História Regicídio - Capítulo 14


Escrita por: e ShadMen

Visualizações 8
Palavras 2.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 14 - O barco de Craig


Fanfic / Fanfiction Regicídio - Capítulo 14 - O barco de Craig

Tome acordou e agora permanecia calado e imóvel na cama, observando o teto escuro de uma taverna em Berglen, esta da qual havia passado a noite com seus amigos.

Os sons e a luz da cidade já invadiam o quarto da taverna enquanto Hasek e Jonshin dormiam em comfortáveis camas de lã. Tome já estava ali por alguns minutos mas não notava o tempo passar, ele pensava nas crianças de sua antiga casa, Tome não conseguia acreditar que Ed realmente teria matado-as, outra coisa provavelmente aconteceu.

 

-Acordado? - Disse Jonshin imprevisivelmente com a voz rouca, Tome rapidamente saiu de seus pensamentos e voltou ao momento.

 

-Ah... Sim... - Respondeu Tome, ao notar que o monge já havia acordado.

 

-Acho que deveríamos descer... comer alguma coisa antes de partirmos. - Falou Jonshin pausadamente.

 

-Certo, acorde o Hasek, eu vou descer na taverna e comprar alguma coisa para comermos. - Disse Tome ao levantar da cama e vestir suas botas.

 

-Entendi.

 

Tome abriu a porta e desceu as escadas até chegar na taverna, pediu alguns biscoitos, sucos, um bolo de frutas e se sentou para esperar os amigos.

A taverna estava vazia e silenciosa, bêbados não costumam frequentar tavernas nas manhãs. O dono da taverna serviu os pedidos de Tome e ele pôde ver Jonshin e Hasek descer as escadas, eles se sentaram na mesma mesa que Tome e começaram a se servir.

 

-Então, como iremos viajar? - Perguntou Hasek com a boca cheia de bolo.

 

-Como eu tinha dito antes, eu conheço um cara, ele vai nos levar até lá de barco. - Respondeu Tome, mastigando um biscoito.

 

-Aergh! parem de comer enquanto falam, vocês estão cuspindo em mim! - Disse Jonshin, limpando os farelos de biscoito de sua roupa, Tome e Hasek começam a rir, derrubando ainda mais farelos pela mesa.

Os três terminaram de comer e logo saíram da taverna, deixando o pagamento em cima da mesa. Após chegar nas ruas da cidade, quase foram atropelados por um cavalo que vinha rapidamente trazendo um carregamento de jóias, e logo na esquina levaram um tranco de guardas que carregavam um ladrão. A cidade era bastante viva e movimentada, todos os tipos de pessoas andavam por lá, artistas, comerciantes, turistas e soldados. Os prédios e casas da cidade eram bem próximos uns dos outros e as ruas eram bem estreitas, mas em geral, a cidade era bastante limpa e agradável, era possível sentir vento gelado que vinha do mar.

Tome guiou Jonshin e Hasek pelas ruas, passando por tendas de comerciantes que ofereciam seu produtos, eles desceram até o porto, de onde podiam ver o mar e vários navios vindo e indo. Seguindo o caminho do porto, eles subiram em uma parte mais isolada da cidade com menos casas, dali possuiam uma vista que abrangia grande parte do centro da mesma. Chegaram então em uma casa velha com o pátio aberto, que possuia um barco médio parado em sua frente e entraram.

 

-Craig! Venha aqui fora, você tem clientela! - Gritou Tome no pátio da casa.

 

As cortinas se movimentaram um pouco, mas era difícil ver o que acontecia dentro da casa, as janelas e portas estavam fechadas.

 

-Tome, quem é esse Craig? eu não sei... essa casa é um pouco estranha. - Disse Jonshin em um tom desconfiado.

 

-Eh... ele é um... ah... comerciante, eu costumava fazer uns serviços pra ele... e.. bom... - Respondeu Tome um pouco desconfortável, arrastando o pé no chão tentando aliviar a tensão.

 

-Comerciante? a casa dele não parece muito convidativa para trocas. - Falou Jonshin novamente, erguendo a sobrancelha direita.   

-...Contrabandista... - Disse Tome cabisbaixo.

 

-Ah claro... - Disse Jonshin, um pouco irritado.

 

A porta se abriu e uma figura alta e sórdida espiava entre uma pequena abertura, até que a porta foi aberta por completo e os três garotos puderam ver um rapaz mais velho, esguio, e que usava roupas encardidas sair da casa, com um olhar arisco, observando as redondezas com precaução, se aproximando lentamente.

 

-Você... aqui...de novo? - Falou Craig com a voz áspera e rasgada que era sem dúvida desconfortável de se ouvir.

 

Tome soltou um sorriso falso e nervoso por alguns segundos, apreensivo para aquilo que seria dito.

 

-O que diabos você iria querer aqui depois do que fez? - Disse novamente o rapaz, dessa vez com o tom mais alto e apertando os olhos levemente, em sinal de interesse.

 

-Bom... eu preciso de uma viagem. - Respondeu Tome, ainda demonstrando um óbvio desconforto.

 

Craig encarou Tome paralisado por um tempo, até escancarou um sorriso e uma risada espalhafatosa.

 

-Bom, muito bom, roube seu chefe e depois peça uma viagem para ele. - Respondeu Craig ainda rindo.

 

Tome riu de forma forçosa e desajeitada junto a Craig, mostrando bem os dentes, era algo embaraçoso de se ver. 

 

Hasek tentava se destrair olhando para os pássaros que pousavam próximos a eles, usando sua lança como apoio para sustentar seu peso, enquanto Jonshin colocava a palma de suas mãos no seu rosto, envergonhado.

 

-Espera... isso é sério? - Perguntou surpreso Craig, parando de rir e arregalando os olhos.

 

-É... 

 

-O que há de errado com você? - Disse Craig, após coçar a cabeça.

 

Tome permaneceu em silêncio com um rosto sério.

 

-Se você quer isso, vai ter que compensar o que roubou.

 

Tome silenciosamente alcançou o saco de moedas de ouro preso na sua cintura e levantou lentamente na altura de seu ombro. Craig tomou o saco das mãos de Tome encarando-o com um rosto zangado, ele colocou o saco na palma de sua mão para sentir o peso.

 

-Isso aqui é nada. - Disse Craig, devolvendo o saco nas mãos de Tome.

 

-É tudo que eu tenho. - Respondeu Tome com um tom desesperançoso.

 

Craig gargalhou, decidiu virar as costas e voltar para dentro de sua casa, mas parou no meio do caminho ao notar o bastão que Jonshin segurava.

 

-Ei... esse bastão... - Craig aproximou o rosto do objeto, tocando-o. - Isso é madeira de pinheiro-pedra?!

 

-Sim. - Respondeu Jonshin de forma rude, afastando o bastão para longe de Craig ligeiramente.

 

-Mas como? Pensei que todos os pinheiros-pedra fossem propriedade dos Grandwood e eles não fabricam armas...

 

-Esse bastão foi feito muito antes de uma família arrogante pensar que pode tomar todas as árvores e condenar uma espécie. - Falou Jonshin com rispidez, curvando as sobrancelhas.

 

Craig se distanciou em alguns passos e sorriu.

 

-Me dê esse bastão e sua viagem estará garantida. - Disse ele, sorrindo.

 

-O que!? - Exclamou Tome, levando um susto.

 

-Pode esquecer. - Respondeu Jonshin instintivamente.

 

-Que pena... tudo bem então. - Craig começou a voltar para sua casa.

 

-Espera, ei! EI! - Gritou Tome, mas Craig nem olhava para trás.

 

-O bastão ou nada! - Anunciou Craig, ainda sem olhar para trás enquanto andava.

 

Craig entrou dentro da casa e fechou a porta na cara Tome, que andava logo atrás dele.

 

-Merda, Jonshin, você vai ter que entregar para ele o bastão! - Falou Tome, caminhando de volta para perto dos amigos.

 

-Já disse que não farei isso.

 

-Ele não vai aceitar outra coisa!

 

-Por que não vamos em outro barqueiro? - Perguntou Hasek.

 

-Craig é o único que nos levaria lá! Não vamos achar outra pessoa maluca o suficiente disposta à ir até aquela ilha!

 

Jonshin já perdia a paciência e começou a rezingar.

 

-Vamos, você mesmo sabe e sempre disse que bens materiais são descartáveis! - Retrucava Tome, agarrando o braço de Jonshin e balançando.

 

-Disse o ladrão. - Respondeu ele.

 

-Droga, para com isso! Eu sei que Sinna te deu esse bastão, mas use-o agora para podermos realizar o último pedido dele! 

 

Tome continuou insistindo por mais um tempo, até que desistiu e começou a andar em circulos, Hasek permanecia à mercê da escolha dos dois, apenas parado no pátio, Jonshin ainda estava relutante e também parado no pátio, indeciso.

 

-...Ah...certo...mas estou fazendo isso por Sinna e Hasek, não por você. - Jonshin estendeu o braço com o bastão em mãos.

 

-Isso! Tudo bem... agora esperem enquanto eu resolvo isso. - Disse Tome, pegando o bastão das mãos de Jonshin e caminhando até a porta. - Ei! Craig, eu tenho o seu bastão! - Berrou Tome, batendo na porta consecutivamente.

 

A porta abre e Craig aparece com um olhar desconfiado.

 

-Não esperei que isso fosse acontecer, beleza, passa pra cá! - Craig pegou o bastão e levou pra dentro de sua casa, ele demora alguns minutos e retorna com uma grande mochila, surpreendendo os garotos.

 

-Agora?! - Perguntou Tome, perplexo como os demais.

 

-Sim! Algum problema? - Perguntou Craig, fechando sua porta com cinco chaves em cinco cadeados diferentes.

 

-Ah, não é que v-

 

-Certo, vamos indo então. - Craig interrompe Tome e segue até a saída do pátio, Hasek e Jonshin seguem ele, Tome ficou um instante parado e confuso, mas segue caminho com os outros sem dizer mais nada.

 

Craig desce até o deck de seu barco e entra nele, o barco possuia um tamanho médio porém velas enormes e desproporcionais. Craig puxa a âncora de volta e caminha até grande mastro na lateral do barco, ele desamarra a corda e estende-a para um outro mastro, fazendo as grandes velas se abrir e sacolejar violentamente com o vento. Os garotos sentiram o barco começar à se movimentar lentamente, se afastando do deck, as velas eram tão grandes que o barco não precisava ser remado.

Craig então se direcionou ao timão do navião e fez alguns ajustes, balançando os garotos de um lado para o outro, em seguida, ele foi até uma porta que levava aos andares inferiores internos do navio e convidou os três para descer as escadas junto a ele.

Ao descer as escadas eles se deparam com o andar inferior, que possuia um cheiro desagradável e pouca iluminação.

-Então, esse é o meu quarto. - Diz Craig, apontando para uma porta adiante, arranhada e com pedaços de madeira faltando. - se um de vocês entrar nele, eu arranco cada dedo na mão de vocês. E aquele é o depósito. - Agora ele aponta para uma porta aberta, recheada de barris e algumas caixas. -  se entrarem, ou pegarem alguma coisa dele, eu arranco sua mão inteira. E por último, o quarto de vocês - Ele indica com a cabeça um outro cômodo, com quatro camas de feno e uma janela grande. - e é unica porta que possuem autorização para entrar. E é isso.. ah, e se não gostarem da viagem, também possuem toda minha permissão para se jogarem do barco.

 

Jonshin continuava sério no mesmo tempo que Tome e Hasek se olhavam abismados, mas nem tiveram tempo de dizer algo pois Craig já parecia pronto para dizer mais.

 

-E... é só isso, vocês estão liberados. - Craig virou as costas e entrou dentro de seu depósito, mexendo em algumas caixas de vinho que haviam lá dentro.

 

Jonshin não se pronunciou e foi direto para o quarto onde os três iriam dormir e fechou a porta ligeiramente.

 

-Acho que ele está chateado com você. - Falou Hasek, direcionando seu olhar para Tome.

 

-É... ele deve ter se apegado muito a aquele bastão desde que Sinna morreu.

 

-Ei, vamos dar uma olhada no mar, talvez te anime um pouco. - Disse Hasek, mostrando um pequeno e breve sorriso no seu rosto.

 

-Tá bom. - Falou Tome, subindo as escadas junto a Hasek e se deparando com o brilho do céu azul sem nuvens de Berglen, a cidade estava sendo deixada para trás ao mesmo tempo que o barco se afastava cada vez mais da terra.

 

-Linda cidade, eu gostaria de ter uma casa aqui. - Disse Tome, recebendo uma sopro gelado de vento em seu rosto que bagunçava ainda mais seu cabelo escuro.

 

-Tome... - Hasek fala cabisbaixo, olhando para as ondas do mar azul-ciano que se chocavam com a borda do barco.

 

-Sim? 

 

-Você acha que eu vou conseguir?

 

-Como?

 

-Toda essa coisa de profecia... o que eu faço? Eu não estou pronto pra isso, eu... eu não estou entendo nada... - Diz ele, com uma expressão preocupada e olhar focado nos detalhes de sua lança.

 

-Relaxa, nós estamos com você! - Tome ergue a mão e agarra o ombro do amigo.

 

Hasek olha confuso para Tome, com seus olhos quase fechando por conta do sol que batia diretamente em seu rosto. 

 

-E o mais importante, nós acreditamos em você. - Tome sorri para Hasek, que retribui lentamente de uma forma tímida.

O barco se afasta deslizando pelo mar reluzente, deixando para trás a grande e rica cidade de Berglen. Na direção que o barco andava, ao oeste, nuvens escuras e enormes habitavam o céu, e o próximo destino dos três é uma das regiões mais perigosas de toda Heuros, o lar de Kovedra, Enon. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...