1. Spirit Fanfics >
  2. Retour vers le passé - Gadizaski >
  3. Leãozinho

História Retour vers le passé - Gadizaski - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura! 🌻

Capítulo 11 - Leãozinho


Fanfic / Fanfiction Retour vers le passé - Gadizaski - Capítulo 11 - Leãozinho

Bruno, Heslaine, Gabriela, Vinicius, Manoela e Giovanna se encaram. 

– Amnésia temporária, é isso. - Bruno responde rapidamente a olhando e as irmãs de Bruno o encaram. 

– Eu sabia! Você estava muito estranho hoje de manhã. Eu falei pra você descansar um pouco do trabalho mas não me escuta! - Daphne o encarando. 

– Desculpa. - Bruno a olhando. 

– Papai levou bonca. - Beto rindo. 

– O que fazem aqui? Pensei que iriam sair. - Heslaine pergunta encarando Daphne e o Hall.

– Eu fiquei preocupada com você. Hall disse que tava passando mal. - Daphne olhando pra tecnóloga.

– Eu não acordei muito bem hoje. - Heslaine mente a olhando.

– O que ele tá fazendo aqui? - Hall pergunta de encarando Vinicius.

– Tentando fazer a última oferta pra eles venderam esse instituto? - Vinicius pergunta mentindo e levanta uma das sombrancelhas.

– Já dissemos que não vamos vender. - Gabriela o encara.

– Pois deviam, vocês não tem futuro. - Giovanna os encarando. 

– É o melhor que deveriam fazer, isso daqui tá virando uma espelunca. - Manoela os encara.

– Vocês vinheram aqui só pra irrita-lós? Cresçam! - Daphne pergunta encarando os três.

– Eles já estão de saída. Bruno, vai pra casa. Vamos resolver essa amnésia temporária o mais rápido possível ok? - Heslaine pergunta o encarando.

– Mas…- Bruno é interrompido.

– Daphne está certa, você tem passado muito tempo no trabalho. Aproveita um tempo com a família, cuidaremos disso. - Gabriela o encara e Bruno afirma com a cabeça.

– Dia com o papai! - Beto sorri animada, corre até ele e pula no colo do cientista. 

– Vamos então? - Bruno pergunta o olhando e encarando Daphne que sorri afirmando com a cabeça.

– Qualquer coisa que acharmos pra melhorar, te avisaremos. - Heslaine o olha e Bruno afirma com a cabeça saindo em seguida com o filho e a Daphne do instituto.

Hall encara Heslaine, Vinicius, Gabriela, Manoela e Giovanna. 

– Posso saber o que está acontecendo? - Hall pergunta os encarando. 

– Mamãe, mamãe! - Maitê a chama pedindo colo. 

Heslaine se aproxima pegando a filha no colo e encarando o cientista a sua frente.

– Melhor você se sentar. - Heslaine o encara. 

– Tô muito bem em pé. - Hall a encarando. 

– Gabi, leva a Maitê na cafeteria? Por favor? - Heslaine pergunta olhando pra bio-engenheira.

– Eu levo. - Giovanna se aproxima e pega a menina no colo. 

– Sério? - Heslaine pergunta surpresa. 

– Depois vocês me contam o que vamos fazer. - Giovanna a olha ajeitando a Maitê no colo, a menina estava quieta observando os adultos. 

– Obedeça a Giovanna. - Heslaine encara a filha que afirma com a cabeça. 

– Tchau papai e tchau papai Vinicius - Maitê olhando pro Hall e Vinicius que se olham e sorriem em seguida pra pequena. 

– Vamos comer bolo! - Giovanna sorri olhando pra Maitê e sai do instituto em seguida com ela. 

Heslaine, Gabriela, Manoela e Vinicius encaram Hall que continuava de braços cruzados.

– Bruno alterou a linha do tempo. Fazendo com que o ano que estamos, não seja o ano certo. - Heslaine encara o cientista a sua frente que ri.

– Ela contou alguma piada por acaso? - Manoela pergunta o encarando.

– Vocês estão de parabéns pela piada. - Hall os encarando. 

– Não é piada. Ainda estamos racionando tudo. Mas de acordo com os flashbacks que estávamos tendo e o que Bruno contou. Faz o total sentido. Ele voltou ao passado, em 2020 no ano certo dele, pra resolver um erro que cometeu com a Daphne. Com a máquina do tempo e a ajuda do Vinicius. Ele ainda tava planejando o que iria fazer, quando um clarão e um apagão, fez a linha do tempo alterar, fazendo o ano que estamos mudar. O nosso ano de 2025 não é o nosso, o dele que era, mas tudo mudou e agora precisamos de toda a ajuda que for possível pra tudo voltar a ser como era antes. - Heslaine explica o encarando.

– Mas tinha que ter você no meio, né? - Hall pergunta encarando Vinicius.

– Supera que a Maitê é a minha filha e não a sua. - Vinicius o encara e Hall se aproxima partindo pra cima dele. 

– QUEREM PARAR? - Manoela pergunta gritando e puxa o Hall pra longe. 

– Estamos com um problema e vão brigar? - Gabriela pergunta os encarando. 

– Ele tá provocando! - Hall encara Vinicius se soltando. 

– Você que começou. - Vinicius o encara.

– Já chega vocês dois! Nada do que vivemos é real e dói saber que a Maitê também não é. Não sei o que o Bruno fez mas precisamos resolver isso. Vinicius, alguns desses flashbacks mostrava algo da máquina do tempo do passado dele? - Heslaine pergunta o encarando e o hacker e empresário nega com a cabeça. 

– Isso vai demorar mais do que eu podeira imaginar. - Gabriela respirando fundo.

– Hall, você estudou as alterações da linha do tempo. O que sabe sobre elas? - Heslaine pergunta o encarando. 

– Que é difícil alterar novamente, voltando como estava. - Hall a encarando.

– Não foi isso que ela perguntou. Queremos resoluções, não complicações. - Manoela o encara e Hall revira os olhos. 

– Preciso fazer algumas pesquisas antes e tentar racionar o que acabei de ouvir. - Hall os encara.

– Te dou duas horas. Gabriela, Manoela e Vinicius vamos até a sala onde está a máquina e eu acho bom você lembrar de algo. - Heslaine olha pro Hall e encara Vinicius em seguida.

– Você quer que eu lembre de algo que eu não sei o que é? - Vinicius pergunta a encarando.

– Sim. - Heslaine o encara e sai da sala central em seguida da Gabriela e Manoela que a seguem.

Hall encara Vinicius que as olhavam ir. 

– Isso tudo é culpa sua! - Hall o encarando.

– Faz a tua pesquisa e me deixa em paz. - Vinicius o encara e sai da sala central, indo pra onde a máquina estava. 

Assim que o Cientista, a Médica e o filho entraram em casa, Bruno caminhou até o sofá e se sentou respirando fundo.

– Papai? Vai ficar bem? - Beto pergunta se aproximando dele. 

– Você é tão lindo e parecido com sua mãe. - Bruno o olha fazendo carinho no rosto dele. 

– Ele é parecido com você também. Você vai ficar bem, amor? Não quer descansar? - Daphne pergunta se aproximando dos dois e se sentando ao lado do marido no sofá.  

– Vou ficar bem sim e não quero descansar. Quero ficar aqui com vocês. - Bruno os olhando.

– Papai, toca! - Beto o olha sorrindo. 

– Gosto de te ouvir tocar. - Daphne o olhando.

– Pega meu violão, fazendo favor? - Bruno pergunta e Daphne afirma com a cabeça, se levantando e indo pro quarto. 

Beto olha a mãe ir e encara o pai. 

– Te amo, papai! Amo muitão! - Beto sorri correndo para os braços do pai e o abraçando forte. 

Bruno se surpreende, fecha os olhos e aperta o filho respirando fundo.

– Eu te amo mais do que você possa imaginar. - Bruno sussurra o abraçando. 

– Faz o que é ceto então. - Beto sussurro e Bruno se afasta o encarando.

– O que você quis dizer com isso? - Bruno pergunta estranhando. 

– Que as minhas tias e titios, vão ter um gande tabalho pela fente. - Beto o encarando. 

A médica volta pra sala com o violão nas mãos e entrega pro marido que pega em seguida.

– Tá tudo bem? - Daphne pergunta o olhando e se senta ao lado dele novamente.

– Está. Você já testou a inteligência desse garoto, amor? - Bruno pergunta encarando Beto que ri se sentando no chão. 

– O que ele falou desta vez? - Daphne pergunta olhando pro filho. 

– Não, nada demais. Ele é bem inteligente. - Bruno encarando o filho que o olhava.

– Canta Leãozinho, papai? - Beto pergunta sorrindo e Bruno afirma com a cabeça.

Daphne sorri e estende os braços pro filho que se levanta correndo até ela. A médica ajeita o pequeno, colocando ele deitado entre as pernas delas enquanto ela se deitava no sofá. Bruno os olha sorrindo, respira fundo, ajeita o violão e logo fecha os olhos.

Gosto muito de te ver, leãozinho caminhando sob o sol. Gosto muito de você, leãozinho, para desentristecer, leãozinho. O meu coração tão só, basta eu encontrar você no caminho…- Bruno começava a cantar e tocar. 

Beto e Daphne sorriem e resolvem acompanhar o pai e marido na canção.

Um filhote de leão, raio da manhã. Arrastando o meu olhar como um ímã, o meu coração é o sol pai de toda a cor. Quando ele lhe doura a pele ao léu. Gosto de te ver ao sol, leãozinho, de te ver entrar no mar, tua pele, tua luz, tua juba…- Bruno cantando e tocando. 

Daphne e Beto fecha os olhos se aconchegando no abraço um do outro. Bruno os olha sorrindo e lágrimas surgem.

Gosto de ficar ao sol, leãozinho. De molhar minha juba, de estar perto de você e entrar numa. Gosto muito de te ver, leãozinho. Caminhando sob o sol, gosto muito de você, leãozinho…- Bruno termina de cantar e tocar, ele deixa o violão encostado na parede. 

Ele sente o celular vibrar, pega, olha a mensagem da irmã, digita e olha pro Beto que ainda estava de olhos fechados. Ele digita novamente e rapidamente e logo volta com o celular no bolso. A médica e o filho abre os olhos sorrindo. 

– Gosto de te ouvir cantar. - Daphne sorri o olhando. 

– Eu também papai. - Beto sorri o olhando. 

Bruno sorri e os olhando. 

– Deitem aqui. - Bruno se ajeita no sofá e deita. 

Daphne e Beto se levanta e logo trocam de lugar ficando, a médica entre as pernas do marido e o filho entre as pernas da mãe. Os três juntos. Bruno sorri fazendo cafuné na esposa, enquanto ela começava a fazer o mesmo com o Beto que fecha os olhos sorrindo. 

– Eu amo vocês. - Bruno sussurra fechando os olhos e fazendo cafuné na médica. 

– Nós também te amamos. - Daphne e Beto ao mesmo tempo com os olhos fechados. 

Institute of Technology Gadivedovski, 2025.

– Nós temos dois problemas. - Heslaine guarda o celular encarando os três a sua frente. 

– Mais? - Manoela pergunta a encarando.

– Qual é? - Gabriela pergunta. 

– Bruno disse que Vinicius da época dele, tinha dado um dispositivo que era só o mesmo apertar e voltaria pra 2025, já que ele foi pra 2020 e que o Vinicius tinha outro, que caso o Bruno não voltasse, ele apertaria o botão. Só que o Bruno não tá com o dispositivo mais, por causa da merda dessa alteração. Agora eu pergunto, você tem um com você? - Heslaine pergunta encarando Vinicius.

– Se eu não sei do que se trata, como eu teria ele comigo? - Vinicius pergunta o encarando.

– E qual era o outro problema? - Gabriela pergunta a encarando. 

– Vocês vão achar que o Bruno enlouqueceu ainda mais mas ele acha que o Beto sabe sobre a linha do tempo. Ele disse que o nosso sobrinho falou que ele tem que resolver o que ele fez e que isso vai dar trabalho pra todo mundo e depois mudou completamente de assunto. - Heslaine explica. 

– Isso já é loucura demais. - Manoela a olhando. 

– Por incrível que pareça não é. - Hall entrando na sala. 

– O que disse? - Gabriela pergunta o encarando. 

– Qual foi o erro que o Bruno cometeu mesmo? - Hall pergunta com papéis na mão. 

– Causou um acidente junto com a Daphne e o Beto ainda na barriga, porque ele surtou quando descobriu que iria ser pai e ele não queria isso. - Heslaine educa o encarando.

– Certo. A linha do tempo foi alterada no ano que ele disse que estava com ela na praia, assim que a mesma disse que estava grávida. E como ele não surtou, porque provavelmente não queria que nada desse errado desta vez, a linha do tempo foi alterada e fez nós que estávamos na vida dele lá, mudar junto. Os flashbacks que vocês todos estavam tendo, são reais. As imagens que vinham era do passado com o Bruno, o passado e presente que já vivenciaram juntos. - Hall explica os encarando. 

– Ok, isso faz sentido. Mas o que o filho do Bruno tem a ver com isso? - Vinicius pergunta cruzando os braços.

– Parte do Beto é a linha do tempo. O subconsciente dele é, e a outra parte é totalmente humana. O que concluo que ele é a chave pra tudo voltar a como era antes mas ainda não sei como. - Hall explica. 

– Espera, vamos com calma que eu tô começando a achar que fiquei louca de vez. Você tá querendo me dizer que o meu sobrinho, pode fazer tudo isso se resolver por ele ter sido a causa do Bruno ter surtado na época dele, quando soube que iria ser pai e causar o acidente? - Gabriela pergunta assustada. 

– Exatamente. - Hall a encarando.

– O dispositivo pode ajudar de alguma forma ou não? - Manoela pergunta o encarando.

– Seja lá qual for, pode ser uma peça importante disso tudo. - Hall os encarando.

– Vinicius? - Manoela o chama.

– Eu não sei o que ele faz, ok? Mas vou dar um jeito de descobrir e pesquisar sobre. - Vinicius os encarando.

– O mais rápido possível, precisamos resolver isso. - Heslaine o encara.

– A Maitê já voltou? - Hall pergunta e Heslaine nega com a cabeça. 

– Se isso realmente não é real, se não estamos no nosso ano, ela também não é. - Heslaine respirando fundo. 

– Ele sempre vai ser real. - Vinicius a encarando.

– Não quero perder minha menininha. - Heslaine sai da sala chorando. 

– HESLAINE! - Hall a grita e anda rapidamente atrás dela mas Vinicius a impede.

– Isso é um assunto nosso, eu vou. - Vinicius o encara.

– Eu sou o marido dela. - Hall se solta o encarando. 

– E eu sou o pai da Maitê. Tenho mais direito do que você. - Vinicius o encarando.

– VOCÊ NEM QUIS SABER MAITÊ POR TRÊS ANOS, AGORA QUER SE ACHAR O PAIZÃO? - Hall pergunta gritando.

– EU ERREI MAS ISSO NÃO SIGNIFICA QUE EU NÃO A AME, COMO A MÃE DELA. - Vinicius grita o encarando e Gabriela mais Manoela se encaram arregalando os olhos.

– O que você disse? - Hall pergunta o encarando.

– Eu ainda amo a Heslaine, você querendo ou não. Não vai me impedir de ver como ela está, por causa DA MINHA FILHA! - Vinicius grita o encarando e sai da sala correndo em direção da Heslaine. 

Manoela e Gabriela se aproximam do cientista puxando ele novamente pra dentro da sala. 

– Deixa eles e vamos tentar resolver parte dessa loucura que o meu irmão nos meteu. - Gabriela o encarando.

– O que? NÃO! EU VOU LÁ! - Hall grita a encarando. 

– VOCÊ NÃO VAI! Cala a porra dessa boca de uma vez, que eu nunca gostei de você. Provavelmente nem no ano que era pra estarmos. Agora sossega e ajuda a gente a resolver isso, enquanto eles conversam! - Manoela o encara e Gabriela segura o riso fazendo o cientista revirar os olhos. 

 A tecnóloga para e se encosta na parede fechando os olhos ainda chorando. 

– Hes…- Vinicius sussurra ofegante e se aproxima dela.

– A Maitê, Vinicius. A nossa menininha. - Heslaine chorando. 

Vinicius se aproxima mais e puxa a tecnóloga pra perto e envolve ela num abraço apertado. 

– Me perdoa por não ter procurado ela nesses últimos três anos. Eu não sabia como ser pai, lidar com isso e você não queria mais saber de mim, me afastou dela. - Vinicius sussurrando.

– Você a rejeitou, Vinicius! E tudo isso nem é real. E nunca vai ser. Vamos perder a Maitê e provavelmente nem iremos lembrar que ela existiu. - Heslaine sussurra chorando. 

– Nós vamos. Ela sempre vai estar aqui. - Vinicius sussurra apontando pro coração dela. 

– Vini…- Heslaine sussurra levantando a cabeça e encarando os olhos verdes do hacker. 

– O que eu disse, por mais que seja louco é verdade. Eu ainda te amo. Talvez no nosso ano que esse sim é o certo, eu também te amava. Mas fui burro de ter deixado você ir pra Londres sem mim e ter acabado com o nosso noivado por achar que era o certo, como o Bruno mesmo contou. Tudo isso é maluco! Porque nunca imaginei sendo amigo dele, tendo contato com todos vocês, essa coisa de linha do tempo é uma porra! Não sei o que vai acontecer, Heslaine. Mas quero que saiba que não importa o ano, dia e mês que estaremos quando tudo isso voltar ao normal, você sempre vai ser a pessoa que eu consegui me apaixonar por um único olhar. - Vinicius sussurra a encarando. 

– Vinicius…- Heslaine sussurra o encarando. 

– Você e a Maitê são as pessoas mais importantes da minha vida. - Vinicius sussurra e a tecnóloga em um impulso, envolve os braços no pescoço dele o trazendo pra mais perto e o beija com vontade sendo correspondida. 


Notas Finais


Até o próximo capítulo! :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...