1. Spirit Fanfics >
  2. Robin's Pink Diary - Reescrita >
  3. Capítulo 3 - A Dama dos Elefantes

História Robin's Pink Diary - Reescrita - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


boa leitura ♥️

Capítulo 3 - Capítulo 3 - A Dama dos Elefantes


Fanfic / Fanfiction Robin's Pink Diary - Reescrita - Capítulo 3 - Capítulo 3 - A Dama dos Elefantes

Três de Janeiro de 2018 - O ano novo finalmente chegou, e os problemas também.

Antes de tudo, querida; feliz ano novo! Sei que você ainda está na barriga da mamãe e o tempo nem ao menos existe pra você, mas desejo que seu ano seja muito bom; pois o meu e o da mamãe será maravilhoso, já que na próxima virada, você já estará conosco. Mas bem, vamos ao nosso relato do mês que você quer tanto ler.

Bom amor, depois que nós descobrimos que o neném que estava na barriga da mamãe era uma menina, parecia que as coisas ficaram diferentes aqui em casa. Eu e seu tio Vic estamos muito cuidadosos com sua mãe, o quê a deixa irritada, pois por suas palavras "Eu estou grávida, e não morrendo". Acontece que nós ainda temos esse pensamento besta de achar que por você uma "garotinha" é mais frágil que um menino; por isso de dou a liberdade de me dar um puxão na orelha quando ler isso, só para o papai mudar de idéia.

Sua mãe é uma guerreira alienígena de força incomparável, é óbvio que você é a garotona mais forte do mundo.

Ah, e antes que eu me esqueça; na nossa festa de ano novo, você recebeu vários presentes e eu e a mamãe nenhunzinho; agora entendo quando falam que o filho ofusca a gente. Todos os titãs te trouxeram roupinhas, brinquedinhos, e pro pai aqui que é bom nada; tudo bem que eu ganhei uma caneca escrito "melhor pai do mundo" do seu tio Ricardito, mas isso não conta. Isso já mostra que você está muito mimada para o tamanho que nem sequer tem, sua sapequinha; e que fique bem claro que papai não vai te mimar, hein!

Robin riu enquanto escrevia a última frase do parágrafo, era óbvio que aquilo era uma mentira; já que ele já estava mimando a filha que nem havia nascido. Estelar às vezes brigava com ele, dizendo que "não passaria horas agonizantes com seu 'espaço pessoal' aberto para um médico para parir uma menina mimada", mas ele não se importava muito com aquilo; estava louco para mimar sua princesinha e dá-la todo o amor que ele não teve quando criança. Voltou a escrever, desta vez com a caneta rosa; a que usaria muito daqui pra frente.

Ok, mas voltando ao quê interessa. Já estamos em Janeiro e voltando as atividades normais de jovens adolescentes que brincam de ser heróis. Hoje, o papai está sozinho em casa; seus tios estão lá embaixo treinando e sua mãe saiu com a maluca da sua tia Donna, elas foram ao shopping comprar roupinhas à você, algo que Kori estava louca pra fazer desde que descobriu a gravidez. Eu não fui porque, não é muito minha praia ficar numa loja por horas escolhendo roupinhas que me parecem todas iguais; então optei por ficar aqui.

Papai estava no quarto que divide com a mamãe, usando meus instintos de engenheiro para ver como organizaremos suas por coisas aqui. Espero que não fique triste, mas você não terá um quarto só seu no momento. Foi difícil convencer sua mãe desta idéia, já que ela estava louca em fazer aqueles quartos bonitinhos; mas acontece que mesmo vovô sendo rico, o papai não é; e ficaria muito caro fazer aquilo tudo levando em consideração o tanto de coisas que você necessita diariamente que não são nada baratas. Você sabe quanto custa um único pacote de fraldas? É mais caro que uma roupa de marca!

Desculpe, saí do foco. Então, voltando; estava vendo aonde ficariam seus móveis aqui no quarto quando meu celular vibrou, era sua mãe. Ela estava bem, ainda estava no shopping e estava mandando fotos de algumas roupinhas que tinha gostado, querendo a minha opinião sensata. Eram roupinhas simples, com aquelas frase fofas e desenhos bonitinhos, a mamãe estava encantada com todas elas e perguntou se poderia levar todas. Eu não a respondí na hora, pois estava concentrada em outra coisa.

Em ver o quão eram pequenas.

E sabe o pior de tudo, querida? Aquelas nem eram roupas de recém-nascidos, eram roupas de bebês com dois ou três meses, e aquilo me assustou, pois queria dizer que quando você chegasse, seria menor e mais frágil ainda.

Sabe, amor, o papai não é muito jeitoso, ainda mais com coisas frágeis como você será. Já segurei explosíveis, armas de fogo, todo e qualquer tipo de arma que você possa pensar o papai já segurou; mas nunca um recém-nascido. Minha insegurança piorou quando Kori me mandou outra foto, desta vez de um macacão roxo para saída da maternidade, e aquilo era tão pequeno, querida, tão frágil e, vulnáravel. Aquilo queria dizer que você seria assim também, e isso deixou papai muito assustado.

Dick terminou a escrita, e engoliu seco. Jamais pensou que em toda a sua vida teria medo de, recém-nascidos, principalmente quando este era sua própria filha. Passou tantos anos lutando e vivendo uma vida perigosa que jamais pensou que chegaria em um ponto de, cuidar de uma frágil e pequena criaturinha, que necessitava te todo o cuidado do mundo. Tinha muitos medos de machucá-la e coisas do tipo, então achou melhor voltar a escrever, para ver se sua mente se acalmava um pouco.

Seu pai é um medroso, querida, e eu acabei de descobrir isto. Naquela hora, até mesmo sentei-me na cama pois estava começando a me desesperar por dentro e sua mãe não cooperava muito, ficava me mandando mais e mais fotos. As observava atentamente, cada luvinha minúscula até mesmo os pequenos móveis que estavam de fundo da imagem me chamavam a atenção; eu estava para surtar.

Meu bem, o pai vai ser sincero contigo. Sei que até agora, descreví como esse "mundo cor-de-rosa" está sendo maravilhoso pra mim e tudo, mas isso sou eu escondendo que estou com medo. Sim, papai tem medo; medo disso tudo, dessa nova etapa, dessas novas coisas, desse novo mundo. Eu sempre fui um cara muito fechado antes de conhecer a mamãe, nunca gostei de coisas que fossem fora da minha bolha e agora daqui há cinco meses serei pai; o seu pai.

Papai tem medo de te machucar, querida; de te segurar errado e te ferir, quebrar algum ossinho seu, de não saber como trocar você e todas essas coisas. Óbvio que só você sabe disto, seu pai ainda é muito orgulhoso. E todos esses medos misturados com as coisas que já tem na cabeça do papai, me deixam meio sem chão, sabe? Eu fico confuso, sem saber o quê fazer, e olha que mamãe só está no quarto mês de gestação. Às vezes sinto que não estou pronto para ser pai, querida; e é por isso que agradeço por uma gravidez durar nove meses, quem sabe até lá o papai não fica melhor com os pensamentos dele, hum? Não posso te prometer que quando você nascer eu estarei "curado", isso demora bastante; mas garanto que quando você chorar pela primeira vez, eu estarei aqui para confortar você.

Mas sabe, amor, algo que o papai aprendeu nesses últimos anos é que a vida não é feita só de tristezas. Enquanto eu estava preso aos meus pensamentos, meu celular não parou de vibrar um minuto sequer; decidi olhar o quê diabos estava acontecendo e me deparei com outras roupinhas, mas aquelas me chamaram a atenção de outra forma. Eram roupinhas escrito "eu amo o papai" ou "o papai é meu herói!", e acredite ou não, o coração do pai derreteu com aquilo. Até mesmo minhas paranóias deram uma trégua, só de pensar em você com aquelas roupinhas deitada nas minhas pernas, sorrindo banguelamente pra mim, mostrando que realmente me amava, já me fez me sentir melhor. Você tem esse poder sob o papai, e pode usá-lo o quanto quiser.

A partir daí começei a opinar sobre as fotos que sua mãe mandava, até mesmo deitei-me na cama para ficar mais confortável durante minha sessão crítica. Opinei sobre todas a fotos que ela me mandou e resumindo, pedi para comprar todas, principalmente o body que copiava meu uniforme; queria muito ver você usando aquilo e sendo minha pequena Estelarzinha Robinzinha. Foi estranho sabe? Mudei de humor tão rápido com aquelas benditas roupinhas; mas sentir coisas estranhas já estão listadas no meu diário; como por exemplo, filha, sou apaixonado por você e ainda nem te conheço; superou até mesmo sua mãe, quando a conheci a achei legal mas a paixão demorou a chegar para nós; com você não, foi de imediato, nós já te amavamos quando vimos o feijãozinho que estava na barriga da mamãe há quatro meses atrás, não precisamos nem esperar.

Bom, amor, esse foi o relato mensal do papai desse mês. Até agora as coisas estão calmas e não aconteceu nada demais além de meus surtos e paranóias, que prometo tratá-las até seu nascimento, para ser um bom pai à você. Também te prometo dar um quarto só seu quando tivermos nossa casinha, ok? Por enquanto você vai dormir grudadinha na mamãe e no papai, usando seu pijaminha azulado escrito "não preciso de namorados, sou uma menina independente", que eu amei por sinal a frase motivacional que apoio que você leve até seus trinta. Mas, foi isso! Até o próximo mês, meu amor, e fique tranquila que o papai vai sempre te atualizar sobre a moda dos bebês.

PS: A mamãe acabou de chegar, vamos ver como está seu closet até o momento.

Dick sorriu abobado, enquanto fechava o diário e o guardava na gaveta de sua escrivaninha. Pôde ouvir Estelar cantarolar alguma canção Tamaraneana enquanto se aproximava do quarto, deixando seu coração bem quentinho. Virou-se e deparou com a namorada, expondo sua barriga já com um pequeno formato e com as mãos cheias de sacolas; assim que ela o viu abriu um enorme sorriso e voou em sua direção, lhe dando um beijo doce como o batom de morango que usava. Sem dúvidas, a melhor parte do dia do vigilante era beijar a princesa.

- Olá, sumida - Dick riu, sorrindo para a garota e observando a grande quantidade de sacolas em suas mãos - Vejo que se divertiu.

- Muito! As roupinhas de pequenas bungorfs são tão gloriosas aqui na Terra! Eu e Donna nos divertimos muito! - Kori exclamou alegre, colocando as sacolas na cama.

- Falando nisto, onde está a maluca da minha irmã?

- Voltou pra Torre Leste, Garth ligou dizendo que ele o Roy tinham algo muito importante para tratar com os outros.. - Estelar fez um biquinho de suspense, fazendo o namorado sorrir - Mas isso não importa, agora! Venha ver as roupinhas!

- Mas, eu já vi todas pelo celular, amor - Começou Richard, sentando-se ao lado dela - Eu gostei de todas, principalmente as que enaltecem meu ego paterno.

- Bobo; fique sabendo que eu comprei todos os conjuntos de mãe e filha da loja, eu e nossa pequena bungorf ficaremos iguais! - Kori bateu palminhas, de tão animada que estava - Ah! Já ia me esquecendo! Peguei uma roupinha sem pedir sua opinião, pois queria ver sua reação pessoalmente. Estende a mão e fecha os olhos!

- Estelar, só você, hein.. - Robin resmungou, fechando os olhos e sentindo o tecido macio em suas mãos. Abriu os olhos e viu que segurava um macacão newborn  cinza de mangas rosinha claro simples e macio, sem nenhuma estampa - É um macacão normal, amor.

- Não é não - A ruiva sorriu travessa - Vira de costas.

- Ok.. - Dick virou o macacão, e ficou surpreso ao ver que na parte onde se abria o macacão para trocar o bebê, havia um pequeno elefantinho estampado - Tem um elefante aqui!

- Sim! Não é legal?! Achei glorioso essa idéia de estamparem o bumbum do bebê!

- Que idéia de girico, mas eu gostei.. - Dick riu; elefantes sempre foram seus animais favoritos desde a infância, costumava ter desde roupas a brinquedos de elefantes. Ficou bobo ao ver que a filha teria um certo carinho pelo animal também - Nossa filha será uma dama com um elefante na bunda.

- Já que estamos falando em elefantes.. - Kori começou, arruamando uma mecha de seu cabelo; se aproximou do namorado e sentou-se em colo, se apoiando em seus ombros - Dick, você acha que estou gorda?

- Meu bem, óbvio que não - Robin riu, ingênuo; Estelar começou com a insegurança sobre seu corpo no último mês e ele fazia questão de lembrá-la todo dia como estava mais linda que antes - Pra mim, você está linda, e bem gostosa.

- Richard! Não fala essas coisas perto dela!- Kori o repreendeu, passando a mão por sua barriga.

- Hum, desculpa filha - O moreno desculpou-se, dando um beijinho na barriga - Mas, vamos ao que interessa. Me mostre as roupinhas, amor, quero ver todas pessoalmente!

- Glorioso! Vem! - A ruiva já havia mudado de humor, e pegou as sacolas, mostrando as todas as roupinhas para o pai de sua filha, que em momento nenhum deixou de segurar o tão estranho e bonitinho macacão com estampa de elefante.


Que ficava no traseiro.


Notas Finais


xau 🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...