História Remember - (Jungkook Imagine) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Alex Morgan, Bts, Colegial, Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Taehyung, Min Yoongi
Visualizações 480
Palavras 2.484
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heyo :3

Obrigada pelos favoritos! sz
Aqui vai outro capítulo.
Esse eu foquei mais na Alex. Mas tudo bem!
Perdoem-me por qualquer erro de digitação.


Boa leitura <3

Capítulo 2 - 1x1


Fanfic / Fanfiction Remember - (Jungkook Imagine) - Capítulo 2 - 1x1

- Você  estava espionando ? – sinto meu coração  acelerar  e sentir um gelo em minha espinha,  a única  coisa que eu pensei  no momento foi a mais conhecida palavra : fodeo.

 

- E-eu?- logo me levanto batendo em minha saia com a palma das mãos.

- Sim, você.  Só  temos nós  dois aqui – Ele frange suas sobrancelhas segurando alguns papéis. 

- Eu apenas passei  por aqui e, vi que meu cadarço estava desamarrado ,apenas isso ! – Sorrio para o mesmo  que me fita logo cemicerrando seus olhos escuros  para mim . – Fique tranquilo, eu não  ouvi nada! Nadinha! – vejo o mesmo revirar os olhos .

- Garota louca e barulhenta – Ouço seu murmúrio, abro meus lábios  indignada. Que garoto  mesquinho! Bem que aquele ditado fala : quem  vê cara não  vê  coração.  Humph..

Saio dali, eu realmente  vou fingir que nada aconteceu, meu psicológico não  aguenta, eu não  vi nada, nem Jungkook, nem nada! – Ergo meus braços  para cima e logo  começo  minha contagem regressiva. Era bom pros nervos.

- um , dois, três,..- Sinto uma mão  relar em meu ombro e solto um pulinho. Era a Alex . – Você  me assustou – resmungo. 

- Oque aconteceu? – ela não estava  mais com a roupa de educação física. 

- Nada – sorrio falsa. E ela cemicerra seus olhos.

- Tem certeza? – Ela me olha desconfiada. 

- Tenho ué – dou os ombros.  – Vamos, vai bater o sinal da última  aula. – Ela diz me puxando. 

- E que aula é agora? – pergunto manhosa. 

- Você  não  olha seus horários  garota? – Ela me olha com suas sobrancelhas arqueadas.

- Eu não. – dou os ombros.

- terrible girl  - balança sua cabeça  negativamente.

- Tô nem aí,  vai ,me puxa – digo preguiçosa. 

- Mas você é demais pra minha cabeça! – Ela resmunga me puxando para dentro da sala de aula.  Quando estávamos quase na porta eu praticamente congelei.

- Ei, porque parou?- Alex parecia desentendida. 

- Porquê ele esta aqui? – sussurro  no ouvido da garota  porém  ela parecia meio  lesada ainda.

- Ele quem? – pergunta desanimada. 

- Ele! – digo entre dentes  fazendo sinais com os olhos para que ela ao menos tentasse entender.

- Ah, esse chatinho  aí?  - Ela coloca as mãos dentro dos  bolsos. 

- Ele mesmo – digo entre dentes ainda tentando ao menos ser discreta .

- Não  sei quem é – dá  os ombros. Mano, eu vou matar  essa cria. Bato  a palma da minha  mão sobre a testa na mesma hora que o garoto passa me olhando estranho. Aff fala sério! Porquê  tu passou só agora?! 

Ouço um pigarreio e logo olho de onde vem. – Vocês não  vão pra sala?- Era Taehyung.  Ele já estava se preparando  para dar uma advertência. 

- Estamos indo! – Alex me puxa para dentro da sala e a professora que já  tinha  chegado nos olha estranho.

- Porquê chegaram só agora? – Ela nos olha um tanto  calma.

- Desculpe – Eu e Alex dissemos  em uníssono  logo sentando nas carteiras.

 

A aula estava  até que interessante...só que não. Alex estava fazendo um castelinho de lápis , quem faz um castelinho de lápis em plena aula de literatura? A Alex. 

 

A aula já  avia terminado, eu não aguentava  mais ficar sentada, meu pobre bumbum já estava ficando quadrado.

Estava caminhando junto a Alex a caminho de casa, porém ela me fez entrar  na primeira  estação  do metrô  com aquela conversa de  “está tarde, sua casa é longe.” Vapo, ela deve estar é me escondendo algo. Infelizmente não  vou poder pregar os olhos hoje,  finalmente meu pai teria tempo hoje, e eu não  poderia deixar essa oportunidade escapar.

 

 

Alex.

Caminhava lentamente até o “apartamento” de casa, realmente eu não  queria  voltar  para lá,  mas fazer oque  a aula integral  acabou  e eu vou ter que  voltar  para minha casa .

Retiro as chaves do bolso dianteiro da calça, logo entrando em um portão  meio beje ,quer djzer, beje descascado e sem vida. Oque dizer de Alex? Alex é uma garota  solitária, Alex é uma garota que veste uma máscara para parecer que está  tudo bem, tudo sobe controle . Essa é a verdadeira  Alex.

Retiro meus sapatos, deixando-os no canto da porta. – respiro fundo – Por favor  mãe,  não  começa de novo.  Penso frustrada.

- Mãe estou em casa ! – Digo logo adentrando  meu quarto e trancando  a porta. Jogo minha  mochila em qualquer  canto logo se jogando em minha  cama. Fecho  meus olhos respirando fundo. Um, dois...três..

- Alex! – Minha mãe  berra autoritária.

- Oque foi?! – Me remexo na cama frustrada. – Sai agora pra fora desse quarto! – Que chatisse ! Que chatisse!  Me levanto indo em direção  a porta, apenas colocando  meu rosto  para fora. 

- Vou ir trabalhar  - olho para  a mesma que estava a colocar seus longos brincos e arrumando seu vestido curtíssimo e colado.

- Mãe  você  vai lá  novamente?! – Berro

- Você quer passar fome peste?- ela pergunta como se essa droga de trabalho fosse a sua última saída. 

- Mãe  você  é recepcionista  de um motel! Isso é frustrante! – bagunço meus  cabelos.

- E do quê você  está  reclamando? Arranje um emprego . Você  já tem dezesseis  anos! – Ela cruza os braços  me encarando. 

- E você  acha que eu não tentei? – digo inconformada 

- Tente novamente! – Paço minhas mãos  sobre o rosto. – Mãe, eu tenho que focar nos meus estudos! Porém  eu vou trabalhar! Espera  ok?- digo bufando em seguida.

- Se você  não  tivesse feito oque fez – Ela da os ombros. 

- Mãe, ele me despediu porque descobriu que eu era mulher! Só  por  causa disso! – digo em minha defesa.

- Qual é o problema dessa sociedade? – ela pergunta  decepcionada. 

- Qual é o seu problema por ter divorciado do papai – murmuro

- Você  não fala desta pessoa aqui dentro dessa  casa! – Ela altera sua voz

- Tá  mãe! Não  começa, que saco meu! – digo voltando para meu quarto , vestindo uma blusa de frio preta  e calçando  os tênis  novamente. 

- Onde vai?- ouço  a voz da mais velha.

- Vou tomar um ar, relaxa – reviro os olhos ao ouvir os sermões  dela por de trás  da porta. Desço  os degraus da casa e logo caminho  pelas ruas movimentadas

 

Como eu poderia definir minha vida nesse estado?, vamos dizer que isso é uma tremenda tempestade  que não  tem solução, eu sempre fui  submissa a minha mãe, dês dos três anos de idade faço artes marciais, por um lado isso seria bom , se as pessoas não  tivessem  medo de se aproximar  .

O estado que meus pais se encontram já era previsto, eu apenas estava  esperando mesmo, minha mãe  tem um gênio muito forte , me admira meu pai ter conseguido a aturar todo esse tempo. 

As ruas de Seoul estavam  bem movimentadas como sempre , e eu gostava bastante  de andar por Hongdae sozinha, era até  que legal ver todas aquelas  pessoas alegres e se apresentando ao ar livre. Ouço  um som reconhecível  vindo de meu corpo , sim eu estava com fome. Ainda bem que tinha alguns trocados  em meu bolso.

Chego em uma simples  barraquinha. 

- Por favor, me dê dois espetinhos – Digo e logo uma senhora me atende. Estava esperando pelo pedido enquanto  mexia  em meu eletrônico entediada.

- Aqui está mocinha – Ela me chama. Mocinha? Ela é a primeira  pessoa que acha que sou garota. 

- Quanto ficou? – pergunto gentilmente 

- Quatro mil won – Ela diz gentil. Passo minhas  mãos  pelos bolsos mas não  encontrava nada, droga, eu jurava que tinha dinheiro.

- Me descu- Toma aqui – Vejo uma mão  entregar  o dinheiro a senhora que agradece.

Olho para a pessoa  que está  ao meu  lado com um dos seus melhores sorrisos.

- Porquê  está  aqui?- Eu pergunto e ela  me entrega  o espeto. 

- Vim com meu pai – Diz dando os ombros.- Ele esta ali vendo as apresentações-  Diz simplista vendo o melhor ângulo  para degustar sua comida.

- amanhã  te  pago – ergo o espeto rente ao meu rosto referindo-me dele.

- Que pagar , eu te dei – Ela me da um tapinha nas costas. 

- Vamos lá  com meu pai?- ela pergunta agarrada em meu moletom.

- Tem certeza que quer que eu vá? – digo sem jeito

- Quero que ele conheça  minha  amiga, oras. – Vejo ela dar um sorriso e eu faço  o mesmo. 

Andamos no meio da multidão de mãos dadas até  eu ver um senhor  de boa estatura, com pelo menos 1,83 ele tinha  uma aparência gentil e seus olhos eram verdes.

- Pai essa é a Alex, minha amiga que mencionei-  Ele sorri

- Muito  prazer Alex , sou o pai da _____ - Estende sua mão  para um comprimento. 

- Estamos quase pra voltar  filha  - Ele a alerta olhando  para  seu relógio  de pulso. 

- Ok pai, nos dê  alguns  minutos, vou  caminhar  com a Alex  um pouquinho  - Ela me chama e eu a sigo.

- Você  já  vai voltar  pra casa? Quer que eu te leve?

- Não  precisa ___, não  vou voltar por agora – coloco minhas  mãos  dentro do bolso do moletom.

- Já  está  tarde, queridinha . – ela me da um soco repreendendo-me 

- Ai – Resmungo – Eu sei que está  tarde – murmuro

- Que tal você  dormir em casa hoje? – ela propõe  animada.

- Ah....- paro para pensar um pouco,  eu iria passar esse fim de semana  totalmente alone porque minha mãe  não se da nem o luxo de  aparecer para perguntar se estou morrendo de fome.

- Mas não  tem problema? – pergunto 

- Se eu estou te chamando, é óbvio que não. – ela retruca

- Que grosseria em – Digo sem graça 

- Desculpa – faz bico – Não  queria parecer  grossa – Ela cutuca meu moletom  com seu indicador.

- Ok tá desculpada – Olho para a mesma que sorri me puxando novamente pelas ruas até  encontrar seu pai.

- Pai, a Alex vai dormir  em casa , Ok? – Vejo o mais velho fazer ok com os dedos e soltar um bocejo, acho que ele estava cansado.

- Vamos?-  ___ me  puxa  junto com seu pai, paramos  onde estava estacionado um carro bem  conservado e caro .

- Nós  vamos de carro?- pergunto em muxoxo no ouvido de minha  colega. 

- Sim nós  vamos. De metrô  demora muito. – Ela abre a porta pra mim e eu entro no veículo,  porém  ela corre e senta no banco traseiro  junto à mim.

 

 

Eu já  estava  deitada  ao lado de ____ , já que a cama dela era de casal ,ela já  deveria estar no décimo  sono do jeito que está,  ela também  me disse que  iríamos  ver a cafeteria e lanchonete nova que seus pais abriram. Claro que ela já  tinha  ido lá, várias  vezes,  mas eu iria  sim, para resfriar-me a cabeça.  Encaro o aparelho eletrônico que marcava 01:51 da madrugada , desbloqueio  o mesmo indo para o Kakao Talk .

 

“Mãe estou passando a noite na casa de minha  colega nova. Não se preocupe to de boas , e nada de sermão.  Ela é gente boa “

 

-  Enviada às 01:53.

 

Olho para a mensagem – reviro meus olhos – desligo o aparelho colocando-o encima de uma mesinha que estava perto. Descido fechar meus olhos  para cair no sono.

 

 

 

______*

Acordo com a claridade da janela logo retirado  meu cabelo da boca, olho para Alex que dormia serena  agarrada a um travesseiro. Me sento na cama olhando para o celular que marcava 08:35pm . Mamãe  e papai nem nos acordaram. Levanto-me da cama para fazer minhas  higienes.

Depois de tudo feito  volto para o quarto vendo  uma Alex  com metade do cabelo  para cima , estava até  engraçado  parecendo  um sorvete de creme.

- Alex? – ouço  um “huum?” preguiçoso  e ela coça  seus olhos.

- Vamos, se troca. Quer umas roupas minhas?- pergunto e ela nega. Vejo a mesma se levantar e ir ao banheiro.  Desço  as escadas indo em direção  a cozinha que já estava  toda limpa. Mamãe  é rápida  mesmo.  Abro a geladeira  mas vejo um bilhete na mesma. Ela caligrafia da mamãe. 

 

“Filha , eu e seu pai viemos mais cedo porque hoje temos que recrutar  um balconista. Não  tem nada pra vocês  comerem aí.  Vem rápido  e toma café  aqui”

 

- Mamãe. Ou Mimi .

- Alex!- chamo a mesma  esperando que venha . Mas sinto um suspiro atrás de mim.

- Oque?- ela pergunta acabando de arrumar  os fios de seu cabelo e eu levo minha  mão  ao peito 

- Que susto que me deu! Vai me matar  do coração! – Digo dramática  e a mesma sorri. – E a propósito,  vamos pra cafeteria logo que eu estou com fome. – Puxo a mesma saindo de casa .

 

Faltava apenas alguns  quarteirões para chegarmos no local . Quando sou esbarrada , quase  morta.  

- Ei! – gritei revoltada por ter sujado minha  saia. Vejo Alex estender  a mãos e me ajudar  a levantar.

- Me desculpe! Me desculpe! É que eu estou  atrasado  pra uma entrevista de emprego! – Ele se curva novamente correndo  como a luz.

- Ele é meio elétrico  - Ela diz andando  ao meu lado. 

- Sim, gostei  da cor do cabelo dele Alex – Digo fazendo  um gesto estranho.

- Você  gosta de tudo – Ela da os ombros.

Depois de algum tempo chegamos na cafeteira.  Apenas deu-se de ouvir o salientar  do pequeno  sino que ficava  na porta. 

- Sejam bem vindos! -  Ouço  uma voz exagerada , e animada.

- Oh,são  vocês!  - Era o garoto dos  cabelos ruivos. Ele chega mais perto de nós  e se curva. 

- Eu sou Jung Hoseok. Me desculpe por não  me apresentar. – Ele sorri.

- Sou ____ e ela  é a Alex – ouço  Alex soltar um “eae”. Logo ouço  a voz de minha mãe.  Corro até  ela mais logo  tropeço  caindo sobre uma pessoa que estava segurando muitas caixas.

- Ai ai – Resmungo de dor. Me levantando

- ____! Toma  cuidado! Se você tivesse machucado ele? – Ela fala se referindo  ao garoto que  caiu.

Mas lembrar se eu me machuquei , nada.

- Jungkook você  está  bem? – Mimi olhava o garoto preocupada . 

Pera aí....p-pera aí....Eu ouvi Jungkook?!

- Estou bem senhora – Vejo ele sorrir pra minha mãe  mas me olha formando novamente sua expressão  carranca. 

- Me desculpe – digo ao mesmo sem jeito que passa reto com as caixas. Abaixo a cabeça  frustrada.

- Oque ele ta fazendo aqui Mimi? - pergunto e recebo um tapa no ombro. 

- Como “ oque ele tá fazendo aqui Mimi “ – Ela faz aspas com os dedos. – Ele trabalha aqui ____! – Ela diz saindo em seguida. Ela parecia estar estressada. 

- Jungkook está  trabalhando  aqui...- Murmuro a mim mesma.

- Sim , estou trabalhando  aqui. E aliás, como sabe meu nome se nunca  o Pronunciei pra você? – Ouço  a voz do mesmo.  Ele carregada  as caixas  vazias  me olhando  com um olhar  sombrio e sem graça. 

- Ouvi minha  mãe  dizer.  Algum problema? – o retruco saindo dali .

 

1x1 . Estamos empatados Jeon Jungkook. 


Notas Finais


Comentem oque acharem do capítulo :3

Obrigada por ler sz
Bye bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...