História Reset - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias VIXX
Personagens Hongbin, Hyuk, Ken, Leo, N, Ravi
Tags Androides, Chabean, Chabin, Chobits, Drama, Ficção Cientifica, Lemon, Levi, Nbin, Persocons, Robôs, Romance, Tragedia, Wontaek, Yaoi
Visualizações 88
Palavras 2.327
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Sci-Fi, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal.

Espero não decepcionar com esse capítulo.

Pela primeira vez eu falei o nome da empresa e eu nem tinha me tocado que não coloquei isso em nenhum capítulo. kkkk
A empresa é Choi Company. Lembrem que o sobrenome da família é Choi e não Cha, ok?

O título é um trecho da música Be the Light - One Ok Rock.
Estou viciada nessa banda como alguns devem ter reparado. Se vc nunca ouviu, eu recomendo começar. Sério é uma banda muito boa.

Boa leitura, até breve.

Capítulo 17 - I don't know what to blame


 

Hongbin estava acompanhando algumas notícias na internet e lia uma matéria que destacava o crescimento repentino de uma empresa concorrente na fabricação de androides. Essa empresa tinha quase tanto tempo no mercado quanto eles, porém a qualidade dos robôs sempre foi muito inferior.

Só que nos últimos dois anos eles tinham se aprimorado muito e agora finalmente podiam dizer que era um concorrente com o qual deviam se preocupar.

Recebeu um e-mail e verificou que era Jinhyuk o chamando para uma reunião naquela mesma tarde.

Na reunião discutiram com todos os diretores maneiras de tentar bater a concorrência. A empresa Kim Tech tinha lançado no mercado um tipo de androide de convivência muito parecido com os produzidos por eles. A semelhança no funcionamento mecânico e na aparência era tanta que o Choi desconfiava que algum ex-funcionário teria passado informações detalhadas sobre a fabricação dos mesmos.

A única coisa que continuava mantendo os clientes fiéis a Choi Company era o fato dos androides produzidos por eles terem uma personalidade exclusiva. Os sistemas desenvolvidos por Hongbin era o que salvava a situação. Porém era preocupante como as vendas tinham caído uma vez que os valores da concorrente eram mais acessíveis.

Os advogados da Choi Company estavam estudando maneiras de tentar processar a Kim Tech, mas os androides eram algo que já existiam antes e não tinham como provar que os mecanismos foram copiados.

Vários planos foram sugeridos. Tentativas de baixar o custo e consequentemente os preços do produto final foram colocados em pauta e a reunião se estendeu por horas.

 

Quando chegou em casa a cabeça de Hongbin parecia que ia explodir com as preocupações. Ele entrou no laboratório sem falar nada e começou a trabalhar em maneiras de aprimorar a segurança no sistema dos androides. Se podiam tentar copiar os mecanismos logicamente tentariam copiar o sistema também e se isso acontecesse certamente seriam derrubados no mercado. Hongbin sempre fez de tudo pra manter os sistemas criptografados e protegidos com senhas que somente ele e algumas pessoas de confiança tinham acesso, mas existiam furos no sistema de segurança que deveriam ser verificados. Ele sempre soube que algo assim ia acabar acontecendo.

Passou o resto da semana enfiado no laboratório e só saía pra comer. Aproveitou também a desculpa do trabalho pra se distanciar um pouco de N. Tinha medo de acabar se deixando levar pelo momento novamente e acabar indo longe demais. Tentava não ficar sozinho no mesmo ambiente que ele por muito tempo e sempre que N o abraçava se afastava rapidamente.

Na verdade o menor estava confuso e o fato de Hongbin o estar evitando aumentava ainda mais a sua insegurança passando a acreditar que ele estava com raiva.

Alguns dias depois Hyuk veio novamente visitar N. O androide estava ansioso pra ver o médico. Tinha tantas coisas pra perguntar e estava um pouco carente por não estar recebendo atenção de Hongbin. Também queria saber se Hyuk estava bravo consigo pelo dia que foi ao hospital.

Assim que o maior chegou, N correu pra recebe-lo como sempre fazia e o surpreendeu com um abraço. Ficou feliz e aliviado quando o médico correspondeu, o apertando em seus braços.

Andaram como sempre até o jardim dos fundos.

-Está tudo bem N?

-Sim. Andei fazendo algumas pesquisas na internet como Leo me ensinou, mas você podia me ajudar. Queria que me ensinasse mais sobre as doenças dos humanos.

-Eu sabia que ia pedir algo assim, por isso trouxe meu notebook. Vou te passar todas as minhas pesquisas. Tem muito material, inclusive tenho dois HDs externos cheios, mas imagino que sua memória tenha espaço suficiente.

-Sim. Eu tenho cem Teras de capacidade. Hongbin acrescentou algumas placas de memória recentemente.

-Ótimo. Vou te conectar pra você poder acessar os arquivos.

N passou vários minutos estático enquanto recebia os novos dados. Hyuk o observava calado.

O médico tinha se impressionado com a vontade do androide de querer curar as pessoas e evitar seu sofrimento mesmo não sendo humano. Ficava feliz que N pensasse dessa forma.

Depois de terminar e se desconectar do último HD. N passou algum minutos de olhos vidrados provavelmente processando as informações.

-É uma pena que mesmo estudando por tantos anos você não tenha encontrado uma cura para o câncer Hyuk.

-Não é algo simples. O funcionamento do corpo humano é a coisa mais complexa e fascinante que eu já vi na vida.

-Eu também penso assim. Fico feliz que você tenha dividido suas pesquisas comigo mesmo sabendo que eu não posso fazer nada efetivamente.

-É por que eu sei que o seu interesse não é mera curiosidade. É algo verdadeiro assim como o meu. Quem sabe você possa fazer alguma coisa. A sua mente é incrível. Talvez consiga enxergar coisas que a mente humana não é capaz de perceber.

-Obrigado.

Depois de uns segundos de silêncio o médico voltou a falar.

-O Hongbin não brigou com você aquele dia?

-Brigar ele brigou, mas agora já está tudo bem.

-Que bom.

-Eu queria te perguntar uma coisa. –Hyuk o olhou curioso. –Daquela vez que saímos pro parque você me falou que eu não devia deixar o Hongbin me tocar por dentro das roupas que ele ia me machucar. Bem ele fez isso alguns dias atrás e depois disso ele tem se afastado e...

-Ele o quê!?? –N se assustou. Nunca tinha visto o médico ficar realmente nervoso.

-M-Mas ele não me machucou nem nada ele só... Hyuk onde você vai?

Correu atrás do maior que foi até o laboratório de Hongbin entrando sem a menor cerimônia.

-Hongbin precisamos conversar.

-Bom dia pra você também Hyuk. –Falou com ironia.

N chegou logo atrás do médico e parecia nervoso.

-O que está acontecendo afinal? –Perguntou erguendo as sobrancelhas.

-Eu é que te pergunto. O que você pensa que está fazendo com ele? N não é um brinquedo pra você satisfazer suas necessidades.

-N acho melhor você esperar lá fora. –Hongbin falou se levantando. Esperou o androide sair e fechou a porta depois se virou pra encarar o médico. -Do que está falando Hyuk?

-Ele acabou de me contar o que você fez. Não sente vergonha de tentar abusar dele dessa maneira?

-Em primeiro lugar abaixe esse tom de voz. E em segundo as coisas não aconteceram desse jeito que você está pensando. Nós nos beijamos e por alguns instantes, no calor do momento eu me deixei levar, mas tudo não passou de algumas carícias. Eu não cheguei a fazer nada, jamais faria algo contra a vontade dele.

-E desde quando um androide pode ter vontade de transar com alguém? Eles apenas podem o fazer se forem programados para isso. E eu sei que o N não foi. E mesmo que ele tenha deixado, ele não sabe o que você está fazendo. Não vou deixar você usá-lo como se fosse um objeto.

-Eu já disse que não era essa minha intensão. Por que você tem sempre que se intrometer onde não é chamado?

-Acontece que foi ele que me contou o que você fez. Isso demonstra que você o assustou o suficiente pra ele confiar mais em mim do que em você.

-Eu sei que agi errado, mas eu não o vejo como um objeto como você imagina. Eu o vejo como alguém por quem estou apaixonado e as coisas acabam acontecendo. -Hongbin sentou encarando o teto. Hyuk tinha o poder de irritá-lo, mas estava se segurando pra manter um diálogo. –Eu sei que você deve achar que eu sou um louco por me apaixonar por ele.

-Pelo contrário. Eu sei exatamente o que você está sentindo.

-O-O que você disse? –Hongbin se endireitou e o encarou. Pode notar que a expressão do mais novo tinha mudado. Toda raiva se esvaiu e sua expressão era de tristeza.

-Você me entendeu. Eu também estou apaixonado pelo N, mas diferente de você, eu não me deixei levar por esse sentimento e continuo o tratando como sempre.

Os olhos de Hongbin se arregalaram enquanto o médico o encarava firmemente.

-Você não pode. Ele...

-Sim ele é igual ao Hakyeon, mas apenas fisicamente e você sabe disso. Eu nunca pensei no meu irmão dessa forma, antes que me pergunte. Nós tínhamos realmente um amor apenas fraternal, mas N é uma pessoa diferente. Da mesma forma que você, eu também aprendi a gostar dele. Passei a observar cada detalhe único da sua personalidade e quando fui perceber já estava o enxergando de outra forma. Isso não foi intencional e sei que pra você também não foi.

-Então é essa a explicação pra cena de minutos atrás? Ciúmes?

-Não. Você sabe que desde o começo eu nunca aceitei que você se relacionasse com ele. Ele é inocente Hongbin, não vou aceitar que você tire isso dele só pra satisfazer seus desejos.

-Você não tem que aceitar nada. Isso não é da sua conta. Eu já fui tolo demais deixando você vir a nossa casa e se aproximar dele, mas eu jamais devia ter deixado você chegar perto do N. –Agora era Hongbin que estava se alterando e ficando com raiva do mais novo.

-Claro por que sem ninguém pra interferir você pode fazer o que quiser sem culpa não é mesmo? Afinal pra quem ele iria pedir ajuda?

-Você fala como se eu o estivesse obrigando a me corresponder. Pare de distorcer as coisas Hyuk. Eu já estou cansado desses seus sermões sem fundamento. Quer saber de uma coisa? Eu quero você fora da minha casa e nem pense em chegar perto do N novamente.

-Você não pode fazer isso.

-Claro que posso. Você está na minha casa e eu tenho todo direito de não te querer aqui. –O mais velho finalmente levantou a voz. -O que está esperando? Dê o fora.

-Você pensa que me assusta Hongbin? Não é me expulsando que você vai resolver seu dilema com o N. Isso só demonstra a sua insegurança.

-E o que você vai fazer? Vai me denunciar? Vai deixa-lo ser apreendido e destruído?

-Eu jamais faria isso. Eu só quero protege-lo Hongbin.

-Protege-lo de mim? Que tipo de pessoa você pensa que eu sou? Eu já estou de saco cheio de você se achando o dono da verdade Hyuk. A porta é logo ali, não sei o que você está esperando pra sair.

Hyuk o encarou por um longo tempo antes de sair do laboratório e ir em direção a entrada da casa. Quando ia cruzar a porta da sala N segurou o seu braço e ele se virou abraçando o menor.

-O que aconteceu? Por que vocês estavam brigando?

- O Hongbin não quer mais que eu venha aqui.

-Por quê? –Perguntou preocupado se afastando e segurando os ombros de Hyuk pra encará-lo.

-Nós não estamos mais nos dando bem. –Pensou em falar tudo, mas isso deixaria Hongbin com ainda mais raiva e N ainda mais confuso. Suspirou. -Deixamos de ser amigos e por isso eu não vou mais poder te ver.

-Mas mesmo que vocês não sejam mais amigos eu ainda quero te ver. Ele não pode decidir por mim.

-Então diga isso a ele. Diga a ele o que você sente N. –Falou acariciando de leve o rosto do androide. -Aliás você sempre deve fazer isso, falar sobre o que você sente. Isso evita muitos problemas.

-Isso é culpa minha? É por causa do que eu te falei no jardim?

-Não é culpa sua. A culpa é minha e do Hongbin por agirmos feito idiotas. Eu sinto muito, mas eu tenho que ir.

-Não, Hyuk.

O menor o abraçou mais forte e o médico o segurou por longos segundos antes de afastá-lo. Viu que Hongbin os observava de longe.

-Adeus N. Se cuida. –Beijou a testa do androide e foi embora.

N saiu até o quintal e observou o carro do médico se afastar até sumir de vista. Quando entrou deu de cara com Hongbin.

O menor se sentou no sofá e Hongbin sentou ao seu lado.

-Por que você falou pro Hyuk não vir mais aqui?

-Nós discutimos e pra evitar novas brigas é melhor ele se manter longe.

-Mas não é justo você afastá-lo de mim também. Eu não briguei com ele e ainda quero vê-lo.

-Desculpe N, mas eu não quero ele perto de você também por enquanto.

-Por que você está sendo tão mau comigo? O que foi que eu fiz de errado?

-Eu não estou fazendo isso pra te punir. O que aconteceu foi entre ele e eu.

-É mentira. Você tem me tratado diferente nos últimos dias também. Por que você tem que ser tão complicado? Por que você não me explica as coisas claramente? Eu não sou idiota, sei que tem algo de errado acontecendo.

-Eu só me afastei por conta do trabalho N. Agora estou de cabeça quente. Podemos conversar mais tarde?

-Não. Você sempre quer mandar em tudo o que eu faço, mas nunca liga pra minha opinião.

-Não é verdade N. Eu me preocupo muito com você e quero o seu bem e nem sempre o que você quer é o melhor pra você.

-Eu entendo quando você me diz que eu não posso sair, mas você não pode me proibir de ver o Hyuk. Se não me deixar mais vê-lo também não vou falar mais com você.

-N você está se comportando igual a uma criança mimada.

-A culpa disso é sua.

O androide saiu e se trancou no próprio quarto. Hongbin suspirou olhando pro teto. Se permitisse que Hyuk continuasse o visitando certamente o médico ia encher a cabeça de N pra que androide o rejeitasse e ainda ia querer controlar cada deslize seu. Já era difícil o suficiente a culpa que sentia e ter Hyuk lhe acusando a cada passo seria insuportável.

Mesmo que explicasse tudo isso a N talvez ele pensasse que estava apenas querendo culpar Hyuk afinal o androide gostava muito do médico e não ia aceitar facilmente esse afastamento.

-Por que tudo tem que ser tão complicado? –Perguntou para o teto.

 


Notas Finais


Por favor comentem esse capítulo por que estou mesmo insegura com ele. Podem comentar críticas também, mas não me deixem no escuro.

Vou tentar atualizar mais rápido daqui pra frente.
Muito obrigada por ler e vejo vcs na próxima.
Bjs. <3 <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...