História Rock In Rio - Amor Inesperado - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Rock In Rio, Romance, Shawn Mendes, Viagem
Visualizações 545
Palavras 4.731
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 28 - Eu posso estar longe, mas eu nunca fui embora


Fanfic / Fanfiction Rock In Rio - Amor Inesperado - Capítulo 28 - Eu posso estar longe, mas eu nunca fui embora


Luiza Monteiro narrando

Tinha acabado de tomar um banho, vesti minha roupa e comecei a caminhar pela casa. Meus pais e meus tios tinham ido pra casa da vovó, andar atoa como sempre. Sofia tinha ido encontrar o "amigo do bar" dela. Então, estava apenas eu e Shawn em casa. Fui até a cozinha e peguei um iogurte, quando dei a primeira colherada ouvi Shawn me chamar. 

- Amor... 

Sorri boba, certamente eu nunca iria me acostumar com essa atenção toda. Ainda com meu iogurte em mãos segui até meu quarto. 

- Oi amor 

Respondi vendo ele deitado em minha cama 

- Vamo ver um filme?

Perguntou e eu franzi a testa 

- Ver um filme igual ontem?

Perguntei e ele riu

- Ver um filme Luiza, você tá ficando viciada nisso né, não para de pensar 

Falou rindo me deixando vermelha de vergonha

- Ridículo. Não estou viciada, só é difícil te entender, você fala que quer fazer algo mas acaba fazendo outra... Enfim, vou lá buscar a pipoca e um brigadeiro porque não sou obrigada a ver filme sem 

Falei e ele riu me seguindo cozinha a fora 

- Microondas ou de panela?

Perguntei e ele apontou pra de panela, coloquei a pipoca na panela enquanto Shawn me abraçava por trás, beijando meu pescoço. 

- Te amo tanto tá meu amor... mesmo sempre estando muito longe de você quase sempre

Ele disse e eu sorri, tampando a panela e me virando pra abraçar seu pescoço. 

- Eu prometo que um dia estarei por perto, te manterei a salvo, te manterei seguro, no momento as coisas estão meio loucas e eu não sei como parar ou diminuir...

Cantei baixinho com a cabeça apoiada na curvatura do seu pescoço, sentindo uma leve vontade de chorar. 

- Só me deixei te abraçar um pouco mais. Pegue um pedaço do meu coração e o faça seu. Então, quando estivermos separados você nunca vai estar sozinha _ ele sorriu se afastando pra olhar meus olhos e pulando um trechinho da música _ quando sentir saudades, feche seus olhos. Eu posso estar longe mas nunca fui embora, quando você adormecer a noite, lembre-se que nos deitamos sob as mesmas estrelas

Ele cantou e eu sorri ao sentir ele enxugar umas lágrimas que caiam. 

- Eu te amo muito e vou sentir muito a sua falta 

Falei abraçando ele forte 

- Eu também te amo minha pequena... Você nunca vai estar só, prometo que com o tempo vou diminuir essa distância

Ele disse e eu sorri concordando, dando um beijo rápido nele. 

- A pipoca... Vai queimar

Falei apressadamente e desligando o fogão. 

- Quase 

Shawn disse rindo observando que só havia queimado uma pipoca. 

- Eu sou maravilhosa até fazendo pipoca meu amor 

Falei e ele riu 

- E eu sou obrigado a concordar. Você é maravilhosa em tudo

Ele disse sorrindo e me beijando, com a ajuda dele fizemos o brigadeiro. De início ele não gostou muito, principalmente pelo fato de não gostar muito de doces, mas acabou comendo um pouco. 

- Já pensou sobre sua viagem pro Canadá? Porque você vai. Já tô até vendo com o Andrew uma folga em julho

Ele disse enquanto assistíamos o trailer final do filme, passamos o filme todo nos beijando, foi quase impossível ver o filme. 

- Não paro de pensar nessa viagem. Eu realmente espero que dê tudo certo

Falei sincera, eu realmente estava cogitando a hipótese de ir pro Canadá. 

- Vai dá tudo certo. Se você precisar de ajuda só me falar tá. 

Ele disse olhando em meus olhos e eu sorri concordando. 

- Vai ser muito legal né. Estarmos juntos no Canadá... 

Falei sorrindo

- Vai ser ótimo. Minha mãe e Aaliyah não param de falar de você, que estão com saudades, vai ser muito legal mesmo 

Ele disse abraçando minha cintura e deitando sua cabeça sob meu peito. 

- Ai... Tô ansiosa agora viu, você ficou me enchendo de expectativas

Falei rindo e ele riu 

- Vou fazer questão de realizar cada uma delas... Você vai amar lá amor, ver a torre do meu apartamento, visitar minha antiga casa... 

Ele disse se aninhando em meus braços

- Eu vou amar conhecer Pickering

Falei e ele sorriu.

- Você vai amar mesmo... Tô tão feliz que vamos passar esse tempo juntos, tô sentindo que vai ser incrível

Ele disse e eu sorri concordando

- Estou com a mesma sensação

Falei acariciando seu cabelo, que por sinal estava bem grandinho, minha vontade era de não sair dali nunca mais. 

- Sabe. Quando eu olho pra você tenho uma sensação diferente, é uma coisa muito boa, mas diferente, como se eu já não me visse mais sem você, apesar de estarmos sempre longe, sinto que vamos estar sempre juntos 

Ele disse e eu fiquei boquiaberta, era exatamente essa a sensação que tinha com ele. 

- Acharia estranho se eu te dissesse que sinto a mesma coisa?

Perguntei rindo vendo ele inclinar a cabeça pra trás pra me olhar. 

- Acho que é destino. Quando é pra ser acontece, tipo a gente... Sinto que nosso relacionamento não vai acabar 

Falou e eu sorri, eu realmente espero que não acabe. O Shawn mudou a minha vida, de uma forma tão linda, que não me imagino sem ele. 

- Por isso te amo. Muito 

Falei olhando ele nos olhos e dando um selinho demorado. 

- Eu também te amo minha coisa  linda. E final do ano vamos pra Portugal

Ele disse e eu ri 

- Calma. Não é assim, disse que vou pensar sobre Portugal

Falei 

- Comentei com seu pai hoje sobre a ida pra Portugal, ele disse que iria pensar, conversar com sua mãe e se planejarem, pra ver se vai dar mesmo pra eles irem 

Ele disse e eu ri concordando

- Tá. Talvez você pedindo eles de um jeito de irem

Falei e ele sorriu concordando. Meu celular começou a vibrar com força e Shawn se remexeu na cama tirando meu celular debaixo das suas costas me fazendo rir. 

- Oi mãe. 

- Oi minha filha. Shawn tá dormindo?

Perguntou e eu o olhei, ele me olhava atento e curioso, ele estava assim desde que chegou. Me obrigando a ensinar a ele várias coisas em português. 

- Não. Estávamos vendo filme 

Falei enrolando uma mecha do cabelo de Shawn. 

- Vem aqui pra casa da vovó com ele, ela tá fazendo um jantar, comida italiana, Shawn vai gostar certeza... 

Ela disse e eu sorri, minha avó é italiana, então certamente Shawn realmente iria gostar da sua comida. 

- Ok. Mas vocês vão vir buscar a gente?

- Não. Sofia disse que Shawn tem carteira, não é tão longe, da pra vocês vir tranquilo, o carro tá aí em casa, nos viemos com sua tia no carro dela mas ela já foi embora, íamos voltar de táxi mas sua avó insistiu em ficarmos pra jantar ai mandou chamar vocês 

Falou e eu concordei.

- Tudo bem. Vou ver com Shawn aqui e se ele quiser ir vamos 

Falei e ela concordou desligando. 

- Sua mãe?

Shawn perguntou

- Sim. Ela tá na casa da minha avó, ligou pra chamar a gente pra ir lá, parece que minha avó tá fazendo um jantar, ela é italiana minha mãe mandou te avisar, então é comida italiana. Mas se você não quiser ir tá tudo bem, você não é obrigado a suportar meus avós loucos 

Falei e ele riu 

- Larga a mão de ser chata. Sua família é super legal. Vamos sim, preciso ir muito arrumado?

Perguntou e eu sorri negando

- Pode ir assim mesmo, ta lindinho, eu mesma vou de pijama. Não tem ninguém lá não, só meus pais e meus avós

Falei, vendo ele que usava uma calça moletom, chinelo e uma blusa de frio também moletom. 

- Ok então. Vamos?

Perguntou e eu ri 

- Vamos 

Falei e ele voltou até a mala tirando de lá outro moletom

- Veste. Ta frio hoje 

Ele disse e eu revirei os olhos rindo 

- Já estou acostumada com o frio que faz aqui amor e fora que já tenho uma coleção de moletom seu aqui, falar nisso tenho até que te devolver 

Falei e ele riu 

- É bom que você sempre vai lembrar de mim, não precisa devolver. Agora veste esse 

Ele disse me estendendo o moletom. Eu amava esse jeitinho protetor dele, de me cuidar tão bem. Vesti o moletom mesmo sabendo que não precisaria, já que eu já vestia meu pijama longo (calça longa e uma blusa de manga longa). 

- Vamos pegar um Uber? Ou da pra ir andando?

Perguntou e eu cocei a nuca, ajeitando eu cabelo que estava solto. 

- Então. Mamãe disse que o carro tá aqui, que você tem carteira, se quisesse ir no carro mas se você preferir, vamos de Uber mesmo

Falei dando de ombros e ele sorriu 

- Vamos de carro então. Mas é muito longe ou perto? 

Perguntou enquanto eu procurava a chave do carro 

- Pertinho. É aqui pelo bairro mesmo 

Falei indo até a cozinha e pegando a chave pendurada num chaveiro. 

- Ok então. Vai me guiando

Ele disse e eu concordei. Fomos até a garagem e ele assumiu o volante. Confesso que era bem tentador ver ele sentado segurando o volante. 

- Não me olha assim, sei o que tá pensando e saiba que já pensei em fazer o mesmo com você em um carro. Mas não no dos meus sogros

Ele disse me olhando e eu corei rapidamente, sentindo o ar falhar. 

- Como sabia o que eu estava pensando?

Perguntei estreitando os olhos 

- você tava mordendo a boca e me encarando

Ele disse e eu ri envergonhada

- Entendi... 

Falei ligando o som do carro baixinho, nas músicas do Shawn, ele me olhou sorrindo 

- Já era de se esperar ter músicas minha no carro 

Falou e eu ri concordando

- Fã viciada amore

Respondi vendo ele por o cinto de segurança e fazendo o mesmo em mim. Me senti no filme cinquenta tons de cinza, porém sem o helicóptero. 

- Pronta?

Shawn perguntou e eu ri

- Larga de ser bobo. Sei que dirige bem 

Falei dando de ombros e ele sorriu me dando um selinho. Ele ligou o carro e deu partida, fui guiando ele até chegarmos na casa da minha avo. 

- Você é realmente muito lindo dirigindo

Falei confessando

- E você é uma bela acompanhante

Ele disse sorrindo. Saímos do carro e seguimos pra dentro da casa. Shawn estava super descontraído, querendo aprender várias palavras em português, fazendo todos rir quando errava alguma. Mas ele é inteligente e pega muito rápido as coisas, era impressionante. 

- Ah não vó... As fotos não 

Falei abaixando a cabeça. Estávamos sentados na mesa, já tínhamos jantado, agora estávamos apenas conversando, já que tínhamos limpado a mesa e tomávamos apenas um café. 

- O que?

Shawn perguntou, ele estava sentado ao meu lado, mais especificamente, na cadeira ao lado, mas ele tinha colado a dele bem próxima  da minha. 

- Minha avó tem essa mania de mostrar fotos da infância dos netos pra todo mundo 

Falei rindo levemente, ainda bem que Shawn não entendia português, seria vergonhoso ouvir a narração da minha avó sobre a minha infância e a dos meus primos. Não que eu me envergonhe da minha avó, jamais. Mas era constrangedor ter meu namorado ouvindo coisas como "nesse mesmo dia ela fez xixi na cama". 

- Ownnn olha você amor, é você né? 

Shawn perguntou todo entusiasmado ao ver uma foto minha neném que eu já tinha visto milhares de vezes. 

- Sim. 

Respondi rindo 

- Olha o olhinho... Tão fofinha 

Ele disse me fazendo rir, enquanto minha avó espalhava todas as fotos sob a mesa. 

- Essa aqui é você e o Matheus?

Ele perguntou

- Sim. Tínhamos indo na praia, eu tinha cinco anos 

Falei sorrindo, tinha umas fotos que eu até gostava, aquela com toda certeza era uma das. 

- Olha o maiozinho, e esse shortinho

Ele disse rindo 

- Ridículo. Era moda... 

Falei me defendendo

- Você tava toda... Como se diz aqui no Brasil... Piri... Pir...

- Piriguete. Shawn Mendes eu vou bater na sua cara, você tá chamando sua namorada de Piriguete?

Perguntei estreitando os olhos me fingindo de brava 

- Amor. Ta bem pir... Piri... Ai isso aí que você disse 

Ele falou e eu dei um tapa em seu braço

- Vai voltar pro Canadá solteiro

Falei me fingindo de brava 

- Graças a Deus que tô indo daqui direto pra Londres 

Falou fazendo graça e eu ri revirando os olhos 

- Idiota. Você entendeu

Falei observando ele que pegava outra foto, olhei meus avós que sorriam olhando uma foto de todos os netos juntos, provavelmente lembrando cada travessura de um por um ali, meus pais conversavam e bebiam um pouco de vinho, vendo também as fotos. 

- Oh meu Deus você tá vestida de havaiana? Socorro 

Shawn disse e eu fiz bico 

- Paraaaaaa! Eu tava linda, olha o colar no pescoço, tendência

Falei e ele riu negando 

- Aqui você tava ficando bem bonitinha hein 

Shawn disse vendo uma foto minha com 14 anos 

- Sempre fui bonitinha

- Tô brincando. Sempre foi mesmo 

Ele disse me olhando sorrindo e me dando um selinho

- Até foto dele tem aqui?

Pergunto me mostrando uma foto minha com Lucas quando tínhamos 15 anos. 

- Ele é bem próximo da família. 

Falei dando de ombros e beijando seu rosto 

- Sei... Uauuuu já tem foto minha aqui também?

Perguntou agora rindo, foi a foto que tiramos em janeiro, um dia depois da virada de ano. Estávamos todos na área de churrasco, a foto realmente tinha ficado linda. 

- Foto do "primeiro dia do ano" em família uai. Olha a cara do seu pai 

Apontei rindo, Manny estendia um copo de cerveja na foto e Shawn tinha um sorriso tímido enquanto me abraçava. 

- Ficamos lindos 

Shawn disse me olhando e sorrindo 

- Você é lindo 

Falei acariciando seu rosto. Ficamos olhando várias fotos ali e Shawn obviamente com seus comentários como "Quando tivermos uma filha ela vai vir a sua cara" "Adorava roupa curta desde nova" "Se não tivesse o Lucas a foto teria ficado linda" "Você catando docinhos no aniversário". Realmente tinha uma foto em que me pegava no flagra roubando um docinho, era meu maior crime, minha cara sempre ia no chão vendo aquela foto. 

- Gente. Amor você tava roubando docinho 

Shawn disse rindo alto enquanto íamos até o carro. Meus pais se despediam ainda dos meus avós. 

- Deixa de ser besta Shawn. Era meu aniversário, então eu tinha o direito de pegar docinho

Falei vendo ele rir alto 

- Amor. Você... Tava ... Roubando um ... _ pausa pra sua risada de cabra berrante _ docinho 

Ele disse se apoiando no carro enquanto eu o observava de braços cruzados

- Deixa quando eu chegar no Canadá. Vou fazer sua mãe me mostrar as fotos mais constrangedoras suas, as que nunca foram descobertas pelos fc's. 

Falei apontando o dedo na cara dele que ria 

- A senhora não pode nem reclamar, porque eu nem falei ainda sobre o Lucas ter sido seu par na valsa do seu aniversário de 15 anos 

Ele disse e eu revirei os olhos 

- Relaxa que no nosso casamento será você 

Brinquei e ele sorriu bobo 

- Pensa mesmo em se casar comigo?

Perguntou agora me abraçando pela cintura, minha cara estava vermelha provavelmente, meu sangue parecia não correr mais pelas minhas veias, oh Deus o que eu fui falar. 

- Amm... É.. casar? 

Falei tentando ganhar tempo pra tentar me desfazer daquela situação constrangedora. Shawn agora iria achar que sou a louca que quer se casar com o cara mais desejado da atualidade. 

- Sabe o que penso? Que você quer sim se casar comigo... _ Shawn disse. Ok minha cara tava pegando fogo_ assim como eu quero muito me casar com você _ ele disse sorrindo meigo, minha cara era a mais boba possível_ quero ter você eternamente na minha vida, com esse sorriso lindo, essa carinha meiga... Porque eu te amo, e não vejo mal algum em você brincar sobre nos casarmos, porque essa é realmente uma vontade que tenho... Claro que não agora, somos jovens... Mas quero muito. 

Nesse momento tenho certeza de que meu coração estava batendo rápido demais ou ele simplesmente tinha parado de bater. Meu sangue começou a bombardear com força, ele disse mesmo que quer se casar comigo? Ok que ele poderia estar somente brincando, mas aquilo mexia de uma forma única comigo, pois ali não o via como "Shawn Mendes o cantor" e sim só o "Shawn" o dono do sorriso mais lindo e sincero, o Shawn expressivo, observador, divertido, apaixonante... Um Shawn que poucos tinham a oportunidade de conhecer tão profundamente. 

- Shawn. Não brinca comigo que eu sou frágil

Falei sentindo meus olhos arder, devido as lágrimas que começavam a se acumular. 

- Não tô brincando. Eu te amo... 

Ele disse sorrindo 

- Eu também te amo... 

Falei beijando ele como forma de esconder minha lágrimas, o que foi em vão, já que seus dedos as enxugava. Nos afastamos ao ouvir meu pai arranhando a garganta, como forma de chamar nossa atenção. 

- Shawn leva o carro?

Ele perguntou e eu traduzi

- Claro.  Levo sim 

Ele disse me olhando sorrindo. Meu pai assumiu o banco do carona, me decepcionando um pouco, já que eu tinha a intenção de ir na frente com ele. Fui no banco de trás com minha mãe, apenas observando Shawn dirigir, mal podia imaginar a dor que sentiria ao vê-lo partir domingo a noite. 

Shawn Mendes narrando

É incrível como os bons momentos passam rápido. Não que eu esteja reclamando da vida que tenho, afinal fui eu quem escolhi viver assim, amo os meus fãs acima de tudo, mas claro que como ser humano sinto falta dos momentos em casa, passar mais tempo com a família, e agora tem a Luiza que mora em um país tão longe do meu. Eu queria poder unir todos eles e levá-los comigo para todas as minhas viagens, com toda certeza eu seria 100% completo, ao lado da minha família e dos meus fãs. 

Nesse exato momento estou sentado na "minha" cama, observando Luiza dormir, é engraçado, ela dorme tão serenamente, com uma expressão tão linda e com três travesseiros na cama, sim, três. Um na qual ela apoia a cabeça, um atrás das costas e um comprido maior que ela, abraçado. Infelizmente eu não cabia com tanta perfeição assim na sua cama que era de solteiro, o que me fez sentir uma grande inveja daquele maldito travesseiro comprido e fino que podia se ajustar ao corpo delicado dela todas as noites. Durante as poucas vezes que pude dormir no mesmo quarto que ela, pude notar três coisas: Ela tem dificuldade em respirar quando dorme, mas isso não parece atrapalhar muito o seu sono. Ela só dorme se tiver ao menos um travesseiro ao seu lado mesmo estando dividindo a cama comigo, como aconteceu em São Paulo. E terceiro, ela tinha um sono bem pesado.

Mexi no cabelo observando o quarto, tinha umas luzes clarinha em cima da escrivaninha do quarto dela, pelo que eu sabia, ela só dormia com aquilo ligado, ela não me confessou mas a Sofia me disse que Luiza tinha medo do escuro. Apesar de sábado ela ter desligado, mas de acordo com Sofia foi só porque eu dormi ali, agora sozinha ela não deixava desligado por nada. Hoje certamente ela esqueceu de desligar, por estar tão habituada a dormir com ele ligado. Levantei da cama e fui até lá, me sentei na cadeira observando um porta retrato estilo agenda, que ia passando as folhas mas tinha como deixá-lo em pé ou de lado, aquele ali era novo, não me lembrava de ter visto ali quando vim da última vez. Olhei todas as fotos, a maioria era nossa, dela com Sofia, Amanda, Matheus e com a família. Tinha umas fotos estilo 4x4 guardada na contra capa, era de nós dois em Los Angeles, na casa de campo. Tinha 4 fotos daquela na mesma proporção, formando um quadrado. Não devia, mas peguei uma, ela não iria ficar brava. Peguei um papelzinho rosa do mesmo tamanho e escrevi "Espero que não se importe por eu ter pego uma", sabia que ela iria reconhecer minha letra, pus o papel no lugar da foto e voltei pra cama, puxando a minha mala que estava ao lado e guardando a foto na minha carteira. 

Acordei com Luiza me enchendo de beijos e me chamando pra correr, ela estava realmente querendo me agradar, sabia que ela não iria correr por livre e espontânea vontade se não tivesse o propósito de me ver bem e fazendo algo que gostasse. Corremos, voltamos em casa e nos arrumamos indo em seguida para o shopping, essa foi ideia minha. Queria ser o namorado normal, mas não deu muito certo já que vários fãs apareceram, fiquei extremamente feliz ao ver Luiza toda contente me ajudando a tirar as fotos com os fãs, sem se importar de termos perdido a sessão do cinema. Acabamos na praça de alimentação tomando um açaí, vez ou outra sendo interrompidos por fãs, mas não nos importamos. 

Demos as mãos e começamos a passear por todo o shopping que por sinal era enorme. Abracei ela pelo ombro a juntando mais a mim enquanto olhavamos as vitrines, comiamos algo ou apenas conversávamos andando pra lá e pra cá, era legal passar esse tempo com ela apenas papeando e andando algumas vezes em círculos, ela me fazia me sentir um adolescente comum saindo para passear com a namorada num típico domingo a tarde, sem segurança, sem nada. 

- Amor se você gostou da camisa, compra 

Ela disse me observando, ainda abraçada a mim. Estávamos parados enfrente a uma vitrine de uma loja, onde tinha umas roupas bem do meu estilo. Segundo Luiza era uma loja até boa. 

- Tá. Prometo não demorar 

Falei e ela riu 

- Amor, até fazer compra com você no supermercado é algo emocionante... Imagine vendo você comprar roupa 

Ela disse me fazendo rir, entramos na loja e comecei a olhar as camisas, com a ajuda dela. 

- Hey amor. Lembra que você deu entrevista pra um Youtuber e você disse que tinha gostado muito da camisa dele, perguntou até onde ele comprou?

Ela perguntou ao meu lado olhando algumas camisas masculinas

- Hum... Não 

Falei sincero e rindo. Ela pesquisou algo no celular e me mostrou o trechinho do vídeo que estava sem som, devido estarmos em uma loja. Mas automaticamente me lembrei da entrevista

- Oh sim... Agora lembro, o que tem?

Perguntei observando ela 

- Ele comprou aquela camisa aqui, no vídeo ele mostrou a foto, o nome da loja e o preço

Ela disse rindo 

- A é verdade... Ele comentou o nome mas eu não conhecia nada por aqui, mas tem umas camisas bem legais mesmo

Falei olhando. Uma vendedora se aproximou, falando algo em português. Luiza respondeu apontando discretamente pra mim. 

- Ela foi pegar umas camisas 

Luiza disse dando de ombros e me ajudando. Estávamos no provador e a vendedora passava a mãos sob a camisa que eu vestia, falando algo em português que eu não fazia ideia. Olhei pelo espelho e Luiza parecia querer matar a vendedora, quis ri mas me segurei, ela estava com ciúmes?

- Abusada essa vendedora. Falando que a roupa ficou ótima em você, que você tem um corpo perfeito... Ridícula abusada 

Falou baixinho andando pela loja comigo e eu ri 

- Ela pode falar o que quiser, eu amo você 

Falei puxando ela e dando um selinho demorado. Fomos interrompidos por uns fãs, tirei as fotos com a ajuda de Luiza que agora já sorria. 

- As meninas me chamaram de lindo e você não se incomodou

Falei assim que as fãs saíram

- Fãs Shawn, fãs. Não tenho ciúmes delas porque sei o que é ser fã, agora dessas mulheres abusadas que ficam se esfregando em homem de outra eu tenho mesmo 

Ela disse e eu sorri coçando a nuca, ela brava é realmente a visão do paraíso. Comprei umas cinco camisas com a ajuda dela, até notar um casaco, não era grosso, daria pra usar tranquilamente no verão canadense, o que pra Luiza seria um pouco "frio" não muito, mas caso o tempo resolvesse esfriar um pouquinho aquele casaco seria ótimo. 

- Pronto amor?

Luiza perguntou me tirando dos pensamentos

- Não. Vem aqui

A puxei comigo em direção ao casaco 

- Quer levar pra Aaliyah? 

Perguntou sorrindo e eu sorri junto 

- Não. Pra você 

Falei e ela me olhou sem entender

- Shawn... Não. Não precisa, aqui nem uso muito isso, aqui é calor o ano todo, sei nem porque de ter um casaco desses aqui

Falou sorrindo sem graça

- Pra quando você for no Canadá em julho... Bom, lá vai ser verão... O que pra gente é quente mas pra você certamente vai estar um pouquinho frio, sempre tem umas noites meio friozinho... E a gente vai sair muito a noite lá 

Falei estendendo o casaco na frente do seu corpo pra ver se cabia 

- Mesmo assim não precisa. Pode deixar que antes deu ir pra lá eu vou comprar o que será preciso pra sobreviver uma semana lá Shawn 

Ela disse rindo 

- Amor... É só um casaco, você nunca aceita presentes meu

Falei a olhando sério 

- É porque eu não quero abusar de você 

Ela disse revirando os olhos 

- Não é abuso. É só um casaco...

Falei e depois de muita insistência ela aceitou, apesar de ter feito um bico enorme de emburrada. Paguei a compra e saímos da loja, andando abraçados novamente. Até que passei enfrente a uma vitrine onde tinha um vestido que na minha opinião seria a cara dela, óbvio que ela não aceitaria, mas daria um jeito de comprá-lo. 

- Amor. Se importa se eu olhar uma camisa rapidinho aqui?

Perguntei como pretexto pra entrar na loja 

- Não. Vamos

Ela disse me puxando pra dentro da loja 

- Vê se acha alguma coisa legal pra mim aí que eu vou ali... 

Apontei pro outro lado da loja e ela concordou ainda de olhos estreitos. Pra minha sorte a dona da loja falava inglês, comprei o vestido na maior pressa do mundo, escondendo o embrulho do presente dentro de outra sacola com umas camisas minhas. Não sabia se aquele vestido iria caber nela, mas pelo que conhecia de seu corpo, cairia perfeitamente bem.

- Não achei nada. Vamos?

Perguntei e ela parecia ter acreditado. Fomos pra sua casa e eu dei um jeito de Sofia esconder e por sob a cama de Luiza, quando formos pro aeroporto, assim não correria a chance dela me matar por ter feito isso. Claro que me certifiquei com Sofia de deixar o recibo caso o vestido não caiba. Deixando um bilhetinho preso no laço do embrulho. 


Luiza Monteiro narrando

O voo de Shawn havia sido chamado pela terceira vez, sentia meu coração se apertar como se a minha vida estivesse por um fio. Eu tentei segurar as lágrimas o máximo que pude, não queria bancar a chorona em sua frente. 

- Promete me mandar uma mensagem assim que chegar? 

Perguntei arrumando sua camisa 

- Prometo. Promete ficar bem? Você sabe que te amo né? Que vamos nos ver logo?

Ele perguntou segurando do meu rosto entre suas mãos. 

- Sei. Eu também te amo 

Falei forçando um sorriso, aquilo estava sendo mais doloroso do que pensei que seria 

- Amor. Não é um adeus, é apenas um até logo... 

Ele disse sorrindo e eu assenti, dando um último abraço e o último beijo. Olhei pra todo o seu rosto, tentando guardar comigo cada traço, como se eu já não soubesse cada um deles, mas mesmo assim o fiz. Observei atentamente, passando minhas mãos delicadamente sob seu rosto, o vendo sorrir, aquele era um sorriso triste, eu o conhecia bem demais pra saber quando era de alegria e quando era de tristeza. Ele delicadamente tirou minhas mãos de seu rosto e as beijou. 

- Preciso ir princesa. Eu te amo 

Ele disse me puxando vagarosamente pra perto dele 

- Eu também te amo amor... Vai com Deus

Falei sorrindo e beijando seu rosto, todo ele, a sua testa, bochechas, nariz, olhos, queixo, maxilar e por último sua boca. Ele fez o mesmo e então se afastou. Acenando prós meus pais e agradecendo por tudo, dizendo que esperava que tudo desse certo pra viagem de final de ano para Portugal. Se despediu de Sofia e novamente de mim. 

- Lembra, eu posso estar longe, mas eu nunca fui embora. 

Ele disse sorrindo ainda com semblante triste e me dando um beijo rápido. Seguindo para longe de mim, bem longe. 












Notas Finais


Olá amores. Comentem, espero que tenham gostado. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...