História Remember - Interativa - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ash Stymest, Daniel Sharman, Interativa, Mistério, Suspense, Vagas Abertas
Visualizações 62
Palavras 3.348
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


• Primeiro eu gostaria de agradecer a todos que enviaram as fichas, como dito, eu utilizei todas as fichas que me foram enviadas, porém nesse capítulo em especial, utilizei apenas dos Escolhidos. Quanto a isso, houve um pequeno contratempo, foram enviadas muitas fichas boas, logo tive que aumentar o número de Escolhidos de 10 para 14, nesse capítulo em especial, eles são em 15. Vou editar todos os capítulos anteriores e mudar o número deles para 14, fiquem tranquilos.

• Outro ponto que gostaria de esclarecer é que, eu demorei muito com o capítulo e ainda sim não terminei ele, porém decidi dividir ele em dois para não ficar gigante, já que no total estava com 4.500 palavras e ainda faltava muita coisa, logo, a continuação desse será postada Quarta-feira.

• Os acontecimentos deste capítulo são os acontecimentos antecessores aos do primeiro, Remember não tem uma ordem cronológica precisa.

• Desculpem a demora e os aceitos estão nas notas finais.

Capítulo 5 - 01; Renascer significa esperar - 01


Fanfic / Fanfiction Remember - Interativa - Capítulo 5 - 01; Renascer significa esperar - 01

Inglaterra ─ 06 de Junho de 1245 

─ Cara, você não tá entendendo essa merda ─ Trevor se irritou com Odisseia que apenas revirou os olhos, a lua cheia deixava a pele amendoada da menina com um tom pálido, assim como o do próprio Trevor que, mesmo com a ajuda de Allah num consenso linguístico entre os Escolhidos que haviam vindo dos lugares mais distintos da terra, mantinha o sotaque carregado. ─ Vou te explicar mais uma vez, presta atenção, Odin. ─ O moreno fez uma sequência de cinco números a partir do zero e finalizando no quatro em seus dedos. Odisseia mal piscava enquanto o menino fazia os números, era uma garota inteligente e se negava a não entender aquele jogo idiota. ─ Que número é esse? ─ A mão fechada indicava um zero e assim a menina respondeu. ─ Certo, e esse? ─ O moreno fez um dois com os dedos e assim a menina respondeu. ─ Errou de novo, porra Odisseia, Até o Aaron entendeu o jogo.

─ Enfia esse jogo no cu então, Floyd. ─ A morena se irritou, ela e Trevor já estavam naquele jogo há tempos e ela não conseguia entender a lógica daquilo ─ Você não explica essa bosta direito, que saco.

Sem paciência alguma, a menina desceu do tronco de árvore que estava sentada com Trevor e se sentou ao lado do outro moreno que despetalava uma flor brincando com o famoso "bem me quer, mal me quer" e assim, Odisseia passou a fazer também enquanto Trevor desenhava com um graveto no chão de terra, aqueles eram os responsáveis pela ala oeste, brincando como crianças que realmente eram. 

Não importava a responsabilidade que tinham, eram adolescentes, a grande maioria não havia atingido nem os 20 anos e já carregava um fardo enorme em suas costas, guerreiros longes de suas vilas e tribos, não tinham idéia de como estavam suas famílias e principalmente, quando iriam vê-los novamente. Eles tinham a noção de que o que estavam fazendo era para um bem maior, suas vidas eram um mero detalhe quando se olhava para o todo, mas isso não fazia com que a insegurança fosse deixada de lado e por isso se distraiam com brincadeiras. A preocupação de serem pegos pelo líder era mínima, Jonathan estava junto de Faye e Alanna na ala leste, já haviam ficado de vigia com o líder para saber que ele era o primeiro a se entediar e começar a jogar com os parceiros. Na ala norte, o responsável era Adam, Harlen e Amélia. Graças ao bom Deus, haviam armado acampamento nas costas de um rochedo e assim a ala sul poderia ficar sem vigia. Ao centro a fogueira aquecia os outros 6 escolhidos que haviam assumido o primeiro turno da vigia e agora descansavam. Zara havia apagado há tempos, assim como Abel, Mikhail, Eurus e Aaron. Era unânime entretanto que a prioridade de todos estarem atentos a vigia era a jovem Gretta e o pequeno Harry ou a doce Olivia. Não foi de agrado geral a gravidez da escolhida com Adam, sabiam que aquilo era um risco, mas aos 7 meses de gestação, aquilo já havia se tornado comum na vida de todos e a briga para apadrinhar a criança era grande. Não era incomum eles se relacionarem, Odisseia mesmo mantinha um relacionamento com uma de suas companheiras, sem o menor medo de ser julgada pelos outros. Cody tinha uma paixão (platônica aos seus olhos, mas correspondida na visão de todos) por um de seus melhores amigos e o jovem Trevor se relacionava com Eurus. 

Não era segredo para nenhum deles que o quadrado amoroso envolvendo Jonathan, Faye, Trevor e Eurus estava pra explodir a qualquer segundo, Jonathan amava Faye, mas não olhava para ela como Trevor olhava, não dizia coisas para ela como o moreno dizia. Assim como seu melhor amigo não era capaz de fazer o mesmo por Eurus da forma que Jonathan fazia.

Faye e Eurus amavam seus namorados, mas assim como Eurus se apaixonou por Jonathan, Faye se apaixonou por Trevor e, por mais que o amor seja mais forte que a paixão, é preciso se apaixonar primeiro para depois amar alguém com todas as suas forças. Odisseia entendia bem o sentimento controverso das meninas, a sua maneira, passou por aquilo. Ela era simplesmente uma garota que gostava, bem, de outras garotas, de uma em especial mais do que de qualquer outra. Odisseia sabia bem que aquilo era errado para a época em que viviam, amar alguém diferente era ser errado, era pecado. Mas isso mudou quando foi escolhida por Allah, tudo mudou na realidade e, assim como Cody que também não tinha as mesmas preferências que os outros, os dois foram aceitos de braços aberto perante os outros escolhidos.

─ É uma sequência básica, Odin ─ Cody que estava de vigia com os outros dois se pronunciou cortando a linha de pensamento aleatório de Odisseia. ─ Não responda o número que é, a partir do segundo responda o número anterior. Não era dois, era zero.

─ Eu odeio esse jogo dos… ─ Odisseia cortou sua frase no meio e os meninos a encararam com as mãos indo em direção às armas. Sabiam bem o que ela ia dizer, inferno, Allah os proibiu de proferir a palavra em vão. Quando se recita o mal, o mal te acha. ─ Eu vou dar uma volta ─ Disse por fim enquanto recolhia o arco feito por Zara, as flechas feitas por Aaron e abençoadas pelos Engeles em seu aniversário ─ Só vou checar o perímetro e já volto.

God lei, beskerm en beskerm jou. ─ Disse Trevor enquanto Odisseia se retirava, com a mão fechada e o polegar levantado, Odin levou a mão testa e assim, deu duas batidas no centro, uma embaixo seguida de uma na direita e outra na esquerda formando uma cruz, o símbolo de proteção dos jovens guerreiros. ─ Se cuida, Odin.

A menina apenas respondeu os dizeres em africâner para os companheiros e lhes deu as costas em direção à floresta. A menina sabia que não iria se perder na mata, mas tinha certeza de que iria se perder em seus pensamentos e era isso que queria. Odisseia se lembrava com clareza do primeiro sonho que teve com Allah, a mulher negra era clara em suas palavras e em seus desejos, mesmo que a morena achasse que fosse apenas um sonho no começo, se jogou de cabeça na aventura que foi seguir a estrela no céu até seu destino. Se lembrava de ter saído de casa no dia 25 de Dezembro para a missão que mudaria sua vida, na época, ela não tinha idéia de que no mesmo dia e na mesma hora, outros treze jovens partiam de suas casas com o mesmo destino, Belém. Não se recordava com exatidão em que dia havia chegado no local indicado no sonho pela mulher de olhar severo, mas não foi a única a chegar lá, e como o ordenado, ela e os outros esperaram e no terceiro dia, Allah apareceu com ordens claras e explícitas. Nenhum deles resolveu contestar ou ir contra, eram garotos sábios e isso não seria nada inteligente.

Perdia em seus pensamentos, o foco de Odisseia foi mudado quando o barulho incomum das folhagens se fez presente. Mal teve tempo se sacar uma flecha e a preparar, uma faca já estava contra sua garganta. Sentia a respiração contra seu pescoço e o aperto forte em seu braço, mesmo que a pessoa estivesse em suas costas, ela sabia bem quem era.

─ Espero que nos pensamentos em que tanto te distrai ─ Amélia tirou a faca da garganta da morena e a puxou pela cintura fazendo as costas de Odisseia bater em seu peito. ─ Eu seja a protagonista.

─ Deixem de carícias ─ Alanna apareceu com a espada em punho junto de Zara. ─ Precisamos dar seguimento em nossa busca.

Odisseia encarou as meninas, deviam estar em seus postos e Zara descansando.

─ Abel sumiu ─ disse Zara esclarecendo a dúvida não dita de Odisseia  ─ Gretta também. ─ Alanna e Amélia encararam a morena que apenas suspirou. ─ Você estava com o Adam, Amélia, não poderia dizer nada naquele momento. Precisamos encontrar eles antes que… ─ Não foi possível completar a frase, ao longe foi possível ouvir o assobio ritmado que tinham como sinal, dois curtos e um longo. ─ O bebê!

─ O acampamento era bem localizado, todos estávamos de vigia, não tinha como sermos achados ─ Alanna disse enquanto corriam e desviavam dos galhos em direção ao acampamento. ─ Temos um delator.

Zara abaixou os ombros perante a constatação e respirou fundo, sabia quem seria a principal suspeita naquilo tudo. Zara era filha biológica de Lilith, diferente dos Cinians que carregavam consigo o nome com orgulho mesmo sem a genética, Zara levava consigo o sangue da mulher e com ele, a maldição de acharem que o sangue de sua mãe chamava o seu. Zara sabia que Jonathan confiava nela, o líder confiava cegamente em Allah e Allah confiava nela, logo ela tinha a confiança de Jonathan. Ambos sabiam bem da verdade, Zara odiava Lilith, no final, caráter fala mais alto que o sangue, o problema é que nem todos os escolhidos pensavam da mesma forma e crucificar Zara por qualquer deslize relacionado a Lilith era sempre uma opção a ser considerada.

─ Parece que não somos as únicas a terem essa constatação ─ Disse Amélia. No centro da clareira se via Abel com uma faca ensanguentada nas mãos e um sorriso sádico no rosto. Aos seus pés, Gretta chorava de cabeça baixa com a mão na barriga que sangrava. ─ O bebê…

Logo atrás de Abel e Gretta podia se ver alguns Cinians dando risada com as armas em punho. Sabiam o nome de alguns que se destacavam na matança, Zane, Louise, Valentim, Aquiles e, o mais novo membro, Abel.

Do lado oposto, Adam era segurado por Aaron e Harlen para não ir de encontro à Gretta e ser morto pelos Cinians; Mikhail e Eurus estavam lado a lado com as espadas em punho, Trevor tinha a lança em mãos junto de seu escudo, Faye estava junto de Cody e Odisseia com as flechas de prontidão. Amélia, Alanna e Zara estavam em posição também, aguardando apenas um sinal, o sinal de Jonathan que mantinha a espada na bainha e encrava Abel.

─ Então, meu caro amigo ─ Jonathan caminhou até Abel e viu os Cinians apontarem as armas para ele, que apenas ignorou. ─ Vejo que houve uma troca de lado.

Abel riu e deu de ombros.

─ Gosto de estar do lado vencedor…

─ E onde Gretta e o bebê entra nisso?

Abel empurrou Gretta com o pé e se aproximou de Jonathan, ao longe o líder dos escolhidos ouviu Adam ameaçar Abel fazendo com que os outros dois o segurassem mais forte.

─ Fale no seu idioma, Jonathan. Vamos deixar esse assunto entre nós dois, os outros não precisam saber disso. ─ Jonathan suspirou e apenas respondeu um “como quiser” em sua linguagem natal. Haviam aprendido um idioma neutro para se comunicarem uns com os outros, uma linguagem única e ao mesmo tempo misturada com todas as outras, alguns falavam no mesmo idioma, mas a maioria não entendia o que o outro estava falando se não fosse na língua dado a eles por Allah. ─ Tire essa mulher da minha frente, Jonathan, matar a criança foi apenas por diversão, eu não era o padrinho. Agora, se renda ou…

Jonathan pegou Gretta no colo e riu debochado

─ Me render? Perante você e seu exército? Oh, por favor, você é patético, meu caro Abel. ─ Jonathan deu as costas a Abel e começou a caminhar com Gretta em seus braços, Abel era um desertor, logo, os dons dados por Allah não lhe cabiam mais e isso incluía a linguagem dos escolhidos.  ─ Ataquem!

A cara de confusão de Abel pelo que foi dito não durou mais que meio segundo. Assim que as palavras de Jonathan chegaram aos ouvidos de seus companheiros, as flechas de Odisseia, Cody e Faye passaram zunindo pelo menino que andava calmamente com a namorada de seu irmão nos braços e atingiram alguns dos Cinians. Adam foi solto pelos companheiros que já corriam para o ataque, assim como o próprio garoto que tinha sangue nos olhos.

Queria a cabeça de Abel.

O som das espadas podia ser ouvido por Jonathan e Gretta que entravam cada vez mais dentro da floresta, Gretta se mantinha quieta e Jonathan apenas ouvia o soluço dela, não sabia o que falar e nem se devia falar. A mulher havia acabado de perder seu bebê, mesmo não sendo com ele, ele sentia parte da dor de Gretta, tinha uma ligação com a mulher, Adam era seu irmão dado pelo destino, mesmo não sendo filhos dos mesmos pais, o moreno se tornou como parte dele, era mais importante que seu braço esquerdo e ver a dor de Adam quando encontrou Gretta com Abel e viu o homem matar seu filho, doeu em Jonathan como se tivesse sido com ele.

─ Você vai ficar bem? ─ Perguntou Jonathan quando colocou a menina aos pés de uma árvore ─ Desculpe, eu não devia ter perguntado…

Gretta forçou um sorriso para o homem, ela não ficaria bem tão cedo. Se sentia a grande culpada por tudo aquilo, Abel havia chamado ela para checar um barulho do qual nem sequer ela tinha ouvido, e assim, caiu em uma emboscada dos Cinians. O aperto que sentiu no peito ao ser capturada não poderia ser comparada a dor da lâmina de Abel entrando em seu ventre, não estava doendo por ter sido ferida. Doía por saber que a criança que carregava e tanto amava, jamais viveria. Harry ou Olivia jamais teria um futuro, ela e Adam jamais poderiam amar com toda suas forças a criança que já amavam e perderam drasticamente.

─ Acaba com eles, grandão. ─ Disse por fim, os outros precisavam mais dele do que ela, na verdade, Jonathan não era o Evans que desejava naquele momento. ─ Eu vou ficar bem, não deixe nada acontecer ao Adam.

─ Eu prometo…

Jonathan se abaixou e depositou um beijo na testa da mulher junto com uma adaga em suas mãos. Sem olhar para trás, voltou correndo pelo caminho que viera, o sangue zunia em seus ouvidos e adrenalina o dominava. Os arqueiros haviam feito uma barreira entre a clareira e a floresta para não irem atrás de Jonathan, Odisseia se encontrava em cima de um tronco em pé, Cody atirava flechas com fogo nas pontas, poucos Cinians que tentavam chegar perto deles sobreviviam, um havia conseguido chegar perto de Faye que estava de costas, e atirava em outro fugitivo. Com o passo apertado, Jonathan sacou sua espada e enfiou através do corpo do homem.

─ Preste atenção. ─ Disse enquanto procurava por Adam no meio do caos. ─ Dêem cobertura aos outros. Vamos fazer uma barreira entre eles e a Gretta, nós conseguimos nos proteger, ela não. ─ Os três assentiram ─ Gretta é nossa prioridade, não deixem que eles vão atrás dela.

Enquanto buscava por Adam, Jonathan viu Eurus que serviu de suporte à Amélia que corria até a ruiva e utilizou o escudo que a mesma tinha nas costas como impulso. Do alto, a morena atirou facas nos Cinians enquanto a companheira corria em direção à um desgarrado; Trevor se encontrava mais distante já sem seu escudo, havia um corte feio na perna do rapaz, mas a lança ensanguentada era a prova de que quem quer que tivesse feito, estava muito pior. Era possível sentir de longe a raiva do rapaz, Gretta era sua irmã e o que fizeram com ela teria retaliação; Mikhail travava uma batalha com Valentin, a rixa entre os dois já vinha de longa data. Valentin era o responsável pela morte da irmã de Mikha antes do mesmo ser escolhido por Allah, aquela era uma luta onde nenhum deles se metia; Harlen e Alanna estavam cercados por alguns Cinians, a mão de Harlen sangrava em uma quantidade absurda e Jonathan temia pelo pior, Zara, vendo a situação, correu até eles, sendo seguida por Aaron que cobria a retaguarda da amiga.

Em meio à corpos caídos de Cinians já abatidos, se via Adam e Abel em uma luta só deles, os dois machucado, sujos de terra e suor. O ódio de Adam era visto de longe e Abel se divertia com aquilo, aquela era uma luta histórica em termos, Abel tinha em si o mesmo ódio que Caim teve séculos atrás e com essa raiva, ousou levantar a mão para aquele que carregava consigo o nome de seu pai. Adam não teria piedade de Abel quanto a sua vida e Jonathan sabia que Abel não se importava com isso.

 Ele havia se tornado um Cinian.

Sabia que precisava intervir, mesmo que lidasse com a fúria de Adam, ele havia feito uma promessa e ele jamais descumpria uma promessa. Com dificuldade, abriu caminho até eles, estava machucado em vários pontos do corpo, sangue e poeira faziam parte dele, assim como a terra. Estava irritado, frustrado, com medo e principalmente, com raiva. Abel traiu eles, machucou Gretta e graças a eles, seus companheiros estavam machucados. Jonathan já havia perdido a conta de quantos combatentes havia travado enquanto ia de encontro a Adam, ele e Abel estavam em um mundo paralelo, só deles. Um mundo que só deixaria de existir quando um deles morresse e, do jeito que as coisas iam, aquele alguém seria Adam, e não só ele.

Faye já estava para cair, Odisseia agora partia para o combate corpo a corpo, Harlen e Alanna contavam com o apoio de Zara e Aaron, e mesmo assim tinham dificuldades de conter os Cinians.

Jonathan estava vendo cada um deles, um a um cair e aquilo era inadmissível para ele. Aqueles eram seus amigos, eram sua família, seus irmãos e irmãs e estavam prestes a morrer por Abel que se tornou Caim, Jonathan sabia que tinha que fazer alguma coisa, e, embora apelar pelo lado sentimental de Lilith fosse um tiro no escuro, jamais iria aceitar que seus companheiros partissem daquele jeito, iria falar com Lilith e dar a vida dele pela dos outros.

Com as mãos tremendo, Jonathan apertou sua espada antes de largá-la no chão.

─ Basta! ─ Disse em bom som e todos o encararam ─ Basta, nos leve até Lilith, Abel. Nós nos rendemos…

Um a um, os escolhidos abaixaram as armas, não entendiam a razão daquilo, mas confiavam em Jonathan, confiavam o suficiente para saber que ele não faria aquilo à toa, ele daria sua vida por cada um ali e todos sabiam disso. ─ Você também, Adam, abaixe a espada, irmão, confie em mim…

Sem ter a resposta para sua ordem, uma luz branca invadiu sua visão e tudo sumiu. Jonathan não tinha mais machucado, não tinha mais inimigos e nem aliados. A espada havia sumido e a roupa era uma veste que jamais tinha visto na vida, a calça de couro fui substituída por uma de tecido estranho e azul, a camisa de algodão foi trocada por uma de mangas curtas e um casaco escuro. Nos pés, as botas haviam sido trocadas por calçados de cadarço baixo, ele jamais saberia o que era aquilo.

─ Vejo que se recordou no princípio de tudo. ─ O menino se virou e encarou Allah que o olhava divertida. ─ Ainda não entendo o que o levou a tomar tal atitude, filho.

Jonathan trocou o peso de um pé para o outro.

─ Fé ─ Respondeu simplesmente.

─ Em mim?

─ Na bondade dela. ─ Se sentia um tolo por dizer aquilo, mas era verdade. Tinha fé que Lilith iria aceitar barganhar. ─ Eu falhei, não foi?

─ Sim… ─ Allah encarou os grandes olhos claros do garoto que se encheram de lágrimas. ─ Mas deu a eles esperança, você fez uma promessa e nunca quebra uma, não é? ─ O menino assentiu com a cabeça e Allah sorriu enquanto bagunçava seus cabelos. ─ Hora de acordar, filho, eles chegaram. Dê a eles novamente o que você sempre deu. ─ Allah deu as costas ao garoto e começou a se afastar. ─ Dê a eles esperança


Notas Finais


Eu amei cada uma das fichas e todas elas vão ter um papel importante no decorrer da história, muito obrigado mesmo.

https://goo.gl/2FyqGQ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...