História Revenge - Imagine Haechan - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Haechan, Jaehyun, Jaemin, Johnny, Lucas, Mark, Personagens Originais, Taeil, Taeyong, Winwin, Yuta
Tags Aventura, Drama, Imagine, Romance, Violencia
Visualizações 381
Palavras 1.721
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura, Cherries. <3

Capítulo 10 - Capítulo 10 - Final


Fanfic / Fanfiction Revenge - Imagine Haechan - Capítulo 10 - Capítulo 10 - Final

— Arriscado, mas um ótimo plano.

Comentava Ten guardando todo os equipamentos na mochila, sorrindo eufórico por antes ter duvidavo das habilidades da amiga.

— Eu nunca jogo para perder.

Após responder encerrando aquela conversa, os dois subiram na moto rumo as coordenadas enviadas por Doyoung indicando onde estaria Haechan após ter sido levado horas atrás, não era um esconderijo de sete cabeças, apenas se tratava de um imóvel abandonado que segundo Doyoung, teria sido para onde a mulher levou o corpo do seu outro filho, mantendo-o de volta dentro de um quarto congelado onde o escondeu por anos. Sendo no caso, a casa onde ela morou durante toda sua vida até o dia da separação dos gêmeos.

Descendo uma rua antes do imóvel, S/N não mediu esforços ao resolver ir diretamente entrando no local mantendo a arma nas mãos, segurando firme para um tiro certeiro. Pelo visto da analisada que Doyoung repassou a eles, não tinha mesmo seguranças ou capangas por perto, apenas uma imensa casa completamente empoeirada e vazia.

— Avista algo ? — Perguntou a Ten, ele que fazia a busca do lado de fora do imóvel.

Não! Tudo calmo aqui.

Então, ela continuou seus passos subindo uma escada da parte da cozinha, essa levando ao sótão, onde encontrou uma porta metálica e fria, sentindo todo seu corpo arrepiar quando segurou a maçaneta girando lentamente abrindo a porta. Novamente, sequer algum obstáculo impedindo-a de fazer aquilo, porém, quando entrou naquele cômodo um pouco frio por causa do pequeno quarto situado dentro dele, encontrou Haechan acordado mais do que nunca, apontando o bisturi para a própria mãe enquanto a pressionava contra a janela imensa de frio.

— Por que matar a mim, quando poderíamos ser mãe e filho ? — De todas as formas, ele hesitava em machucar ela.

— Porque eu nunca gostei da criança medrosa e frouxa que você era, não merece o coração do meu único filho. — Com repugnância nas palavras e expressões, cuspiu no rosto do garoto fazendo abaixar o mesmo rindo decepcionado e desacreditado.

Sim, ele poderia ter deixado a seguir aquele plano em remover sozinha o coração dele, não importava que situação ficaria o órgão, sua vontade era apenas de devolver ao verdadeiro dono, não importava a morte de Haechan ou a dela depois ciente de que sua heroína iria atrás, como neste momento, observando S/N caminhar em direção a eles estendendo a arma para o rapaz que ao olhar a mesma, negou com a cabeça por não ser capaz de matar uma pessoa, sendo sua mãe ou não.

— Essa mulher não é sua mãe. Essa vingança não é minha.

Relatou S/N friamente, lembrando a ele que uma mãe de verdade busca cuidar do filho e não tirar sua vida, lembrando a morte do seu pai causado por ela a sangue frio.

— Sendo assim, não seja filho dela. — Disse a garota por fim, sorrindo mínimo quando ele pegou a arma de sua mão e afastou-se junto a ela da mulher.

— Criou coragem de repente ? — Gargalhou ela debochada, vendo a expressão de Haechan mudar para alguém determinado.

Segurando firmemente a arma mesmo sentindo seu dedo hesitar em apertar o gatilho, buscava sempre manter seus olhos presos aos dela querendo passar aquela adrenalina de que, seu fim estava chegando partindo dele mesmo, do filho renegado.

— Olho por olho, sangue por sangue.

Disse as palavras relembrando a ela o sangue de família o qual ela derramou primeiro, sendo o do pai dele que tanto buscou proteger e cuidar diferente dela sendo a única querer destruir e matar, ao invés de conseguir se consolar junto a eles a morte do gêmeo. Entanto, seria ele o último a derramar o sangue desta família, atirando no coração de sua mãe que nem mesmo no último suspiro, se arrependeu.

— No inferno eu te mato, criança.

Haechan poderia ter se mantido firme, porém, desabou em lágrimas após largar aquela arma, S/N lhe abraçou no mesmo instante tentando confortar seu pobre coração.

— Estou aqui contigo.

— Sim, mas agora o pesadelo acabou. Logo você vai partir, será heroína de outra pessoa. — Comentou ele triste mais ainda por isso, por estar perdendo a partir de agora a única pessoa que lhe restou.

(...)

Dia após, veio a notícia aos jornais que a presidente havia sido morta por máfias perigosas, as quais ela estava envolvida, como comprovando seu estado mental de saúde. Manter o corpo do filho congelado por anos a base de medicações proibidas traficadas por máfias, constatou o quão doente ela se encontrava devendo em si uma quantia absurda a essas pessoas culpadas por sua morte. Portanto, nada pegou para o lado das pessoas verdadeiras por trás disso, a identidade de S/N ainda continua em segredo como a de Haechan também, ninguém soube então que ele era a outro filho dela, o corpo do seu irmão foi enterrado como deveria ter sido anos atrás e ele não deixava de ir visitar seu túmulo um dia que fosse.

Enquanto Ten, retornou ao seu cantinho onde a ladra sempre poderá o encontrar quando estiver em missões. Doyoung voltou para sua casa, após ter se despedido de S/N da forma correta, diferente da vez de quando eram namorados e terminaram.

No momento, ela arrumava a mochila de armas para a nova jornada recebida, onde terá que se infiltrar em uma máfia da China e salvar a filha de outro mafioso.

— Eu nunca mais quero passar por aquilo. Agora detesto os filmes de ação. — Relatava Jaemin sua experiência, terminando de arrumar sua mochila para irem embora daquela aula.

— Não se preocupe, agora tudo acabou.

Sim, depois de todo o acontecimento Haechan resolveu voltar para a faculdade de dança, essa a qual mal tinha iniciado e sumiu sem mais nem menos, deixando seus amigos preocupados.

— Pensando bem, a parte boa de tudo isso foi aquela garota salvando a mim. Nossa! Muito gata! — Não controlando sua boca, sentiu apenas o impacto do seu corpo contra a parede após Haechan ter o pego pelo colarinho da camisa. — Quando aprendeu isso ?

— Não sei, mas não fale assim de S/N perto de mim.

Soltando seu amigo após ele assentir com a cabeça ao mesmo tempo que sorria, entendendo os motivos desse drama todo tratando-se apenas do seu lado ciumento.

— Ei, Haechan! Iremos arrastar você para aquela boate hoje a noite, comemorar seu regresso a faculdade. — Taeyong e os demais rapazes, surgiram comemorando o retorno do amigo, não demorou muito para o mesmo largar Jaemin escutando ele tossir.

— Não sei, estou sem animação ultimamente.

Respondeu passando por seus amigos, parando quando Johnny entrou na sua frente fazendo negação com a cabeça, dando a entender de que ele iria sim mesmo sendo amarrado. Se vendo sem saída não querendo mesmo passar outra noite sozinho no quartinho alugado, aceitou a proposta dos amigos.

Porém, ao estar saindo do edifício da faculdade, encontrou uma movimentação estranha avistando muitas pessoas cercando algo, questão de segundos foram para um sorriso surgir nos lábios de Haechan, seu apressar nos passos foram rápidos querendo ter certeza do que se tratava, ficando triste após notar não ser nada menos que Yuta em sua moto nova se exibindo a todos.

— Lógico que, ela largou-me como todos.

Na mesma noite, encontrou-se com seus amigos na boate vivenciando cenas exatamentes iguais da noite que após sair da boate voltando para sua casa, encontrou a babá e o pai morto, pesadelo onde tentaram matar ele sendo salvo por S/N. Outro sorriso surgiu em seus lábios, as lembranças de tudo que viveu ao lado dela, sendo os melhores ou os piores, não importava.

Com toda a coragem do mundo, entrou na boate acenando para Taeyong e os outros, ficando feliz ao encontrar Doyoung junto a eles, afinal, eram conhecidos antes de toda a situação.

— Sumiu, garoto.

— Estudando, sabe ? Focar em algo, vida que recomeça. — Respondeu Haechan, servindo-se de um drinque no bar.

— Sim, estou até pensando em voltar para a faculdade.

— É uma ótima decisão, mano.

— Pois é. Então… — Respirou fundo, antes de prosseguir com o próximo assunto. — S/N embarcou hoje para outra missão, agora é na China e…

— Não querendo ser chato, mas já sendo. Não quero saber dela, hoje apenas encher a cara como qualquer idiota da minha idade. — Ditou duramente, secando a garrafa de soju.

Haechan ficou chateado com S/N, havia pedido ela em namoro propondo a desistir da vida arriscado e viver uma tranquila ao lado dele, como um jovem casal recém casados trabalhando juntos e estudando, afinal, a garota entrou cedo demais nessa vida perigosa deixando de lado o outro lado bom de se viver. Então, por mais que ele goste dela, o assunto seu nome precisa ser isolado até o dia que ele se cure desse sentimento.

Então, não vai aceitar uma carona minha, garoto ?

A garota ao seu lado questionou enquanto brincava com sua bebida, segurando a vontade de rir quando Haechan a encarou com aquela expressão engraçada de quem foi pego no flagra.

— S/N… Você, não deveria estar na China ?

— Eu devia ? Ah, bom! Então deixa eu ir…

— Espera! — Segurou o braço dela, arrancando risadas da mesma. — O que veio fazer ?

— Cumprir a missão que seu pai me deu, cuidar de você. Afinal, ainda é um bebêzinho que mal sabe esperar a resposta do pedido de namoro. — Deu um peteleco na testa dele, ele grunhiu de dor escutando ela dizer que geralmente as mulheres ficam surpresas e demoram a responder esses pedidos. — Entendeu ? Lógico que aceito estar contigo, você é meu parceiro e o bebê que devo cuidar.

Rapidamente ele pulou naquela cadeira do bar, impressionado mais do que nunca com a resposta maluca depois de dias após seu pedido. S/N não esperou muito da parte dele tomando ela mesma a decisão de beijar Haechan atraindo atenção dos amigos dele os quais gritaram festejando.

— Minha missão é te fazer feliz, garoto.

— Essa é a minha missão, S/N. Eu quem irei proteger você daqui pra frente. — Ocupando a garupa da moto dela, afirmou com todas as suas palavras seus objetivos para a vida nova que se inicia.


Notas Finais


Enfim, ficamos por aqui nessa fanfic também, meu objetivo com ela nunca foi ser algo longo, apenas uma ação leve e rápida. Espero que tenham gostado do enredo e o rumo que se tomou, obrigado por chegarem até aqui comigo e todo o carinho dado. Vejo vocês nas outras fanfics. Amo vocês. <3

Meu perfil @Meiyeol


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...