1. Spirit Fanfics >
  2. Reencarnei e quero viver plenamente (izuku midoriya deku ) >
  3. Uma magoa necessária .

História Reencarnei e quero viver plenamente (izuku midoriya deku ) - Capítulo 9


Escrita por: Yukio_tanaka

Capítulo 9 - Uma magoa necessária .


 

 

E os meses se passaram e quando percebi lilia e zenth aviam  dado a luz lilia teve dois uma menina Aisha e um garoto Alex ,e ja Zenith uma menina Norn .

No dia do parto lilia um fato ocorreu  foi que Alex não chorou e isso pode indicar que ele possa ser de outro mundo .

 

 

Minhas duas irmãzinhas, Norn e Aisha, estavam crescendo bem rápido. Elas choravam quando faziam xixi, choravam quando faziam cocô, choravam quando ficavam chateadas com alguma coisa e choravam quando não estavam chateadas com nada. Choravam de noite, choravam de manhã e, quando ficava de tarde, soltavam alguns lamentos particularmente cheios de energia. ja alex e bem calmo e eu ate disse que seria bom coloca-lo em um local separado para que ele não acorde , e isso so foi uma desculpa para confirmar as nossas suspeitas de que ele e um reencarnado , mas como ele so tem alguns messes de vida as nossas conversas se resumem a mim ou rudy explicando sobre o mundo para ele .

 

Em pouco tempo com duas crianças chorando praticamente o tempo inteiro , Paul e Zenith ficaram a ponto de um colapso nervoso em conjunto. A única que se manteve calma foi Lilia.

— Veja! — disse ela, cuidando habilmente das duas garotas, conforme como costumava fazer pois rudy costuma cuidar do alex . —  Agora sim, isso que é criar uma criança! As coisas com o Arthur  Rudeus foram fáceis demais! Aquilo dificilmente poderia ser chamado de uma verdadeira criação de filhos !

No caso de rudy que ja  estava acostumado com bebês chorões, graças ao meu irmão mais novo da sua antiga  minha antiga vida, por isso elenão fiquei tão incomodado. Ele, não que queira me gabar, mas tinha experiência em cuidar de bebês – mais uma vez, graças seu meu irmão – entãoele  trocava as fraldas bem rápido e ajudava a lavar as roupas e com a limpeza. e claro ele estava me ensinando a como ajudar,  e Paul  observava sempre, parecendo bastante envergonhado de si mesmo. pois  não sabia como fazer nada dentro de casa.

Claro, suas habilidades com a espada eram incríveis, e as pessoas da cidade o estimavam, mas ele era um homem com apenas metade do que precisava para ser um pai.

E esta já era sua segunda vez. Minha nossa.

 

Paul podia até ter agido como um lixo humano(na opinião de rudy ), mas uma coisa poderia dizer: ele era bom com uma espada. Essas eram as suas habilidades:

Estilo Deus da Espada: Avançado.

Estilo Deus da Água: Avançado.

Estilo Deus do Norte: Avançado.

Sim. Avançado nas três escolas. Colocando isso de forma simples, era dito que seriam necessários dez anos de dedicação exclusiva para alcançar o nível Avançado de uma única escola.

Resumindo, Paul possuía habilidades equivalentes a alguém que chegou ao quarto dan ( não fasso a menor ideia do que significa ) em kendô, judô e karatê – e desistiu de tudo antes de finalizar seu treinamento. Ele era um fracasso como adulto, mas em termo de força, era um homem realmente durão. Além disso, para alguém de apenas vinte e poucos anos, tinha uma experiência de combate real assustadora.

Eu já tinha visto ele lutando com monstros antes.

Na verdade, era mais preciso dizer que Paul me deixou ver. Após receber alguns relatos de que monstros apareceram, me arrastou para que pudesse dar assistência à distância, me dizendo que “ver uma batalha é uma ótima experiência”.

E vou ser bem sincero aqui: aquilo foi incrível pra caralho.

Paul enfrentou quatro monstros. Três eram o que chamamos de Cães de Assalto, monstros do tipo canino que se moviam muito rapido . O quarto era um monstro suíno bípede com quatro braços, conhecido como Javali Exterminador. O javali apareceu de dentro da floresta com três cães seguindo-o.

Paul lidou com todos sem grandes dificuldades, decapitando praticamente todos com um único golpe. (e a carne do  javali estava muito boa .)

E vou repetir: aquilo foi incrível pra caralho.

Seu estilo de luta tinha uma certa beleza – seguia um ritmo misterioso que fazia o coração de qualquer um disparar, mas ainda deixava todos à vontade enquanto assistiam. Não havia um jeito bom de explicar, mas se fosse para resumir em uma palavra, diria que tinha carisma.

O estilo de luta de Paul esbanjava carisma. Ele ganhou a absoluta confiança de todos os homens sob seu comando, conquistando o coração de Zenith e despertando a luxúria de Lilia, e até mesmo alimentando as paixões da Senhora Eto. Era o cara mais desejável de toda a vila .

Os espadachins deste mundo tinham habilidades além das quais eu estava acostumado. Eles podiam correr em uma velocidade próxima a cinquenta quilômetros por hora, e seus reflexos e capacidade de rastrear movimentos eram bastante impressionantes. Graças à existência da magia de Cura, a morte por lesões era algo que poderia ser evitado, então praticavam para matar os inimigos com um único golpe. Em um mundo onde monstros existem, até que fazia sentido que as pessoas fossem tão poderosas.

Ainda assim, mesmo Paul, sendo tão incrível, estava apenas no nível Avançado. Havia muitas pessoas acima dele na estrutura de classificação oficial. E havia indivíduos e monstros mundialmente famosos por aí, alguns que ele não poderia derrotar, mesmo se tivesse ajuda.

Afinal, sempre existirá um peixe maior que o outro.

Fiquei grato por ele me ensinar a empunhar uma espada. Fora isso, porém, não era um bom pai. Era mais como um medalhista de ouro olímpico que também foi condenado por algum crime.

 
rudy 
 

Um dia estava em minha prática de espadas com Paul, assim como sempre costumava fazer. Mais uma vez poderia dizer que não o venceria naquele dia. Eu provavelmente também não o venceria no dia seguinte. Ultimamente, não sentia que estava melhorando. Ainda assim, se não fizesse nada, definitivamente não iria melhorar.

Ja Arthur provavelmente iria chegar no nivel  avançado em deus da água logo , mas em deus da espada ele tinha uma leve dificuldade mas não era nada que o atrapalhasse . 

Além disso, mesmo que não estivesse tendo aquela sensação de melhora, meu corpo ainda estava internalizando a prática. Digo, tinha que estar, não?

Enquanto eu refletia sobre isso, Paul rompeu com o silêncio.

— A propósito, Rudy — disse, como se de repente estivesse lembrando de algo. — Sobre a escola… — E então parou. — Não, você provavelmente não vai precisar disso. Deixa para lá. Vamos voltar ao que estávamos fazendo. — E então voltou a posicionar sua espada de treino, como se nada tivesse acontecido.

Eu não deixaria isso de lado.

— Como assim, escola? — perguntamos Arth ficou curioso junto comigo .

— Existe uma instituição educacional em Roa, na capital de Fittoa, onde ensinam coisas como ler e escrever, aritmética, história, etiqueta e coisas do tipo.

— Já ouvi falar sobre isso.

— Normalmente começam a frequentá-la  idade de vocês, mas… será que  precisam? Vocês já sabe ler, escrever e somar, não?

— Bem, sim.

Deixei todos pensarem que foi Roxy quem nos ensinou aritmética. Com duas novas garotinhas, a situação financeira em casa ficou bastante apertada e, com Zenith constantemente sofrendo para calcular nossas contas, resolvi ajudar – para o choque de todos. Parecia que haveria outro alvoroço com aquele papo de eu ser um gênio, então soltei o nome de Roxy em algum momento para evitar qualquer problema.

E, cara, se isso fizesse a estima por ela aumentar, melhor ainda.

— Mas ainda estou interessado em estudar — falei. — Lá vai ter um monte de crianças da minha idade, não? Talvez eu consiga fazer alguns amigos.

Paul engoliu em seco, como se estivesse com um nó na garganta.

— Digo, aquele lugar não é tudo de bom. A etiqueta é só baboseira inútil, aprender história não vai te ajudar em nada e você com certeza vai ser intimidado. Um monte de pirralhos nobres com certeza estará lá, e ficam irritadinhos sempre que não conseguem ser o número um. Com um garoto como você por lá, provavelmente vão fazer uma quadrilha para pegar no seu pé. Meu pai era um marquês e, como você tem uma posição ainda mais baixa do que a minha, será visto como um simples ninguém.

O resumo de Paul pareceu até uma experiência pessoal. Ele fugiu de casa porque ficou desgostoso com a rigidez de seu pai e com toda aquela nobreza corrupta. Etiqueta e história eram algo inevitável para se aprender quando sendo um nobre Asurano adequado, então ele devia ter achado que eram matérias difíceis de suportar.

Uma inconfundível tensão preencheu o ar entre nós enquanto conversávamos.

— Sério? — perguntei. — Pensei que as mulheres nobres tinham filhas bonitas.

— Deixe-me impedi-lo aí mesmo. Filhas de nobres camuflam o rosto com maquiagem, fazem penteados exagerados e cheiram a perfume. Digo, claro, algumas praticam com a espada, mas a maior parte mantém o corpo escondido sob espartilhos, e você não consegue ver a coisa real enquanto elas não tiram a roupa. Seu pai foi enganado muitas vezes por causa disso. — Paul falou tudo isso enquanto mantinha um olhar distante.

Ugh. E lá ia ele novamente. Que pedaço de merda.

— Então talvez eu não vá à escola — disse. Ainda havia muito que queria ensinar para Sylphie, para começo de conversa. E teria que ser louco para querer frequentar um lugar onde sabia que com certeza seria intimidado. Não fui um recluso por quase vinte anos só por frescura.

— Bem dito — disse Paul. — Se você sentir vontade de estudar, pode se tornar um aventureiro e desbravar alguns labirintos.

— Um aventureiro?

— Sim. Ir para labirintos é ótimo. As mulheres não usam maquiagem, então você pode logo dizer se são bonitas ou não. E sejam espadachins, soldadas ou magas, todas mantêm uma ótima forma.

Certo, deixando isso tudo de lado, com base no que li, os labirintos eram um tipo de monstros por si só. Eles começavam como simples cavernas, mas eram alterados pelo acúmulo de energia mágica, transformando-se em labirintos.

Na parte mais profunda deles havia um cristal mágico que poderia ser considerado a fonte de energia, protegido por um chefão que seria o guardião. O cristal mágico servia como isca, exalando sempre uma energia poderosa e atrativa. Os monstros eram atraídos por ele e entravam no labirinto, onde eram vítimas de armadilhas, morriam de fome ou eram mortos pelo chefão; e então o lugar absorvia a essência mágica dos monstros mortos.

Entretanto, os labirintos recém-formados geralmente tinham seus cristais mágicos devorados pelos monstros, ou acontecia de ele quebrar durante um colapso da caverna. Ouvi que alguns tinham finais tão dramáticos que fazia com que parecessem criaturas vivas.

Mas monstros não eram as únicas coisas atraídas por esses cristais mágicos. Humanos também achavam eles tentadores. Os cristais poderiam ser usados como catalisadores para determinados feitiços, e tinham um preço bastante alto também. O preço subia dependendo do tamanho, mas mesmo um pequeno renderia o bastante para alguém viver um ano inteiro levando uma vida fácil. E enquanto esses cristais mágicos eram os únicos tesouros com os quais os monstros se importavam, não era o mesmo caso para os humanos.

Com o passar do tempo, o equipamento que fora usado pelos monstros e aventureiros devorados pelo labirinto seria imbuído de energia mágica. E então tornavam-se um novo tipo de isca: itens mágicos.

Os itens mágicos não eram como os instrumentos mágicos, já que podiam ser usados sem precisar da energia mágica do usuário. A maioria deles, entretanto, não possuía habilidades úteis; quase todos tinham poderes que não passavam de lixo. Ainda assim, havia uma chance de, no meio de tudo, encontrar algo que daria ao usuário algo como habilidades de um mago de nível Santo. Itens assim eram vendidos por uma fortuna e as pessoas se enfiavam em labirintos sonhando com dinheiro fácil.

A maior parte morria antes de conquistar algo que prestasse, entretanto, suas mortes alimentavam o labirinto, já que ele tomava suas essências mágicas e a usava para crescer mais e mais. Era assim que os labirintos mais antigos chegaram a ter suas partes mais profundas repletas de tesouros.

O labirinto mais antigo e profundo conhecido era chamado de Cova do Deus Dragão, localizado aos pés do sagrado Monte Prantodrago, na cordilheira Wyrm Vermelho. Pelo que li, já existia há pelo menos dez mil anos, e estimava-se que possuía cerca de mil e quinhentos andares.

Pelo visto, aquela masmorra colossal estava conectada a um buraco no pico do próprio Monte Prantodrago. Ao pular para dentro dele, presumivelmente mergulharia até o andar mais profundo, mas ninguém que tentou isso conseguiu retornar.

Aquele “buraco” não era uma cratera vulcânica ou coisa do tipo. O próprio labirinto o criou para devorar dragões vermelhos; quando algum sobrevoava o local, a Cova o sugava.

Não havia muitas provas para apoiar esse mito em particular. Mas não seria algo surpreendente, já que a Cova era um monstro verdadeiramente ancestral.

Quanto aos labirintos mais desafiantes… havia o lugar apropriadamente chamado de Inferno, localizado no Continente Divino, e a Caverna do Diabo, que ficava no meio do Mar Ringus. Ambos eram brutalmente difíceis de se chegar, o que significava que seria quase impossível conseguir mais suprimentos após chegar nos locais. Dadas as enormes profundidades, e também o fato de não haver tempo suficiente para exploração, acabaram ganhando a reputação de serem os testes mais difíceis que um aventureiro poderia enfrentar.

Essa era basicamente toda a extensão do meu conhecimento sobre esse tópico no momento.

— Eu já li um pouco sobre labirintos…

— Ah. Os Três Espadachins e o Labirinto, né? Explorar uma masmorra lendária como aquela é um bom meio para colocar seu nome nos livros de história. Já pensou em fazer uma tentativa pessoalmente?

Os Três Espadachins e o Labirinto era o conto de três jovens guerreiros brilhantes que viriam a ser conhecidos como Deus da Espada, Deus da Água e Deus do Norte. O livro começava com o encontro inicial e os seguia através de uma série de reviravoltas que os levaram a desafiar um enorme labirinto juntos. Passaram por muitos confrontos, deram muitas risadas e criaram laços ao longo do caminho, além de terem acontecido algumas despedidas dolorosas; no final, naturalmente, alcançaram o objetivo e triunfaram.

O labirinto daquele livro só tinha cerca de cem andares, mas já era complicado o bastante.

— Mas aquilo não é só uma história?

— Não. Dizem que os três grandes estilos que passamos ao longo das gerações nasceram dentro daquele labirinto.

— Hmm, sério? Mas se aqueles caras eram espadachins de classe Divina, e passaram por tantos problemas… acho que eu não duraria cinco minutos naquele lugar.

— Ei, eu costumava entrar em labirintos o tempo todo, sabia? Você se sairia bem.

Paul começou a contar a história de um jovem homem Oni que se uniu a um grupo de guerreiros humanos para entrar em um labirinto repleto de homens-peixe, e sua eventual vitória à custa da vida de vários camaradas.

Antes que eu tivesse tempo para processar isso, ele passou para a história de um mago incompetente que acidentalmente caiu em um labirinto, juntou-se a um grupo que perdeu o mago e descobriu seus talentos latentes enquanto envolvido pelo calor da batalha.

Parecia que ele sempre esteve ansioso por essa conversa.

 

Eu não diria que não tinha interesse, especialmente quando se tratando dos labirintos. Mas, no geral, pareciam ser perigosos demais.

Por um lado, as pessoas daquele livro tinham a tendência de alcançar seus objetivos de forma bem abrupta. Os três espadachins não eram os únicos personagens, claro, mas foram os únicos sobreviventes da expedição.

Um de seus aliados foi queimado no meio de uma conversa, atingido por uma bola de fogo que apareceu do nada. Outro caiu por um buraco no chão e sumiu. Ah, e também houve aquele outro cara que foi cortado no meio na mesma hora que colocou a cabeça para fora de seu esconderijo. Até guerreiros fortes o bastante para derrotar monstros assustadores foram mortos por armadilhas no instante em que se descuidaram um pouco.

Sendo os protagonistas e tudo o mais, os três heróis passaram dos obstáculos ilesos, mas eu duvidava que um cara desajeitado feito eu pudesse lidar com isso. Afinal de contas, eu era do tipo distraído.

— O que achou? Ir para aventuras parece ser bem divertido, não acha?

— Ah, você não deve estar falando sério.

Por que eu me colocaria em situações de alto risco, de propósito, só para ter algumas emoções? Uma vida descontraída cercada de mulheres — assim como a de Paul — parecia muito mais atrativa.

— Acho que estou mais inclinado a passar a vida correndo atrás de rabos de saias.

— Oho. Acho que você realmente é meu filho!

— Sendo sincero, eu gostaria de construir um pequeno harém, assim como meu querido pai.

— Sério? Mas é melhor pensar em perseguir uma saia de cada vez, pelo menos por enquanto. disse arth 

Arthur  apontou para trás, sorrindo. Eu me virei para ficar cara a cara com uma Sylphie muito mal-humorada.

Que timing perfeito, seu idiota.

 

 

Alguns meses depois 

 

Recentemente passei muito tempo no meu quarto, com Sylphie, conduzindo-a nos conceitos básicos de matemáticas e ciências. Parecia ser o modo mais fácil de ajudá-la a entender como os feitiços silenciosos realmente funcionavam, tudo detalhadamente.

Infelizmente, na minha outra vida, saí da escola após chegar ao ensino médio. Embora tenha tecnicamente sido aprovado apenas para uma escola de idiotas, eu desisti quase na mesma hora.

Assim sendo, havia um limite real para o quanto poderia ensinar. O aprendizado baseado em livros não era tudo, claro…, mas eu estava começando a ficar com raiva de mim mesmo por não ter levado meus estudos mais a sério.

A essa altura, Sylphie já tinha dominado o básico da leitura e escrita, e aprendera a lidar com multiplicação até mesmo de números de dois dígitos. A tabela de horários era meio puxada, mas a garota claramente não era nenhuma idiota. Provavelmente também aprenderia divisão muito em breve.

Eu também estava ensinando algumas ciências básicas, junto com a magia.

— Por que a água se transforma em… vapor quando é aquecida?

— Bom, a água já se dissolve naturalmente e vira ar, mas precisa de um pouco de calor para isso. Então, quanto mais quente fica, mais rápido ela se dissolve.

Estávamos estudando o ciclo de evaporação, condensação e sublimação.

Pelo olhar no rosto de Sylphie, ficou claro que ela realmente não entendia o que eu queria dizer. Ainda assim, provou que aprendia tudo muito rápido. Provavelmente porque sempre prestava muita atenção e se esforçava ao máximo.

— Uhm… Basicamente, qualquer coisa derrete se você esquentar o bastante, certo? E se esfriar de novo, volta a ficar sólido.

Eu não era professor nem nada do tipo, então isso era o melhor que poderia fazer.

Sylphie era mais inteligente do que eu, de qualquer forma. Ela provavelmente tentaria algumas coisas por si só até que tudo começasse a fazer sentido. Graças à magia, realmente não seriam necessárias ferramentas para a maioria dos experimentos.

— Qualquer coisa pode derreter? Até coisas como pedras?

— Sim. Mas vai precisar de um calor bem intenso.

— Você pode derreter uma, Rudy?

— Claro. — Mas não é como se já tivesse tentado.

E mais, quando eu começava a me concentrar de verdade, agora poderia meio que distinguir os diferentes elementos no ar ao meu redor. Provavelmente poderia apenas bombear oxigênio e hidrogênio em uma rocha até que ela derretesse.

Aliás, também existia um feitiço chamado Veio de Magma, que permitia criar uma erupção espontânea de lava. Achei que devia ser uma mistura entre magia da terra e de fogo, mas estava classificado como um feitiço de fogo de nível Avançado.

Gostavam de dividir as coisas direitinho em disciplinas diferentes por aqui, mas no final estava tudo inter-relacionado. E colocar mais poder mágico nos feitiços não era a única maneira de torná-los mais fortes; manipular gases combustíveis, por exemplo, poderia produzir calor intenso com muito mais eficácia.

Eu já tinha descoberto esse tanto até agora. Mas não muito além disso.

Minha habilidade como mago não melhorou desde que Roxy partiu. Só acabei encontrando algumas formas para combinar meus feitiços atuais combinar elementos , usá-los com mais eficiência e aumentar seu poder fazendo alguns ajustes científicos.

À primeira vista, provavelmente parecia que eu estava ficando mais forte… mas parecia que chegara a um beco sem saída. Dado meu nível de conhecimento, talvez nunca conseguiria fazer algo mais desafiador do que aquilo que já poderia.

Na minha outra vida, era fácil encontrar todo tipo de informação que precisava na internet, mas não havia algo tão conveniente assim neste mundo.

Talvez realmente precisasse de alguém para me ensinar…

— Hmmm. Escola, hein…?

Roxy mencionara que as escolas mágicas tendiam a ter regras e padrões muito rígidos, mas talvez eu pudesse encontrar um meio de entrar em uma.

— Você vai para uma escola, Rudy?

Pelo visto acabei pensando em voz alta. Sylphie virou-se para olhar para mim, demonstrando uma expressão ansiosa no rosto.

O movimento deixou seus cabelos verde-esmeralda balançarem levemente. Ela tinha deixado eles crescerem um pouco nos últimos tempos… provavelmente porque eu continuava casualmente sugerindo para fazer isso, mais ou menos uma vez por mês. No momento, estava bem curtinho, mas já dava para ver alguns cachos reagindo a cada movimento de sua cabeça.

Logo chegaríamos ao ponto de poder amarrá-lo em um rabo de cavalo.

— Não, não estou. Meu pai disse que eu seria intimidado o tempo todo e que não aprenderia nada.

— Mas você começou a agir meio estranho de novo…

Espera, sério?

Isso era novidade para mim. Estraguei tudo de novo? E estava me esforçando tanto para atuar como alguém “totalmente distraído” quanto a tudo que estava ao redor…

— Sou meio estranho desde que era um bebê, de acordo com meus pais.

Eu estava tentando usar isso como uma piada, mas Sylphie franziu a testa e balançou a cabeça.

— Não é disso que estou falando. Parece que você anda meio triste.

Ah. Ufa.

Eu estava preocupado em ter feito algo para voltar a aborrecê-la, mas, pelo visto, ela estava é preocupada comigo.

— Bem, recentemente não consegui fazer muito progresso, sabe? Não estou melhorando nem com magia nem com espada.

— Mas você já é incrível, Rudy…

— Para a minha idade, talvez sim.

É verdade que provavelmente não existissem muitas crianças no meu nível neste mundo. Mas, dito isso, eu ainda não havia conquistado nada.

Minha “habilidade” com magia era parcialmente graças às minhas lembranças da vida anterior, e parte do meu avanço inicial com o lançamento de feitiços silenciosos se devia a isso. Esses fatores me deram uma enorme vantagem sobre a maioria das pessoas. Mas agora que cheguei a um impedimento, não consegui encontrar nenhum caminho. O fato de ainda ter trinta e quatro anos de vida desperdiçada também não era mais de muita ajuda.

Seria fácil me xingar por não ter estudado quando tive a chance, mas o que foi feito, foi feito. E, claro, alguns fatos do meu velho mundo não seriam necessariamente aplicados a este, de qualquer forma. Este lugar tinha seu próprio conjunto de regras que eu precisava desvendar.

Não poderia confiar nas minhas velhas memórias para sempre.

Magia era a lei fundamental daqui. E para entender isso, precisaria compreender este mundo.

— Ainda assim, acho que já está na hora de dar o próximo passo adiante, sabe?

Sylphie estava melhorando sua magia constantemente, e ficava mais esperta a cada dia que se passava. Observar seu progresso estava começando a fazer eu me sentir meio patético. Comparado a ela, não estava fazendo nada além de ver o tempo passar.

No momento, eu ainda podia meio que me considerar o protagonista dessa história, mas a menos que movesse meu traseiro arrogante, essa garota algum dia me colocaria para comer poeira.

Franzindo o cenho, Sylphie me pressionou ainda mais.

— Você vai a algum lugar?

Bem depois daquela conversa o arth me deu a ideia de arrumar um emprego de professor particular no começo eu estava em duvida pois eu queria ficar com a Sylphie mas ele disse que nos dois nunca iriamos amadurecer se ficassemos  juntos e que eu ficaria igual a minha vida anteriaor , e por isso eu aceitei e pelo  que parece eu irei trabalhar para um nobre que e parente de meu pai , e o arth vai junto pois ele vai ser treinado por um rei da espada .

E o que  mais motivou foi a carta que recebi sa sensei

Querido Rudeus,

Como vai você?

É difícil de acreditar, mas suponho que já passaram dois anos desde que nos separamos.

As coisas finalmente ficaram um pouco calmas por aqui, então pensei em aproveitar a oportunidade para escrever para você.

No momento estou na capital real do Reino de Shirone. Estou explorando vários labirintos, e parece que acabei criando certo renome, então acabei sendo contratada para ser a tutora de um certo príncipe.

Educar ele me traz de volta memórias de todo o tempo que passei na casa dos Greyrat. Por um lado, o príncipe é realmente muito parecido com o jovem que ensinei aí. Embora não seja tão talentoso quanto você, é um garoto perspicaz e também um jovem mago em ascensão. Lamentavelmente, também é propenso a roubar minhas calcinhas e me espiar enquanto estou me trocando, assim como certo alguém. A personalidade dele é meio pomposa, e é consideravelmente mais enérgico, mas no geral, seus padrões de comportamento são bem semelhantes. Talvez homens ambiciosos sejam todos bestas loucas por sexo, não?

Hmm. Talvez eu não devesse ter escrito isso. Se alguém lesse poderia me jogar em algum calabouço por manchar a honra da família real.

Mas só preciso abrir um caminho se isso acontecer. Não é como se eu quisesse dizer essas coisas de maneira ruim, sério.

De qualquer forma, parece que a corte real planeja me nomear como “maga da corte” enquanto eu estiver aqui. Ainda há muita pesquisa mágica que anseio por fazer, e isso deve servir perfeitamente para isso.

Ah, isso me lembra de uma coisa  finalmente consegui pegar o jeito para lançar feitiços de água no nível Real. A biblioteca real daqui tinha alguns livros com um conteúdo bastante útil.

Quando dominei a magia de nível Santo pela primeira vez, achei que era o melhor que seria capaz de fazer, mas parece que um bom tanto de esforço ainda foi de grande ajuda.

Não ficaria surpresa se você já estiver lançando feitiços de nível Imperial, Rudeus. Ou talvez você tenha ampliado seus horizontes e alcançado o nível Santo em outras escolas, não é? Sei quão voraz é sua sede por conhecimento, e evidentemente também pude ver seu interesse por Cura e Invocação.

Então, novamente, talvez você tenha optado por se concentrar no caminho da espada. Seria um pouco decepcionante, para ser honesta, mas tenho certeza de que você deixará sua marca no mundo, seja lá como for. Pessoalmente, pretendo me tornar uma maga de água do nível Divino.

Como mencionei antes… se você acabar se deparando em um beco sem saída enquanto estuda magia, vá para a Universidade de Magia de Ranoa. Você precisará passar para um teste de admissão caso não tenha uma carta de recomendação, mas acho que isso não deve ser nenhum obstáculo para você.

Bem, nos vemos uma hora dessas.

Roxy

P.S. É bem possível que eu já tenha deixado a corte real quando sua resposta chegar, então não precisa responder.

 

 __ Bem em breve

— N-não! — gritou Sylphie, jogando os braços ao meu redor.

— Uh… Sylphiette?

— Não… Não… Não!

A garota estava me apertando com tanta força que ficou difícil até respirar. Não tendo certeza de como reagir, fiquei em silêncio por um momento.

— Não… Não vá, Rudy! Hic… Waaaaaah!

Pelo visto, tendo interpretado tudo de modo negativo, Sylphie começou a chorar. Seus ombrinhos estremeceram, e ela enterrou o rosto no meu peito.

Hein? Sério? O que está havendo aqui?

Por um momento ficou claro que ela precisava ser consolada, então acariciei sua cabeça e esfreguei suas costas. Depois coloquei meus braços em volta de Sylphie.

Quando enterrei meu rosto no cabelo dela, descobri que o cheiro era muito bom.

 

— Hic… Por favor, Rudy.. Não… Não vá embora…

Parando para pensar, até que fazia sentido, sério.

Por um tempo, Sylphie começou a vir para a nossa casa em quase todas as manhãs. Ela ficava feliz ao me ver praticando com a espada, com paul e arth e depois passávamos para seus estudos e para a magia.

Se eu simplesmente partisse, toda a rotina diária dela desapareceria e ela voltaria a ficar sozinha. Agora poderia até afastar os valentões com sua magia, mas não era como se tivesse feito outros amigos.

Quanto mais eu pensava nisso, mais carinho demonstrava. Eu e arth era o único com quem Sylphie se importava tão profundamente. 

__ Bem me desculpe . eu disse pois não podia evitar isso .

 

E naquele dia ela saiu chorando  e eu com o coração partido depois de magoar a minha primeira e unica  amiga .


Notas Finais


e no próximo capitulo teremos a despedida e a ultima vez em que a família greyrart reunida esta toda reunida .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...