História Reencontro - BoruSara - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Chouchou Akimichi, Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Inojin Yamanaka, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shikadai Nara
Tags Borusara, Boruto, Naruto
Visualizações 919
Palavras 13.591
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oeeee pessoal, eu estava com essa ideia há algum tempo e eu decidi transformar em uma one-shot. (mas Autor-kun, + D 13 MIL PALAVRAS?! QUASE 14 MIL?! Acreditem ou não, eu queria escrever apenas 6.000 ou seja menos da metade, mas acabou que eu gostei do resultado).
Agora sobre o Hentai… gente… eu não sei se ficou bom já que foi o primeiro que eu escrevi, mas eu caprichei nos detalhes e passei o dia inteiro escrevendo.
.
.
.
De qualquer forma, aproveitem essa one-shot BoruSara!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Reencontro - BoruSara - Capítulo 1 - Capítulo Único

Tokyo, uma cidade que à noite poderia ser bem vista por qualquer pessoa como uma cidade recheada de oportunidades, sonhos e vitorias. Certamente poderia ser considerada uma cidade dos sonhos, mas para aquelas duas crianças, que se despediam da forma mais triste possível, aquela cidade não parecia tão linda quanto aparentava.

- Então… você já vai embora? – A garota morena perguntava ao loiro.

- Vou sim... – Respondeu cabisbaixo. – Sarada eu…

- Está tudo bem Boruto... – A morena disse, tentando não chorar. – Não precisa se… se preocupar comigo…

- Sarada…

Ao mesmo tempo, em frente ao apartamento em que as famílias Uchiha e Uzumaki viviam, Naruto assim como sua esposa Hinata, terminavam de pôr as malas no táxi.

- Hinata, pegou todas as malas? – O loiro perguntou, carregando seu próprio lote de malas.

- Peguei Naruto-kun, já está tudo no táxi. – A matriarca da família Uzumaki respondeu amável.

- E a Himawari? Onde ela está?! – Perguntou alterado enquanto olhava de um lado para o outro.

- Eu estou aqui papa! – A garotinha de apenas 6 anos de idade disse aparecendo na entrada do edifício. – Eu tinha me esquecido do Panda-san... – Terminou, balançando o brinquedo de pelúcia no ar.

- Então vamos, nosso voo sai em trinta minutos! – Exclamou Naruto.

- Espera... – Hinata chamou a atenção dos dois para si. – Onde está o Boruto?

- Ele está conversando com a Sarada onee-chan... – Himawari disse, da mesma forma que a mãe.

- Então eu vou chamá-lo. – Falou Naruto entrando no edifício. – Acho melhor vocês duas esperarem no carro.

- Sim, Naruto-kun. – Hinata concordou. – Vamos Himawari…

- Sim mama! – A pequena Uzumaki disse, logo antes de acompanhar a mãe rumo ao veículo.

Alguns momentos antes, em um estreito corredor lateral do edifício dos Uzumakis, Sarada e Boruto ainda conversavam como se tivessem todo o tempo do mundo, e embora ambos tivessem apenas 12 anos de idade, sabiam muito bem que aquela poderia ser a última vez em que fossem se ver.

- Talvez… talvez algum dia, nós nos encontraremos de novo... – O garoto loiro disse numa tentativa de animar a morena.

- Talvez... – A Uchiha rebateu com a voz levemente embargada.

- Sarada... – O garoto a chamou, segurando em seu ombro. – Está tudo bem, um dia… nos dois ficaremos juntos de novo! – Concluiu com certeza na voz.

Antes da morena dizer algo, o barulho de uma buzina pode ser ouvido pelas duas crianças.

- Boruto, vamos! Não podemos perder o nosso voo! – O patriarca Uzumaki alertou o jovem garoto.

- Eu já vou tou-chan! – Respondeu de volta, voltando a sua atenção para a amiga. – Eu preciso ir Sarada. – Continuou enquanto se afastava lentamente da garota.

- Boruto... – A garota o chamou pela última vez. – Me prometa que um dia nós vamos nos reencontrar! – Sarada disse enquanto apertava a mão do loiro.

- Eu… eu prometo! – Disse por fim. – Eu prometo Sarada!

E tudo o que a jovem Uchiha pode ver antes de seus olhos ficarem cheios de lágrimas foi o jovem loiro se despedir da mesma antes de entrar no carro, seguido pelo loiro mais velho que estranhamente fez o mesmo.

- Está tudo bem Sarada... – A voz de Sakura se fez presente logo atrás de si. – Eu tenho certeza que um dia todos nós estaremos juntos de novo. – Completou enquanto acenava para o patriarca da família Uzumaki.

- E se eu conheço bem o Naruto, não vamos ter que esperar muito para que isso aconteça… – Sasuke, que estava ao lado da rosada, comentou enquanto repetia o mesmo gesto da esposa.

- Eu… eu espero que estejam certos... – Sarada disse enquanto enxugava as lágrimas por baixo de seus óculos e levantava o olhar para o que antes era um táxi, mas agora não passava de uma pequena mancha branca no horizonte.

- Boruto… por favor… cumpra sua promessa… - Pensou logo antes de se virar e entrar no apartamento.

Paralelamente, o jovem Uzumaki olhava pelo vidro do automóvel na direção do seu antigo lar, até não conseguir mais distinguir o edifício entre as luzes da noite.

- Onii-chan... – A moreninha o chamou. – Eu não gosto de te ver triste…

- Eu estou bem Himawari... – O garoto disse voltando a se sentar no lado esquerdo do veículo, encarando a janela.

- Onii-chan…

- EU JÁ DISSE QUE ESTOU BEM! – Boruto respondeu de forma tão dura que a moreninha se encolheu imediatamente.

- Boruto... – Hinata começou, mas logo em seguida o loiro prosseguiu.

- Hima… me desculpe eu... – Boruto ficou sem reação, ainda mais quando viu os pequenos olhos azuis da irmãzinha se encherem de lágrimas. Então a única coisa que pode fazer foi abraçar a pequena Uzumaki. – Me perdoa Hima, vai ficar tudo bem… vai ficar… têm que ficar... – A voz do Uzumaki se cessou aí. – Sarada… - Pensou antes de se entregar as lágrimas.

Mais tarde, no aeroporto, a família Uzumaki aguardava pela chamada de seu voo enquanto faziam uma rápida vistoria em suas malas.

- Está tudo aqui querido... – Hinata disse ao seu marido. – Se nós nos esquecemos de algo podemos avisar a Sakura-san e ao Sasuke-kun.

- Certo... – O Uzumaki ponderou, mas logo em seguida um sentimento de arrependimento passou pela sua mente. – Eu deveria ter me despedido deles.

- Naruto-kun, está tudo bem, eles já sabiam o porquê de nós termos que nos mudar…

De fato, as duas famílias eram muito próximas, visto que os patriarcas de ambas as famílias eram amigos desde a infância. Amigos tanto na vida quanto nos negócios. Naruto, sendo o filho de Namikaze Minato, presidente das empresas Uzushio na Cidade de Nova York, acabou por ser nomeado o representante de sua filial em Tokyo. Mas o atual presidente passava por complicações de saúde devido a sua idade avançada, por isso o mesmo, assim como o conselho da empresa, haviam nomeado seu filho como sucessor. E como as empresas Uchiha’s Transportadoras, empresa pertencente ao seu amigo, Uchiha Sasuke, são aliadas da companhia que era o legado dos Uzumakis, ficaram responsáveis por oferecer todo o suporte necessário para o Uzumaki e sua família.

- Eu sei… eu sei. – Disse Naruto, ainda distante.

- ‘Atenção passageiros com destino a Cidade de Nova York, última chamada. O voo será em 15 minutos. ’ – A voz da recepcionista do aeroporto pode ser ouvida por todos.

- É o nosso voo, vamos! – Exclamou o loiro mais velho, segundo em direção a pista de embarque e sendo acompanhado pela sua família.

E era ali que a história do pequeno Uzumaki finalmente iria começar.

...

5 anos depois.

...

- ONII-CHAN! ONII-CHAN! Acorda! – A moreninha, agora com seus 11 anos de idade, pulava em cima do irmão mais velho.

- Eu já acordei Hima... – Embora fossem apenas 6:00 horas da manhã, o jovem loiro respondeu sorridente. – Por que me acordou tão cedo?

- Você já se esqueceu que hoje você vai me levar pra escola? – Perguntou enquanto se afastava do loiro.

- Não, eu não me esqueci… – Resmungou enquanto se levantava.

- Ainda bem, por que se você não for me levar pra escola eu teria que ir a pé... – Suspirou dando uma rápida volta pelo quarto até encarar o único olho exposto do Uzumaki. – Onii-chan está tudo bem?

- Estou, estou bem sim… é só... – Boruto disse pensativo. – Eu preciso tomar banho Hima. Depois a gente se fala, está?

- Está bem onii-chan! – A moreninha respondeu sorridente enquanto saia do quarto, mas antes de sair se virou para o irmão. – Ah é… o otou-chan está te esperando lá em baixo.

- Certo, avisa para ele que eu vou descer daqui a pouco. – O loiro disse antes de ver a moreninha sair do quarto.

Assim que finalmente se sentiu sozinho, o garoto suspirou aliviado, direcionou-se até a porta do local e a trancou. Em seguida tirou sua camiseta branca e suas calças azul-claro e caminhou rumo ao banheiro.

Ao chegar, retirou a sua última peça de roupa e andou até o box. Ligou o chuveiro e se permitiu relaxar sob a água quente, lavando completamente seu corpo como se toda a sua pele fosse renovada, ensaboou-se rapidamente e enxaguou seu corpo, aproveitando pela última vez a agua quente. Quando se sentiu satisfeito, pegou uma pequena porção de shampoo com alguns ingredientes condicionantes e esfregou sobre sua cabeleira loira ondulada, enxaguando a cabeça logo em seguida e desligando o chuveiro quando se sentiu satisfeito.

Após se enrolar em uma toalha, deixou o banheiro e se dirigiu ao seu guarda-roupas, pegando entre as várias peças de roupa uma nova cueca box, uma calça jeans azul escuro cumprida, uma camisa cinza e uma jaqueta preta com detalhes dourados na linha dos ombros e nas bordas.

Colocou as peças sobre a cama e se virou para fechar a porta do guarda-roupas, e quando o fez encarou o próprio corpo seminu, coberto apenas pela toalha, através do seu próprio reflexo no espelho, preso a porta do móvel. Seu corpo estava bem mais “crescido” do que durante sua infância, os músculos de seu abdômen estavam mais definidos, assim como em seus braços e tórax, porém sem nenhum exagero. Seus cabelos, agora mais longos e mais rebeldes. Assim como o seu rosto que nem se assemelhava a de um jovem de 17 anos. Mas o que mais chamava a atenção era a pequena cicatriz em seu rosto, que seguia uma diagonal que ia desde a metade do lado direito da testa, passando pela sua bochecha esquerda até o nível da ponta de seu nariz. Assim como o seu olho direito, que embora ainda conseguisse enxergar com ele, o mesmo apresentava um coágulo profundo na esclera, tão profundo que havia apenas um borrão preto cobrindo todo o local que deveria ser apenas da cor branca.

Balançou a cabeça numa tentativa de se livrar desses pensamentos e começou a se vestir, mas logo antes de sair do quarto, ajeitou uma de suas mechas para cobrir aquela parte do seu rosto e andou rumo ao andar de baixo.

- Ah, Bom dia Boruto... – O loiro mais velho saudou o filho assim que o mesmo apareceu na sala de jantar.

- Boruto, eu separei o seu café-da-manhã. – Hinata disse amável. – Como está se sentindo?

- Eu estou bem okaa-san… só um pouco cansado…

- E ansioso? – Perguntou Naruto encarando o filho com uma sobrancelha arqueada. – Afinal de contas, amanhã é o seu primeiro dia na faculdade. – Completou, bebericando um pouco do seu café logo em seguida.

- Acho que a faculdade não vai ser tão ruim assim... – Disse desviando o olhar para um ponto aleatório.

- Você só diz isso por que seus amigos vão estar lá. – Rebateu Naruto.

- Nem todos... – O jovem disse em um tom quase mórbido, mas logo em seguida prosseguiu. – De qualquer maneira, eu acho melhor eu levar a Himawari até a escola. Vamos Hima! – O Uzumaki a chamou enquanto ia até a saída do prédio, sendo seguido pela moreninha.

- Espera Boruto... – Hinata o chamou antes que ele saísse do local. – O seu café…

- Eu termino quando eu voltar! – Exclamou quando sumiu da vista dos dois junto com a pequena Uzumaki.

- Chegamos Hima! – O loiro exclamou assim que seu carro parou na frente da escola, alguns minutos mais tarde.

- Obrigado onii-chan! – Agradeceu enquanto descia do carro e caminhava na direção do ginásio.

- Oe! Você não está se esquecendo de nada não? – O Uzumaki perguntou, apontando para a própria bochecha.

Himawari então voltou até o irmão mais velho e abraçou o pescoço do mesmo, e logo em seguida deu um rápido beijo na bochecha do mesmo.

- Até mais tarde onii-chan... – A morena se despediu do irmão, e então adentrou na escola.

- Até... – Sussurrou para si mesmo. – Cara… o que eu vou fazer no meu último dia de férias? – Comentou para si mesmo. – Acho melhor eu dar uma passada lá em Battery Park… só para passar o tempo…

A viagem de Manhattan até Battery Park não era tão longa, ainda mais quando se está dirigindo um Honda Civic cor grafite como se fosse um piloto de corrida.

Ao longo do caminho, o jovem Uzumaki passou por vários locais que lhe eram familiares como Chinatown, a Ponte do Brooklyn e o Distrito Financeiro. Mas um dos lugares prediletos do loiro em toda a Nova York era o Battery Park, parque no qual tinha uma perfeita vista de Upper Bay, mas para o loiro, aquele parque tinha um valor especial.

12 anos atrás…

“…

O pôr-do-sol em Tokyo era considerado por várias pessoas, uma das demonstrações de beleza mais fascinantes do mundo. Ainda mais para aqueles que se fascinavam com uma das mais belas cidades da terra do sol nascente. Ver o céu tingido em dourado e carmesim era de certa forma, poético, segundo muitos. Mas para aquele jovem garotinho de apenas 5 anos de idade, aquela visão era de fato linda.

O jovem Uzumaki, que estava deitado sob a grama do pequeno parque que tinha vista para um lago, observava o fenômeno natural com curiosidade. Estendia seus braços para o alto como se pegasse os finos rastros de nuvens multicoloridas.

Ele estava tão distraído que sequer pode notar que não estava mais sozinho naquele parque, pelo menos até uma voz feminina, quase que inaudível se fazer presente aos ouvidos do jovem loiro.

- Oi…

- Hum?! – O loirinho ficou surpreso com a nova presença. Tanto que quase se desequilibrou quando viu quem o havia chamado. – Ah, oi! – O garoto tentou ser gentil, e então prosseguiu. – Desculpe, é que eu não a tinha visto aí... – Concluiu, coçando a própria nuca.

- Tudo bem, isso sempre acontece... – A moreninha disse mais relaxada, desviando o olhar para um local aleatório

- Qual é o seu nome? – Perguntou enquanto limpava a grama de sua camiseta azul-escuro.

- Sarada... – Respondeu encarando o loiro. – E o seu?

- Boruto... – Respondeu sorrindo, mas logo a sua expressão se normalizou. – Você está… perdida?

- O que?! – Sarada perguntou surpresa. – Não… não estou não… eu moro aqui perto. – A garota respondeu rapidamente. – É só que…

- Já entendi... – Boruto disse como se estivesse prestes a fazer a afirmação mais óbvia de todas. – Você está com medo de voltar para sua casa sozinha, não é?

A moreninha então baixou a cabeça, envergonhada por ter sido tão tonta em deixar seu medo tão exposto para um desconhecido.

- Hey está tudo bem... – Boruto continuou enquanto se aproximava da garota e colocava sua mão sob o ombro dela. – Vamos eu te levo para sua casa.

- Mas e você? – Perguntou assim que sentiu ele se afastar. – Seus pais não estão preocupados?

- Está tudo bem, minha casa é aqui perto também. – Respondeu prontamente. – Então vamos?

- Certo... – Sarada cedeu, por fim.

E assim, os dois jovens começaram a andar pelas ruas movimentadas da cidade. Ambos evitavam trocar olhares, mas em um certo ponto, ele decidiu falar algo.

- Então… você já morava aqui ou veio de outra cidade? – Perguntou olhando na direção da morena.

Eu vim de Yokohama, do sul. – Respondeu olhando nos olhos azuis do loiro. – Eu me mudei ontem.

- Entendi…

E mais uma vez eles ficaram sem assunto, mas de certa forma aquele silêncio era bom para os dois.

- E ali! – Sarada apontou na direção de um pequeno caminhão de mudanças.

- Aquela é a sua casa?! – Boruto perguntou atônito.

- É sim por que?

- Por que aquela ali é a minha casa e aqueles ali são os meus pais! – Exclamou enquanto apontava na direção de uma casa que ficava ao lado da casa da moreninha.

- Então nós somos… vizinhos?!

- Parece que sim! – Respondeu comum meio sorriso cômico enquanto andava na direção dos pais, sendo acompanhada pela garota.

- Tou-chan… o que está acontecendo? – Perguntou assim que se aproximou do loiro mais velho.

- Ah Boruto, então você estava aí, venha, eu quero te apresentar a duas pessoas. – Disse puxando o loiro para o seu lado. – Esses são Uchiha Sasuke e Uchiha Sakura, amigos de longa data e agora, nossos vizinhos. – Comentou enquanto apontava para o casal. – E esse e o meu filho, Uzumaki Boruto – Completou enquanto se afastava levemente, deixando o garoto entre os dois adultos.

- Oi Boruto, eu sou a Sakura. – A matriarca da família Uchiha disse de forma animada enquanto apertava levemente as bochechas do loirinho. – E esse é o meu marido, Sasuke. – Continuou enquanto apontava na direção do moreno, que pronunciou apenas um ‘Hm’, acenando a cabeça levemente. – Ele é assim mesmo, de poucas palavras... – Sussurrou apenas para o garoto, embora o Uchiha tenha ouvido perfeitamente.

- Mama, o que está acontecendo? – Pela primeira vez, Sarada se pronunciou.

- Ah, Sarada, diga ‘oi’ para os nossos novos vizinhos. Esses são Uzumaki Boruto e Uzumaki Hinata. – A rosada comentou, apontando na direção do loiro mais velho e da morena de cabelos azulados que se aproximava com uma bandeja de refrescos.

- Vocês querem? Acabei de preparar... – Perguntou Hinata, oferecendo a bebida para todos.

- Obrigada Hinata. – Sakura agradeceu a morena. E logo em seguida sua atenção se voltou para os dois jovens. – Pelo visto vocês dois já se conheceram!

Os dois então se encararam e voltaram sua atenção para a rosada.

- Pode se dizer que sim! – Ambos responderam ao mesmo tempo, o que provocou um ataque de risos em todos, exceto no moreno, que apenas sorriu levemente.

E era ali, que a vida deles começou…

…”

Dias atuais…

Boruto sorriu levemente ao se recordar da família Uchiha, assim como da Sarada, sua melhor amiga. Agora o mesmo se encontrava recostado em um banco de madeira, apreciando o movimento das águas que formava a Baia, sob seus óculos de sol escuros. Até que sentiu alguém o cutucar.

- Ex-excuse mi-mister, but you can h-help me? (Me perdoe senhor, mas você pode me ajudar?) – O loiro havia reconhecido o sotaque japonês da garota por trás daquele ‘falho inglês’ de imediato, mas para se divertir, entrou no jogo.

- Hãn? – Se fingiu de desentendido, embora internamente estivesse se segurando para não rir.

- I ne-need arrive at th-this add-address… (Eu preciso chegar a esse endereço…) – A garota continuou, estendendo um pedado de papel para o loiro.

Após Boruto analisar o papel, não pode deixar de ficar surpreso com o que estava escrito, já que mostrava exatamente onde ficava o local em que o seu pai trabalha, porém ainda sim decidiu continuar na brincadeira.

- I don’t understand what you try to tell me… please, repeat… (Eu não entendo o que você está tentando me dizer… por favor, repita…) – O garoto falou de forma tão rápida que deixou a garota ainda mais confusa.

Ela então apenas pegou o papel das mãos do loiro e começou a sair do local, mas quando ela estava prestes a dar o segundo passo, ouviu uma forte gargalhada por parte do loiro.

- Olha… se eu fosse você… tentaria melhorar o seu inglês, por que você não vai… sobreviver muito tempo por aqui se continuar falando assim. – O loiro falou com dificuldade enquanto tentava recuperar o fôlego.

A garota então recuou levemente. Encarando o loiro surpresa.

- Você, VOCÊ SABIA!!! – A garota exclamou enquanto retirava seu chapéu, revelando seus longos cabelos negros, e se aproximava do loiro, fazendo um tremendo esforço para não socá-lo ali mesmo.

- Me desculpe eu não resisti. – O loiro disse plenamente recuperado. – Mas é que uma chance de fazer uma pegadinha com uma conterrânea não aparece sempre por aqui em Nova York.

- Que seja... – A morena resmungou enquanto ajeitava seus óculos vermelhos. – Você vai me ajudar ou não?!

- Tudo bem, tudo bem... – O loiro disse enquanto balançava as mãos no ar de forma cômica. – Pode me emprestar isso? – Perguntou apontando para o pedaço de papel.

- Pega! – A garota quase exigiu.

Com o papel em mãos, o loiro puxou uma caneta de dentro de seu agasalho e começou a anotar algumas instruções em inglês no verso do mesmo. Quando terminou, guardou a caneta e entregou o pedaço de papel a morena.

- Obrigada... – Involuntariamente a garota agradeceu, com a sua voz ainda ríspida.

- De nada… - O loiro disse sorrindo enquanto se afastava e saia do local.

..

- Esse cara é tão metido, mesquinho, cínico e arrogante. – Pensou Sarada, enquanto ajeitava seu chapéu e dava meia volta. – Até parece o……
Boruto?!

.

- Aquela garota é tão cabeça quente, chata, agressiva e antipática. – Pensou Boruto com um meio sorriso, enquanto caminhava até o seu carro. – Até me lembra a……
Sarada?!

..

Embora fosse fisicamente impossível ‘congelar’ o tempo, a sensação que aqueles dois jovens sentiram foi exatamente essa, assim que se viraram e se encararam um nos olhos do outro.

- Boruto?! – A Uchiha perguntou atônita, enquanto encarava o loiro. – É… é você mesmo?!

- Sarada?! – O garoto perguntou da mesma forma que a morena. – SARADA! – Exclamou correndo na direção da garota, a abraçando em seguida.

- Boruto… eu... – A Uchiha ainda permanecia abraçada ao loiro. – Como… depois de tanto tempo… eu até tinha perdido as esperanças de te encontrar de novo... – Continuou, sussurrando.

- Eu sei que isso demorou Sarada. – Disse se afastando lentamente da garota. – Mas parece que quem cumpriu minha promessa, foi você… nós finalmente nos reencontramos.

- Baka. – Disse com um meio sorriso, logo antes de socar o ombro do Uzumaki.

- Aí Sarada... – Boruto resmungou, enquanto afagava o local. – Você ainda soca com força sabia? – Completou com um meio sorriso.

- É o que a minha mãe sempre diz... – Comentou com arrogância.

- Boba... – Disse em um tom divertido.

- Mas Boruto, o que aconteceu com você? – Perguntou enquanto olhava a cicatriz do loiro, assim como seu olho direito.

- Eu também tenho várias perguntas Sarada, mas aqui não é o melhor lugar para conversarmos. – Comentou de forma séria. – Você está sozinha?

- Não… os meus pais estão naquele táxi. – Sarada disse enquanto apontava na direção de um carro amarelo.

- Então o problema está resolvido, vocês irão comigo. – O jovem respondeu prontamente.

- Com você? – A morena perguntou confusa.

- É, no meu carro... – Completou enquanto apontava na direção do automóvel, que estava no estacionamento ao lado do parque.

- Espera… aquilo ali é o seu carro?! – Sarada perguntou mais que surpresa. – Pensando bem, acho melhor eu ir de táxi... – Completou com um sorrisinho.

- Engraçadinha... – Disse em tom de deboche. – Agora vai logo chamar eles enquanto eu ligo o carro, está bem senhorita Uchiha? – Completou fazendo uma reverência.

- Está bem, senhor Uzumaki. – Disse repetindo o mesmo gesto do loiro. – Só não demore muito! – Completou se afastando e indo na direção do carro amarelo.

- Aquela folgada... – Pensou sorrindo e indo na direção do próprio automóvel.

- Oe! Aqui! – Boruto acenou para a família Uchiha enquanto estava na frente do veículo.

- Então esse é o seu carro, Boruto? – A rosada perguntou, assim que se aproximaram.

- É sim! Não é muita coisa, mas é o máximo que eu consigo pagar… por enquanto. – O loiro disse a última parte com um meio sorriso enquanto guardava algumas malas no carro. – Podem entrar! – Exclamou abrindo a porta de trás para a Sarada e a Sakura. E logo em seguida entrou no veículo, junto com Sasuke.

- Comparado a aquele táxi, esse carro parece um palácio. – Comentou Sarada, com admiração enquanto todos colocavam o cinto de segurança.

- Bem, não são muitas vezes que eu ouço isso, mas… obrigado. – O Uzumaki agradeceu com um leve rubor nas bochechas, ao mesmo tempo que dava partida no carro.

- Boruto... – Sakura começou. – Já que você tem um carro, poderia nos explicar o porquê de aqui as pessoas dirigirem do lado errado da rua?

- Lado errado? – Perguntou confuso enquanto aguardava a liberação do semáforo, mas logo em seguida a ficha caiu e tratou de responder à pergunta da rosada. – Entendi… é que aqui nos Estados Unidos, nós não seguimos o modelo de ‘mão inglesa’ por isso, tanto os volantes dos veículos quanto as pistas, são invertidas. – Concluiu assim que o sinal ficou verde.

- Mão inglesa? – Sarada perguntou atenta as palavras do amigo.

- É, todos os países que foram colonizados exclusivamente pela Inglaterra, têm esse modelo. Exceto o Japão. – Completou apontando comicamente para cima, onde tinha um pequeno adesivo da bandeira do Japão presa ao para-brisas, mas logo em seguida prosseguiu com ambas as mãos no volante. – Por isso que qualquer pessoa que vêm da Inglaterra, ou de qualquer outro país que usa esse modelo, deve obter uma habilitação local para dirigir um veículo.

- Entendi… - Sarada comentou. – E quando você conseguiu sua habilitação?

- No ano passado. – Respondeu rapidamente. – Aqui nos Estados Unidos, a idade mínima para se conseguir uma habilitação é de 16 anos de idade completos.

- Hãn... – Disse a morena como se entendesse. – Por isso que eu achei estranho você estar dirigindo um carro.

- Bem, eu não sou o único adolescente que dirige um carro por aí, sabia? – Perguntou arqueando a sobrancelha enquanto olhava rapidamente pelo espelho-retrovisor do carro.

- Eu percebi. – Pronunciou Sasuke pela primeira vez. – Mas me diga Boruto, o que você faz da vida?

- Eu tenho um trabalho de meio período com o meu pai. – Respondeu rapidamente. – Eu ajudo na organização no escritório, e também… eu sirvo de… chofer para ele... – Completou levemente constrangido.

- Chofer? – O moreno perguntou, atento.

- É… eu transporto ele para o trabalho, e do trabalho para casa, quando a minha mãe está com o carro dele... – Completou reduzindo a velocidade e parando na frente de um prédio. – Chegamos! – Exclamou assim que parou o carro. – Eu só preciso estacionar o carro, se quiserem esperar aqui, eu já volto.

- Tudo bem, vamos? – O patriarca Uchiha chamou sua família enquanto saia do carro.

- Vamos Sarada? – A rosada chamou a morena.

- Está! – Respondeu saindo do carro.

- Eu já volto! – Disse dando partida no automóvel e indo na direção do estacionamento do edifício.

- Então é aqui que o Naruto trabalha... – Sasuke soou analítico enquanto observava o arranha-céus.

- Parece que sim. – Sakura disse, também analisando o prédio, da entrada que possuía uma porta giratória, com algumas letras cromadas logo acima da entrada formando as palavras “Uzushio Company”, até o topo que possuía o mesmo letreiro, mas sob um desenho de um redemoinho vermelho. – Mas eu sempre achei que o redemoinho fosse laranja…

- Isso por que essa empresa foi fundada pelo meu avô, Namikaze Minato, em homenagem a minha avó, Uzumaki Kushina, que vivia em uma comunidade rural do Japão chamada Uzushio. – Comentou Boruto, se aproximando dos Uchihas e gesticulando para que eles o acompanhassem para dentro do prédio. – Comunidade essa que possuía uma bandeira de um redemoinho vermelho. Uma pena que essa comunidade não existe mais... – Completou se aproximando da recepcionista do local e lhe entregando um crachá que tirou de dentro da jaqueta.

- O Naruto nunca nos contou essa história... – Comentou Sasuke, atento as palavras do jovem Uzumaki. – O que aconteceu com essa… comunidade?

- Ela foi devastada por um tsunami no final da década de 60, desde então, a família da minha avó veio para Nova York, para tentar ter uma vida melhor. Enquanto aqueles que permaneceram por lá, trataram de restaurar o local. – Completou acompanhando os Uchihas até o elevador. – E foi aqui que ela conheceu o meu avô. – Terminou logo antes de apertar o botão do último andar.

- E como foi que eles se conheceram? – Dessa vez quem perguntou foi a jovem Uchiha.

- Foi no ensino médio, bem, meu pai sempre dizia que foi amor à primeira vista, mas eles mais brigavam do que se amavam... – Comentou quase rindo, mas tratou de se recompor para prosseguir. – Eles se casaram assim que se formaram em Administração no ano de 1978, no mesmo ano em que as duas famílias, Uzumaki e Namikaze, fundaram essa empresa. Mas foi aí que surgiu o maior problema da empresa, onde a matriz e filial ficariam. – Disse recostando-se na parede do elevador e jogando uma de suas mechas de cabelo sob o lado direito de seu rosto e logo em seguida, retirou seus óculos escuros antes de continuar. – O plano da família Namikaze era de a matriz permanecer aqui em Nova York e a filial ser no Japão, mas o plano da família Uzumaki era da matriz ser no Japão e a filial ser aqui em Nova York. – Fez uma pausa para respirar e prosseguiu. – E por causa desse simples problema, as duas famílias se separaram, cada uma com metade das ações da empresa. – Fez outra pausa apenas para observar o medidor do elevador mostrar que ainda estavam na metade do caminho. – Os investimentos que a família Namikaze fez no mercado garantiram o seu sucesso, e teria acontecido exatamente o mesmo com a família Uzumaki, se o terremoto que devastou por completo a já formada cidade de Uzushio não tivesse acontecido. – Parou por um momento, olhando para cima e depois continuou. – Meu pai nasceu naquele dia, no meio do terremoto, a família Uzumaki dizia que o nascimento do meu pai era um ato divino, porque no momento em que ele nasceu, os terremotos pararam. – Completou sorrindo. – Mas infelizmente, aquele desastre cobrou seu preço, a maior parte dos moradores da cidade foram mortas, quase toda a cidade não passava de pilhas e mais pilhas de escombros. Quando o meu bisavô, Uzumaki Torū, o pai da minha avó, deixou o abrigo improvisado em que o meu pai nasceu e viu o que tinha acontecido com a cidade, ele disse que aquela era uma prova de que aquele lugar era um lugar em que a paz poderia ser encontrada. – Disse logo antes de retirar um pequeno porta-retratos do bolso de sua calça e observar a foto de sua avó.

- Que história... – A rosada disse impressionada. – Mas o que aconteceu depois?

- Alguns meses depois, a família Namikaze descobriu o que tinha acontecido com a família Uzumaki. Meu avô foi o primeiro e único disposto a querer ajuda-los, mas os outros da família negaram apoio, por sorte conseguiu convencê-los a ajudar quando disse que o meu pai estava envolvido. – Comentou enquanto observava o indicador do elevador mostrar que ainda faltava mais cinco andares. – Mas a família Uzumaki recusou a ajuda, e é claro, como se fosse o próprio destino que estivesse manipulando as peças, a minha avó conseguiu convencê-los a aceitar a ajuda, e assim as empresas Uzushio renasceram. – Terminou, guardando o porta-retratos logo em seguida.

- Impressionante! – Sasuke deixou escapar.

- E por isso que eu acho os meus avôs as pessoas mais incríveis do planeta! – Exclamou com admiração. – É claro, depois dos meus pais… - Terminou com um meio sorriso, logo antes da porta do elevador ser aberta. – Finalmente! Vamos? – Perguntou saindo do elevador sendo seguido pelos Uchihas. – Esperem aqui, eu vou dizer para ele que vocês chegaram. – Disse, logo antes de entrar em uma porta que ficava no final do corredor. – Otou-chan?

- Oi Boruto, diga... – O Uzumaki mais velho cedeu espaço para que o filho se aproximasse.

- Eu vim avisar que…

- O Sasuke, a Sakura-chan e a Sarada-chan estão lá fora, não é? – Naruto perguntou de forma tão direta que o jovem quase caiu para trás.

- Si-sim, mas como você…

- Você me deu a dica de instalar um sistema de vigilância no elevador, lembra? – O loiro mais velho disse como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

- Ah é, eu tinha me esquecido... – Comentou, coçando apropria nuca e exibia um sorriso com todos os dentes.

- Então vai chamar eles... – Naruto continuou antes de ver seu filho dar meia volta e sair do local. – E Boruto... – O chamou antes dele sair da sala. – Você não deveria ter contado aquela história. – Disse em um tom mais que sério, mas logo em seguida sua expressão se suavizou e continuou. – Mas ainda assim, obrigado.

O loiro mais jovem apenas acenou para o pai antes de deixar a sala e dar de cara com a família Uchiha, sentada em um banco de espera, na frente do escritório.

- Vocês podem entrar, eles estão esperando vocês. – Boruto disse prontamente.

- Certo, Sarada, você fique aqui. – Sasuke disse antes de adentrar a sala, sendo seguida pela rosada.

Assim um silêncio recaiu sobre os dois jovens, sendo cortado apenas por alguns ruídos e gargalhadas da sala em que os mais velhos estavam.

Então com uma ideia em mente, Boruto decidiu começar a conversar.

- Então Sarada… o que acha de Nova York? – Perguntou se sentando ao lado da garota.

- Até que eu acho legal, exceto por uma ou outra pessoa chata... – Comentou, lançando um olhar mais que sugestivo para o loiro.

- Ah, qual é... – Disse Boruto em tom de ofendido. – Eu não sou tão chato assim sou?

- Não, não é… pelo menos, não mais…

- Assim você me magoa... – Disse enquanto colocava ambas as mãos sob o próprio peito. – Mas me diga, o que a sua família faz aqui em Nova York? Vieram para morar aqui?

- Viemos para estabelecer uma nova filial para a nossa transportadora, por isso viemos ver o seu pai. – A morena respondeu prontamente. – E respondendo a sua outra pergunta, sim. Eu vim para ficar, já que amanhã eu vou para a universidade.

- É mesmo? Qual universidade? – O loiro perguntou, mais que atento.

- New York University (NYU).

- Sério?! – O loiro perguntou surpreso. – Eu também!

- Ah é?! – A morena perguntou, da mesma forma do Uzumaki. – Qual é o curso que você vai fazer?

- Administração, e você? – Perguntou animado.

- Administração também! – Respondeu, tão animada quanto ele.

- Quem diria em? – Perguntou irônico. – Nós dois estudando juntos…

- Pois é... – Concordou com o loiro, mas logo em seguida sua expressão mudou. – Errr… Boruto?

- Hum?

- Você pode me dizer como o seu… olho ficou… assim? – Perguntou hesitante, enquanto observava o loiro afagar o local, logo em seguida. – Eu entendo se não quiser…

Tudo bem, eu digo… afinal de contas eu confio em você... – Disse olhando fixamente nos olhos da morena. – Foi a mais ou menos um ano... – Começou se sentando corretamente no banco e olhando para um ponto aleatório. – Eu tinha tirado a minha habilitação a algumas semanas e eu tinha ganhado um carro de aniversário, mas é claro, eu tinha que pagar pelo menos a metade dele... – Fez uma pausa para encarar a porta de sala em que os mais velhos estavam. – No dia, eu, meu pai, minha mãe e a Himawari estávamos indo até a concessionária para pegar o carro, mas no meio do caminho um… carro surgido do além… nos fechou. – Contou em tom quase cômico, mas prosseguiu. – Por sorte, meu pai freou a tempo, mas o pior ainda estava por vir, literalmente... – Continuou logo antes de encarar a morena, agora com ambos os olhos. – Eu me virei e olhei para trás na hora em que um caminhão atingiu o nosso carro, com o impacto um… fragmento do vidro cortou o meu rosto. – Disse passando rapidamente o dedo sob o local. – Mas o que deixou o meu olho assim foi uma barra de metal que voou na minha direção e atingiu meu crânio, por cima da minha sobrancelha. – Fez outra pausa para respirar e continuou. – Quando eu acordei, uma semana depois, eu estava em uma sala de hospital. A primeira coisa que eu vi foi meu pai, recostado em uma cadeira, dormindo. Olhei para o outro lado e vi minha mãe, abraçada a Himawari, e então ela olhou e me abraçou. Depois chamou meu pai que me olhou e chamou um médico. Minutos depois, uma mulher loira com olhos cor violeta entrou na sala e me examinou. – Pausou para se ajeitar no banco e continuou. – Ela disse algumas coisas que eu não havia entendido, mas até certo ponto eu tinha percebido que estava com uma bandagem cobrindo metade do meu rosto. Então, antes que eles notassem, eu tirei as bandagens e percebi que haviam alguns pontos no meu rosto. Até esse ponto a médica havia me visto, e disse para que eu não tocasse nos pontos e ficasse sentado, mas eu não dei ouvidos e fui até o banheiro, e a primeira coisa que eu vi no espelho foi o meu olho, vedado. E quando eu tirei a venda, vi o meu olho direito completamente vermelho. – Continuou logo antes de cobrir o olho novamente. – A médica me disse que um fragmento bem pequenininho do osso no meu crânio havia lesionado o meu olho, causando um leve sangramento. Ela também disse para os meus pais que quando isso acontece por causas naturais, o sangue volta ao normal, mas que no meu caso, podia ficar algumas sequelas. – O loiro disse de forma tão neutra que a Uchiha se espantou. – Bem, nas semanas seguintes, a maior parte do sangue em meu olho regrediu, mas uma pequena parte ainda ficou no meu olho e acabou coagulando, por isso ficou assim, escuro.

- Puxa... – Sarada disse assustada. – Então você… consegue ver com o seu olho?

- Consigo sim... – Respondeu rapidamente. – A única coisa que mudou foi a cor do meu olho…

- E você não… se sente mal por isso?

- Eu só me sentiria mal se algo tivesse acontecido a minha família! – Boruto respondeu firme. – E eu fico feliz pelo fato de que eu fui o único que saiu machucado daquele acidente.

Sarada então começou a olhar fixamente na direção do loiro e só naquele momento notou que ele estava de fato diferente.

- Boruto parece mesmo mais… ‘adulto’. – A morena pensou enquanto desviava o olhar para um local aleatório, mas logo em seguida encarou o olho exposto do Uzumaki. – Boruto... – Sussurrou se aproximando lentamente dele.

- O que foi Sar... – Se calou assim que viu ela se aproximar e por algum motivo ele não conseguia desviar do olhar da morena. – O que…­

Quando notou o iria acontecer se afastou rapidamente da garota.

- Sarada... – O garoto disse surpreso pela atitude da morena. – O que vo…

Antes do garoto continuar, os dois jovens ouviram o barulho da porta do escritório de Naruto ser aberta, revelando a presença do mesmo, acompanhado pelo moreno e pela rosada.

- Boruto, chame o Konohamaru aqui em cima, preciso acompanhar o Sasuke e a Sakura-chan até minha casa. – O Uzumaki mais velho disse assim que encontrou o loiro sentado no banco.

- Ce-certo. – O jovem loiro disse nervosamente.

- E depois você se importaria de pegar a Himawari na escola? – Perguntou antes do garoto ter entrado no elevador.

- Está bem.

- Espera Boruto... – O loiro mais velho parou a porta do elevador antes do filho descer. – Por que não leva a Sarada para conhecer a cidade? E claro… se o Sasuke concordar…

- Eu não vejo problema…

- Onii-chan! – A pequena Uzumaki disse enquanto corria, dos portões da escola, na direção do irmão, abraçando-o logo em seguida.

- Oi Himawari! – Uma voz saiu por trás do loiro e quando notou, era observada por um par de olhos cor ônix.

- SARADA ONEE-CHAN!!! – A moreninha disse eufórica enquanto corria para abraçar a Uchiha.

- Oi baixinha… opa, acho que não posso mais te chamar assim, já está bem grandinha... – Disse observando bem a aparência da Uzumaki, ela estava de fato mais crescida. Seus cabelos agora na altura dos próprios ombros davam um toque de fofura a mais para a moreninha.

- Você também mudou bastante onee-chan... – Himawari disse observando bem o visual da Uchiha. Agora ela estava com os seus cabelos na metade de suas costas, usava roupas bem longas, mas que marcavam um pouco o corpo da morena em alguns pontos como o busto e as pernas. – Ela não está bonita onii-chan?

O loiro quase engasgou com o ar que estava respirando, e ele não sabia de onde havia tirado coragem, mas ainda assim encarou a irmã.

- O que?! – Perguntou atônico, sentindo as próprias bochechas arderem.

- É que você sempre dizia que achava a Sarada onee-chan bonita... – Disse inocentemente.

Naquela altura, a Uchiha estava tão ruborizada quanto o loiro.

- E-eu… acho melhor n-nós irmos pa-para casa. – O loiro disse nervosamente enquanto voltava para o carro.

- Mama, papa, okaeri! – Disse Himawari sento acompanhada pela Sarada e pelo Boruto.

- Tadaima Himawari, Boruto. – Hinata saudou os filhos e voltou sua atenção para a Uchiha. – Olá Sarada, bem-vinda.

- Obrigada…

- Entrem, o almoço será servido daqui a pouco... – Disse se afastando.

- Vocês não perderam os costumes não é? – Sarada perguntou enquanto guardava o par de ténis na entrada do apartamento, assim como os dois Uzumakis.

- Nunca se deve perder os costumes, exceto com desconhecidos... – Comentou Boruto. – Por que não importa o quanto as culturas mudem, as famílias serão sempre as mesmas! – Completou, convicto.

- Certo, certo… se você diz…

...

O resto do dia se seguiu de forma normal, com algumas piadas por parte dos dois loiros na mesa de jantar, seguida de olhares reprovativos por parte das mulheres, com exceção da pequena Uzumaki que sempre ria com as “palhaçadas” dos dois loiros.

- Então Sakura-chan, onde vocês moram agora? – Perguntou Naruto, em certa parte da conversa.

- Na verdade, compramos um apartamento aqui mesmo em Manhattan, só há alguns quarteirões de distância. – A rosada respondeu.

- Então somos praticamente vizinhos de novo! – Exclamou animado.

- Parece que sim…

- E você Boruto, seu pai me disse que você vai estudar na mesma universidade que a Sarada, não é? – Sasuke perguntou, olhando fixamente na direção do loiro.

- É sim…

- Vai cursar o que?

- Administração. – Respondeu rapidamente.

- O mesmo curso que a Sarada... – Comentou Sakura, pensativa.

- Que tal, Sasuke… Sakura, eles não dão um belo… par? – Perguntou Naruto pensativo.

- Eu acho que sim... – A rosada comentou enquanto o moreno apenas revirou os olhos e murmurou um ‘Hm’.

Já os dois jovens apenas desviaram o olhar.

Um pouco mais tarde, a família Uchiha se preparava para retornarem para seu lar enquanto se despediam.

- Podem vir mais vezes... – Naruto comentou enquanto observava Sakura entrar no carro do Boruto.

- Se depender da hospitalidade de vocês, com certeza vamos vir... – Sakura comentou de dentro do carro enquanto o moreno apenas balançou a cabeça em reprovação.

- Ela não mudou muito, não é? – Comentou Naruto cutucando o moreno.

- Não mesmo... – Concordou com um meio sorriso.

- E os nossos filhos? Eu ainda acho que eles um dia vão se tornar namorados. – Disse com certeza na voz.

- Eu duvido muito! – Exclamou no mesmo tom do loiro.

- Que tal uma aposta! – Disse prontamente.

- Que aposta? – Perguntou interessado.

- 10 Dólares que eles vão ficar juntos até esse fim de semana! – Disse, estendendo a mão para o Uchiha.

- Feito! – Aceitou, apertando a mão do Uzumaki.

- Oe, quando é que nós vamos? – Sakura perguntou impaciente.

- Espera… não era para o Boruto e a Sarada estarem aqui?! – Sasuke perguntou irritado.

- Parece que eu já venci essa aposta... – Comentou Naruto convencido.

Antes que o moreno retrucasse, a porta da frente foi aberta revelando a presença do loiro e da morena.

- Oi gente, desculpe o atraso… a Himawari não parava de falar. – O Uzumaki disse assim que sentiu o olhar de todos pousarem sobre si. – E então, vamos?

A viagem para o Boruto e os Uchihas, até o endereço indicado pelo moreno, foi de fato rápida, tão rápida que eles sequer tiveram tempo para conversarem.

- Bom… chegamos! – Disse Sakura assim que chegaram ao apartamento.

- Então é aqui que vocês moram? – Boruto perguntou, admirando o apartamento.

- E sim. – Sarada respondeu enquanto descia do carro, assim como Sakura e Sasuke.

- Boruto pode me ajudar a tirar as malas? – Sasuke chamou o loiro.

- E claro... – Respondeu enquanto saia do carro.

- Sakura, Sarada, me espere lá dentro, eu já vou entrar. – Ordenou enquanto descarregavam as malas.

A Jovem Uchiha obedeceu rapidamente, mas Sakura lançou um olhar mais que significativo para o moreno antes de entrar na casa.

Assim que ficaram sozinhos, Sasuke parou na frente do loiro.

- Boruto... – Seu tom de voz foi firme. – O que você… acha da Sarada?

A forma com que o moreno havia perguntado deixou o Uzumaki surpreso. Mas ainda assim decidiu responder, olhando nos olhos do Uchiha.

- Sasuke, eu gosto da Sarada, na verdade… eu sempre gostei dela, até hoje ela foi a minha primeira e melhor amiga. – Respondeu de forma franca.

- Eu não me refiro a isso Boruto. – Sasuke continuou. – Eu me refiro há como você ver ela… como mulher…

Pela segunda vez naquele dia, Boruto quase engasgou com o próprio ar.

- Eu… eu não entendi... – Disse após se recuperar.

- Céus, você me entendeu sim... – Reclamou se encostando no carro do loiro. – Ou pelo menos acha que me entendeu.

- Eu…

- Apenas me escute Boruto... – Sasuke soou mais sério do que desejava, mas ainda assim continuou usando o mesmo tom. – A minha filha é o meu presente mais valioso, graças a ela e a minha esposa eu aprendi o valor de uma família, algo que tanto eu quanto você sabemos muito bem. – Parou apenas para que o loiro compreendesse as palavras do moreno. – Quando você e sua família partiram naquela noite, eu percebi que nenhuma outra pessoa na terra conseguiria fazer minha filha feliz, além de você. – Pausou para respirar fundo, e prosseguiu com seu tom de voz mais sério até então. – Ouça, quando alguém ama, sempre há o risco de machucar o próximo, porque a medida que o amor aumenta, a dor da perda também aumenta. – Respirou novamente, e prosseguiu com um tom de voz triste. – Eu quase perdi a minha esposa uma vez, por causa de uma besteira, e eu não quero que nem você e nem a Sarada se machuquem…

- Sasuke... – O garoto o chamou, colocando sua mão sobre o ombro dele. – Eu quero que saiba que não importa o que aconteça no futuro, a mim ou a Sarada, mas eu quero que saiba que eu sempre irei protege-la, até de mim mesmo se for necessário... – Boruto disse de forma tão firme que surpreendeu o Uchiha. – Mas, a verdade é que nem eu sei o que eu sinto pela Sarada, não sei se é amizade, ou… algo a mais... – O loiro disse a última parte desviando o olhar para um local qualquer, mas no momento seguinte prosseguiu, olhando fixamente nos olhos do moreno. – Mas eu quero que saiba, eu jamais magoaria a Sarada, ela é a garota mais espetacular que eu já conheci. E se em algum momento eu passar a olhar ela de outra forma, eu quero que o senhor seja a primeira pessoa a saber!

O moreno precisou de alguns segundos para absorver tudo o que o loiro disse, e embora não gostasse da ideia, ele sabia que a melhor pessoa para sua filha, era de fato o Boruto, o garoto que sempre aprontava com ela.

- Agora eu sei o porquê de você ser o meu afilhado. – Comentou sorrindo enquanto se inclinava na direção do loiro e tocava em sua testa com os dedos indicador e polegar, imitando um “poke” e se virava para entrar no apartamento, carregando as malas.

- O que foi isso? – Boruto perguntou confuso enquanto afagava a própria testa.

- No momento certo você vai saber... – Foi a única coisa que disse antes de entrar no edifício.

Já Boruto permaneceu alguns segundos ali, pensando nas palavras do Uchiha, e involuntariamente levou sua mão até a própria testa mais uma vez. Até que notou que estava começando a ficar tarde para o seu trabalho. Decidiu então voltar para o carro. Mas antes de entrar no veículo, ouviu seu nome ser chamado por uma janela.

- Boruto? – Era Sarada que o chamava, pela janela do segundo andar. – Nos vemos amanhã?

- Sim nós veremos amanhã... – Respondeu. – Eu venho te buscar as 7:00 horas, ok?

- Certo, até amanhã.

- Até. – Foi a última coisa que o Uzumaki disse antes de entrar no carro e sair dali.

No dia seguinte como combinado, Boruto havia ido buscar a morena em sua casa, e no momento ambos estavam no carro do garoto. A caminho da New York University.

- Pode deixar que eu te apresento a galera de lá Sarada... – Comentou Boruto enquanto dobrava em uma esquina.

- E você conhece alguém de lá? – A morena perguntou, arqueando uma sobrancelha.

- Conheço, é que eu fiz um curso preparatório no mês passado, por isso eu estou “antenado” com o que acontece por lá... – Comentou casualmente.

- E lá têm essas coisas?

- Tem sim, ah e uma dica: durante a primeira semana de aula, nunca ande sozinha por aí! – O Uzumaki alertou.

- Por que? – Perguntou em tom confuso.

- Acredite em mim, não vai querer saber... – Respondeu simplesmente. – Chegamos! – Comentou assim que viu uma placa na entrada do campus. – Se quiser me acompanhar enquanto estaciono eu…

- Tudo bem eu te acompanho. – Disse rapidamente.

- Esse lugar é incrível! – Sarada disse admirada enquanto observava os arredores.

- Eu sei, eu já vim aqui diversas vezes e eu nunca me canso de ficar impressionado. – Comentou Boruto. – Agora onde estão os… ah… ali estão eles! – Exclamou enquanto indicava um grupo de alunos no outro lado da trilha. – Vem Sarada, vou te apresentar a galera!

- Errr… certo... – Cedeu enquanto seguia o loiro.

- Oi gente! – Saudou Boruto. – Veja Sarada, esses são Nara Shikadai, aluno de Matemática. Yamanaka Inojin, aluno de Artes. Akimichi Chouchou, aluna de Nutrição. Kakei Sumire, aluna em Medicina. Kaminarimon Denki, aluno em Sistemas de Informação e o nosso veterano, Yuino Iwabee, atualmente no terceiro período de Educação Física. – Boruto falava enquanto apontava na direção de cada um dos presentes. – E essa pessoal é Uchiha Sarada.

- Nossa, todos vocês são do Japão também? – Sarada perguntou olhando para cada um deles.

- Na verdade com exceção do Denki e da Sumire que nasceram aqui e do Iwabee, que se mudou pra Nova York quando tinha 6 anos. Todos aqui são como você, ou seja, chegaram nesse ano. – Boruto explicou. – Todos nós nos conhecemos no curso preparatório, mas não se preocupe, todos nós aqui falamos japonês, na verdade, todo esse campus é direcionado a todos os alunos que vieram do Japão, ou são de descendência japonesa.

- Acho que isso eu já tinha percebido... – Comentou enquanto ajeitava os óculos. – Mas ainda assim valeu pela explicação.

- Pessoal… o que está acontecendo aqui? – Boruto perguntou ao notar a movimentação de alguns alunos carregando caixas e alguns objetos peculiares.

- Estão organizando uma espécie de baile de boas-vindas para os alunos. – Shikadai explicou. – E para daqui a três dias.

- Sexta-feira? – Perguntou Boruto.

- Bem se a sexta-feira for daqui a três dias... – O loiro pálido comentou, exibindo um meio sorriso.

- Então essa semana vai ser bem cheia. O Uzumaki disse temeroso

- Com certeza vai ser! – Iwabee concordou com o loiro.

...

Exatamente como o Uzumaki havia dito, o resto aquela semana havia sido de aulas, preparação, aulas, decoração e mais aulas. Porém não era nada que tirasse o ânimo dos calouros, principalmente da Uchiha, já que todas as vezes que o loiro fazia alguma brincadeira ou alguma piada, ela sempre ria dele. De fato, era exatamente como Sasuke pensava, Boruto era a melhor escolha para a Sarada.

Assim como os pássaros daquela primavera, o tempo voava mais rápido do que qualquer um podia acompanhar. A sexta-feira havia chegado, e com ela, o baile de boas-vindas.

Boruto, assim como a Uchiha haviam chegado a entrada da universidade e, embora eles chamassem a atenção de todos por si só, ambos estavam mais que deslumbrantes para um simples baile. Ele utilizava um terno preto com alguns detalhes cor cinza nas bordas e na barra da roupa social, a camiseta branca era bem justa o que deixava em evidencia uma parte dos seus músculos, para completar o visual, utilizava uma gravata-borboleta vermelha assim como uma rosa que estava bem presa no bolso do terno, e como uma marca do seu estilo próprio, uma das mechas de seu cabelo cobria seu olho direito. Já a morena estava vestida em um vestido vermelho-leve com detalhes em branco nas mangas e pretos nas barras, usava um colar com um emblema escrito “S” e um par de pulseiras douradas.

- Pronta? – O Uzumaki perguntou estendendo sua mão para a morena.

- Pronta! – Respondeu de forma firme, segurando a mão do loiro e sendo acompanhada pelo mesmo em direção ao interior do campus.

Conforme a noite avançava, o baile avançava. Todos se divertiam e aproveitavam o evento. Mas é claro que todos estavam cientes de que uma hora o baile iria acabar, mas não sem antes ter a dança entre os pares.

- Agora cada um daqueles que quiserem dançar, apresentem-se agora. Tocaremos três músicas em sequência: uma eletrônica, uma pop e uma romântica. – O representante do evento disse pelo microfone. – Quando a última música acabar, o baile chegara ao seu fim. – Alertou, ouvindo alguns múrmuros de reclamação. – Mas é claro, depois de elegermos o rei e a rainha do baile! – Completou logo antes de ouvir uma série de urros de aprovação por parte dos alunos. – Porém eu devo lembrar que o rei e a rainha do baile serão o casal que melhor se sair nos três tipos de dança. Os juízes presentes aqui no palco serão responsáveis pelo julgamento da melhor dupla. – Completou, indicando três pessoas no fundo do palco. – E lembrem-se: o objetivo desse baile é que todos se divirtam!

Mais uma vez, uma série de urros foram ouvidos por parte de todos, e com uma única batida a pista foi tomada por uma série de alunos.

- Boruto? – Sarada o chamou entre as batidas da música eletrônica.

- Sim?

- Vamos dançar?

- Mas eu não sei dançar…

- Eu também não, mas é como o representante disse, o que vale é nos divertimos! – Terminou jogando os braços para o alto.

- Está bem sua doida, vamos. – O Uzumaki cedeu enquanto era puxado pela garota.

Exatamente como o loiro disse, ele demostrava, ele não sabia dançar. Até chegava a enganar com alguns passos, mas sempre que se distraia, chegava a tropeçar nos próprios pés, mas nunca caia no chão, já que se recuperava tão rápido que era quase como se sequer tivesse caído.

- Você deve estar adorando isso, não é? – O loiro perguntou ao observar a morena segurar o riso.

- Eu admito… estou sim... – Comentou, voltando ao normal.

- Uma pena que não é só você… - Boruto continuou enquanto olhava para os outros dançarinos que davam risada dele.

- Não liga para eles. – Sarada disse enquanto puxava o rosto do loiro para obriga-lo a encará-la. – Essa noite é só nossa, está bem?

- Tem razão, é só nossa… e de ninguém mais... – Sussurrou no ouvido da morena, causando uma pequena “torrente elétrica” na Uchiha.

O ritmo da música mudou novamente, e Boruto pode notar que os seus passos estavam mais ordenados, praticamente seguindo o ritmo da música de forma quase perfeita e isso a morena percebeu.

- Olha só para alguém que não sabia dançar... – Sarada disse, observando os movimentos do Uzumaki.

- Acredite ou não, eu não tenho a menor ideia do que eu estou fazendo... – Boruto foi sincero, sem deixar de dançar. A forma com que o loiro dançava era tão precisa que acabou chamando a atenção dos que estavam ao seu redor, até mesmo aqueles que riam dele antes abriam espaço para os dois.

- Não é óbvio, você está seguindo o ritmo. – A morena disse, acompanhando o loiro e sendo auxiliados por palmas rítmicas por parte dos dançarinos.

Parece que eles estão gostando... – Disse Boruto ao perceber que o número de pessoas que batiam palmas começava a aumentar.

Ambos dançavam ao ritmo da música e das palmas, até que em um certo momento, ambos se aproximavam um do outro à medida que a música chegava ao seu fim, e com o último som da melodia, ambos pararam, abraçados um ao outro.

Com outra salva de palmas os dois se separaram, com um leve rubor, mas sem desviar o olhar um do outro.

Então o baile prosseguiu com a última dança. Alguns dos dançarinos deixaram a pista, já que para prosseguir com a música romântica era necessário dançar como um casal, e os poucos casais que restaram se afastaram da dupla e continuaram a dançar.

- Sabe… eu nunca dancei desse jeito antes, mas eu acho que é assim... – Comentou Boruto, segurando na cintura da morena com ambas as mãos.

- Na verdade você está fazendo o certo. – Afirmou enquanto apoiava as mãos no ombro da Uchiha. – Você está fazendo tão bem que é quase como se você já soubesse…

- Bem eu... – Boruto começou, desviando o olhar e prosseguiu. – A Himawari me obrigou a ver alguns filmes, só para que eu não pisasse nos seus pés. – Completou, fazendo bico.

- Eu devia ter desconfiado... – Comentou repousando sua cabeça sob o ombro do loiro e inspirando a colônia amadeirada no pescoço do mesmo. O que provocou um pequeno arrepio no loiro.

- Sarada... – Sussurrou Boruto ao sentir a respiração da morena em seu pescoço.

- Hum?

- Olha para mim... – A morena o obedeceu. – Sarada eu… eu sei que esse não é o melhor momento para te dizer isso, na verdade eu pretendia dizer quando o baile acabasse, mas eu não aguento mais esperar. – O loiro parou para respirar profundamente antes de prosseguir, pois não queria que sua voz falhasse. – Desde que eu cheguei em Nova York, eu me perguntava se algum dia nós iriamos mesmo nos reencontrar, e se esse dia chegasse, o que eu diria para você... – Naquela altura, o coração do loiro batia freneticamente assim como o da morena. – Eu não sabia naquele dia, naquele parque, não sabia o que eu deveria dizer a você. Mas eu sei agora... – Continuou enquanto encarava os olhos escuros da Uchiha, e com sua voz mais confiante e sincera desde então, prosseguiu dizendo as três palavras que Sarada mais desejava ouvir. – Eu amo você!

Eu amo você! ”

Podem ser apenas três simples palavras, mas para Sarada, aquelas palavras eram as palavras mais lindas que poderia ter ouvido.

- Boruto... – Sarada conseguiu dizer com os olhos levemente marejados. – Eu… eu amo você também – Completou abraçando fortemente o loiro, assim como ele que fez o mesmo.

Os dois permaneceram ali, até notarem que a música havia acabado ao serem aplaudidos mais uma vez.

- Bem eu devo dizer que o baile desse semestre foi simplesmente… espetacular! Tanto para os calouros quanto para os veteranos. – O representante tomou a voz. – E todos vocês dançaram muito bem. – Completou enquanto recebia um envelope branco. – Enfim, eu tenho em mãos os eleitos como rei e rainha do baile. E como eu sei que vocês têm coisas mais importantes para fazer, vamos terminar logo com isso. – Comentou em tom divertido, enquanto ouvia algumas risadas. – Enfim, os escolhidos como rei e rainha do baile de boas-vindas desse semestre são... – Fez uma pausa apenas para criar um efeito de expectativa, e prosseguiu. – Uzumaki Boruto e Uchiha Sarada! Venham aqui em cima!

Os dois então seguiram rumo ao palco enquanto eram ovacionados por todos com aplausos, assovios e até mesmo urros. Assim que o ânimo de todos se normalizou, a “coroação” seguiu como o ordenado.

- Apenas para reforçar, esse baile realmente foi inesquecível, desde já gostaria de agradecer a presença de vocês e dizer a vocês, sejam bem vindos a New York University! E agora…

- Errr… com licença, mas poderia me emprestar isso? – Boruto perguntou ao representante enquanto apontava para o microfone.

- Ah, tudo bem… contanto que seja rápido... – O representante cedeu, entregando o microfone ao loiro.

- Não se preocupe, eu serei rápido... – Disse tomando a frente e se aproximando da plateia. – Pessoal, eu só queria dizer um obrigado a todos vocês. Sei que o semestre acaba de começar, mas eu gostaria de agradecer a cada um de vocês, e também a todos de Nova York, que aceitaram a mim e a minha família como um de vocês. – Parou para retomar o fôlego. – E eu gostaria de agradecer ao pessoal que eu conheci no curso preparatório. – Completou apontando na direção dos companheiros. – Mas acima de tudo, eu gostaria de agradecer a garota que, mesmo estando durante os últimos 5 anos do outro lado do mundo, sempre esteve no meu coração. – Completou se virando na direção da morena e respirando novamente. – Você Sarada, que mesmo durante a nossa infância em que eu sempre implicava com você e você sempre me batia, acabou se tornando minha primeira e melhor amiga. E mesmo que tenha demorado tanto tempo para perceber, você é o local para o qual eu devo retornar. – Continuou, se aproximando cada vez mais da morena que estava com ambas as mãos cobrindo a boca e de olhos marejados de tanta felicidade – E é por isso… que tendo cada uma dessas pessoas como testemunhas… que eu lhe faço essa pergunta... – Disse enquanto pegava uma das mãos da morena e se apoiava em um dos joelhos. O coração de Sarada explodiu. – Você aceita ser minha namorada?

- Eu… é claro que eu aceito, meu baka! – Disse puxando o loiro para si e o abraçando, logo antes de beija-lo apaixonadamente, sob os aplausos de todos no salão.

A saída do baile ocorreu sem nenhum tumulto, apenas um ou outro bêbado que teve que ser levado de táxi para casa, mas o assunto que mais se discutia entre os estudantes do campus era a declaração que Boruto havia feito a Sarada, desde o bate-boca tradicional até as redes sociais, em que circulavam fotos do beijo do casal com legendas como “O Loiro e a Morena”, “OTP Eterno” e “Eternos Rei e Rainha do Baile”.

No meio da estrada, Boruto retornava para casa com uma Sarada mais que cansada.

- Boruto... – Sarada resmungou.

- O que foi? – Perguntou sem desviar a atenção do caminho.

- Como você acha que os nossos pais vão reagir com o nosso namoro? – Perguntou preocupada.

- Não se preocupe Sarada... – Boruto disse com um meio sorriso. – Eu já tinha conversado com o seu pai sobre isso, que no dia em que eu me declarasse para você ele seria a primeira pessoa a saber disso.

- Ele disse isso?! – Sarada perguntou surpresa.

- Disse… mas é como eu disse, tudo vai dar certo entre nós dois. – Disse, exibindo um sorriso com todos os dentes.

- Acho que não importa o que a vida faça com você… você sempre vai ser aquele garotinho que implicava comigo. – Comentou Sarada, suspirando.

- Vou é? – Perguntou arqueando a sua única sobrancelha exposta.

- Vai sim… o garotinho lindo, loirinho e de olhos azuis como o céu.

- Assim eu me apaixono por você de novo... – O Uzumaki disse de forma romântica e ao mesmo tempo irônica.

- A ideia é essa! – Respondeu brincalhona.

...

Na chegada ao apartamento dos Uchihas, os dois jovens foram recebidos por ambas as famílias, Uzumaki e Uchiha, que aguardavam o casal pacientemente.

-Vocês demoraram! – O moreno disse levemente irritado. – O que aconteceu?

- Nós tivemos alguns… problemas... – O jovem Uzumaki disse enquanto coçava a própria nuca.

- E esses problemas por acaso envolvem isso aqui? – Sasuke perguntou enquanto mostrava o seu aparelho celular que exibia um vídeo da declaração do loiro a morena assim como o beijo que aconteceu logo em seguida.

- Eu sabia que vocês iam ficar juntos! – Himawari disse empolgada.

- Como… como isso chegou aqui tão rápido? – Sarada perguntou surpresa.

- E assim que as coisas acontecem aqui em Nava York, Sarada-chan. – Comentou Naruto de forma natural. – As notícias circulam assim, num piscar de olhos.

- Sasuke... – Boruto disse sério, chamando a atenção de todos para si. – Acho que chegou a hora de termos aquela conversa.

- Eu também acho... – Concordou. – Mas vamos ter essa conversa lá dentro. – Completou, cedendo espaço para todos entrarem. – Naruto... – Sasuke o chamou antes do mesmo adentrar no local. – Aqui... dessa vez você ganhou. – Disse estendendo uma nota de 10 dólares para o loiro. – Assim nosso placar está empatado... – Concluiu antes de entrar no apartamento, sendo seguido pelo loiro.

Da forma como Boruto havia prometido ao patriarca Uchiha, ele deixou claro suas intenções e sentimentos que tinha para com a Uchiha. Já o moreno, ouvia atentamente cada palavra e observava cada gesto do loiro. E a medida que o jovem Uzumaki abria seu coração, Sasuke confirmava cada vez mais que de fato o seu afilhado era a melhor escolha que sua filha poderia ter feito.

- Boruto... – Sasuke disse de forma firme, e prosseguiu. – Aquilo que eu lhe disse na nossa última conversa ainda é válida aqui e sempre será em qualquer lugar desse mundo. A Sarada é e sempre será o meu tesouro mais valioso. – Pausou para retomar o fôlego, e continuou. – E eu confio plenamente em você como se você fosse o meu próprio filho… por isso, eu aprovo o relacionamento de vocês! – Exclamou, exibindo um sorriso completo.

- Ufa... – Sakura começou. – Por um segundo eu achei que você ia surtar…

- Parece que todos nós somos uma família completa, Sakura-san... – Comentou Hinata.

- Somos sim! – Exclamou Naruto, antes que a rosada o fizesse.

Mais tarde ainda naquela noite, Sakura preparava a cama da filha enquanto ouvia a mesma narrar a forma de como o Boruto havia se declarado a morena.

- Nossa, ele disse isso tudo mesmo? – Sakura perguntou espantada.

- Disse sim… ele foi tão… romântico... – Sarada respondeu, suspirando.

- Eu imagino... – A rosada comentou pensativa. – Só que como agora você está namorando, eu deveria te dar algumas dicas... – Continuou com um sorrisinho malicioso.

- Dicas? – A morena perguntou, sem entender o que a mãe disse.

- É isso aí, dicas! – Respondeu enquanto tirava uma cartela de comprimidos de dentro do bolso da camisa. – Começando por isso aqui! – Completou balançando a cartela no ar.

Duas semanas depois...

Ao longo dos dias que se passaram, o relacionamento entre Boruto e Sarada ficava cada vez mais e mais forte.

Naquela noite em que a família Uzumaki havia sido convidada para um jantar de negócios, junto com a família Uchiha. Dessa forma, Naruto, junto com sua esposa Hinata assim como Sasuke, e sua esposa Sakura, trataram de comparecer ao evento. Deixando a responsabilidade de cuidar da pequena Himawari a cargo de Boruto e Sarada que estavam na casa da família do loiro.

Após colocarem a moreninha para dormir, os dois estavam no quarto do loiro, deitados sobre a cama de casal do Uzumaki, assistindo a um programa de comédia, exibido por um televisor preso a parede.

- Eu não achei a menor graça nisso sabia? – Comentou Sarada, ao final de uma pegadinha. – Boruto?

- Hum?

- Não têm outra coisa na televisão não? – Perguntou se aconchegando mais no loiro.

- Você só diz isso por que não está entendendo nada, não é? – Perguntou arqueando uma sobrancelha e a abraçando um pouco mais forte.

- Não é isso… é só... – A morena não sabia exatamente o que dizer, então tentou mudar de assunto. – Boruto, você se lembra do baile?

- Como eu poderia me esquecer... – Respondeu, apontando na direção de um porta-retratos em que tinha uma fotografia dos dois no baile.

- E que… eu só queria dizer que eu nunca tinha… beijado ninguém, até aquela noite em que beijei você... – Ela sussurrou com as bochechas levemente coradas.

- Sério?! – O Uzumaki perguntou, surpreso, vendo-a acenar rapidamente. – Bem… você pode até duvidar... – Continuou, com as bochechas tomadas por um leve rubor. – Mas aquele foi meu primeiro beijo também…

- O que?! – A Uchiha perguntou, mais que surpresa. – Mas a Sumire me disse na semana passada que vocês…

- Namoramos? – Boruto completou e tratou de explicar. – Na época, ainda estávamos no curso preparatório, e ela só queria causar ciúmes no Inojin, e como ele também é apaixonado por ela eu resolvi juntar os dois... – Disse, olhando nos olhos da morena. – Acho que essa parte ela não disse... – Completou, quase rindo da cara da morena. – Sarada, você é a minha primeira namorada.

- Entendi... – Falou, feliz com que o namorado disse, e naquele momento, ela não tinha mais nenhuma dúvida. – Boruto?

- Hum?

- S-se eu te dissesse uma coisa, você promete que não vai rir de mim? – Perguntou encarando os olhos do loiro.

- Eu prometo!

- Boruto eu... – A morena por um momento desviou o olhar por um momento, e então voltou a encarar o loiro. Com um novo brilho no olhar. – Eu quero amar você… de todas as formas possíveis…

O loiro permaneceu alguns segundos tentando compreender o que a garota disse e assim que recordou de algumas das conversas que teve com o seu pai, ficou com o rosto completamente vermelho.

- Sarada... – Sussurrou quando a garota se aproximou. Seu rosto ainda estava tomado por um rubor na face, mas retornava lentamente ao normal a medida que a namorada chegava cada vez mais perto.

- Eu quero você… Boruto... – Foi a última coisa que disse antes de beija-lo de forma intensa e a única coisa que ele pode fazer antes de se render ao beijo da morena foi desligar a televisão.

Naquele momento era como se o mundo inteiro fosse apenas deles, e embora naquela altura ambos quisessem que aquele beijo durasse pela eternidade, eles precisavam de um contato a mais para prosseguirem.

Boruto, a princípio hesitante, mas determinado, levantou sua mão para apalpar o seio esquerdo da morena, fazendo ela gemer entre o beijo.

A morena então, não querendo ficar atrás, adentrou a camisa regata branca do loiro, passeando suas mãos pelo abdômen do mesmo, arranhando de leve, mas sem causar dor, arrancando leves suspiros do namorado.

- Sarada... – O garoto disse, ofegante e com a voz um pouco rouca. – Eu… eu nunca fiz isso antes. – Confessou. – Tem certeza que quer continuar? – Perguntou, olhando profundamente nos olhos da morena.

- Eu tenho sim… eu amo você... – Disse, logo antes de voltar a beija-lo.

- Mas eu... – Sussurrou, se afastando levemente da morena. – Eu estou sem camisinha…

- É por isso que eu tomo isso aqui... – Sussurrou enquanto tirava meia cartela de comprimidos de dentro do bolso enquanto exibia um sorriso malicioso. O Uzumaki entendeu exatamente o que era.

- Eu amo você... – Sussurrou enquanto puxava a namorada para si e a beijava intensamente.

Agora os dois se beijavam sem medo, nem culpa, apenas apreciando o calor um do outro.

Em certo momento, o Uzumaki começou a desabotoar a blusa preta da Uchiha, de baixo para cima. Quando a morena sentiu o loiro desabotoar sua peça, afastou levemente o próprio tronco, mas sem quebrar o beijo e o ajudou a desabotoar a blusa.

Quando terminaram, Boruto se deparou com o sutiã vermelho-vinho da morena, que aparava perfeitamente os seios da garota.

Ela, por sua vez, começou a levantar a regata branca do loiro até a metade, já que os braços do mesmo só permitiam que a peça fosse levantada até esse ponto. Então ele rapidamente completou o ato da morena e retirou completamente a peça, deixando exposto o tronco nu com algumas trilhas vermelhas, resultado dos leves arranhões de antes.

O loiro então a abraçou, gostando da sensação de sentirem suas peles, agora expostas, se tocarem, e a beijou de modo lascivo.

Se separaram para recuperar o ar e se entreolharam novamente. A certeza misturada ao desejo que o Uzumaki encontrou nos olhos da Uchiha, foi o suficiente para que ele desse o próximo passo.

Com as mãos um pouco trêmulas, segurou a cintura da morena, que suspirou com o contato das mãos grandes sobre sua pele. Ele então começou a subir as mãos, sem quebrar o contato visual com a namorada em nenhum momento, até chegar ao fecho do sutiã que por sorte ficava na frente.

Com um pouco de dificuldade, abriu a peça feminina, e revelando os seios da morena. Eram pequenos, mas firmes, redondos e durinhos – perfeitos – na opinião do loiro. Mas é claro que ele sabia o quanto a garota poderia ficar constrangida ao ver o olhar dele para seu busto, por isso tratou de reestabelecer o contato visual, e assim que seus olhos se encontraram ele viu a mesma coisa que viu em seus próprios olhos, refletidos nos dela.

Ela então o abraçou novamente, beijando-o enquanto o empurrava para se deitarem corretamente na cama. Ele por baixo e ela comandando o beijo enquanto deitava-se sobre o mesmo.

Em certo ponto ela gemeu quebrando o beijo, ao sentir seus mamilos roçarem sob o peitoral dele, mas tratou de voltar a beija-lo. Dessa vez traçando uma trilha invisível que seguia desde a bochecha direita, sob a pequena cicatriz e seguiu até o queixo e descendo ao longo do pescoço, beijando, mordendo e até mesmo assoprando de leve, causando ondas de prazer no loiro.

- Sa-Sarada... – Sussurrou, em delírio. – Acho que… já é a… a minha vez…

- Eu também… acho... – Concordou sorrindo, logo antes de senti-lo girar seus corpos sobre a cama e prensa-la, mas sem deixar o seu peso cair sobre si.

Ele começou então a distribuir rápidos selinhos sobre o rosto da morena, exceto em alguns pontos como bochechas e ao redor da boca da mesma onde se permitiu demorar mais, mas seu foco era outro. A medida que seus lábios se aproximavam dos da morena, sua mão esquerda descia pela sua garganta, colo e seios, onde a essa altura, já a beijava ardentemente enquanto ela gemia entre o beijo sensual dele.

Em certa altura, ele abandonou os lábios da garota e passou a distribuir pequenos beijos pelo pescoço da Uchiha, assim como pelo colo, se aproximando cada vez mais dos seios da garota que ao chegar, fez uma pequena sucção em uma área próxima ao mamilo.

Para Sarada, foi inevitável não gemer ao sentir a boca do loiro em seu seio esquerdo e sua mão esquerda sob o seio direito, enquanto a mão direita do Uzumaki tratava de seguir a linha da coluna da morena, que estava com as costas arqueadas, para facilitar o acesso do loiro.

- Boru… to... – Sussurrou, extasiada enquanto sentia o loiro agora estimular ambos os mamilos, um com a boca e o outro com a mão, alternando-os entre si.

Ela então decidiu levar ambas as mãos a nuca do loiro. Ora apenas massageando, ora puxando os fios de cabelos dourados com um pouco de força, mas não o machucava, pelo contrário, apenas ampliava o prazer para ambos.

Boruto agora, usando apenas a própria boca para estimular os mamilos da namorada, levou ambas as mãos até o short azul-escuro. Antes de decidir abaixa-lo, parou de estimular o mamilo da morena e olhou para cima, procurando qualquer sinal de medo, e não pode evitar de sorrir ao notar que o olhar dela era tão intenso quando o seu.

O loiro então, começou a descer a peça de roupa até se deparar com a calcinha também da cor vermelho-vinho. Com o auxílio da Uchiha, ele terminou de remover o short e o deixou junto a blusa da morena. Levantou seu olhar para a namorada momentos depois e não pode deixar de se sentir completo ao notar o lindo sorriso da morena enquanto se deitava sobre a mesma.

Ela, sem perder tempo, levou suas mãos ao botão do short jeans azul do namorado, liberando-o e abaixando o zíper da forma mais sensual que conseguia, revelando pouco a pouco a cueca box preta que o mesmo usava e tratou de se livrar da peça de roupa com certa urgência. Se sentiu feliz ao notar a expressão de relaxamento do loiro. E arfou quando sentiu o membro duro do Uzumaki roçar sobre sua última peça intima.

- Sarada… - Boruto a chamou, se esforçando ao extremo para que sua voz fosse a mais firme possível. – Você… quer mesmo continuar?

- Quero! – Respondeu levemente tremula, enquanto segurava o rosto dele com ambas as mãos. – Quero sim!

Boruto então começou a abaixar a última peça da garota e se livrou dela com rapidez e se virou para admirar a Uchiha mais uma vez naquela noite. A mesma possuía a respiração acelerada, leves marcas na região do busto e a face tomada por um leve rubor, mas acima de tudo, ela mantinha o olhar fixo nos olhos do loiro.

O Uzumaki então abraçou a morena, beijando-a de forma romântica enquanto levava sua mão até a intimidade da namorada, passeando a mão lentamente enquanto se deliciava com os gemidos que ela soltava em sua boca. Até que em um certo momento, quando o loiro tocou em um ponto um pouco mais acima, ela soltou o gemido mais alto que emitiu desde então, então passou a estimular com movimentos lentos, mas que aumentava gradativamente a velocidade à medida que a morena aumentava os gemidos até que em um certo ponto, Boruto sentiu o corpo da morena sofrer leves espasmos, seguidos por um longo e audível gemido e perceber que havia um liquido transparente na palma de sua mão. Ele sabia exatamente o que era.

O garoto esperou por alguns segundos até ver a expressão da garota se suavizar, e sorriu ao ver o sorriso no rosto da morena.

- Tem certeza… de que nunca fez isso antes? – Sarada perguntou, arqueando uma sobrancelha, enquanto tentava normalizar a respiração.

- Nossa, foi tão bom assim? – Retrucou, convencido.

- Não vai se achando não! – Sussurrou enquanto o puxava para si e segurava a barra da cueca box com as mãos.

- Sarada espera... - O garoto disse rapidamente. – Eu tenho que fazer mais uma coisa…

- O que? – Arfou, quando sentiu a mão esquerda do loiro ir direto na sua intimidade.

- Algo que nós dois vamos gostar... – Sussurrou no ouvido da garota enquanto usava o dedo indicador para adentrar lentamente na intimidade da namorada.

No começo, a garota não sentiu nada, mas assim que ele começou com leves movimentos de vai-e-vem, o prazer começou a se reascender em todo o seu corpo, demonstrado na forma de gemidos.

Boruto observava atentamente as reações da morena, procurando qualquer sinal de incomodo ou desconforto, o que aconteceu quando ele adentrou com os dedos indicador e polegar ao mesmo tempo.

- Está tudo bem? – Perguntou preocupado ao notar que Sarada estava com o maxilar trincado.

- Tudo… bem... – Respondeu na forma de um leve arfado.

- Eu devo tentar continuar com mais um? – Perguntou, atento as expressões da garota.

- Sim! – Respondeu, firme.

E da forma como ele havia dito, ele introduziu o dedo médio, mas dessa vez ela não sentiu nenhum incomodo. E ao ter percebido isso, começou os leves movimentos de vai-e-vem e arriscou até mesmo curvar os dedos, em todas as direções, imitando os movimentos de um anzol enquanto ouvia os deliciosos gemidos da morena, até sentir que seus dedos estavam sendo sugados.

- Acho que já está bom... – Disse Boruto. – Sarada, a partir desse ponto não tem mais volta... –  Continuou enquanto se aproximava da morena. – Tem certeza que é isso que você quer?

Ela não disse nada, apenas segurou na barra da box do loiro e a abaixou lentamente enquanto sorria, encarando os olhos do garoto. Naquele momento ele não tinha mais nenhuma dúvida. Então rapidamente se livrou da box e voltou sua atenção para os olhos cor ônix da garota.

Ela, mesmo um pouco ruborizada, guiou o membro do namorado para a própria intimidade e em seguida ele a penetrou, lentamente. Até sentir uma espécie de barreira. Ele então se inclinou sobre a morena, deitando-se sobre ela, mas sem mover o quadril. Apenas apertou ambas as mãos da garota enquanto rompia o hímen da garota.

Sarada, diferente do que imaginava, não sentiu dor, apenas um pequeno incomodo que durou apenas alguns segundos.

- Sarada, está tudo bem? – Perguntou, na forma de um sussurro.

- Está sim... – Respondeu, com outro sussurro. – Continue…

O garoto então afastou levemente o tronco do corpo da Uchiha e iniciou os movimentos de maneira lenta, trincando o maxilar, mas logo em seguida começou a aumentar gradativamente a velocidade dos movimentos.

Sarada então agarrou o pescoço do Uzumaki, e começou a mover o quadril contra o do loiro, aumentando o prazer.

Naquela altura, ambos gemiam alto, então em um momento, o loiro se deitou completamente sobre a morena, esmagando seus seios e a beijando novamente, ao mesmo tempo que aumentava a velocidade.

Em um momento, os movimentos do garoto, ficaram um pouco mais lentos, o que indicava que o seu ápice se aproximava, mas decidiu se concentrar e começou a estimular o clitóris da namorada.

O corpo dela logo começou a sofrer espasmos, mais intenso do que na primeira vez, então com uma nova onda de gemidos, se liberou ao mesmo tempo que o loiro, um sobre o outro.

Ambos caíram exaustos na cama, Boruto então, saiu de dentro da garota e se deitou ao deu lado. Puxando ela para si ao mesmo tempo que usava um cobertor para cobri-los.

- Eu amo você Boruto... Sarada disse enquanto abraçava o loiro.

Ele não disse nada, apenas puxou o queixo dela e tocou em sua testa com a mão direita, imitando o mesmo gesto que Sasuke sempre fazia.

- Eu sei o quanto isso significa... – Comentou, ao ver a cara de surpresa dela. – Eu amo você Sarada. – Completou, repousando a cabeça dela sob seu peito e sentido a respiração dela ficar mais lenta o que indicava que ela estava quase dormindo.

Ele sabia, ele sempre soube que não importa o quão longe eles estivessem um do outro, ela sempre seria o seu porto seguro, seu local de paz e o local para o qual ele sempre poderia retornar.


Notas Finais


N/T:
Hiposfagma é um tipo de sangramento ocular que ocorre na superfície do olho, entre a esclera (parte branca dos olhos) e a conjuntiva (membrana fina que recobre a esclera) e eu meio que pequei essa informação e coloquei na história. A ideia do olho direito do Boruto ter ficado preto na one-shot foi meio que uma invenção minha, já que é impossível haver coagulo na esclera, mas na tentativa de deixar o Boruto mais parecido com sua versão no anime, o que é válido é a intenção.

Futuramente, eu escreverei outras ones, agora de quais casais, com ou sem Hentai, deixarei a escolha a cargo de vocês
.
E como eu disse lá nas notas iniciais, esse Hentai foi bem complicado (também mais de 2500 palavras)...

Enfim, até a próxima…


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...