História Riddle Love - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter, Riverdale
Personagens Abraxas Malfoy, Alecto Carrow, Alice Cooper, Alice Longbottom, Alvo Dumbledore, Amycus Carrow, Andromeda Tonks, Antonin Dolohov, Archibald "Archie" Andrews, Armando Dippet, Arthur Weasley, Augustus Rookwood, Avery (Marauder-era), Avery (Riddle-era), Barão Sangrento, Bellatrix Lestrange, Charlus Potter, Cheryl Blossom, Clifford "Cliff" Blossom, Dama Cinzenta, Dobby, Dolores Umbridge, Dorcas Meadowes, Dorea Black, Elizabeth "Betty" Cooper, Ethel Muggs, Euphemia Potter, Evan Rosier, Fenrir Greyback, Fleamont Potter, Forsythe Pendleton "FP" Jones II, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Franco Longbottom, Frederick "Fred" Andrews, Frei Gorducho, Hal Cooper, Hermione Lodge, Hiram Lodge, Horácio Slughorn, Jason Blossom, Josephine "Josie" McCoy, Kevin Keller, Lílian Evans, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Marlene Mckinnon, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Mulciber, Narcissa Black Malfoy, Nick Quase Sem-Cabeça, Órion Black, Pedro Pettigrew, Penelope Blossom, Pirraça, Polly Cooper, Pomona Sprout, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Rabastan Lestrange, Regulus Black, Remo Lupin, Rodolfo Lestrange, Rosier, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Sirius Black, Thorfinn Rowle, Tiago Potter, Tom Riddle Sr., Veronica "Ronnie" Lodge, Walburga Black, Walden Macnair, Yaxley
Visualizações 45
Palavras 1.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse capítulo vai ser na Riddle-era e vai contar a história de como Penelope virou uma Comensal da Morte.
Espero que gostem!
(Obs.: essa é a Penelope quando era mais jovem)

Capítulo 2 - As amizades nada amigáveis de Penelope


Fanfic / Fanfiction Riddle Love - Capítulo 2 - As amizades nada amigáveis de Penelope

Era 1° de Setembro. No orfanato Wool, havia um garoto que estava muito ansioso. Seu nome era Tom Riddle e ele estava ansioso, pois havia descoberto que era especial, iria sair daquele orfanato onde todos o chamavam de esquisito e iria para um lugar onde tinha crianças como ele. Elas eram bruxas. Ele era bruxo. E esse lugar era a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, e ele logo estaria indo para seu primeiro ano. 

Mas, nesse momento, não é Tom Riddle que nos interessa.

Talvez se fossemos para o Sul de Londres onde residia uma guangue que se auto-denominava como os Serpentes do Sul, já que todos haviam ido para a Sonserina. Um lugar protegido por magia anti-trouxa. As pessoas achavam que eles eram preconceituosos, mas aquilo não era verdade. O futuro líder dos Serpentes, Forsythe Pendleton -FP- Jones, era mestiço. Ele estava animado esperando seus pais leverem ele para a estação King's Cross.

Mas ele também não é o foco do momento. 

Que tal saírmos do sul e ir para uma janela aonde uma menina com o ar sonhador. Imaginava-se em Hogwarts. Gladys Backer, que futuramente se casaria com FP. Havia nascido em uma família sangue-puro preconceituosa e da Sonserina, e, por ser uma garota meiga, era chamada de traidora do sangue pelos primos.

Não, ela não é importante agora. 

Não muito longe dali a garotinha ruiva, assustada por ser uma nascida-trouxa que estava entrando em um mundo diferente, lia seus livros de magia com grande concentração. Seu nome era Mary Lynn. E ela seria a futura esposa de Fred Andrews, um garoto mestiço que morava na casa em frente e nem imaginava que sua vizinha era bruxa até encotrá-la no Beco Diagonal, ele também iria para seu primeiro ano.

Mas eles não são o que procuramos agora. 

Perto dali uma garota sangue-puro brincava com sua coruja, Hermione Rossom, que futuramente se casaria com Hiran Lodge. Sonhava em ir para a Corvinal, a casa de todos os Rossom. 

Mas não vamos nos preocupar com ela agora. 

Duas crianças estavam aguardando ansiosamente para irem a Hogwarts. Hal Cooper e Alice Benny. Eram amigos desde os 5 anos e embarcariam para o primeiro ano. 

Mas há pessoas mais interessantes. 

Que tal um menino ruivo de ar arrogante e muito preconceituoso que morava na grande Thornhill. Clifford Blossom, ao contrário de quase todos os outros alunos de primeiro ano, estava tranquilo. Era um garoto fechado e poucas vezes era visto sorrindo.

Ainda temos pessoas mais interessantes. 

Como por exemplo a garota de cabelos ruivos compridos que trajava um vestido branco de renda e uma sapatilha branca, que estava sentada em baixo de uma árvore, esperando pacientemente por seus pais, que a levariam para embarcar para seu primeiro ano em Hogwarts. Penelope Boltt era uma garota sangue-puro, o orgulho de seus pais. Sabia que a maioria das crianças sangue-puro não tinham uma boa relação com os pais. Por isso fazia de tudo para que o orgulho deles por ela aumentasse. 

--Penny, querida!-- chamou-lhe a mãe --Pegue seu malão e a Milla já estamos indo. 

Penelope pegou seu malão e sua gata de bengala, Milla. Deu de cara com seus pais que tinham grandes sorrisos e carregavam um pacote cada. O que seu pai segurava era maior e mais fino... será?

--Minha querida,-- começou o pai --sei que não pode ter uma vassoura no primeiro ano, mas, bom, você merece. 

Penelope abriu o embrulho, era a nova Nimbus 1978, a nova e melhor vassoura do mundo.

--Não acredito! Ai meu Merlim! Muito obrigado papai! 

A mãe lhe entregou uma pequena caixa preta. Penelope examinou-a cuidadosamente que tinha uma linda letra B dourada. Ela sabia exatamente o que havia ali. Uma corrente de ouro e vários lindos rubis. O colar da família Boltt.

--É tradição da nossa família entregar esse colar para a filha primogênita antes dela ir para Hogwarts.-- disse mamãe colocando o colar na filha. 

--É lindo, mamãe! 

Usaram uma chave de portal em forma de uma bota furada. Penelope se sentiu meio mal, mas aguentou firmemente.

Entrou no trem e conceguiu um vagão vazio. Depois de um tempo quatro meninas entraram no compartimento. 

--Podemos ficar aqui? Os outros vagões estão lotados.-- disse uma das meninas, Penelope fez que sim com a cabeça e as meninas se sentaram --Prazer eu sou Hermione Rossom e essas são Gladys Backer, Alice Benny e Mary Lynn.-- disse ela apontando para as meninas --Qual é o seu nome? 

--Penelope Boltt. 

Penelope ficou olhando para a janela do trem a viagem inteira. Acompanhou as meninas até o guarda-caça Ogg.

Ogg levou todos os primeiranistas para barcos onde só cabiam quatro pessoas, ela foi com três meninos. Após o fim do trajeto entraram no castelo e foram levados a um homem que se apresentou como Alvo Dumbledore. Entraram no Salão Principal, havia quatro mesas que Penelope julgou ser de cada casa, Grifinória, Corvinal, Lufa-Lufa e Sonserina. 

Os pais de Penelope já haviam explicado para ela como era a seleção. O chapéu cantou uma canção, que, pela letra, ele mesmo deve ter composto. 

--Quando eu chamar seus nomes, vocês porão o chapéu e se sentaram no banquinho para a seleção. Blossom, Clifford!

O garoto ruivo de ar arrogante subiu no banco e antes do chapéu lhe cobrir os olhos seu olhar cruzou com o de Penelope, que lhe deu um sorriso amigável, o qual ele ignorou totalmente. 

_Mas que garoto ranzinza!_ pensou Penelope. 

O chapéu não ficou nem por um segundo em sua cabeça e gritou:

--Sonserina! 

--Jones, Forsythe! 

--Sonserina! 

--Rossom, Hermione! 

--Corvinal! 

--Andrews, Fred! 

--Grifinória! 

--Lynn, Mary! 

--Corvinal! 

--Backer, Gladys! 

--Sonserina! 

--Benny, Alice! 

--Corvinal! 

--Cooper, Hal!

--Corvinal! 

Depois de Hal Cooper ser selecionado, Penelope parou de prestar atenção, até que... 

--Boltt, Penelope! 

O mesmo que aconteceu com Blossom, aconteceu com Penelope. O chapéu não ficou nem por um segundo na cabeça da menina quando anunciou:

--Sonserina! 

Penelope ficou muito contente. Sonserina sempre foi a casa dos Boltt e seus pais ficariam muito orgulhosos em saberem que o chapéu mal ficou em sua cabeça. 

Sentou-se ao lado de uma menina de cabelos negros e olhos castanhos. 

Estava comendo tranquilamente e sentiu alguém lhe cutucar. 

--Com licença,-- a menina do seu lado começou --desculpe-me por lhe incomodar, mas você se sentou sobre minhas vestes. 

--Oh! Não me incomodou. Eu que devo ter lhe incomodado!-- disse Penelope se afastando das vestes da menina, então hesitou --Meu nome é Penelope Boltt. Mas pode me chamar de Penny. 

--Dorea Black. 

Assim que entraram nos dormitórios, Penelope e Dorea escreveram para seus pais. 

Queridos Mamãe e Papai,

Com muito orgulho venho por meio dessa carta lhes contar que entrei para a Sonserina, e, acreditem ou não, o chapéu não ficou nem por um segundo na minha cabeça!

Fiz também uma nova amiga, Dorea Black, vocês iriam adorar conhecê-la!

-Penny Boltt

No dia seguinte as respostas das duas amigas chegaram, a resposta de Dorea era simples, já a de Penelope veio acompanhada de diversos tipos de doces. 

Querida Penny,

Estamos muito orgulhosos de você, e mais ainda pelo fato de que o chapéu nem hesitou em lhe mandar para a nossa amada casa.

Estamos muito felizes por você ter feito uma amizade tão depressa! 

-Mamãe e Papai

Penelope sorriu. 

--Pelo visto sua carta foi boa.-- disse Dorea. 

--A sua não foi? 

Dorea entregou sua carta para Penelope. 

Dorea,

Não estamos surpresos por você ter ido para a Sonserina, afinal, você é uma Black.

Estamos satisfeitos por você ter feito amizade com uma garota de sangue-puro como a Boltt.

-Seus pais

--Nossa!-- disse Penelope indignada. 

Dorea também havia lido a carta dela. 

--Admito que estou com inveja da sua relação com seus pais.-- Dorea engoliu o mingal. 

*5 anos depois*

Penelope estava em seu sexto ano e havia mudado bastante, seu preconceito com nascidos-trouxas aumentou consideravelmente. Dorea andava com Charlus Potter e Minerva McGonagall, um traidor do sangue e uma mestiça. Dorea achava que Penelope estava com ciúmes e tentou dar mais atenção para a amiga. Até que um dia... 

--Dorea estou tão aliviada por você ter largado daquele traidor do sangue e daquela mestiça. 

--Como assim? 

--Ai Dorea fala sério né. Pelo amor de Merlim! Você é uma Black! Não pode ficar andando por aí com esses seus "amiguinhos"! 

--Você é tão preconceituosa! 

--Se você acha isso não precisa mais ser minha amiga.-- disse Penelope saindo da Sala Comunal da Sonserina com seu típico nariz empinado.

Ao longe Tom Riddle cercado por seus amigos Abraxas Malfoy, Cygnus Black e Druella Rosier. 

--O que vocês acham de Penelope Boltt se juntar aos Comensais da Morte? 

--Seria bom não ser a única mulher do grupo.-- diz Druella, enquanto os outros concordavam que seria uma boa ideia. 

Tom respirou fundo e por fim disse:

--Druella, você irá se aproximar de Penelope e apresentar motivos para ela se juntar a nós. 

--Tudo bem milord. 

No dia seguinte Druella se sentou ao lado de Penelope. 

--Olá, Penny! Posso te chamar assim? 

--Claro! Você é a Druella, certo? 

--Sim. 

As duas conversaram por um tempo, até que Druella faz a proposta. Penelope disse que só aceitaria se o próprio Tom a convencesse. 

Dias depois Tom e Penelope conversaram e a garota decidiu aceitar se tornar uma Comensal da Morte. 

Sem nem imaginar o que Penelope havia se tornado, Dorea observava de longe a ex-amiga andando com Tom Riddle e seus amigos. 

--Não gosto das amizades nada amigáveis de Penelope!-- disse para Charlus, seu namorado. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, o próximo capítulo será sobre o Clifford.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...