1. Spirit Fanfics >
  2. Regressão dos Demônios >
  3. Laboratório...

História Regressão dos Demônios - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Essa história surgiu de uma ficha de um server de RP que eu criei, então eu chamei meu amigo Jonson pra me ajudar a criar uma história do zero sobre isso!

Capítulo 1 - Laboratório...


Regressão Dos Demônios

(Capítulo 1)

 

No Canadá, estado de Alberta, próximo às Colinas Swan, era 1876, quando algumas pessoas relataram ouvir explosões vindo de um campo alí perto.

Alguns aviões com soldados foram enviados para o local, mas nenhum retornou para contar a história.

Poucos dias depois, as explosões pararam, e os primeiros a chegar no local foram alguns cientistas acompanhados de soldados, que curiosamente, encontraram 2 corpos parecidos com humanos, porém,ambos possuiam asas, um diferente do outro.

Um deles possuia asas brancas, muito bonitas. O outro, possuia asas negras, bem sombrias. Ambos os corpos estavam mortos, então os cientistas levaram para um laboratório alí perto para pesquisar sobre. Porém, como não haviam meios de saber como suas células funcionavam, apenas congelaram os corpos e os mantiveram guardados.

Então, em 1947  quando a tecnologia já era bem avançada, cientistas começaram a desenvolver ferramentas capazes de identificar o dna de qualquer espécie viva.

Como a existência daqueles seres míticos nunca foi revelada para as pessoas, ninguém sabia da existencia deles, até que, em certo momento, alguns pesquisadores foram pesquisar um laboratório antigo, e descobriram a existência daqueles corpos congelados.

Curiosos, eles levaram os corpos para um caminhão de transporte, e descobriram um diário e um esqueleto do lado, e então decidiram ler.

 

“Dia 19 de Julho de 1876

Eu e meus companheiros estavamos estudando 2 corpos estranhos que encontramos em um lugar, onde pessoas relataram ouvir explosões.

Quando apresentamos aos nossos superiores, descobrimos que um dos superiores era como o de asas negras. Ele disse que os corpos eram de um anjo e um demônio. Se não fosse por ele, nós nunca saberiamos sobre coisas assim.

Então ele teve uma ideia. E se fundissemos o DNA do anjo com o DNA do demônio? ‘Ah, mas eles estão mortos!’ E nisso ele pensou… Como era julho, mês em que as crianças entram de férias, ele decidiu levar algumas crianças nas ruas para experimentar nelas, pois como eram novas, seus corpos estariam saudáveis e prontos para receber o DNA de um anjo e um demônio. Eu era contra isso, mas como a maioria concordou, foi feito.”

 

“Dia 20 de Julho de 1876

Conseguimos nossa primeira cobaia, e a colocamos em uma sala fechada e isolada de tudo.

Eu fui até ele, perguntei seu nome, conversamos um pouco, e então eu disse para ele não se preocupar, que quando ele acabasse, ele seria um super herói. De fato, ele poderia ser, já que nosso superior disse que, quem conseguisse suportar, seria bastante poderoso e conseguiria usar “magia”. Ele ficou alegre, e então foi dormir.

Então, um parceiro foi aplicar o DNA do anjo e do demônio nele. Mas, como o DNA deles continha muita radiação “magica”, o garoto não suportou, e morreu alí mesmo.

De início, todos ficamos chocados com isso, e o nosso superior apenas disse: “ele não conseguiu suportar, pois não era forte o bastante.”. Todos concordaram, mas eu ainda achava que daria errado”

 

“Dia 12 de Julho de 1877

Estavamos em nosso 13° teste, onde dessa vez, era um garoto de 14 anos. De início, ele tentou resistir, mas quando o superior mostrou a ele como ele ficaria (no caso, as asas), ele decidiu ceder.

Eu já não aguentava mais tudo isso, eu queria que todos parassem de pegar crianças inocentes pra testes.

Assim como os outros 12, ele morreu, e então eu me decidi…

Eram 2 da manhã, todos já estavam dormindo, e então eu levantei, fui até a sala principal, e peguei dna dos 2 corpos.

O superior apareceu, e perguntou o que eu estava fazendo, e então, por instinto, eu injetei em mim mesmo.

Eu fiquei bem tonto e tudo se apagou.

Quando acordei, eu estava segurando… A cabeça do superior. Sim, eu matei um demônio, e matei também todos que estavam no projeto. Em seguida, eu ja sabia que iria morrer, pois meu corpo já era bem velho, então eu decidi escrever isso que você está lendo. Sei que daqui a pouco eu morrerei, mas antes, eu quero deixar um recado…

Meu nome é Erick C. Carson, e eu faço parte do Projeto Supremo, na qual nunca deveria ter existido. Eu queria avisar para você que estiver lendo, para qu—”

O diário acabou aqui.

 

Os cientistas simplesmente ignoraram uma boa parte do que estava escrito, e levaram os corpos.

Chegando no laboratório, eles decidiram recomeçar o projeto.

Os cientistas atuais possuiam ferramentas bastante eficazes na melhoração do DNA, para que as crianças sobrevivam.

Vítima N° 14, um garoto de 12 anos, que vivia na rua, foi levado ao laboratório para o mais recente soro, com o DNA de ambos os corpos misturado.

Ao injetar no garoto, ele criou 2 asas diferentes uma da outra, e morreu em seguida. Parece que ainda tem muito o que melhorarem…

 

Ano de 1950

Alguns soldados invadiram uma fazenda alí perto, pois descobriram que tinham testemunhas por alí.

Uma das testemunhas era um homem, chamado Edward Lucio. Junto com seu filho de 2 anos, Daniel Lucio.

Um dos cientistas conversou com Edward, revelou algumas coisas e pagou alguns milhões de dólares para que ele ficasse de boca fechada.

Edward aceitou a proposta, e então foram dispensados.

 

O ano é 2017

Houveram um total de 48 cobaias, nenhuma com sucesso.

Indo para a 49° tentativa, dessa vez eram um garoto e uma garota, Mike “Morizu” Lawliet, de 13 anos, e Chloe “Mine” King, de 14 anos.

E então, a história principal começa…

(Narrador off, Mike on)

Eu tava em um encontro com a garota que eu gosto, no shopping da cidade. Compramos algumas coisas, fomos no cinema, enfim, coisas que se faz em um encontro normal.

-Ei, Morizu... O que você acha de mim? Ela me perguntou meio envergonhada.

-Bom... Eu te acho a pessoa mais legal que eu já conheci, e gostaria passar o resto da minha vida com você!

Ela ficou corada, e pediu pra ir até o banheiro. Eu fui com ela, mas fiquei esperando na porta.

Então...

-KYAAAA!!! Ela gritou lá de dentro.

-O QUE ACONTECEU?? Fui correndo pra dentro, quando senti uma pancada muito forte na cabeça e desmaiei…

Quando acordei, eu estava deitado em uma cama, tipo de uma prisão, e a Mine com a cabeça deitada na minha barriga.

-Huh? O que aconteceu? Perguntei confuso.

-Eu… Não sei… Ela dizia triste, e me abraçando.

-Não tem alguma forma de escapar? Perguntei enquanto levantava.

-HAA!! Dei um soco na parede de vidro na minha frente, mas era blindado e nem arranhou.

-Agh! Senti uma dor, e percebi que tinha deslocado o dedo mindinho com esse soco.

-AÔÔÔ!!! Gritei pra ver se alguém ouvia, e apareceu um coroa vestido de branco.

-Seu soro já está quase chegando, se acalma! O coroa da roupa branca disse.

-Perae, como assim soro? Perguntei olhando pro bagulho que ele tava escrevendo.

-Ele disse alguma coisa sobre anjos e demônios, esse cara deve estar doido! Mine disse assustada.

-AÊ SEU DOENTE MENTAL DO CARALHO, POR QUE VOCÊ NÃO PROCURA A PORRA DE UM HOSPÍCIO, E DEIXA EU E A MINE EM PAZ!? Perguntei putasso.

-Aqui está, se vocês colaborarem, estarão livres em instantes. O coroa disse, quando outros 2 caras chegam com um soro.

-Nem fudendo que eu vou deixar vocês injetarem isso em mim! Eu disse me preparando pra sair no X1 com alguém.

E quando eu menos percebi, eu recebi um soco na cara e cai.

-No momento, não é pra você, mas sim pra sua namoradinha. Ele disse enquanto os outros 2 caras seguravam ela e a puxavam.

-Eu não… Desmaiei de novo.

(Mike off, Narrador on)

Os cientistas levaram Chloe para a sala principal, e a deixaram presa na parede, enquanto preparavam o soro pra aplicar nela.

Ela tentou resistir, até perceber que não tinha como, e apenas aceitou.

O velho começou a aplicar, e foi aí que começou a dar merda.

Ele aplicou uma parte do soro, e o DNA dela já começou a se transformar.

Eles pararam na metade do soro, pois perceberam que era um avanço.

E então, os sinais vitais dela pararam. Eles a deram como morta, e mandaram de volta para onde Mike estava.

Quando jogaram o corpo dela dentro da cela…

(Narrador off, Mike on)

Eu estava sentado esperando alguma coisa acontecer, até que…

-Mine? MINE??? Quando jogaram ela, eu corri até ela e a segurei.

-Sua namoradinha está morta, por favor, se prepare para testarmos o soro em você. O cientista disse.

Nessa hora, eu comecei a chorar, tipo, pra caralho mesmo, chorando e gritando sem parar, pois eu não conseguia aceitar, que de um encontro normal, foi para a morte da pessoa que eu amo.

-EU VOU FAZER VOCÊS PAGAREM, MESMO QUE CUSTE A MINHA VIDA, EU VOU FAZER VOCÊS SE ARREPENDEREM NOS QUINTOS DOS INFERNOS!!! Eu não conseguia parar de chorar.

Uns minutos depois, chorando e chorando, eles me levaram até a sala de testes.

Eu sinceramente já não ligava pro que aconteceria comigo.

Então, quando o coroa foi aplicar o soro em mim, ele ouviu um cara caindo, sem cabeça, e depois sua cabeça caindo logo em seguida.

-MAS O QUE?? Ele perguntou, quando viu mais 2 caras caindo, um ainda vivo, e o outro quebrando o pescoço e morrendo na hora.

-Eu pensava que era só uma historinha de terror que meu pai contava, mas puta que me pariu, é real! Um cara alto segurando uma faca apareceu.

Ele pulou lá de cima e caiu guardando a faca com estilo.

-Pode caipira no pedaço? Ele disse com um sorriso de herói, indo pra cima do coroa e dando um socão nele e derrubando.

Ele me desamarrou, e de uns tapinhas no meu ombro.

Então aparece um cara tão musculoso quanto o Jotaro, dando um soco nele.

-Aqui garoto! Ele joga um soro escrito “DNA de Demônio”.

Sem pensar 2 vezes, eu apliquei em mim, e tudo ficou escuro.

Quando eu acordo, eu vejo o cara musculoso encurralando o carinha maneiro, e do nada…

-Demonic Charge!! Eu sinto uma coisa estranha correr pelo meu corpo, e quando pisco o olho, eu tinha cortado o Jotaro do paraguai ao meio.

-I-Isso é… Escutei muitos passos correndo lá de fora.

-Fazem quase 20 anos desde a ultima vez que tocaram o alarme, caso vejam alguma coisa estranha, atirem até ele parar! Uma voz grossa dizia.

E de alguma forma, eu dei um pulo alto pra uma caralha, conseguindo enxergar o exercito inteiro. Eu pisquei o olho de novo, e eu tinha matado todos eles, exceto o general.

-Finalmente… A forma de vida… Suprema… O general cai e morre.

-Ei, cara! Eu grito pra ele, de uma forma totalmente despreocupada.

-Fala, sô! Ele grita lá de baixo.

-Por favor, traga o corpo da… Minha namorada! Eu gritei pra ele.

Ele acenou e foi correndo pra área das celas.

Alguns minutos depois ele voltou correndo bem rapido, talvez mais rapido que o Usain Bolt.

Ele saiu, e então eu saí logo atrás.

-Eu… Dei um pulo a uns 40 metros do chão, apontei a mão pro laboratório e destruí completamente, em um piscar de olhos.

Depois eu cai no chão, e continuei andando…

-Ae garoto, bora pra minha fazenda pra ajudar ela! O carinha legal disse.

-Mas ela está— Eu ia dizendo, quando fui interrompido.

-Ela está viva, marrapaize!! Ele disse e me deu para eu carregar, e com isso eu me animei e fui correndo junto com ele.

Depois de alguns minutos de corrida, chegamos na fazenda dele, onde tinham alguns postes de energia, então, provavelmente existia energia por alí.

-Sabe como é, né? Aderi a ideia do Stark, de morar em uma fazenda. O carinha dizia.

-Ae, qual é seu nome? Perguntei.

-Meu nome é Samael Lucio, e o seu? Ele me perguntou curioso.

-Meu nome é Mike, Mike Lawliet. Mas meus amigos me chamam de Morizu, por algum motivo. Falei olhando pra frente.

-E essa garota? Ele perguntou olhando pra ela.

-O nome dela é Chloe King, mas eu gosto de chama-la de Mine. Respondi enquanto olhava pra ela.

-Namorada? Ele perguntou fazendo a lenny face.

-N— A resposta ficou entalada na minha garganta.

-Ahem, ela é só a minha melhor amiga. Eu disse olhando pro lado.

-Mais cedo você falou que era sua namorada. Ele dizia com um tom diferente do normal.

-Cale a boca! Eu disse e comecei a acelerar.

-Hehe, competição? Ele disse e começou a acelerar fazendo som de moto com a boca.

Eu e ele estavamos tão rápidos, que se a gente fizesse um Double Boost, não seria surpresa.

...

Chegando na fazenda, Samael me levou até um quarto de hóspedes, para eu ficar com a Mine até ela acordar.

Quando eu coloquei ela na cama, Samael apareceu e me chamou até lá em baixo.

Fomos até o celeiro, onde tinha um idoso acariciando uma ovelha.

-Ae, pai! Samael chamou ele.

-Ah, olá meu filho! Ele disse, e então me viu.

-Quem é essa criança? Ele perguntou.

-Criança? Eu tenho 13 anos! Respondi o idoso.

-Com esse tamaninho? Se é assim, eu tenho 30 anos ahahaha! Ele respondeu.

Samael olhou pra mim, e percebeu.

-Marrapaize, pior que tu ta menor do que no laboratório! Ele disse, me olhando estranho.

-MASUQ— Eu ia dizendo, quando corri até um quarto com espelho para ver.

No quarto onde a Mine estava, eu olhei no espelho, e percebi que as roupas estavam bem largas.

-Mas... Como? Perguntei pra mim mesmo.

-Então aquela historinha sobre o laboratório era real? Chegou o Samael com o idoso na porta do quarto.

-Meu pai, e o pai do meu pai, veem contando isso como se fosse uma historia, mas acabou que era tudo real. Samael disse.

-Eu sei algumas coisas daquele laboratório, que o meu pai me contou, mas eu esqueci uma boa parte.. O idoso dizia.

-Só o que eu sei, é que eles encontraram corpos de “anjo” e “demônio”, e estavam tentando colocar o DNA deles em humanos, para formar uma espécie poderosa. O idoso disse olhando para o chão.          

-Então, o senhor sabe que ninguém sobreviveu pra contar como foi, certo? Samael perguntou pro idoso.

-É claro, mas por que? O idoso perguntou.

-Pois então, aqui nessa mochila que eu levei estão alguns dos soros que eu trouxe, e na sua frente, o único que sobreviveu ao projeto. Samael disse pro idoso.

-Corrigindo, eu sobrevivi ao soro do Demônio, não tem nem 1% de anjo no meu corpo. Eu disse, quando o idoso pensou...

 -Sangue de Jesus tem poder! O idoso... QUE TROCADILHO RUIM, PQ ISSO TA NO ROTEIRO????

-Entendi. Disse peguando o soro de anjo, e aplicando no braço direito (o de demônio foi no esquerdo)

-GAAAAAHHHHH!!! Eu senti uma dor horrivel, e então desmaiei.

...

Eu estou vendo alguma coisa...

É uma guerra, ou sei lá...

Centenas de caras com asas brancas, contra centenas de caras com asas negras...

O que é isso?

Quando eu me levanto, eu vejo alguma coisa brilhante vindo em minha direção... E na hora que eu percebo...

-AAAAAAAAHHHHHHH!!! Eu acordo caindo no chão.

-Que merda... Foi essa? To me sentindo como se eu tivesse usado LSD... Eu disse meio confuso.

-Ahn~ Ouvi uma voz feminina.

-Nani— Quando eu olho pra trás, eu não podia acreditar.

-MINEE!!! Corri até ela, abracei e comecei a chorar.

-Eu... Não fui capaz de te proteger... Ela apenas afundou a minha cara nos peitos dela.

-Tudo bem, agora estamos aqui, certo? Ela perguntou, me deixando mais feliz.

-Por que vc ta com o físico de uma criança? Ela perguntou confusa.

-Isso é uma longa história... Eu ia dizendo.

-Pode contar no caminho, vamos te levar pra casa. O idoso disse, com o Samael do lado.

-Acho que... Seria melhor ficarmos aqui. Eu disse olhando pra janela.

-Seria estranho eu ficar pequeno do nada, certo? E se só a Mine voltasse, minha família iria atrás dela pra descobrir por que eu não voltei, e isso não seria nada bom... Continuei.

-Se dissermos que fomos alvos de um projeto cientifico, obviamente o governo iria atrás de nós. E se isso acontecesse, eu acabaria matando eles e me tornando um procurado pelo governo. Terminando a explicação.

-É... Faz sentido...  O idoso concordou.

Mine e Samael permaneceram calados.

-Tem espaço pra mais dois, seu zé? Perguntei com um sorriso despreocupado.

A Mine apenas veio até mim e me abraçou, enquanto o Samael apenas observava com um sorriso.

-Vai ser foda, hehe! Samael disse.

-A propósito... Quantos dias eu fiquei dormindo? Perguntei ao idoso.

-Sete dias, uma semana. Ele disse.

-Nem fudendo! Eu disse.

-Bem, durante esses sete dias, eu tive um sonho um tanto estranho. Parecia bem real, então eu não consigo esquecer... Fui dizendo.

-Basicamente, tinha um exercito de caras com asas brancas, lutando contra um exercito de caras com asas negras, e ai bum! Eu recebi um ataque e acordei. Quando eu fui dizendo, todos começaram a me olhar estranho.

-Ué, o que foi? Perguntei, quando Samael apontou pra atrás de mim.

-Mas o q— Quando eu virei, eu não acreditei.

Tinha uma asa branca do meu lado direito, e uma asa negra do meu lado esquerdo.

Sim, eu me tornei um meio anjo e meio demônio.

-Nem... Fudendo... EU SOU METADE ANJO E METADE DEMÔNIO, DEVIL MAY CRY!!

-Eu sonhei a mesma coisa! Mine disse olhando pra mim.

-No sonho, você era o mais forte de todos, e junto com um parceiro demônio, eliminavam qualquer um que entravsse em seu caminho, mas... Ela continuou.

-Em um momento, apareceram Deus e Lúcifer, e os dois começaram a batalhar entre sí... E então, você e o seu parceiro decidiram lutar com eles, e acabou com a morte dos quatro... Ela terminou de dizer.

-Isso é péssimo... Se for realmente uma visão e não um sonho, vocês vão precisar do maximo de ajuda possível! Samael disse pegando um soro de demônio.

-SOLTE ISSO, SAMAEL!! O idoso gritou.

-ESPERA, VOCÊ PODE MORRER!!! Eu disse mas não adiantou...

Samael aplicou o soro de demônio no seu braço, e então...

 

Regressão Dos Demônios

(Capítulo 1)


Notas Finais


O que será que acontecerá com Samael?
Descubra no próximo capítulo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...