História Relearning - Capítulo 20


Escrita por: e Cinthias19

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Benício, Delfina, Emília, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo Balsano, Miguel, Monica, Nico, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Sharon, Silvana, Simón
Tags Romance, Simbar, Sou Luna
Visualizações 405
Palavras 2.288
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 20 - "NY Oportunidade Única"


Fanfic / Fanfiction Relearning - Capítulo 20 - "NY Oportunidade Única"

Encosto no sofá e fecho os olhos, as crianças vendo algo em seus respectivos tablets, hoje foi um dia super cansativo e tudo o que penso é em dormir.

 

- Mamãe. – Harry me chama e eu abro os olhos.

- Oi querido. – Falo me sentando.

- Voce está cansada? – Ele pergunta.

- Sim, por que? – Coisa boa não vem aí.

- Eu posso fazer uma massagem em você e você me paga. – Sabia.

- E quanto essa massagem me custaria? – Pergunto levantando a sobrancelha.

- Mil e duzentos pesos. – Engasgo.

- Como é que é, Harry? – Pergunto em choque. Meu filho quer me extorquir.

- Eu quero um jogo novo, mamãe. Vovó falou que eu preciso fazer algo para consegui-lo, mas eu não sei fazer nada. – Ele parece devastado e meu coração de manteiga se rende a sua carinha.

- A mamãe pode lhe dar o jogo Harry, mas por mil e duzentos você terá que me fazer massagem para o resto da vida. – Falo negociando. Esse acordo tem que ser bom para ambas as partes.

- Fechado. – Ele fala alegre. – Deita aí. – Me deito no sofá e ele sobe em minhas costas.

Pelos próximos quinze minutos recebo a pior massagem de toda a minha vida e não consigo pensar em uma forma de fazê-lo parar. Quando Simon desce as escadas e vem em nossa direção eu suspiro de alívio.

- O que está fazendo, campeão? – Ele pergunta a Harry. Eu estou enviando olhares de súplica em sua direção.

- Massagem na mamãe. Ela vai me comprar um jogo e eu vou fazer massagem nela para sempre. – Ele fala e eu gemo em desespero. Nem pensar que eu deixarei ele me fazer outra massagem algum dia. Sou capaz de dar mais três jogos para que ele esqueça esse combinado absurdo.

- Venha. Saia daí. – Ele tira Harry das minhas costas. – Papai vai fazer isso no seu lugar. Você pode ir brincar.

- Sério, pai? – Simon assente e eu suspiro aliviada. – Pronto você pode relaxar. Está tensa feito uma tábua. – Simon sussurra perto da minha orelha.

- Acho que vou ficar torta por um dia ou dois. Como um menino tão inteligente pode ser tão atrapalhado? – Pergunto rindo enquanto Simon passa a mão pelas minhas costas em um carinho gostoso.

- Você está muito exigente. – Ele começa a massagear meus ombros.

- Eu gastei mil e duzentos pesos com isso. Eu posso ser exigente. – Sua mão aperta os lugares certos e me sinto relaxar cada vez mais. – Você devia ensinar a ele.

- Ensinar meus truques de massagem ao meu filho de quatro anos? Nem pensar. Ele vai ser explorado pelas mulheres da família. – Ele fala indignado e eu rio. Isso com certeza aconteceria. Coitado do meu filhinho.

 

Flash

 

- Por que não podemos levá-lo? – Falo aos prantos vendo a avó de Simon embalando Josh nos braços.

- Porque uma despedida de solteira não é lugar para um bebê. – Mônica fala me puxando em direção a porta.

- Mas e se ele sentir fome? Se começar a chorar sentindo a minha falta? Eu deveria ficar com ele. – Falo tentando impedir que ela me reboque.

- Se ele sentir fome você deixou leite suficiente para alimentá-lo e se ele chorar minha mãe é muito experiente com crianças e vai saber acalma-lo. Vamos logo, Âmbar, sua mãe está esperando no carro. – Mônica ignora meus protestos.

- Eu não quero uma despedida de solteira, quero ficar em casa com meu filho e Simon. – Falo emburrada enquanto ela me empurra para dentro do carro.

- Querida, Simon já foi para a despedida dele e sinto te dizer, mas está se divertindo muito enquanto você está aí fazendo birra. – Minha mãe fala e o ciúmes me invade. Vou matá-lo.

- Eu vou matar aquele sem vergonha. – Grito raivosa. – Mãe, vamos aonde ele está. Estou perto de me transformar em viúva antes mesmo de me casar.

- Não é para tanto, Âmbar. Se acalme. Seu pai está com ele, ele vai ficar bem comportado. – Minha mãe fala. – Vende ela, Mônica. Estamos chegando.

Me rendo e deixo Mônica me vendar, desço do carro e enquanto minha mãe estaciona a esperamos na calçada. Adentramos um lugar com as duas me rebocando e ouço uma música alta.

Quando elas arrancam a venda e eu abro os olhos, estou chocada. Estamos em uma casa de stripper, varias da minhas colegas estão aqui, a minha melhor amiga e algumas amigas assanhadas da minha mãe, até Sharon está aqui.

- Surpresa. – Delfi vem até mim colocando em minha cabeça um arco com um pequeno véu.

- Vocês são malucas. – Eu reviro os olhos achando graça em tudo aquilo.

- Você tem que deixar de ser careta. Toma. – Ela fala me dando um copo com um líquido amarelo.

- Não posso. Estou amamentando. – Falo o óbvio.

- Pode sim. Nós guardamos quatro dias de leite para que pudéssemos embebedar você hoje tranquilamente. Beba. – Minha mãe fala. Ela tem um colar de plumas vermelhas em volta do pescoço.

Não sei quanto tempo depois, eu me encontro sentada em uma cadeira toda suja de batom por não ter acertado que a minha sogra me deu um vibrador. Quem seria a pessoa que diria que a sogra lhe deu um vibrador? Aparentemente eu deveria ser essa pessoa. As minhas acompanhantes estão muito entretidas com os três strippers, minha mãe e Mônica dançam com o bombeiro e eu dou risada. O álcool ainda me afetando.

- Que bonito. Eu fui obrigado a ter uma despedida de solteiro comportada em uma churrascaria enquanto minha noiva e minha mãe estão em clube de strip. – Alguém fala em meu ouvido e me viro dando de cara com o meu noivo.

- Meu amor, que saudades. – Me atiro em cima dele.

- Só um pouco bêbada também. – Ele ri. – Onde está Josh?

- Com sua avó. Aquelas malvadas não me deixaram trazê-lo. – Faço bico apontando para nossas mães que estão em cima do palco. – Como veio parar aqui?

- Fugi e sabia para onde estás loucas te trariam. Devem estar todos me procurando agora. – Ele sorri. – Por que está toda suja assim?

- Errei o presente da sua mãe e tive que pintar com o batom todos os locais que gosto que você me beije. – Eu estou absolutamente toda riscada. – Delfi escreveu SA na parte da frente do meu short. – Mostro a ele e ele ri me abraçando novamente.

- E qual foi o presente? – Ele está curioso.

- Um vibrador. – Falo e sua boca cai aberta em choque. É minha vez de rir dele.

- Simon, o que você está fazendo aqui? – Minha mãe não parece feliz.

- Vim sequestrar a noiva. – Ele fala dando de ombros.

- Você não pode. Traz má sorte. – Mônica fala cruzando os braços. Todas as mulheres olhando em nossa direção.

- Nós não precisamos de sorte. Vamos ficar casados para sempre, temos amor suficiente para isso. – Simon fala conquistando todas as mulheres alcoolizadas que estão no clube.

- Como você entrou? – Mônica parecia ser a única que não foi conquistada.

- Subornei o segurança. – Ele fala dando de ombros.

- Âmbar, se despeça do seu noivo. Diga a ele que você vai vê-lo amanhã. Na igreja. – Mônica cruza os braços comandando.

- Tchau, meu noivo. Vejo você amanhã na igreja. – Cumpro sua ordem e Simon dar risada. – Ele já é meu marido sabem?! Nos casamos em um cartório a quase um ano atrás. – Mônica revira os olhos com isso. Ela diz que só estaríamos casados mesmo no dia que nos casássemos na igreja.

- Tchau, meu amor. – Simon me abraça. – Vou senti sua falta hoje à noite. Essa será a última noite que dormimos longe um do outro pelo resto da nossas vidas. Eu prometo. – Ele sussurra só para eu ouvir e me beija arrancando gritos e aplausos da nossa plateia.

 

Flash off

 

Quando eu acordo de manhã, estou na minha cama com Simon me abraçando. Nem sei como cheguei aqui, minha última lembrança é que eu estava deitada no sofá. Saio da cama e vou me arrumar para mais uma manhã. Quando saio do quarto pronta, Simon já está tomando banho. Acordo as crianças e desço para tomar o café.

- Bom dia. – Ele fala me dando um beijo e eu retribuo.

- Bom dia. – Respondo.

- Meu pai ligou. Vai precisar de uma carona hoje, alguém bateu no seu carro que estava parado na rua ontem à noite não entendi muito bem. – Começamos a conversar sobre assuntos aleatórios.

- Dormi ontem que nem vi. Queria falar com você. Ganhei uma bolsa para uma especialização. – Falo animada.

- Isso é ótimo. Fico feliz por você. – Ele parece realmente feliz.

- Seis meses. Em Nova York com tudo pago... – Continuo.

- Espera. O que? – Ele me corta.

- Vou morar em um alojamento com outras duas mulheres... – Continuo não entendendo sua surpresa.

- E você vai? Não pensou em conversar comigo antes? Pensou nas crianças? – Ele parecia irritado agora.

- Simon, essa é uma oportunidade única. Não pode ser desperdiçada. – Falo o chamando a razão.

- Âmbar, você não pode tomar uma decisão dessas sozinha. Existem três crianças dependentes de você aqui que não podem se mudar para Nova York por seis meses com você. – Ele se levantou e passava as mãos pelos cabelos. Estava possesso e isso me irritou também.

- Lógico que posso, estou pensando em nosso futuro. Essa especialização pode abrir portas para a agência na América do Norte, Ásia e Europa. – Falo irritada também.

- Isso não é sobre dinheiro Âmbar. É sobre o fato de você ter uma família que você quer abandonar por seis meses. – Ele fala.

- Você está sendo dramático. – Falo desdenhando.

- Dramático. Eu?! Você passou sete meses em coma, Âmbar, até hoje as crianças ainda não superaram totalmente esse seu tempo de ausência e você agora quer ir passar seis meses em Nova York e o dramático sou eu?! Você não tem coração. Eu vou trabalhar. – Ele me acusa e sai. Quando as crianças desceram para o café eu ainda estava paralisada na cozinha.

 

Flash

 

- Simon ganhou uma bolsa para um intercâmbio de dois anos na Universidade da Califórnia e disse que não vai. – Luna solta enquanto estamos na mesa jantando e eu paro de repente me sentindo um pouco mal.

- Meus pais já sabem, Luna. E eu já te avisei que não vou você tem que parar de insistir. – Ele é ríspido e vejo que ele está com um pouco de raiva.

- Mas eu não entendo porquê não vai. Pode ser a chance da sua vida. – Luna insiste e eu fico pálida. Eu sei o motivo dele não ir.

- Essa com certeza não é a chance da minha vida e eu não sou sozinho agora. Eu tenho uma família, não posso pensar só em mim. – Ele responde.

- Mas é uma grande chance e você vai ser um idiota se a perder. Sua família não vai a lugar nenhum. Se a Âmbar te ama ela vai estar aqui te esperando. – Luna levanta batendo na mesa.

- A questão não é a Âmbar está me esperando ou não, porque eu sei que ela vai estar. Eu não quero me afastar da minha família agora, Luna. Eu me casei a pouco tempo, meu filho acabou de fazer seis meses, eu não vou perder o dia que ele disser a primeira palavra, seu primeiro passinho, seu primeiro aniversário e outras coisas mais por uma oportunidade onde quer que seja porque eu quero estar aqui com ele quando essas coisas acontecerem. – Simon também se levanta e encara a irmã.

- Mas... – Luna tenta continuar falando mais é cortada pelo pai.

- Chega, Luna. Seu irmão está certo, ele não vai porque ele não quer ir. Outras oportunidades virão. Estou orgulhoso de você, meu filho. Em nenhum momento achei que você teria um comportamento diferente. – Miguel fala ainda sentado. – Agora sentem-se e comam.

- Você pode ir, você sabe, não é? Eu vou estar aqui quando voltar. Luna está certa, é uma oportunidade incrível. – Eu Sussurro quando ele se senta ao meu lado. Ainda me sinto mal por ele não ir.

- Não escute a Luna. Ela não sabe o que diz. Eu não quero ir, outras oportunidades virão. – Ele fala fazendo um carinho em minha mão embaixo da mesa.

- Você tem certeza? – Pergunto incerta.

- Âmbar, você desistiu de Paris por nós dois. Em algum momento você não teve certeza disso? – Ele pergunta me olhando fixamente.

- Nem um segundo sequer. Meu lugar é aqui. – Falo com convicção.

- O meu também.

 

Flash off

 

Deixei as crianças na escola e fui trabalhar no automático. As palavras de Simon e minha lembrança voando pela minha cabeça. Eu não pensei neles, enquanto ele sempre pensou em nós. Eu só fiquei muito animada com a proposta e realmente pensei em aceitar, mas eu colocaria a mente no lugar e não iria. Simon só não me deu tempo para raciocinar.

À noite, em casa ele me evitou de todas as formas possíveis. Nunca ficando sozinho comigo em um cômodo. Sophi estava excitada com sua competição no dia seguinte e não parava quieta um minuto se quer.

- Vocês vão arrasar com as outras duplas. Eles não são páreos para vocês. – Josh está tão animado quanto a irmã.

- Eu sei. Mal posso esperar para chegar logo amanhã. – Sophi está dando pulinhos pela sala como se fosse um coelho.

- Sabe como o amanhã chega mais cedo? – Pergunto aos dois e eles negam com a cabeça. – Dormindo. Os dois, para a cama. Já.

Quando finalmente consegui acalmar Sophi e colocar todos eles para dormir já era tarde e Simon estava dormindo no quarto de hóspedes novamente.

 

 


Notas Finais


Boa noite 💋💋bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...