História Regicídio - Capítulo 13


Escrita por: e ShadMen

Visualizações 6
Palavras 1.885
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 13 - Berglen


Fanfic / Fanfiction Regicídio - Capítulo 13 - Berglen

Cansados e suados, os três meninos caminhavam por um bosque de árvores frutíferas iluminado pelas aberturas entre um galho e outro nas grandes àrvores verdes, permitindo pequenos feixes quentes de luz solar alcançar a cabeça dos três.

 

-O quanto mais precisamos andar? Eu não aguento mais! - Reclamou Tome, enquanto dava pequenos passos, erguendo as botas pesadas com dificuldade.

 

-Bom... de acordo com o mapa... não demoraremos muito para chegar... - Respondeu Jonshin ofegante, arrastando o seu bastão na grama verde límpida do bosque.

 

-Por que Berglen? Não poderia ser uma cidade mais próxima? - Se pronunciou Hasek com a lança em mãos, ombros caídos e cabeça baixa.

 

-Berglen é a cidade mais próxima de Enon... se embarcarmos lá, atravessaremos o mar e chegaremos em Enon em poucos dias. - Respondeu novamente Jonshin.

 

Hasek ouviu a resposta e não disse mais nada, incentivar uma conversa seria desgastante naquele momento.

Os três continuaram caminhando por um bom tempo, até Tome perceber um limpo e pequeno lago do qual correu na direção, em seguida, quase enfiou a cabeça na àgua, sua sede era imensa. Jonshin e Hasek fizeram o mesmo, em seguida, Tome subiu em uma àrvore e apanhou algumas maçãs bem vermelhas usando a lança de Hasek, e por alguns minutos os três sentaram abaixo de uma àrvore para descansar.

Parecia que o acontecimento no monastério um dia atrás já era passado, após sairem de lá, nenhum menino mencionou o fato novamente.

Sentados na grama fresca, escorados em uma árvore comendo maçãs e ouvindo passáros cantar era a melhor coisa do mundo naquele momento, nenhum dos três disse nada, apenas apreciavam o espetáculo que o bosque oferecia. Tome fechava os olhos, estendia as pernas e removia as botas de seu pé com calos.  Hasek podia se sentir fora de seu corpo enquanto se perdia em seus pensamentos assistindo pássaros coloridos trocarem de galhos enquanto cantavam.

O descanso durou mais um tempo até Jonshin perceber que o sol iria se pôr e alertou os outros para seguirem o caminho. Todos levantarem e começaram a andar novamente, dessa vez com mais facilidade e disposição.

Hasek caminhava olhando para o céu ainda perdido em pensamentos, até que direcionou sua visão para trás da estrada e percebeu algo incomum. À alguns metros atrás, ele podia ver quatro figuras em vestes sujas que agiam de modo suspeito, parecendo sussurrarem entre si sem tirarem o olho dos três garotos. Hasek em seguida cutucou Jonshin que estava ao seu lado e fez um sinal com a cabeça para fazer com que o monge olhasse para trás. Jonshin em seguida ficou surpreso e alertado pelas figuras estranhas, Tome percebeu a estranheza dos dois e questionou em seguida de modo sarcástico.

 

-Por que vocês estão tão esquisitos, hã?

 

-Há uma gente estranha atrás de nós e eu não estou gostando. - Disse Jonshin um pouco nervoso olhando para o chão com o olhar fixo.

 

-Ladrões? - Pergunta Hasek espantado.

 

-Talvez... melhor ficarmos atentos. - Responde Jonshin, sustendo seu bastão com uma expressão séria.

 

-Ah, que ótimo... - Disse Tome depois de soltar um longo suspiro de desânimo.

 

As figuras desconhecidas aparentavam se aproximar cada vez mais e Jonshin ficava mais tenso, Hasek aguardava ansioso para que um dos dois meninos dissesse algo para tomarem uma atitude mas nenhuma palavra era dita.

 

-Achei vocês, filhos da puta! - Ecoou uma voz raivosa que Tome e Hasek reconheceram instantaneamente, os dois se viraram e confirmaram sua surpresa, era Ed e mais três outros garotos.

 

Hasek e Tome arregalaram os olhos ao encarem o rosto sanguinário de Ed que agora possuia uma cicatriz horizontal muito grande na região próxima da boca, os arredores de seus olhos estavam muito escuros, como se não tivesse dormido uma noite desde o acontecimento em Thoryel. Tome e Hasek não reconheciam os outros três garotos que seguiam Ed e eles não pareciam tão enraivecidos quanto o mesmo.

 

-Quem são vocês? - Perguntou Jonshin assustado, após se virar como Tome e Hasek.

 

-Um monge? Tome, esse é seu novo amiguinho? - Disse Ed debochando, Jonshin agora soube que esse garoto tinha conexão com o passado de Tome após fugir do monastério.

 

-Tome, quem é este? - Perguntou mais uma vez Jonshin, olhando para Tome, que por sua vez encarava Ed.

 

-Vai se foder Ed, eu não tenho mais nada com você e Samuel! - Respondeu Tome irritado, ignorando Jonshin.

 

-Não tem mesmo, e é por isso que não faz diferença se você morrer agora. - Falou Ed, levantando a lateral do seu casaco que estava sobrepondo sua cintura onde havia um espada de cabo avermelhado, esta do qual ele direciona sua mão e agarra o cabo.

 

-Não precisamos disso, podemos seguir nossos próprios caminhos agora. - Disse Tome em um tom mais passivo, olhando nos olhos zangados de Ed.

 

-Eu não concordo... - Responde Ed, fazendo um sinal de negação com a cabeça, puxando sua espada para fora da bainha, fazendo um som metálico que causava um arrepio e tremelique em Hasek. Tome jogou seu arco e aljavas no chão, se preparando para o que iria acontecer.

 

Ed então avançou em passos largos na direção de Tome com olhos que despertavam medo no rapaz, Tome então puxou sua espada instantaneamente e ergueu a mesma na frente de seu corpo, para poder se defender.

Dois comparsas de Ed correm na direção de Jonshin e o último correu na direção de Hasek.

Ed acertou um golpe com sua espada na espada de Tome, que quase derrobou a sua arma no chão com a força e ira de Ed, Hasek e Jonshin enquanto isso lutavam individualmente com os aliados de Ed, Jonshin lutava com dois de uma só vez, segurando seu bastão horizontalmente e usando cada uma das pontas para acertar os dois inimigos que estavam em sua frente. Hasek ficava na defensiva, se esquivando amedrontado e recuando quase caindo conforme o adversário avançava em sua direção.

Tome se esquiva de mais um golpe de Ed e acerta um chute certeiro em seu peito, jogando o ladrão para trás.

 

-Você deveria ter visto o rosto daqueles ratinhos, quando eu descobri que você tinha mandado eles mentirem para mim. - Disse Ed, colocando a mão em seu peito e tossindo um pouco. Tome ficou surpreso e assustado quando Ed disse tais palavras, então arregalou os olhos e se pronunciou.

 

-Seu doente! O que fez com eles?! - Perguntou Tome espantado com os olhos esbugalhados.

 

-Vamos dizer que... agora os cães de Samuel possuem carne pro inverno todo. - Respondeu Ed com um sorriso malicioso.

 

FILHO DA PUTA! - Tome correu cegamente na direção de Ed com a espada erguida e com um grito de ódio, Ed então frechou o punho esquerdo e rapidamente reagiu, acertando um soco linear no rosto de Tome, que imediatamente foi lançado ao chão.

 

Ed riu de forma sádica e andou na direção de Tome, erguendo a espada para cravar em seu peito, mas o garoto reage e rola um metro para a direita, chutando a face de Ed com seu pé direito. Tome aproveita o tempo que Ed demora para se recuperar do chute e levanta-se, fazendo terra cair de seu casaco e sangue escorrer de seu nariz.

Jonshin seguia acertando golpes nos dois inimigos tão rapidamente que ambos mal conseguiam se defender, até que finalizou um, deslocando a mandíbula com um golpe horizontal usando seu bastão, e o outro acertando o olho com a ponta da arma, este caiu inconsciente e o outro ainda gemia de dor jogado à terra.

As espadas de Tome e Ed ainda dançavam no ar e os dois já começavam a respirar ofegantemente, Ed ficava cada vez mais agressivo e chegou à jogar Tome contra uma cerejeira, fazendo o rapaz tropeçar nas grossas raízes expostas e bater a cabeça no tronco violentamente.

Ed se aproximou de Tome e olhou para ele como se já fosse vitorioso, Tome agarrou rapidamente a espada que havia caído ao seu lado e cravou no estômago do ladrão com toda sua força, fazendo Ed cair ajoelhado nas raízes da árvore.

 

-Eu deveria ter te matado em Thoryel e deixado seu corpo para apodrecer naquele beco! - Gritou enfurecido Tome, levantando-se das raízes da árvore e se afastando de Ed, com sangue escorrendo de seu nariz que deixava sua boca coberta de vermelho.

 

-E por que não o fez!? - Berrou Ed, tentando se levantar com o casaco manchado de sangue e mancando.

 

-Eu não sei, mas é o que vou fazer agora.

 

Ed não consegue se sustentar e cai entre as raízes, ele tenta colocar a mão no corte profundo para cobri-lo mas sangue não parava de escorrer e Ed só se sentia mais fraco.

Tome e Jonshin agora direcionam sua atenção ao último dos garotos à alguns metros, porém surpreendentemente eles encontram o inimigo caído ao chão e Hasek segurando ambas sua lança e a espada do ladrão. Hasek nota seus dois amigos olhando para ele e solta um pequeno sorriso sem mostrar os dentes, como se estivesse orgulhoso de finalmente ter conseguido se defender.

Tome retribui o sorriso, Hasek permite o garoto que derrotou se mover para socorrer seus comparsas, jogando a espada dele no meio de alguns arbustos a sua esquerda.

Os três então caminham e se encontram em um ponto no meio de onde a batalha acontecia.

 

-Fico feliz que finalmente tenha acabado. - Disse Hasek um pouco desanimado.

 

-Quem eram essas pessoas e porque nos atacaram!? - Perguntou Jonshin nervoso, olhando e pressioando Tome.

 

-Certo... bom... eu fazia parte de um grupo de ladrões do qual eu não me orgulho, e agora eles queriam vingaça por eu ter saído, e isso é tudo que você precisa saber. - Respondeu Tome, encarando o chão em um tom melancólico.

 

Jonshin se destraí e nota Ed ainda caído em meio as raízes, ensanguentado e frágil na beira de sua morte.

 

-Tome, devemos enterra-lo, nenhum homem deve ser deixado para decompor assim. - Falou Jonshin, notando que Ed observava os três.

 

-Ele não era nenhum homem. - Respondeu Tome, sem olhar para Ed, catando seu arco e aljava do chão, se afastando dos dois amigos e seguindo o caminho.

 

Jonshin continuava a olhar Ed, ele nem questionava a si mesmo o porque de sentir empatia pela pessoa que tentou mata-lo, isso porque foi ensinado por seu mestre que toda criatura pertencia à terra, e após a morte, todos deveriam ser devolvidos para que a terra pudesse cuidar da carne.

Hasek percebeu o afastamento de Tome e após notar que Jonshin não se movia, decidiu acompanhar Tome.

Jonshin ficou ali por mais uns segundos sem dizer nada e seguiu o caminho junto aos amigos, deixando Ed para trás.

O sol já estava prestes à se pôr no horizonte e os três andavam mais um pouco até notarem que o terreno ficava mais íngreme, eles subiram um barranco e se depararam com uma vista incrível. Um vento fresco e revigorante soprou forte no rosto dos três, no barranco de onde estavam podiam ver toda a cidade de Berglen, eles finalmente haviam chegado.

Um mar azul-claro cercado de navios e comerciantes que já iam embora da cidade, gaivotas voando no entorno de um céu cheio de nuvens alaranjadas e casas grandes e coloridas.

Agora, chegar na ilha Enon é só uma questão de tempo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...