1. Spirit Fanfics >
  2. Remember me >
  3. The pull to the light

História Remember me - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Estava passeando por uns documentos no computador e me deparei com essa fic (nem me lembrava dela kkk).

Quando a reli, me bateu uma nostalgia dos tempos de O Despertar da Força e eu decidi ressuscitá-la kkk
Se você também estiver se sentindo assim, nesse tempo de quarentena kkk, espero que goste do que irá ler!

Boa leitura!

Capítulo 1 - The pull to the light


Aquele sonho.

A floresta escura e a neve caindo suavemente sobre meu rosto. Eu encaro a escuridão e sinto mais uma vez aquele aperto no peito, uma dor que não passa.

Minha vontade é correr ou então me estirar no gelo... Eu já não sei o que fazer pra que isso vá embora: esse vazio que me suga mais e mais para o fim. Mas de alguma forma eu ainda resisto, o que só aumenta a minha angústia.

Até que eu vejo ela outra vez.

Aquela mulher novamente caminhando, pelas sombras das árvores, confusa e sem direção. 

Eu corro para encontrá-la, e mais uma vez, ela começa a disparar ao me ouvir aproximar.

Sei que segui-la dessa maneira é errado, mas toda as vezes que a vejo é o momento que a minha angústia perde força. Parece que dela emana uma luz.

E de alguma forma, eu preciso dela.

A sombra persiste em correr e correr, nunca olhando pra trás, e eu corro o máximo que posso para alcançá-la. Mas parece que minhas pernas estão cada vez mais pesadas ao me esforçar mais e mais, como sempre acontece todas as noites.

E mais uma vez, perco ela de vista, nas sombras da floresta.

- Se ao menos eu soubesse o seu nome...

E é a primeira vez, nesse sonho que se repete todas as noites, que a minha indagação recebe uma resposta, através de uma brisa que sussurra docemente...

"É Rey.”

----- x -----

 

Olhando os monitores da nave Databank, à espera do relatório sobre a recuperação do droid com o mapa do paradeiro de seu infeliz tio, Kylo se permite relembrar o sonho que teve de madrugada.

Era tão familiar o sentimento que sentia todas as vezes que via aquela mulher correndo no sonho. Era como se já a conhecesse.

Ele, então, começa a recordar de uma menininha, esmirrada de cabelos soltos e desgrenhados, que aparecia e desaparecia como uma brisa, a todo entardecer no acampamento Jedi de Luke.  Apesar de ser algo extraordinário e incompreensível, nunca o perturbou já que ter uma companhia era algo ainda mais incocebível para o menino naquela época.

Eles conversavam muito e ela confidenciava suas aventuras com seus pais em um deserto distante...ele se recorda facilmente do nome por ser o mais estranho que já ouvira falar: Jakku.

Então, em todas as vezes que o sol estava para se pôr, ele sentia seu coração, sempre perturbado por dúvidas e abandono, se encher de luz e de um calor quando via o sorriso brilhante da menina surgir. Ele não sabia o seu nome, na verdade, nunca o perguntou. 

Se sentia tão inebriado da alegria e esperança que exalava da garota, que saber como chamá-la seria um mero capricho.

Ela o compreendia sem fazer nenhum julgamento sequer, e isso era algo tão sublime que ele a recompensava a apresentando alguns de seus ensinamentos Jedi. Ela ria tanto e tanto que ele se sentia o jovem mais feliz do mundo.

Mas, em uma certa tarde, movido por um sentimento que não compreendia, sentiu que precisava perguntar por seu nome. Precisava nomear o que estava se tornando parte dele.

O pôr do sol surgiu e o menino esteve na expectativa, mas ela não apareceu. Ele esperou as outras tardes seguintes, e ela nunca mais esteve lá.

Muitos podem achar que a sua entrega ao lado sombrio teve razão pelo abandono e incompreensão de sua família, mas ele sentia que também foi fortalecida pela perda de alguém que finalmente o compreendeu...e que não passou de uma miragem.

- Senhor, não conseguimos adquirir o droid em Jakku. – Ao ouvir isto, Kylo acorda de seu devaneio. Mas ao compreender a informação, sua frustração, antes por algo abstrato, toma uma razão concreta pelo que o tenente apresentava como relatório da missão. Falha, por sinal.

Kylo Ren apenas se vira um pouco, não conseguindo ver a face do subalterno, mas sentia o nervosismo do homem. Permaneceu em silêncio, ainda impactando pela informação, mas esperando pelo motivo.

- Ele escapou a bordo de um Cargueiro de modelo Corellian YT roubado – O rapaz se esforçava o suficiente para não deixar a sua voz tremer, e apertava fortemente a borda de seu cap, para evitar o nervosismo na presença do tenebroso cavalheiro de Ren.

Porém, se ele pudesse ver através da máscara sinistra de Kylo, se surpreenderia com uma expressão confusa diante do que foi dito.

- O droid roubou um cargueiro? – Ele retruca de forma lenta e contida.

- Não exatamente, senhor. Teve ajuda. – Mitaka suspira por um momento, ao visualizar o cavalheiro se virar totalmente na direção dele, sentindo que as coisas só iriam piorar. Desejava não ter tomado partido para comunicar o relatório ao homem sinistro. - Nós não temos confirmação, mas nós acreditamos que FN-2187 pode ter ajudado na fuga—

O tenente é terrivelmente interrompido por Kylo Ren acionando seu sabre de luz. E quando ele sente que seu fim está próximo...o cavaleiro se vira para o painel de comandos novamente e começa a destruí-lo violentamente.

Mitaka, aliviado por não ter sido o alvo da ira de Kylo afinal, sente seu pavor inalterado ao assistir a cólera do homem, desviando o olhar, logo em seguida, e estremecendo a cada ataque do sabre no console.

O horrível som da ira de Ren continua até que finalmente o subalterno olha para cima. A parede metálica do monitor a frente do cavaleiro está completamente rasgada, como que em cicatrizes escorrendo em metal líquido.

- Algo mais? – Kylo torna a falar, com a voz esbaforida pelo esforço, desejando que aquilo fosse o suficiente, pois já era perturbador ter deixado aquele stormtrooper sair impune e continuar sofrendo as consequências disso. 

Mas o fato de ter destruído o console e não o tenente, era também fruto do lapso de luz que ainda residia nele, e que o atormentava para extirpá-lo imediatamente.

Mitaka, sabendo que havia sido poupado, engolia em seco, se odiando em ter que continuar a explicação.

- Os dois foram acompanhados por uma garota.

Aquilo foi um impacto maior que tudo o que o cavaleiro havia ouvido até agora.

O droid havia sido capturado pelo traidor, com uma garota, em um deserto de nome...Jakku.

Kylo sentiu uma eletricidade perpassar por seu corpo inteiro com aquela informação, e sem pensar, se virou para o tenente estendendo a mão. E usando a força de forma instintiva, o levitou rapidamente em direção ao seu punho, o fechando no pescoço do rapaz apavorado.

Ainda visualizando o rapaz engasgando pela falta de ar, ele encontra forças para formar a única pergunta plausível naquele momento:

- Que garota?

----- x -----

Mais uma vez na floresta escura e contornado pelo frio e a neve.

Mas agora, com uma ferida latejando na lateral do meu corpo, uma dor excruciante que não se diferenciava em nada do sonho de todas as noites... exceto que eu estou acordado nesse momento

Estou determinado e consciente de que preciso alcançar meu objetivo, que é a única coisa que faz a minha angústia fazer algum sentido. 

Eu avisto o sabre.

Não está muito longe, poderia facilmente andar três passos e pegá-lo. O sabre de meu avô. Mas por instinto, uso a força para trazê-lo até mim.

O sabre não vem.

- Como? ... – Eu penso, confuso, e me esforço mais. Mas parece que há algo interferindo. E de alguma forma, em meu interior, defino como a luz que sinto nos sonhos. A mesma luz que ainda insiste em sabota a minha entrega ao lado negro.

No entanto, ainda insistindo, o objeto finalmente vem em minha direção.

Mas não para mim.

Eu me desvio do objeto, que está com uma velocidade violenta, e só me resta acompanhar sua trajetória.

Para ela.

Por um momento a observo segurando o sabre, em posição de ataque, e uma antiga lembrança vêm aos meus olhos subitamente.

- Como eu estou me saindo? Me pareço com uma verdadeira Jedi? – A menininha esmirrada, de costas para o sol brilhante que estava se pondo, falava aos risos e eu apenas sentia que ela seria grande um dia.

Eu pisquei, e voltei a fitar a mulher fazendo exatamente a mesma posição, compreendendo tudo: sua silhueta como a da sombra na floresta em meus sonhos, assim como a força tão familiar que me atraía todas as noites para ela.

Além de ser ela a menininha de Jakku, a qual por algum motivo eu tinha essa ligação forte e única, e que por algum outro motivo maior, está na minha vida mais uma vez.

Por fim, sendo ela a resposta para o fim do meu vazio: a minha solidão.

É você...” digo por fim, juntamente com um sussurro inaudível que sai de meus lábios “...Rey”.


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse clima de nostalgia! Saudades dessa época de TFA e TLJ <3
Se gostarem posso ver se faço mais revisitações as melhores cenas desses dois! Obrigada a todos que leram e se cuidem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...