História REPUBLIC; Jikook - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Black Pink, CL (Chaelin Lee), EXO, Lee Taemin, Monsta X, TWICE
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Lee Taemin, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Boyxboy, Darkfic, Jikook, Mpreg, Sadfic, Smut, Violence
Visualizações 7
Palavras 2.511
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Romance e Novela, Survival, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alerta de cenas PESADAS neste capítulo!
Informações IMPORTANTES nas notas finais.
Boa leitura!

Capítulo 4 - 02


Fanfic / Fanfiction REPUBLIC; Jikook - Capítulo 4 - 02

25 ∂є נυℓнσ ∂є 2022

Enfermeiros e médicos entravam e saiam do quarto do sujeito 302-3 a quem estavam a ser feitos vários exames médicos enquanto o mesmo permanecia deitado e inconsciente numa maca metálica, tendo apenas uma toalha branca a cobrir-lhe as partes íntimas. Algumas ventosas de uma máquina estavam ligadas ao peito, medindo os seus batimentos cardíacos enquanto que um dos enfermeiros fazia a quinta colheita de sangue de Park Jimin.

O Sr. Seungri olhava todo o procedimento até a médica Kim Hyuna vir até si com os resultados das primeiras análises e outras informações acerca do sujeito.

— Os primeiros resultados acabaram agora mesmo de chegar dos laboratórios. Tal como a enfermeira da prisão disse, o Sr. Park é um homem de 22 anos de idade, perfeitamente saudável. Os sistemas Cardiovascular, Respiratório, Digestivo, Nervoso, Sensorial, Endócrino, Excretor, Urinário, Esquelético, Muscular, Imunológico e Linfático estão a trabalhar perfeitamente bem. Como de esperado, nenhuma doença foi detectada. Agora apenas falta o exame ao Sistema Reprodutor. O médico não tardará a chegar com o equipamento.

Seungri acenou positivamente para a doutora antes desta sair da sala acompanhada pelo enfermeiro que antes fazia uma nova colheita de sangue, desta vez para guardar no arquivo 302-3. Não tardou muito até outro médico, acompanhado de mais uma enfermeira entrar na divisão com alguns equipamentos. Fizeram uma breve reverência ao superior presente na sala. Seungri era responsável por acompanhar todo o procedimento feito aos recém-chegados, de modo a transmitir as informações ao seu chefe.

Profissionalmente, a enfermeira retirou a toalha que cobria a intimidade do Sr. Park, deixando-o, assim, exposto por completo. Enquanto isso, o médico colocava as suas luvas e máscara antes de pegar no tubo e na agulha esterilizada. Visto que o sujeito estava inconsciente e não sentiria qualquer tipo de dor, o médico optou pela solução mais rápida de recolha do sêmen. Pediu à enfermeira um pedaço de algodão molhado em álcool para passar no testículo esquerdo do moreno. Aos poucos foi introduzindo a agulha ligada ao tudo no órgão, movimentando-a algumas vezes enquanto a sua mão desocupada fazia leves movimentos no local. Alguns momentos depois um bocado de esperma já pode ser notado no tubo. O médico continuou até ter a quantidade que precisava e, sem seguida, retirou a agulha.

A enfermeira veio com outro pedaço de algodão, pressionando-o com um pouco de força no local onde saiam algumas gotículas de sangue após a extração. Quando se certificou de que o local já não sangrava, retirou o algodão e voltou a colocar a toalha sob a intimidade de Park, seguindo o doutor para fora do quarto. Visto que o último exame tinha acabado de ser concluído, Seungri também saiu do recinto, levando as suas anotações para o seu superior com um sorrisinho satisfeito do rosto.

Cerca de meia hora depois, outro grupo de enfermeiros levou a maca metálica do quarto de exames para um quarto de acomodação. Passaram algumas toalhas húmidas pelo corpo e cabelos de Jimin antes de o vestir com uma peça íntima e um conjunto de roupas largas de algodão brancas onde estava apenas bordado a preto o número 302-3 na zona do peito. Pegaram-no e colocaram-no na pequena cama da divisão onde iria estar temporariamente. Voltaram a colocar as ventosas do monitor de batimentos cardíacos e enfim saíram do quarto deixando o outro dormir até acabar o efeito da anestesia.

Enquanto isso, na cobertura do prédio em questão, Seungri estava acomodado numa das confortáveis poltronas negras do escritório amplo do seu superior, onde o mesmo lia o ficheiro que lhe havia sido entregue.

— Bem, por agora, o 302-3 parece um bom candidato mas, para o designarmos a alguém, são precisos os resultados dos últimos exames. Daesung disse quando ficariam prontos? — indagou, pousando o ficheiro na mesa metálica quando já tinha lido tudo o que ali estava escrito.

— Ele falou que amanhã ao fim do dia ele já teria tudo pronto — Seungri respondeu calmo, enquanto o seu chefe já abria o próximo ficheiro, desta vez do sujeito 289-3.

— Ótimo, quanto mais rápido melhor. Agora, em relação ao 289-3, os exames já foram todos concluídos. Após muito analisar, decidi juntá-lo à 193-0 — o senhor pousou o ficheiro do 289-3 sob a mesa, em frente a Seungri e pegou no da 193-0, colocando lado a lado com o outro ficheiro.

— Ela já foi preparada? — questionou o mais novo, lendo com cuidado as informações de ambos os sujeitos.

— Os últimos preparativos estão a ser feitos neste exato momento — olhou brevemente para o caro relógio de pulso que trazia. — Entretanto já poderão preparar também o 289-3 e levá-lo para a sala AL04.

Seungri assentiu e o mais velho entregou-lhe as informações sobre os devidos sujeitos antes de lhe passar as devidas instruções para o procedimento que seria feito em alguns minutos. Saiu da sala com mais alguns papeis em mãos e uma tarefa por concluir. Enquanto caminhava pelos corredores do extenso prédio, avistou um rapaz de uniforme negro e cabelos escuros que há muito não via.

— Taemin! — exclamou, feliz por encontrar o mais novo ali depois de bastante tempo.

O garoto em questão sorriu antes de apressar o passo em direção ao seu hyung, dando-lhe um abraço apertado embora cuidadoso pois vira que o mais velho trazia algumas pastas amareladas em mãos. 

— O que fazes aqui? Pensei que estavas em missão — disse o mais velho após se separar do abraço.

— E estava mas, aparentemente, o senhor meu pai tem algo importante para me falar e pediu para eu vir até aqui com urgência — respondeu-lhe o mais novo, soltado um suspiro de cansaço em seguida. O Lee andava a ter muito trabalho nos últimos tempos, ou seja, várias missões secretas para o estrangeiro e, depois de ter sido promovido, pior ainda.

— Ah, percebi. Então, calculo que seja melhor não o deixares à espera — Seungri sorriu ao de leve antes de dar mais um abraço desajeitado em Taemin como despedida e continuar o seu caminho até à sala dos médicos.  

Ao entrar na divisão, a primeira coisa que lhe atingiu foi o forte cheiro a desinfectante de limpeza e álcool. Passou os olhos pelas pessoas vestidas de branco antes de encontrar o doutor Daesung, com quem tinha estado à alguns momentos atrás. O mesmo analisava delicadamente o sémen retirado do sujeito 302-3, por isso nem havia reparado na presença do homem a ir na sua direção.

Seungri, ao já estar perto o suficiente, tocou ao de leve o ombro do outro com uma mão livre, de modo a este não se assustar e perder o raciocino. O outro retirou os óculos de laboratório para o olhar, já sabendo por que motivo o mesmo ali estava. Tinha sido informado naquela manhã do procedimento que seria feito ao fim do dia e já tinha tudo a postos.

— Eu já deixei as injeções prontas e dei-as à Hyuna, é ela que irá acompanhar o processo desta vez. Ela saiu à bocado daqui e foi direta para o quarto do 289-3, disse-me para o avisar quando chegasse — falou o médico antes de voltar a colocar os óculos e continuar com o seu trabalho.

O Sr. Seungri saiu da sala, ainda com as pastas, e encaminhou-se para os quartos temporários. Entrou no quarto designado ao 289-3 e a cena que encontrou foi a de uma Doutora Hyuna impaciente com uma seringa na mão e um rapaz de cabelos negros encolhido num dos cantos da divisão com um olhar de raiva. Seungri puxou uma das pastas amarelas e abriu o ficheiro do rapaz para o começar a citar em voz alta.

— Jeon Jungkook, 20 anos de idade, natural do Bairro Mandeok-dong, Área 3, Busan, Coreia do Sul. Familiares vivos: mãe, irmão mais velho e sobrinha — parou de ler o ficheiro e encarou os olhos negros do menor — Senhor Jeon, creio que já lhe falei disto antes. Caso se recuse a cooperar com a República, serei obrigado a tomar medidas em relação à sua família.

Seungri viu o olhar raivoso tornar-se num de desespero numa fração de segundos. Era sempre isso que acontecia quando a família de um sujeito era colocada na conversa e o mesmo cooperava sem qualquer outra objeção pelo bem dos tão amados familiares.

Hyuna voltou a aproximar-se do garoto, puxando com violência a manga do uniforme branco para cima, revelando a pele macia do seu braço. Sem qualquer delicadeza, espetou a agulha na veia protuberante, vendo o liquido num tom azul escuro desaparecer do tubo transparente da seringa para a corrente sanguínea do sujeito. O mesmo sentiu o liquido a entrar no seu sistema. Ele não sabia o que era mas, vindo daquela gente, já podia esperar de tudo. 

Satisfeito, Seungri saiu do quarto para chamar os dois guardas que estavam de vigia no fim do corredor. Os mesmos agarraram nos braços do sujeito 289-3, que não ofereceu resistência, lembrando-se das palavras do homem em relação à sua família. Ele não queria que nada acontecesse com a sua família. Ele não queria que aquilo acontecesse com a sua família. 

A meio do caminho, foi-lhe colocada uma venda negra que só foi retirada quando o deixaram numa pequena sala sem qualquer tipo de mobília a não ser uma cadeira de ferro. Os guardas soltaram-no e saíram do pequeno cómodo, deixando-o a sós com o Sr. Seungri e a Doutora Hyuna.

 — Dispa-se — comandou a doutora, autoritária.

Jungkook olhou-a confuso mas logo se lembrou que teria de cooperar com tudo o que eles lhe diziam para o bem dos seus entes queridos. Lentamente, foi retirando as calças e a camisola brancas, ficando apenas com a peça intima clara, visto que já se encontrava descalço.

 — É para tirar toda a roupa — Hyuna mantinha os braços cruzados e uma expressão rígida do rosto, tal como Seungri.  

Jungkook olhou-os por alguns instantes antes de engolir em seco e puxar a barra da cueca boxer para baixo e retirar a peça, colocando-a em cima da cadeira com  resto das suas roupas. Voltou o rosto para cima, sentindo o ar gélido do local atingir a sua pele pálida. Seungri saiu da sala com as suas pastas em mãos e andou até à outra sala anexada à divisão AL04.

— Ela já está pronta? — perguntou para a responsável por vigiar a grande sala de vidro, referindo-se à 193-0.

— Sim, ela está a ser trazida neste exato momento... ora veja— a senhora apontou para a porta metálica da sala AL04 que havia sido aberta, revelando uma mulher de cabelos loiros, desprovida de roupa, ser empurrada para dentro do compartimento.   

Seungri assentiu. Pousou as suas pastas na sala de monitoramento e voltou até ao pequeno anexo onde se encontravam Jungkook e Hyuna.

— Já pode entrar Jeon — pegou no braço do moreno e posicionou-o em frente à porta automática que se abriu quando o homem fez sinal para a câmara da divisão. 

Jungkook foi empurrado para dentro do local, ouvindo a porta a fechar-se pesadamente atrás de si. A sala em que se encontrava possuía o chão branco e as paredes feitas em vidro escuro. No centro havia apenas uma cama. Só quando analisou o local é que Jeon encontrou o olhar da mulher presente no compartimento. Um rosto familiar que jurava que tinha sucumbido á doença há quase quatro meses atrás.

— Lisa? — falou num fio de voz ao observar o corpo desnudo da amiga de infância. 

Involuntariamente, sentiu a sua temperatura corporal subir e uma pontada forte nas suas partes intimas, fazendo-o se curvar para a frente. A sua visão desfocou-se quando uma onda de desejo se apossou de si à medida que sentiu o seu membro despertar aos poucos. Então aquele era o efeito do liquido azul que havia sido inserido no seu sistema. 

Uma luz se acendeu na mente de Jungkook e ele sabia o que tinha de ser feito naquela sala. Ele não queria. Ele não queria fazer aquilo com a sua amiga. Mas aí lembrou-se de um certo dia em que tivera o desprazer de assistir a algo que nunca pensou que iria presenciar. E ele não queria ver aquilo acontecer com a sua querida mãe, que já sofrera demasiado, nem com o seu irmão mais velho que sempre esteve lá para o apoiar e muito menos com a sobrinha de oito anos, uma menina inocente que amava ver Iron Man com o tio e dormir cestas longas debaixo das árvores do parque em dias de calor.

Jungkook começou a se odiar naquele momento. Ele tinha de escolher o bem da sua família à sua melhor amiga. Chegou a um ponto em que o calor do seu corpo era insuportável e a dor no seu pénis, já ereto e vermelho, era completamente de outro mundo. Endireitou a postura e olhou brevemente para a amiga que o observava com os braços em frente ao corpo com uma expressão assustada ao ver o estado em que o moreno se encontrava.

— D-Desculpa, Lis — falou quase que num sussurro antes se aproximar da 193-0 e puxa-la com força para a cama da divisão, colocando-se por cima do seu corpo magro.

— K-Kook, por f-favor... — suplicou Lisa.

Jungkook fechou os olhos, incapaz de encarar a cara da amiga. Os efeitos do liquido azul aliados ás imagens dolorosas gravadas na mente de Jeon eram a pior dor que o moreno sentira em toda a sua vida. Sentindo a enorme necessidade de se aliviar, ele utilizou a sua força para imobilizar os braços da loira que tentavam a todo o custo afastar o garoto de si. Ela debatia-se e gritava sem parar, tentando fazer Jungkook se afastar de si. Mas era em vão visto que o moreno era bem mais forte que si. Utilizou o seu braço direito para juntar os dois pulsos da loira e prende-los por cima da sua cabeça. Usou a sua mão esquerda para posicionar o membro rígido na entrada não preparada de Lisa. Num único movimento, introduziu todo o seu membro dentro da mulher, ouvindo-a gritar pela dor.

O moreno começou a investir dentro dela com rapidez. Não demorou muito até gozar dentro da mais velha. Mas isso não fez a dor no seu pénis diminuir, muito menos o desejo que sentia a pulsar nas suas veias, fazendo-o continuar a investir com violência em busca de se aliviar daquela sensação queimante que corroía cada um dos seus nervos.

Chegou uma altura em que Jeon já não sabia quantas vezes tinha se desfeito dentro de Lisa. Apenas sabia que os gritos da loira tinham cessado pois a mesma desmaiara em algum momento. Algumas gotículas de sangue saiam do interior da loira, misturadas com o esperma. Algum tempo depois, Jeon investiu pela última vez no interior dela antes de desabar ao seu lado na cama da divisão. Já não sentia nenhuma parte do seu corpo coberto pelo suor. 

As suas pálpebras pesaram como se não dormisse há anos e o seu corpo estava, literalmente, todo dormente ao sentir os efeitos do liquido azul desaparecerem do seu sistema. Ouviu ao de longe o som da porta a ser aberta antes de fechar por completo os olhos e desmaiar ao lado de Lisa.


Notas Finais


Nossa, custou-me muito escrever este capítulo :( Eu já o tinha pronto desde ontem mas depois saiu 'Epiphany' e não consegui pensar em mais nada kkk

Agora vamos a algumas informações que possam não ter ficado claras:

᠉ Em relação aos números, isso vai ser explicado mais para a frente, apenas vos posso dizer (para o caso de ter ficado confuso) que: 302-3 é o Jimin; 289-3 é o Jungkook e 193-0 é a Lisa (sim das BLACKPINK);

᠉ Lembram do Daesung no cap. passado? Sim, ele agora é médico na República e o pai do Taemin é o 'chefe';

᠉ Gente, não comecem já a xingar o JK. Não, estupro não é algo aceitável nem aqui nem no espaço mas esperem até saberem o que é que ele viu que o fez recear tanto pela família, ok? Esperem para xingar os personagens nos momentos certos;

᠉ Como já puderam ver, a fic vai ter muitos personagens e vai ser assim pesada (peço desculpa por alguma falha mas nunca escrevi algo tão pesado antes);

᠉ A sala AL04 é uma sala grande com 3 pequenas salas anexadas (a sala de vigilância e as salas onde estavam o Jungkook e a Lisa, ok?).

Por agora não me recordo de mais nenhuma informação para vos dar.
Desculpem por qualquer erro :3
Comentem para eu saber o que estão a achar, ok? Eu sei que não parece mas eu juro que sou um doce :)
Saranghae💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...