História Roberta novel hot - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Belle
Tags Garota
Visualizações 4
Palavras 854
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


agradeço já por lerem

Capítulo 13 - Cap 13


Fanfic / Fanfiction Roberta novel hot - Capítulo 13 - Cap 13

 

 

 

 

   O homem serve a bebida para ela que com um abraço o enlaça enquanto ele a masturba com a mão por baixo de seu vestido, logo Karen sente dois dedos introduzidos em sua vagina que a faz delirar ali dentro do carro.

  - Safado.

  - Gostosa.

  Aos goles ela tira a blusa e ele mexe nos bicos de seu seio, ela solta alguns gritos e prazer ali.

   O carro onde Maciel está pára em um lugar isolado, porta malas é aberto e Maciel jogado em meio a uma pequena mata e o carro sai em velocidade.

  Roberto entra no escritório, Roberta logo vem atrás dele.

-        Entre.

-        Vô.

-        Sim querida.

-        O sr esteve com aquela mulher?

-        Sim eu estive.

-        E ela?

-        Vamos ver o que ela pretenderá, ela foi muito bem avisada.

-        E Mercedes?

-        Já ia me esquecendo.

-        Ela esta no salão?

-        Sim, vou ve-la.

-        Vai tira-los daquele lugar onde vivem?

-        Sim querida.

-        Que bom vô.

-        Arrumei uma casa grande aqui bem perto.

-        Legal.

-        O que acha de nos mudarmos?

-        Será ótimo vô.

-        Sabia que podia contar contigo.

-        Ai vô sempre surpreendente. Risos.

Maciel acorda sentindo dores por todo corpo, com certa dificuldade se levanta, procura nos bolsos e nada de seu celular.

Anda ainda em dores até chegar na pista onde faz sinal, porém devido ao horário da noite, ninguém arrisca em lhe dar socorro.

-        Porra caralho, agora, onde estou.

Mais alguns minutos de caminhada e avista algumas casas, segue por uma rua de terra e para em um bar.

-        Boa noite.

-        Boa.

-        Por acaso você tem algum telefone que eu possa usar, por favor?

-        Tem um orelhão ali, o problema são as fichas, afinal ninguém mais o usa.

-        Sem problemas vou ligar á cobrar.

-        Falou.

Ele vai até o aparelho e faz a ligação para Mônica que atende, ele pede orientação ao dono do bar quanto ao endereço dali e passa para ela.

Desliga o aparelho, mexe nos bolsos e pega 1 nota de 100 reais.

-        Senhor, por favor bebidas para o pessoal.

No carro Maciel segue calado, sente no peito a dor de ter sido humilhado.

-        Eu não aceito.

-        Cale a boca.

-        O que houve?

-        Acha que só você tem problemas, não, outras pessoas também o tem, sabia?

-        O que foi?

-        Seu pai foi a empresa hoje á tarde.

-        E daí?

-        Ele me ameaçou.

-        Oras, vamos pela sinceridade Mônica.

-        Vá se fuder.

-        Nossa, para que tanto nervosinho.

-        Ou cale-se, ou lhe deixo aqui na rua.

-        Desculpa.

-        Ele veio tomar as dores por sua amada.

-        Mercedes.

-        Quem mais.

-        Olhe se te conheço bem, quer mata-lo agora, não?

-        Não, pelo contrário, agora é que o quero mais junto de mim.

-        Não te entendo Mônica, és bem louquinha ás vezes.

Ela ri descontroladamente o que gera em Maciel em certo mau estar.

-        Você esta é precisando de um bom macho ai em cima de ti.

-        Talvez, já que o galinho esta sendo raptado e ameaçado por ai.

-        Olha aqui o que tu quer, puta.

Maciel pega a mão dela e coloca por dentro da calça, Mônica sorri para ele, porém aperta o órgão do rapaz que grita de dor.

-        Esta vendo, é um fraco, mais eu gosto de ti, porém ainda tem muito de aprender.

-        Vagabunda.

-        Safado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                     46

 

 

 

  No quarto secreto, ela é jogada na cama, um som romântico ligado baixo, luz a girar pelo ambiente, uma calda de frutas é jogada no corpo dela, Maciel cai de boca a lamber e esmiuçar aquela mulher em carinhos, logo sua boca é tomada pelos lábios vaginal de Mônica que grita ali diversos impropérios devido ao calor e ao tesão.

-        Vai cachorro.

-        Sua puta.

Em beijos de certo lancinantes ela sente o vigor daquele homem dentro dela enquanto suas mãos passeiam pelo corpo dele, logo um 69 e mais uma sessão de penetração, Mônica enlaça as pernas no homem ficando de cabeça para baixo a receber todo prazer que ele a despeja.

Exaustos eles deitam ali, frutas, champa, beijos e logo ele reinvidica atrás.

-        Agora?

-        Sim.

Segura na cabeçeira da cama, ela recebe o menbro dele atrás e logo são um só, ali em gemidos e mordidas ali.

Roberta ali com Murilo na área da casa dele, Jonas chega com Jenifer e eles decidem por assistir um filme e pipocas.

-        Bom, muito bom.

Diz Murilo, ali na sala todos juntos quando ouvem o girar da maçaneta.

-        Mãe, pai.

-        Olá garotos e suas moças, quem são?

Apresentações ali e logo Roberta fica amiga de D. Lurdes, mãe, já Jenifer se perde de rir das histórias contadas por Abel o pai sobre os garotos.

-        Já viu né, ficaram íntimos?

-        Pois é, agora logo estarão falando mau da gente.

-        Estamos escutando.

Diz Lurdes para eles e logo todos caem na risada.

 

 

 

INSTAGRAM – ricardocontos – acessem, muito obrigado pessoal.


Notas Finais


obrigadão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...