1. Spirit Fanfics >
  2. Rendida (Shortfic Kris Wu e Kun nct) >
  3. Escolha do coração.

História Rendida (Shortfic Kris Wu e Kun nct) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá fanáticos de plantão!👋

Voltando com mais uma capítulo dessa belezinha, só pra mimar uma certa @fireescorpion.

Espero que gostem....

Apreciem com moderação!😘

Capítulo 6 - Escolha do coração.


Fanfic / Fanfiction Rendida (Shortfic Kris Wu e Kun nct) - Capítulo 6 - Escolha do coração.

__ Você não acreditou no que Qian Kun disse, não é? _MG questionou enquanto eu adentrava a mansão.

Minha cabeça dava voltas com a declaração de Kun e eu sabia que aquilo tudo era só um plano dele de me levar de volta, era óbvio. Seria patético da minha parte acreditar naquele absurdo e os doze anos presa já comprovavam isso.

__ Eu não sou uma idiota, MG! _parei abruptamente, respondendo-a.

__ Tomara! _virei-me lhe encarando com o cenho franzido. __ Acredite, aquela família é um ninho de cobras. _de repente ela ergueu a camisa e arregalei os olhos ao ver uma enorme cicatriz atravessando-lhe a costela.

__ MG, você....

__ Não confie em nenhum deles! _dito isso, ela passou por mim, deixando o questionamento do que aquilo significava.

MG parecia esconder um segredo envolvendo os Wu/Qian, mas claro que não seria tão fácil extrair aquela informação e ela sabia que de alguma forma eu fiquei balançada, queria me bater por sentir aquilo. Foi exatamente o que fiz, esbofeteei minha cara, tentando tirar Qian Kun da minha mente.

Passei boa parte do dia no quarto, encarando a janela, mas sem realmente observar a paisagem do jardim. Lembranças inundavam minha mente e tudo parecia uma grande bagunça.

__ Ni hao?! _despertei dos devaneios com aquela voz trás de mim e virando a cabeça, dei de cara com um rapaz extremamente bonito, que me lançara um sorriso ainda mais bonito.

__ Ah... oi... _murmurei um pouco sem jeito.

__ Eu sou o Wang Yibo, seu meio irmão! _abri a boca surpresa, talvez tivesse ouvido falar sobre ele, mas até então não havia o encontrado pessoalmente e sabia que era um dos responsáveis no treinamento dos irmãos mais novos. __ É um prazer conhecer a segunda irmã! _fez uma reverência e senti minhas bochechas arderem. __ Bem, estou aqui para dar o recado da irmã MG, que avisou que a partir de agora, você estará responsável pelas aulas de artes dos irmãos mais novos. _sorriu apertando os olhos, enquanto eu mantinha os meus bem abertos.

__ Como assim? Eu não.... meu Deus... _não sabia o que responder, eu não fazia ideia de como conduzir uma aula, muito menos de artes.

__ Para nosso pai, é importante entendermos sobre as artes e tenhamos cultura. _prosseguiu e a forma dele falar era muito eloquente, bem diferente de MG que quase não abria a boca. __ Sei que isso pode parecer muito pra você, mas estou esgotado dando aulas de mandarim, literatura, física aplicada, hipismo e atletismo, então preciso de ajuda nas aulas de artes. _pisquei chocada com o tanto de coisa que aquele Wang Yibo ensinava. __ Não posso deixar isso nas costas da MG e nem do Hunhan, são dois brucutus que não sabem segurar um pincel, apenas armas.

__ Bem... na verdade eu, não faço ideia de como ensinar artes.... não frequentei a escola...

__ Não se preocupe, ficará com os menores que ainda não aprenderam a ler.... eles ainda não sabem segurar um lápis. _respondeu sem tirar o sorriso do rosto. __ Pode me ajudar nisso?

__ Ah... posso?! _eu não tinha o que responder, eles eram minha família, me resgataram, era o mínimo que podia fazer, ajudar com as crianças.

Segui Yibo pelos enormes corredores da mansão, chegando na ala destinada às aulas das crianças e ainda ficava surpresa o quanto elas eram cultas, educadas e disciplinadas, tão diferentes das Wu/Qian, que eram barulhentas, birrentas e mal criadas.

Pelo percurso, ele me contava sobre cada turma e que algumas daquelas crianças eram filhas dos funcionários do nosso pai, que eram protegidas e educadas juntas com nossos irmãos. Bem, seria bem estranho achar que todas eram filhas do mesmo pai, haviam muitas delas, talvez vinte ou trinta.

Fiquei responsável pela turma de quatro anos e Yibo tinha razão, eram os mais jovens dali e mal sabiam comer direito, mas me desesperei, pois não tinha noção de como lidar com os menores. Para minha desgraça, Yibo desapareceu como fumaça, me deixando sozinha com aquelas crianças.

Socorro!!

[...]

Aquele vestido se ajustava perfeitamente nas curvas do meu corpo e olhando no espelho, eu parecia outra pessoa, com uma aparência mais saudável e jovial. Os cabelos ganharam um brilho incrível, além dos cachos estarem perfeitamente alinhados, assim como a pele bem cuidada.

Toda aquela evolução se dava à uma boa alimentação e acesso à produtos cosmésticos. Eu me sentia linda, a maquiagem natural, acentuando minha pele negra, os cílios alongados, o esfumado nas pálpebras e delinhador deram um toque especial no meu rosto.

Finalizei com um batom vermelho intenso e lembro que foi um presente de Yibo, que falou que combinaria comigo e para a ocasião. Não poderia negar o quanto estava bonita, nem parecia a antiga eu e felicidade realmente faz bem a uma pessoa.

__ Uau, quem é essa mulher tão bonita? _virei a cabeça sorrindo, avistando Yibo, que como sempre, estava deslumbrante em seu terno feito sob medida, destacando o corpo bem trabalhado.

__ Nem nos meus sonhos mais distantes imaginei que ficaria tão bonita! _respondi e ele encostrou nos umbrais da porta do meu quarto.

__ Acredite Rafa, você é linda! _respondeu.

__ Uau, você é muito gentil! Costuma dizer isso pra todas? _gracegei, ouvindo-o dar uma risada alta.

__ Eu costumava dizer isso pra MG, mas ela sempre tentava quebrar meus dedos. _ri. __ Está pronta? _assenti, terminado de pôr os brincos e segurei seu braço, o qual ofereceu.

Parece que haveria um baile de pessoas extremamente importantes da China e nossa família participava todos os anos. Eu ainda estava temerosa em sair dos muros protegidos da mansão, mas Yibo garantiu que enquanto MG estivesse conosco, nada de ruim acontecia.

Por falar nela, fiquei totalmente surpresa ao vê-la na sala, vestida elegantemente em um vestido preto e nunca tinha notado que ela era bem feita de corpo, nem muito volumosa e nem muito magra. Geralmente MG era mais despojada, sempre dentro de um jeans e moletom, era estranho vê-la em um vestido de festa e usando maquiagem.

Era minha primeira vez fora de casa e não conseguia controlar o nervosismo, chegando a roer as unhas, então senti a mão macia de Yibo, que me lançou um olhar reconfortante. Tinha que me controlar, pois nada iria me acontecer, precisava entender que naquele momento estava segura.

O tal baile ocorreria no palácio central, que era um lugar de eventos, onde apenas as grandes personalidades e políticos chineses se reuniam. Era tudo tão bonito e elegante, que recuei, pois nunca estive em um lugar daqueles, que passava uma sensação de imponência.

Caminhei lado a lado com Yibo, que ainda tinha meu braço ao redor do seu, enquanto percebia os olhares julgadores das pessoas, me encarando dos pés à cabeça. Fomos guiados até uma mesa e ao sentar, meu sangue gelou de repente.

Foram como se minhas terminações nervosas tivessem se agitado, ao ponto que não conseguisse mover um músculo sequer. Bem de frente à nossa mesa, estava nada menos que a mesa da família Wu/Qian.

Todos eles estavam ali, o patriarca e algumas de suas esposas, inclusive os filhos mais velhos. Meu corpo todo estremeceu, dando lugar à um medo extremo e acabei por cravar as unhas nas coxas cobertas pelo vestido.

Percebi o olhar de MG sobre mim e ao encará-la, moveu os lábios para que me acalmasse, mas não tinha como, aquela família havia destruído minha vida. Naquele momento queria ir embora e até arrastei a cadeira, o que acabou chamando atenção dos presentes na mesa da frente.

Virei a cabeça rapidamente, tentando me esconder, não queria que eles me vissem ali.

__ Hey, calma! _Yibo segurou minha mão. __ Eles não podem te fazer mal aqui, é um código da Tríade! _arregalei os olhos ao ouvir aquilo.

Eu não podia acreditar naquilo, pois meu pai não era só um empresário rico, pertencia márfia chinesa mais poderosa do país. Me afundei na cadeira, sentindo meu peito arder e uma falta de ar se apossou do meu corpo.

__ Irmã Rafaela, se acalme.... vamos, vou te levar pra tomar um ar! _ele me ajudou a ficar de pé, enquanto MG nos encarava e pelo olhar que ele a lançou, logo notei que parecia ser um código e percebi que dentro do terno de Yibo havia uma arma.

Claro, todos ali eram da máfia, até mesmo Yibo sendo tão gentil e alegre sabia usar armas e fogo como a irmã mais velha.

Me deixei ser guiada para os jardins suntuosos daquele palácio, sentando em um dos bancos, assim podendo respirar com mais facilidade.

__ Vou buscar um pouco de água pra você, Rafa! _ergui os olhos na direção dele, agrrando-lhe o braço, pois não queria ficar sozinha ali. __ Não se preocupe, eu volto já.... eles não podem machucar você aqui! _soltando-me, Yibo deu as costas, sumindo de minhas vistas.

Era certo que apesar daquele consolo, ainda me sentia amendrontada, pois não confiava nenhum pouco naquela gente, principalmente naqueles que me levaram. Cobri o rosto com as mãos, tentando controlar as batidas frenéticas do meu coração.

Não se demorou para que as lágrimas escorressem no meu rosto e tentei enxugá-las para não borrar a maquiagem, até ver um lenço sendo estendido para mim. Acreditando ser Yibo, aceitei, enxugando o choro.

__ Obrigado Yi-... _virei para agradecer, mas sobressaltei, ficando de pé. __ O que faz aqui? _questionei, olhando ao redor, em busca de resquícios do meu irmão, ou da MG.

__ Você parece bem! _Yifan me encarou dos pés à cabeça, sentado no banco onde eu estava sentada anteriormente.

__ Não pode me fazer mal aqui!! _abracei meu próprio corpo, buscando um pouco mais de refúgio e controle da minha respiração, pois encarar YiFan depois de tanto tempo, despertou o que eu queria matar.

__ Por que eu faria mal a você? _ele cruzou os braços sobre o peito.

Não podia ver o que ele escondia naqueles olhos, até porque YiFan ainda se escondia detrás dos óculos escuros e algo no seu rosto me chamou atenção, como uma nova cicatriz em sua bochecha, próxima ao olho ferido.

__ O que houve com seu rosto? _com tantas coisas pra falar, perguntei sobre o que havia acontecido com o maldito rosto dele, eu era um tonta mesmo.

YiFan passou os dedos compridos sobre a nova marca em sua face, ela não parecia incomodá-lo como a do olho e algo dentro de mim sabia que eu poderia ter sido a causa daquilo.

__ Você se importa?

__ Não, eu não me importo! _respondi desviando de seu olhar. __ Vai embora, YiFan!!

__ Por quê? _lhe encarei desacreditada.

__ Porque sim! Não quero te ver nunca mais.... nem você ou qualquer membro da sua família... _antes de concluir a frase, recuei quando ele se pôs de pé, dando um passo na minha direção. __ O que você.... _de repente fui puxada pelo braço, batendo contra o corpo dele.

Senhor, aquilo era tão errado, aquele homem era um erro da natureza, seu cheiro, calor, corpo, tudo era errado, porque sua presença me causava um pane no sistema e não conseguia me esquivar. Aquela tensão que sempre pairava no ar quando estávamos muito próximos estava ali pra confirmar.

Uma de suas mãos pressionou minha cintura, enquanto a outra tocava meu rosto suavemente, enquanto YiFan se curvava devido a diferente gritante de altura. Meu coração estava aos berros e o corpo clamando por misericórdia.

Eu não tinha forças para expulsá-lo, talvez nem meu corpo queria fazer aquilo e estremeci em seus braços. YiFan não me machucaria fisicamente, isso era um fato, mas  emocionalmente eu estava em pedaços.

O rosto dele foi se aproximando, até que pudesse sentir seu hálito cítrico batendo contra meu rosto, então fechei os olhos, tendo mais certeza que acabaria por beijá-lo ali e no final me arrepender.... eu não tinha salvação.

Como uma grande explosão de ano novo, os lábios de YiFan tocaram os meus, de início um ósculo tímido, quase como se quisesse ter certeza se devia ou não, mas logo em seguida nossas bocas se encaixaram e ele escorregou sua língua para dentro da minha boca, fazendo um pequeno carindo dentro.

O encaixe foi perfeito e com os olhos fechados pude apreciar o gosto de seu beijo, que não havia mudado muito, ainda mais intenso e doce ao mesmo tempo. Solvi sua língua o quanto podia, sedenta por mais contato, inclusive o pélvico.

Ele me pressionou ainda mais contra si e apesar do salto, ainda precisei ficar na ponta dos pés. Não importava o que estava acontecendo ao redor, eu só queria estar ali, dentro dos braços dele, sentindo seu corpo e seus beijos.

Quando o ar nos faltou, aos poucos nossos lábios foram distanciando, até que apenas nossas testas estivessem unidas. Soltei um suspiro, ainda de olhos fechados, novamente me arrependendo e desejando mais.

Por favor, alguém na minha cara!

__ YiFan, você sentiu minha falta? _fiz aquela pergunta idiota, esperando sei lá o que, já que ele não era alguém de falar sobre seus sentimentos.

Então ele se afastou, as mãos repousadas em meus cotovelos, então senti um arrepio na espinha e eu sabia que pela sua expressão, não receberia a resposta desejada.

__ Rafela, eu...

__ Irmão YiFan?! _viramos na direção da voz e engoli em seco ao ver Qian Kun, aproximando-se de nós.

Novamente aquele arrepio na espinha se apossou do meu corpo, Kun havia declarado seu "amor" por mim dias antes e lá estava eu beijando outro cara. Por mais que não parecesse certo, me senti culpada e desviei o olhar do seu.

__ O que você quer, Kun? _o maior questionou, sendo rude com o outro, que ficou frente a frente com ele.

__ O mesmo que você, irmão! _respondeu olhando para mim.

__ Fique longe dela, moleque!

__ Vai me impedir? Me bater? _Kun lançou-lhe um sorriso sarcástico e amedrontador. __ Não pode querer ela só pra você, irmão! _encarei rapidamente YiFan, que cerrou os punhos, ele estava pronto para acabar com a raça de Kun.

__ Não me teste, pirralho! _esbravejou, então o mais novo caminhou em nossa direção, assim como o mais alto também avançou contra ele.

Eu não conseguiria vê-los se matando, mas também não seria louca de me envolver entre eles. Cobri a boca com as mãos, quando YiFan ergueu o punho para acertar o irmão, Kun se esquivou, parando bem ao meu lado.

Estremeci quando o braço dele ficou envolta dos meus ombros, então sorriu para o irmão, antes de se virar para mim, tomando meus lábios. Arregalei os olhos ao contato de sua boca na minha e ele não teve nenhuma vergonha ao adentrar sua língua.

Sem um pingo de vergonha, Kun moveu os lábios, aprofundando o beijo, que acabei por ceder, pois o choque me deixou lesada. Porém aquele beijo não tardou, pois Kun foi arrancado de mim.

Novamente estava nos braços de YiFan, que me segurou com firmeza contra seu peito. Aquilo era uma grande confusão e tê-los brigando daquele jeito não era algo bom.

__ Não seja egoísta, irmão!! Eu sempre gostei dela!

__ Patético!

__ Claro que não!!

__ Ela já era minha, antes mesmo de você pensar na sua existência, então ponha-se no seu lugar, moleque. _YiFan virou a cabeça me encarando. __ Sou somente seu e de mais ninguém!

Naquele momento meu coração dei um giro de trezentos e sessenta, faltou o ar e minha boca ficou seca. Acabara de ouvir algo que jamais imaginei ouvir e lá estava eu naquele impasse.

CONTINUA....


Notas Finais


Agora é um fato, os dois machos lindos vão brigar pela Rafa.... me digam vocês, de qual time são? #timeYifan #timeKun

Grupo do wpp para papear 👇
https://chat.whatsapp.com/J1mcpmowfVfBl2XjPAzJMh

Vejo vocês nos comentários!😉

💋💋💋 no ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...