História Reencontrando O Meu Amor - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Dustin Henderson, Eleven (Onze), Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Nancy Wheeler, Personagens Originais, Will Byers
Tags Calpurnia, Fillie, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Romance, Stranger Things
Visualizações 14
Palavras 1.354
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Tô de volta, depois de muitos séculos, eu reconheço e peço desculpas. Muitas desculpas, já que demorou quase um mês!

Boa leituras, babys.

Capítulo 26 - Noite mal dormida


Pov´s Kamilly

 

Okay, tinha sido uma surpresa Finn Wolfhard chegar do nada em Nova Iorque, e sair beijando uma das minhas melhores amigas e a levar para o quarto em forma de desculpas, mas eu queria que Millie fosse feliz, e se isso dependia de Finn, que ele faça boa utilização e seja cavalheiro.

 

Já era tarde da noite, e eu ainda podia ouvir gemidos do quarto dela. Mas que caralhos esses dois estão fazendo? Já não cansaram de transar?

 

As camadas do meu travesseiro não cobriam o som, e eu estava muito cansada. Na manhã seguinte vamos receber visitas de alguns amigos e eu não gostaria de recebê-los com cara de uma zumbi. Revirei os olhos lembrando de que eu ainda teria que preparar o almoço sozinha, já que Sadie sairia com Caleb e não iriam ficar para almoçar. E Millie nem pensaria em ajudar, agora que Finn voltou para ela, a entendo que ela queira dar todo o amor que ela não deu nessas últimas semanas a ele.

 

-Chega! - falei, fazendo Noah, que dormia, ou pretendia dormir, no colchão se revirar mais uma vez. - Não aguento mais, Noah!

 

-E eu lá tenho culpa se os dois não se cansam de fazer sexo por um segundo? - ele estava mais cansado que eu.

 

Levantei bufando. Desviei de Noah que tentava, mais uma vez, pegar no sono, e me direcionei à porta, a abrindo e a batendo quando fechei. Todos já estavam acordados, não faria mal fazer barulhos. 

 

Cheguei na porta do quarto da Millie e bati duas vezes, sem respostas e mais gemidos. O que eu faria era constrangedor, mas eu faria de tudo para ter pelo menos três horas de sono naquele noite, que foi bem mais que cheia.

 

Abri a porta com tudo, tendo visão de Finn se virar e se cobrir assim como Millie. Que pouca vergonha! Soltei um risinho com tal pensamento.

 

-Okay - comecei. -, todos estão querendo dormir, e se vocês não pararem de gemer e transar feito duas hienas no cio, isso não vai ajudar em porra nenhuma.

 

-E precisava entrar assim? - Finn perguntou constrangido. -  Sei lá, você poderia ter batido antes...

 

-E eu bati. - expliquei. - Muitas vezes! E não precisa ficar com vergonha, chuchu. Millie já me contou detalhes do seu corpo, tenho tudo aqui. - apontei para a minha cabeça. 

 

Millie e Finn se entreolharam, enquanto Millie dava a ele um sorrisinho em pedido de desculpas, ele a encarava sem expressão. Talvez eu tenha feito errado compartilhando isso com ele, mas tudo era melhor do que passar a noite ouvindo eles fazendo amor.

 

-Foi mal se constrangi vocês - continuei o discurso. -, mas tudo é melhor que escutar vocês acasalando. 

 

-Qual é? - Millie falou pela primeira vez. - Todos nós aqui já transamos alguma vez, não é? E só por que você é uma exceção, não quer dizer que não podemos fazer!

 

Abaixei o olhar. Eu não. Nunca havia feito sexo antes, e ela sabia disso, só devia ter se esquecido, mas isso realmente me deixou magoada, eu nem sabia qual eram as sensações. Acho que é pela aparência, todos me odeiam do jeito que sou.

 

Millie calou-se quando viu que fiquei chateada com seu comentário e tentou dizer alguma coisa, mas a interrompi.

 

-Tudo bem, Millie. - falei. - Continue fazendo o que todos aqui, como você acha, já fizeram. Eu, Sadie e os garotos vamos dormir fora!

 

Eu não estava só chateada, mas irritada também. Millie tocou em um assunto delicado por minha parte, eu odiava ter que admitir que era a única a não ter feito o que a maioria vivia fazendo. Talvez ela estivesse certa. Eu não podia mandar eles pararem só por que eu não havia feito, mas essa não era a questão ali, eu só queria dormir.

 

Sai do quarto da Millie batendo a porta bem mais forte do que quando sai do meu quarto para falar com eles. Entrei no meu quarto, Noah mexia no seu telefone, mas parecia ter escutado tudo, já que seu rosto demonstrava um pouco de afeição. Sorriu de canto para mim e me chamou para de baixo de suas cobertas.

 

Não era afeto demais, eu já sabia sobre Jack e Noah, e como meu amigo mais intimo aqui nessa casa o ama. Noah era o meu favorito aqui porque era um dos poucos que mais me entendia.

 

-Vamos sair daqui. - Noah disse me levantando e me puxando até o meu armário. Sim, ele escutou a conversa e agora tenho certeza disso. - Vista uma roupa que vou chamar os outros.

 

Me arrumei e passei um pouco de maquiagem, seja lá para onde formos, estava com preguiça de me arrumar. Coloquei uma calça preta rasgada no joelho e uma camisa branca de maga comprida, então desci as escadas e encontrei o resto do grupo na sala. Sadie usava um vestido cinza com um casaco por cima, meia calça e botas de cano alto.

 

- Vamos para onde? - perguntei sem vontade. 

 

- Para a casa do Jaeden. - Sadie respondeu trancando a porta principal.

 

- A do Jaeden? - perguntei novamente, eu conhecia o Jaeden.

 

- É. - Noah disse óbvio. - Algum problema?

 

Jaeden. Sim eu o conhecia, e até demais. Ele era meu melhor amigo na escola, mas acabamos nos separando por que ele começou a namorar a Lilia, uma das minhas outras melhores amigas. Acabou que os dois se separam, Jaeden foi embora e ela continuou, então todos seguimos caminhos diferentes um do outro e aqui estamos.

 

- Não.

 

Me atentei, mas não queria que eles percebessem. Não sei o que aconteceu comigo aquela hora, mas meus nervos se contorceram e eu fiquei tremula, minhas mãos começaram a suar e eu comecei a me agitar. Noah me olhou confuso, mas eu logo comecei a andar em direção aos carros e deixamos o assunto de lado.

 

-Se não se incomodam, chamei o Jack para ir junto. - Noah falou indo em direção a um dos carros, que era direcionado por um garoto de cachos frouxos, baixinho e moreno. - Ele conhece o Jaeden e vai nos levar até lá.

 

-Tá tudo bem - Caleb respondeu -, mas eu vou no outro carro dirigindo, porque se a Sadie dirigir, vamos acabar parando no hospital.

 

-Idiota. - Sadie resmungou baixinho e entrou no banco do passageiro no outro carro. 

 

-Posso ir com você, Noah? - pedi, fazendo uma careta fofa. - Por favor.

 

Jack, eu e Noah fomos em um carro, enquanto no outro foi o casal McSink e o quase filho deles, Gaten. 

 

-Então você é o famoso Jack? - perguntei quebrando o silêncio.

 

-Sou famoso? - ele olhou para Noah, que soltou um sorrisinho constrangido. - Então Noah já falou de mim?

 

-Sei que você é dono de uma rádio bem famosa aqui, odeia brócolis, mas ama cenoura, o que eu acho péssimo. Como consegue gostar disso? Eca. Você gosta de cães e gatos igualmente e, se não for muito constrangimento, Noah disse que tem o beijo perfeito. - soltei tudo de uma vez.

 

- Nossa! - exclamou Jack. - Você me conhece mesmo, mas essa parte do beijo... Não sei se é tão bom quanto o do Noah.

 

- Ah, que lindos. - soltei. - Será que posso ser madrinha do relacionamento?

 

- Que relacionamento o que, Kamilly?! - Naoh me olhou com olhos arreglados. - Só... Bem, estamos nos conhecendo.

 

- Bom, se conhecer é beijar e saber tudo um do outro, eu não sei o que é namoro. - contrariei, é lógico que eles tinham alguma coisa, e ele eram tão fofos juntos.

 

 - Tá bem, chega de brincadeirinhas. - Jack cortou, me fazendo rir do banco de trás. - Você são quase insuportáveis.

 

-Enquanto não somos totalmente - preparei a piada. -, você beija um de nós dois.

 

E foi assim, que os dois riram. As risadas unidas dos dois era incrivelmente contagiante, e eu simplesmente me juntei à elas, era incrível como fazíamos amizade em poucos segundos com certas pessoas, e Jack, para mim foi uma delas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


E foi isso, nenês.
Espero que tenham gostado.
Beijos da Lyaah.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...