História RinHaru Project - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Free!
Tags Free, Harurin, Reigisa, Rinharu, Soumako, Yaoi
Visualizações 161
Palavras 2.365
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Esporte, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Misto de emoções entre:
- Tá acabando T---T
- Lançou a temporada nova *o*
Bem, eu tenho mesmo que terminar logo a fic antes que o plot da terceira temporada me dê mais ideias kk (ou que "quebre" quaisquer que eu já tenha tido kk)
Como sempre, eu quero deixar aqui o meu amor por vocês, leitores! Sem vocês eu não estaria aqui, tanto tempo depois de ter começado essa história e estando a um passo de terminá-la (quem tbm escreve deve saber como é difícil terminar uma long kk) *-*
POR FAVOR, leiam as notas finais!

Capítulo 38 - Capítulo 24


Rin e Haru haviam voltado da viagem. Eles tecnicamente ainda estavam de férias, mas, como o nacional de natação estava cada vez mais próximo, não havia tempo a perder e eles foram direto para Tóquio, onde iriam competir. Então, foi uma surpresa para Haru quando uma garota de cabelos castanhos que ele não lembrava de já ter visto aproximou-se para cumprimenta-lo, sendo trazida por Makoto.

- Oh, Haru! É um prazer revê-lo.

Ela o cumprimentou, mas Haru não sabia ao certo como reagir. Ele olhou para Makoto em busca de ajuda enquanto balbuciava um “olá” sem jeito. Mako riu.

- A Zaki-chan, que nadava conosco quando éramos menores, passou uns dias em Iwatobi e eu a convidei para vir ver a nossa competição. Ela disse que estava ansiosa por reencontrar todos nós.

Haru arregalou os olhos. É claro que ele lembrava quem ela era... Apenas não imaginava que a encontraria de novo após todos esses anos. Além do mais, que tipo de sincronia do mal era essa, com sua amiga de infância aparecendo logo agora? Ele mal tinha terminado de resolver seus próprios problemas pessoais, ter mais alguém adicionado na equação não era demais?

- Eu não o culpo por não me reconhecer. – Disse ela. – Vocês, garotos, também mudaram bastante no ensino médio.

Haru abanou a cabeça.

- Não... Desculpe. Só foi...

- Uma surpresa? – Ela abriu um sorriso. – Acho que dei sorte. O Mako falou que dentro de alguns dias vocês vão competir nacionalmente. Boa sorte com isso.

Makoto ia responder algo, mas sua presença foi convocada e ele teve que se afastar dos outros dois. Como o capitão do time, tinha muita coisa de que ele precisava tomar conta.

- Legal podermos todos nos ver por aqui uma última vez. – Aki comentou com Haru quando ficaram a sós. – Digo, por que já, já vamos todos terminar a escola. Imagino que cada um vá para um canto diferente...

Haru assentiu.

- É. Mas você já mora em Tóquio há algum tempo. Deve ser uma progressão mais natural para você.

Aki deu um sorriso amarelo.

- Bom, eu provavelmente vou continuar vivendo com meus pais por um tempo... Minha mãe não acha que eu precise sair de casa só porque vou entrar na universidade.

- Hm. – Ele fez que sim com a cabeça. Não era que concordasse, era só que... parecia uma realidade diferente da sua.

... Ultimamente ele tinha se deparado com muitas realidades diferente daquela a que estava habituado. Era de se supor que aquilo apenas se agravasse, já que em breve ele ia mudar de casa, escola e cidade...

Ela ficou na frente dele e olhou em seus olhos.

- Você não vai parar de nadar quando terminar o ensino médio, não é? Fiquei tão animada quando soube que vocês ainda competem... Mal posso esperar para poder ver vocês nadando!

- Você... está feliz por nós?

Ela assentiu enfaticamente.

- É claro. Eu mesma não continuei nadando, mas é bom saber que para alguns de nós... Aqueles tempos não ficaram no passado. – Ela virou-se nos calcanhares, sonhadora. – Às vezes é fácil se ter a impressão que algumas coisas que fazemos são apenas hobbies, que não vão ter influência na parte “pra valer” da nossa vida... Mas vocês são a prova de que não.

Haru deu um passo para poder olhar no rosto dela. Ela olhava para o alto, parecendo esperançosa. Então baixou os olhos para ele e deu um risinho.

- Nadar é muito importante para mim. Eu não poderia simplesmente largar isso e fazer outra coisa pelo resto da vida.

Assim que falou isso, Haru percebeu que era a primeira vez que admitia aquilo em voz alta. Sim, ele até que era bom em outras coisas e suas notas em geral era suficientemente boas em todas em matérias. Mas a natação era aquilo que ele amava.

...Talvez um dos motivos para ele ter passado tanto tempo sem saber o que faria dali em diante é porque não tinha visto que a resposta poderia ser tão simples. De nada adiantava tentar buscar outras respostas se todas elas iriam parecer o mesmo: Vazias. Incompletas.

- É, eu sei. – Aki concordou. – Como eu disse, fico feliz.

Ela não tinha continuado a nadar. Não porque tinha tido um problema de saúde, nem porque tinha passado a detestar natação. Não, Yazaki Aki apenas.... tinha parado. Os tempos no Clube de Natação de Iwatobi estariam sempre presentes em memórias preciosas suas, que ela não queria que perdessem o valor. Por isso era tão importante que alguns daqueles que faziam parte dessas memórias lhe mostrassem o quanto aqueles tempos foram importantes.

Para eles, para Haru em especial, aquilo não era um hobby. Ou, se um dia foi, não mais.

Era bom saber disso.

***

O encontro com Aki fizera muito bem a Makoto no sentido de diminuir sua tensão. Ele não podia deixar de sentir o nervosismo que advinha de ser o capitão do time. Seria sua última participação de fato como tal, já que nos últimos meses que restavam da escola ele teria que se dedicar exclusivamente aos estudos para entrar na universidade que queria.

Então essa competição teria uma importância muito grande para ele. Seria a última vez que poderia mostrar força, que poderia servir de apoio aos seus companheiros, que poderia fazer com que se sentissem seguros de confiar nele.

Por outro lado, ele se sentia inseguro pois, após isso, ele sabia que teria que tomar um caminho mais individual. Independente de como seriam as coisas na faculdade ou em sua profissão, ele não seria mais, como agora, parte de um time. E não tinha como saber se no futuro desenvolveria laços tão familiares quanto os que tinha agora.

Dito isso, ele não se importou quando recebeu uma outra forma de diminuir a tensão. Melhor dizendo, na forma de uma ligação.

- Alô. – Ele atendeu o telefone, caindo de costas na cama.

- Está fazendo alguma coisa? – Sousuke perguntou, do outro lado da linha, sem um cumprimento inicial.

- Boa noite para você também. Acabei de chegar no hotel.

Tudo era meio parecido à etapa regional, exceto que a viagem fora de trem por ser mais longa. Mas novamente ele estava hospedado num hotel numa cidade em que nunca estivera, com Haru dividindo quarto com ele.

- Hm. Eu também.

- ...

- ...

“Pelo amor de Deus, será que a gente não podia ser um pouco menos esquisitos nas ligações?”

- Err – Sousuke voltou a falar – você já jantou?

- Não, ainda não. – Makoto olhou para a janela. Ele tinha pensado em simplesmente descer com Haru para o restaurante do hotel e pedir qualquer coisa, mas não era como se isso fosse a grande programação da noite. – Por que a pergunta?

Ele ouviu a respiração de Sousuke por um instante do outro lado. É claro que ele sabia o porquê da pergunta, mas ele queria ouvir aquilo. Uma ansiedade boa fez calor em sua barriga.

- Podíamos nos encontrar para comer alguma coisa...

- Claro! Onde eu lhe encontro?

- Tch—

- Ahaha!

A resposta de Mako foi tão veloz que Sousuke soube na hora que ele já tinha percebido onde aquilo ia dar.

- Está brincando comigo, Tachibana?

- Hã-hã. Quero me encontrar com você. Yamazaki-kun.

Num instante, Sousuke pegou o endereço do hotel do outro e disse para que ele descesse assim que estivesse pronto.

Mako soltou mais um risinho, agora de puro nervosismo, quando ele desligou. Ele nem acreditava que tinha conseguido flertar. Com outra pessoa. Em voz alta.

Nessa hora, Haru saiu do banheiro, fazendo Makoto congelar.

A expressão de Haru logo se suavizou e ele caminhou até sua mala tranquilamente.

- Estava conversando com alguém? – Ele perguntou, num tom que indicava que tinha ouvido o que se passara.

Mako ergueu os olhos para ele. Haru fez contato visual.

Sim, ele tinha ouvido.

- É... Parece que eu... tenho um encontro.

Haru arregalou os olhos. Em seguida, tentou disfarçar, o que não funcionou e seu rosto corou um pouco.

- Eu não sabia que estava saindo com alguém.

- Eu... – Mako pensou em dar alguma desculpa. Mas depois soltou um suspiro. – Eu também não.

Haru olhou para o amigo, que parecia irremediável. Então ele deu um risinho. Mako olhou para ele outra vez, surpreso.

- Har—

- Você é tão sem-jeito para isso quanto eu. – Disse ele, de forma amigável.

- Isso é maldade...

Haru sentou-se na cama.

- Bom, no meu caso, eu achei que fosse. Achava que era injusto, desconfortável e que não tinha por que isso acontecer.... Mas foi só no início.

Mako sentiu seu coração palpitar. Por mais que doesse um pouco por saber que Haru estava falando de outro, e que tinha se apaixonado por essa pessoa quando Mako ainda era louco por ele... Nanase Haruka aparentemente podia ser bem doce tratando de sentimentos. Ele parecia realmente disposto a ajudar.

Ou talvez, na verdade, ele só estivesse aliviado por finalmente falar sobre o que sentia por Rin, de forma honesta, com a pessoa em quem ele mais confiava.

Não era como se ele tivesse muita gente com quem conversar a respeito. Diferente de Mako, que tinha escondido as coisas dentro de si por pura opção, Haru não tinha ninguém mais para lhe servir de confidente.

“Será que... se eu falasse para minha família sobre estar apaixonado, eles veriam numa boa?” Mako pensou, só então percebendo que nunca tinha considerado essa variável. “Meus pais são bem gentis, então será que eles tentariam me aconselhar? Me apoiar?”

Ele olhou para baixo, para as mãos inquietas sobre o seu colo.

- Você deve ir nesse encontro – falou Haru – e aproveitar de verdade. Para você... dar uma chance a você mesmo.

Haru parecia sério. Não, ele estava sério. A felicidade de Mako era importante para ele. E, se fosse possível, ele preferia não ter que escolher entre isso, seu relacionamento com Rin ou a natação. Se fosse possível, Haru queria que... as três coisas fossem independentes. E pudessem coexistir em sua vida.

***

Sousuke estava bonito. Makoto olhou para ele pela milésima vez, do outro lado da mesa do restaurante onde estavam, sentindo-se desacostumado a ver aquele homem.

Eles não tinham conversado muito entre a saída do hotel e o caminho até a pequena pizzaria. Não tinham segurado as mãos, mas, na metade do caminho, Sousuke lhe puxara para perto, passando um braço por trás de suas costas para protege-lo do frio.

- Há algo de errado? – Sousuke perguntou.

Ele moveu os olhos para Mako. Parecia que ele também não sabia direito como agir naquela situação, então seu reflexo era apenas ser evasivo.

- Hã? N-Não! Nenhum problema.

- Você estava me encarando...

Mako deu um risinho, completamente sem graça.

- Bom, você não disse nada desde que chegamos aqui. E foi você quem me chamou, então a responsabilidade é sua.

Sousuke apertou as sobrancelhas.

- ... Obrigado por ter vindo... – Ele resmungou.

- Bem, obrigado pelo convite.

A comida chegou, mas Sousuke ignorou o fato momentaneamente. Em seu lugar, ele estendeu uma mão até a de Makoto. Mako mostrou-se surpreso, mas não fez nada que o impedisse.

- Provavelmente nós vamos nos distanciar e perder o contato dentro de alguns meses. – Disse Sousuke, sem olhar para ele. – Não parece ser a mais inteligente das ideias... Esperarmos alguma coisa disso.

- “Disso”... Você diz, “nós dois”?

- Uhum.

Mako apertou a mão dele junto da sua. Então, com a voz, serena:

- Sousuke, eu aceitei vir aqui. – Ele sorriu, e o outro olhou para ele. – Eu aceitei vir me encontrar com você. Não estou atrás de justificativas para voltar atrás, então não precisa falar como se eu estivesse.

- Makoto—

- ...?

Ele livrou a mão da de Mako e a usou para tentar esconder o rosto.

- Droga...!

- Sousuke... Qual é o problema?

- O problema é que eu sempre estive apaixonado pelo Rin, então não sei como me comportar estando apaixonado por você!

Ele falou tudo num fôlego só e Mako ficou boquiaberto.

- Você está...?

- É, eu acho que sim...

- Você acha...?

- ..... Eu estou.

- Sousuke, olhe para mim.

Sousuke abaixou a mão. Seu rosto estava ligeiramente corado, o que era bem incomum. Já o rubor nas faces de Makoto não foi tão discreto.

- Você está apaixonado por mim... – Ele teve que repetir em voz alta, sem saber se era uma pergunta em busca de confirmação ou se era só para convencer a si mesmo.

- Eu não pensava que fosse tão egocêntrico. Quantas vezes quer que eu repita?

- Não, não é isso! É só que...!!!

“Tem alguém apaixonado por mim!”

Sousuke suspirou.

- O que mais você esperava?

Mako fez uma cara meio cômica, sentindo-se contra a parede.

- Hã?! É que, bem... Pensei que estivesse comigo só para se divertir.

- Hmm. Ficar com você é bom. Divertido, se quiser usar essa palavra. – Ele olhou diretamente nos olhos de Mako. – Mas ninguém sairia tanto do próprio caminho só por um passatempo. Estamos no terceiro ano, somos de times rivais e estudamos em duas pontas diferentes da cidade, caso não tenha notado.

Mako não sabia o que dizer. Ele olhou desconcertado para a pizza, como se o queijo derretido pudesse ajudar a encontrar a resposta certa naquela situação. Então ele olhou de volta para Sousuke.

- Eu te... chateei? – Sousuke perguntou. – Está fazendo uma cara estranha... Se eu tiver falado algo inc—

- Não! – Ele o interrompeu. – Você não fez nada de errado. Eu... estou muito feliz.

Conforme seus lábios desenharam um sorriso por seu rosto, Mako teve a impressão de que poderia começar a chorar a qualquer momento, mas as lágrimas não vieram realmente.

Sousuke não era a sua paixão adolescente. Nunca tinha pensado nele como o seu príncipe encantado, o homem de seus sonhos... Mas Makoto tinha começado a pensar nele. E gostava disso. Era bom lembrar de Sousuke, e ainda melhor estar junto dele de fato.

Ele não ia chorar. Porque isso não parecia com o final de uma épica história de amor. Era algo muito real, mas ele estava muito feliz com essa realidade.

Então Mako sorriu como se alcançasse o seu final feliz.


Notas Finais


Entaaaaaao *tan tan taaaaaan*

Gente, eu estou com um plano aqui para o final dessa fic e eu REALMENTE preciso da ajuda de vocês para isso.

Eu queria "arrumar" a RinHaru Project aqui no meu pc e fazer dela um fanbook/light novel/livro-doujin, nem que só para ter em formato pdf mesmo. Como vocês já leram tudo, eu não sei se vocês teriam qualquer interesse por isso, mas ~eu~ tenho :'D E é aqui que vocês entram:
Eu preciso de uma capa.
Eu não manjo tanto assim de desenho e nem muito menos de arte digital (para poder ficar com um acabamento bonito), então eu vou lançar aqui uma espécie de *CONCURSO* para que alguém faça uma capa para a RInHaru Project. As únicas exigências são:
- Arte similar à do anime (para que fique com cara de "de verdade");
- Inclusão do título (RinHaru Project) e do meu nominho artístico (Matsu);
- Avisosinho perto do nome de "fan-book +18" (ou variantes disso);
- Contracapa (pode ser só um fundo que nem o da capa, uma arte mais simples, ter ou não espaço para a sinopse... enfim, é livre ^^)

Todo mundo está convidado a participar. Apesar de eu só poder escolher uma capa, eu gostaria de ver a participação de vocês (eu ~acho~ que tem gente o bastante que favoritou essa fic para que ao menos eu não leve vácuo aqui, né? #paz)
Idealmente, eu gostaria também de uma meia dúzia de imagens (preto e branco) de momentos da fic (à escolha da pessoa) para poder seguir um padrão de light novel, maaaaaaas a prioridade é só a capa mesmo ^^'

Obviamente, eu vou premiar a pessoa linda e maravilhosa que fizer a capa e/ou as imagens de meio-de-livro, mas eu não quero entrar ~nesses~ detalhes porque, no fim das contas, eu faço isso aqui de forma voluntária, então não tenho como fazer nada muito elaborado quanto a concursos, sorry ^^'

Enfim! Muito obrigade a todos que leram até aqui (tanto da fic quanto dessa nota gigante kk). E não esquentem, ainda falta um capítulo XD E, mesmo depois disso, eu garanto que vocês ainda verão mais de mim <3
Sutoruberi kissus~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...