1. Spirit Fanfics >
  2. Reencontro De Seis Almas >
  3. Capítulo 27

História Reencontro De Seis Almas - Capítulo 27


Escrita por:


Capítulo 27 - Capítulo 27


(Pov Poncho)


Eu dirijo meu carro com a velocidade tão alta que tudo a minha volta se resume a alguns borrões. E sei que em meu novo endereço vão chegar algumas multas por excesso de velocidade, direção perigosa e avanço em sinal vermelho, tudo pela forma irresponsável como estou dirigindo. Más eu não sou nenhum maluco, isso se trata de uma emergência.

Meu coração bate forte com a idéia de que Annie está em apuros. Como podem ter a deixado sozinha em casa sabendo de sua situação?. A raiva me consome em imaginar que tudo isso só pode ser coisa de seu atual marido.

Viro a esquina me aproximando de sua casa e agradeço por ter escolhido um apartamento à pouco mais de quinze minutos daqui, más acreditem, com a pressa que vim dirigindo não levei nem oito minutos para chegar até aqui.

Eu estaciono o carro de qualquer jeito saltando do mesmo logo em seguida. Tento abrir o grande portão que está em minha frente e logo percebo que está trancado. A situação de Annie é ainda mais grave do que pensei. Tateio meus bolsos em busca do celular e assim que o tenho em mãos, ligo para ela que atende no primeiro toque.

-Poncho... por favor me diz que esta chegando. -É a primeira coisa que pede, choramingando.

-Estou no seu portão más está trancado. -Digo o forçando mais uma vez e ele sequer se move.

-Eu não sei onde estão as chaves. -Ela murmura e então começa a chorar desesperadamente. -Poncho, por favor..

-Tudo bem, fica calma. Eu dou um jeito, fica tranquila. -Digo. -Eu vou desligar agora mas se as coisas piorarem, me liga. -Peço e assim que ela concorda, desligo.

A vizinhança por aqui é calma e aparentemente segura, por tanto, os muros não são tão altos. Devem ter cerca de dois metros e meio, não sou nenhum novinho de dezessete anos más acho que consigo pular. Melhor, preciso pular.

Me afasto alguns passos para pegar impulso, corro na direção do muro e dou um salto alcançando a parte de cima onde me agarro, conseguindo me segurar. Tiro forças nos braços sei lá de onde e consigo erguer meu corpo. Já consigo ver o jardim da grande casa, está vazia e um completo silêncio más a janela do que parece ser um quarto no segundo andar, está aberta.

Pulo para dentro e ignoro o leve ardor que sinto em um dos tornozelos. Caminho à passos largos até a segunda porta que, para meu alívio, está aberta e caminho gritando seu nome pela casa. Subo as escadas de dois em dois degráus e abro a primeira porta que aparece em minha frente.

Meu peito se enche de alívio quando a encontro ainda consciente más logo se esmaga quando noto sua expressão de dor. Ela está sentada no chão, a alguns passos da cama. Veste um roupão branco, seus cabelos estão soltos e desalinhados, e na testa e em alguns outros pontos de seu rosto, tem um leve brilho de suor.

-Tudo bem, eu estou aqui. Vou te levar para um hospital. -Digo me aproximando. A pego em meus braços com certa facilidade, Annie sempre fora leve e continua agora, mesmo grávida.

-Esqueça o hospital. -Ela murmura ofegando.

-O que?. -Pergunto sem entender.

-O bebê já está nascendo, você vai ter que fazer o parto. -Ela diz fazendo uma breve pausa entre uma frase e a outra para gemer de dor.

-Eu não sei fazer um parto, como eu faço isso?. -Pergunto um tanto nervoso é apavorante ter o nascimento de uma criança em suas mãos quando não se tem nenhum conhecimento sobre.

-Eu que vou dar a luz, o bebê está dentro de mim. Você só precisa me dar uma ajuda. -Ela diz quando a coloco sobre a cama, e rapidamente ajeito alguns dos travesseiros em suas costas de forma que a mantenha quase que sentada. -Tem toalhas limpas no banheiro. Pegue por favor. -Ela me orienta e rapidamente eu faço o que ela diz aproveiando a ida ao banheiro para também lavar as mãos.

-Pronto. -Volto logo em seguida com duas toalhas limpas em mãos e as deixo sobre a cama, Annie parece não sentir nenhuma dor agora, não está gemendo mais.

-Ótimo. Quando eu sentir a próxima contração, que não vai demorar, vou fazer força. -Começou explicando.

-Tá, e o que eu preciso fazer?. -Me sento em sua frente. Ela está com as pernas dobradas e os pés apoiados na cama.

-Você só precisa segurar meu filho quando ele sair. -Ela diz calma. Ao contrário de mim que estou uma pilha de nervos.

-Tudo bem. Acho que consigo. -Eu respiro fundo como se a pessoa prestes a dar a luz ali fosse eu.

-A merda, isso dói tanto. -Annie enruga a testa em uma nova careta de dor e agarra os lençóis. -Eu estou pronta. -Ela diz então abre as pernas começando a fazer força para baixo, as vezes parando, por alguns segundos para pegar ar para os pulmões.

-Eu acho que estou vendo a cabeça dele. Preciso que faça mais força. -Peço e ela atende a meu pedido.

Annie grita cada vez mais alto e parece cada vez mais cansada, cada vez que um centímetro novo de seu bebê sai de dentro dela. Está agora ainda mais soada e alguns fios soltos dos cabelos grudam em sua testa. Eu continuo a incentivando a fazer força, usando minhas mãos protegidas com a toalha, de apoio para o bebê. Até que ela respira fundo e faz força uma última vez e... um choro de bebê. Ele saiu totalmente e o estou segurando em meus braços. Tanto ela quanto eu sorrimos com o som de seu choro. É uma criança pequena, e pelo grito estridente parece saudável.

Eu o envolvo na toalha e o entrego para Annie. Seus olhos brilham quando ela finalmente o tem nas mãos, e o sorriso de gratidão que me lança logo em seguida, enche meu peito de alegria.

-Conseguimos. -Ela diz, os olhos marejados. Olhando para o filho. -Bem vindo ao mundo, Emiliano. -Ela diz com voz terna, então o bebe parece se acalmar com sua voz porque para de chorar no mesmo instante.

-Conseguimos. -Confirmo orgulhoso. -Vou chamar uma ambulância porque vocês precisam ir pro hospital e eu não tenho idéia de como se corta um cordão umbilical. -Confesso e ela sorri.

-Está bem, vamos te esperar aqui. -Ela diz ao me fitar por um breve momento antes de voltar sua atenção ao filho.

...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...