História Rivalidade - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Doyoung, Taeyong
Tags Dotae, Doyoung, K-pop, Lemon, Nct, Taeyong, Yaoi
Visualizações 93
Palavras 2.486
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Único


Era o começo de uma aula de matemática onde Taeyong, sem querer, tropeçou no pé de Doyoung se desculpando logo em seguida.

- Vê por onde anda! - O mais novo disse.

Os dois sempre se tratam com certa agressividade, mas nem um dos dois sabe o porquê. Eles nem se lembram o que aconteceu no passado, quando eram crianças, para se odiarem até hoje.

- Eu já pedi desculpas. - Taeyong responde olhando o outro furiosamente nos olhos.

- Sentem-se em seus lugares. - O professor de matemática chega na sala e começa a dar sua aula tediosa.

As outras aulas passam e chega o intervalo. Taeyong vai para a cantina com seus amigos assim como Doyoung e os seus amigos. Digamos que o Lee seja parte do grupo de nerds e o Kim dos populares (os "reis" da escola). Então era comum o grupinho de Doyoung zoar o de Taeyong. O que aumentava ainda mais a rivalidade entre os dois.

E como de costume, Taeyong e seus amigos sentaram-se na mesa no canto da cantina e começam com o papo furado e rirem de suas piadas internas. Mas toda sua paz acabara quando Doyoung, junto de seus amigos se aproximam e começam com a zoação de sempre.

- Eai, quatro olhos! - Um dos amigos do mais novo pega o óculos de Taeyong e ameaça jogá-lo no chão, mas ele os tira rapidamente da mão do outro.

- Vamos pra lá, deixa esses coitados em paz. - Doyoung se pronuncia já andando para sentar-se em uma mesa distante da de seu rival, fazendo seus amigos o seguirem.

O intervalo acaba e todos retornam a suas salas. As próximas aulas seriam de física o que deixava Taeyong feliz, pois adorava a matéria e sempre tirava notas boas nas provas. O outro, pelo contrário era péssimo, seu forte era as matérias de humanas. Ele não era "burro" que nem seus amigos, mas se esforçava para ser para poder se encaixar.

No segundo período de física, a professora Sunmi passa um trabalho em dupla para entregar na próxima semana.

- Eu irei formar as duplas para vocês poderem interagir com seus outros colegas e não com os seus amiguinhos. Eu ‘tô vendo que essa turma anda muito desunida, então eu quero que vocês usem essa oportunidade para fazerem novos amigos e assim ser uma turma mais unida. - A professora termina de falar e todos começam a reclamar da decisão dela. - Ok, ok fiquem quietos que eu vou dizer o nome das duplas: Kun e Chittaphon, Jaehyun e Sicheng, Johnny e Yuta, Doyoung e Taeyong...

- Merda! - Taeyong disse dando um leve soco em sua classe.

Assim a professora termina de dizer o resto das duplas.

- Como o trabalho é para semana que vem, eu sugiro que vocês comecem a fazer o mais rápido possível.

 

• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • •

 

As outras aulas terminam e quando Taeyong estava saindo pelo grande portão do colégio, Doyoung o para.

- Ei, você está livre hoje à tarde? Sabe, para nós fazermos o trabalho. - Ele dizia com um pouco de vergonha.

- Estou. - O outro respondeu ríspido.

- Então, podemos ir para sua casa?

- Podemos.

E sem nem mais um diálogo, os dois seguem para a casa de Taeyong. Nenhum dos dois parecia fazer questão de puxar qualquer assunto.

Ao chegarem à casa de Taeyong, eles adentram e o dono da casa joga sua mochila em um canto, tira seus óculos, seu moletom e seus calçados e os coloca em cima do sofá.

- Vamos subir para o meu quarto. - Ele diz e outro o segue até o quarto.

- Quando que a gente começou a se odiar tanto assim? - O Kim pergunta.

- Não sei. - O mais velho se senta na cama dando tapinhas na mesma indicando para o outro se sentar também.

- Já faz tanto tempo que eu também não sei. - Ele da uma risadinha estranha e logo é seguido pelo outro. - Eu nem pude perceber o quão bonito você fica sem óculos. - Ele diz tão baixo, quase como um sussurro.

- O que você falou? - Taeyong, apesar de ter ouvido resolve perguntar para ter certeza.

- Nada, eu não disse nada. A gente deveria começar o trabalho depressa. -Ele fala rapidamente tropeçando nas palavras.

- Eu juro que escutei você dizer algo. O mais velho coloca a mão sobre a coxa do outro.

- Eu disse que acho você bonito sem os óculos. -Ele responde evitando contato visual. Nisso o outro sobe um pouco mais sua mão.

- Obrigado, você também é bonito. - Taeyong tira a mão da coxa de Doyoung, vai até uma mesinha que ficava em seu quarto, pega seu notebook e o põem em seu colo. - Bom, vamos começar o trabalho. - Ele da um sorriso inocente para o outro.

- Sim, vamos hahaha. - O mais novo estava realmente nervoso.

- Vem mais para perto, eu não vou te morder, mas se você me pedir... - O Lee faz um beicinho inocente deixando Doyoung cada vez mais nervoso.

O trabalho estava de fato sendo feito, mas o Kim não conseguia tirar a cena que acabara de acontecer de sua cabeça. Era como se ele ainda sentisse a mão do outro sobre sua coxa e isso estava o fazendo ficar distraído e quem sabe... excitado.

- Doyoung, Doyoung! - Taeyong estalava os dedos perto da face do outro para despertá-lo do seu transe.

- Oi, o que foi?

- Eu estou te chamando há horas! O trabalho já está pronto.

- Já? Então, acho melhor eu ir para minha casa. - Ele fala se levantando da cama, mas o outro segura sua mão.

- Você não quer comer alguma coisa? - O outro se engasga com a própria saliva e começa a tossir. - Qual é Doyoung? Essa eu nem fiz de propósito. - Os dois riem, um por ter achado a situação engraçada e o outro por estar nervoso demais.

- Cadê o Doyoung valentão? - Taeyong se levanta e vai até o outro colocando seus abraços em volta do pescoço do outro.

- Taeyong... Não me provoque.

- Por quê? - Um silêncio se instala no quarto.

- Porque eu te odeio! - O mais novo diz sem pensar muito bem e o outro se afasta dele.

- Ok, vai embora. - Taeyong se vira de costas visivelmente chateado.

- Eu não quis dizer isso.

- Vai embora, por favor.

 

• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • •

 

Taeyong já tinha levado alguns foras, mas esse parecia ter sido pior. Ele não sabia o porquê de estar tão chateado com aquilo, pois pelo o que ele pensava, não sentia nada pelo mais novo.

Já Doyoung estava muito arrependido pelo o que disse por culpa de seu nervosismo e agora tudo o que ele mais pensava era em como pedir desculpas para o outro.

 

• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • •

 

Mais um dia de aula havia começado, Doyoung procurava Taeyong por toda a escola, mas não o encontrava. Ao entrar na sala de aula, ele fica aliviado, pois o outro estava lá, sentado em seu lugar de sempre.

As aulas passam e o fim do dia letivo chega. O mais velho guarda seus materiais em sua mochila enquanto Doyoung se aproxima.

- Ei, Taeyong! - Ele chama a atenção do outro enquanto todos os outros alunos saem da sala. - Me desculpe por ontem.

- Tá. - O mais baixo diz e vai saindo da sala.

- Espera. - Doyoung o segura pelo pulso. - Eu não te odeio.

- Tá, mas eu te odeio. Agora pode me soltar?

- Você não parecia me odiar ontem enquanto tentava me beijar. - Ele puxa o outro pela cintura colando seus corpos. Taeyong tentava o afastar, mas não conseguia, pois o outro era mais forte que si. - Vamos pra sua casa? - Ele sugere.

- Para quê? Pra você dizer que me odeia de novo e me deixar lá sozinho? Eu não ‘tô afim, Doyoung. Me solta. - Assim o mais alto faz.

- Me desculpe. - Doyoung abaixa a cabeça. - É que eu nunca fiz nada com outro cara, sabe... Foi meio estranho tudo aquilo pra mim, mas depois quando eu cheguei em casa eu não consegui te tirar da minha cabeça. - Um curto silêncio se instala. - E eu percebi que não te acho bonito só sem óculos, com eles você também é. Porra... você é lindo. - O Kim avança para beijar o Lee, mas este desvia.

- Vamos para minha casa. - Taeyong dá um sorriso malicioso.

 

• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • • ~ ʚĭɞ ~ • • • • • •• • • • • •

 

Chegando à casa de Taeyong, o mais novo joga sua mochila e a do outro em cima do sofá e o agarra pela cintura.

- Eu fantasiando isso a aula inteira. - Doyoung diz.

- Então vamos logo isso. - Taeyong toma os lábios do outro com um beijo necessitado e logo é retribuído. - Vamos subir pro meu quarto. - Ele diz entre o beijo.

Já no quarto do dono da casa eles continuam com o beijo e só se separam o quando o ar faz falta em seus pulmões.

- Por acaso você tem algemas? - Doyoung pergunta.

- Tá me achando com cara de quê? - Taeyong brinca. - Tenho sim. - Ele vai até a gaveta de seu criado mudo, pega as algemas e entrega para o outro.

- Ótimo, eu quero tanto brincar com você. - Ele sorri malicioso e se aproxima do mais baixo. Ele o beija enquanto tira a camisa do mesmo. - Vai para a cama. - Ele diz e outro obedece de prontidão. - Levanta suas mãozinhas. - Assim ele faz e Doyoung se posiciona entre as pernas dele e prende suas mãos junto a cama com as algemas.

O mais novo começa a beijar e chupar o pescoço de Taeyong e logo desce estimulando o mamilo do mesmo.  

Taeyong mordia o lábio para tentar conter seus gemidos, mas falha deixando alguns gemidos manhosos escaparem, fazendo o outro ficar cada vez mais excitado.

Os beijos de Doyoung vão descendo cada vez mais, chegando até o cós da calça do Lee. Ele tira o restante da roupa do outro o deixando totalmente despido. O mais novo sorri ao ver que o membro do menor já estava tão duro com tão pouco.

Doyoung começa a masturbar o outro lentamente só para fazê-lo pedir por mais.

- Doyoung, vai mais rápido. - Lee pede manhoso.

- Implore mais um pouquinho. - Dá um sorriso maldoso.

- Por favor, Doyoung. - Ele impulsiona seu membro para tentar aumentar a velocidade, mas o outro disfere um tapa em sua coxa.

- Não se mexa! -O Kim diz autoritário e depois diminui a velocidade com que masturbava o outro.

- Por favor! - Taeyong faz manha e então o outro aumenta a velocidade.

O mais alto para de masturbar o outro e pede para este chupar dois de seus dedos sendo logo obedecido. Quando Doyoung sentiu que seus dedos estavam bem lubrificados, afastou as pernas do Lee deixando sua entrada rosinha a mostra. Logo ele põe um dedo dentro de Taeyong, fazendo com que este praguejasse um pouquinho.

Depois de um tempo ele coloca outro dedo e começa a fazer movimentos de tesoura para alargar um pouco outro, para que ele não sinta tanta dor quando for a hora de seu membro entrar.

- Me fode logo, por favor! - Taeyong pede manhoso.

- Você é uma vadiazinha mesmo, Taeyong. - O Kim dá mais um tapa na coxa do outro fazendo-o soltar um gemido alto.

Doyoung retira os dedos de dentro de Taeyong e começa a se despir, ficando completamente nu. Ele espalha o pré-gozo presente em seu membro para facilitar mais na hora de penetrar o menor.

O mais novo se posiciona entre as pernas do outro e põe seu pênis na entrada do outro.

- Eu adorei ouvir você implorando. Implore mais minha vadiazinha! - Ele roça seu membro contra a entrada do outro.

- Me fode Doyoung, por favor! Me fode logo! - O Lee já não aguentava mais a provocação do outro, queria senti-lo dentro de si depressa. E assim como ele pediu, Doyoung adentrou de uma só vez todo seu membro, fazendo com que Taeyong gemesse mais alto ainda.

Ele começou a se movimentar lentamente até que o outro se acostumasse com a dor.

- Mais rápido! - Taeyong diz entre os pequenos gemidos que escapavam de sua boca entreaberta.

Bastou o mais novo escutar aquilo para começar a dar investidas mais rápidas e mais fortes no outro.

O Lee começou a gemer descontroladamente quando Doyoung acertara sua próstata fortemente várias vezes.

Doyoung passou a morder o pescoço do outro e, de vez em quando tapear sua bunda e suas coxas.

Não demorou muito para que os dois chegassem ao ápice caindo um lado do outro na cama.

- Onde estão as chaves das algemas? - Doyoung pergunta ainda ofegante.

- Na gaveta. - Responde também ofegante.

O Kim levanta para pegar as chaves, solta o mais velho e deita novamente na cama ao lado desde.

- Eu ainda quero saber o porquê de a gente ter se odiado esse tempo todo. - Eles riem.

- Eu ainda te odeio. - Taeyong diz deitando no peito do outro.

- Ah é? Então eu também te odeio. - Ele beija a testa do menor e eles acabam adormecendo.


Notas Finais


Espero que gostem ٩(๑❛ᴗ❛๑)۶


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...