História Resgate ao Meu Homem - Kaisoo - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Jongin!cabeçudo, Jongin!najinha, Jongineseusex, Kaisoo, Sookai
Visualizações 194
Palavras 963
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoal! Como vão?
Hoje eu acordei radiante, pois estou trazendo atualização dupla para quase todas as minhas fanfics. ^-^

Espero que gostem!
Desculpem os erros.
Boa Leitura ❤

Capítulo 3 - Capítulo 03


– Certo, vamos lá, é só respirar, Jongin.


Eu falava comigo mesmo, enquanto encarava a porta do quarto onde o Kyungsoo estava, decidindo se queria ou não encarar aqueles olhos destruidores de corações.


Claro, estava com medo também, pois não sabia se ele ainda estaria gritando. Sem contar que o meu nariz implorava para que eu ficasse longe daquele ser malígno e gostoso, mas eu estava preocupado e havia preparada uma sopinha para ele, apenas para que eu pudesse dá-lo de comer. É, eu tenho muitos fetiches enfiando algumas coisas na boca do Kyungsoo, mas por enquanto irei me contentar com a colher mesmo.


Levei uma das mãos até a maçaneta e a girei, suspirando aliviado ao não escutar sua voz ameaçadora, mas me sentindo temeroso ao ver que tudo estava escuro e sombrio. Calafrios percorreram pela minha espinha e eu já tremia mais que vara verde.


Puta merda! Um filme de terror desses, bicho... Melhor qualidade.


Acho que era só a minha mente me pregando peças, pois foi só poder avistar a figura do Kyungsoo deitado na cama, que tudo se iluminou. É, o meu anjinho do mal.


– Jongin… – ele me olhou de imediato e parecia estar esgotado, algo que fez o meu coração se apertar, mas ainda assim não querer soltá-lo.


– S-Soo, eu trouxe comida para você.


– Eu não quero nada de você. – ouvir suas palavras foi como levar um soco na cara, onde meu nariz nem dói, pois eu já estava sem ele. Intenso.


– Por favor, você não pode apenas me deixar cuidar de você? Eu só preciso te dizer uma coisa. Depois de me ouvir, eu irei lhe deixar ir, se for isso o que você realmente quer. – eu não iria deixá-lo ir de verdade, mas acho que um voto de confiança seria muito bem-vindo no momento.


Kyungsoo desviou o olhar do meu e abaixou a cabeça, se encolhendo minimamente e me deixando ansioso por sua resposta.


– Você… Você não sabe cozinhar, Jongin. É perigoso comer a sua comida. – suspirei aliviado ao sentir um tom divertido em sua voz e aquilo fora o passe livre que eu precisava para me aproximar mais.


Me sentei ao seu lado e ajeitei a bandeja de comida em meu colo, olhando para ele de soslaio e o vendo me olhar da mesma forma. Peguei a colher e a suspendi no ar, querendo rir da minha própria vergonha alheia, mas sendo pego de surpresa ao ter o menor fazendo isso por mim.


– Vamos, abra a boca! – levei a colher até seus lábios e o mesmo começou a brincar, virando o rosto para o lado oposto, como uma verdadeira criança pirracenta. – Kyungsoo…


– Jongin…


– Vamos, coma, eu juro que não está ruim. Eu fiz tudo direitinho. – tentei insistir e tive êxito em minha missão.


Kyungsoo, lentamente, se voltou para mim e me deixou dar comida à ele. Eu ficava esperando que ele reclamasse ou cuspisse em minha cara, mas nada disso aconteceu. E, apesar de querer ficar duro, eu não tive pensamentos impuros ao que enfiava a colher em sua boca. Não tinha nem como. Meu pequeno ficava muito fofo me deixando cuidar dele.


– Viu só? Você comeu tudo e ninguém morreu. Temos um avanço aqui, não é mesmo? – brinquei ao terminar de alimentá-lo e deixei a bandeja de lado, antes de me voltar para ele novamente. – Você é lindo. – deixei escapar e arregalei os olhos ao perceber o que tinha dito.


– P-Pare de dizer essas coisas. – Kyungsoo ficou envergonhado e eu gostei de vê-lo naquele estado. O mesmo abaixou a cabeça novamente, respirando de forma audível e pesada, aparentando estar nervoso.


Essa era a hora.


– Soo, você sabe que eu tenho sentimentos por você, não sabe? – o perguntei gentilmente e ele concordou. – Então, eu… – cara, isso está muito ruim. Eu não faço ideia do que dizer. – Eu… – caderninho! Isso, o meu caderninho. Vou escrever o que eu quero dizer à ele. Que ideia genial. – Eu já volto.


Me levantei e saí correndo do quarto, não o dando tempo de dizer nada. Corri para a cozinha e me sentei em uma das cadeiras, me assustando lindamente ao escutar um celular tocando. Fui em direção ao som e vi que era o celular do Kyungsoo. Quase que o jogo na parede, assim que vi o nome “Amor” brilhando na tela. Mas, ao invés disso, pensei em algo muito melhor.


Peguei o celular e ensaiei uma doce voz de menininha, antes de atender e escutar a voz de taquara rachada da vaca da noiva do meu homem.


– Kyungsoo? Amor, aonde você está? 


Me segura, forças superiores, ou eu vou mandar essa mulher ir fazer uma visitinha aos parentes do Soo.


– Desculpa, aqui não é o Kyungsoo, mas, sim, a namorada dele. – levei uma das mãos até a boca, abafando uma risada ao escutá-la gritar um indignado “what”. – Yes, my friend bitch!


– Acho que deve haver um engano. Eu sou a noiva dele e nós iremos nos casar na semana que vem.


– Noiva do meu Kyungsoo? Desculpa. Não conhecemos essa doida aqui na Califórnia.


– O QUÊ? VOCÊS ESTÃO NA CALIFÓRNIA? EU NÃO ACREDITO QUE O KYUNGSOO FEZ ISSO COMIGO...


Ela começou a gritar do outro lado da linha e eu me vi sem tímpanos para poder escutá-la. Desliguei o telefone em sua cara e joguei ele pela janela. Depois eu dou um melhor para o meu principezinho.


Foi então que me lembrei da minha declaração. Peguei o caderninho em meu bolso e, de repente, apenas palavras já não pareciam ser o suficiente. Observei o que estava anotado e lá estava o segundo passo, me encarando de forma decidida e pesada.


3° passo: fazer a melhor declaração do mundo.


Eu com certeza irei fazê-la, mas primeiro irei esperar o Kyungsoo dormir novamente. Enquanto isso, acho que irei criar um fake no twitter e encher o saco da noivinha dele.


– Perturbar as ex mal amadas é vida.


Notas Finais


Gostaria de agradecer pelo carinho de vocês, pelos favoritos, comentários e visualizações, muito obrigada mesmo, estou muito feliz! ❤

Até mais ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...