História Ressentimento - Capítulo 106


Escrita por: ~

Postado
Categorias Henrique & Juliano
Personagens Henrique
Tags Henrique, Juliano
Visualizações 284
Palavras 1.832
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei, chegando.
Aguenta o coração, lovezinhooooos! 😍😍😍😍

Capítulo 106 - Cuida bem dela...


Fanfic / Fanfiction Ressentimento - Capítulo 106 - Cuida bem dela...

“Me espera na área da piscina”

Sorri negando, Henrique e suas gracinhas... Caminhei sem pressa alguma, quando coloquei os pés para fora de casa me deparei com o local todo iluminado, tudo estava decorado com flores rosa claro e branco, parecia até que foi combinado com a cor do vestido na qual eu estava... Vi Lola sentada no pequeno sofá com Juliano que mantinha um sorriso travesso nos lábios, mas eu estava ocupada demais observando a piscina que estava iluminada por velas na mesma colocação das flores. Sorri, eu não sabia o que pensar, Henrique estava aprontando e meu coração acelerava de ansiedade. Meus sogros chegaram logo atrás de mim e eu confesso que fiquei surpresa..

—Nossa, como você está diferente!

—Obrigada, eu acho!- falo abraçando tia Maria.

—Está linda, uma verdadeira boneca!- falou Tio Edson. —Agora eu entendo o desespero do meu filho!-Comentou ele sorrindo e me abraçou.

—Senti saudade de vocês!- falei os abraçando ao mesmo tempo e eles sorriram. —Vocês chegaram hoje?

—Não, estamos aqui desde ontem!- disse tia Maria.

—Henrique nem me avisou, se eu soubesse teria vindo!- falo e ela ri.

—Não se preocupe, faz parte!- brincou tio Edson e eu o olhei confusa.

—Amor...- olhei para trás e me deparei com Henrique segurando um buquê rosa, o olhei encantada, tive vontade de correr ao seu encontro mas antes que fizesse ele se aproximou. —Toma, é para você!

—São lindas!- falei. —O que está acontecendo?- pergunto confusa.

—Não me pergunte nada, apenas aproveite o momento!- falou ele sorrindo e eu assenti o beijando carinhosamente. —Não existe jantar, na verdade o jantar será aqui em casa mesmo?- disse ele me olhando, automaticamente olhei para Lola e Juliano que abriram um ainda maior...

—Vocês sabiam?- perguntei boquiaberta.

—Mas é claro, cunhadinha... A gente tinha que trazer você para cá!- Juliano disse se aproximando.

—Mas e o carro?- perguntei confusa.

—Tá em perfeitas condições!- falou Lola. —Fiquei com medo de você não vir com esse vestido...- disse ela e eu a encarei. —Que foi?

—Estava planejado você ter ido lá ontem também?- semicerrei os olhos..

—Claro! – gargalhou ela. —E eu sabia desde cedo que Henrique iria, mas eu queria deixar você nervosa!- ela gargalhou.

—Eu te mato, Lola!- falo enquanto caio na risada. —Só não faço isso porque ontem foi o dia mais feliz das minha vida, ou, um dos melhores...

—Espero que hoje seja ainda melhor!- Henrique disse beijando minha testa. —Vem comigo!- assenti e caminhei até a área tampada, que havia próxima á piscina, que estava também decorada com pétalas jogadas ao chão, Henrique me ajudou a chegar até lá sem que eu virasse o meu pé devido ao enorme salto que eu estava usando. Meus sogros e meus “cunhados” também nos seguiram. Eu estava encantada com tudo que eu via, desde as velas na piscina até o buquê que estava em minhas mãos.

—Aguenta o coração!- Lola disse mexendo a boca e eu a olhei confusa.

—Amor, eu preciso te dizer algumas coisas que eu venho sentindo desde que nos encontramos...- ele disse me fazendo ficar a sua frente, de costas para a casa. — Eu sei que eu poderia ter feito isso ontem na hora do show, ou até mesmo depois dele mas eu pensei que seria melhor se fosse algo mais íntimo...- meu coração se encheu de emoção, ele ia me pedir em namoro, as lágrimas já estava começando a se formar. —E para que seja algo íntimo, eu presumo que seja necessário estar ao lado das pessoas que a gente ama, certo?- assenti. —Aqui está meu irmão, minha cunhada e meus pais, eles serão testemunhas de cada palavra que eu disser aqui!- assenti olhando para meus sogros que estavam de mãos dadas, Juliano e Lola também. —Mas como eu disse, num momento como esse temos que estar ao lado das pessoas que a gente ama e eu sei que por mais que você ama todos que estão aqui, e eles amam você também, está faltando duas pessoas que são essenciais na sua vida. -ele disse e eu desabei nessa hora. —Ei, amor, não chora.

—Eu... Eu só estou com saudades!- falo enquanto ele limpa minhas lágrimas. —Eu sei que papai iria surtar se você fosse até ele, provavelmente iria querer te matar, mas, eu queria que ele soubesse que eu amo você. – falo enquanto Henrique me olhava com os olhos marejados. —Eu sei que a gente começou errado...

—Não fala assim, eu comecei errado, você sempre se doou ao máximo!- falou ele pegando minha mão e entregou o buquê á sua mãe que estava próxima.

—Mas isso não importa para mim, eu só queria que ele soubesse que por mais que eu tenha sofrido, foi você que me fez voltar a viver... Eu te amo tanto Henrique, mas tanto que eu seria capaz de sofrer tudo de novo se eu soubesse que depois de tudo você iria estar aqui na minha frente. Nessas últimas semanas eu estive mais feliz do que nos últimos sete meses, consigo sentir que esse sentimento que eu sinto é o mesmo que você sente, eu sei que você me ama, sei que dessa vez eu não estou enganada. Eu confio em você, amor...

—Eu queria ter matado ele no mesmo instante em que eu o vi conversando com minha esposa na cozinha...- nesse momento eu arregalei os olhos ainda não acreditando no que eu estava ouvindo, era a voz do meu pai. Henrique me olhou sorrindo e eu virei para ter a certeza de que ele realmente estava ali. —Mas, enquanto ele me dizia sobre você eu consegui enxergar a arrependimento em sua voz e eu soube desde sempre que isso iria acontecer, mesmo depois dele ter quebrado o coração dá minha única menininha, eu sabia que ele iria sofrer as consequências mas não seria eu o autor delas. Sabia que a vida iria cobrar tudo, no tempo certo, do jeito certo!- falou meio pai enquanto eu o olhava nos olhos. — Filha, eu sempre quis te proteger de tudo, não queria que você se machucasse, mas eu falhei, não porque não consegui mas sim por não acreditar que você um dia fosse embora. Você cresceu meu amor, você não é mais aquela menininha que acordava de madrugada e corria para o nosso quarto dizendo que teve pesadelo...- seus olhos estavam marejados. —Mas eu sei que vai continuar sendo minha princesa, minha filha!- o abracei apertado, chorei em seu ombro enquanto ele dizia a todo instante que ele estava feliz em me ver e que sentiu saudades, me pediu perdão por não ter vindo antes e disse que mesmo longe ele estava rezando por mim. Olhei para ao seu lado vendo minha mãe chorar, me soltei de meu pai e a abracei.

—Senti tanto a sua falta!- ela disse me apertando em seus braços. Todos nos observavam e eu tinha a certeza que estavam tão emocionados quanto eu. Meu pai nos abraçou e ficamos por alguns minutos assim, só sentindo o corpo um do outro, matando a saudade que estava me machucando.

—É...- Henrique se pronunciou e eu me soltei de meus pais, todos estavam com os olhos marejados. —Amor, agora que seus pais estão aqui, eu posso dizer tudo o que eu queria dizer!- assenti. Martinha nos observava com um sorriso nos lábios, e eu sorri para ela. —João, Cássia, quando eu fiz o convite para que vocês viessem eu pensei nela, ela sente a falta de vocês e como eu podia fazer isso eu não medi esforços para tentar. Eu fui até a casa de vocês...- nessa hora eu estava boquiaberta, jamais imaginei que ele fosse fazer isso. —Eu pedi perdão pelos meus erros e por ter magoado a filha de vocês. E como o senhor mesmo disse eu sofri ias consequências, graças a Deus a Milena tem um coração bom e me perdoou e eu sou grato á vocês por ter me dado mais uma chance também, eu estava pensando em oficializar a nossa união, então vi a oportunidade perfeita, liguei para os meus pais e pedi que eles viessem e rapidamente eles disseram que sim.

—Henrique...- sussurrei, ele iria mesmo me pedir em namoro.

—Sim amor, eu estive pensando nesse tempo em que estamos juntos e não consigo pensar numa coisa melhor em fazer do que oficializar o nosso amor!- disse ele se aproximando. —Pensei em fazer tantas coisas mas eu confesso que não sou muito bom em fazer coisas românticas, estou aprendendo com você a cada dia...- sorriu. —Eu combinei com o seu pai, conversei com ele e expus o que eu senti, pedi a permissão para namorar com você, e ele me permitiu. -as lágrimas caíam e eu não me esforcei em limpá-las.

—Cuida bem dela em?- disse meu pai e eu sorri.

—Pode deixar!- Henrique o olhou. —Eu mudei, Milena, mudei por você, mudei porque você me ensinou a ser um homem melhor, me ensinou o que é amar e ser amado... Me perdoou mesmo depois de tudo o que eu fiz e isso é um ato de amor, mais uma vez você me surpreendeu e eu sou grato por ter te conhecido. A gente pode não ter começado do jeito certo, mas eu quero terminar isso do jeito certo...- meu coração estava acelerado e eu não sabia o que dizer. —Deixei de lado a minha vida de balada, não abandonei a bebida e nem o cigarro, mas quem sabe...- disse ele me fazendo rir. —Larguei todas, todas as mulheres que já passaram por minha vida e até mesmo as que iriam passar, mas isso não me importa, pois você é a única que eu tenho necessidade de estar por perto, a única por quem eu mudaria dá água para o vinho, os planos que eu nunca pensei em fazer eu estou fazendo. E como prova de todo o meu amor por você eu estou aqui, na frente da minha e da sua família, eu tenho certeza de que hoje será um dia importante na nossa vida, um passo que estamos dando, eu não precisei pensar para ter a certeza de que é você que eu quero até os últimos dias da minha vida. Todos aqui estão esperando por um pedido de namoro, mas, para mim isso ainda é pouco perto do que eu quero viver com você..

—Cara, você...- Juliano estava com os olhos arregalados.

—Eu quero construir uma família com você, ter filhos, cachorro... Quero acordar ao seus lados todos os dias, quando eu voltar dos shows quero correr para seus braços. Eu quero fazer todas aquelas coisas clichês de casais românticos que você tanto ama...- ele se ajoelhou á minha frente e pegou uma caixinha de veludo na cor vermelha. — Eu topo qualquer coisa se você topar ser minha até o último dia de nossas vidas! Milena, você aceita se casar comigo?- nessa hora eu senti minhas vistas embaçarem, minhas pernas bambearem, minha cabeça rodou e eu senti minha visão ficando turva e nessa hora tudo ficou escuro.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...