História Reencontro - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 15
Palavras 2.593
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Hentai, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Gente eu sei que eu tenho que postar o capítulo do I'm the bad guy mas a minha amiga tava me enchendo o saco pra fazer essa fanfic( que é um chip da nossa sala, ou seja, os personagens existem)

Fiquem com o capítulo
Espero que gostem

Capítulo 1 - Reencontro de colegial


Pov Nauan



        Cansado estou. Esta vida de adulto responsável esta me matando, e ainda para piorar a minha situação eu só trabalho com gente chata para. um. senhor. caralho.

        Eu poderia apenas ir para casa e me jogar na minha cama quentinha e confortável como eu faço todos os dias, mas hoje vai ser diferente. Combinei com os meus amigos de nos encrontarmos em um barzinho que frequentavamos.

        Vai ser tipo um reencontro de colegial. Vai fazer mais de três anos que terminamos a escola, e durante esse tempo não tive tempo e nem coragem para ver eles novamente. Porque você me pergunta? Porque da última vez que nos vimos deu treta e agente saiu na mão.

        Entrei no bar com um pouco de receio e sem coragem alguma. Olhei para todos os lados e não vi ninguém que conhecia. Vi um trio no canto e então deduzi que era os três mosqueteiros... Andei até eles, vi uma garota de cabelos curtos e cacheados, não me lembrei dela até ela me dar um sorriso... Com certeza era ela.

        - Oi Viado!- É ela- Demorou em!- A garota se levantou me abraçando. O seu jeito de sempre, que sempre me fazia rir igual a um retardado.

        - Tu diminuiu ou eu cresci?- Falei olhando para a garota que bufou, antigamente ela era maior.

        - Nossa! Nem um oi?- O moreno disse, ele não mudou nada, nem na aparencia nem no seu jeito de falar.

        -Oi- Falei batendo em sua mão, fiz um toque antigo que costumávamos fazer na sala de aula- Você continua baixinho.

        - Cala a boca- Ele bufou se sentando ao lado da garota.

        - Eae Matheus!- Bati na sua mão puxando o para um abraço- Deixou a barba crescer!- O garoto riu me retribuindo o abraço.

        Ficamos mais de meia hora conversando sobre o que aconteceu desde a última vez que nos vimos e pelo visto, aconteceu muita merda. Matheus foi o que mais sofreu. Ele namorou uma menina por três meses e depois ele descobriu que ela era lésbica.

        Vi um grupinho entrar pela porta vindo em nossa direção... Um era alto, alto até demais fazendo eu o reconhecer na hora. Esse era o Cauan, seu cabelos era curto, seu rosto não tinha tantas espinhas quanto antigamente. Vi outro garoto de cabelos Pretos e lisos, esse era Murylo, um demônio que só serve para atormentar... Mas ele é parça, meu melhor amigo.

        Vi um loiro ao lado de Murylo, esse era o Pedro, um dos meus melhores amigos. Ele estava maior e os seus olhos pareciam estar mais claros, que eu acho uma injustiça já que eram azuis bem claros. Como sempre, tinha uma garota de cabelos cacheados ao lado dele, Myrela sua irmã, uma das garotas mais bonitas da minha sala. Ela não havia mudado nada, exceto os seus cabelos, eles estavam mais longos.

        Ao lado da Myrela estavam duas garotas bem conhecidas, elas me enchiam o saco no tempo de escola. Maria Leticia, a garota mais irritante e insistente da terra. Ela havia mudado muito, seu corpo estava mais definido e os seus cabelos estavam curtos. E então vinha a outra, Maria Eduarda, a companheira de irritação da Letícia. Ela estava um pouco maior, mas nada que seja de mais.



        Depois de um tempo conversando, uma garota entrou no bar, mas não a reconheci então deixei de lado, porém o Murylo olhava para ela como se a conhecesse. Estranhei, quem era?

        - Ana Belly!!- A Rafaela pulou em cima da garota lhe dando um abraço- A quanto tempo amiga!!

        Arregalei meus olhos. Como assim Jeová? Ana Belly? Ela estava muito diferente. O seu rosto estava um pouco mais fino dando uma bela combinação com o seu óculos. Ela sorriu para mim, corei, carai ela estava muito mais bonita do que o normal.

        - Oi Viadooo!- Ela pulou em mim bagunçando o meu cabelo perfeito.

        - Por que vocês cismaram em me chamar de viado- Bufei enquanto colocava o meu cabelo no lugar.

        - Ah Nauan! Para com essa encenação! Todos nós sabemos que você tinha um certo caso com o Cauan!- Rafaela gargalhou, todos riram concordando com a menina.

        - Claro que tinhamos!- Cauan brincou e então a garota gargalhou ainda mais junto da Ana.

- Não podemos esquecer que o Murylo estava no meio! Ele foi um belo concorrente!- Ana Belly completou rindo. Rafaela e Ana Belly eram a combinação perfeita para fazer piadas e causarem risadas.

       - Vocês e essas brincadeiras idiotas- Bufei irritado, então a conversa foi rolando solta por horas e horas até as dez horas. A porta foi aberta revelando novamente mostrando um homem baixinho se aproximando. Olhei irritado para a Ana Belly- Você convidou ele?

       - Não...- Ana Belly também estava irritada, aquele cara era um pé no saco. Ele era o meu problema e o motivo por eu ter brigado com os meus amigos.

       - Eae cara!- Ele falou e todos olharam irritados para ele- Eu fiquei sabendo que iria ter uma reunião e vocês não me convidaram, que maldade!

       - Ah! Vamos mesmo falar sobre maldade Mateus- Ana Belly falou irada. Estava com o olhar abaixado porque se eu levantar eu vou dar outro murro na cara dele.

       - Mas eu sempre fui amigo de vocês!- Ele diz debochado. Deus! Me de paciência pois se me der força eu mato- Eae Nauan não vai falar nada?

       - Que tal um... Vai se fuder seu merda do caralho- Falei simplista, ouvi um "oh" baixinho da Rafaela- Você é muito cara de pal né? Depois de tudo que você fez, você vem dar uma de amiguinho?

       - O que eu fiz exatamente? Eu só te ajudei a sair do armário miga- Serrei os punhos com força me segurando para não esmurrar aquela cara de bolacha.

       Sim, eu sou gay, mas ele espalhou para a escola toda, e como os seres humanos são um bando de preconceituosos do caralho eu sofri Bullying.

      - Foi uma pena né? A Ana Belly era tão apaixonada por você... Se ela não fosse estranha eu pegava- Ah já deu. Levantei dando um soco no seu nariz fazendo ele cair no chão igual bosta que é o que ele é. Fui segurado pelo Wagner que ria e ele foi segurado pela Rafaela que aproveitou a sua guarda baixa para dar um soco no seu nariz.

       - Nunca mais chame a minha amiga de estranha sua bolacha do norte- A garota jogou ele longe pronta para pular em cima dele mas foi segurada pelo Cauan.

       - Não vale a pena quebrar a sua unha Miga- Cauan disse rindo e a garota o acompanhou. O Mateus saiu do bar com sangue saindo do seu nariz. Suspirei olhando para a minha mão que estava vermelha...

       - Aquele merda estragou a minha mão de princesa- Rafaela Choramingou e depois riu- Mas valeu a pena... Tava com vontade de socar ele desde aquele dia- A garota socou o ar me fazendo rir. Olhei no relógio e já estava muito tarde, se eu dormir muito tarde é capaz de eu nem acordar amanhã...

       - Tenho que ir- Me levantei chamando a atenção de todos menos da Rafaela e do Wagner. Os dois estavam fazendo palhaçada, por exemplo mostrando a língua um pro outro depois trocando soco- Se eu ficar muito tempo aqui é capaz de eu pegar o sério problema que vocês tem... Demência.

       - Eu te levo até em casa- Isso sim chamou a atenção dos dois, Cauan se levantou pegando a sua blusa. A Ana Belly e a Rafa fez  um jesto de "Vai fundo" pra mim, e eu corei até ficar igual a um tomate- Vamos.

       Antes que eu pudesse falar algo fui arrastado pelo menino até fora do bar. Não sei o que as meninas queriam dizer com o "Vai fundo", pois o Cauan é hetero, e disso eu posso dizer que é verdade.

      Eu estudo com eles desde o quinto ano e nunca vi o Cauan ter interesse em homens. Eu até cheguei a presenciar uma transa dele com a namorada... E isso não foi nada agradável.

      - Então... - Ele colocou as mãos no bolso me olhando com um perfeito e sedutor sorriso- Como vai a vida?

      - Naah... Cansativa- Falei desviando o olhar. Com certeza eu estava corado- E a sua?

      - Terminei com a Larissa- Ele falou rindo, revirei os olhos.

      - Ah novidade!- Falei com sarcasco e ele me olhou sem um pingo de vergonha na cara- Mano! Desde o sétimo ano vocês ficavam separando e voltando o tempo todo... Que na minha opinião era um certo fogo no cu, a Larissa não sabe o que esta perdendo- Acabei me arrependo da última frase...- Merda... Não foi o que eu quis dizer...


       Salvo por uma casa. Estávamos na frente da minha casa, eu nunca fiquei tão feliz em ter chegado em casa antes... Abri o portão pronto para dar um tchau e fechar na cara dele, mas ele segurou o portão sorridente.

       - Não vai me convidar para entrar?

       - Deveria?

       - Por favor! Eu quero conhecer a casa onde o meu querido e amado amigo mora!- Ele fez biquinho... Merda, abri uma brechinha deixando ele entrar- Obrigado.

       Abri a porta jogando a minha bolsa em qualquer canto da sala entrando na cozinha para pegar um pouco de café. Voltei para a sala vendo o garoto jogado no meu sofá com o...

       - Tira o seu maldito pé do meu sofá!- Bati nele e ele riu- Ai ó!- Bati no sofá tirando o excesso de sujeira que tinha. Me sentei ao seu lado bufando- Você vai demorar muito... Eu quero dormir.

       - Nuoossaa! Vai mesmo expulsar o seu amigo? Que insensibilidade!- Revirei meus olhos- Nauan... Sera que eu errei em terminar com ela?- Revirei meus olhos.

      - Ah vá! Se veio aqui para falar dela pela mor de Deus né!- Ele me olhou assustado- Se você ficou assim quer dizer que você não está feliz, e isso é a resposta... Usa o cérebro pelo menos uma vez na vida!

       - Eu não quis dizer isso... Foi eu quem terminou com ela- Estava pronto pra reclamar mas ele me enterronpeu - Eu... Não consigo sentir nada de especial por ela.

       - Outro sinal que você fez a coisa certa- Me levantei tomando a última gota de café que tinha na minha xícara. Entrei na cozinha sendo seguido pelo garoto- Virou sombra?- Ele não respondeu nada, revirei os olhos mais uma vez seguindo para o meu quarto- Para de me seguir poha! Vou chamar a polícia!- Bati na escrivaninha chamando a atenção do garoto que me olhou espantado- Vai me seguir até onde?

       - Tá! Vamos direto ao ponto- Ele me empurrou me sentando na cadeira que tinha na escrivaninha- Se eu sentir tipo... Tesão por um homem é ser gay?

       - S-Sim. Agora por favor vai- Fui interrompido por um beijo, empurrei ele o encarando irritado- Cauan vai embora, você é hetero e isso só vai acabar com a nossa amizade e, com certeza vai me machucar.

       - E se eu não for hetero?- Ele se ajoelhou na minha frente puxando a minha nuca até poder sentir a sua respiração no meu rosto- Me ajuda a provar que eu não estou errado.

       Meus lábios foram tomados por um beijo longo e suave, senti a sua mão direita na minha coxa apertando-a, a sua mão esquerda estava na minha nuca que logo subiu puxando os meus cabelos.

      Nos separamos por conta do ar que se fez necessário, ele estava com um sorriso malicioso e debochado me fazendo revirar os olhos pela milésima vez. Senti sua mão abrir os botões da minha calça que em fração de segundos estava no chão, sua mão deslizou por cima do meu membro me causando um pequeno choque. Ele tirou a minha cueca jogando em um canto aleatório do meu quarto.

      - C-Cauan- O seu nome escorregou da minha garganta quando o mesmo me abocanhou sem dó e nem piedade. Joguei a minha cabeça pra trás quando o garoto fez movimentos de sobe e desce com a boca, a sua língua rodeava conforme a sua boca era preenchida.- C-Ca- Não deu tempo de terminar a palavra pois acabei me desmanchando na sua boca.

      Tomei os seus lábios sentindo o meu gosto... Puxei os seus cabelos fazendo ele chegar mais perto o suficiente para eu poder deslizar a minha mão por debaixo da sua camiseta tirando-a.

      Me levantei arrastando ele até a minha cama onde empurrei ele subindo em cima dele mordendo o seu pescoço. Passei as minhas unhas no seu abdômen sentindo o mesmo se arrepiar todo, trilhei os meus beijos até a sua cintura tirando a sua calça jogando-a no canto do quarto.

       Lambi o seu membro já ereto por cima da cueca apertando uma das suas coxas, deslizei a sua cueca por sua perna fazendo ele praticamente fazer um "CHEGUEI!!" na minha cara, aproveitei essa certa oportunidade para abocanha-lo. Descia e subia a minha cabeça enquanto usava a minha mão para estimular a parte que a minha boca não chegava.

Depois de alguns minutos daquele jeito a minha boca foi preenchida por líquido espesso e... Podemos dizer que era bom né beninas. Ele me puxou me depositando um beijo cheio de desejo e luxúria fazendo a chama se acender novamente.

       - Cauan- Me separei dele corado- Eu quero...

       - Você quer...?- Ele se fez de mal entendido o que me deixou com um pouquinho de raiva.

       - Você sabe...

       - Sei?- Ele tinha um sorriso malicioso e debochado mas ao mesmo tempo sexy- Pode me falar o que você quer exatamente?

       - Eu quero você- Sussurrei corado e ele riu.

       - O que? Eu não ouvi- Revirei meus olhos irritado- Você quer o que?

       - Eu quero fuder porra!- Gritei corando violentamente fazendo o menino rir, ele me jogou de lado subindo em cima de mim.

       - Era isso que eu queria ouvir- Senti uma dor aguda e sem querer acabei descontando a minha dor encravando as minhas unhas no seu ombro. Depois de um tempo um pouco parados o Cauan acabou por tomar um ritmo fazendo a minha dor ir embora.

       Não existia dor, apenas prazer, prazer e mais prazer. Cada pedacinho da minha sanidade ia embora junto dos gemidos altos que eu soltava junto do menino que ficava cada vez mais rápido nas suas envestidas.

      - C-Cauan- Puxei a sua cabeça mordendo o lóbulo da sua orelha e depois lambendo a sua hélice- Mais rápido- Falei no seu ouvido o que pareceu incentivar o garoto que aumentou ainda mais o ritmo.

      Revirei meus olhos, só que dessa vez não era de raiva, era de pura excitação. Meus gemidos ecoavam por todo o quarto junto das sacanagens que o Cauan falava no meu ouvido fazendo alguns arrepios percorrerem por todo o meu corpo. Chegamos ao nosso ápice depois de alguns minutos daquele jeito, cai totalmente cansado do lado dele que parecia estar mais cansado ainda. Depois de um tempo adormeci ao seu lado.



      - Ai. Meu. Deus!- Ana Belly falou chocada se jogando no meu sofá que logo levantou- Vocês não transaram aqui né?

      - Conta tudo!- Rafa pulou em cima de mim rindo- Cada detalhe!

      - Que barulheira é essa?- O menino desceu as escadas e as meninas me olharam de bocas abertas, ele estava apenas de cueca- Eu acho que vou colocar uma roupa- Ele subiu totalmente corado quando viu elas ao meu lado.

     - Esqueci de comentar que ele ainda estava aqui.


Notas Finais


Obrigada por lerem♡
Espero que tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...