valhalla, a rainha Calypso estava em frente ao palácio observando a cidade. E Gabrielly se aproximava ao lado de Teresa e Lorena. A vista era de se admirar, as belas luzes de longe emanadas pelos postes trazia um ar de paz e silêncio. 

-Mamãe, está tarde, precisa descansar.  

-Sim, mas antes, eu preciso verificar uma coisa. Mais cedo senti uma energia estranha vindo do centro da cidade.  

-Amanhã pela manhã, a nossa cientista retornará para a cidade, começaremos logo depois dela chegar. 

-Certo. Agradeço, minha filha. -A rainha voltou para o quarto. Na manhã seguinte, Gabrielly estava acompanhando a cientista, Gonden. Era uma Valquíria belíssima, suas asas, partes dela eram brancas e as pontas eram tingidas de preto, sua armadura reluzente em prata brilhava ao ser tocado pelos raios do sol.  

-A rainha sentiu que a energia veio desse lugar, logo acima da estátua da Fénix Flamejante.  

-Certo, começarei minhas pesquisas agora. Mas... o que é isso? -Um pequeno vácuo escuro aparece logo acima da estátua. A energia vinda dele era imensamente poderosa. De volta ao templo de Auriel, estava Luar treinando com sua espada, a cada golpe, árvores a quilômetros de distância eram cortadas.  

-Ai ai. -Lisa ficava ofegante.  

-Achei que você estivesse comprometida, gata. -Santhariel intervia. 

-Yuusho não propôs nada ainda, estou começando a perder as esperanças.  

-Mesmo assim, acredito que o meu mestre não aceitará suas atitudes. -Diz Rachel.  

-Hum.. Você voltou a pouco tempo e já está folgada. -As duas se encaram.  

-Bom, vamos deixar claro que quem vai se casar com ele, serei eu. Haha –Dizia Mara. Enquanto Luna só observava ao lado de Sakura. De repente, todos sentem uma energia escura e imensamente poderosa vindo do reino de Valhalla.  

-Irmão! Isso é... 

-Sim, é um dos generais! Droga! Não vai dar tempo de chegar lá!  

-Huhuhu Meu senhor, me permita ajuda-lo. -Mara se aproximava. Ao estender a sua mão para o jovem lobo, continua. 

-Meu senhor, eu estou conectada indiretamente com todos os reinos, posso aumentar as suas chances de acertar um golpe daqui, mas será apenas por um segundo. 

-É tudo o que eu preciso. -Luar se posicionar, brandindo a sua espada, em direção a Valhalla. De volta a cidade, de dentro do vácuo, surge um demônio, possuia chifres, o seu corpo era todo coberto por uma névoa escura, e seu rosto era totalmente desfigurado, ao brandir o seu tridente, uma força imensa afasta pessoas, postes e objetos dali.  

-Ele é muito forte! Hum? Mamãe! -A rainha Calypso se aproximava, brandindo sua lança.  

-Pare de causar destruição à minha cidade seu monstro! -O demônio, ao se afastar um pouco, apontava para a rainha, as valquírias são arremessadas para longe dali. Calypso, Gabrielly, Lorena e Teresa permaneciam firmes.  

-Hum.. Pelo que vejo, nesse mundo tem seres poderosos. -O demônio solta um leve sorriso. -Eu vou me divertir hahahahahaha. -Calypso desfere um golpe com a lança, porém o demônio a defende com o tridente, com o bater dos golpes, ventos fortes empurram as valquírias para trás. Apesar do poderoso ataque, não surtia efeito naquele demônio, o mesmo desfere um golpe no estômago de Calypso, a mesma se ajoelha no chão.  

-Você é fraca... devia saber o seu lugar! Hum? -De repente Gabrielly o ataque com suas mãos, apenas um soco, empurrou o demônio para longe, o ferindo.  

-Hum.. Hahaha parece que encontrei um brinquedo divertido! -O demônio rapidamente aparece em frente a Gabrielly. -Hum? O que é isso? Sua aura... Com quem você esteve esses dias?!  

-Isso não é da sua conta! -Ela desfere um golpe no estômago acertando em cheio, o demônio cuspia sangue negro. -Ora seu inseto!! -Com toda a força o demônio a socava, a arrastando a alguns metros dali. -Com um grito, ele libera uma enorme quantidade de energia.  

-Filha... vamos unir nossos poderes.. Essa é a única forma de enfrenta-lo. 

-Mas mamãe... a energia dele não para de crescer, como vamos derrota-lo? -Lorena e Teresa tentam segura-lo, porém, acabam com seus corpos queimados por uma chama negra, desmaiando ali.  

-Temos que proteger o reino. Eu darei a minha vida se for preciso. 

-Mamãe... -Gabrielly segurava junto de Calypso, a sua lança. Unindo energias. De volta ao campo de treinamento, Luar estava totalmente focado, sua respiração parou, os olhos estavam totalmente imóveis. 

-Incrível!! -Rachel ficava boba. 

-O nível de foco dele.. É desumano! -Pensa Sakura.  

-Ele não é humano! Que porte é esse? -Mara ficava impressionada enquanto o ajudava na localização. Quando Luar se posiciona novamente, sua espada estava em chamas negras, ao se preparar para lançar o golpe de espada.  

-Zona de aura! -Sua energia se espalhava por toda a área se estendendo até o palácio de Valhalla, ao localizar o demônio desfere o golpe. -Morte silenciosa. Trinity! -Ao desferir o golpe, uma lâmina invisível atravessa várias árvores, percorre quilômetros, quando o demônio estava a ponto de ataca-los, o seu corpo é dividido no meio.  

-Arrrghhhh!!!! O que é isso!!? -Desorientado e ferido, o demônio se contorcia de dor e vomitava sangue escuro.  

-Essa energia! -Teresa e Lorena dizia. 

-Luar!! -Todas gritavam o nome dele. -Vamos, Gabrielly.  

-Vamos! -Vire cinzas! Fénix, golpes das chamas eternas!! -Ao arremessar a lança, a mesma perfura o peito do demônio, sendo incinerado por uma bola de fogo no mesmo instante, porém antes de desaparecer.  

-huhuhuhuh então esse é o poder dela... impressionante. Meu mestre, eu falhei. Me perdoe. -Ao desaparecer, todas as Valquírias davam suporte a rainha e a Gabrielly. Tinham gastado muita energia, desmaiando naquele local.  

-Arf..arf.. -Luar estava ofegante. Enquanto as garotas se aproximavam, Auriel intervia.  

-Parem!! Não é Luar!! -Ao se virar, ele está de cabeça baixa, ao levantar, lágrimas de sangue escorriam pelos seus olhos.  

-Muito interessante, era de se esperar da Deusa Auriel.  

-Hum...  -Ao dar um passo pra frente, todas entram em posição de luta, vários ninjas surgem das sombras ocupando o vasto campo.  

-Acalmem-se! Eu não irei matar ninguém. Fiz uma promessa a esse garoto, ele está apenas inconsciente. Usou muita energia, eu o avisei sobre isso.  

-Posso confiar na sua palavra, monstro? -Dizia Mara.  

-Meu nome é Sky, criatura insignificante! -Ele seguia em direção ao templo, ao sentar na varanda, todas continuam observa-lo.  

-Ele deve acordar daqui a alguns minutos. Eu irei dormir, acumular energia.  

-Por quê, Sky? -Auriel perguntava. 

-Humpfh... deixarei as explicações pra ele. Mais uma coisa... -Ao olhar para Santhariel, ela continua. 

-Cuide bem dele, garota. -Os olhos vermelhos se tornam azuis e depois castanhos, ele quase cai no chão, porém, Yuusho o segura.  

-Auriel... parece que não precisamos mais daquele plano.  

-Are are... eu decidirei mais tarde. Conversarei com Luar. -No inferno, onde Belzebur estava selado, está ele massacrando vários dos seus, irritado.  

-Mestre!! Pare! Desse jeito não teremos mais exército.  

-Cale-se!!! O meu melhor general foi derrotado... hum?  

-Meu pai! -Um demônio envolto por uma névoa escura se aproximava, sua estrutura física não se distinguia.  

-Meu filho, o que queres? 

-Eu desejo ir para aquele mundo, matarei o inseto responsável pelo desaparecimento do nosso general.  

-Hum... Meu filho, vá! Mas um aviso, deixe alguns países para mim. -A enorme bola de névoa desaparece.  

-Meu mestre, tem certeza em enviar o seu filho? 

-Nem mesmo eu seria capaz de detê-lo quando se está irritado. Por isso sempre o mimo, sempre o trato com respeito. Ele é a minha maior criação. Eu tenho pena da criatura que o encarar hahahahahahahahaha. -De volta ao templo de Auriel, Luar desperta, ao sentir um peso em sua barriga, estava Santhariel. Ao dá um leve sorriso, a cutuca. 

-Ei moça, me desculpe estar te causando problemas. -Ao despertar, ela dá um leve sorriso, e o abraça fortemente.  

-Parece que causei problemas de novo.  

-Não, jamais. Não me abandone de novo.  

-Que dejavu. Haha. -Ao descer as escadas, a sala estava vazia, ao sair para o quintal estava Yuusho meditando, Blade treinando com Sakura e Lisa. Mara estava dando suporte a Miriam e Ryuu, enquanto Rachel e Luna observava. Luna ao ver Luar, corre em sua direção o abraçando.  

-Eu estava pensando em você miau.  

-Eu também, minha gatinha. -Ela ficava corada, o abraçando.  

-Mamãe, eu estou indo para o castelo dos caçadores. -Auriel aparecia de repente. 

-Certo, você merece um pouco de diversão. Depois de tanto esforço.  

-Agradeço mamãe. E também, tenho outro motivo pra ir... 

-Eu sei bem, meu querido.  

-Meu mestre! -Rachel se aproximava. -Por favor, me leve com você.  

-Sim, se prepare. Partiremos em dez minutos. -Rachel desaparecia nas sombras.  

-No quarto, se preparava para partir, levava poções de cura, sua espada e alguns pergaminhos. Santhariel entra no quarto. 

-Luar... eu falei com Sky.  

-Deixarei para falar disso quando retornar. Hoje eu não estou bem para isso... Acho que você notou. 

-Sim. Sua energia está totalmente diferente.  

-Aquela sereia.. Vai me pagar com a vida.. 

-Tente não se exceder, você é muito poderoso. E talvez ela esteja sendo usada.  

-Sim. -Luar se aproximava, a abraçava fortemente. Ela sentia o corpo dele tremer um pouco. 

-Juro... que não ficará impune, meu irmão. -Ao partir para o castelo dos caçadores, Rachel aparecia das sombras. 

-Meu senhor. Estou em duvidas quanto as aulas que você me deu. 

-Muito bem, antes de você se transformar completamente, precisa estar ciente de que sua humanidade será destruída. E o mais importante... para que você vai usar esse poder? Para proteger quem?  

-Ao olhar para Rachel, ela estava corada. -Tem alguém... que eu quero proteger. Ele me salvou daquele inferno de cidade e além disso está... me ajudando até agora.  

-Então pense nele como base da sua fúria. Não perca o controle. Pense nisso como se você tivesse em cima de uma linha, não caia dos lados, apenas siga em frente, mantendo o foco. Quando chegarmos no castelo, eu irei instrui-la. -Ao longo do caminho, eles conversam sobre a transformação. Com esforço, ela conseguiu dominar a sua transformação parcial, com uma cauda. Sua velocidade era desumana, podendo superar a de Luar, quando transformada em lobo de quatro caudas.  

-Estamos chegando. 

-Mestre, sinto uma energia imensamente poderosa! 

-Eu também estou sentindo, vem do castelo. Vamos! -Ao chegar no castelo, Lorde Vlad, enfrentava alguns monstros que atacavam o castelo, derrotando o ultimo deles. 

-Parece que nem precisei agir, meu amigo.  

-Meu amigo Luar, que honra. -O corpo do Lorde estava coberto em névoas de sangue, ao se dissipar, se aproxima de luar o abraçando.  

-Luar, é uma honra tê-lo em meu castelo. -Chanceller se aproximava.  

-Chanceler, agradeço a hospitalidade. Onde está Emma?  

-Ela está treinando arco e flecha dentro do castelo, vai encontrá-la no porão, lá tem um imenso espaço. Utilizamos para treinar.  

-Agradeço. Eu volto logo, preciso vê-la. -Luar e Rachel seguem para o porão, e o lorde Vlad permanece conversando com Chanceler.  Ao chegar lá, estavam vários caçadores, Emma mais no fundo, atirando flechas seguidas. Enquanto Luar se aproximava, eles o observavam.  

-mestre...  

-Se acalme, está tudo bem. -Ao observar a sua querida irmã, as flechas acertando o alvo no meio várias vezes. A última lançada, atravessada uma das flechas que já estava fincada no meio do alvo. Luar bate palmas.  

-Incrível. Sempre soube do seu talento, minha querida. -Ao olhar para ele, os olhos brilham, correndo em sua direção, pulando nos braços dele.  

-Hoho, você cresceu, minha pequena. 

-Irmão!! Eu estava esperando você. -Ao descer do colo dele, ela continua. 

-Eu tive sonhos estranhos outra noite, quero contar pra você. 

-Certo, vamos para o grande salão, lá podemos conversar. -Ao entrar no salão, havia vários caçadores se alimentando e conversando, ao sentar em uma das mesas, Emma conversa com ele.  

-Eu estou em um mundo diferente, sozinha, quando ando sem rumo, fico desorientada, objetos diferentes das carruagens, mais rápidas, passam por mim. Eu sinto que sei o nome, só não me lembro. E então, mais longe eu vejo um portal, e dentro dele, você está esticando a sua mão, mandando eu segura-lo. Mas antes que eu chegasse em você, o portal desaparece. -Enquanto contava, sua expressão era de medo e tristeza.  

-Eu também tenho esses sonhos. -Ela leva um susto. -Porém, você precisa ter na sua cabeça o seguinte, eu estou aqui, do seu lado, e seja onde for, irei te buscar, minha querida. Nem que eu vá para o inferno depois, mas quebrarei todas as leis do universo por você. Não vou te perder de novo.  

-Hum? De novo?  

-Bom, me fale sobre os Grifos, o que houve com eles?  

-Hum.. Bom eles partiram a pouco tempo, demos alimento, água e suprimentos. Oferecemos ajuda, caso eles precisem de um lugar para ficar.  

-Entendo perfeitamente. -Lorde Vlad se aproximava da mesa. 

-Olá novamente meus amigos.  

-Se recuperou completamente daquela batalha, meu amigo?  

-Hoho sim claro. Mathriel tem me ajudado bastante. Aliás, ela tem me falado muito de você, diz que não para de pensar em você. -Emma ficava com expressão de emburrada.  

-Entendo. Eu pretendo ir para sua casa, depois que resolver um assunto. Estaria disponível? 

-Claro, eu partirei em alguns minutos, isso me dará tempo para preparar um banquete para meus convidados.  

-Eer.. Com licença, eu preciso voltar a patrulha. -Emma saia dali, estava quieta. Luar a observando, notou algo estranho.  

-Parece que ela não gostou da conversa.  

-Digamos que ela tem muita sensibilidade, assim como Santhariel haha. Eu cuido disso. Boa viagem meu amigo, nos veremos em breve. -Ao se despedir, procura por Emma, ao encontra-la no muro, vigiando ao redor, ele salta para lá, enquanto rachel fica no telhado observando.  

-Ei. -Ela toma um susto. 

-Ai, não me assuste desse jeito. -Ela olha para o horizonte.  

-Você está bem?  

-Eu não sei explicar. Quando Lorde Vlad mencionou a mulher, eu me senti nervosa, me senti triste. E depois... -Luar coloca a mão sobre a cabeça dela. Naquele momento, passa na mente dela uma lembrança. Um jovem aparecia, colocava a mão sobre sua cabeça e sorria. Outra parte do sonho, aparece ela sendo protegida por ele de alguns valentões. E por último, eles estão em casa, ela o ajuda a tratar dos machucados. Ao voltar para a realidade, está chorando.  

-Essas são imagens da minha infância. No meu mundo, eu tinha uma irmã, era o meu maior tesouro. Mas ela morreu aos 5 anos. Eu nunca me perdoei por ter sido fraco...  

-Está errado. Você não é fraco. Para mim você é o homem mais forte do mundo. -Ela dizia olhando para ele. Quando de repente uma explosão na floresta.  

-Avise o Chanceler que eu fui verificar, e fique aqui. Por favor. -Ele parte rapidamente para a floresta, Rachel o acompanhava.  

-Mestre, essa energia...  

-Não, não é possível! -Ao se aproximar do local, reencontra um antigo amigo. 

-Santhiago!!  

-Hooo, Yo Irmão. Como tem passado? Oh me perdoe. Deus dos Raios. -Santhiago se ajoelhava.  

-Deixe de tanta formalidade hahaha. Levantem-se. Agora me diga, o que houve? 

-Uma criatura maluca tentava se passar por você, estava comandando o exército de Belzebur.  

-Então, você sabe sobre ele. 

-Sim. Antes de você reviver neste mundo, eu estava em uma viagem para o Sul. Encontrei a mesma criatura que você quando estava no torneio. Depois da luta, eu fiquei muito ferido, usei quase toda a minha energia para derrota-la. Após dias me recuperando, estudei sobre ela. Após anos de estudo e pesquisa, descobri tudo deles, é um dos capitães que servem ao Belzebur. 

-Um dos?  

-Ao todo são vinte e quatro capitães. E cinco generais. Há uma divisão de poder por meio deles. Em resumo, o primeiro capitão é o mais poderoso dos vinte e quatro. E o primeiro general é o mais poderoso dos cinco. O filho de Belzebur está entre o primeiro e o terceiro.  

-Ugh! Aquele desgraçado... como pode... 

-HUm? 

-Ele também possui magia de criação, assim como eu. Recentemente pude criar dois corpos. Gastei uma enorme quantidade de energia só para manipular a alma delas e colocar no corpo. Mas... se esse demônio realmente for forte. -De repente, uma aura imensamente poderosa e terrível é detectada. 

-Mas o que é isso!! -Santhiago se assustava.  

-Droga!! Não acredito! É ele Santhiago!!  

-Preciso avisar ao Lúcifer, o meu mestre. Luar! Ele está em direção ao templo de Auriel!  

-Não!! Droga!! Não vai dar tempo de chegar lá!  

-Ahhh vai sim!! Drago!!! -Santhiago se transforma em um dragão imenso. -Prepare-se, eu irei arremessa-lo para lá, você é forte, vai resistir ao impacto! 

-Muito bem, Rachel, eu vou lhe dar uma ordem nível S. Ou seja... a mais importante!  

-Sim, meu senhor. -Ela se ajoelha. 

-Proteja Emma com a sua vida! Agora vá! Santhiago estou pronto!  

-Muito bem!! Quando estiver no ar, use sua forma de lobisomem para chegar mais rápido! -Santhiago o segura, ao dar impulso, arremessa Luar, o mesmo, se transforma em lobo da escuridão de quatro caudas, chegando ao templo de Auriel em alguns segundos. Ao cair na floresta, continua a correr, porém, no caminho, vários ninjas caídos no chão, feridos, outros estavam mortos, ao andar para o templo, uma névoa escura liberada por Luar os envolvia, os curando. Ao chegar no templo, estavam todas feridas. Ao ver Santhariel no chão, a segura nos braços. Ranga, ao lado dela, sangrava sem parar, chorava baixinho.  Quando ela desperta. 

-Mamãe... ela está... traga ela de volta. -Desmaiando em seguida. Luar se apressa para frente do templo, e enxerga uma bola escura de névoa e ao seu lado, Auriel, estava emanando uma aura vermelha escarlate, ao se virar para luar, o seu olhar, sua face estava totalmente diferente de antes, mais cruel e maligna. 

-Mamãe... 

-Hihihihihi. -Ao liberar suas nove caudas, ela e a bola de névoa desaparece.  

-Não! não! -Garoto, ajude suas companheiras, rápido. Meu poder pode traze-las de volta.  -Certo, Sky. -Após algumas horas, todas estavam curadas, a maior parte delas dormindo. Os ninjas separavam os mortos ao lado do templo, a cena fazia com que o coração de Luar se afundasse em ódio. Mais tarde, Santhariel e Luna estão com Luar na sala.  

-Eu... juro que vou mata-lo! -Santhariel perdia a postura.  

-hum... -Luna estava em silêncio.  

-Não. Eu mesmo farei isso. Preciso trazer mamãe de volta.  

-Luar.. Eu não sei o que ele fez, um momento ela estava o enfrentando de igual para igual, de repente ela mudou totalmente! Se virou contra nós. Foi terrível. Nunca achei que o poder de um Deus foi tão destrutivo. 

-Nós Deuses limitamos nossa força para um centésimo. Para não amassar o ser humano como caixa de papelão. Por isso, eu e Yuusho estamos sempre meditando, controlando nosso poder.  

-Meu mestre, cof cof. -Yuusho se aproximava, estava bastante ferido, seu tórax havia sido esmagado.  

-Yuusho, não faça força. -Ao ajuda-lo a sentar no sofá, ele continua. 

-Ele invadiu o interior dela, puxou pra fora o seu lado do mal. A verdadeira Auriel, a nossa, está lá dentro. Eu tentei puxa-la pra fora, mas... 

-Continue.  

-O espírito dela está contraída em medo e terror. O fato dela ter ficado sozinha a abalou muito. Sua alma está totalmente quebrada. 

-Eu irei traze-la de volta. Tem alguma dica contra o monstro? 

-Mestre... ele não usou nem um centésimo do verdadeiro poder. Aquela bola de névoa é só uma casca. Ao invadir a aura dele, eu... por milagre não enlouqueci. -Ao ficar pensativo, um ninja surgia das sombras.  

-Mestre, Michael solicita sua presença. -Ao sair para o quintal, está Michael. 

-Luar, não me diga que é verdade... 

-Sim, Michael. -Após entrarem, Luar conta tudo o que foi dito. 

-Hum... vai ser uma batalha difícil. Eu mesmo tive dificuldades, mesmo sendo um arcanjo.  

-Você... é um dos quatro arcanjos?  

-Sim, acredito que já saiba da história, são todas verdadeiras, meu irmão Miguel, está selado junto de Belzebur. Infelizmente, o demônio arrumou uma forma de quebrar esse selo. Eu assisti a sua luta contra a criatura. Quem o teletransportou para lá, não foi Belzebur, foi o meu irmão.  

-Então eu quase fui morto por culpa dele?  

-Não fique irritado com ele, sua personalidade é diferente da nossa. E creio que a única forma dele te avisar sobre o selo foi essa. Ele tem um plano, meu irmão Miguel é o mais inteligente dos quatro Arcanjos. Você deve ter notado alguma diferença em seu corpo, ou nos seus poderes. 

-Sim... não sei se posso chamar isso de diferente. Passei a me interessar por livros arcanos, e purificação divina também. Graças a esse conhecimento fui capaz de criar dois corpos para umas amigas.  

-Isso!! Nosso irmão Miguel também tinha esse poder. Mas não o fazia, o Dom da criação é somente usado por Deus. Mas enfim. Luar... 

-Sim, eu posso salvar mamãe. -Após alguns minutos, preparava para partir, podia sentir a energia de Auriel, ela estava no reino do cavaleiro negro do Sul.  

-Então, qual o plano? 

-Matar aquele inseto. E trazer minha mãe de volta. 

-E sabe como fazer isso?  

-Sim, acredito que você não vá ajudar dessa vez Michael. O trauma tomou conta da alma dela. Eu vou mergulhar mais fundo. Portanto quero que você me dê algum tempo, provavelmente, aquela criatura das trevas estará com ela.  

-Sim. -Santhariel se aproxima, estava em pânico. 

-Luar!! Felicity está!! Venha! por favor! -Ao entrar no quarto, Felicity tinha suas asas muito feridas, estava deitada, com muita febre e respiração acelerada.  

-Ela não... irmão! -Luar analisa a aura dela, estava com uma grande cruz em seu peito, ao tirar a blusa, a cruz formava uma cicatriz, a maldição estava se espalhando para o corpo inteiro. -Luar emana sua aura, retirando uma enorme quantidade de energia escura do corpo. A cicatriz reduzia de tamanho, porém não desaparecia. 

-Meu amigo, essa cicatriz só vai desaparecer quando o demônio que a lançou morrer.   

-Meu anjo. Escute, seja forte. Sobreviva. Eu preciso de você. -Ao se levantar, é segurado por ela.  

-Sal....ve..... Auriel. -Ao dizer suas últimas palavras, ela desmaia. Luar irritado parte para a estrada.  

-Michael, consegue me acompanhar? -Emerge do seu corpo quatro caudas negras.  

-Sim, dos quatro Arcanjos, eu sou o mais rápido.  

-Muito bem! Vamos! -O lobo de quatro caudas com um impulso, vai em direção ao reino do cavaleiro negro do Sul. Ao longo da estrada para o castelo do Lorde Dallas, Auriel estava sedenta por poder, se alimentava de um fazendeiro que passeava por ali. 

-Hahahaha... obrigada querido, a sua energia vital me será muito útil.  

-Eu admiro esse seu lado, não entendo porque o manteve selado por tanto tempo. 

-Calado! -As nove caudas envolvem a bola de névoa. -Se disser mais alguma coisa sobre isso eu irei devora-lo. -O olhar de Auriel era de insanidade e maldade. A sua aura estava totalmente descontrolada.  

-Huhuhuhhahahahaha. Maravilhoso!! -A bola se dissipa, a energia emanada por ele, era imensamente poderosa. -Eu precisei chegar ao nível dois pra poder resistir ao seu poder, Auriel, Deusa dos Lírios Incandescentes. 

-Não sou mais essa Auriel... Sou a Deusa rainha da morte! -As suas caudas ficam ainda mais vermelhas escarlates. -Vamos, o Lorde Dallas com certeza se juntará a mim. Éramos uma dupla perfeita.  

-Hum... tudo bem, depois, iremos matar Lu.. -Antes dele terminar de falar, as caudas o atacam, com uma velocidade desumana, o demônio desvia e se afasta. Ao olhar para Auriel, ela estava com um olhar ameaçador, seu poder havia aumentado mais.  

-Eu já falei... calado! Ou eu mesmo o matarei!  

-Ugh!! Os seus poderes não tem limites! Acho que foi um erro ter despertado o verdadeiro lado dela. Agora entendo por que do meu pai temê-la. -Pensa o demônio. 

-Ooh OKay okay, eu estou aqui apenas para ajuda-la. 

-Humpfh. -Ao se virar, continue seguindo a estrada. Ao chegar no castelo, é bem recebida pelos guardas.  

-Auriel... 

-Meu companheiro de assassinato!! Como vai?  

-Bem melhor do que você, presumo. 

-O que quer dizer com isso? Hahahah 

-Auriel... o que aconteceu com você?  

-Eu apenas voltei! Hahaha Está feliz?  

-Auriel... o que aconteceu com ele?  

-De repente as caudas são lançadas no lorde, rente ao seu pescoço, ela o ameaça. 

-Eu... não quero ouvir, lembrar, pensar, falar de seja quem for esse homem. Me traz um desgosto imenso! Agora... O que acha de voltarmos a nossa antiga vida? -Ela diz virando de costas. 

-Me desculpe, mas eu recuso. Os tempos mudaram, Auriel. E quem é esse seu novo amigo?  

-Oh hoho me desculpe a minha grosseria, Lorde. Meu nome não pode ser pronunciado na linguagem demoníaca nem dos humanos, mas pode me chamar de... Caos. -A criatura com seu corpo emanando uma aura violeta, suas garras afiadas e dentes, olha para o lorde, rapidamente se teletransporta para próximo dele e o tocando com suas garras continua.  

-Hummm parece que nosso amigo lorde teve um primeiro amor. E agora... -De repente a aura dele emerge do corpo, afastando as caudas de Auriel e o demônio. 

-Como se atreve a entrar na minha vida particular! -O poder do Lorde Dallas se equipara a de Lúcifer. Foi um possível candidato ao trono, porém, recusou por motivo pessoais.  

-Se eu fosse você, não o provocaria, Caos. Ele tem o mesmo nível de poder que o meu quando transformada em raposa de nove caudas.  

-Ugh!! -O demônio soava frio. -Hihihihi. Eu estou em desvantagem, se fosse com apenas Auriel, eu a mataria em questão de segundos, mas... dois com a mesma quantidade de poder... é demais pra mim. -Pensa o demônio, quando de repente, uma visita inesperada.  

-Mamãeee!! -Luar aparecia quebrando o muro do castelo. Auriel se virava de costas. -Pare mamãe!  

-Huhuhu... quem está chamando de mãe? Quem é você, garoto? -Luar ficava paralisado. -Se você mexer um músculo, eu o partirei em dois. -Luar se direcionava para o demônio. 

-Mas que ousado!! Você não tem um terço do poder dela, como ousar me ameaçar!! -De repente a cauda de Luar desfere um golpe extremamente rápido, Caos é dividido em dois.  

-Ugh!! Como ele.... eu sinto a sua energia... não se equipara de Auriel nem um pouco. Não! Espere! Que manto de energia é esse em volta do seu corpo?  

-Parece que você percebeu... meu poder é perigoso até para mim mesmo. Devido a isso, eu criei essa barreira aural, ela prende meu poder nos limites da minha pele para não machucar ninguém... mas você... -Ele se aproxima da criatura, que se regenera, voltando ao normal. -Você machucou alguém precioso para mim, portanto, eu não preciso me segurar! -Michael voa para ao lado de Dallas. 

-Meu lorde, fique dentro do meu escudo! Kam!!  

-Hehehehe... Sky... me empreste seu poder. -Humpfh, como quiser garoto! -Ao liberar sua aura, uma pressão imensa cobre todo o lugar, Auriel que estava observando fica tonta, se apoiando no pilar que estava próximo. Enquanto o demônio caia de joelhos. -Argh!!! Aaaaahhhhh!!! -Gritava de insanidade até que ele silencia. -Huhuhuhuhuhu. Eu achei que somente usaria essa forma quando fosse matar essa raposa imunda. Mas me equivoquei. -Asas em chamas negras surgem das costas do demônio, quatro delas. Ao se levantar, estava mais musculoso e a pressão que a sua aura emanava era demais para Michael aguentar. Luar observando aquilo continua. 

-Antes de mais nada, eu não vou lutar na cidade, pelo que vi ela está sendo restaurada e não seria justo destruir. Desculpe, mas vamos mudar de lugar!! -Ao dar um impulso para frente, Luar segura o rosto do demônio com a mão, se teletransportando para fora do castelo, vários quilômetros distantes. Ao solta o demônio, ele o encara. 

-Impressionante, o ultimo ser divino que tocou na minha aura teve a sua mão carbonizada.  

-Calado. -Auriel se aproximava, havia acompanhado também. 

-Mamãe, eu irei te salvar, por favor me espere. -Ao tentar tocar o rosto dela, ela bate se afastando dele. 

-Não sou sua mãe, não sei por qual razão.. Mas não consigo usar meus poderes em você! Isso me dá nojo! 

-Huhuhuhuhahahahaha ela não vai voltar... -Luar dar um impulso em direção ao demônio, acumulando um grande poder no punho o deferindo no rosto dele, o mesmo é arremessado vários metros dali. Ao se levantar, estava vomitando sangue. 

-Impressionante. Até mesmo o Arcanjo Miguel, um dos mais poderoso Arcanjos, teve seu corpo enfraquecido logo após me atacar. Esse garoto agora deve estar caindo... Hum? -Ao olha para cima, estava Luar com suas nove caudas da escuridão, seus olhos vermelhos, assustavam o demônio, que perdia a sanidade, rapidamente, vários socos são deferidos, arremessando o demônio para longe dali.  

-Ugh!..cof cof. Eu preciso fazer alguma coisa, se não ele vai... o que? Eu... um dos quatro grande generais... com medo de um garoto!! -O demônio havia perdido a sanidade. O seu poder se eleva, o chão rachava, logo abaixo, lava passava pelas crateras.  

-COMO SE ATREVE A ME DESAFIAR!! -As quatro asas haviam desaparecido, em cima dele se formava uma aureola vermelha. Uma imensa bola de energia era arremessada em Luar, que ficava parado com suas nove caudas da escuridão. Ao ser atingido, procede uma enorme explosão, consumia tudo ao redor, o lugar estava empoeirado e enquanto o demônio ria, no rosto de Auriel derramava uma lágrima.  

-Por que estou chorando? Grr... esse sentimento. -Ela põe as mãos na cabeça e delira. -Quem é ele? Por que me importo tanto com ele!!!? Quem sou eu?!!  

-HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA. Menos um. Agora só preciso fazer outra lavagem cerebral naquela raposa inútil.  

-Como ousa... -Da imensa poeira, uma voz surgia. -Como ousa brincar com os sentimentos da minha mãe. -A poeira abaixa, um imenso lobo revestido em chamas negras, com os olhos vermelhos aparece. -Nem o inferno, seria o lugar adequado para gente da sua laia... por isso, eu lhe farei um favor... eu o mandarei para o vácuo do universo... lá deve ter tempo o suficiente para pensar sobre suas ações. -O imenso lobo das chamas, direciona a ponta das suas nove caudas para a boca, logo acima dele um dragão de gelo estava realizando um encantamento.  

-Esquife divino de gelo. -Ao citar tais palavras, uma tempestade forte emerge das asas do dragão, congelando o demônio. 

-Aaarth!! Eu irei voltar seu inseto! Irei voltar!! E matar todos!! Hahahahahaa me aguarde!! Heheheh...... -Após congelado.  

-Vague eternamente no breu da galáxia. -Ao liberar o imenso poder da sua boca, um raio de luz arremessava o esquife de gelo para o vácuo do espaço. Aquele imenso raio, era visto do templo de Auriel, onde todos os ninjas e as companheiras enxergavam. Após lançar a imensa energia, Luar volta a forma humana, estava ofegante, cansado, aos poucos se aproximava de Auriel. 

-Pare!! Fique longe de mim!! -Com uma mão, emerge uma pressão enorme, porém ela erra. -Por que não consigo acerta-lo!!? Afaste-se!! -O dragão de gelo se dissipava. Enquanto Luar, se aproximava dela, ofegante, de cabeça baixa, pingava gotas de sangue do seu rosto.  

-Pare! Por favor! Eu não quero... quer dizer.. Eu quero te matar! -Ao chegar bem perto, ele finalmente fala alguma coisa. 

-Eu voltei mamãe. -Ao olhar diretamente para ela, seus olhos estavam castanhos, apesar do sangue no rosto. Ao trocar olhares, tudo ao redor dela ficava embaçado, apenas Luar era visto com clareza. -Eu estive ausente por tempo demais, não via o quanto isso a fazia sofrer. Você viveu sozinha por longos anos... eu vi, senti e sofri junto com você. Mas agora... cof cof. -Luar havia sido atingido no estômago por um arpão das trevas, que desaparecia, deixando um buraco. -Eu estou aqui com você. -Ele se aproxima, juntando as testas, ao olhar diretamente para ela. Sangue escorria pela sua boca. -Mesmo que eu esteja longe de você, mesmo que esteja no céu, no inferno, no vácuo da galáxia, jamais esquecerei da mulher que me criou, me amou como se fosse um filho. Jamais, eu prometo. Cof cof. -Ele caia e ela o segurava.  

-Por que... meu coração dói tanto!? -Ela chorava.  

-Isso não é dor. É... o significado... de ser... amada. Eu te amo... mamãe. -Após dizer isso ele desmaia.  

-Humpfh. Are are... Seu tolo, seu grande tolo. Não devia se arriscar tanto. -Ela segura a nuca dele, se aproximando, juntando as testas. -Eu também te amo, meu amado filho. -Do corpo dela, uma névoa vermelha escarlate emergia. Uma imagem dela refletida em névoa aparecia a sua frente, sorrindo e em seguida, flutuando para o céu. Michael se aproximava dali. 

-Então ele conseguiu. Que garoto impressionante. É como dizem, tal mãe, tal filho.  

-Humpfh. Agradeço por ter vindo.  

-Tudo bem. Eu irei para o reino do Sul, explicarei para Dallas tudo o que aconteceu. Vá pra casa, tem muito o que conversar, não só com ele.  

-Sim, eu sei. Michael. Passe lá em casa outro dia, eu quero falar com você. -Ao se envolver com as nove caudas, um vento carregando várias pétalas de sakura os envolvem, ela desaparecia.  

-Após várias horas de escuridão, Luar falava com Sky. 

-Sky, quero agradecer por ter me ajudado. -Humpfh. Um conselho garoto, não use mais de uma magia elemental. Seu corpo não resistirá se passar dos limites.  

-huhuhu. Se preocupando comigo. 

-NÃO É NADA DISSO SEU IDIOTAAAA, SE VOCÊ MORRER EU VOU DEMORAR MAIS UM SÉCULO PARA ME VINGAAR.  

-Nossa, não precisa gritar hahaha. Enfim...  

-Escute, garoto. Não... nada. -Ele da um leve sorriso. E volta a dormir.  



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...