1. Spirit Fanfics >
  2. Reencontro >
  3. Caminhos

História Reencontro - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo meus amores❤

Capítulo 9 - Caminhos


1 anos depois

Pov Hinata


Levantei da cama e fui direto pro banho. Me Vesti e passei uma maquiagem bem basiquinha. Sai do quarto e encontrei Hanabi adormecida em cima de papéis da faculdade dela.


--Hana, estou saindo okay. Quer que eu compre alguma coisa na papelaria no caminho?--Perguntei sacudindo ela pelo ombro.


--Ahh...papel A4 por favor, o meu acabou. E se tiver tinta de impressora, trás porque a da nossa acaba rápido com duas universitárias.--Hanabi pediu. Sorri e beijei o topo da sua cabeça.--Pode fechar a cortina pra mim?'--pediu morta de cansada.


Ela tem se esforçado bastante desde que entrou na faculdade que queria. Eu já faço meu 3 ano de pedagogia, e faço estágio numa escola de fundamental não muito perto daqui. Andei até a varanda e fechei a porta de vidro. Olhei adiante e vi o senhor que morava no 202 do prédio ao lado. Lembranças desagradáveis me vieram à mente e sacudir a cabeça. Puxei as cortinas e impedi o sol de entrar.


--Pronto. Tenho que ir ou vou me atrasar.--falei sorrindo. Peguei a chave do carro e fui de elevador até o térreo. Sim, eles consertaram em fim o elevador quebrado desde que me mudei pra esse prédio. Peguei o carro na garagem e sentei no banco, fechei a porta e liguei o motor.


Comprei esse carro usado no meio do ano, ele já quebrou tantos galhos. O fim do ano estava chegando e as ruas de Tóquio já estavam iluminadas para o ano Novo. O natal foi alguns dias atrás, passei ele junto de Hanabi vendo os filmes de natal da Barbie e os especiais de natal na tv.

Dirigi até a papelaria mais famosa perto da minha casa, por ter tudo o que você quer comprar. Sai do carro e entrei. Caminhei pelos corredores procurando a tinta certa da minha impressora. Quando finalmente achei ela estava muito alto, tentei pegar mas não consegui.


--Eu pego pra você.--um homem falou. Senti sua presença atrás de mim, em seguida vi que ele tinha pego a tinta por cima da minha cabeça.--É essa preta não é?--perguntou.


--Sim obrigada.--agradeci me virando pra pegar a tinta. Mas fiquei paralisada.


 --Hi-nata!--seus lábios pronunciaram meu nome enquanto ele olhava no fundo dos meus olhos.


Seus olhos azuis me encaravam com surpresa. Ele estava alto e magro, os ombros estavam largos, usava um terno com gravata. Seu cabelo estava maior do que eu me lembrava.


--To-neri!! OH MEU DEUS!!--gritei pulando no pescoço dele e o abraçando com toda a força. Ele deu três passos pra trás pela falta de equilíbrio, mas logo senti seus braços rodearem minha cintura, me tirando do chão.--Eu não acre..como isso acon...Por onde você andou?--Finalizei ao menos uma das perguntas.


--Hinata! Meu deus olha só pra você.--Ele rodopiou no corredor comigo nos braços enquanto gargalhavamos. Quando me colocou no chão ele tocou meu rosto com delicadeza.--Você não mudou nada.--disse sorrindo.


--Que grosseria, devia dizer que eu nunca estive tão bonita.--resmunguei dando um tapa no ombro dele. Ele sorriu.


--Por que dizer se você já sabe?--falou sorrindo.--Caramba quais as chances de eu te encontrar num dia aleatório, numa papelaria aleatória de Tóquio?--falou sem acreditar. Ele parecia bem.


--Digo o mesmo.--Falei olhando pra ele, boba boba por ter reencontrado meu amigo. Meu celular começou a tocar.--Desculpa.--falei atendendo.


--Hinata vai se atrasar nesse ritmo.--escutei meu fiscal do outro lado da linha. O albino me encarava com um sorriso nos lábios finos.


--Sinto muito, eu já estou chegando, em 5 minutos.--falei desligando.--Toneri eu realmente preciso ir. Mas...aqui.--falei pegando uma caneta na minha bolsa. Anotei meu número num papel e dei pra ele.--Me chama pra tomar um café, podemos conversar melhor. Agora eu tenho que ir.--Falei apressada. Peguei a tinta da mão dele e corri até o caixa. Paguei pela tinta, o papel e os clipes de papel que eu queria comprar antes dos pedidos da Hana. Sai da loja apressada e voltei ao carro. Dirigi como uma louca pra chegar na escola.


Pov Sasuke

Levantei da cama e bocejo, tive um sonho com ela, com a Hinata. Tínhamos voltado à praia, foi como reviver aquele momento único. Ter esse tipo de sonho só me deixa deprimido. Provavelmente esse sonho só apareceu porque é hoje que vou conhecer a Karin Uzumaki.

No fim eu consegui fugir desse momento por quase dois anos. Só mais um pouco e seriam dois anos. Fugaku me ligou ontem pra informar que era a hora de eu conhecê-lá.

Levantei da cama e fui direto ao banheiro, ainda é cedo, eu só vou encontrar com ela no almoço, vamos num restaurante. Vesti minha roupa da academia e fui até a cozinha preparar meu café.

Anúbis veio correndo pular em cima de mim. Sorri e fiz carinho na cabeça dele. Quando saí do Japão, conversei com Itachi e ele me deixou trazer Anúbis comigo. Agora ele é oficialmente meu cachorro. É bom ter um amigo de verdade aqui.

Preparei uma torrada e um ovo, junto com café. Coloquei na mesa e sentei pra comer. A luz do Sol entrava pelas janelas de vidro. Quando me mudei ano passado, pedi pra minha mãe me ajudar com o dinheiro, ela deu entrada na casa e eu comecei a pagar quando comecei a trabalhar no setor de Marketing na Akatsuki, a maior empresa da Austrália que produz coisas como minério de ferro, cobre, alumínio, carvão dióxido de titânio, boto, talco, urânio e diamantes. Ou seja, eu ganho dinheiro pra um caralho.

De primeira eu detestei a ideia de me mudar pra um país onde nem conseguia falar direito a língua materna, o inglês , mas precisei virar fluente se eu quisesse ter uma boa vida aqui. Eu só conhecia cinco coisas na Austrália. Suas principais cidadades: Sydney, Brisbane, Melbourne, Perth, Adelaide e a capital que é Camberra; Conhecia o Opera house em Sydney; Sabia que é o lar dos Cangurus e dos Ornitorrinco; Conhecia a famosa barreira de coral; O deserto interior chamado Outback.

Nada que fosse o suficiente pra me fazer mudar pra cá. Até Karin Uzumaki decidir ser advogada aqui e meu pai me chutar pra cá. Ser um Japonês no meio de um monte de Australianos é péssimo, eu consigo falar com eles, mas não são o meu povo, não são japoneses.

A coisa que mais sinto falta é dos meus amigos. Ainda tenho muito contato com Naruto e Shikamaru que são meus melhores amigos. Quanto ao Gaara, depois da formatura nunca mais nos falamos, eu não sei como está a vida dele agora. Naruto me atualiza sobre as coisas no Japão, mas nunca mencionou Gaara, acho que no fim, foi difícil pra ele também, se manter próximo dos amigos de Universidade.

Lavei meu prato e coloquei a coleira e guia no Anúbis. Peguei minha garrafa, toalhinha e a chave da minha moto. Sai de casa e encontrei com Lion, um garoto de 12 anos que mora aqui na frente, ele leva Anúbis pra passear quando eu vou na academia. Anúbis venera esse garoto.


--Good morning Mr. Sasuke, how's Anubis doing?--perguntou com um sorriso. O cachorro logo começou a dar uns pulos alegres e a abanar o rabo como um louco.


--I'm fine, and Anubis is excited today.--falei sorrindo e entregando a guia pra ele.--knows the deal, half now and half later.--falei tirando a carteira da bolsa e lhe dando 3 dólares australianos.


--All right.  I'll be here when I get back.--Ele concordou e guardou o dinheiro no bolso. Logo ele e Anúbis saíram correndo.


Tirei a moto da garagem e fui dirigindo até a academia que ficava um pouco longe da minha casa. Estacionei e subi pro 1 andar onde encontrei Suiguetsu e Juugo.


--Sasuke! Que demora, eu achei que não vinha.--Juugo sorriu. Tinha o cabelo ruivo, olhos castanhos, corpo sarado e bronzeado.


--Você que mora nessa academia, eu vim no meu horário normal.--sorri e bati na mão estendida dele.


--Da um descanso pra ele, hoje ele vai almoçar com a escolhida.--Suiguetsu falou me comprimentando também com um toca aqui.


--Nem me fala. Vou fazer essa garota me odiar até ela não querer nem olhar na minha cara.--reclamei. Juugo e Suiguetsu são meus amigos mais próximos na Austrália. São japoneses como eu, foi uma surpresa e um alívio encontrar eles aqui na academia. Juugo é Personal Trainer aqui, Suiguetsu é dono de um bar.


--Nem precisa se esforçar.--Juugo sorriu e me ajudou com os pesos da máquina.


--Mas na real, como se sente?--Suiguetsu perguntou me olhando com curiosidade.


--Nervoso, é a palavra que define o meu humor hoje. Possivelmente terei que casar com essa garota, não tenho pra onde correr.--respirei fundo e deitei no estofado e posicionei minhas mãos no ferro.


--Você já é bem sucedido, por que tem que casar?--Juugo falou.


--É complicado. São exigências, pré-requisitos se eu quiser receber minha herança e lugar na empresa da minha familia.--bufei levantando o peso várias vezes.


--Sua situação é complicada. Mas no seu lugar eu não casaria, afinal casamento é coisa séria. Eu só me casaria com a escolhida.--Juugo deu de ombros.


--Fala isso porque Você já tem ela né seu trapaceiro.--Suiguetsu deu um tapa no ombro dele com um sorriso no rosto.


--Eu já perdi muita coisa pra desistir agora.--Falei fechando os olhos e quase podendo visualizar os olhos dela. Os olhos mais lindos que eu já vi.


Sai da academia quando já eram 9 horas. Peguei minha moto, deixei Suiguetsu em casa como normalmente faço e voltei pra casa. Assim que estacionei vi Anúbis junto com Lion, sentados na escada. Parecem cansados.


--They are tired?--zombei fazendo Lion me olhar alarmado.--It's me.--Sorri.


--Mr.Sasuke, we went to the usual place and came back.--falou levantando. Anúbis nem pra isso serviu, estava tão cansado que só queria ficar deitado.


--Okaythank you boy.  here's the money.-- Agradeci lhe entregando a outra parte do dinheiro. Ele sorriu e guardou o dinheiro no calção.


--Bye.--se despediu e voltou correndo pra casa. No fim ele ainda tem energia.


--Hey, Anúbis, vamos entrar.--sorri abrindo a porta e entrando, ele logo veio atrás de mim. Coloquei água limpa e comida, ele devorou e capotou no tapete em menos de 2 minutos.


Tomei um relaxante muscular e fui tomar banho pra tirar o suor. Sai do banheiro enrolado na toalha e peguei meu celular e entrei no grupo que eu mantinha com Naruto e Shikamaru.


Eu: Quero espantar uma noiva hoje o que devo usar?


Shikamaru: Roupas de Otaku, com certeza vai espantar ela.


Naruto: Eu acho que é bom você usar aquele moletom preto que eu te dei de aniversário. Você já tem aparência de Emo, vai ficar ainda pior.


Sasuke: Eu tô falando sério.


Shikamaru: Vai com roupa normal Oxi, não é só um mero almoço de apresentação.


Naruto: ele ta certo, não se esforce na aparência, você sabe que se for por isso qualquer mulher cai, você tem que ser terrível pra ela.


Sasuke: Obrigada pela ajuda.


Sorri enquanto jogo o celular na cama. Fui na minha gaveta e vesti uma cueca box preta. Abri o guarda roupa e escolhi peça por peça. Uma calça jeans preta e apertada nas pernas com uma correntinha, sapato social, camisa social branca, jaqueta preta por cima, e peguei um cachecol cinza pra colocar ao redor do pescoço. Me olhei no espelho e constatei que eu nem preciso de esforço pra ficar gostoso.

Peguei meu celular na cama e troquei mensagens com Naruto e Shikamaru. São quase dois anos na Austrália. No início foi difícil por causa do inglês péssimo que eu tinha, mas quando conheci Suiguetsu ele me ajudou com isso. Depois eu fiz amizade com meus vizinhos, o suficiente pra gostarem de mim. Depois cuidei dos colegas de trabalho, agora nos damos bem e trabalhamos bem em conjunto.

Quando deu exatas 11 horas meu pai me ligou, informando o local do almoço, um restaurante que ele e Minato tinham escolhido juntos. Mandou que eu fosse agradável e tentasse encanta-la com o meu "charme". Sorri ao imaginar meu pai dizendo isso. Nunca na minha vida ele me incentivou a coisas como seduzir garotas, essa é a primeira vez.

Peguei a chave da minha moto e o capacete. Sai de casa e sentei na moto. Tinha deixado ela na frente de casa mais cedo. Coloquei o capacete e dirigi até o lugar mencionado pelo meu pai. Estacionei no estacionamento do restaurante e joguei as chaves no bolso. Predi o capacete na moto e sorri pro homem que conduzia os carros. Fui até a recepção e a mulher me olhou torto, pela minha roupa. Podia ser só um almoço, mas esse lugar é um lugar de requinte.


--The reservation was made in the name of who?-- perguntou forçando um sorriso. 


--Uchiha Fugaku e Minato Namikaze, table for two.--falei olhando ao redor. Na entrada tinham duas arvorezinhas com flores brancas num jarro.


--I found, keep me.--pediu anotando alguma coisa no tablet dela. Logo me guiou pra dentro do restaurante. Tinha uma quantidade moderada de pessoas. Ela apontou uma mesa com uma mulher ruiva sentada. Aquela deve ser Karin.


--Thanks.-- Agradeci e segui sozinho até a mesa. Karin era uma mulher muito atraente. Tinha cabelos longos e ondulados de cor vermelha, pele clara, usava uma calça jeans azul clara de cintura alta, com um top preto, usava uma bota de cano curto preta. Claramente também não se importou com o restaurante.


--Eu sou Uchiha Sasuke, é um desprazer conhecer você.--Falei chamando sua atenção, ela virou o rosto na minha direção e pude ver que ela era uma Uzumaki autêntica. Lembrava bastante a dona Kushina. Mas seus olhos eram de um vermelho brilhante e usava um óculos preto. A maquiagem não era exagerada, na verdade parece que ela também não se esforçou pra me agradar. E mesmo assim, ela é muito gostosa.


--Nada cavalheiro deixar uma mulher esperando.--Ela reclamou.--Mas eu esperava outra coisa.--Me olhou de forma misteriosa.--Até que você não é de se jogar fora Uchiha.--ela sorriu me olhando de cima a baixo.--Karin Uzumaki, também não gosto de você.--rebateu.


-- Já fez o pedido? Estou morrendo de fome.--falei sinceramente enquanto sentava na cadeira designada pra mim e já abrindo o cardápio que estava em cima do meu prato. Não estou mentindo, só tomei um isotônico depois do treino e comi uma barra de cereal.


--Na verdade não.--falou pegando seu cardápio pra olhar. O garçon veio até nós na mesma hora pra anotar o pedido.--Quero um pedaço de torta de frango.--pediu.


--Quero uma porção média de "Costelinha ao molho Barbecue" e "Vinho vermelho Cabernet Franc 1940."--Pedi sem perguntar o que ela queria beber.


--Você é diferente do que eu pensei.--falou chamando minha atenção.


--Diferente como? Achou que eu fosse um príncipe?--perguntei a olhando por cima do cardápio. Ela me encarou com seus olhos vermelhos e sorriu zombeteira. O garçom nos deixou.


--Esperava um cara chato pra caralho.--ela falou dando de ombros.--Por que o seu pai era terrível.--ela revirou os olhos.


--Falou com meu pai?--perguntei curioso e levemente preocupado.


--Sim, mas foi por videochamada. Ele fez propaganda de você, fico feliz por você não ser nada do que ele me falou.--ela sorriu.


--Até imagino o que ele falou.--revirei os olhos.--Vamos ser claros Uzumaki.--falei me arrumando na mesa para encara-la. O garçom veio e serviu minha taça.--Eu sou completamente contra esse casamento, estou aqui obrigado como você percebeu. Mas estou curioso quanto aos seus motivos de estar aqui hoje.--falei encarando seus olhos.


--Do que está falando? Eu vim almoçar.--ela deu de ombros e bebeu um gole da taça dela que o garçom acabara de encher.--Delícia.--lambeu os lábios rosados--Deixa a garrafa.--pediu tirando-a da mão do homem. Ele a olhou indignado e depois saiu.


--Não brinque comigo ruiva, sabemos bem o motivo de estarmos aqui hoje.--falei farto dela.


--Ah, relaxa. Também não quero casar com você.--falou pro meu alívio.--Mas eu faria porque me convém.--finalizou a fala.


--Te convém? Como assim? Vai ganhar alguma coisa com isso além do meu eterno ódio e dedicação minha pra transformar sua vida de casada num inferno?--perguntei cruzando os braços fuzilando ela com o olhar.


--Eu tenho muito o que ganhar com esse casamento. Claro, Homem não faz o meu estilo, mas serve de escudo.--falou bebendo mais um gole da taça. Levei 3 segundos olhando na cara dela pra processar o que disse.


--Espera Você é lésbica?!--falei chocado.--Oh meu Deus.--sorri.--estou salvo.--Agradeci a Deus por essa dádiva.


--Não fica animadinho. Eu não me assumi ainda. Meus tios não sabem, bom, ninguém sabe, nem aceitariam uma Uzumaki advogada e lésbica. É como eu falei, você me serve de escudo.--ela falou.


--Como assim. Casada comigo você acha que está protegida da sua sexualidade? Porque não vai estar.--falei indignado.--Qual o seu problema, não tem que casar comigo só por causa disso.--me irritei.


--Olha, eu não estou nem aí se você está aqui obrigado. Eu falei ao meu tio que concordo com o casamento, você só vai ser um escudo pra mim, nada mais. Goste disso ou não.--ela falou me encarando decidida.


Pov Hinata


Assim que sai da aula já fui pegando meu celular procurando mensagens de Toneri, mas não tinha nada. Eu fiquei tão chocada quando o vi na papelaria, foi o verdadeiro significado de rolê aleatório. Ele ficou tão alto e bonito, nem parece que era menor que eu no orfanato. O celular começou a tocar na minha mão e atendi rapidamente.


--Hina, temos que nos encontrar no Grill agora! Você já saiu do estágio né?--perguntou a loira escandalosa da minha melhor amiga.


--Acabei de sair, mas o que aconteceu de tão urgente?--perguntei sorrindo.


--Tenten vai me dar uma notícia, eu não devia saber mas eu sei. E eu também tenho novidades. Faz tempo que não nos vemos. Diz que você vem.--ela implorou do outro lado da linha.


--Tudo bem, eu vou dar um pulo rapidinho no Grill, espere por mim antes das fofocas quentes.--falei desligando. Guardei o celular e peguei a chave do carro. Não deu nem 15 minutos e eu já estava parada na frente do Grill, a nossa churrascaria favorita. Entrei e de imediato vi Tenten, Ino, Saky e Temari sentadas numa das mesas com churrasqueira própria.


--Hinata!--Sakura sorriu e me abraçou assim que me viu. Ela passou algumas semanas na casa dos pais, no interior tratando de uma doença deles.


--Olha só, sou a última a chegar. Que saudade Saky.--falei sorrindo. Sentamos todas.--Eventos especiais exigem a mesa da grelha?--falei olhando travessa para Ino.


--Pelo que percebi todas temos notícias a dar.--Tenten falou animada.--Eu começo, o time da Universidade foi para as nacionais e eu estou noiva.--Falou sorrindo. A gritaria foi ensurdecedora quando ela tirou o anel do bolso da calça e colocou no dedo.


--Aí meu Deus é o meu bebê.--falei agarrando o rosto dela e apertando suas bochechas.--Não posso acreditar.--sorri feliz da vida.


--Tudo bem, minha vez, eu conheci um cara, ele é pintor, MARAVILHOSO, eu o conheci na praça perto da UBS que eu trabalho. Eu juro, aquele homem vai ser o pai dos meus filhos ou não me chamo Yamanaka Ino.--falou decidida nos fazendo sorrir.


--Você sempre consegue o que quer, não me admira.--Tenten sorriu.--Sua vez Temari, conta pra elas o que me disse ontem.--A morena olhou para Temari com um sorriso malicioso que eu dificilmente vejo nela.


--Estou namorando com o Shikamaru já tem 2 semanas. Ontem passamos por cima do Gaara, agora nada mais pode nos impedir.--Temari sorriu. E mais uma vez a gritaria dominou. 


--É o meu casal! Oh meu Deus! Como pôde esconder isso da gente por 2 semanas.--Ino deu um tapa nela.


--Aconteceu, queríamos manter a calmaria por um tempo. Ai o Gaara descobriu e fez o maior escarcéu, mas eu calei a boca dele.--Temari falou.


--Fez certo. Aquele idiota do seu irmão tem mais é que calar a boca.--Ino bufou. A antipatia dela com ela era clara, e todas sabíamos o motivo. No início do ano os dois terminaram, da parte dele, foi o primeiro fora que ela levou. Em seguida ele começou a dar em cima de mim, claro que eu o cortava na hora, até que aconteceu na frente dela, levou uma semana pra ela me escutar dizer que eu nunca dei moral pra ele e ela me perdoar.


--Calma calma. Sua vez Hina, uma novidade.--Temari falou tentando mudar de assunto. Seu irmão podia ser um canalha, mas ainda era um dos melhores amigos dela, e ela ficava incomodada ao nos ouvir falar mal dele.


--Ahh! Eu tenho uma!--lembrei.--Encontrei com uma pessoa hoje. Lembra do meu primeiro amor Ino? Aquele do orfanato?--perguntei.


--Eu lembro, você me contou dele. Um garoto não é?--ela falou sorrindo.


--Sim, Toneri, eu o encontrei no lugar mais aleatório possível. Numa papelaria. Ele pegou tinta de impressora pra mim num lugar alto, quando eu virei vi que era ele, eu quase surtei ali mesmo. Infelizmente não consegui conversar direito com ele, mas lhe dei meu número.--falei sorrindo.


--Isso é incrível Hina, que bom.--Ino sorriu.-- e como ele tá? Virou um gato ou não? Eu já sei que é alto.--falou toda analista.


--Com certeza. Usava terno, gravata e tudo mais. Se não fosse a cor do cabelo e os olhos únicos dele eu não o reconheceria.--falei lembrando do homem que eu vi.


--Que bom, não faz mais que a obrigação dele.--Ino sorriu.


--Meninas, eu tenho uma notícia pra dar.--Sakura chamou nossa atenção.--Lembram daquela prova que eu fiz? Eu passei muito tempo sem falar com vocês, só estudando. Ela era necessária se eu quisesse me inscrever na IFMSA.--Sakura falou.


--O que é isso?--Tenten perguntou.


--International Federation of Medical Students Association. É um dos mais conhecidos programas de intercâmbio médico do mundo. Você fez a prova? Como foi?--Ino perguntou. Claro que ela sabia, também era da área de saúde.


--Eu me saí bem, e eu passei.--Sakura falou sorrindo, dessa vez quem mais gritou foi Ino.


--Eu não acredito nisso, minha amiga é incrível!!--Ela recitava.--Como vai ser agora?--perguntou.


--Eu vou fazer o intercâmbio na Rússia. Dizem que o melhor dentre os alunos já de gradua com um emprego garantido. Isso é tipo, tudo o que eu sempre quis.--ela suspirou depois de falar tudo super rápido.


--Espera, quer dizer que vai passar seu último ano de Medicina na Rússia?--Temari perguntou.


--Sim...mas vocês não entendem, tudo o que eu vou conseguir lá. Estudar com pessoas de todo o mundo, aprender em um sistema de saúde completamente diferente do daqui, ter aulas com professores com didáticas novas...


--Ta tudo bem Saky já da pra ver o quanto isso é importante. Você foi incrível.--Sorri me sentindo triste. Era o sonho dela, e ela lutou por isso, mas ainda assim vai ter que nos deixar.


--Quando você vai?--Ino perguntou.


--No final do 3 ano, ou seja, no fim desse ano em menos de um mês.--ela falou tristemente. Tentamos abraçar ela pra nos dar conforto. Sentiremos falta da rosada, mas é isso, estamos todas seguindo nossos caminhos.



Notas Finais


Meus bbs tomando um rumo😭
Obrigada por lerem meus amores ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...